Home Noticiário Internacional EUA intensificam renovação do arsenal de armas nucleares

EUA intensificam renovação do arsenal de armas nucleares

566
37

Complexo de Segurança Nacional Y-12 em Oak Ridge, no Tennessee

WILLIAM J. BROAD e DAVID E. SANGER DO “NEW YORK TIMES”

ClippingUma nova e ampla fábrica em Kansas City, no Missouri, produz as entranhas mecânicas das ogivas atômicas dos Estados Unidos. Maior que o Pentágono, cheia de equipamentos futuristas e milhares de trabalhadores, a fábrica, inaugurada em agosto, moderniza as armas envelhecidas que o país pode disparar de mísseis, bombardeiros e submarinos.

Ela faz parte de uma onda nacional de revitalização atômica que inclui planos de uma nova geração de veículos para transporte de armamentos. Um recente estudo federal calculou o preço total em US$ 1 trilhão (R$ 2,4 trilhões) nas próximas três décadas.

Essa expansão ocorre sob um presidente que fez do desarmamento um dos principais objetivos da política de defesa americana.

A ideia era que uma reconstrução modesta do complexo nuclear decadente do país acelerasse a reposição de armas, aumentando a confiabilidade do arsenal e abrindo caminho para tratados que reduziriam de maneira significativa o número de ogivas nucleares.

Em vez disso, por causa de acordos políticos e de crises geopolíticas, o governo Obama está se envolvendo em uma extensa reconstrução atômica, enquanto consegue apenas uma modesta redução de armamentos.

Com a Rússia no rumo bélico, a China pressionando com suas reivindicações territoriais e o Paquistão expandindo seu arsenal, as chances gerais para o legado de desarmamento do presidente Obama parecem cada vez mais tênues, segundo analistas.

O Congresso manifestou menos interesse nas reduções atômicas do que em parecer firme no confronto crescente entre os governos de Washington e Moscou.

“O modificador de jogo mais fundamental é a invasão da Ucrânia por Putin”, disse Gary Samore, principal assessor nuclear de Obama em seu primeiro mandato e hoje professor em Harvard. “Ela tornou politicamente impossível qualquer medida para uma redução unilateral do arsenal.”

Isso é ótimo para os “falcões”. Eles creem que os investimentos colocam os EUA em posição mais forte em caso de uma nova corrida armamentista. Na verdade, as fábricas que Obama aprovou para uma força menor de armas mais precisas e confiáveis poderia, sob outro presidente, permitir a rápida expansão do arsenal.

No final, porém, a realidade orçamentária pode ter mais força que as filosofias nucleares para conter a escalada atômica. “Não há dinheiro suficiente”, disse Jeffrey Lewis, do Instituto de Estudos Internacionais em Monterey, especialista no esforço de modernização. “Será um fracasso.”

Em relatórios abertos e secretos para o Congresso, Obama expôs seus planos de renovação atômica, cujo custo o Departamento de Orçamento do Congresso estimou em US$ 355 bilhões (R$ 852 bilhões) nos próximos dez anos. Mas esse é apenas o início.

O preço vai disparar depois de dez anos, quando mísseis, bombardeiros e submarinos feitos no século passado chegarem ao fim de suas vidas úteis e forem construídos substitutos.

O principal trabalho na fábrica de Kansas City, que substitui uma instalação mais antiga que era constantemente inundada, é prolongar a vida de uma ogiva de submarino chamada W-76, que já tem 40 anos. Aproveitando milhares de peças, os trabalhadores tentam fazê-la durar 60 anos -o triplo do planejado originalmente.

Mas, se a fábrica de Kansas City é a joia da coroa no esforço de modernização, outros projetos são o lembrete de que muitos bilhões ainda deverão ser gastos.

No Laboratório Nacional Los Alamos, no Novo México, berço da bomba atômica, planos de um novo complexo para produzir combustível de plutônio surgiram há uma década, com orçamento de US$ 660 milhões (R$ 1,58 bilhão).

