Home Armas não letais Protestos em SP: estratégia da polícia na Consolação foi correta, dizem ex-PMs

Protestos em SP: estratégia da polícia na Consolação foi correta, dizem ex-PMs

712
102

Enfrentamento manifestanes e PM-SP em  São Paulo em 13jun - foto Estadao via G1

Coronel e major da corporação foram ouvidos pelo G1 após protestos – Eles comentaram confronto entre policiais militares e manifestantes em SP

 –

vinheta-clipping-forte1Ex-policiais militares ouvidos pelo G1 consideram que a corporação de São Paulo agiu corretamente e cumpriu o seu dever ao reprimir a passagem dos manifestantes pela Rua da Consolação, no Centro de São Paulo, na noite da última quinta-feira (13). Um grupo que protestava contra o aumento das tarifas de ônibus e metrô na cidade foi reprimido ao tentar subir a via e seguir em direção à Avenida Paulista. Apesar do confronto, o secretário de Segurança Pública, Fernando Grella, disse que não houve erro estratégico.

Para José Vicente da Silva Filho, que foi coronel da Polícia Militar de São Paulo, secretário Nacional de Segurança e atualmente é professor da Academia da PM de SP, o confronto era inevitável. Para ele, mesmo se o ponto da abordagem fosse diferente, os resultados seriam parecidos.

“Não vejo como o conflito poderia ser evitado. A PM não tinha outra saída a não ser impedir o avanço dos manifestantes na Consolação, que é uma importante via do Centro. Os manifestantes haviam descumprido um acordo para não subirem por ela. Por esse motivo, foi preciso dispersar o grupo e a força empregada foi compatível com o problema”, disse Silva Filho.

O mesmo entendimento é do ex-major da PM, Diogenes Viegas Talli Lucca. “A PM usou o recurso adequado para aquela ocasião. A única falha da polícia foi a de não ter entrado com força máxima na terça-feira [durante o terceiro protesto organizado pelo Movimento Passe Livre (MPL) na capital]. Se tivesse usado a Tropa de Choque na terça, a manifestação teria diminuído na quinta”.

Enfrentamento manifestanes e PM-SP em São Paulo em 13jun - foto 3 Estadao via G1

A análise dos especialistas sobre a legitimidade da ação da PM vai de encontro ao próprio discurso do governo paulista, da Secretaria da Segurança Pública do Estado e do comando da PM. Apesar disso, Silva Filho e Lucca disseram ter percebido desvios de condutas de alguns policiais que precisam ser apuradas. A Corregedoria da PM apura se parte dos seus comandados abusou do poder de polícia ao conter o manifesto. Relatos de truculência e agressão contra pessoas circulam na internet, juntamente com fotos de feridos por balas de borracha atiradas pela Tropa de Choque.

“Sem lideranças é difícil manter um diálogo. Isso coloca policiais que não estão acostumados ao estresse, como a Tropa de Choque, a lidar com manifestantes propensos ao confronto. Diante disso, há o risco de atos isolados de abuso”.

“Tenho que admitir que teve ações isoladas de policiais que foram de desvio de conduta”, disse Lucca, que sugere que a PM reforce o policiamento durante o protesto marcado pelo MPL na próxima segunda-feira (17) na capital. “Espero que a PM tenha aprendido a lição e entre com força máxima nesse dia, colocando policiais à paisana para identificar vândalos e já fazer as prisões. A manifestação é legítima, desde que não afete a vida das outras pessoas.”

Secretário nega erro estratégico

Na sexta-feira (14), o secretário da Segurança Pública, Fernando Grella, foi questionado se houve erro na ação dos comandantes da Polícia Militar na intervenção dos policiais durante o protesto. “A operação era necessária, era complexa, era de riscos, aconteceram esses fatos, mas não temos nenhum fato neste momento que aponte erro estratégico a recomendar qualquer medida em relação aos comandantes da operação”, afirmou.

Segundo o major Marcel Lacerda Sofner, porta-voz da PM, os policiais da Tropa de Choque só atiraram em direção aos manifestantes com intuito de dissipá-los porque foram atacados por eles.

Indagado se atirar contra os manifestantes naquele local, um dos prontos mais movimentos da capital paulista, não colocou a população em risco, o oficial disse que o uso da força observou a determinação para que os tiros fossem disparados apenas para dispersão. Segundo ele, a PM seguiu um protocolo de atuação que levou em conta cinco itens, inclusive a segurança dos policiais.

