Home Economia Brasileiro bate mexicano e é o novo diretor-geral da OMC

Brasileiro bate mexicano e é o novo diretor-geral da OMC

79
19

BERNARDO MELLO FRANCO
ENVIADO ESPECIAL A GENEBRA (SUÍÇA)
NATUZA NERY
FLÁVIA FOREQUE
DE BRASÍLIA

vinheta-clipping-forte1O brasileiro Roberto Azevêdo, 55, foi eleito nesta terça-feira como diretor-geral da OMC (Organização Mundial do Comércio). É a primeira vez em que um latino-americano é eleito para um mandato completo de quatro anos.

Na última fase da disputa, Azevêdo derrotou o mexicano Herminio Blanco, 62, e trouxe ao Brasil uma de suas maiores vitórias diplomáticas. A decisão foi tomada em Genebra com a participação dos 159 países que integram a entidade.

A presidente Dilma Rousseff e o Itamaraty fizeram campanha intensa pelo brasileiro desde dezembro de 2012. O chanceler Antonio Patriota já recebeu a notícia da vitória, e a delegação do México já reconheceu a derrota.

O placar da votação ainda não foi divulgado. Ontem, a União Europeia decidiu votar em bloco a favor do México, e com isso o Brasil contabilizou ter perdido cerca de 12 votos. Mesmo assim, conforme fontes diplomáticas, os votos mostram que o brasileiro conta com uma grande margem de representatividade e teve vitória “inequívoca”.

O resultado será anunciado oficialmente na quarta-feira (8) e a nomeação de Azevêdo será oficializada no dia 14, durante reunião do Conselho Geral da OMC. Ao todo, nove candidatos concorreram à sucessão do francês Pascal Lamy, dono do cargo há oito anos. Azevêdo assume o posto em setembro.

Nesta terça-feira, os três embaixadores que integram a comissão de seleção do novo diretor-geral se reuniram com as delegações do Brasil e do México para antecipar o resultado da disputa.

FONTE: Folha de São Paulo

19
Deixe um comentário

avatar
19 Comment threads
0 Thread replies
0 Followers
 
Most reacted comment
Hottest comment thread
14 Comment authors
Fabio SilvaSkyraiderCapovillafernandesTemplário Recent comment authors
  Subscribe  
newest oldest most voted
Notify of
Claudio Dönitz
Visitante
Claudio Dönitz

Mais uma rasteira dos nossos “parceiros estratégicos”.

Jacubao
Visitante

Vixi maria, se ja detonam as riquezas do Brasil, imaginem da OMC?????

Leandro_O.
Visitante
Leandro_O.

“Parceiros estratégicos”. Acho que seria mais correto dizer, interesses estratégicos. Porque no mundo é só o que existe. Nada de amiguxos…
No mais, parabén a nossa diplomacia. Na qual quase não se tem noticia…

Heron
Visitante
Heron

não sei se comemoro ou fico triste com essa noticia.
por um lado é um brasileiro nos representando lá fora, e
quem sabe defendendo nossos interesses comerciais

Por outro lado, pode ser mais um brasileiro corruPTo fazendo o que melhor sabe fazer, ROUBAR !

Observador
Visitante

Ah, o anúncio oficial é amanhã?

Então, ainda dá tempo para a diplomacia brasileira levar uma bola nas costas.

Eu não duvido de nada.

Vader
Membro
Trusted Member

Mais uma vitória de Pirro para a sempre gloriosa diplomacia do Itamaralívia. Como a tese “multilateralista” do Itamaraty do PT tomou um pau monumental das grandes economias do mundo na Rodada Doha da OMC, ganhamos agora o prêmio de consolação, graças ao resto dos pobres do mundo, que votam na OMC. Enquanto o mundo segue fazendo seus acordos bilaterais entre as economias, o Brasil tem um único acordo de bilateral de comércio com… Israel!!! Era para ter também com Egito e… Palestina (!) mas… naufragaram ambos! Sim, porque até o Mercosul virou uma peça de ficção, ainda mais depois que… Read more »

Raul
Visitante
Raul

Pelo menos na esfera diplomática o Brasil mudou muito. Foi se a época que os EUA mandavam e os diplomatas vira-latas abaixavam a cabeça.

Wellington Góes
Visitante

Realmente eu não entendo esse pessoal, se algum compatriota perde a chance de chefiar uma importante instituição internacional, o pessoal agora achar culpados pelo “fracasso”. Se ganha é a mesma choradeira? Ah tá, é a tal da ideologia partidária, só pode!!! O cara foi eleito não porque é partidário desse ou daquele partido político brasileiro, o cara foi eleito porque teve uma carreira irrepreensível durante toda a sua carreira na instituição, ponto. O resto, é dor de cotovelo de coisa que não tem nada haver com o ocorrido. Parabéns ao Diplomata Azevêdo e que lhe faça um bom serviço a… Read more »