Mas grupos antinucleares divulgaram detalhes embaraçosos, como a descoberta de uma falha geológica no local. O custo estimado disparou para US$ 5,8 bilhões (R$ 13,9 bilhões), e em 2012 o Obama suspendeu o projeto.

E o custo de um projeto de atualização do Complexo de Segurança Nacional Y-12 em Oak Ridge, no Tennessee, subiu de US$ 6,5 bilhões (R$ 15,6 bilhões) para US$ 19 bilhões (R$ 45,6 bilhões). O governo Obama suspendeu o projeto, e o laboratório está lutando para modificá-lo.

A diferença gritante entre planos de trilhões de dólares e orçamentos apertados começa a chamar a atenção de Washington.

Uma nova geração de mísseis, bombardeiros e submarinos “é impraticável”, declarou em julho um painel independente bipartidário encomendado pelo Congresso e o Departamento da Defesa. O investimento total, segundo o painel, “provavelmente sairia às custas de melhoramentos necessários nas forças convencionais”.

Em agosto, a Casa Branca anunciou que revisaria os planos de gastos atômicos, preparando-se para o pedido de orçamento do ano que vem ao Congresso, que definirá os gastos federais para o ano fiscal de 2016.

“Este é o orçamento do legado de Obama”, disse uma autoridade graduada, sob a condição do anonimato por causa da delicadeza política do tema. “É sua última chance de fazer as opções difíceis e definir prioridades.”

Tradução de LUIZ ROBERTO GONÇALVES

FONTE: Folha de São Paulo

37
Deixe um comentário

avatar
35 Comment threads
2 Thread replies
0 Followers
 
Most reacted comment
Hottest comment thread
11 Comment authors
OganzaCorsario137aldoghisolfiRafael M. F.costamarques Recent comment authors
  Subscribe  
newest oldest most voted
Notify of
Bosco Jr
Membro
Active Member
Bosco Jr

A ogiva W76 de até 100 Kt lançada pelos mísseis Tridents II é a mais numerosa arma nuclear americana. Teoricamente um Trident II pode levar até 14 delas, mas por força de tratado está limitado a apenas 4. Uma outra arma nuclear do Trident II (até 8 por míssil, mas também limitado hoje em dia a não mais que 4) é a W88, com 475 Kt. Essa é a mais recente e moderna ogiva termonuclear americana. A do Minuteman III é a W87, com 300 Kt. O ALCM AGM-86 usa a ogiva W-80, com 200 Kt. Ainda tem as bombas… Read more »

Carlos Soares
Visitante
Carlos Soares

É Mestre Bosco,

o EI/ISIS vai aniquilar os USA. (rs)

Bosco Jr
Membro
Active Member
Bosco Jr

Carlos,
E você sabe que eu não duvido que usem contra o EI.
Infelizmente (para o EI), ele comprou briga com todo mundo e não vejo ninguém que se oporia e seria uma boa oportunidade para os cinco do CS da ONU mostrarem ao resto do mundo quem é que manda nele.

Flavio Lital
Visitante
Flavio Lital

Boa noite a todos! Enquanto o mundo se arma, nós brasileiros tivemos o nosso direito de nos defendermos cortados por um presidente que usou de uma atitude autoritária, que não fez um plebiscito para saber se o povo que ele representava (povo brasileiro ) queria ou não o direito de ter armas nucleares para nos defendermos. Acho sinceramente que deve ser feito um plebiscito para saber se o povo brasileiro deseja renunciar a opção de termos armas nucleares para nos defendermos, armas simples, mísseis balísticos intercontinentais, submarinos com mísseis nucleares de defesa com ogivas w87, porta aviões de defesa com… Read more »

Luiz Paulo
Visitante
Luiz Paulo

Poxa Flavio… de novo essa ladainha? Você já leu nossa constituição?