Em relação à prisão dos manifestantes que portavam vinagre, Grella respondeu que o porte da substância não é proibido. “Não é proibido, não me consta que ninguém tenha sido formalmente preso pelo ato”. Ele ressaltou que quando a PM faz esse tipo de abordagem não se sabe o tipo de produto exato e que os detidos foram liberados na delegacia após prestar esclarecimentos.

mapaprotestosp quinta 13 junho - imagem G1

Uso da força em protestos não é ilegítimo nem autoritário

É provável que investigação da PM traga à tona erros cometidos na operação montada para conter protestos em São Paulo. Mas exageros e erros não devem colocar em xeque o direito e o dever policial de zelar pela ordem

Na manhã de sexta-feira, o secretário de Segurança Pública de São Paulo, Fernando Grella Vieira, autorizou o início de uma investigação para averiguar se houve excessos da PM durante a última passeata do Movimento Passe Livre na capital do estado. É provável que a investigação da Corregedoria da PM traga à tona erros cometidos na operação para conter e dispersar os manifestantes. Na internet espalham-se imagens de pessoas que alegam ter sido agredidas de maneira arbitrária. Notoriamente, há déficits no treinamento dos policiais brasileiros.

Uma análise não muito profunda dos confrontos de quinta-feira mostra que não foram seguidas à risca diversas recomendações do Código de Conduta para Agentes de Segurança Pública das Nações Unidas, uma espécie de código internacional para ações policiais durante manifestações públicas. Isso não significa, no entanto, que tenha sido ilegítima a ação da PM na marcha de São Paulo. É uma questão de princípios. “No Estado de Direito, a Polícia tem autorização para usar a força a fim de garantir a ordem e a segurança”, diz Maria Stela Grossi Porto, socióloga e membro do Núcleo de Estudos sobre Violência e Segurança da Universidade de Brasília. “Mais ainda, o uso da força é monopólio dela.”

Enfrentamento manifestanes e PM-SP em 13jun - foto 2 Estadao via G1

A tentativa de fazer da ação da PM um exemplo de autoritarismo comparável à repressão dos tempos de regime militar no Brasil, ou à ação das polícias de regimes ditatoriais, é um evidente absurdo, uma vez que o país não vive um regime de exceção. Mais razoáveis seriam comparações com embates ocorridos nos Estados Unidos e na Europa – ou seja, em nações democráticas – em anos recentes. Londres, Madri, Nova York, Toronto são apenas algumas das metrópoles que foram palco de choques entre a polícia e ativistas inspirados por ideais não muito diferentes daqueles abraçados por quem protesta em São Paulo – a rejeição ao “sistema”, em algum de seus aspectos particulares ou de maneira genérica.

Em novembro de 2011, por exemplo, durante a desmonte dos acampamentos de manifestantes do Ocupe Wall Street, em Nova York, ao menos 300 pessoas foram presas. Houve uma larga discussão sobre “uso abusivo da força” e dois oficiais se tornaram emblemas desse hipotético excesso, pelo uso indiscriminado de spray de pimenta. Eles foram submetidos a sindicâncias e punições, mas nenhum deles sofrera uma ação criminal, como foi decidido em meados de abril deste ano. Em reportagem sobre o caso, o jornal The New York Times ouviu um especialista em direito penal que ressaltou a dificuldade em se processar policiais envolvidos em situações “caóticas” como a de uma manifestação de rua. “Seria preciso provar, para além de qualquer dúvida razoável, que o polícial usou a força em total desacordo com as suas atribuições”, disse o ex-promotor Thomas J. Curran. “Ocorre que o uso da força é parte das suas atribuições.” Quando posta em movimento, nenhuma polícia é angelical.

Uso da força — “É muito tênue o limite do que é legítimo e do que não é em situações de multidão”, diz Maria Stela Grossi Porto. “Os casos precisam ser sempre analisados individualmente.” Os possíveis exageros e erros da quinta-feira não devem, portanto, colocar em xeque o direito e o dever policial de zelar pela ordem durante uma passeata. A sua presença é a única maneira de garantir a segurança dos transeuntes, do patrimônio público e, em certas circunstâncias, até mesmo dos manifestantes — uma vez que as marchas costumam reunir um público heterogêneo, como sem dúvida foi o caso nos últimos dias em São Paulo. Isso não está em contradição com a necessidade – também ela permanente – de aprimorar e “civilizar” as forças policiais.

Num ato de rua, ditam os protocolos, a polícia deve seguir três passos: esclarecimento, contenção e repressão. Num primeiro momento, há que se coletar informações sobre o movimento e negociar locais e itinerários com os manifestantes. Isso foi feito na quinta-feira em São Paulo, e um dos motivos da situação ter fugido ao controle foi a tentativa de alguns líderes da passeata de mudar o trajeto combinado e furar ou contornar o bloqueio policial. A fase de contenção é preparada para quando a manifestação pode evoluir a um tumulto. Nessa situação, a tropa de choque se posiciona de maneira ostensiva para tentar dissuadir os manifestantes. Entre esse momento e os primeiros atos de repressão, uma série de medidas dissuasórias deve ser empregada.

