Home Defesa Ministros integrantes da Unasul aprovam criação da Escola Sul-Americana de Defesa

Ministros integrantes da Unasul aprovam criação da Escola Sul-Americana de Defesa

264
8

unasul01O Conselho de Defesa da União de Nações Sul-Americanas (CDS/Unasul) deu ontem uma contribuição decisiva para a formação de uma identidade regional em matéria de defesa. Reunidos em Paramaribo, capital do Suriname, os ministros da defesa dos países que compõem o fórum aprovaram a criação da Escola Sul-Americana de Defesa (Esude).

Iniciativa que há tempos contava com apoio brasileiro, a Escola será um centro de altos estudos responsável pela articulação das diversas iniciativas dos países-membros do CDS de capacitação de civis e militares na área de defesa e segurança regional. “Essa é uma instituição que vai nos permitir formar, dentro da pluralidade e diversidade que nos caracteriza, uma visão conjunta da nossa região e das nossas necessidades”, comemorou o ministro da Defesa brasileiro, Celso Amorim, presente ao encontro.

A Esude terá formato descentralizado. Ela reunirá cursos e outras iniciativas oferecidas pelos países-membro do CDS. A proposta aprovada pelo Conselho prevê a possibilidade de intercâmbio entre especialistas das nações sul-americanas e convênios com universidades e outras instituições de ensino.

A proposta levada à apreciação do CDS foi definida numa reunião de trabalho, em outubro passado, em Buenos Aires, Argentina. Ela estabelece que todos os países-membro poderão ofertar cursos nas modalidades presencial, semipresencial e à distância. O projeto anual de cursos será elaborado e pelo conselho acadêmico, órgão de assessoramento composto por representantes de todos os países.

Os representantes do CDS discutem agora a constituição de uma sede administrativa para a Escola. A ideia preliminar é que ela fique sediada em Quito, capital do Equador, país que também abriga a sede da Unasul.

O Brasil já possui iniciativas que deverão fazer parte do projeto anual de cursos da Esude. Uma delas é o Curso Avançado de Defesa Sul-Americano (CAD-SUL), que este ano será realizado pelo terceiro ano consecutivo na Escola Superior de Guerra (ESG), no Rio de Janeiro.

Plano de Ação e Haiti

A decisão de criação da Esude ocorreu ontem, durante a V Reunião Ordinária do CDS, em Paramaribo. O Conselho é presidido atualmente pelo Suriname e pela Colômbia. A reunião teve como principal item de pauta a aprovação do Plano de Ação do fórum para 2014. Os ministros dos 12 países-membro aprovaram as iniciativas propostas pela instância executiva do Conselho (veja aqui a íntegra do Plano de Ação 2014).

Durante a reunião, o ministro Celso Amorim felicitou o Conselho pelo consenso em torno da criação da Esude. “Não somos uma organização defensiva no sentido clássico Mas isso não deve nos impedir de refletirmos em conjunto sobre aqueles temas que podem, num mundo ainda cheio de incertezas, significar alguma ameaça à nossa região”, disse.

Em sua intervenção, Amorim destacou a importância do CDS no contexto da Unasul, pontuando que a missão central do Conselho é fazer com que a América do Sul seja uma “comunidade de paz e segurança em que a guerra não seja concebível como forma de solucionar conflitos”.

unasul02O ministro brasileiro defendeu a ideia de que a criação de confiança entre os países sul-americanos deve ir além da troca de informações, por meio de uma progressiva cooperação em treinamento, formação, capacitação e desenvolvimento de uma base industrial comum de defesa. Sobre este último tema, Amorim chamou atenção de seus pares para a necessidade de envolvimento do setor industrial das nações para dar concretude às ações de desenvolvimento e produção de equipamentos militares.

A defesa cibernética também foi citada pelo representante brasileiro. Amorim mencionou os recentes episódios de espionagem e ressaltou a importância do desenvolvimento de iniciativas conjuntas com os países vizinhos para proteção de redes informatizadas. “Temos que garantir que tecnologias importadas limitem ou eliminem totalmente a existência de backdoors e outras facilidades para espionagem”, afirmou.

