Home Artilharia Antiaérea Grupo de trabalho irá à Rússia em janeiro de 2014 para avaliar...

Grupo de trabalho irá à Rússia em janeiro de 2014 para avaliar Pantsir-S1

175
29

Pantsir S1 - imagem KBP

Integrantes do grupo são do Exército Brasileiro e do Corpo de Fuzileiros Navais

vinheta-destaque-forteNesta quinta-feira, 28 de novembro, foi publicada no Diário Oficial da União a Portaria nº 3.231 designando um Grupo de Trabalho composto por militares do Exército Brasileiro e da Marinha do Brasil (Corpo de Fuzileiros Navais), que viajará à Rússia em janeiro de 2014 para avaliar o sistema de artilharia antiaérea de média altura Pantsir-S1.

Pantsir S1 - imagem 2 KBPA portaria, com data de 27 de novembro, foi assinada pelo ministro da Defesa, Celso Amorim. O Grupo de Trabalho é composto por 10 integrantes, sendo encabeçado por um general de brigada do Exército, e inclui dois oficiais (um capitão de mar e guerra da reserva remunerada e um capitão de fragata da ativa) do Corpo de Fuzileiros Navais da Marinha do Brasil.

O período marcado para a viagem de avaliação vai de 28 de janeiro a 10 de fevereiro de 2014, e as despesas serão custeadas pelo Ministério da Defesa.

FONTE: Diário Oficial da União (o texto acima foi adaptado do original. Clique no link para acessar na íntegra a página em que está publicada a portaria, com mais detalhes a respeito).

IMAGENS: KBP (clique no link para saber mais sobre o equipamento – texto e infográficos em inglês)

VEJA TAMBÉM:

29
Deixe um comentário

avatar
27 Comment threads
2 Thread replies
0 Followers
 
Most reacted comment
Hottest comment thread
9 Comment authors
Mauricio R.leejunior22joseboscojrjuarezmartinezBlind Man's Bluff Recent comment authors
  Subscribe  
newest oldest most voted
Notify of
pedro oliveira
Visitante
pedro oliveira

E a FAB não enviará ninguém?

pedro oliveira
Visitante
pedro oliveira

Valeu Nunão!

eduardo.pereira1
Visitante
Member
eduardo.pereira1

Nunao este caminhao da foto maior é o provável modelo a ser montado por aqui com chassi da Man ??
Pra mim ficaria mais bacana no chassi do Astros (o qual nao sei a marca).

Sds. Eduardo o observador.

leejunior22
Visitante
leejunior22

O chassi atualmente usado pela AVIBRAS é o TATRA.

Realmente achei estranho não haver ninguém da FAB no GT.

Afinal, não circulam informações na mídia que será a FAb a operar as baterias AAe de médio alcance?

eduardo.pereira1
Visitante
Member
eduardo.pereira1

Valeu Nunao,mas me expressei mal, era só saber se o caminhao era o da man .
Leejunior22,
entrei no site da Tatra e estou babando até agora com o chassi e suas engrenagens e com os veiculos(entre as quais,fotos ,está a do Astros 4×4 de comando e controle), muito bacana mesmo e que sistema de traçao sem comentários.

Sds,Eduardo o observador aprendiz que curti mecanica no geral .

leejunior22
Visitante
leejunior22

Nunão,
Sem dúvida. Parece que vai haver essa partilha de uma bateria para cada força, inclusive uma versão naval do Pantsir para a Marinha, salvo engano.
Só para lembrar que originalmente as Baterias de AAe estavam sendo avaliadas apenas pelo EB.
Acontece que alguns setores do MD quiseram fazer, de novo, esse arranjo de “pai-que-não-quer-deixar-nenhum-filho-preterido” . Depois tem a questão da doutrina de defesa AAe que determina que as baterias de médio alcance estariam sob controle operacional da FAB, através do COMDABRA.

Colombelli
Visitante
Active Member
Colombelli

Civis decidindo quantitativo e destinação de armamento, ainda mais com politica no meio, dá nisso ai, uma gambiarra atécnica.

E o sistema é de curto alcance, não teria motivo para estar sob comando da FAB.

E os requisitos conjuntos foram desconsiderados, pois nos anunciados o sistema não seria comprado jamais. Então isso ai de grupo de trabalho etc… é so pra dar umas diárias para alguns elementos.