Enfrentamento manifestanes e PM-SP em  São Paulo em 13jun - foto 4 Estadao via G1

Segundo José Inácio Cano, do Laboratório de Análise de Violência da Universidade do Estado do Rio de Janeiro (Uerj), reclamações sobre o uso abusivo da força policial durante manifestações são comuns no mundo todo. “É importante que fique claro apenas uma questão: a primeira abordagem policial tem de ser sempre pacífica, a tentativa de ganhar os manifestantes pela conversa, pela negociação.” Um histórico de manifestações anteriores não deve justificar ações açodadas. “A polícia não pode dar início a uma ação repressiva com base em algo anterior. Assim como tem o direito de usar a força, o policial é profissional e deve ser treinado para não agir no impulso.”

(des)preparo — “O policial precisa ser mais bem treinado, precisa de educação continuada e de socialização. Infelizmente, isso ainda não atinge aquele policial que está na linha de frente”, diz Maria Stela. Uma medida relativamente simples de aprimoramento, testada em outros países e ainda de maneira incipiente no Brasil, é a criação de relatórios diários. Em linhas gerais, isso significa que o policial, após um dia de trabalho, deve relatar por escrito o que aconteceu e como atuou em cada ocorrência. “Esse é um caminho eficiente, usado em países estrangeiros, para que o policial reflita sobre seus atos e tenha um retorno sobre se agiu, ou não, corretamente.”

Enfrentamento manifestantes e PMSP em São Paulo - foto Veja

Recomendações da Anistia Internacional

Facilite manifestações públicas pacíficas

É direito legítimo das pessoas se manifestarem publicamente. A função da polícia é facilitar e não coibir a marcha. Em casos de manifestações não violentas, mesmo aquelas que não respeitem às leis, a polícia deve evitar o uso da força. Se inevitável para assegurar a segurança, deve-se usar o mínimo de força necessária.

Proteja manifestações pacíficas

Violações menores da lei, como pequenos danos à propriedade, devem ser investigadas e, eventualmente, responsabilizadas. Elas não devem, entretanto, levar à dispersão da manifestação. A decisão de se dispersar a marcha deve ser tomada com base em princípios de necessidade e proporcionalidade — apenas quando não há outra maneira de se proteger o público de uma onda de violência eminente. Em locais onde minorias tentam transformar uma manifestação pacífica em violenta, os policiais devem proteger os manifestantes pacíficos.

Reduza situações de tensão e violência

A comunicação com a organização do movimento deve criar um vínculo de compreensão mútua e prevenir a violência. Em locais nos quais casos de violência são muito prováveis, a comunicação se torna ainda mais importante. Quando a decisão de dispersar a multidão é tomada, essa ordem deve ser claramente comunicada e deve-se dar tempo suficiente para as pessoas se dispersarem.

Use a força policial apenas para manter a lei

A força não deve ser usada para punir participantes que não cumpriram ordens ou contra aqueles que simplesmente participam da manifestação. Prisões devem ser feitas de acordo com os procedimentos previstos em lei, e não devem ser usadas como mecanismo para evitar a participação na marcha ou como punição.

Enfrentamento manifestantes e PMSP em São Paulo - foto 2 Veja

Minimize os danos, preserve e respeite a vida e proteja aqueles não envolvidos

Armas de fogo não devem ser usadas para dispersar uma multidão. Cassetetes e armas de baixo impacto não devem ser usadas contra pessoas que não são agressivas ou que não apresentam ameaça. Quando o uso dessas armas for necessário, os policiais não devem causar sérios ferimentos e evitar lesionar partes vitais do corpo. Produtos químicos irritantes, como gás lacrimogênio, não devem ser usados em ambientes fechados ou de uma maneira que possa causar danos permanentes.

Seja responsável com a população e o judiciário

Qualquer uso de força durante uma manifestação deve ser motivo de análise e, quando apropriado, de sanções disciplinares e criminais. Reclamações contra a polícia devem ser investigadas de maneira imparcial.

Enfrentamento manifestanes e PM-SP em  São Paulo em 13jun - foto 5 Estadao via G1

FONTES: G1 e Veja

FOTOS: Estadão via G1 e Veja

NOTA DO EDITOR: solicitamos que o debate seja sobre questões técnicas e operacionais quanto ao preparo policial para missões de acompanhamento e contenção de manifestações, e não sobre os méritos, justificativas e origens dos diversos protestos, ou mesmo sobre questões político-partidárias.

