domingo, março 7, 2021

Saab RBS 70NG

Análise: a estratégia da busca da transformação

Destaques

FOTOS: Light Armed Helicopter (LAH) da Coreia do Sul

O helicóptero armado leve (LAH) é baseado no Airbus H155B1 (EC155), que é uma versão modernizada do antigo AS365...

China busca uma força nuclear com maior capacidade de sobrevivência

Segundo a Associated Press, a China parece estar se movendo mais rapidamente em direção à capacidade de lançar seus...

Gastos da China em pesquisa e desenvolvimento atingem um recorde de US$ 378 bilhões

O Escritório Nacional de Estatísticas da China disse que os gastos com P&D, que visam desenvolver novos serviços...
Alexandre Galante
Jornalista, designer, fotógrafo e piloto virtual - alexgalante@fordefesa.com.br

Salvador Raza * – O Estado de S.Paulo

vinheta-clipping-forte1Os Projetos Estratégicos do Exército Brasileiro se justificam, mas ainda há coisas por resolver. Haverá a necessidade de impulsionar a sofisticação cognitiva dos oficiais para enfrentarem problemas mais complexos, de natureza distinta dos atualmente existentes, emergentes em dinâmicas multiagências, com informações imperfeitas, em tempo comprimido.

A ambição de transformação do Exército exige a transformação do soldado, mas também exige suprir os meios básicos de sustentação, manutenção, gestão e operação da Força. Para isso, há necessidade de se conectar as iniciativas estratégicas do Exército com as da Marinha e da Força Aérea em um único Projeto de Força, principalmente em termos do alinhamento das métricas de desempenho, da construção da matriz do Plano Reitor (relacionamentos cruzados entre a estrutura funcional e a topologia de recursos que constroem dinamicamente as capacidades), e da estruturação da Plataforma da Sistemática de Gestão de Alto Nível (SIGAN). Essa última é particularmente importante para que se possa integrar a gestão de espaços de combate, a gestão da Força, e a gestão dos ciclos de capacidades sob novs patamares de efetividade.

O Exército terá ainda que desenvolver novas práticas contratuais, com arquiteturas financeiras e de gestão de contratos de muito maior sofisticação, criando compensações do fator de imaturidade tecnológica sempre presente no início do desenvolvimento de projetos complexos, sob novos protocolos e padrões de auditoria estratégica das políticas setoriais.

O Exército precisa finalmente manter prioridades estáveis. A geração atual teve a coragem de ousar transformar a Força, as futuras terão a responsabilidade de fazer da transformação algo efetivo, útil e duradouro.

*Salvador Raza é diretor do Centro de Tecnologia, Relações Internacionais e Segurança e professor da Defense University, em Washington.

FONTE: Estadão

VEJA TAMBÉM:

- Advertisement -

2 COMMENTS

Subscribe
Notify of
guest
2 Comentários
oldest
newest most voted
Inline Feedbacks
View all comments
Antonio M
Antonio M
7 anos atrás

Ou seja, a transformação precisa ser na formação do cidadão. Com a escola pública gratuita de qualidade e minimamente até o fundamental (antigo ginasial no meu tempo), onde diversas classes sociais possam conviver, a pessoa possa sair de fato em condições de ler e digerir os jornais, noticiário, entender o contexto, dominar toda a língua portuguesa e o mínimo de línguas estrangeiras (não não era no meu tempo mas, até francês e latim se ensinava na escola pública), adotar a educação financeira, que informática não seja restrita a saber joguinhos etc, não teremos como formar boas bases das FAs. Os… Read more »

mbalbi69
mbalbi69
7 anos atrás

Acho que o professor escreveu em inglês e esqueceram de traduzir por que não entendi nada do que ele falou.

Guerras Modernas

Armênia, Azerbaijão e Rússia fecham um acordo para acabar com o conflito de Nagorno-Karabakh

YEREVAN/BAKU (ARMENIA/AZERBAIJÃO) — Armênia, Azerbaijão e Rússia disseram que assinaram um acordo para encerrar o conflito militar na região...
- Advertisement -
- Advertisement -