quinta-feira, outubro 28, 2021

Saab RBS 70NG

Pátria e morte

Destaques

Guilherme Poggiohttp://www.forte.jor.br
Editor da Revista Forças de Defesa

Chris Kyle matou, sozinho, comprovadamente, mais de 160 iraquianos (pelas contas dos colegas foram 255). E morreu sem entender nada da guerra, em que acreditava ter triunfado

 

Chris Kyle

Dorrit Harazim

vinheta-clipping-forte1 Nestes tempos de drones, como são chamados os aviões não tripulados capazes de matar à distância e anonimamente, sobra menos espaço para a glorificação individual de atiradores que se notabilizam pelo número de inimigos eliminados.

O texano Chris Kyle tem lugar garantido na história militar dos Estados Unidos. Como franco-atirador da tropa de elite Seal, da Marinha (a mesma que desentocou e executou Osama Bin-Laden dois anos atrás), ele serviu quatro turnos na guerra do Iraque.

Cumpriu como ninguém a missão para a qual fora treinado: garantir a proteção de seus companheiros na fase mais sangrenta dos combates. Matou, sozinho, comprovadamente, mais de 160 iraquianos (pelas contas dos colegas foram 255) e teve a cabeça colocada a prêmio de 20.000 dólares pelas milícias locais.

Ao retornar para casa, em 2009, trazia no peito dezesseis condecorações — entre elas 2 Purple Hearts, 2 Estrelas de Prata, 5 Estrelas de Bronze.

Kyle foi a resposta americana à atuação de um inimigo mítico conhecido como “Juba”, cuja ubiquidade e pontaria haviam se transformado em assombração para os soldados yankees em Bagdá. Vídeos de propaganda islâmica postados na internet mostravam “Juba” eliminando soldados americanos, um a um, noite ou dia, em grupo ou sozinhos.

Ninguém sabia quem era esse temido atirador islâmico que, além de matar, ainda narrava e filmava cada cena. Dependendo da fonte, seria um mercenário europeu ou um jihadista sírio. À época, a rede de notícias CNN chegou a submeter os vídeos a peritos, que concluíram não tratar-se de montagem.

Fosse quem fosse, “Juba”, portanto, existia, e, à falta de sua eliminação física, sua lenda, pelo menos, precisava ser contida.

Os estragos que um franco-atirador é capaz de causar na moral de tropas inimigas são conhecidos e povoam a narrativa patriótica de vários países. Na Finlândia, há mais de meio século o nome Simo Häyhä é pronunciado com orgulho de geração a geração.

Fazendeiro desconhecido quando a União Soviética invadiu seu país, em 1939, Häyhä, sozinho, eliminou uma unidade inteira de russos — mais precisamente 542, em menos de 100 dias. Entrou para a história com o apelido de “Morte Branca” por usar uma pelerine alvíssima que o camuflava na neve.

O americano Chris Kyle não alcançou os píncaros do finlandês matador, mas recebeu dos insurgentes o apelido de “Demônio” pelos estragos que provocou nas fileiras islâmicas na cidade de Ramadi. A destreza com que manuseava seu fuzil municiado de cartuchos .300 Winchester Magnum lhe rendeu feitos memoráveis. Gaba-se de ter acertado um alvo a 1,9 km de distância, em 2008, antes de o insurgente disparar um lançador de foguete que visava a um comboio americano.

Tudo isso e muito mais Kyle conta em suas memórias, “Atirador americano: a autobriografia do atirador mais letal da história dos Estados Unidos”, publicadas um ano atrás. Elas são preocupantes no tom e no conteúdo.

“Não sou muito fã de política”, diz ele no livro, “gosto de guerra”. Seu mundo se divide entre “bons” e “maus”, sem nuances ou espaço para dúvidas. Os americanos são “do bem” pelo simples fato de serem americanos, enquanto os muçulmanos são “do mal” por quererem matar os americanos.

“Odeio esses selvagens”, acrescenta, referindo-se aos iraquianos. Ao testemunhar perante uma comissão militar de inquérito, acusado da morte de civis, esclareceu: “Não atiro em quem tem um Corão na mão, mas bem que gostaria.”

Uma semana atrás, na tarde de um sábado ensolarado em Stephenville, Texas, Kyle foi morto a tiros pelo fuzileiro naval Eddie Rough, de 25 anos. Rough voltara da guerra com claros sinais de estresse pós-traumático e havia sido colocado sob vigilância por ter ameaçado explodir a cabeça do pai.

Procurando ajudar o filho, a mãe de Rough buscou apoio na fundação Fitco Cares, montada por Chris Kyle ao retornar do Iraque e que proporciona assistência a veteranos com distúrbios decorrentes da guerra.

O atirador nº 1 da América morreu aos 38 anos, alvejado num campo de treinamento de tiro do Texas. Não foi abatido por “Juba” nem por nenhum dos “iraquianos selvagens” que combateu. Foi derrubado em solo pátrio por um americano.

