Home Entrevista Entrevista com Jaques Wagner: compra dos Pantsir não deve ser concluída até...

Entrevista com Jaques Wagner: compra dos Pantsir não deve ser concluída até as Olimpíadas

363
12

Pantsir

Ministro falou sobre cooperação técnico-militar Brasil-Rússia, comentou a aquisição dos helicópteros russos MI-35 e avisou: dificilmente a compra dos carros antiaéreos Pantsir será concluída até as Olimpíadas.

ClippingEste sábado, logo após a realização da Parada Militar, o ministro da Defesa do Brasil, Jaques Wagner, que está em Moscou representando a presidenta Dilma Rousseff, concedeu entrevista à Sputnik e à Rede Globo. O diretor da Sputnik Brasil, Aleksandr Medvedovsky, acompanhado do jornalista Konstantin Kuznetsov, encontrou o ministro em um hotel no centro de Moscou, onde foi realizada a entrevista.

Gostaríamos de fazer uma pergunta sobre a cooperação técnico-militar entre Brasil e Rússia. Durante a exposição de armamentos LAAD-2015, realizada no Rio de Janeiro, muito se falou sobre a possibilidade de compra de helicópteros russos K-32. Essa possibilidade realmente existe?

Nos compramos helicópteros russos que estão em Porto Velho, em Rondônia. Acredito que a perspectiva mais palpável de aquisição brasileira seria o carro antiaéreo Pantsir. A presidenta assumiu esse compromisso, mas a compra atrasou. Estamos com problemas de aperto fiscal este ano, mas eu conversei com Embaixador da Rússia no Brasil e acho que rapidamente poderemos estar fazendo o pedido de oferta de preços, por que na verdade até agora nem isso foi feito.

Os helicópteros serão usados durante os Jogos Olímpicos como um dos elementos de segurança?
Eles podem ser requisitados. Na verdade eles estão todos baseados nessa base em Rondônia. Eles fazem um outro serviço, mais voltado para a fronteira brasileira. Se houver um entendimento da Aeronáutica de que é importante trazé-los para participar da cobertura da Olimpíada, eles virão.

Então a compra dos Pantsir dificilmente será concluída até as Olimpíadas?
Eu acho muito difícil. Teríamos que fazer um contrato agora (para que isso fosse possível). No momento somente vamos fazer a formalização do pedido para uma oferta dos russos. Por isso eu acho que até a Olimpíada dificilmente conseguimos (comprar os Pantsir).

FONTE: Sputnik News

Subscribe
Notify of
guest
12 Comentários
oldest
newest most voted
Inline Feedbacks
View all comments
Bosco Jr
Bosco Jr
5 anos atrás

Eu confesso que apesar de achar o Pantsir um sistema antiaéreo fantástico não gostava dele para o Brasil pois pensava que seria usado de forma tática na defesa antiaérea na linha de frente do EB. Com a divulgação que ele seria usado pelas três Forças, e que teria como objetivo a proteção de alvos estratégicos e o uso em grandes eventos esportivos, passei a achá-lo interessante. Para a defesa antiaérea de média altitude da linha de frente do EB um sistema modular como o CAMM-L é muito mais adequado. Se o EB estiver equipado com o Igla, o RBS-70, o… Read more »

Clésio Luiz
Clésio Luiz
5 anos atrás

Bosco, você que é bem letrado nesse assunto, quais seriam as outras opções para o Brasil no lugar do Pantsir? Existe algo comparável vindo de Israel ou dos nossos novos amiguinhos suecos?

Felipe Morais
Felipe Morais
5 anos atrás

Bosco, supondo que nos próximos 2 anos nossa economia se estabilize, e se encerrem eventuais cortes na pasta, você acredita que há interesse do EB na aquisição dos dois sistemas, pantsir e CAMM? E você acha que é realmente vantajoso adquirir o pantsir com o tal TOT? Na minha opinião de leigo, acho que seria muito mais vantajoso o TOT do verba e do RBS, sistemas de baixa altura que o EB poderia adquirir em grande quantidade. Quanto ao pantsir e o CAMM, diante de nossa realidade financeira, seria mais vantajoso adquiri-los de prateleira mesmo, com algum pacote de manutenção… Read more »

Felipe Morais
Felipe Morais
5 anos atrás

Pois é Clésio, acho que os Suecos têm muito a oferecer ao Brasil, desde que tenha cash. A Suécia possui um sistema antiaéreo de média altura, mas esqueci o nome e acredito que sejam bem inferior ao pantsir.