“Art. 21. Compete à União:
….
XXIII – explorar os serviços e instalações nucleares de qualquer natureza e exercer monopólio estatal sobre a pesquisa, a lavra, o enriquecimento e reprocessamento, a industrialização e o comércio de minérios nucleares e seus derivados, atendidos os seguintes princípios e condições:

a) toda atividade nuclear em território nacional somente será admitida para fins pacíficos e mediante aprovação do Congresso Nacional; ….”

Deu pra entender de onde vem a proibição? Só alterando a CF amigo…

Não caia nessa onda do ‘entreguismo passado’ não. É sempre melhor dar uma lida.

Sds.

Flavio Lital
Visitante
Flavio Lital

” Poxa Flavio… de novo essa ladainha? Você já leu nossa constituição? Deu pra entender de onde vem a proibição? Só alterando a CF amigo… Não caia nessa onda do ‘entreguismo passado’ não. É sempre melhor dar uma lida. Sds. ” Pequeno Paulo, Ladainha não, esta é minha opinião. Eu vivo em um país livre e tenho o direito de manifestar a minha opinião. O que lhe leva a crer que você é o único Brasileiro que leu a constituição? É muita pretensão. Ademais, você deve voltar para o colégio para aprender a interpretar um texto pequeno como o que… Read more »

Luiz Paulo
Visitante
Luiz Paulo

Flavio Lital 1 de outubro de 2014 at 21:38 Ô choque de realidade em doutor?! A sugestão que me deu cai muito bem pra vc. Vou te ajudar a entender o que escrevi. O único ponto que rebati foi “…nós brasileiros tivemos o nosso direito de nos defendermos cortados por um presidente que usou de uma atitude autoritária, que não fez um plebiscito para saber se o povo que ele representava…” Essa estorinha de entreguismo no passado, do TNP, e etc. foi bem jogada aqui e respondida várias vezes pelos foristas. A idéia jogada é sempre a mesma e a… Read more »

Flavio Lital
Visitante
Flavio Lital

Pequeno-Paulo “Ô choque de realidade em doutor?!” Isso serve pra você, foi você que se achou no direito de entrar no post para querer me ensinar alguma coisa e impingir a sua maneira de pensar, como se eu não tivesse o direito de manifestar a minha opinião. Quanto à ideia do plebiscito, acho que o TNP deveria ter sido consultado a todo o povo Brasileiro democraticamente, então, se trata de um comportamento autoritário, e a palavra que cabe melhor aqui é, um comportamento despótico por Fernando 1 e Fernando 2. Você disse que a nossa CF proíbe e ponto, que… Read more »

Soldat
Visitante
Soldat

Flavio Lital

Você esta certíssimo…

Minha opinião a constituição Brasileira é uma VERGONHA…..

Sou totalmente a favor do Brasil ter armas nucleares.

A constituição foi feita sim por ENTREGUISTAS.

Estamos a merce da proteção dos Âmis.

Pobre Brasil.

Flavio Lital
Visitante
Flavio Lital

Soldat,

Que bom que pensa semelhante!

Nada contra os primos do norte, muito pelo contrário, podemos trabalhar juntos, mas, acho que a defesa da nossa nação só deve depender de nós mesmos. Temos capacidade de fazer qualquer coisa boa que outras nações façam.

Lamentavelmente, temos sido governados por uma súcia de malfeitores.

Forte abraço, com votos de saúde e paz!

Antonio M
Visitante
Antonio M

Estamos mesmo sobre a proteção dos americanos? Aliás, merecemos?

Nas próprias declarações dos veteranos da FEB, se não fossem os americanos fornecer o material e o treinamento na frente italiana nem teriam sobrevivido ao frio. E alí perdemos de fato a oportunidade de estreitar o relacionamento e estarmos em nível com Coréia do Sul e Japão, quem sabe.

Mas se assim fosse seriamos “cães vira-latas” e o antagonismo atual com a ideologia acentuada no atual governo nos colocam em outro patamar de “independência e isenção” ..

Carlos Soares
Visitante
Carlos Soares

É Caro Bosco,

o efeito colateral, esse é o problema.

Creio que a teriam usado não fosse esse ponto.