102
Deixe um comentário

avatar
102 Comment threads
0 Thread replies
0 Followers
 
Most reacted comment
Hottest comment thread
23 Comment authors
ivanildotavaresernaniborgesRenato.BaldoghisolfiRafael M. F. Recent comment authors
  Subscribe  
newest oldest most voted
Notify of
Bosco Jr
Membro
Trusted Member
Bosco Jr

Aldo, Continuando com o papo lá do Aéreo, como você sabe mais do que eu as tais “armas não letais” só são não letais no nome e se usadas de maneira incorreta podem ser tão letais quanto uma arma dita letal. Vi pela TV um manifestante que foi atingido na perna por uma bala de borracha lançada por uma espingarda a uns 10 metros de distância e o rombo foi feio. Eu sinceramente prefiro ser atingido por um 22 que faz menos estrago. rsrrss Há “armas não letais” e “armas não letais”. Aqui no Brasil parece que usam só balas… Read more »

Almeida
Visitante
Almeida

Eu vi com meus próprios olhos e basta fazer uma busca rápida no Youtube para que vocês vejam com os seus próprios olhos também. O abuso da PMSP não foi “isolado”, foi generalizado! E eles não estavam ali pra prender vândalos, mas para dispersar a população, que se manifestava pacificamente. Não foi um ou outro PM, foram todos eles em formação tática, sentando o dedo! À curta distância. Em qualquer pessoa. Depois de acuá-los em emboscadas. Definitivamente não foi erro de um policial ou outro, mas do comando! Sério, estamos de volta à 1964. E a ________ vai voar pra… Read more »

Almeida
Visitante
Almeida

Aqui estão agrupadas as infrações que a mídia (Globo, Estadão, FSP e afins) não vão mostrar na TV e nos jornais:

http://www.melhorquebacon.com/24-momentos-protesto-sao-paulo/

Colombelli
Visitante
Active Member
Colombelli

Não tenho filiação político partidária e tampouco procuração do governo paulista, até porque sequer resido no Estado. Ainda assim, chancelo as palavras do governador de São Paulo no sentido de que se não fosse atuação da polícia os dan”os teriam sido piores e que se abusos ocorreram devem ser apurados.” Para começo de conversa, parece que um aumento de R$ 0,20 não justifica toda esta revolta. Roubalheira de mensalão e outras era motivo bem maior pra passeata do que 20 centavos e nada foi feito. Tudo muito suspeito. Salta a vista que o verdadeiro movel dos protestos não é uma… Read more »

Marcos
Visitante
Member
Marcos

Não vou entrar no lero-lero político, mas apenas colocar aqui o que escreveu o jornalista Reinaldo Azevedo (Veja), que resume bem os acontecimentos em questão: “Quem leva um lança-chamas para uma manifestação está em busca de quê? De paz? Não me parece. Também se viram coquetéis molotov, rojões, paus, pedras e o infalível spray, que vai sujando tudo. Quase 300 ônibus foram depredados. Duas estações de metrô foram seriamente danificadas. Desde o primeiro dia, os líderes das manifestações deram inúmeras declarações afirmando que a manifestação seria pacífica, sim, desde que a polícia se comportasse. O que isso quer dizer? O… Read more »

Marcos
Visitante
Member
Marcos

E como dizia um amigo: quando a coisa chega no limite de a polícia precisar ser chamada e intervir, é porque na verdade já passou dos limites. Esperar o quê?

Cumpriu bem a PM o que lhe mandaram fazer, preservando o patrimônio público e o direito de ir e vir das pessoas.

Almeida
Visitante
Almeida

Colombelli, diferente de você, eu tenho filiação partidária. E nunca escondi, pelo contrário tenho orgulho, meu posicionamento liberal e libertário. Por isso sou totalmente contra o MPL, o PSTU, o PSOL e demais partidos e movimentos comunistas/marxistas. E também sou contra a bandeira de estatização do transporte público pregada por eles nesses protestos. E de fato, nos três primeiros protestos, houve muita movimentação política e, principalmente, baderna e vandalismo. O que eu condeno. Mas o que eu condeno mais ainda, é a truculência do Estado que eu vi na última quinta feira. Contra ao à favor de nossas próprias opiniões,… Read more »

Almeida
Visitante
Almeida

Marcos, esse crápula do Reinaldo Azevedo mente descaradamente de acordo com seu próprios interesses escusos.

Ele ser contra nossos “inimigos” comunistas não faz dele uma pessoa isenta de fisiologismos e corporativismo, muito menos dono da verdade.

Pare de ler o blog dele e vá nas redes sociais ver o que aconteceu, gravado pelo povo, com seus próprios olhos!

