Home Artilharia Antiaérea 11º GAAAe – Operação BVR I

11º GAAAe – Operação BVR I

4656
47

11º GAAAe - BVR - 1

Brasilía (DF) – No período de 10 a 16 de junho, ocorreu na Base Aérea de Anápolis, em Goiás, a operação BVR I, com participação de militares da Força Aérea Brasileira (FAB) e do 11º Grupo de Artilharia Antiaérea (11º GAAAe). O nome da operação refere-se à expressão em inglês “Beyond Visual Range”, que é uma expressão comum na FAB para designar ataques com armas além do alcance visual. Na ocasião, enquanto os pilotos da FAB se adestravam em manobras de ataque ao solo, o 11º GAAAe treinava a defesa antiaérea da Base Aérea, fazendo uso de mísseis Igla-S.

Disparo do míssil Igla 3 - foto EB

Os militares do 11º GAAAe realizaram o engajamento de aeronaves de alta performance tipo A-29 Supertucano e F-5E, adestrando o sistemas de comunicações e de armas. Na oportunidade, os pilotos de caça tiveram a oportunidade de conhecer a fundo como é feita a defesa antiaérea, e os militares do 11º GAAAe puderam aperfeiçoar seus conhecimentos sobre os ataques ao solo realizados pelas aeronaves da FAB.

FONTE: EB

47
Deixe um comentário

avatar
47 Comment threads
0 Thread replies
0 Followers
 
Most reacted comment
Hottest comment thread
21 Comment authors
Antonio Carlos Jr ZamithRafael OliveirapauloDelfim SobreiraCarlos Crispim Recent comment authors
  Subscribe  
newest oldest most voted
Notify of
Carlos Campos
Visitante
Carlos Campos

Igla para abater F5 ? Hj em dia muito difícil um caça ser abatido por manpad, geralmente eles estão longe do alcance desse tipo de arma e não ser q esteja atacando o solo. (Caso da matéria) é uma pena ainda termos uma defesa aérea baseada em Igla

Bardini
Visitante

Igla-S… Em treinamento BVR?
.
Ta certo isso, Produção?

Reinaldo Deprera
Visitante
Member
Reinaldo Deprera

O alerta de uma defesa de ponto para o engajamento de um caça com manpad precisa ser BVR por conta de sua velocidade.

Save Ferris!

bosco123
Visitante

Bombas burras, canhões e foguetes ainda são utilizados em larga escala na AL, independente do vetor. Todos esses armamentos colocam o caça no envelope de tiro de um manpads. O radar ajuda pra alertar a defesa mais precocemente e no caso de defesa noturna, mas uma defesa de prontidão com o míssil pronto pra uso pode sim ser utilizado contra um caça. Pra isso é interessante o lançador tipo “pedestal”, com banquinho, como o mostrado acima.
Também a penetração em ultra baixa altitude pode ser inibida com manpads colocados nos possíveis “corredores”, aumentando a densidade da defesa antiaérea.

EParro
Visitante
EParro

Bardini 11 de julho de 2016 at 16:34

Tenho a mesma dúvida (aparentemente) que o Bardini, onde está o “além” aí?
A imagem mostra um Radar SABER M60, míssil Igla-S e um (sei lá) “canhão antiaéreo”. Bem, fora o SABER M60, os outros são bem ao alcance da visão, ou não?

Reinaldo Deprera
Visitante
Member
Reinaldo Deprera

EParro 12 de julho de 2016 at 1:01

O meu comentário e o do Bosco esclarecem isso.
A implementação de defesa de ponto sem o alerta aéreo antecipado não é eficiente contra caças. O alerta deve ser dado em algum momento em que o alvo ainda esteja além do alcance visual dessa defesa, no caso, o sistema manpad usado pelo Exército Brasileiro (o russo Igla-S).
O alerta é dado por detecção remota ou por observadores alocados em posições táticas. A detecção remota mais comum é o radar, no caso, o sistema SABER M60.

Save Ferris!