Ms se esses carniceiros marcharem em direção ao Jordão, sei não, meu Tio David pode ir para uma solução rápida com uma bob de baixa intensidade, meu primo Jacob diz que tem para todos os gostos e tamanhos, será ?

Carlos Soares
Visitante
Carlos Soares

Quanto aos USA, estão corretos e na deles.

Carlos Soares
Visitante
Carlos Soares

Quanto ao Brazil ……. rsrs
Eu voto contra.

Bosco já pensou ?

Tia Eny, Molusco, Criminoso que tem carteirinha da OAB e Ex-presidente do STF que negaram-lhe a insc da OAB, Embaixada na República Democrática da Korea, Mega-Porto em Cuba e por ai vai ….

A véia bicha tem razão, Zé Simão:

“Brazil, o país da piada pronta” (rs)

costamarques
Visitante
costamarques

Armas nucleares ficarão no passado, o futuro esta em ataques cibernéticos e biológicos!

Corsario137
Visitante
Corsario137

Lembrando que o Brasil colaborou ativamente no programa nuclear iraquiano na década de 80. Se tivéssemos ido a frente com o nosso e tendo o governo que temos, hoje estaríamos ajudando os bolivarianos ou cubanos a construir a deles. Quem sabe até o EI. Dai o molusco, a presidenta e a corja já teriam voados pelos ares pelas mãos do Tio David. Conjecturas…. Quanto ao TNP, como qualquer outro tratado ou acordo, não está acima da autodeterminação e soberania das nações, ou seja, pode ser rasgado se assim bem entendermos. Pra quem gosta de teorias… O Colin Powell nunca gostou… Read more »

Rafael M. F.
Visitante
Member
Rafael M. F.

Para quem quiser entender melhor o nosso programa nuclear, recomendo o livro “Histórias Secretas do Brasil Nuclear” de Tânia Malheiros. Plebiscito para se ter a bomba nuclear ou não? Submeter uma decisão de alta política, com sérias implicações estratégicas ao crivo de uma população cuja maioria é porcamente instruída? Passo… Outra coisa: não basta ter a bomba, tem que possuir os meios de se transportá-la, ou seja, um bom míssil (Alguns afirmam que o VLS na verdade era pano de fundo para um míssil balístico de médio alcance). Mas não é só o míssil, é toda a tecnologia de navegação,… Read more »

Rafael M. F.
Visitante
Member
Rafael M. F.

Uma bomba nuclear aqui, para que seja válida, precisa atingir qualquer ponto do globo terrestre. Se lançada de terra, isso não será possível.

Terá que ser desenvolvida junto com o míssil e o submarino nuclear.

Bosco Jr
Membro
Active Member
Bosco Jr

Rafael,
Excelentes considerações!

Carlos Soares
Visitante
Carlos Soares

Rafael,

concordo com o Bosco, você matou a cobra e mostrou o obus …. rs …. perfeito.

Corsario137
Visitante
Corsario137

Rafael,

Concordo com você, mas existem formas alternativas também se quisermos dar uma viajada.
Vide Israel que utilizará um submarino Diesel AIP e um míssil de cruzeiro disparado na horizontal. Nem SSN e sem SSBN e muito menos ICBM.

Shalom 😉

Bosco Jr
Membro
Active Member
Bosco Jr

Corsario,
Os israelenses provavelmente usam também o míssil balístico Jericho (ICBM ?) e bombas de gravidade lançados pelos F-15 e F-16.
Mas você está certo quanto à dissuasão. Eles usam seus submarinos convencionais de ataque armado com mísseis de cruzeiro para a função de dissuasão nuclear.

Corsario137
Visitante
Corsario137

Bosco, Eu acho q já podemos enquadrar a ultima versão do Jericho (não lembro se é IV ou V) como ICBM. Obrigado pelo complemento. Não quis incluir o Jericho por ele se tratar de um ICBM e dai cairia nas restrições colocadas pelo colega Rafael. Acho que devemos pensar fora da caixa como os israelenses fazem desde a criação do estado de Israel. Soluções mais criativas e menos convencionais. Os americanos são e sempre serão uma inspiração e um guia nas tecnologias de guerra porém devemos pensar na nossa realidade orçamentária e assim fazer o que da com o que… Read more »

Rafael M. F.
Visitante
Member
Rafael M. F.