Almeida
Visitante
Almeida

Quanto à imprensa, veja o vídeo abaixo e me diga se não houve abuso de poder por parte da tropa de choque:

http://youtu.be/TvtmaL3rSLI

Se vocês ainda acharem que aqueles bandidos fardados no meio da Rua da Consolação estavam certos, tinham o direito de reprimir e atacar a imprensa que estava ali fazendo seu trabalho de cunho social e democrático, vou ter que passar a me despedir de vocês com um Heil…

Antonio M
Visitante
Member
Antonio M

Se é preciso responsabilizar os PMs que abusaram do poder, também é preciso responsabilizar os responsáveis pela depredação. O prefeito anterior aumentou a passagem muito mais e não houve nada disso. Será que é por causa de sua adesão ao poder central? Criou outro partido de aluguel durante o seu mandato apenas para legitimar essa adesão, o fisiologismo. Não entendo como de repente um aumento de passagem pode desencadear isso! E o atual prefeito ganhou essa eleição em cima de um outro candidato que estava com elea ganha, que perdeu justamente por explicar mal uma proposta de altarar a forma… Read more »

Marcos
Visitante
Member
Marcos

Não preciso parar de ler o RA, nem ir as redes sociais, preciso só ver as imagens acima, de grupos ARMADOS.

Quando há tumulto, ou quando sei que haverá, simplesmente não vou ou me afasto do local, porque é provável a pancadaria. Quem prefere ir sempre correrá o risco.

Vale ressaltar que a coisa toda saiu do controle quando os que faziam a manifestação simplesmente resolveram que iriam mudar o trajeto. Deu no que deu.

Colombelli
Visitante
Active Member
Colombelli

Almeida, o seu comentário tem a afirmação e confirmação das minhas premissas. Se houve em três oportunidades movimentação política, o que se poderia esperar de uma quarta? Ora se houve antes, quem vai agora sabe o que esperar, salvo se muito incauto ou ingênuo. Você, embora seja testemunha ocular e privilegiada, e portanto, fala com mais conhecimento de causa que nós, certamente não viu todo protesto e especialmente a meia duzia de elementos plantados que começam a baderna como sempre. Para estes a manifestação era politico/partidária. E são eles que começam, que fazem a frente. Que começam o quebra-quebra, que… Read more »

Colombelli
Visitante
Active Member
Colombelli

acima onde se lê taquaços leia-se taquaraços. As taquaras usadas como mastro das bandeias viraram clavas. So não tomamos um couro do PELOPES, que fazia as vezes da turba, porque dois cachorros nos salvaram.

Flávio Vilaça
Visitante
Flávio Vilaça

Que a população e os jovens de SP continuem suas manifestações contra os abusos. Não é apenas R$0,20 que estão em jogo, parece que o povo cansou de tanto abuso.

Infelizmente alguns podres comunistas destes partidos de araque se infiltram nas manifestações para deturpa-las. Essa corja deveria se envergonhar.

Mas o povo precisa continuar com as revoltas, embora sem violência. Somente assim poderemos mostrar aos menos instruídos que é possível mudar e que os que estão no poder tem que ser mudados.

NOTA DOS EDITORES: FAVOR ATENTAR PARA O QUE É SOLICITADO NA NOTA DO EDITOR AO FINAL DA MATÉRIA

Flávio Vilaça
Visitante
Flávio Vilaça

Senhores editores, desculpem-me. Não li a nota editorial no final da matéria.

Marcos
Visitante
Member
Marcos

Tecnicamente escrevendo, a PM usou simplesmente a força e não se utilizou de violência, como querem alguns.

Se tivessem se utilizado de violência, teríamos um monte de gente internada em hospitais, o que não é o caso.

Mas como hoje é domingo, está chovendo e faz frio, a turma do apito resolveu ficar em casa. Envergonhariam Lenin e Stalin e ambos, provavelmente, mandariam essa turma de comunistas meia boca para algum gulag.

Encerro por aqui.

Almeida
Visitante
Almeida

Ver as fotos publicadas na mídia de um dos lados e ignorar todas as demais evidências é ser muito míope. Digo e repito: a situação não estava tensa até a PMSP largar o dedo. Não houve escalada de violência, estava tudo calmo e de repente BUM! gás e borracha pra todo lado, indiscriminadamente. Querem provas? Querem vítimas nos hospitais? Basta ir lá e ver os prontuários, basta ver a quantidade de pessoas com marcas de tiros NA CARA nos vídeos. O pior cego é aquele que não quer enxergar. O pior ignorante é o que não quer buscar a verdade.… Read more »

Almeida
Visitante
Almeida

Este vídeo aqui foi gravado hoje por um amigo meu, advogado, meia idade, casado, direita, morador do bairro de São Cristovão no Rio de Janeiro:

http://youtu.be/l2nFIZO3qjA

Tirem suas conclusões.

Almeida
Visitante
Almeida

Colombelli disse em 16 de junho de 2013 às 19:32:

“Todo mundo sabe o que vai acontecer. Repito, quem vai assume o risco.”

