Home Análise A culpa não é da polícia

A culpa não é da polícia

890
4

22junho2013---tropa-de-choque-da-policia-faz-seguranca-no-entorno-da-arena-fonte-nova-antes-da-partida-entre-brasil-e-italia-1371919390391_956x500

Visão do Correio

É hora de a sociedade repensar o alvo de sua ira, que aflora todas as vezes que um crime violento comove a população, ou quando uma pessoa indefesa é vítima de assaltantes à saída de um banco, ou volta para casa depois de um dia de trabalho honesto. Nessas ocasiões, nada é mais fácil do que atirar sobre a polícia a culpa pelo clima de insegurança que tem aumentado nas grandes cidades.

Diante do noticiário cada vez mais intenso e violento, é natural que cada um pense como seria bom ter um policial de plantão à porta. Daí é só um pequeno passo para se propagar a ideia de que a culpa pelo crime é da polícia, ou da falta dela. Qualquer criatura de bom senso sabe que nem a polícia pode ser responsabilizada pela criminalidade nem o Estado dispõe ou disporá de efetivo para manter guarda pessoal a gosto de cada contribuinte. Então, resta descobrir, com ponderação, onde estamos falhando, o que temos feito ou deixado de fazer que tem alimentado o crime.

Convivendo com os mais baixos níveis de desemprego da história recente do país, a explicação (também fácil) da falta de oportunidades de trabalho honesto perdeu força e, embora ainda tenha algum peso, está longe de justificar a tentação de tomar de alguém o que se deseja, muitas vezes provocando ferimento ou morte. Certamente falta educação de qualidade oferecida a todos. Esse é, sem dúvida, ponto que tem o consenso, mas cuja resposta se arrasta para longe da revolução no ensino por que o país clama. Mesmo que, de repente, as autoridades acordassem dispostas a mudar essa realidade, levaríamos mais de uma geração para corrigir o atraso. Ou seja, não dá para esperar que a nova escola produza os efeitos civilizatórios que movem a convivência pacífica das pessoas.

É, pois, forçoso reconhecer que, pelo menos por um bom tempo, contamos mesmo é com a polícia. Por isso mesmo, todos teremos mais a ganhar se procurarmos entender as dificuldades e as limitações que a própria sociedade tem imposto à atividade policial e, principalmente, tratar de remediá-las. A exacerbação do sentimento contra o autoritarismo que marcou o recente regime militar tem turvado a compreensão do papel das forças de segurança.

Braço do Estado em defesa do cidadão, a polícia não pode perder o monopólio da força sob pena de estimular o crime. Tem sido fácil promover esse enfraquecimento pela via da leniência com o infrator. Apesar de nossas prisões estarem cheias, a verdade é que a polícia tem razão para se queixar de que enxuga gelo. O bandido preso é solto com facilidade. O condenado, se pegar poucos anos, dificilmente os cumprirá na cadeia.

Criamos uma teia de recursos e de atenuantes que, a menos que se trate de crime hediondo (como estupro ou homicídio qualificado), quase ninguém fica preso por muito tempo. Menos ainda se for réu primário. Sim, é hora de valorizar, equipar e treinar melhor a polícia. Mas isso também valerá pouco se lhe negarmos as armas mais importantes: a lei e as condições para cumpri-la.

FONTE: Correio Braziliense via Resenha do Exército

4
Deixe um comentário

avatar
4 Comment threads
0 Thread replies
0 Followers
 
Most reacted comment
Hottest comment thread
3 Comment authors
Carlos Alberto SoaresUitinãaldoghisolfi Recent comment authors
  Subscribe  
newest oldest most voted
Notify of
aldoghisolfi
Visitante
Member
aldoghisolfi

“Então, resta descobrir, com ponderação, onde estamos falhando, o que temos feito ou deixado de fazer que tem alimentado o crime.” Sem muito medo aponto: Impunidade absoluta e privilegiante nos altos escalões da República; desarmamento da população civil que, assim, foi entregue aos bandidos {por conseqüência, a criação por parte do governo em parceria com comissões disso e daquilo, pastoral disso e daquilo, fala dos artistas dessa e daquela TV, do surgimento de uma geração de covardes, sistematicamente levados à não reação (se reagir morre; mas se não reagir morre também…)}; banalização da vida humana pelo afrouxamento da legislação e… Read more »

Uitinã
Visitante
Uitinã

O que eu acho mas engraçado e que depois que a população se revolta e lincha marginais nas ruas brasil a fora, vem ativistas de direitos humanos com a falacia que devemos combater a justiça com as próprias mãos, mas ora não era melhor combater a bandidagem a marginalidade o trafico de drogas, sempre vem com a mesma desculpa esfarrapada e culpa da educação e blá blá blá o mesmo disco riscado tem gente que nunca estudou na vida e nem por isso saiu pra roubar, matar, vender drogas. Mas também a policia se vê acuada não pode pegar mas… Read more »

Carlos Alberto Soares
Visitante
Member
Carlos Alberto Soares

Esqueceram da Copa e das Olimpíadas, bilhõe$ para o e$goto do$ bol$o$ de pouco$.

Dava para fazer uma revolução na educação fundamental até o ensino médio, concomitante com cursos técnicos nos últimos três anos. Algo tipo “a la Korea”.

Ai sim !

Mas manter o ensino educacional baixo faz parte da estratégia de se manter no poder através da ignorância.

Da-lhe Maria Antonieta Tupiniquim e Luis molusco XIV !

Carlos Alberto Soares
Visitante
Member
Carlos Alberto Soares

Pão & Circo !