Home Blindados Exército entrega veículos blindados para Secretaria de Segurança do Rio

Exército entrega veículos blindados para Secretaria de Segurança do Rio

5137
48

Por Lígia Souto

O Exército Brasileiro realizou na manhã desta quarta feira (28) a cerimônia de entrega de seis veículos blindados, sendo três Urutus e três ‘caveirões’, para a Secretaria de Estado de Segurança do Rio.

A solenidade aconteceu em frente ao Palácio Duque de Caxias, sede do Comando Militar do Leste, e contou com a presença do governador Luiz Fernando Pezão, do interventor federal, general Walter Braga Netto, do secretário de Segurança do Estado, general Richard Nunes, além do comandante da Polícia Militar, Luis Claudio Laviano.

Os três Urutus, fabricados na década de 1980, foram reformados, passaram por manutenção e pintura e foram entregues para uso do Batalhão de Operações Policiais Especiais (Bope).

Os veículos foram empregados recentemente por militares brasileiros que participaram da missão de paz das Nações Unidas no Haiti, e chegaram ao Brasil em outubro do ano passado. Agora, adaptados, serão utilizados em operações da Polícia Militar.

Além dos Urutus, foram devolvidos três veículos blindados para Coordenadoria de Operações e Recursos Especiais, da Polícia Civil, após serem recuperados nas oficinas de manutenção do Exército.

O porta-voz do Gabinete da Intervenção Federal, coronel Roberto Itamar, explicou que a manutenção dos carros será de responsabilidade do Exército e que os veículos serão conduzidos por militares durante as operações. Ainda segundo o porta-voz, apesar de terem sido usados em um contexto de guerra, as viaturas são adaptáveis ao uso urbano.

O coronel disse, ainda, que o reforço no patrulhamento das ruas da cidade, iniciado nessa terça-feira (27), faz parte das ações emergenciais previstas pela intervenção.

Junto aos seis blindados, também foram disponibilizados caminhões-oficinas e carros reboques para auxiliar na manutenção das viaturas. A iniciativa faz parte das ações da Intervenção Federal na Segurança Pública do Estado.

FONTE: Radioagência Nacional

Subscribe
Notify of
guest
48 Comentários
oldest
newest most voted
Inline Feedbacks
View all comments
Delfim
Delfim
2 anos atrás

“Os veículos serão conduzidos por militares durante as operações”. Não há confiança nos condutores policiais ?
No CORE se exige habilitação categoria “D” para se dirigir os Caveirões antigos, mas para dirigir os Mavericks houve curso na África do Sul. São veículos muito sofisticados, com energia de sobra para alimentar todos os sistemas, inclusive ar-condicionado independente do motor. Necessitam de manutenção, e especializada.
http://www.paramountgroup.com/capabilities/land/maverick/

Rafael Oliveira
Rafael Oliveira
Reply to  Delfim
2 anos atrás

Delfim, você viu que capotaram um Maverick manobrando numa ladeira??? Acho que o motorista não fez o curso ou não prestou atenção nele rsrs.
Acho que era do BOPE e não do CORE.
Aliás, porque a CORE não faz a manutenção deles?

Delfim
Delfim
Reply to  Rafael Oliveira
2 anos atrás

$$$, o que mais ?

Delfim
Delfim
Reply to  Delfim
2 anos atrás

Quanto ao “capotamento”, o que vi foi o leito sob o Maverick ceder e o blindado inclinar e ficar preso, em uma operação onde eu estive presente no bairro de Campo Grande. Se colocar as palavras blindado+core+capotado+virado, nem aparece no Google.

Eduardo
Eduardo
Reply to  Delfim
2 anos atrás

Quem dirigi o “Fuscão” Worker caixa seca do EB dirigi qualquer coisa, camarada, nosso curso de motora é de Júpiter, sem traumas para dirigir ele, até mais fácil que os Urutus! É conosco a salada, nenhum mistério nas viaturas, nada que a gente já não tenha visto na parte mecânica. Material Bélico entrando em ação. Prever, prover, manter.

Helano Moura
Helano Moura
2 anos atrás

Vamo , que vamo, ver a merda que vai dar. Exercito e todos ele junto vão queimar e o filme !!!

