Home Exército Brasileiro Vídeo: M113BR: 60 dias em 6 minutos

Vídeo: M113BR: 60 dias em 6 minutos

4116
19

Mais de 5.700 fotos e alguns vídeos, retratando o trabalho de modernização da Viatura Blindada M113, feito pelo Parque Regional de Manutenção/5 – Curitiba.

19
Deixe um comentário

avatar
19 Comment threads
0 Thread replies
0 Followers
 
Most reacted comment
Hottest comment thread
8 Comment authors
ColombelliJuarezCelsoIvan da SilveiraaJose Vicente Franco Martins (Projetista Industrial) Recent comment authors
  Subscribe  
newest oldest most voted
Notify of
EParro
Visitante
EParro

Uma excelente idéia! Estes filmes são sensacionais.
Entretanto, a seção de desmontagem pareceu-me bem amadora. Já quando entra no processo de recuperação e montagem as coisas mudam muito, um processo bem profissional. Achei ótimo o uso da “genialidade” do pintor, para dar um toque final ao padrão de camuflagem (gabarito de pintura é para os “fracos”).
Evidentemente que poderia ser mais mecanizado e/ou automatizado, mas parece bem compatível com as “nossas necessidades atuais”.
P.S. Por mim, a música está ótima!

Bardini
Visitante

“Entretanto, a seção de desmontagem pareceu-me bem amadora”
Amadora em que sentido?
É só desmontar e catalogar. Tendo ferramental, uma talha e um galpão, desde que se saiba o que se esta fazendo a coisa anda, não tem mistério.
.
“Evidentemente que poderia ser mais mecanizado e/ou automatizado”
Mais mecanizado e/ou automatizado no que?
Não é linha de produção. É um parque de manutenção quebrando um galho, fazendo modernização. Desmonta, cataloga as peças, jateia, revitaliza e pinta a carcaça e monta o novo Kit.

EParro
Visitante
EParro

Bardini 18 de agosto de 2016 at 12:42 Na desmontagem a “ponte rolante” é uma “talha manual”, o “arranjo” do galpão parece bem improvisado; do que pude ver há excesso de atividades manuais pesadas, cuja mecanização/automatização poderiam facilitar a desmontagem. Exclusível (licença poética do MO), no filminho a seção de recuperação e montagem tem nome de produção. E eu entendi que se houvesse uma maior mecanização/automatização, o processo poderia ser melhorado. Por exemplo: durante a pintura o pintor tem que pisar sobre e estrutura que ele mesmo está pintando! Para reinstalar as “lagartas” usa-se um trator para puxar a viatura!… Read more »

Bardini
Visitante

EParro, . Eu não vejo muito problema no processo como um todo, afinal, só vi em vídeo. Talvez alguns deslizes, mas são coisas de pessoal. Equipamento, não vejo grandes problemas pois, basicamente aproveitaram o que o Parque tem a disposição para manutenção rotineira dos blindados. O pórtico que você diz ser manual é algo normal (a talha é elétrica), muito útil pra quem não tem ponte rolante em tudo que é canto, principalmente no que aparenta ser uma garagem. . No setor de pintura, achei ok… Já vi piores. Uma cabine nova, moderna, completamente isolada, representa investimento considerável, coisa pra… Read more »

Lukas Delmondes
Visitante
Lukas Delmondes

A modernização israelense não seria melhor ?

Jose Vicente Franco Martins (Projetista Industrial)
Visitante

Conforme a quantidade que se ira produzir, logicamente procura-se utilizar de processos mais ou menos produtivo, no caso de manutenção e de baixa quantidade de carros, certamente meios automatizados seria desperdicio de investimento!!!!!!!!!

Jose Vicente Franco Martins (Projetista Industrial)
Visitante

Não!!!, é atrazo de vida, do jeito que foi feito para estes carros antigos!! esta excelente!!!
Quando pensarmos em invistir valores maiores que seja em lançamente de carros novos e com sistemas mais avançados e atuais de comunicações !!!

