Home Armas de Fogo Parque Regional de Manutenção/5 faz história recuperando 10.000 Fuzis

Parque Regional de Manutenção/5 faz história recuperando 10.000 Fuzis

902
25

Recuperação de fuzis - 1

Curitiba – O Parque Regional de Manutenção/5 completou, no dia 1º de outubro, a marca histórica de manutenção de 3° escalão (fosfatização) em 10.000 unidades do Fuzil 7,62 M964 (FAL). Iniciado em 2008, tal projeto reestruturou a linha de produção de manutenção de fuzis daquela organização militar com a ampliação de oficinas, aquisição de máquinas e equipamentos e rigorosas metas estabelecidas rigorosas de 150 fuzis por mês. A reformulação do processo de produção baseou-se no “Sistema Toyota de Produção”, melhorando as rotinas e procedimentos de trabalho.

A manutenção de terceiro escalão de fuzis 7,62mm envolve basicamente duas oficinas: a de Armamento Leve e a de Tratamento Superficial, além de uma Estação de Tratamento de Efluentes, que trata o resíduo proveniente da fosfatização e consequentemente preserva o meio ambiente, e de um túnel de tiro para a realização do tiro técnico balístico, almejando desta forma, uma manutenção confiável e segura em 100% dos fuzis. Tal projeto, incluído no plano Diretor da OM, estabeleceu como meta fosfatizar todos os fuzis da 5ª Região Militar em sete anos. A Estação de Tratamento de Efluentes é certificada pelo Instituto Ambiental do Paraná.

Recuperação de fuzis - 3

Recuperação de fuzis - 2

FONTE: EB

25
Deixe um comentário

avatar
25 Comment threads
0 Thread replies
0 Followers
 
Most reacted comment
Hottest comment thread
5 Comment authors
Carlos Soaresthomas_dwMauricio R.OganzaColombelli Recent comment authors
  Subscribe  
newest oldest most voted
Notify of
Oganza
Visitante
Member
Oganza

Massa… parece fim de semana na casa do Toffy, só falta as crianças e o churrasco. O fosfatização vai proteger o metal e aumentar sua resistência a corrosão natural e por condução elétrica (eletricidade galvânica). Vai tb melhorar a aderência de tintas e lubrificantes. O melhor de tudo, é que depois do processo, a “arma velha” em geral precisa de 75% menos lubrificantes e pelo dobro do tempo. O resultado disso é uma arma mais limpa, como dizemos aki: ela não está mais drooling. kkkkk PS.: o processo, pelo que mostra a imagem, foi por imersão, que é 1000% mais… Read more »

thomas_dw
Visitante
thomas_dw

Ótima ideia – mantemos assim nossos fuzis FAL em perfeitas condições de uso, algo possível gracas ao fato de nao serem usados para dar tiros e o desgaste se deve ao constante manuseio,

Somos afortunados em que não precisamos usar estas belas relíquias dos anos Sessenta para o fim a que originalmente se destinam.

Israel adotou o FAL mas ou menos na mesma época que o Brasil, e desde então se sucederam

AK-47
Galil
M-16A1
M-16A2
M-4A1
Tavor
e agora o X-95

e nós ?

FAL
FAL
FAL
FAL
FAL
FAL
.
.
.
.

Colombelli
Visitante
Active Member
Colombelli

Amigos, ja usei fuzil com fosfatização e lhes afirmo que o resultado pratico não é tao espetacular assim. O problema no EB é que os fuzis chegam ter desgasta e do metal. Ficam todos frouxos escangalhados mesmo. Voltam um pouco melhor estruturalmente e com uma camada protetora, mas longe de parecer um “novo” como era o meu 261100.

Nada contra o trabalho, óbvio que deve ser executado para prolongar a vida, mas o resultado não fica nem longe do ideal.