Luiz Campos
Luiz Campos
2 anos atrás

Corrida armamentista tupiniquim.

Luiz Campos
Luiz Campos
2 anos atrás

Com nossas leis que permitem criminosos de alta periculosidade saírem pra ver o coelhinho da páscoa, nem usando T 90 vai resolver.

Mim da silva
Mim da silva
Reply to  Luiz Campos
2 anos atrás

Disse tudo!

Ivan BC
Ivan BC
2 anos atrás

Eu gosto muito desse prédio da imagem (Palácio Duque de Caxias).
Se o RJ melhorar, após essa intervenção militar, espero viajar para o RJ. O Brasil, especialmente o RJ, RN, CE e MA, nessa guerra civil não tem condição de turismo, RJ e nordeste sem pensar, infelizmente, pois são lugares bonitos.
Espero que o EB mate bastante bandidos, para assim a cidade ficar segura…lugar de bandido é no cemitério, vamos gastar o dinheiro do sistema prisional com educação.

housemaq
housemaq
Reply to  Ivan BC
2 anos atrás

Bandido bom, é bandido na pedra! Mas infelizmente com as novas “regras de engajamento” que o (des)governo fez nosso exército “engolir” lá no Rio, não nos resta mais nada. Essa “intervenção eleitoreira já virou chacota”

Walfrido Strobel
Reply to  Ivan BC
2 anos atrás

Sonhe que o EB vai matar muitos bandidos.
Eu pelo menos não acredito que estejam procurando algum confronto direto com muitas mortes, nenhum dos lados envolvidos.

Luciano
Luciano
Reply to  Ivan BC
2 anos atrás

Ivan, é um prédio muito bonito, por dentro e por fora. Qdo visitar o RJ vá ao PDC e conheça o AHEx no sexto andar! Tem um acervo maravilhoso!

Caio
Caio
2 anos atrás

Os nossos veiculos de patrulha para estes casos e outros similares deveriam ser nossos 4×4 guara, alligators ou mesmo marrua devidamente blindados, capazes de adentrar os cantos das comunidades ” tirando a paz ” dos bandidos nos labirintos dessas ocupacoes desordenadas permitidas pelos populistas.
Estes enormes serviram apenas para levar a tropa para mais um conflito corriqueiro e degradante, nao mostraram a presenca efetiva e incomoda do estado. Alias esta presenca desinteressa a politicos populistas, viciados ricos, e a midia degenerante.

Ronaldo de souza gonçalves
Ronaldo de souza gonçalves
2 anos atrás

3 urutus já é alguma coisa que a policia pode trabalhar,queria ver mais unidades mas acho que só vai ser esses ai.O EB deveria adquirir o hummer atráves do FMS nos depósitos dos EUA um bom numero 100 ou 200 é distribui-los entre as policias do Brasil,falo o hummer que ele tem uma blindagem para cidades bom, é menor e pode subir perto das vielas,chegar onde os blindados não chegam.Claro que o governo federal teria que arcar com a compra,que não sairia caro.

fabio jeffer
fabio jeffer
2 anos atrás

impressionante como o RJ ganha matérias das forças armadas
Eu pelo menos não sei de nenhum outro estado que ganha tantas armas assim de mão beijada

PC de Bordo
PC de Bordo
Reply to  fabio jeffer
2 anos atrás

O estado do Rio de Janeiro é o segundo maior contribuinte de impostos da União, atrás apenas de São Paulo. Nada mais justo, imagino…

Matheus Parreiras
Matheus Parreiras
Reply to  PC de Bordo
2 anos atrás

São paulo não ganha nem um fusca da união, não to vendo a justiça……

Dan01
Dan01
Reply to  Matheus Parreiras
2 anos atrás

Sp estatisticamente e um dos estados mais seguros do pais(mesmo com o pcc), tambem nao esta mal financeiramente como o Rj. O governo federal so doou porque viu que aquela região virou um verdadeiro estado paralelo com uma pm desmantelada.

