Home Artilharia Antiaérea Rheinmetall assegurou dois contratos de Skyguard

Rheinmetall assegurou dois contratos de Skyguard

3232
8
Oerlikon GDF-003 35mm Twin Cannon

A Rheinmetall assegurou recentemente dois contratos importantes para seus sistemas de defesa aérea Skyguard, um dos quais é uma nova nação de clientes.

O novo cliente encomendou dois sistemas de defesa aérea Skyguard 3. Cada sistema consiste em uma unidade de controle de tiro Skyguard 3, bem como dois canhões automáticos Oerlikon Twin Gun GDF009 de 35mm. Mais pedidos para o Skyguard 3 também são esperados.

Um cliente existente também decidiu comprar mais unidades de tiro do Skyguard 1. O contrato inclui munições de 35mm, simuladores, equipamentos de teste relacionados e treinamento na localização.

8
Deixe um comentário

avatar
8 Comment threads
0 Thread replies
0 Followers
 
Most reacted comment
Hottest comment thread
6 Comment authors
BardinicolombellimarujoBoscoAlex Nogueira Recent comment authors
  Subscribe  
newest oldest most voted
Notify of
Luciano
Visitante
Luciano

Uma bateria do sistema Skyguard é formado apenas por duas peças dessas, além do controle de tiro?

Alex Nogueira
Visitante
Alex Nogueira

Creio que os canhões podem ser complementados com sistema de mísseis Áspide 2000, com lançadores de 4 ou 8 mísseis.

*Eu particularmente curto muito esse sistema, ao meu ver parece ser uma combinação boa de mísseis e canhões, com bom custo benefício e boa mobilidade.

Bosco
Visitante
Bosco

Eu considero que canhões AA rebocados perderam muito sua utilidade antiaérea tradicional devido aos mísseis portáteis guiados por IR e laser. A maior utilidade desses canhões hoje é na defesa de ponto com função C-RAM, C-PGM, contra mísseis de cruzeiro e contra mini-drones. Para isso esses canhões têm que ter um sistema de direção de tiro sofisticado.

marujo
Visitante
marujo

Deve ser por isso, então, Bosco, que o EB não se move para repotenciar sua artilharia AA de tubo de 35 e 40 mm, não é mesmo?

Bosco
Visitante
Bosco

Marujo, Deve ser mais por falta de dinheiro mesmo. Mas eu acho mesmo que os radares SABER 60 aliados aos mísseis portáteis (Igla e RBS-70) montados em pedestais, com miras noturnas, dão conta do recado. Com a grande vantagem do peso. Vale salientar que muitos países não utilizam canhões na função AA. Ex: EUA, Em veículos AA (principalmente se combinados com mísseis) eu já considero interessante o canhão, porque dentre outras coisas ele pode dar apoio de fogo direto às tropas e se auto-defender de ameaças terrestres. Mas o canhão AA voltou com força na defesa de ponto nessas funções… Read more »

Bosco
Visitante
Bosco

Opa! Parei nos exemplos: EUA, RU, França, etc.

colombelli
Visitante
colombelli

Eu ainda vejo boa utilidade nestes meios, mormente quando combinados com misseis portáteis ou como camada interior de meios de maior alcance.

Demandam maior quantidade de pessoal e são imprecisos, mas tema vantagem do preço e da continuidade de operação. Misseis são caros e se consome na utilização.

Sob este ponto de vista até as .50 tem sua utilidade, Como se costuma dizer na AA tudo que dá pra jogar pra cima pode atrapalhar o atacante.

Bardini
Visitante
Bardini

O GDF009 tem capacidade de disparar munição AHEAD, ainda da um caldo legal nos dias de hoje.
.
Acho que no nosso caso, quem mais precisa de um sistema destes é o CFN, para substituir os 40mm, pois seria a força com mais necessidade no tocante a C-RAM, pelo carácter expedicionário.
.
Seria ainda melhor se fosse este sistema: https://qph.ec.quoracdn.net/main-qimg-2ab8cc958607d288d0807c5639c33920.webp