Home Sem categoria Brasil não está isolado contra ataques à milícia, diz chanceler

Brasil não está isolado contra ataques à milícia, diz chanceler

266
21

brasil-luiz-alberto-figueiredo-20120919-01-size-598

De Nova York

ClippingO chanceler brasileiro, Luiz Alberto Figueiredo, disse que o Brasil não está “isolado” em sua posição contrária aos ataques liderados pelos EUA contra a milícia Estado Islâmico (EI) no Iraque e na Síria.

“A visão do Brasil é que o uso da força ou deve ser em legítima defesa ou autorizado pelo Conselho de Seguranca da ONU”, disse Figueiredo a jornalistas em Nova York.
“Isso está na Carta da ONU, não é uma coisa em que estamos isolados.”

No discurso de abertura da Assembleia-Geral, a presidente Dilma Rousseff disse “lamentar enormemente” os bombardeios americanos, defendeu “o diálogo e a diplomacia” e questionou a eficácia dos ataques contra o EI.

Figueiredo negou que Dilma sugeriu negociar com os extremistas. “Quando se fala em diálogo, é resolver o problema com diálogo político na comunidade internacional, e não usar a força como solução inicial.”

Nesta sexta (26), ele se reúne com o secretário de Estado dos EUA, John Kerry.

Questionado se transmitirá o desconforto do governo brasileiro com os ataques, o chanceler disse que vai “levar essa posição para onde tiver que levar”.
“Essa posição sempre foi a nossa, e ela não se contrapõe à da comunidade internacional. Toda a comunidade internacional pensa assim”.

Figueiredo disse que não falará “necessariamente” sobre uma possível visita de Estado da presidente aos EUA.

Em 2013, a visita de Estado a Washington, prevista para outubro, foi cancelada por Dilma após a revelação de que o governo americano espionou a presidente, seus assessores e a Petrobras.

A relação entre os países ficou estremecida desde então, e a reaproximação começou com a visita do vice-presidente Joe Biden ao Brasil em junho, para a Copa do Mundo.
“Eu não falo sobre isso (visita de Estado), é um tema entre os presidentes. A minha agenda com o Kerry é diferente. É uma agenda de ONU, de questões normais do relacionamento bilateral”, disse.

Figueiredo se reuniu com o chanceler russo, Sergei Lavrov, com os Brics e com o G4 (Alemanha, Japão, Índia e Brasil), este ultimo para discutir a ampliação do Conselho de Segurança da ONU. (Isabel Fleck E Giuliana Vallone)

FONTE: Folha de São Paulo

Subscribe
Notify of
guest
21 Comentários
oldest
newest most voted
Inline Feedbacks
View all comments
pedro oliveira
pedro oliveira
5 anos atrás

Mais uma vez provando que a política externa brasileira é uma piada.

O negócio é ser do contra os “americanu” por mais absurso que seja. E claro apoias ditadores e cocaleiros.

Isso tem que mudar. É de dar vergonha.

Bosco Jr
Bosco Jr
5 anos atrás

Não me lembro que disse isso aqui no blog, mas a atitude que melhor define a política externa brasileira é a de esperar a opinião dos EUA e logo em seguida ser contra.

Bosco Jr
Bosco Jr
5 anos atrás

O que os EUA deviam fazer é entregar a encrenca na mão do Brasil e deixar ele resolver com seus métodos.
Criticar é fácil, mas o Brasil não faz nada paralelo aos ataques.
Cadê que o Brasil está organizando um comitê pra ir lá pedir carinhosamente ao EI pra parar de fuzilar e decapitar pessoas inocentes.
O que impede o Brasil de agir ao seu modo paralelamente ao modo de agir dos americanos e aliados?
É vergonhosa nossa atitude.
Política de avestruz, pra variar.

Bosco Jr
Bosco Jr
5 anos atrás

“Brasil não está isolado contra ataques ao EI”.
Ele devia nos brindar com os nomes dos outros países que apoiam o EI.

Bosco Jr
Bosco Jr
5 anos atrás

Não precisa ele dizer não, é a Venezuela e Cuba.

Requena
Requena
5 anos atrás

O Barão do Rio Branco deve estar se revirando no túmulo ao ver no que se tronou a diplomacia brasileira.

Uma bando de borra botas, subservientes ao que existe de pior na América Latina. Uma corja de medíocres, cretinos e estúpidos.

thomas_dw
thomas_dw
5 anos atrás

Oferecemos nenhuma contribuição ao debate além de platitudes – e ainda por cima besteirol.

Atingimos um nível de total irrelevância – nossa opinião não conta para nada.

retornamos a mediocridade.

Antonio M
Antonio M
5 anos atrás

Em Israel, devem estar arrependidos em pedir desculpas …….

Carlos Soares
Carlos Soares
5 anos atrás

Antonio M

kkkk rsrsrsrs, vão desaposentar o cara, lembra-se ?