Engano seu, eu não sabia. Até onde me constava, a confusão estava do outro lado da Consolação e eu saí do meu escritório em Higienópolis tranquilo. Mas fiquei preso no trânsito e a graças à ação da PMSP a manifestação virou conflito e chegou até o outro lado, na Rua Angélica.

Colombelli
Visitante
Active Member
Colombelli

Almeida, mas então vc não foi na manifestação. Foste apanhado por ela. Quem vai, quem foi, assume o risco. Se três ja foram politicagem a quarta seria também, e as proximas também o serão, salvo se mudar muito. Esta visto quem esta infiltrado no meio. E depois que degenera, claro que espalha. Culpados foram os que mudaram o itinerário. Por que mudaram? Qual o objetivo? Agora pelas ultimas noticias irão fazer o que ja tinham de ter feito antes, ou seja uma reunião com a PM pra ver o itinerario certo e organizar as coisas antes. Tivessem feito antes, não… Read more »

Renato Oliveira
Visitante
Member
Renato Oliveira

Boa noite a todos. Inicialmente, devo dizer que fiquei muito feliz ao ver o presente artigo na Trilogia, e o sensato direcionamento dos moderadores. Como sempre, o nível está muito bom. Prezado Almeida, não vou – e nem tenho como – contestar seus argumentos. Eu não estive lá, a mídia mal cobriu os acontecimentos, sinto muito pelos danos físicos, morais e outros que você sofreu. Prezado Colombelli, concordo com você. Jesus ama quem teve a ideia de mudar o trajeto, mas por mim cabe o meme genius para o indivíduo. Esse deveria ter, no mínimo, pensado na probabilidade, muito alta,… Read more »

Almeida
Visitante
Almeida

Mas estou relatando aqui a incompetência da PMSP em controlar uma situação que não era, nem de longe, tensa. Estou trazendo fatos, como diversos vídeos mostrando as ações e meu próprio relato ocular, e mostrando os resultados dessas ações. Sem politicagem. Até porque sou contra o MPL. Estou questionando a capacidade da PMSP de conter elementos subversivos em meio à uma manifestação popular legítima. A PMSP usou munição com validade vencida em DEZEMBRO/2010. A PMSP deu tiros de calibre 12 a menos de 10 metros na cabeça de manifestantes que estavam fugindo, e não enfrentando-os. A PMSP cercou os manifestantes… Read more »

Drcockroach
Visitante
Drcockroach

Sinceramente acho dificil discernir o que estah acontecendo, mas o colega Almeida estah dando um testemunho que houve abuso por parte da policia, portanto algo saiu errado. Liberdades civis foram violadas. Se isto foi generalizado ou pontual, se houveram mais casos de violencia por parte dos manifestantes, ou sh*ts happens, etc, nao sei dizer. Seria importante haver um mapeamento dos conflitos; isto existe? Eh uma linha tenue em que a policia tem que exercer seu papel de garantir a seguranca publica, mas ao mesmo tempo tem que ter treinamento p/ discernir manifestantes pacificos (mesmo que tenham usados rotas diferentes) dos… Read more »

Almeida
Visitante
Almeida

Colombelli, parece que um Cel da PMSP chegou a conversar com os manifestantes e garantir a passagem segura deles de uma área para outra, mas assim que ele saiu da área, a confusão começou. Mas isso eu não tenho como garantir.

Eu só gostaria mesmo que fosse tudo apurado por terceiros. Fico indignado de ter minhas liberdades civis cerceadas, seja por grupos de subversivos com agenda política, seja por agentes do Estado seguindo a agenda política de seus superiores.

ci_pin_ha
Visitante
ci_pin_ha

Independente de quem começou a “baderna” e se ocorreu excessos pelo lado da polícia, acho que chegou a hora de discutir fim de duas polícias no Brasil (militar e civil). Nós devemos possuir uma polícia única e civil, assim como em boa parte do mundo, onde se começa como “agente” policial (repressivo, nas ruas), possa posteriormente passar para setor investigativo e possibilite chegar aos postos mais altos. Esses policiais por terem passado pelo serviço de repressão e convivendo com as realidades das ruas, saberão implementar métodos melhores para o combate e investigação de determinados crimes.