João Augusto
Visitante

Reinaldo,
Nesse caso o SABER notificaria e o Igla-S atiraria antes de ver o alvo? Ou os sistemas se integram de modo que a detecção do Igla-S fica ampliada pela do SABER? Ou, ainda, o SABER dá o grito avisando que o avião tá vindo e o camarada do Igla fica com o dedo no botão esperando ver pra atirar?
Obrigado.

bosco123
Visitante

João, Sem prejuízo da resposta do Reinaldo, mas o SABER só dá o alerta, informando a direção da ameaça. A busca da ameaça ficaria por conta de um elemento dotado de binóculo que ajudaria o atirador a encontrar o alvo no espaço, mas ele tem que estar na distância visual e o míssil só pode disparar quando o míssil informa que o seeker trancou no alvo. A vantagem é que dá tempo para que o míssil seja “energizado” e que o atirador fique de prontidão com o míssil voltado para a ameaça. Se for com míssil guiado por laser o… Read more »

Reinaldo Deprera
Visitante
Member
Reinaldo Deprera

João Augusto 12 de julho de 2016 at 14:16 O SABER “dá o grito” e o camarada do manpad se posiciona e prepara o manpad para o disparo. Em complemento ao comentário do Bosco, que é correto, gostaria de ressaltar que o engajamento de um caça voando a mach 0.7 – ou mais – não pode ser feito por um manpad sem alerta aéreo antecipado BVR. Seria muito difícil. 1 – O sistema precisa ser “energizado” 2 – O operador tem suas regras de engajamento que varia de acordo com o teatro de operações e a situação tática. Mas, invariavelmente,… Read more »

Mikey Walsh
Visitante
Mikey Walsh

avioes de alta performance ?aonde? ??

bosco123
Visitante

Vale salientar que um sistema de mira sofisticado pode melhorar o desempenho de um manpads térmico. Por exemplo, o Stinger tem alcance horizontal quando lançado de ombro de não mais que 5 km, já lançado pelo sistema Avenger o mesmo míssil tem alcance de 8 km (algumas fontes citam ser de 10 km). A lógica disso é que na configuração mais simples a aquisição do alvo é visual e a ameaça tem que estar no alcance da visão do atirador para que ele possa coloca-la na mira. Montado num sistema de mira avançado e numa plataforma estabilizada a procura pelo… Read more »

RL
Visitante
RL

Esses caras tão sabendo hein.
Podiam abrir um site para esclarecimentos de tudo o que existe no mundo militar.
Vou mandar uns gibis da Mônica pra aumentar o conhecimento dos experts aí.
Claramente a leitura de WikiLeaks e Wikipédia está a mil por hora.
Depois desses eclarecimentos valiosos eu me empolguei e vou comer um chandelle.
Jesus Cristo fico fora por anos e cheguei a pensar que o nível de conhecimento técnico das pessoas aqui tivesse no mínimo melhorado.
Vou lá pro chandelle. E ler um gibi da Mônica.

bosco123
Visitante

RL,
A Wiki é uma ótima fonte mas há de saber o quê procurar. Você por exemplo nem com a ajuda dele poderia acrescentar algo porque iria copiar e colar informação desconexa. Fica só no gibi da Mônica mesmo e se manda por mais uns vinte anos. rsrsss

EParro
Visitante
EParro

bosco123 12 de julho de 2016 at 17:25
Reinaldo Deprera 12 de julho de 2016 at 17:57

Meus caros, continuo sem entender onde está a “defesa aérea” além do alcance da visão com Igla-S e canhões antiaéreos, ainda mais se nenhum destes estiver “direcionado” pelo SABER M60!
O ataque BVR ficou claro, mas a “defesa” BVR continuo procurando.

bosco123
Visitante

EParro,
O artigo não cita “engajamento” BVR. Cita só o termo BVR que pode muito bem ser entendido como “busca, detecção, identificação, seleção, acompanhamento” BVR.

EParro
Visitante
EParro

bosco123 12 de julho de 2016 at 22:20

Ah, entendi!
Então, BVR – “beyond visual range” ou além do alcance visual pode muito bem ser entendido como: busca, detecção, identificação, seleção e acompanhamento.
Ou não, né?

Entretanto, o artigo cita que: “…que é uma expressão comum na FAB para designar ataques com armas além do alcance visual.”

Rafael M. F.
Visitante
Rafael M. F.

