domingo, outubro 24, 2021

Saab RBS 70NG

Israel: destaque em alta tecnologia

Destaques

Alexandre Galante
Jornalista, designer, fotógrafo e piloto virtual - alexgalante@fordefesa.com.br

israel

Clipping(Jorge Castro – Clarín, 12) 1. O rápido crescimento da plataforma global de computação (“cloud computing” / “a nuvem”), nos últimos cinco anos, revelado pelo boom dos telefones celulares (smartphones), mudou a natureza da indústria de alta tecnologia e concedeu a seus núcleos decisivos – entre eles, Israel – um poderio qualitativamente superior. A estrutura de custos da indústria de alta tecnologia (high tech) cai 20% / 30% por ano e no horizonte da “nuvem”, isso pode chegar a quase zero (0%).

2. O surgimento da “nuvem” significa para Israel ter deixado para trás sua condição de inovador primário (“nação start-up”), dotado de uma extraordinária capacidade de criação de novos negócios, mas geralmente de curta duração, prontas para serem compradas por grandes empresas dos EUA (Apple, Cisco, Google, Intel, HP). Atualmente tornou-se um gerador de empresas próprias de projeção global, o que coloca Tel Aviv no mesmo patamar, apenas um pouco menor do que o Vale do Silício.

3. Israel investe 4,3% do PIB no desenvolvimento científico e tecnológico (I & D), o dobro da média da OCDE (1,8%) e os investimentos estrangeiros de alta tecnologia alcançaram 11 bilhões de dólares nos últimos 10 anos, duas vezes o obtido pela Índia, e metade do investido pela China, e todas as grandes empresas de alta tecnologia dos EUA levaram laboratórios de pesquisa e desenvolvimento para o território de Israel.

4. A Indústria israelense de alta tecnologia é focada em telecomunicações, principalmente em aplicações móveis, e sua especialização principal é tecnologia ligada à segurança da comunicação (segurança cibernética). Todo este complexo, incluindo a “Unidade 8200”, mudou-se agora para o deserto de Negev, com eixo na Universidade de Beersheba, perto de Eilat, no Mar Vermelho.

5. O objetivo é fazer com que Israel se transforme em líder da segurança cibernética do mundo, abrangendo nesse papel de vanguarda as indústrias adjacentes. Na política internacional do século XXI, o poder não depende de território, população, arsenais militares ou produto bruto. Israel também é um ator global, somente com 8 milhões de pessoas, mas que lidera uma das principais correntes do século.

- Advertisement -

2 COMMENTS

Subscribe
Notify of
guest
2 Comentários
oldest
newest most voted
Inline Feedbacks
View all comments
Oganza
Oganza
7 anos atrás

Isso que eu chamo de instinto de sobrevivência.

Ou é a ponta da lança ou é a morte. Oh povo aguerrido esse!

Sds.

Carlos Alberto Soares
Carlos Alberto Soares
7 anos atrás

E o Brasil não aprendeu ainda estar mais próximo de Israel na industria militar de defesa, comunicações, medicina etc ….
Na terra, no mar, no ar, na inteligência e no pensamento estratégico e de longo prazo.

Tenho orgulho de ter genes Hispano-Sefardita.

“Isso que eu chamo de instinto de sobrevivência.”

Nas adversidades, aprendem e criam cada vez mais oportunidades.

Últimas Notícias

Recife (PE) sediará a nova Escola de Formação de Sargentos do Exército

O CENTRO DE COMUNICAÇÃO SOCIAL DO EXÉRCITO INFORMA: Na 339ª Reunião do Alto Comando do Exército, realizada de 18 a...
- Advertisement -
- Advertisement -