Home Análise Crimeia e a “Ilha-Mundo”

Crimeia e a “Ilha-Mundo”

247
2

Crimea-Transnistria

Marcos Troyjo

Crise em região autônoma ucraniana colocou bodes nas salas de potências e organizações internacionais

Jogo de soma zero — expressão utilizada em relações internacionais para demonstrar que quando um país perde com determinada ação outro necessariamente ganha. Como no basquete, não há empate, só vencedores e vencidos.

A vertiginosa crise na Ucrânia foge a essa regra. O cabo de guerra entre Rússia e Ocidente é um jogo em que ninguém ganha. O impasse na Crimeia colocou bodes na sala das principais potências e organizações internacionais.

Perde a Ucrânia. Ronda o espectro de desmembramento maior do que apenas a própria Crimeia. Aflora o ódio subcutâneo entre ucranianos do Oeste e russos, farta matéria-prima para novos conflitos.

Perde a União Europeia. Em meio à frágil recuperação econômica, é forçada a se mostrar presente nos países do Leste.

Sua incipiência geopolítica na Ucrânia já fora saudada com um “dane-se a Europa” por graduada diplomata americana. O Reino Unido quer imposição de sanções à Rússia; a Alemanha as descarta. Bruxelas emite sinais dúbios, que em nada sugerem uma “União”.

Perde a OTAN. Num tabuleiro em que o antagonista porta armas nucleares na cintura, não pode dar-se ao luxo de cogitar o emprego de forças convencionais, como fez nas Crises dos Balcãs nos anos 1990.

Perde a ONU. Dado o poder de veto da Rússia, seu palco privilegiado — o Conselho de Segurança — não adotará resoluções para remediar a crise. Esta, ao contrário da diplomacia multilateral, convida à costura de alianças pontuais — a “Balança de Poder” — típica do teatro europeu do século 19.

Perdem os EUA. Terão de reverter tendência à retração de sua política exterior, além de revisar para cima o Orçamento de defesa. Tensões como a Crimeia exigem custosa diplomacia e poder de dissuasão, não drones confortavelmente pilotados por controle remoto.

Perdem Rússia e seus aliados. Além do isolamento político, caso o impasse se prolongue, a Rússia experimentará deterioração como economia emergente e flertará com o derretimento de sua bolsa.

Na presente conjuntura, ladear-se com a Rússia implica sujeitar-se ao “diga-me com quem andas e te direi quem és”.

Perdem os nostálgicos da Guerra Fria. A União Soviética não como alternativa. A Rússia não busca reedição de um império. Vela apenas para que a Otan não finque pé em seu entorno, o chamado “Near Abroad”. Moscou tem projeto para si, não uma cosmovisão.

Só pode haver um ganhador: o vulto do inglês H.J. Mackinder, pai da Geoestratégia. Há exatos cem anos, apresentava à Royal Geographical Society o artigo “O Pivô Geográfico da História”.

Conceituava a gigantesca massa de continentes formada por Europa, Ásia e África como “Ilha-Mundo”, cujo “Heartland” tem epicentro na Europa Oriental.

Anos depois, Mackinder resumiria sua teoria na lógica que imantou as guerras mundiais — e hoje volta a assustar: “Quem domina a Europa Oriental comanda o Heartland; quem domina o Heartland comanda a Ilha-Mundo; quem domina a Ilha-Mundo controla o mundo”.

FONTE: Folha de S. Paulo via Resenha do Exército

2
Deixe um comentário

avatar
2 Comment threads
0 Thread replies
0 Followers
 
Most reacted comment
Hottest comment thread
2 Comment authors
juarezmartinezMSG Recent comment authors
  Subscribe  
newest oldest most voted
Notify of
MSG
Visitante
MSG
juarezmartinez
Visitante
juarezmartinez

Muito bom texto,desprovido de quaisquer nuances para um lado ou outro, mas vem de encontro com o que eu falei:
Os eurobambis continuma fazendo reuiniões, Tio Sam está no meio da caminho e osrRussos continuam avançando pelo norte ca Criméia.

Gabraço