Em entrevista concedida por ocasião do lançamento de seu livro declarara não sentir arrependimento por nenhuma das mortes de sua folha corrida. Assegurou também não sentir qualquer desajuste decorrente da brutalidade de tantos anos de combate. “Nenhum dos problemas que tenho deriva das pessoas que matei”, garantiu.

Chris Kyle morreu sem entender nada da guerra em que acredita ter triunfado.

FONTE:
Blog do Noblat

- Advertisement -

19 COMMENTS

Subscribe
Notify of
guest
19 Comentários
oldest
newest most voted
Inline Feedbacks
View all comments
Bosco Jr
Bosco Jr
8 anos atrás

O cara era meio perturbado mas tinha uma fundação para ajudar ex-combatentes?
Ah! Tá!
E tinha um campo de tiro na “fundação” lotada de combatentes com estresse pós-traumático?
Ahhhhh!!!
Estranho, pra dizer o mínimo. É querer apagar fogueira com gasolina.
E nós é que somos um país exótico. rsrssss

Giordani
Giordani
8 anos atrás

“…É o que acontece conosco? Uma vida de conflitos sem tempo para amigos… e no fim só nossos inimigos deixam rosas. Vidas violentas terminando violentamente…nós nunca morremos na cama. Não é permitido. Algo da nossa personalidade, talvez? Algum impulso animal para lutar e se debater, fazendo de nós o que somos? Não é importante. Fazemos o que deve ser feito. Outros enterram a cabeça entre as tetas inchadas da indulgência e da gratificação, leitões procurando abrigo debaixo de uma porca… e o futuro se avista como um trem expresso.”

(Trecho retirado do Diário de Rorschach)

aldoghisolfi
aldoghisolfi
8 anos atrás

Foi um digno representante de um povo estressado e belicoso, que não pode prescindir de uma guerra para poder sobreviver. Sem a guerra os EEUU vão à bancarrota rapidinho. O sniper viveu pela espada e por ela foi morto.

(apenas para comentar: o Obama vai retirar as tropas do Afeganistão sem terminar o trabalho, como os russos; mais uma Chechênia?)

Giordani
Giordani
8 anos atrás

O obama é um fanfarrão! É o Jimmy Carter do século XXI! Depois USAmericanus colocam no Poder um outro Ronald Reagan, com uma bíblia numa mão e o big stick na outra…

Vader
8 anos atrás

Que descanse em paz o guerreiro que cumpriu seu dever.

ROTAnaRUA
ROTAnaRUA
8 anos atrás

Para dizer o mínimo e não ser editado: texto mequetrefe e um tanto quanto sensacionalista. “Gaba-se de ter acertado um alvo a 1,9 km de distância…” As palavras de Chris Kyle, que constam em sua autobiografia, sobre o tiro: “The moon, Earth, and stars aligned. God blew on the bullet, and I gut-shot the jackass.” e também “But the truth is, I’d been lucky as hell to hit the one I was aiming at.” Do modo como fora escrito pela jornalista, foi passada a ideia de que Kyle se vangloriava de seu tiro mais longo, entretanto, nota-se que o mesmo… Read more »

Andre Luiz
Andre Luiz
8 anos atrás

Sempre achei ao menos estes caras das forças especiais americanas alem de serem grandes guerreiros eram sujeitos cultos, bem articulados e politizados. Tem saído muitos livros a respeito tipo o ” Nao há dia fácil” “Navy seal isso”, “Navy seal aquilo” ” Cozinha maravilhosa do Navy seal” e coisas do tipo. Mas não adianta, soldado americano não consegue fugir do esteriótipo. Percebe-se que existe uma certa romantização, mas no fim os caras deixam transparecer que não passam de um bando de rednecks bitolados. Claro, bem menos malucos que os islamofascistas que enfrentam. O pessoal do SAS entre uma batalha e… Read more »

Corsario137
Corsario137
8 anos atrás

Eu fico com o Bosco, prosa mais sem pé nem cabeça.

No mais, acho uma injustiça quererem sequer compará-lo ao atirador finlandês. Este último sabia o que fazia e o porquê, não era um personagem vivo de CS, um lunático binário como este senhor. Americano BOM, islâmico RUIM, 010001000101001010…; um coitado.

Marine
8 anos atrás

Ha tempos que nao via tamanha asneira escrita no Forte. Quer seja a opiniao (disfarcada de artigo jornalistico) de um jornalista da ja esperada mentalidade “progressista, academica, elitista ocidental”, ou dos comentarios de alguns leitores. Estes que apesar de se julgarem entusiastas de assuntos militares, passam longe de entender o guerreiro o qual sonham poder ter sido.

Esperava mais, mas talvez seja esse completo disconnect com a realidade da guerra que faz do Brasil um pais com uma sociedade absolutamente apatetica a suas FAs e defesa em geral.

