sábado, outubro 23, 2021

Saab RBS 70NG

Ataque à Síria custaria caro e seria perigoso, diz chefe militar dos EUA

Destaques

Guilherme Poggiohttp://www.forte.jor.br
Editor da Revista Forças de Defesa

Em carta ao Senado americano, general estima gasto de intervenção em mais de US$ 1 bi ao mês

 

APTOPIX Mideast Syria

MARK LANDLER THOM SHANKER

vinheta-clipping-forte1O Departamento de Defesa dos EUA afirma que uma campanha militar contra o ditador sírio, Bashar al-Assad, custaria bilhões e poderia ter efeitos adversos. A guerra, iniciada em março de 2011, já matou 101 mil pessoas.

A primeira descrição explícita de opções militares para o conflito consta de carta do chefe do Estado-Maior Conjunto das Forças Armadas, general Martin Dempsey.

O documento enviado a senadores surge quando a Casa Branca, que limitou seu envolvimento ao fornecimento de armas leves aos rebeldes, começa a reconhecer que Assad pode não sair logo do cargo.

As opções apresentadas variam de treinar forças da oposição a conduzir ataques aéreos e impor zona de exclusão de voos. A carta dá detalhes sobre logística e custo.

Treinar as forças da oposição, por exemplo, demandaria milhares de soldados e custaria US$ 500 milhões anuais.

Ataques de longo alcance a alvos militares exigiriam centenas de aviões e navios. Uma zona de exclusão de voo requereria destruição de aviões e bases aéreas do governo. No total, o custo ultrapassaria US$ 1 bilhão ao mês.

Dempsey destacou outro ponto caro à opinião pública: o risco de baixas. “Milhares de soldados de forças especiais e unidades terrestres seriam necessários”, escreveu.

Na semana passada, o senador Carl Levin, democrata e presidente do Comitê de Forças Armadas do Senado, disse crer que Assad estaria no poder daqui a um ano.

A afirmação marcou a mudança no discurso dos EUA. Depois de dizer por dois anos que os dias de Assad estavam contados, a Casa Branca afirma agora que “Bashar al-Assad nunca mais voltará a governar todo o território sírio”.

As últimas palavras sinalizam mudança sutil, mas significativa: a admissão de que, depois dos recentes avanços contra uma oposição cada vez mais caótica, Assad parece destinado a manter o poder, ainda que sobre parte do país.

A perspectiva irritou defensores da intervenção, como o senador John McCain. Ex-candidato à Presidência, o republicano inquiriu, irritado, por que o governo não fazia mais pelos rebeldes.

Se ordenadas por Barack Obama, Dempsey diz, as Forças Armadas estão prontas para ataques com mísseis, fixação de zona de exclusão aérea, proteção das fronteiras com Jordânia e Turquia e captura das armas químicas.

O general ressaltou, porém, a dificuldade de evitar o envolvimento profundo: “Se agirmos, precisamos estar preparados para o que virá.”

Alertou ainda para o risco de “inadvertidamente reforçar extremistas ou causar o uso de armas químicas”.

Tradução de PAULO MIGLIACCI

FONTE: Folha de São Paulo, via resenha do EB

- Advertisement -

3 COMMENTS

Subscribe
Notify of
guest
3 Comentários
oldest
newest most voted
Inline Feedbacks
View all comments
eduardo.pereira1
eduardo.pereira1
8 anos atrás

Tomara que o titio Sam ,como sempre, tome a frente desta empreitada ja que a uniao europeia ta com medinho e acabe com as forças do covardao assad de uma vez pro povo poder voutar pra suas casas e viver em paz !!

Wagner
Wagner
8 anos atrás

aah então nem mesmo o Império Satânico do Norte tem coragem para brigar é ?? O povo sírio estava em relativa paz ( a vida era uma M mas ao menos tinha vida) até que a escória da Al Nusra, Al qaeda, Traficantes, Mercenários, canibais e terroristas decidiram destroçar esse país, provocando a morte de 100.000 pessoas. Muito melhor a estabilidade do Assad do que o lixo dessas seitas fanáticas. Felizmente, Assad está ganhando e em breve, a matança vai parar e as crianças sírias voltarão a ter um futuro. Em breve a escória terrorista canibal será esmagada. Em breve… Read more »

Vader
8 anos atrás

Wagner, uma correção: o Assad, os russos e os iranianos ESTAVAM ganhando. Agora que a OTAN vai começar a mandar armas para os rebeldes, a coisa vai mudar. Que o sangue dos mortos caia sobre a cabeça de russos e iranianos, que mantiveram o Assad no poder quando seria possível uma troca rápida de liderança, sem derramamento de sangue. Russos e iranianos agora, se ganharem a guerra (o que acho duvidoso) terão uma Vitória de Pirro: irão herdar um país aos escombros. Não sobrará pedra sobre pedra da Síria para ninguém lucrar. Paradoxalmente quem está se dando bem é Israel,… Read more »

Últimas Notícias

Recife (PE) sediará a nova Escola de Formação de Sargentos do Exército

O CENTRO DE COMUNICAÇÃO SOCIAL DO EXÉRCITO INFORMA: Na 339ª Reunião do Alto Comando do Exército, realizada de 18 a...
- Advertisement -
- Advertisement -