Para termos poder nuclear, essencial termos condições de projetar esse poder. E a nossa distância dos centros estratégicos adversários exige que tenhamos meios de grande autonomia. Israel pode utilizar uma abordagem diferente porque as principais instalações estratégicas de seus inimigos estão a distâncias de no máximo 1.500 km. E o nível tecnológico das contramedidas é bem inferior. Pensando fora da caixa, se algum dia tivermos capacidade nuclear, essa deve ser defensiva. Exemplo: mísseis de cruzeiro nucleares com ogivas de raio letal suficiente para que sejam capazes de destruir ou danificar seriamente os navios de uma força-tarefa. Somente a presença de… Read more »

Corsario137
Visitante
Corsario137

Caro Rafael,

Você foi direto a raiz da questão e é aí que eu concordo plenamente com você. Inviabilizarmos as águas do Atlântico Sul seria o melhor uso estratégico da bomba.

Ainda sobre a “bomba embarcada”. Se tivéssemos um míssil como o popeye israelense + nosso futuro submarino nuclear, teríamos uma opção também ofensiva.

Rafael M. F.
Visitante
Member
Rafael M. F.

Aliás, justamente essa possibilidade de fecharmos as águas do Atlântico Sul seria o motivo mais provável para os americanos (leia-se: Collin Powell) torcerem o nariz para a capacidade nuclear brasileira.

aldoghisolfi
Visitante
Member
aldoghisolfi

Penso que estamos muito longe de podermos dispor de armas nucleares, principalmente pela falta de tecnologia própria e de toda a logística que uma nuke impõe. Não temos dinheiro disponível sequer para dar umas pinceladas nas FFAA!… Depois, se nos armarmos, o primeiro consectário é que passamos a ser ‘alvo’. Mas, quem sai p’rá chuva é p’rá se molhar… acho que é uma questão de risco assumido. Pessoalmente gostaria que dispusésemos de armamento nuclear, sim!, por questão de impor respeito. Penso que o nosso pré-Sal ainda não nos foi tomado por que ainda não houve uma necessidade entre os grandes…… Read more »

Bosco Jr
Membro
Active Member
Bosco Jr

Só de curiosidade, um dia desses li que as armas nucleares americanas foram feitas pra durar 100 anos, claro, com a devida manutenção. As últimas armas nucleares americanas foram fabricadas no final de década de 90. Parece não haver interesse americano de fabricar nada de novo. As novas bombas guiadas B-61/12 usarão os dispositivos das atuais bombas B-61. Basicamente os americanos têm: 450 ICBMs Minuteman III com 450 ogivas disponíveis (W87) 288 SLBMs Trident II com cerca de 1150 ogivas (W76 e W88) 400 ALCM AGM-86 com 400 ogivas W-80 Cerca de 400 bombas B-61 76 bombardeiros B-52 20 bombardeiros… Read more »

Corsario137
Visitante
Corsario137

aldoghisolfi
5 de outubro de 2014 at 16:51 #

Caro Aldo,

Para ter vários SubNuc, todas as nações tiveram que começar pelo primeiro. Assim seguimos fazendo o mesmo.

aldoghisolfi
Visitante
Member
aldoghisolfi

Bom dia Corsário!

É bem verdade, tudo começa pelo primeiro… o que eu quis dizer é que o subnuke, ‘este’ subnuke, poderia dar espaço financeiro para o incremento da frota de sub convencionais. Como vamos manter um barco destes navegando? Quem tem um não tem nenhum… quando vamos iniciar o segundo, se nem quanto ao primeiro temos a certeza da operação?

Porque não embarcar os POPEYEs em embarcações convencionais, como referistes?