Bosco Jr
Bosco Jr
8 anos atrás

Marine, Eu já te adianto que embora entusiasta de assuntos relativos à Defesa, assunto esse que envolve várias nuances, tais como: tecnologia, história, política, geografia, sociologia, psicologia e porque não, até mesmo a caserna, nunca quis ser um militar (salvo recém formado há quase 30 anos, do corpo de saúde da FAB, por pura “falta de opção”, ou melhor, por excesso de opção, aliado à vontade de morar no RJ, rsrsrs ). O lado que menos me chama atenção no assunto é o lado estritamente militar, provavelmente por ser um pouco avesso à autoridade, daí fazer parte da penosa classe… Read more »

Marine
8 anos atrás

Bosco, Minha decepcao nao se relaciona a visao e interpretacao da etica do uso de snipers, muito menos com o Sr. Kyle em particular. O que me deixa frustrado, ate preocupado, e a falta de compreensao do civil com o militar hoje. Assunto que ja conversei muito com professores universitarios meus. No meu ver, seja nos EUA ou no Brasil (apesar de que desconfiar que no Brasil seja pior ainda), a contemporanea sociedade ocidental civil – e por consequencia formadores de opiniao ou lideres nacionais, e completamente ignorante (no sentido de desconhecer ao inves de falta de cultura ou inteligencia)… Read more »

Bosco Jr
Bosco Jr
8 anos atrás

Marine, Vou te contar uma historinha rápida que talvez não tenha nada a ver com nosso assunto mas que me deu vontade de compartilhar. Há uns 25 anos eu estava dormindo tranquilamente na minha singela quitinete (alugada) quando fui acordado na madrugada por um burburinho no outro lado da rua. De forma discreta eu espiei e me dei conta de uma viatura da PM abordando 3 rapazes. Nesse momento passava uma “prostituta” a pé (eu morava próximo a uma “rua suspeita”), dessas bem acabadinhas e já com muito tempo de estrada, literalmente de dar dó e nitidamente alcoolizada. Essa “senhora”… Read more »

aldoghisolfi
aldoghisolfi
8 anos atrás

BOSCO: bom dia. Vou dar meu pitaco, pois estava para postar com o Marine e acabastes escrevendo muito melhor o que eu iria colocar. Lastimo identificar no escrito do Marine o espírito guerreiro que caracteriza o norte-americano em geral. Esse espírito guerreiro é prepotente e coloca o cidadão de lá como detentor da grande verdade, a ponto de serem, por outorga própria, os xerifes do mundo. Dentro da incompetência, abrem conflitos que não encerram. Dependem visceralmente da guerra. Esse espírito guerreiro foi que levou ao quase extermínio dos seus índios e à morte do general Custer; que iniciou e não… Read more »

erabreu
erabreu
8 anos atrás

Marine,
Partilho o seu ponto de vista.
O critico mais cínico é o que se beneficia daquilo que critica, e, da forma mais descarada possível, faz-de-conta que não tem nada a ver com a situação.
É o mesmo tipo de atitude cretina dos defensores do “legalize já” ou dos defensores dos direitos humanos pra criminosos que não merecem ser chamados de humanos.

rsbacchi
rsbacchi
8 anos atrás

Marine,

Estou contigo.

Bacchi

ROTAnaRUA
ROTAnaRUA
8 anos atrás

Marine,

Concordo com você e digo mais.

Querendo ou não, o homem está em guerra desde que descobriu que com uma pedra poderia subjugar outro e, deste modo, fazer valer o seu interesse.

Desde então sempre existiu um indivíduo, uma tribo, um Estado, ou qualquer forma de organização humana mais poderosa que as demais e que, portanto, fazia e ainda fazem valer seus interesses, como é o caso dos EUA, atualmente.

Quem não tem poder para defender seus interesses faz o que muitos brasileiros fazem, criticar aqueles que tem.

ROTAnaRUA
ROTAnaRUA
8 anos atrás

*Correção: criticam aqueles que possuem.

Requena
Requena
8 anos atrás

Marine

Tô contigo e não abro.

Sou bem radical nesses casos. Só quem já cantou um hino nacional fardado pode julgar o que acontece numa guerra.

Todos os outros o fazem na base do “achismo”.
E dai meus amigos só aparecem os tais “especialistas de obra pronta”, aqueles que comentam em cima do fato consumado. E que em 99% dos casos só falam bobagens.

Bosco

Até entendo e respeito o seu pensamento. Porém discordo completamente deles. O que não diminui a admiração sobre seus comentários, sempre muito bem elaborados e que contribuem para enobrecer esses blogs.

paulsnows
paulsnows
8 anos atrás

“a guerra é um assunto importante demais para ser deixado aos militares”.

Georges Clemenceau, primeiro ministro da França.

Últimas Notícias

Saab leva soluções para defesa e segurança civil para SITDEF 2021

A Saab exibirá sua ampla gama de soluções terrestres, aéreas e navais de ponta para defesa militar e segurança...
- Advertisement -
- Advertisement -