A Tia Eny e seus acéfalas são risíveis.

Carlos Soares
Carlos Soares
5 anos atrás

“joseboscojr
26 de setembro de 2014 at 19:41 #

Não precisa ele dizer não, é a Venezuela e Cuba.”

Amigo …. esqueceu-se ?

República Democrática Popular da Coreia.

E o pós modernos:

Maduro, Irmãos Castro e o fantástico ……..

Líder supremo: Kim Jong-un

(rs)

Todos amigos da Tia Eny, do molusco e da corja toda.

Carlos Soares
Carlos Soares
5 anos atrás
Mayuan
Mayuan
5 anos atrás

A Cesar o que é de Cesar. É evidente que o Isis tem que ser combatido e com bastante energia. Mesmo assim, ou para essa mania de alguns países de cagar pras resoluções da ONU ou fecha logo aquela merda. O que a ONU não pode é ficar que nem cachorro velho e desdentado acorrentado no fundo do quintal. Late late e ninguém dá a menor pelota. Nesse ponto a crítica dela está correta.

Bosco Jr
Bosco Jr
5 anos atrás

Mayuan, Mas não foi isso que a presidente disse. Ela disse sim que só o diálogo e a democracia poderiam resolver e não que iria aguardar uma resolução da ONU para aprovar ou não os ataques. Em relação aos ataques, país nenhum precisa de legitimidade da ONU para fazer guerra ou atuar em lugar nenhum do mundo. Países são soberanos e devem arcar com as consequências. A ONU pode até organizar uma coalizão, mas isso realmente não importa e nem é necessário, mesmo porque qualquer um dos países que têm assento no CS podem vetar qualquer resolução. O que os… Read more »

Bosco Jr
Bosco Jr
5 anos atrás

Correção: “o diálogo e a diplomacia” e não “democracia”.

Bosco Jr
Bosco Jr
5 anos atrás

A presidente acha indispensável uma resolução da ONU aprovando o ataque da coalizão liderada pelos EUA ao EI, mas e quanto ao ocorrido na Ucrânia recentemente, será que ela cobrou da Rússia uma resolução da ONU?
Igual aos americanos, os russos estão tomando iniciativas na Ucrânia sem consultar antes a ONU.

Leonardo Pessoa Dias
Leonardo Pessoa Dias
5 anos atrás

Companheiros do trilogia, A linha doutrinária no Itamaraty de auto-alinhamento caiu junto com o muro de Berlin. A visão que a diplomacia brasileira é do contra, ou seja, espera os EUA se posicionarem para depois se colocar do outro lado, é muito amadora. Diria até inocente. O valor principal que a diplomacia brasileira sempre relembra, e por isso ocasionalmente fica contra uma posição dos EUA, é que nenhuma nação tem o direito de matar sem um mandato – ou seja – sem anuência internacional, plano de entrada e saída, e o mais importante (que foi o erro alardeado e concretizado… Read more »

Leonardo Pessoa Dias
Leonardo Pessoa Dias
5 anos atrás

Caro Bosco, Sempre bom conversar com você. Lamento estar fora tanto tempo. Quanto à abstinência do Brasil na votação simbólica de condenação da anexação da península da Criméia à Rússia, o buraco é mais embaixo. Alguns pontos: 1. Era uma votação simbólica. Igual a dar nome de rua e praça para personalidade. Não existe função prática – diplomática ou militar – com isso. 2. Desnecessário dizer que todos sabem que a Rússia, minimamente, tem interesse – e com certeza participação – no conflito. Mas seria o mesmo que uma parte do Canadá entrar em guerra civil. Ou os EUA se… Read more »

Bosco Jr
Bosco Jr
5 anos atrás

Leonardo,
Li suas considerações a respeito dos dois casos e as respeito.
Um grande abraço pra você também.

Colombelli
Colombelli
5 anos atrás

Conselho a diplomacia do Brasil: em boca fechada não entra moscas.

Carlos Soares
Carlos Soares
5 anos atrás

“Os pontos acima não são A VERDADE, são a minha opinião porque concordo com o posicionamento da nossa diplomacia sobre esta crise extremamente complexa.”

Discordo, mesmo sendo minha opinião “uma mentira”. (rs)

Grande abraço.

Oganza
Oganza
5 anos atrás

Vamos falar toscamente mas de forma simples: Falar de Ucrânia é uma das coisas mais complicadas que existem… é complicado até na ONU de discutir isso sobre suas bases de Direito dos Povos, sufrágio universal etc. Explico: A Ucrânia é uma região que possui um povo, NUNCA foi um estado, fato que aconteceu só em 1991. A região SEMPRE foi dominada por alguém ou outro estado desde o século XIII(?), NUNCA unificada sobre as bases de um estado, uma língua ou uma lei, excetuando-se na era soviética… akilo tem potencial para se tornar um conflito Judeu/Palestino no meio da Europa.… Read more »