Renato.B
Visitante
Renato.B

Parabéns ao povo do Blog por propor uma análise desse nível. Primeiro ponto que as várias polícias agora estão lidando com uma situação bem complexa e que geralmente tem sua quota de problemas em qualquer lugar do mundo. Faz-me rir ver gente no facebook falando que “na Europa é diferente” como se os policiais de lá distribuíssem flores manifestantes e nunca se jogasse lixo no chão. O que não perdoa o estrago de vandalos ou erros da polícia. Para apimentar um pouco mais a discussão o Estadão fez uma análise bem interessante dos problemas de coordenação no Comando da PM,… Read more »

Renato.B
Visitante
Renato.B

Para variar acho que são necessárias algumas ações menos vistosas: Inteligência: é preciso identificar quem está na manifestação só para tocar o terror e pegar esse cara tão cedo quanto possível. Isso significa identificar esses caras por redes sociais e agentes a paisana? Ótimo. Nesse ponto acho que os PM’s estão corretos em revistar mochilas de manifestantes e prender infelizes com coquetéis molotov, spray, facas, correntes e cia. Na dúvida entre gasolina e vinagre é melhor um manifestante sem vinagre que alguém queimado. Disciplina: na boa, quebrar vidro de viatura com o cassetete, como saiu num vídeo? Desligar câmeras de… Read more »

Marcos
Visitante
Member
Marcos

1) Parte desse grupo foi para a rua já armada, ou seja, queriam briga. Outro ainda postou: “vamo por fogo em SP”. 2) Eles tinham um itinerário que não cumpriram. Qual o problema? Onde eles queriam ir, iria trancar todo o trânsito. E Qual o problema disso? Bom, há uma dúzia de grandes hospitais na região e trancando o trânsito as ambulâncias terão dificuldades de se locomover. Mais: muita gente mora longe: Jundiaí, Campinas, Sorocaba… vão levar duas, três horas para chegar em casa e no dia seguinte vão ter de levantar cedo. Essas pessoas tem o direito de ir… Read more »

Marcos
Visitante
Member
Marcos

Esses grupos, apoiados por grande parte da imprensa, estão transformando em reféns a PM e a própria população. Se a PM não fizer nada, vão incendiar metade de SP, se a PM agir, vão posar de coitadinhos.

Não tenho dúvidas que há uma ação política por trás. O grande problema é que essas ações, do mesmo modo que guerras, todos sabem como começam, mas não ninguém sabe como terminam.

A coisa pode complicar e complicar inclusive para o lado de que teve a “brilhante” ideia de promover tudo isso ai.

akhorus
Visitante
akhorus

Esses assuntos são ainda mais complicados que os tradicionais conflitos do blog : USA x Rússia, Israel X Irâ, Rafale x Hornet, Gripen x Rafale, Fokker Dr1 Triplano x F22 ( KKKKKKKK 🙂 ) Acho que todos devemos ter calma e analisar com cuidado. Acho que todos ali erraram, polícia e parte dos manifestantes. Cada um puxa o saco pro seu lado… Espero que a racionalidade volte para a todos os envolvidos. E Viva o Fokker Dr1 !! KKKKKKKKK !!! 🙂

eduardo.pereira1
Visitante
Member
eduardo.pereira1

Na minha visao tanto entre os manifestantes(com certeza entre estes alguns cabeças filiados a partidos e outros bandidos mesmo e ae sobram os de bem que vao no meio levados pelo oba,oba e pela conversa mole de alguns e acabam tomando borrachada de graça) como entre os policiais (acredito que da policia é que saem as milicias,ou parte e o despreparo psicológico dos policiais de SP e RJ que convivem com tanta violencia que sao bombas prestes a explodir e quando acontecem situaçoes de extrema tensao da no que deu, excessos,excessos e mais excessos))haviam pessoas de má fé, bandidos mesmos… Read more »

Corsario137
Visitante
Corsario137

Interessante este post e os comentários. Há aqui algumas coisas que devemos ter em mente: 1. Não importa se os grupos são apoiados por partidos políticos ou não, isso é irrelevante no debate. Partidos políticos, seja de qual orientação for, fazem parte da sociedade e do Estado Democrático de Direito. Não consiste em crime ou imoralidade a participação destes. 2. Direitos Humanos. Os participantes deste ou qualquer protesto, seja pelo motivo que for, são cidadãos brasileiros, portanto amparados pela constituição e que não devem ter sua integridade física ameaçada pelo Estado ou agentes deste, a menos que estes sejam uma… Read more »

Vader
Membro
Trusted Member

Enquanto tiver uma bandeirola de partido comuna no meio disso aí não vou apoiar. Se os manifestantes querem limpar o Brasil que comecem limpando suas fileiras. Expulsem os comunas e os arruaceiros (o que não falta em SP é punk e skinhead louco pra uma confusão) e aí sim a manifestação vai contar com todo o meu apoio. É simples: mandem os caras recolherem as bandeiras e tirarem as camisetas de partido antes do protesto. Se não quiserem, não protestem: vai todo mundo pra casa e deixem a comunalha tomar borrachada da democracia de farda. No mais, por sorte ainda… Read more »

Corsario137
Visitante
Corsario137

Almeida,
Excelentes comentários.

As pessoas estão tão envolvidas nesse “certo ou errado”, “direita ou esquerda” e se 20 centavos é caro ou barato que não conseguem ver o óbvio:

Agentes do estado estão torturando cidadãos brasileiros em praça pública! Que isso minha gente?