Vários subs convencionais nos colocariam numa posição de muito respeito no contexto internacional.

Rafael M. F.
Visitante
Member
Rafael M. F.

aldoghisolfi 5 de outubro de 2014 at 16:51 “Penso que o nosso pré-Sal ainda não nos foi tomado por que ainda não houve uma necessidade entre os grandes…” Não é tão simples. A logística de se enviar uma força-tarefa, e mais ainda, mantê-la em um TO tão distante como o Atlântico Sul é, foi e sempre será problemática. Mesmo superpotências não possuem condições de manter isso. Mais: o preço crescente do barril de petróleo está tornando viável tecnologias novas (como o Shale Gas), e os Estados Unidos estão com previsão de alcançar auto-suficiência energética até 2020. Acrescenta-se a isso os… Read more »

Corsario137
Visitante
Corsario137

Caríssimos,

Os americanos estão tão interessados no pré-sal que nenhuma empresa americana se apresentou ao leilão do campo de Libra! kkkkkk…

Nós somos a piada do mundo do petróleo.

Se nem pelos meios convencionais eles querem entrar aqui, quiçá gastando bilhões numa guerra.

O Brasil e suas brasilianices…

aldoghisolfi
Visitante
Member
aldoghisolfi

Salve Rafael!

Não falo emtermos futuros; concordo contigo e já fui editado por falar no assunto aqui.

Disse que nenhuma potência nos tira o pré-Sal por acreditar que não há necessidade de grande força-tarefa para se alojar em cima da pretensão. Penso que um sm singelo NAe com sua escolta decide a parada contra nós.

aldoghisolfi
Visitante
Member
aldoghisolfi

RAFAEL: CORREÇÃO:

“Disse que nenhuma potência nos tira…”.

Quis dizer “…qualquer potência…”.

Oganza
Visitante
Oganza

Meus caros, a questão do gás de folhelho: 2020 é a certificação do processo de extração em escala industrial (a coisa é muuuuito tóxica se houver vazamentos), a possível independência energética será para depois de 2025, mais seguro para a primeira metade da década de trinta, pois terá que acontecer a preparação das termo-elétricas para queimar o gás e azeitar o processo logístico. O que o povo brasileiro sabe e não sabe: 1 – nós SABEMOS que fomos nós que industrializamos e massificar-mos o uso de etanol (nosso álcool) e alardeamos isso aos 4 ventos e aos 7 mares. 2… Read more »

Bosco Jr
Membro
Active Member
Bosco Jr

Já que falei do arsenal nuclear americano, eis aí o russo: 311 ICBM (6 tipos diferentes: 52 SS-18, 40 SS-19, 108 SS-25 Topol “móvel”, 60 SS-27 Topol M “móvel” e 18 SS-27 Topol M em silo, 33 RS-24) com 1078 ogivas disponíveis. 10 SSBNs ( 6 Delta IV, 2 Delta III e 2 Borei) com 112 SLBMs (80 SS-N-23 e 32 SS-N-18) com 416 ogivas disponíveis. Obs: o Bulava ainda não está operacional nos Borei 66 bombardeiros (11 Tu-160 e 55 Tu-95) com 200 (??) “ogivas” disponíveis na forma de mísseis cruise AS-15 e bombas gravitacionais. Fazendo uma comparação: Bombardeiros… Read more »

Carlos Soares
Visitante
Carlos Soares

“joseboscojr 4 de outubro de 2014 at 22:08 #” Sukkot Shalon “joseboscojr 7 de outubro de 2014 at 21:47 #” Basta ter uma e que funcione e atinja o alvo, tudo muito bom e bem guardadinho e num bom segredo. Ai a brincadeira fica diferente. “Israel testou uma nova versão do míssil balístico de longo raio de ação Jericho. Segundo a mídia israelense, o míssil, com 5 mil quilômetros de alcance, é uma arma de dissuasão estratégica que visa, em primeiro lugar, o Irã. Em um comunicado emitido após os testes, o Ministério israelense da Defesa refere: “O teste do… Read more »