Bosco, a wiki em inglês até tem bastante info útil. Me lembro que achei lá mais info sobre o cruzador Bahia que na wiki em português.
.
Já a wiki em português, ignore…

bosco123
Visitante

Rafa,
Sem dúvida. E tem a wiki em todos os outros idiomas, como russo, chinês, etc.

João Augusto
Visitante

Muito obrigado, Bosco e Reinaldo.

Seus esclarecimentos ajudaram muito mesmo.

Pareceu-me que utilizando essa tática descrita por vocês a defesa aérea pode ficar até mais eficiente, na medida em que é mais complicado para o agressor identificar os pontos quentes do que se fossem, por exemplo, veículos ou instalações imóveis.

Mais uma vez, muito obrigado pela disposição para ensinar.

Fernando "Nunão" De Martini
Editor
Famed Member

Sobre o estranhamento com o termo “BVR”, façamos uma busca lógica pelas informações: . O próprio texto diz que é uma operação da FAB. Quem deu o nome foi a FAB. Então o que se fala a respeito dela, em relação ao emprego de armas de lançamento além do alcance visual (BVR), refere-se à FAB, não ao EB. E sabemos que a FAB só possui, para emprego BVR, mísseis ar-ar. . A Operação BVR, até onde sei, está incluída no contexto maior da Operação Sabre, de cenário mais complexo e que envolve ataques ao solo sob ameaças em terra e… Read more »

ScudB
Visitante
ScudB

Aqui tem uns momentos que devem ser considerados ( complementando nossos amigos Bosco e Reinaldo ) : – tempo mínimo de disparo basicamente se soma dos tempos de furar reservatório de gás , esperar o tempo do giroscópio chegar na sua rotação (chega nos 100RPS em 5 segundos ) e travar o alvo no visor ; – tempo de funcionamento de “bateria de terra” para alimentar sistemas e resfriar a cabeça IR – uns 30 segundos.Se passou disso – tem que trocar a bateria (modelo 9B238 , se nao me falha a memória); – para evitar “fogo amigo” toda linha… Read more »

Hawk
Visitante
Hawk

Qual o melhor? Stinger ou Igla? ?Ou se é aquela questão “depende o caso”?

kfir
Visitante
kfir

SERVIÇO secreto frances CONFIRMA preparação de ATENTANDO nas olimpíadas do Rio. . .http://esportes.estadao.com.br/noticias/jogos-olimpicos,servico-secreto-da-franca-revela-preparo-de-atentado-terrorista-na-olimpiada,10000062624 Serviço secreto da França revela possível ato terrorista no Rio – Esportes – Estadão A ameaça terrorista durante os Jogos Olímpicos do Rio é real. Ao menos é o que afirmou o chefe da Direção de Informação Militar (DRM), um dos serviços secretos da França, o general Christophe Gomart, à Comissão Parlamentar de Inquérito que investigou os atentados de 13 de novembro em Paris e Saint-Denis. Segundo as informações, o ataque seria cometido por um brasileiro em nome do grupo jihadista Estado Islâmico e teria como o… Read more »

Bardini
Visitante

Bom, ficou bem compreensível o uso de um radar para uso em conjunto com um MANPADS. Ache que agora ficou bem claro, com todas estas explicações, como é feito o uso destes equipamentos 🙂

Reinaldo Deprera
Visitante
Member
Reinaldo Deprera

Hawk 13 de julho de 2016 at 12:24 Na minha opinião, Stinger. Mas minha opinião é suspeita porque estou pesando algumas constantes que, para alguns, são variáveis: – A indústria russa não tem padrão de qualidade. Na hora H o produto pode funcionar bem, mal ou nem funcionar – Produtos de defesa norte-americanos, por tradição, excedem as especificações divulgadas – A indústria de defesa russa, via de regra, mente sobre as especificações dos seus produtos. Salvo raras exceções Para o Brasil o Igla-S talvez seja melhor que o Stinger. Acho que é mais barato; A diferença de performance e eficiência,… Read more »

by Mauro
Visitante
by Mauro

Caraca eu leio a wiki e meus dois neurônios tico e teco estão muito felizes obrigaduuuu. Agora falando do tema que não sou conhecedor como os senhores acima ( que respeito muito), acredito estes equipamentos são bons no caso de ataque por asas rotativas pois são mais lentos e por isso mais faces de atingir com o uso do Radar SABER M60, míssil Igla-S e ate mesmo com o blindado GEPARD1 A2 . Gostaria de saber se for possível pelos senhores o que seria melhor para este tipo de ataque? É um sonho mais fico na espera de ver algo… Read more »