Oganza
Visitante
Member
Oganza

Colombelli, bom, na matéria não diz por exemplo que tipo de fosfatização é feita, se é neutra ou por monoácidos e claro não informa a “receita do banho” em zinco, ferro e manganês. Mas o segredo de tudo mesmo é fazer o acabamento, por exemplo: a pintura nós fazemos com 5 camadas de pulverização eletrostática que somada ao primeiro processo, triplica a aderência. Quando adquirir o meu C2, é o FAP no Brasil, tive que fazer uma grande reforma nele, pois ele estava, como vc disse, todo frouxo… e isso tem uns 7 a 8 anos e mais de 500… Read more »

Oganza
Visitante
Member
Oganza

Só para esclarecer: O Toffy, a quem me referi no primeiro post, é um dos Armeiros Certificados aqui na Luisiana. Toda vez que levamos uma arma para ele fazer uma reforma, concerto, recondicionamento ou customização (aliviar o peso do gatilho de alguma arma por exemplo), ele gera um relatório que o proprietário da arma assina ou não, de qualquer forma, ele envia o tal relatório para o FBI… SEMPRE. O mesmo acontece quando alguém não apresenta a documentação de alguma arma específica… mas ele sempre tem como checar o cadastro on-line dakela arma em questão e saber se ela está… Read more »

Carlos Soares
Visitante
Carlos Soares

Oganza

“………..não informa a “receita do banho” em zinco, ferro e manganês.”

Caso tenha ferro, tem que ter dois neutralizadores ….. zinco e manganês ou alumínio(galvânico) seriam opções.

Vi os tanques, a deposição deve ser mecânica ou por eletrólise ?

Banho frio, por eletrólise ….. os militares estão ao lado do tanque e com EPI’s.

Banho quente …. eles não estariam ali.

Abraços

Carlos Soares
Visitante
Carlos Soares
Oganza
Visitante
Member
Oganza

Carlos,

pois é, a parte química eu só vejo o Toffy colocando um pouquinho disso e um bucado dakilo.

Só tá faltando ali um avental e uns óculos… a disposição dos tanques me parece estranha tb… o Toffy tem os seus lado-a-lado mas de maneira longitudinal e com mais de 2m da bancada de inspeção… ai parece meio apertado.

Grande abraço.

Oganza
Visitante
Member
Oganza

Carlos, não tinha visto esse post do FAP, acabei de lê-lo e os comentários tb… Se essas Minimi vieram mesmo foi a melhor coisa que fizeram, mas é como o Marine disse: Tem que criar a doutrina. No caso do meu C2 canadense, eu queria um FAL… rodou, rodou e só achava os feitos para o mercado civil pós anos 80… a maioria já mexidos quando de segunda mão. Os novos já vinham com matáreis modernos, aços e peças usinadas de forma diferentes… etc… mas eu queria um o mais próximo possível dos originais. Dai pintou um convite para irmos… Read more »

thomas_dw
Visitante
thomas_dw

se o EB gosta tanto do FAL poderia comprar eles novos – ou entao comprar um lote de 60,000 M-4 por $100 ou $150 milhões de dólares.

depois de dez anos – ta na hora de aposentar o fuzil pelo seu uso, não da para entender como estamos ainda reformando os FAL.

O que este programa demonstra, é que no EB, o fuzil nao é visto como outra coisa do que o que o recruta carrega de la para ca e que ninguém espera usar.

Mauricio R.
Visitante
Member
Mauricio R.

A iniciativa é positiva, é o EB fazendo limonada dos limões disponíveis.

Colombelli
Visitante
Active Member
Colombelli

Maurício, é so o que se faz no EB. Depois de 40 anos nas mãos de recrutas e fazendo pistas em campo, os fuzis ficam em petição de miséria. Os que vão pros arsenais ou parques de manutenção acabam recebendo apenas uma cobertura de fosfatização mas as peças acabam não sendo trocadas, especialmente cavilha e eixo e trinco da caixa da culatra que são as peças que deixam o fuzil bambo.

O resultado é que se evita a ferrugem mas a funcionalidade não melhora muito.

Carlos Soares
Visitante
Carlos Soares

Muda o perfil.

A VENEFAVELA deve um monte pra gente.

Vai lá e “toma” a fábrica de A 47 deles e traz para cá.

Aliás, deu certo essa aventura deles ?