Corsario137
Visitante
Corsario137

Vader,
Decepcionado com seu comentário.
Esperava mais de um libertário.

Vader
Membro
Trusted Member

Desculpe caro Corsário, protestar, ainda que seja por ridículos 20 centavos na passagem da bumba, acho justo. Já servir de massa de manobra para aproveitadores da pior corja que existe “nefte paíf” me parece um erro. Tá na cara que o objetivo dos cabeças do movimento é testar e desacreditar a política de segurança pública do Estado de São Paulo, para isso contando com a ajuda explícita da imprensa rosada paulistana. O tal MPL é ligado ao PSOL e à Luciana Genro, filha daquele verme que governa(?) o RS. No meio das manifestações se vê bandeiras deste partido, do PSTU… Read more »

aldoghisolfi
Visitante
Member
aldoghisolfi

joseboscojr: Boa tarde. Realmente o espaço aqui é melhor… mas, não sou grande conhecedor de armas latais e não letais; o interesse pela matéria nos leva a ficar pretensiosos e a discutir e emitir opiniões. Acho que o uso das ditas armas não letais é factível num encontro com um agressor isolado ou num pequeno grupo; contra uma multidão (desejando confronto) elas ficam sem eficiência, como de fácil percepção. Nos confrontos que têm acontecido, acho que a polícia -com poucas ressalvas- tem agido dentro dos seus limites, pois a multidão protestante transformou-se em massa depredatória, que buscou o confronto e… Read more »

aldoghisolfi
Visitante
Member
aldoghisolfi

PERGUNTA: questão de ótica, com tantas fotos, porque foram colocadas apenas fotos que mostram a PM “agredindo”?

Renato.B
Visitante
Renato.B

Excelentes inclusões Nunão, o que achou das questões sobre o comando da PM que o Estadão levantou? Testemunhas dizem que quem começou o caos de quinta-feira foi o batalhão de choque. Creio que nunca vamos saber se procedem ou não, mas o prognóstico da polícia de Choque ausente das manifestações também não me parece bom. Pode ser tudo o que os criminosos e sociopatas dentro da manifestação gostariam. Ainda mais se o motivo for que, na verdade, o governo de SP tem pouco controle sobre essa força. Do lado dos manifestantes, convenhamos o tal de Siqueira não me parece ter… Read more »

Renato.B
Visitante
Renato.B

Aldo, eu vi imagens de gente quebrando vidro de banco, é o tipo de gente que merece a borrachada que leva e espero que sejam presos e paguem o preju.

Mas nada me faz entender a necessidade de bala de borracha na tal da velhinha que tomou bala saindo da igreja ou em cima de cinegrafista. O sujeito confundiu aquele trambolho no ombro do sujeito com uma bazuca? Isso é agressão sim e não “agressão”.

Renato.B
Visitante
Renato.B

Vader, eu acho que certos prerrogativas mudam um pouco devido a situação excepcional de uma grande manifestação de massa. Sou a favor de revistas e gente com coquetel molotov, soco inglês e cia tem de ir para o xilindró automaticamente.

Porém camisa de partido, corte de cabelo e cia é direito do indivíduo por menos que eu goste. Um movimento desse tamanho não é “limpinho” e tem todo o tipo de gente mesmo. Grupos com interesses diferentes, vendo oportunidades diferentes, diversidade é isso aí. Não é para se gostar, apenas para conviver.

Vader
Membro
Trusted Member

Renato.B disse:
17 de junho de 2013 às 14:34

Renato, direito deles querer se misturar aos protestos com camisa e bandeira de partido.

Direito meu não apoiar enquanto for assim.

Ainda bem que vivemos todos no Estado Democrático de Direito. 😉

Por enquanto…

NOTA DOS EDITORES: A DISCUSSÃO JÁ ESTÁ SAINDO OUTRA VEZ DO TEMA PROPOSTO. ATENTAR PARA O QUE É SOLICITADO NA NOTA DO EDITOR AO FINAL DA MATÉRIA.

Sds.

Blind Man's Bluff
Visitante
Member
Blind Man's Bluff

Desculpas com antecedência, mas brasileiro é uma _____________mesmo! Quando politico rouba tudo, faz ________________; brasileiro fica bravo e não faz ___________ nenhuma! Quando os brasileiros vão a rua para protestar (o que é um direito do cidadão!), brasileirinho fica bravo, os chamam de “vandalos”, baderna, anarquistas… O que é que vocês querem afinal? Vocês estão satisfeitos com essa _______________de país? Estão com o bolso cheio, carrinho importado novo, filhinha em colégio particular, filhinho na FAAP? Bando de _____________! E ainda digo mais; a culpa não é da policia, ela apenas ainda não percebeu que está lutando do lado errado, protegendo… Read more »