Não acho ruim a aquisição, mas nem por isso posso deixar de apontar sua incoerência.

leejunior22
Visitante
leejunior22

Colombelli, Gostaria de acrescentar que, aprentemente, nem no MD está definido o conceito de Defesa AAe de médio alcance. Isso, porque, mesmo com o estabelecimento do EMCFA e alguns avanços em busca de uma uniformizaçãao de requisitos, as FFAA ainda não falam a mesma lingua operacional, falta a implantação de uma terminologia única para as FFAA e de doutrina conjunta. Uma vez ouvi uma palestra de um comandante de unidade de defesa AAe do EB explicando que o que define se uma bateria estaria ou não sob o controle operacional da FAB era a sua faixa de altitude. Acho que… Read more »

Blind Man's Bluff
Visitante
Blind Man's Bluff

Bacana, bem centralizado, doutrina dos anos 60, como era no Iraque. Destrói-se o COMDABRA e instaura-se o caos entres as unidades.

Colombelli
Visitante
Active Member
Colombelli

Valeu o esclarecimento acerca do parâmetro curto/médio alcance.

Mas a rigor, considerando este parâmetro, todos os lançadores do sistema ficarão sob controle operacional da FAB, apesar de operados por outras forças. Isso so vai gerar confusão e retardo na hora do disparo. Um ataque aéreo pode durar apenas alguns segundos. Haverá tempo de consultar toda esta estrutura de comando quando o lançador estiver destacado em um ponto estratégico?

A história ensina, fracionamento e compartilhamento de comando= deficiência inoperância.

Colombelli
Visitante
Active Member
Colombelli

Complementando, parece-me que melhor critério seria a distribuição dos meios em táticos e estratégicos.

Meios táticos a serem operados pelo EB e CFN em defesa direta de tropas ( Gepard, Mistral, Igla, Oerlikon, Bofors).

Meios estratégicos para defesa de pontos como hidroelétricas, centrais de transmissão, portos, centros industriais, alicerçados pelo Pantsyr e complementados com canhões e misseis de curto alcance, mas com operação unificada na FAB.

Que sentido há em por sob operação de uma força um armamento que estará sob comando de outra?

Bosco Jr
Membro
Active Member
Bosco Jr

Colombelli, Concordo! Exército e FN ficariam com os “meios táticos” independente de serem de baixa, média ou grande altitude. A FAB ficaria com a defesa de suas bases e de alvos estratégicos, independente de serem de baixa, média ou grande altitude. Os FN poderiam acumular a defesa das instalações da MB. Deve-se levar em consideração que alvos táticos hoje são atacados a partir de baixa, média e grande altitude e de curto, médio e longo alcance. Se em décadas passadas alvos táticos só eram engajados a baixa altitude e curto alcance, isto mudou radicalmente nos dias de hoje. Um sítio… Read more »

leejunior22
Visitante
leejunior22

Nunão, Concordo plenamente com a sua posição. O problema maior é que não havia bateria de defesa AAe de médio alcance até a entrada de operação das novas baterias (Pantsir, ou outras). Sem dúvida, a atual doutrina não reflete esse componente de defesa AAe de médio alcance baseada em terra e, portanto, terá que ser revisada, desde, como afirmei anteriormente, que o processo seja de forma conjunta. É importante integrar as baterias de defesa AAe com o Comdabra, e prever medidas de IFF (Identification Friend or Foe), até para evitar “fogo amigo”. Bosco, O problema é definir conjuntamente o que… Read more »

Colombelli
Visitante
Active Member
Colombelli

Nunão O problema da consulta certamente so existe em situação onde a aeronave tenha tido possibilidade de detecção anterior pela estrutura unificada. Se a bateria está lotada em um ponto de defesa estratégica ou tática e vê aeronave não autorizada se aproximando deve atirar primeiro e perguntar depois, seja ela de que alcance for. Não era este propriamente o problema que eu quis mencionar, mas sim a dificuldade de comunicação entre forças diferentes. Se a bateria ou lançador vai ser operado subordinado ao COMDABRA/FAB não tem porque ser distribuídos ao EB ou CFN. Se dentro de uma mesma força a… Read more »

Mauricio R.
Visitante
Member
Mauricio R.

