Home Armas de Fogo Brasil é o quarto maior exportador de armas leves

Brasil é o quarto maior exportador de armas leves

236
2

0,,16973922_303,00

Os mais de US$ 330 milhões (R$ 735 milhões) que, em 2011, entraram no Brasil graças à exportação de armas leves e munições colocam o país em quarto na lista de maiores exportadores no setor. A sua frente, estão apenas Estados Unidos, Itália e Alemanha, aponta o Mapping Arms Data (MAD), projeto realizado em parceria entre o Instituto Igarapé e o Peace Research Institute Oslo (PRIO). Segundo o Ministério do Desenvolvimento Indústria e Comércio Exterior (MDIC), somente neste ano, o Brasil já exportou mais de US$ 226 milhões em armas e munições. Um relatório de 2010 do Small Arms Survey – o mais recente da instituição – também coloca os brasileiros em quarto no ranking.

O crescimento do país nesse setor é significativo nos últimos anos. Em 2003, era exportado menos da metade do que é hoje: US$ 131 milhões. Desde então, o índice cresceu até atingir o pico de US$ 407,5 milhões em 2009. Nos dois anos seguintes, o MAD apontou uma queda. A produção de armas leves (como são classificadas as portáteis) disparou nos últimos anos. De 2005 a 2010, as indústrias venderam 8.822.720 milhões de unidades, em sua maioria revólveres, pistolas, escopetas e munições. Metade delas foi exportada, segundo levantamento do Exército.

Destinos

Os principais destinos dos armamentos são os Estados Unidos (US$ 148.680.000) e a Europa Ocidental, afirma Robert Muggah, diretor de Pesquisa do Instituto Igarapé. Ainda assim, o sudeste asiático e lugares mais pobres, como Colômbia, Iraque, Paquistão e Zimbábue – país entre os 20 piores Índices de Desenvolvimento Humano – são mercados importantes para a indústria armamentista brasileira. Somente a Taurus, maior empresa do Brasil no ramo, exporta para 70 diferentes países.

O Mapping Arms Data leva em consideração 37 fontes de pesquisa, tendo como base dados da Organização das Nações Unidas (ONU) e analisando apenas os números relativos a armas leves. Se comparados esses dados aos fornecidos pelo MDIC, há uma certa discrepância, devida, segundo Muggah, à forma como são categorizadas as armas. Em 2011, o Ministério registrou a venda de 785.901 unidades, movimentando US$ 293 milhões, 12% a menos que o levantado pelo MAD. O MDIC apontou ainda US$ 315 milhões em exportação no ano passado. Desde 1997, o país já lucrou quase US$ 3 bilhões de dólares (R$ 6,7 bilhões), com a venda de armas.

Muggah chama a atenção ainda para o grande número de armas em circulação dentro do Brasil, que vai de 16 a 17 milhões (sendo 6 milhões registradas), uma média de uma arma para cada 11 ou 12 pessoas. Para o pesquisador, há um excedente militar de pelo menos 800 mil armas.

Mercado mundial

De acordo com o MAD, os Estados Unidos foram quem mais exportaram armas em 2011: US$ 807,5 milhões (R$ 1,8 bilhão). Na sequência, vêm Itália (US$ 463,6 milhões, ou R$ 1 bilhão) e Alemanha (US$ 313,6 milhões, ou R$ 698,6 milhões). Já o Small Arms Survey coloca a Itália pouco atrás da Alemanha no relatório de 2010.

As dificuldades no registro e controle de armas ficam evidentes nas diferenças entre os valores encontrados pelas diferentes pesquisas. O Stockholm International Peace Research Institute (SIPRI), por exemplo, apontou os Estados Unidos como responsáveis por 30% das exportações, seguidos de Rússia (26%), Alemanha (7%), França (6%) e China (5%), indicando um crescimento da corrida armamentícia asiática. A mesma pesquisa apresenta a Índia como maior importadora (12%), seguida de China, Paquistão, Coreia do Sul e Singapura.

FONTE: Terra Brasil via Resenha do Exército

2
Deixe um comentário

avatar
2 Comment threads
0 Thread replies
0 Followers
 
Most reacted comment
Hottest comment thread
2 Comment authors
joao.filhoWagner Recent comment authors
  Subscribe  
newest oldest most voted
Notify of
Wagner
Visitante
Member
Wagner
joao.filho
Visitante
Member
joao.filho

Muito bem. Mas entao, porque o Exercito ainda anda de FAL de meiados do seculo passado???