Ainda em sua intervenção, Amorim sugeriu a criação de um comitê permanente para assuntos defesa na Unasul. Nos moldes propostos por ele, órgão teria caráter de assessoramento e funcionaria junto à sede Unasul, em Quito. A ideia foi bem recebida pelos membros do Conselho, que decidiram criar um grupo de trabalho para estudar o assunto.

No final de sua intervenção, o ministro brasileiro mencionou a participação das tropas dos países sul-americanos na Missão de Paz da ONU do Haiti (Minustah), que este ano completa dez anos. Após ressaltar a importante contribuição da América do Sul no processo de pacificação da nação caribenha, Amorim ponderou que uma eventual saída das tropas da região deve ser feita de maneira “planejada, cuidadosa e responsável”.

Ele sugeriu a coordenação entre os países do CDS para tratativa do assunto, respeitada a soberania de todos e os parâmetros definidos pela ONU. “Essa maneira responsável de devolver ao Haiti a tarefa de manter a sua segurança é o que nos dá também força moral para cobrar dos outros membros da comunidade internacional apoio mais decidido ao desenvolvimento social e econômico do Haiti”, afirmou.

FONTE: Ministério da Defesa

Subscribe
Notify of
guest
8 Comentários
oldest
newest most voted
Inline Feedbacks
View all comments
Marcos
Marcos
6 anos atrás

Isso ai vai ser mais um retumbante fracasso.

E que vai nos custar uma grana.

Reinaldo Deprera
Reinaldo Deprera
6 anos atrás

Marcos, o Foro se São Paulo sabe disso. E exatamente por isso que essa escola estava na agenda deles.
O que eles mais querem é dar munição para a esquerda de cada país, atacarem suas respectivas forças armadas.

Torço para que dê certo.
Que a escola seja um sucesso retumbante!

Que seja criado ali as doutrinas para lidar com o maior inimigo da América Latina.
Que os representantes de Forças Armadas bolivarianas tomem bomba todo ano.

aldoghisolfi
aldoghisolfi
6 anos atrás

Tínhamos era de parar com essa coisa de latino-america, sul-américa…

Gostaria que tivéssemos parceiria só com o Chile e com o Uruguay (apesar do Mujica) e dispensaria o resto da indiada bolivariana.

Buscaria negócios também com a Guiana como excelente porta para a UE, bem nas nossas fronteiras.

Até agora, só tivemos prejuizos com eles!

aldoghisolfi
aldoghisolfi
6 anos atrás

Reinaldo Deprera, boa tarde.

Reli a tua postagem e, não entendi.

Achei interessante; ainda dá tempo para comentares mais um pouco?

Reinaldo Deprera
Reinaldo Deprera
6 anos atrás

aldoghisolfi, desculpa a falta de tempo.

Por diversos motivos, uma escola desse tipo tem tudo para não dar certo. É natimorta.

Colocarão as Forças Armadas de cada país contra seu povo. Irão dizer que elas não sabem trabalhar com os vizinhos. Que é reacionária. Que é egoísta. E por aí vai.

Em resumo: Divida para conquistar.

tiagobap
tiagobap
6 anos atrás

Meio off topic:

“Santa Maria terá centro de treinamento simulado de militares com tecnologia inédita na América do Sul.
Investimento de R$ 500 milhões será anunciado na manhã desta quarta-feira em evento no Cism.”

http://diariodesantamaria.clicrbs.com.br/rs/noticia/2014/02/santa-maria-tera-centro-de-treinamento-simulado-de-militares-com-tecnologia-inedita-na-america-do-sul-4430213.html

rsbacchi
rsbacchi
6 anos atrás

Reinaldo Deprera escreveu em 26 de fevereiro de 2014 as 2:03 #

“… Por diversos motivos, uma escola desse tipo tem tudo para não dar certo. É natimorta.

Colocarão as Forças Armadas de cada país contra seu povo. Irão dizer que elas não sabem trabalhar com os vizinhos. Que é reacionária. Que é egoísta. E por aí vai. …”.

Incompreensivel!!!

Não consigo entender sobre o que está escrevendo!!!

Bacchi