EParro
Visitante
EParro

“Eppur si muove!”

bosco123
Visitante

Hawk,
Existem várias versões dos mísseis citados é fica difícil saber qual é melhor. O que se pode dizer é que o substituto do Igla, o Verba, é comparável com as últimas versões do Stinger. O Igla é comparável com as versões iniciais do Stinger.
Basicamente as gerações de mísseis manpads térmicos fica assim:
Primeira: SA-7 e Redeye
Segundo: Igla e Stinger A
Terceira: Verba e Stinger B/C/D/E/F.

bosco123
Visitante

Um Igla tem um alcance horizontal de 5 km, portanto um caça a 300 m/s leva 33 segundos pra cruzar toda a área, mas se a aeronave estiver se afastando do lançador depois de 3 km o míssil a Mach 2 não consegue mais alcançá-lo. Ou seja, a área letal do Igla tem uma forma de gota achatada dos lados, com 5 km de um lado (contra alvos vindo de frente) e 3km de outro (contra alvos se afastando) e 2 km lateralmente (contra alvos cruzando a linha de tiro. O envelope de um míssil sup-ar depende da velocidade e… Read more »

johnatan warp drive
Visitante
Hawk
Visitante
Hawk

Mestre Bosco, obrigado pelas explicações!

Reginaldo Jose da Silva Bacchi
Visitante
Reginaldo Jose da Silva Bacchi

Quando eu trabalhei no programa do missil guiado anti aereo portatil para o EB, na ENGESA, no final dos anos 80, lidei muito com os diagramas de area letal.
Bons tempos aqueles.

ScudB
Visitante
ScudB

Amigo Reinaldo! Todos os fabricantes de armamento estão mentindo.TODOS! Em relacao de RUS vs EUA tenho uma visão muito “pratica”. Quando Você fala sobre controle de qualidade da Rússia eu imagino a “cultura de produção” pois o próprio controle de qualidade das fabricas de armamento (soviéticas e russas) é bem rígido e severo ate! Ja aquela robustez na engenharia seria um fruto da doutrina deles que exija uma replicação garantida , rápida e em grande escala mesmo nas instalações limitadas tecnicamente e com funcionários de baixo nível de instrução em geral em caso de conflito global. Exemplo – SGM. Comparação… Read more »

by Mauro
Visitante
by Mauro

Como é bom aprender com quem sabe.Que a força esteja com senhor mestre BOSCO!

kfir
Visitante
kfir

http://extra.globo.com/casos-de-policia/milicia-impoe-regras-forca-nacional-no-rio-19707975.html
.
.
.
Milícia impõe regras à Força Nacional no Rio
.].
.estão tendo de se submeter às ordens da milícia na Zona Oeste do Rio. Segundo agentes denunciaram ao EXTRA, os 3.500 PMs, policiais civis e bombeiros de vários estados do Brasil não podem circular armados pela Gardênia Azul e foram impedidos até de instalar internet nos apartamentos onde estão alojados, no condomínio Vila Carioca, do “Minha casa, minha vida”, no bairro do Anil.

Carlos Crispim
Visitante
Carlos Crispim

Esqueceram de dizer que o Brasil ainda é considerado um pirata de tecnologia, a compra do Stinger pelo Brasil (e outros armamentos sofisticados) nunca será aprovada pelo Congresso Americano, daí o EB ter “escolhido” o Igla, que para nós da AL está mais do que bom. Muitos aqui neste site defendem a compra de poucas unidades para fazer engenharia reversa, bem, é por isso os americanos estão certos mesmo em não vender, depois não sabem o por quê estamos no limbo da civilização, só existe um caminho: investir maciçamente em Educação e Pesquisa.

Hawk
Visitante
Hawk

Reinaldo Deprera e ScuB! Obrigado também pelo esclarecimento! Vi só hoje! Abraços!