Voltando ao caminhão, a versão da foto pruincipal é operado pelos UAE e está montado sobre chassis MAN.
E a MAN é hoje, a dona da VW Caminhões.

juarezmartinez
Visitante
juarezmartinez

Se vão seguir com mais esta merd…. que pelo montem este sistema sobre um chassi verdadeiramente militar e não num eurobambi travestido de militar.

Grande abraço

Bosco Jr
Membro
Active Member
Bosco Jr

Um sistema como este se torna um alvo primário de um possível atacante. Ou seja, irão querer antes neutralizá-lo antes de prosseguir o ataque. A melhor maneira de fazê-lo, seria usando um helicóptero de ataque armado com mísseis fire-and-forget de grande alcance (Ex: Apache Longbow/Hellfire L). Se os helicópteros puderem escolher o local da “emboscada” as chances do Pantsir são poucas. Outra maneira é através de ataque aéreo convencional (SEAD e DEAD) usando armas stand-off (no caso, com alcance acima de 20 km) disparadas por aeronave tripulada ou não, o que em geral obriga também o uso de sensores de… Read more »

leejunior22
Visitante
leejunior22

Bosco e Juarez,

Concordo que o chassi deva ser militar e protegido por blindagem, mas não entendi a crítica ao MAN.
A versão do MAN que é comentada para servir como base ao Pantsir brasileiro (só lembrando que não há nada definido quanto a isso) é da série HX/SX, que ficou em exposição na LAAD 2013, comercializada pela empresa Rheinmetall MAN Defense Vehicles.
Trata-se de um chassi desenvolvido desde o projeto como militar, tendo a opção de cabine blindada.
A série HX/SX foi baseada no MAN KT1 desde os anos 60, que presta bons serviços às Forças Armadas pelo mundo.

leejunior22
Visitante
leejunior22

Só deixando claro que não trabalho para a MAN e, particularmente, prefiro o chassi TATRA para o PANTSIR, fornecido pela AVIBRAS, que serviria como representante da TATRA no Brasil.
Só que as vezes não entendo as duras críticas direcionadas para certos fornecedores de produtos militares, não só no FORTE, mas em todos canais do Forças de Defesa e em outros locais na internet, só pelo fato de fabricante A ou B serem europeus, americanos ou russos. Nem Jesus agradou à todos.

Mauricio R.
Visitante
Member
Mauricio R.

Considerando que:

Não há nenhum Pantsir montado em chassis Tatra.

E há Pantsir em serviço, montado em chassis MAN

Alem do que, um chassis MAN bem parececido, já foi usado no passado, p/ montar o Roland.

Pq raios temos que deixar a Avibrás, aka “A Eternamente Encostada”, fazer o que ela não sabe???
Pois uma coisa é a integração do Astros, produto próprio e outra mto diferente e bem cara é a integração de um produto completamente desconhecido.
Afinal, diversificar a cadeia de fornecedores, é sempre uma boa idéia.

Bosco Jr
Membro
Active Member
Bosco Jr

Leejunior, Se for um chassi blindado, sejam MAN, TATRA, ou outro qualquer, pra mim serve. O que acho é que deva ter blindagem também para o condutor já que presumo que a cabine de controle tenha algum nível de blindagem. Embora preferencialmente o Pantsir opere estático (com o condutor dentro da cabine de controle ou em local afastado), ele é capaz de operar seu radar de busca e até atirar com o canhão em movimento, daí conclui-se que o condutor estaria muito vulnerável no caso de sua cabine não ser blindada. Operando em movimento com o radar de busca ativado… Read more »

leejunior22
Visitante
leejunior22

Bosco, Concordo com você. O meu comentário sobre as críticas não foi direcionado a você. Não sou avesso às críticas aos produtos de defesa, só penso que elas devam ser fundamentadas em critérios técnicos, não apenas em critérios ideológicos ou políticos. As suas colocações de proteção tática e tiro em movimento são muito válidas. Mauricio, O chassis MAN foi integrado ao Pantsir, porque o UAE solicitou que assim fosse feito. O fato de não haver um chassi TATRA ou qualquer outro, diga-se de passagem, reside no fato do Pantsir não ser utilizado por muitos países. Quanto à integração, o Pantsir… Read more »