Carlos Soares
Visitante
Carlos Soares
Carlos Soares
Visitante
Carlos Soares

AK 47

“«Este problema deve-se ao facto da arma ser facilmente imitável, qualquer um é capaz de a fazer», afirmou Mr. Kahaner, autor de um livro sobre a história da arma.”

thomas_dw
Visitante
thomas_dw

usar um AK-47 hoje em dia é pedir para morrer, uma arma que só serve para intimidar, contra um fuzil moderno poe o combatente que a usa em desvantagem total a qualquer distancia maior do que 100 metros.

alias, este é o problema de ficar recondicionado um fuzil obsoleto, qualquer soldado que tiver que usar um FAL de 50 anos recondicionado, se sente como um motorista de Opala 1975 na Avenida Paulista …

imagine a sua vida depender de um FAL em combate.

Oganza
Visitante
Member
Oganza

thomas_dw, o AK-47 não é uma arma para ser pensada ou comparada dentro da doutrina ocidental… Ele não só foi como ainda é um extraordinário fuzil para akilo que se propõe dentro da doutrina a qual foi inserido. Ele tb não foi pensado para ter precisão… é um fuzil de ASSALTO na origem real do termo. Se vc estiver em uma embarcação Guardian 25, como a do post aki no FORTE, e sofrer uma emboscada na curva de um rio, contra uns 15 caras de AK-47 cuspindo akele mundarel de balas, a guardiam não terá outra opção se não recuar… Read more »

thomas_dw
Visitante
thomas_dw

correto – grande volume do fogo a curta distancia, agora, a qualquer coisa mais longe …

dai que teria sido interessante comprar a licença do Galil no começo dos anos 80.

Interessante que pouco se comenta do uso do M-4 pelo EB – que é bastante comum em varias unidades.

Colombelli
Visitante
Active Member
Colombelli

Thomas eu confiaria minha vida a um FAL em bom estado de conservação mais do que a uma M-4. Depois de se ver uma mosca a 400 metros sem luneta se vê o real potencial dele. Fora isso, o incidente do Top Malo House mostra bem a diferença de rendimento.

E a M-4 não comum no EB não. So as forças especiais no EB usam algumas e os fuzileiros navais.

Galil é baseado no AK e não é muito mais preciso.

Oganza
Visitante
Member
Oganza

Colombelli,

só esqueceste dizer para o Thomas que o Top Malo House foi no conflito das Falklands e o que foi que aconteceu lá… rsrsrs vc tem que dar uma chance pra ele tb… 🙂

Grande Abraço.

thomas_dw
Visitante
thomas_dw

em 1982 o FAL ainda dava conta do recado 🙂 O Galil foi um bom projeto – e o Galil ACE esta vendendo como pipoca, o FAL teve a sua época, o calibre dele é o que muitos gostam, entao vamos adotar um SCAR ou algo ergonomicamente atualizado. A escolha do novo fuzil do EB na minha opinião, foi adotar um fuzil mais basico e de baixo custo, mas de novo estamos falando de manter ele décadas Da para compreender que a US Army mantem o M-4 e M-16 desde 1960 como o seu padrao, mas nem da para compara… Read more »

Carlos Soares
Visitante
Carlos Soares
Carlos Soares
Visitante
Carlos Soares
Colombelli
Visitante
Active Member
Colombelli

O Scar seria inviável como arma de dotação pelo custo. Contando um reserva mínima, temos de ter na faixa de ao menos 220.000 armas no EB mas 30000 na MB e FAB. Seria ótimo mas inviável no custo. Os M-4 e M16 ja não são tão soberanos nas FA dos EUA e os modelos atuais de fato pouco lembram os de 30 anos atras. Porém, veja-se o orçamento deles e o nosso. Eles podem trocar a cada dez anos. Nós não. Para o que se exige de soldados não profissionais o IA2 cumpre missão quantum satis. Sobre Top Malo House,… Read more »

Oganza
Visitante
Member
Oganza

Colombell,

concordo mas ao contrário do que muita gente pensa, ainda tem muuuuito M16 nas mãos de soldados americanos lá no Afeganistão e estima-se que metade dos fuzis das FFAA americanas sejam M16A2. E só a dois anos começou um longo programa de recauchutação com a troca de seus canos por um mais pesado, para proporcionar mais precisão.

Só a título de curiosidade, ainda existem mais magazines para 20 cartuchos de 5,56 em seus estoques do que os de 30 rsrsrsrs.

Grande Abraço.