Bosco Jr
Bosco Jr
5 anos atrás

Felipe,
O sistema sueco é o Bamse.

Felipe Morais
Felipe Morais
5 anos atrás

Acabei de lembrar aqui Bosco, rs.
Clésio, no link abaixo muito se fala sobre defesa antiaérea, inclusive há um comentário do próprio Bosco elencando os sistemas de média altura disponíveis no mercado:
http://www.forte.jor.br/2014/03/03/exercito-brasileiro-e-saab-assinam-contrato-de-sistema-de-misseis-terra-ar-rbs-70/

Bosco Jr
Bosco Jr
5 anos atrás

Clésio e Felipe, Levando-se em conta o desempenho cinético, a compactabilidade e mobilidade, o Pantsir é um sistema único (salvo algum outro de origem chinesa), sem igual no Ocidente. Resta saber se precisamos de um sistema com essas características. Na Rússia ele é usado para defender sistemas S300 e S400 e grandes deslocamentos de veículos dentro de território amigo. Como disse acima, pra defesa de eventos esportivos em situação de paz e para a defesa de pontos de alto valor estratégico no interior do país, acho ele adequado, já que estaremos usando-o como os russos, dentro de território amigo e… Read more »

Bosco Jr
Bosco Jr
5 anos atrás

Quanto a sistemas semelhantes, como disse, não há nada muito semelhante hoje no Ocidente. O que é mais parecido, como o Felipe mencionou, é o BAMSE, sueco. Tem características cinéticas parecidas (20 e 15 km) e ambos são guiados por comando (o Pantsir é por COLOS e o BAMSE é por ACLOS), o que em tese barateia o míssil. Só que o Bamse é rebocado, enquanto o Pantsir é autopropulsado, com vantagens e desvantagens para ambos. O Pantsir é mais avançado, tendo em vista que usa um radar de varredura eletrônica que permite que o sistema engaje 4 alvos ao… Read more »

Bosco Jr
Bosco Jr
5 anos atrás

Logo após a SGM começou-se um boom de desenvolvimento de mísseis sup-ar tendo em vista que a maior ameaça era representada pelo bombardeiros em grande altitude e que no nível baixo havia os velhos e confiáveis canhão e metralhadora. Os primeiros mísseis sup-ar eram enormes, geralmente fixos e complexos (e pouco confiáveis) e aptos a serem usados contra aviões em grande altitude. Logo houve o surgimento dos primeiros mísseis portáteis como o Redeye, lançados do ombro, com alcance de não mais que 3 ou 4 km e outros mais pesados, lançados de veículos, alguns com capacidade todo o tempo, ogivas… Read more »

Rafael Oliveira
Rafael Oliveira
5 anos atrás

É impressão minha os sistemas defesa antiaérea sobre blindados 6×6 ou 8×8 estão fora de moda?

Parece-me que as opções estão concentradas em caminhões (médio e grande alcance) ou em 4×4 (de curto alcance).

Ou em veículos sobre lagartas, mas aí é outra história.

Claro que um Pantsir com canhões, mísseis e radar exige um caminhão desse porte, o que me causa estranheza é não empregarem essa classe de mísseis (umas 6 unidades), num blindado da classe do Guarani ou do Piranha – ainda que houvesse a necessidade de um veículo dedicado apenas ao radar.

Abraços.

Felipe Morais
Felipe Morais
5 anos atrás

Muito obrigado pela lição Bosco. Brasil poderia fazer uma boa parceria com os suecos envolvendo o RBS e o Bamse, aproveitando todo o alarde do gripem. De qualquer modo, acredito que (se vier) algo nos próximos anos, será o Pantsir apenas e nada mais em um TOT de bilhões para equilibrar a balança com os russos. Bom saber que ao menos é um ótimo vetor.

a.cancado
a.cancado
5 anos atrás

Na boa, esse Jaques Wagner só traz notícia boa, não é mesmo?…rsrsrsrsrsrsrs
Eu avisei, amigos, eu avisei…