Manock
Visitante
Manock

Parabéns ao País, ao Itamaraty e ao Governo. Se tal cargo não significasse nada não haveria interesse por ele, simples assim. Mas é bom lembrar que em diplomacia as mudanças são lentas, simbólicas e graduais, e nesse sentido, é inegável que o multilateralismo tem se tornado cada vez mais uma realidade, ainda por se edificar, mas em vias dê. Quem não vê isso, ou é estúpido, ou por ódio ao pensamento divergente do seu, se cega no polo oposto àquele que mais combate e aí, fica perdido no doutrinamento ideológico à direita ou à esquerda , tanto faz, está cego… Read more »

Templário
Visitante
Templário

UFA! Ainda bem que a UE votou em peso no México. Se isso aconteceu, deve dar a lógica no F-X2: SF-18A Super Hornet ou Grippen NG. Os americanos são FDP, mas se existe uma coisa certa é que com eles “vale o que está escrito”, e nem em Las Vegas há o jogo do bicho! Já os franceses, eles não cumprem o que se acerta, seja nos bastidores (Lula e NJ que o digam), seja na letra. A FAB sabe muito bem disso, quando da implantação do SISDACTA com material francês, fornecida pela antiga THOMSON. Já os suecos, vendo como… Read more »

Vader
Membro
Trusted Member

A idéia do multilateralismo é linda. Num mundo perfeito, é o melhor a se fazer. Mas o mundo não é perfeito, e não adianta ser “sonhático” entre nações: nações tem interesses, não amigos. Só que o Brasil/PT se esqueceu de “combinar com os russos”, ou seja: Estados Unidos, Europa, China e Japão, entre outras das maiores economias do mundo. Como essas nações representam mais da metade da economia do planeta, o Brasil vai fazer multilateralismo sem a maior parte do globo terrestre, ou seja: vai dividir a OMC que, no final das contas, passará a ser irrelevante. É o PT… Read more »

fernandes
Visitante

tem gente que não sabe o que escreve…..mas é melhor que ele escreva ….

Capovilla
Visitante
Capovilla

Quem acompanha as relações internacionais, onde não há inocentes, mas interesses, reconhece a enorme vitória política brasileira. Primeiro porque é na OMC que as “guerras comerciais” se desenvolvem, dando grande poder para quem media os conflitos. Segundo, pelo fato do Brasil derrotar no voto os “grandes países”, coisa que reforça a tese de que a ONU precisa se readequar aos tempos do pós-guerra fria, dando espaço para novos atores globais. E, por último, observar que os países menores, ampla maioria no mundo, enxergam no Brasil um aliado confiável, um mediador entre o uns poucos grandes e muitos pequenos. Sem dúvida… Read more »

Skyraider
Visitante
Skyraider

Não sou especialista em comércio exterior, mas me parece que se acordos bilaterais devem ser complicados, acordos multilaterais me cheiram utopia.

Manock
Visitante
Manock

Então o PT vai destruir as instituições internacionais?

Santo divino pai do céu das pessoas de bom senso… o bolsonarinho escreveu isso mesmo?

(tô passando mal de rir aqui)

Vader
Membro
Trusted Member

Manock disse: 8 de maio de 2013 às 19:36 Parceiro, já destruiu. Já aparelhou. A OMC sai dividida do episódio, com mais da metade da economia do mundo (do dinheiro, e consequentemente do poder) não apoiando a escolha, que foi determinada pelos votos dos países menores e mais pobres. Qual a consequência? Os países de economia mais forte vão se afastar cada vez mais da OMC e vão prosseguir firmando seus acordos bilaterais. Quando estiverem bem resolvidos, vão negociar com a “OMC do B” de uma posição de força, e não irão estar nem aí para o tal multilateralismo, a… Read more »

Capovilla
Visitante
Capovilla

Caro Vader. Não é bem assim como você imagina. Os países ricos precisam das commodities principalmente agrícolas dos países pobres em troca querem garantia que seus produtos industrializados não sejam “pirateados”, principalmente softwares. Isso independe de acordos bilaterais, necessitam de uma negociação global, que está paralisada muito antes do Brasil assumir a direção da OMC. A falta de um acordo global só beneficia a China e alguns países asiáticos. Acredito que os europeus entenderam o recado, o mundo não é mais bipolar (embora alguns ainda acham que sim) e vão abrir negociações no sentido do acordo. Na prática da política… Read more »

Vader
Membro
Trusted Member

Capovilla disse: 9 de maio de 2013 às 12:21 Parceiro vc não disse nada novo em seu comentário, embora eu faça a ressalva de que os EUA por exemplo são a maior potência agrícola do mundo, e podem muito bem viver sem o Brasil e outros emergentes exportadores de commodities. O fato é: enquanto o Brasil insiste na sua tese multilateralista, países menores estão se dando muito melhor com base em acordos bilaterais. O multilateralismo morreu em Doha. Foi assassinado por quem tinhapoder para isso: os países ricos. Se o Brasil ficar se apegando a ideologias ultrapassadas ao invés de… Read more »

Fabio Silva
Visitante
Fabio Silva

De que adianta colocarmos alguém para dirigir a OMC? A nossa participação no comércio mundial é irrisória, pequena demais… Foi um esforço em vão(mais um do nosso Governo Federal).