Dan01
Dan01
Reply to  fabio jeffer
2 anos atrás

No Rj bandido anda de fuzil ao ar livre. Ha outros estados com estatísticas mais elevadas de criminalidade, porem em nenhum deles os bandidos sao tao bem armados(ate tem alguns mas e bem mais raro de se ver) ou existe um nivel tao alto de policiais assassinados. A bandidagem carioca ta mais pra guerrilha

fabio jeffer
fabio jeffer
2 anos atrás

correção *materiais* e não matérias

RICARDO BIGLIAZZI
RICARDO BIGLIAZZI
2 anos atrás

O Estado do Rio de Janeiro derreteu, o trafico é o nosso “ISIS”, perdemos o controle de parte do território nacional. Que Pais é esse?!?! Os traficantes controlam o “ir e vir” em partes da cidade. Choca ouvir (como ouvi) um motorista de taxi/uber a falar que tem certas zonas da cidade que até podem ser perigosas, mas basta o traficante saber o que você está fazendo por lá que você não correrá perigo, poderá estar até mais seguro. Da vergonha ver que o trabalho dos Governantes do Rio de Janeiro nos ultimos 20 anos acabou por resultar em parte… Read more »

Ozawa
Ozawa
2 anos atrás

Não se esperam milagres com décadas de descontrole moral, eleitoral, político e social, é certo, mas colocar, às pressas, dois soldados como postes na esquina da Av. Presidente Vargas com Av. Rio Branco, para demonstrar “presença armada” nas ruas é um patético despreparo, se não for um eloquente desespero. O “Projeto Segurança Presente” tem dado conta do recado no Centro do Rio de Janeiro, há 2 anos, com a redução ou extinção evidente dos crimes de varejo. O Centro do Rio está longe de ser uma área despoliciada. Se o Exército quer demonstrar “força armada” coloque esses soldados na Praça… Read more »

Agnelo
Agnelo
Reply to  Ozawa
2 anos atrás

A presença de um militar em uma unidade revela muito mais do Q vc imagina. Ver como vc está sendo recebido, denota MUITA coisa. Ler relatório e ouvir os Cmt seria eficiente, se estes quisessem revelar aquilo Q precisa ser revelado. Enquanto os generais recebem a pompa, sua comitiva vai conversar com aqueles militares Q estão fora da formatura, Q já serviram e estão anciosos por revelar aquilo Q os aflige. Oportunidade na qual se descobre MUITO. Importante dizer, é quando o inspecionado vê olho no olho e conhece aquela autoridade, quando ele passa por cada sala. Já vi gente… Read more »

Rafael Oliveira
Rafael Oliveira
Reply to  Agnelo
2 anos atrás

É igual correição ordinária na Justiça. Relatórios muitas vezes são omissos ou mesmo mentirosos. Tem que ir fazer verificação “in loco”. E, de vez em quando, uma extraordinária, sem aviso.
Por outro lado, acho o cerimonial desnecessário.

Agnelo Moreira
Agnelo Moreira
Reply to  Rafael Oliveira
2 anos atrás

Cerimonial é bom pra enquadrar pra começar a disciplinar o q esta completamente em desordem.

Ozawa
Ozawa
Reply to  Ozawa
2 anos atrás

Reitero, ponto a ponto, e com ênfase, o que disse. Nada muda, absolutamente nenhuma ressalva, diante da réplica posta. E destaco na reprise que apesar de não se esperarem milagres com décadas de descontrole moral, eleitoral, político e social do Rio de Janeiro, a atuação da intervenção federal tem oscilado entre a timidez e o improviso, e a última demonstração de presença em áreas já satisfatoriamente policiadas, como mero “outdoor” da intervenção, após demonstrações acintosas de criminalidade, demonstra isso. Que não se aleguem a visível tibieza à subordinação política da intervenção e ao controle social (ou ativismo ideológico) da mídia,… Read more »

Agnelo Moreira
Agnelo Moreira
Reply to  Ozawa
2 anos atrás

Então vc esta confundindo muito aa coisas. Uma coisa é a intervenção federal e seus motivos. Outra coisa é inspeção e outra coisa são resultados. O q me impressiona, é q é a primeira vez no Brasil, e em muitos outros locais, q há algo do tipo. Não houve aviso prévio, então não houve estudo de situação e planejamento anterior, q é o q difere uma Força Armada de um grupo armado. E vcs dão o prazo de resultados visíveis? Com a sua expertise e baseado em dados históricos (se descobrir algum) o q já deveria ter ocorrido? Será q… Read more »

