Home Exército Brasileiro Sistema da Saab integra simulações em grande exercício do Exército Brasileiro

Sistema da Saab integra simulações em grande exercício do Exército Brasileiro

1528
9
FT SU Bld pronta para o cumprimento da missão. Viaturas e pessoal calçados com simuladores laser instrumentados, o que permitiu o acompanhamento das ações em tempo real
FT SU Bld pronta para o cumprimento da missão. Viaturas e pessoal calçados com simuladores laser instrumentados, o que permitiu o acompanhamento das ações em tempo real

 

O dia 23 de setembro  encerrou um dos maiores exercícios de simulação integrada da América Latina, denominado Operação Centauro 2015, do qual participaram 386 militares, desde o dia 14 de setembro. Ao utilizar o software Wise, da Saab, a Força Terrestre integrou as simulações Viva, Virtual e Construtiva, que foram realizadas em locais diferentes, no Rio Grande do Sul. O evento contou com a participação de autoridades brasileiras e representantes de exércitos de países vizinhos.

Estiveram presentes, entre outras autoridades, o Comandante de Operações Terrestres (COTER), General de Exército Araken de Albuquerque, o Comandante Militar do Sul (CMS), General de Exército Antônio Hamilton Martins Mourão, o Comandante da 3ª Divisão de Exército (3ª DE), General de Divisão José Carlos Cardoso, o 1º Subchefe do COTER, General de Brigada José Eduardo Pereira, e o Comandante da 6ª Brigada de Infantaria Blindada (6ª Bda Inf Bld), General de Brigada Fábio Benvenutti Castro. Representantes dos Exércitos da Colômbia e Argentina estiveram presentes, assim como do Corpo de Fuzileiros Navais da Marinha do Brasil.

Militar da FT SU Bld traja o simulador pessoal BT47 e realiza o tiro com o simulador do AT4 em uma VBTP M113
Militar da FT SU Bld traja o simulador pessoal BT47 e realiza o tiro com o simulador do AT4 em uma VBTP M113

 

As simulações Viva – que ocorreu no Centro de Instrução Barão de São Borja (CIBSB), na cidade de Rosário do Sul –, Virtual – que desenvolveu-se no Centro de Instrução de Blindados (CI Bld), em Santa Maria – e Construiva – que foi conduzida no Centro de Adestramento Simulado de Postos de Combate (CAS-PC), também em Santa Maria, distante cerca de 150 quilômetros da Viva –, foram integradas a partir do software Wise, da Saab, que converte e converge os dados dos três tipos de simulação, formando uma ação em ambiente único, ou seja, o que acontece numa das simulações, afeta as demais.

Militar da FOROP/CAAdEx, em seu uniforme peculiar e trajando o simulador pessoal BT47, conduz o simulador do AT4 para sua posição de tiro
Militar da FOROP/CAAdEx, em seu uniforme peculiar e trajando o simulador pessoal BT47, conduz o simulador do AT4 para sua posição de tiro

 

“A simulação é o futuro do adestramento, pois podemos verificar os problemas de posicionamento da tropa e corrigi-los”, explica o General Mourão. “Com a integração das simulações, a tropa viva tem melhores condições de cumprir a missão”, complementa.

“Esse exercício coloca o Exército Brasileiro em um patamar de modernidade muito avançado, no qual pudemos integrar três tipos de simulação no mesmo cenário e o impacto causado foi o mais positivo possível”, aponta o Coronel Paulo Eduardo Ribeiro, Chefe da Divisão de Simulação de Combate do COTER. “A gente pretende que, num futuro próximo, a Força Terrestre esteja usando essa ferramenta para capacitação e melhoria do treinamento de seu pessoal”.

“A Saab tem uma relação antiga com o Exército Brasileiro. Estamos certos de que o uso da simulação pelas Forças Terrestres traz muitos ganhos, pois é realístico, possibilita o feedback imediato e uma avaliação detalhada das ações”, aponta Marianna Silva, diretora geral da Saab no Brasil, que esteve presente no treinamento.

Saab - 3

 

Além do Wise, a Saab trouxe da Suécia 1,5 tonelada de equipamentos, como o EXCON Desdobrável e seis simuladores BT46, que foram instalados em VBC Leopard 1A5 BR. Todo o material foi facilmente integrado aos demais equipamentos da Saab que dotam o Centro de Avaliação de Adestramento do Exército (CAAdEx), sediado no Rio de Janeiro (RJ). Seis técnicos da Saab prestaram apoio direto à tropa durante todo o exercício.

DIVULGAÇÃO: Publicis Consultants/Saab

9
Deixe um comentário

avatar
9 Comment threads
0 Thread replies
0 Followers
 
Most reacted comment
Hottest comment thread
7 Comment authors
ColombelliWellington GóesVaderjoao.filhoRenato.B Recent comment authors
  Subscribe  
newest oldest most voted
Notify of
VESPÃO
Visitante
VESPÃO

Lindas imagens , de encher os olhos

Mauricio R.
Visitante
Mauricio R.

Brinquedinho bonitinho.

Colombelli
Visitante
Active Member
Colombelli

Há dois pelotões CC representando dois esquadrões com os respectivos comandantes, bem como dois pelotões de fuzileiros representando duas cia com os respectivos comandantes de cia.

Os marruás são do pelotão de reconhecimento. Ao fundo, se pode ver elementos de engenharia sendo um GC ( blindado) para cada cia de fuzileiros mais um veiculo próprio de engenharia.

Por fim, a cobertura AA é feita por dois Gepard.

Renato.B
Visitante
Renato.B

Isso é muito, mas muito legal mesmo. A quantidade de dados que uma integração dessas pode oferecer é imensa. Uma “fotografia” do EB em diferentes níveis de profundidade. Do operacional ao estratégico.

Fico feliz que um projeto desses continuou andando mesmo com os cortes, o impacto de longo prazo pode ser bem interessante.

joao.filho
Visitante
Member
joao.filho

Belissimas fotos!!! Ja virou meu background. Obrigado.

Vader
Membro
Trusted Member

Muito legal. Pena que seja uma fração tão pequena.

Wellington Góes
Visitante
Member
Wellington Góes
Wellington Góes
Visitante
Member
Wellington Góes

Quero pontuar algumas coisas que achei interessante no vídeo sobre a Operação Centauro. 1 – O uso do Gepard acompanhando a coluna blindada, dando-lhe cobertura aérea em todo o seu deslocamento, algo até então inexistente no EB; 2 – O uso de munição tipo Flecha de 105mm, o que, se não me engano, equivaleria em poder de penetração às munições de 120mm; 3 – o uso do sistema de simulação de combate da SAAB, isto dará ao EB capacidade de avaliar melhor a proficiência das tripulações dos CC (no acerto de alvos já no primeiro tiro) e dos infantes quanto… Read more »

Colombelli
Visitante
Active Member
Colombelli

Quanto ao uso do Gepard na função de proteção de colunas blinadas, embora tenha sido concebido pra isso e adquirido por nós com a indicação desta utilização, reputo um erro. Com o pouco material que temos para defesa antiaérea estratégica e com as centenas de alvos que temos a cobrir, deveria ser relegados a esta função, vale dizer, defesa de pontos sensíveis. Sua utilização no nosso caso em defesa de colunas blindadas é um total desperdício. Não temos aqui a condição que os alemães enfrentariam em face da URSS quando conceberam o Gepard, com um campo de batalha saturado de… Read more »