EParro
Visitante
EParro

Bardini 18 de agosto de 2016 at 14:06 Pois é Bardini, concordo em gênero, número e grau contigo, mormente em ter uma empresa privada e qualificada fazendo este papel. Penso que só não há, devido a corrupção endêmica que grassa em nosso país. Aliás, se não me engano para cuidar dos motores à jato, de alguns aviões da FAB, existia uma empresa nacional contratada, mas não sei que fim levou (vai ver foi vendida para algum grengo). Penso também que, enquanto não temos estas “empresas”, por que não proporcionar meios mais adequados para o funcionamento dos parques de manutenção com… Read more »

Bardini
Visitante

EParro 18 de agosto de 2016 at 14:52 . Parei para olhar melhor a coisa toda… Falha minha, a cabine de pintura dos caras já é muito boa. . Na questão da pintura, é normal aquilo que você viu ali, colocar tranqueiras ali dentro só vai atrapalhar e roubar espaço e no final das contas engripar com tinta. O macacão é esse ai mesmo, branco, feito para pintura. O pintor só deveria estar usando a toca desse macacão, mas… Paciência. . A carcaça foi limpa com o auxílio de jato, posteriormente passaram um “Zarcão” (não sei qual fundo se passa… Read more »

Ivan da Silveiraa
Visitante
Ivan da Silveiraa

Boa tarde

Muito bom o vídeo!!! Parabéns para os militares de Curitiba pelo trabalho de atualização/manutenção.

Abraço!

Celso
Visitante
Celso

Fez-me lembrar de qdo trabalhei ali na Puma na Av Pres.Wilsom nos idos 1970 em SP. Bem perto dali e na mesma av. ficava um pqe oficina-manut do EB q nao me recordo a sigla neste momento. mas me lembro bem dos testes drive apos esta manutencao dos veiculos tipo M 41, meia lagarta q se nao me falha eram do antigo Reg Anhanguera la na Tutoia….os caras vinham em alta velocidade c aqueles tranbolhos e tudo tremia, sem falar do barulho….acho q era a uns 60 km-h….iam ate a divisa c S C do Sul e voltavam, sempre nesta… Read more »

Celso
Visitante
Celso

correcoa – M 41 tqe, meia lagarta se nao me engano e a M3

Bardini
Visitante

Na boa, pelo menos os caras tem um trator ali, imagina se fosse assim:
https://www.youtube.com/watch?v=OCfxzzBb3KE

EParro
Visitante
EParro
EParro
Visitante
EParro

Bardini 18 de agosto de 2016 at 15:44

Ah meu caro, ainda retornaremos a este assunto oportunamente. Saudações Mr. Scott!

Juarez
Visitante
Juarez

Eparro, nos EU eles usam e abusam de equipamentos de apoio de manutenção, infelizmente ainda está muito caro de fazer isto em função de nossa carga tributária estúpida.
Tem coisa que é possível melhorar, como o tensionamento hidráulico para fechamento da corrente e travamento de pino/elo união, um plataforma articulada elétrica para efetuar a pintura nas partes superiores, a utilização de ponte rolante talvez necessitasse de um prédio estruturado para tal, mas nada que não se possa fazer também como uma boa empilhadeira moderna.

G abraço

EParro
Visitante
EParro

Juarez 18 de agosto de 2016 at 22:06

É neste sentido que vai meu pensamento, meu caro Juarez!
O ótimo é inimigo do bom. A excelência deve ser um objetivo, mas precisamos de metas intermediárias (com custo adequado) para melhorarmos nossas capacidades. Quando, num teatro de operações, entendo que muitos serão os fatores limitantes e até impeditivos, mas num local de manutenção, penso que os processos devam ser avaliados periodicamente e melhorados, por mínimo que sejam. Caso contrário, paramos no tempo.
Forte abraço.

Celso
Visitante
Celso

Prezado Juarez, em que pese pros e contras , nao tenho duvidas qto a sua opiniao, a pratica mais adequada nesta area para manutencao destes blindados-lagarta num parque, nao custa tanto assim para ser implantado. Manutencao parque eh uma coisa, no campo nao ha como inventar a roda…eh na mao e no braco mesmo. Cito novamente meu comentario acima…..parece q nada mudou tanto ou evoluiu nesta area de manutencao do EB….e la se vao mais de 40 anos……….tadinho dos mecanicos. Sds

Colombelli
Visitante
Active Member
Colombelli

Que saude ver imagens da perspectiva do motorista e lembrar os tempos que se dava uma piruada com o CB motorista pra dar uma “cambiada” (na verde não tinha mudança de marcha), nos blindados no CISM.