Ozawa
Ozawa
Reply to  Ozawa
2 anos atrás

Ora, mas há mesmo que se confundir as coisas. Se a intervenção federal (e seus motivos) não é a causa da dita inspeção para busca dos pretensos resultados, e estão todos logicamente identificados, então, sim, está tudo muito confuso sob outra conotação . . . O que se critica (com ênfase) é o aparato ritualístico, cabível em momentos próprios na caserna, mas enfadonho e dispersivo num momento de urgência e gravidade armada. Ou, como disse antes, é paradoxalmente uma perda de tempo para ganhar tempo . . . É curioso que um dos discursos – sabemos que em grande parte… Read more »

Agnelo Moreira
Agnelo Moreira
Reply to  Ozawa
2 anos atrás

Toda a verborreia para tentar explicar o raciocínio pueril só me confirma q o senhor não entende absolutamente nada do assunto.

Ozawa
Ozawa
Reply to  Agnelo Moreira
2 anos atrás

Uma réplica ininteligível e concluída de forma desnecessariamente agressiva . . . Denota uma total falta de argumento e termina imputando ao outro resumidamente o desconhecimento do que é debatido.

Se a média das fileiras da caserna tem essa incapacidade cognitiva e retórica explicam-se as ações improvisadas e atabalhoadas da intervenção federal. Enfim, entendi plenamente a preocupante situação da segurança pública do Rio de Janeiro na atual gestão.

Agnelo Moreira
Agnelo Moreira
Reply to  Ozawa
2 anos atrás

Como dialogar com quem não entende absolutamente nada de um assunto?
Como argumentar matemática com quem acha que é educação física?
Dá uma ideia verborreica aí.

Ozawa
Ozawa
Reply to  Ozawa
2 anos atrás

De fato, como dialogar um tema tão sério e adulto com quem escreve de forma tão infante achando-se um infante sem discernir o significado das conotações . . .

Marcos10
Marcos10
2 anos atrás

Israel caça e mata quem atenta contra seu povo.
No Brasil, com apoio do Estado e daqueles que ao longo de décadas sofreram de uma intensa lavagem cerebral, há um silencioso holocausto contra nosso povo.

Delfim
Delfim
Reply to  Marcos10
2 anos atrás

Ah, o invejável Eretz em estado de guerra permanente… messingélico pira.

DaGuerra
DaGuerra
2 anos atrás

Muro em volta das favelas. UPP dona da favela. Atritar a bandidagem.. Drones, FE ,snipers, vasculhar casa à casa em busca de drogas, armamentos e prender todo e qualquer suspeito para triagem. Erradicação de favelas.Essas medidas para exterminio dos testas de ferro dos morros. Para a eliminação dos chefões : fim da imunidade parlamentar, cumprimento de pena a partir da 1 instância, fim de privilégios , menos recursos judiciais, endurecimento do cumprimento de penas, fim da OAB CNBB entre outras medidas. Estado de Sitio. Poder de policia para as FFAA. Implementar a cultura de ” não basta ser inocente, tem… Read more »

Paulo José Ferreira de Lima
2 anos atrás

Só não concordo construir muros ao redor da favela , o resto estou de acordo.

Marcos10
Marcos10
2 anos atrás

Se for erradicar as favelas, não precisa de muros.

Luiz Campos
Luiz Campos
2 anos atrás

Tivemos Copa e Olimpiadas e restou isso.

DaGuerra
DaGuerra
2 anos atrás

Seria necessario o muro porque não haveria como erradica-las imediatamente. Até lá é necessario conter esses cancros dentro do Grande-Rio.