Delfim Sobreira
Visitante
Delfim Sobreira

Crispim
Como se aliados preferenciais dos EUA, como Japão e Israel, também não pirateassem sua tecnologia.
O que não refuta sua sugestão de investimento maciço em Educação e Pesquisa.
Até porque, pra piratear, precisa ter um mínimo de capacidade.

Delfim Sobreira
Visitante
Delfim Sobreira

OFF – O ministro da Defesa, Raul Jungmann, declarou nesta sexta-feira (15) que o atentado que matou mais de 80 pessoas na cidade de Nice, no sul da França, deve promover um arrocho nas medidas de segurança para o público durante os Jogos Olímpicos e Paraolímpicos do Rio de Janeiro. E que isso pode causar transtornos ao público que irá aos eventos. “O atentado em Nice preocupa a nós também. Acompanhamos todos os fatos e tiramos algumas lições. Vamos ter que revisar procedimentos, ampliar barreiras, as revistas, vamos ter que ter uma segurança muito mais rígida. Infelizmente isso pode ser… Read more »

Delfim Sobreira
Visitante
Delfim Sobreira
paulo
Visitante
paulo

no rio vão usar o rbs-70

Rafael Oliveira
Visitante
Rafael Oliveira

Crispim.

Os EUA permitiram a venda do míssil Harpoon para o Brasil. Não me parece que o Congresso Americano vete armamentos sofisticados ao Brasil.

EParro
Visitante
EParro

ScudB 13 de julho de 2016 at 11:46 “…– tempo mínimo de disparo basicamente se soma dos tempos de furar reservatório de gás , esperar o tempo do giroscópio chegar na sua rotação (chega nos 100RPS em 5 segundos ) e travar o alvo no visor ; – tempo de funcionamento de “bateria de terra” para alimentar sistemas e resfriar a cabeça IR – uns 30 segundos.Se passou disso – tem que trocar a bateria (modelo 9B238 , se nao me falha a memória); …” bosco123 13 de julho de 2016 at 20:18 “… Um Igla tem um alcance horizontal… Read more »

bosco123
Visitante

Eparrro, Basicamente se um míssil já estiver em posição de combate uma ameaça pode ser detectada visualmente antes de adentrar na distância de lançamento. O atirador pode rapidamente energizar o sistema conectando a fonte de alimentação (refrigerador do seeker e bateria térmica) e acionando-a com uma alavanca (perfurando-a). Ato contínuo o atirador já estará com o míssil apontado para o alvo. Em poucos segundo o míssil estará energizado e refrigerado e aí há de se manter o míssil voltado para a ameaça até que se recebe o aviso sonoro que ele trancou, bastando aí que se aperte o “gatilho” de… Read more »

EParro
Visitante
EParro

bosco123 15 de julho de 2016 at 19:42 Agradeço sua atenção e principalmente sua paciência e didática! Eu vi vídeos na internet onde MANPADS abateram helicópteros, um deles foi este que você indicou. Entretanto, acredito que um sistema mais robusto, tipo MIM-23 Hawk ou o Crotale por exemplo, dê muito mais garantia de sucesso contra jatos do que os MANPADS possam proporcionar. Os tempos de reação, preparo, aquisição, “trancamento” e disparo, contra jatos, parecem-me muito exíguos (são medidos em segundos) e dependentes muito mais de fatores específicos (posicionamento da equipe, visada com binóculos, direção e sentido do jato, a própria… Read more »

ScudB
Visitante
ScudB

Lembrando que existem uma serie dos “acessórios” para classe Igle/Verba na forma dos tablets (1L15-1) que , junto com tática das posições distribuídas , pode saturar o campo de defesa recebendo informações sobre aproximação dos alvos a partir de possíveis e impossíveis fontes (pontos de comando PU12 , radares BVR ou dos complexos AA “escondidos” ou em modo passivo). Cá entre nos… Ações da infantaria equipada com MANPADs contra alvos aéreos podem ser comparadas com o do grupo dos caçadores tentando encurralar e matar um lobo (como exemplo) em linha , em zigue-zague (xadrez), cruzando e intercalando os setores –… Read more »

Antonio Carlos Jr Zamith
Visitante

ainda nem que não temos inimigos além do PCC/CV. Qualquer país médio derrotaria as nossas forças armadas. Isso é exemplo que na OTAN seria motivo de piada.