J MOURA
J MOURA
2 anos atrás

Ozawa 29 de Março de 2018 at 11:19 perfeito sua colocação, basta fazer reuniões e expedir relatórios para se saber a necessidades de cada batalhão, mas não negamos a necessidade de revisão dos códigos penais e de processo penal para erradicar ou minimizar o problema

Agnelo
Agnelo
Reply to  J MOURA
2 anos atrás

Prezado, repito o Q passei ao outro forista: A presença de um militar em uma unidade revela muito mais do Q vc imagina. Ver como vc está sendo recebido, denota MUITA coisa. Ler relatório e ouvir os Cmt seria eficiente, se estes quisessem revelar aquilo Q precisa ser revelado. Enquanto os generais recebem a pompa, sua comitiva vai conversar com aqueles militares Q estão fora da formatura, Q já serviram e estão anciosos por revelar aquilo Q os aflige. Oportunidade na qual se descobre MUITO. Importante dizer, é quando o inspecionado vê olho no olho e conhece aquela autoridade, quando… Read more »

Ozawa
Ozawa
Reply to  J MOURA
2 anos atrás

Prezado J. Moura, agradeço e repito o que passei ao outro forista: “Reitero, ponto a ponto, e com ênfase, o que disse. Nada muda, absolutamente nenhuma ressalva, diante da réplica posta. E destaco na reprise que apesar de não se esperarem milagres com décadas de descontrole moral, eleitoral, político e social do Rio de Janeiro, a atuação da intervenção federal tem oscilado entre a timidez e o improviso, e a última demonstração de presença em áreas já satisfatoriamente policiadas, como mero “outdoor” da intervenção, após demonstrações acintosas de criminalidade, demonstra isso. Que não se aleguem para visível tibieza a subordinação… Read more »

Agnelo Moreira
Agnelo Moreira
Reply to  Ozawa
2 anos atrás

Prezado A resposta: Então vc esta confundindo muito aa coisas. Uma coisa é a intervenção federal e seus motivos. Outra coisa é inspeção e outra coisa são resultados. O q me impressiona, é q é a primeira vez no Brasil, e em muitos outros locais, q há algo do tipo. Não houve aviso prévio, então não houve estudo de situação e planejamento anterior, q é o q difere uma Força Armada de um grupo armado. E vcs dão o prazo de resultados visíveis? Com a sua expertise e baseado em dados históricos (se descobrir algum) o q já deveria ter… Read more »

Nicolas_RS
Nicolas_RS
2 anos atrás

Muito bom para o Carnaval de 2019, do que adianta ter blindados, armas, centenas de soldados e ficar desfilando? Enquanto não tratarem a situação do Rio como deve ser, um GUERRA, pode colocar um Super Porta Avioes que nada adiantara!

Ozawa
Ozawa
2 anos atrás

Prezado, a resposta: Ora, mas há mesmo que se confundir as coisas. Se a intervenção federal (e seus motivos) não é a causa da dita inspeção para busca dos pretensos resultados, e estão todos logicamente identificados, então, sim, está tudo muito confuso sob outra conotação . . . O que se critica (com ênfase) é o aparato ritualístico, cabível em momentos próprios na caserna, mas enfadonho e dispersivo num momento de urgência e gravidade armada. Ou, como disse antes, é paradoxalmente uma perda de tempo para ganhar tempo . . . É curioso que um dos discursos – sabemos que… Read more »

Marcos10
Marcos10
2 anos atrás

O uso de blindados e armamento pesado dentro da cidade do Rio de Janeiro deixa claro que já existe uma guerra em andamento. Um declaração de guerra, de fato e de direito, só não se faz pelos mi-mi-mi da imprensa, partidos políticos, OAB, “defensores” de direitos humanos, quase todos ligados a partidos de esquerda, quando não envolvidos diretamente com o próprio crime organizado.

Agnelo Moreira
Agnelo Moreira
2 anos atrás

Senhores A GLO no RJ tem a finalidade de apoiar os OSP no cumprimento de suas missões. Utiliza-se a enorme massa de soldados fortemente armados com o intuito de intimidar as ORCRIM evitando o confronto q leva a morte de agentes, criminosos e, principalmente, inocentes. A intervenção federal tem o intuito de reestruturar a Seg Pub, recapacitando, regulando, redimencionando etc Por vezes, a GLO anda de mãos dadas com a intervenção. Por exemplo: se uma operação não rende os frutos previstos, por vazamento, uma ação na inteligência, busca esses vazamentos, verificando e responsabilizando. Reavaliem a situação, a luz da regulação… Read more »