Home Conflitos em andamento Rússia planeja implantar mais mísseis S-400 na disputada Península da Crimeia

Rússia planeja implantar mais mísseis S-400 na disputada Península da Crimeia

4035
96
S-400
S-400

A Rússia está enviando novas baterias de mísseis terra-ar S-400 para suas instalações na Crimeia, disse seu Ministério da Defesa. A medida acontece dias depois de navios de guerra russos terem apreendido vários navios da marinha ucraniana, aumentando as tensões com a vizinha Ucrânia sobre a terra que a Rússia tomou em 2014.

As forças armadas da Rússia já possuem três das divisões de mísseis S-400 “Triumf” na península do Mar Negro; terá outro em funcionamento e operacional até o final do ano, disse o coronel Vadim Astafyev, do Distrito Militar Sul da Rússia, segundo a agência estatal de notícias RIA Novosti.

O míssil móvel S-400 tem alcance de até 400 quilômetros (250 milhas) e pode subir a uma altitude de 30 quilômetros, segundo o Exército da Rússia. O objetivo é derrubar uma variedade de ameaças aéreas, de aeronaves a mísseis balísticos e de cruzeiro.

Enquanto as notícias surgiam na quarta-feira, o Ministério da Defesa da Rússia postou um vídeo da mais recente versão do sistema S-400 passando pelos testes finais, afirmando que “atingiu com sucesso oito alvos aéreos de alta velocidade e baixa altitude”.

A Rússia tem enfrentado críticas generalizadas desde que seus navios atacaram um grupo de navios ucranianos que tentavam atravessar o Mar Negro e o Mar de Azov no domingo.

A embaixadora dos EUA na ONU Nikki Haley chamou isso de “violação ultrajante do território soberano ucraniano”, durante uma reunião de emergência do Conselho de Segurança da ONU na segunda-feira.

A Ucrânia impôs a lei marcial em resposta ao confronto armado, que diz ser mais um em uma série de atos de agressão. Em resposta, o presidente russo, Vladimir Putin, afirmou na quarta-feira que o incidente foi uma provocação projetada pelo presidente da Ucrânia, Petro Poroshenko, que enfrenta fraco apoio público antes das eleições planejadas para o início do ano que vem.

O jornal The Moscow Times cita a análise feita pelo grupo britânico Chatham House ao afirmar que a ação agressiva é “simplesmente a mais recente aposta do longo jogo do presidente Vladimir Putin para atrapalhar a economia de seu vizinho e minar a revolução que expulsou seu líder apoiado pelo Kremlin em 2014.”

FONTE: NPR

96 COMMENTS

  1. Putin não vai sossegar enquanto não anexar a Ucrânia toda, antes que esta entre para a OTAN. Se é que a OTAN, em especial a Europa, vai comprar esta briga com a Rússia. Na verdade a Ucrânia está vendida, ferrada e mal-paga.
    A Polônia que se cuide.
    .
    Uma lição sobre o que pode acontecer quando se abdica de possuir armamento nuclear, com um vizinho abusado e nuclear.

    • Quero ver quando começar a ter refugiados ucranianos em massa indo pra Europa Ocidental, o que os proponentes do “não fazer nada e abrir as porteiras” vão fazer.

    • O comportamento extremamente responsável da ucrânia em relação aos armamentos herdados da guerra fria nos dá uma ideia do que poderia ter acontecida caso tivesse posse de artefatos nucleares…
      Kh-55 que o diga…

    • Se Putin tiver seguindo a cartilha do Neo-eurasianismo de Aleksandr Dugin, a ideia não será, propriamente, “anexar” a Ucrânia toda e os países bálticos, mas só tirá-los da órbita de influência dos EUA, projetando seu “soft power”. Se a Ucrânia inventar de aproveitar este decreto parcial de lei marcial, para uma ofensiva em Luhanski e no Donetski (esta última, com os S400, fica mais difícil), isto poderá levar a Rússia intervir nestas regiões (“para salvaguardar as “minorias” russas presentes”) e só. Neste sentido, a Rússia apoiará o desmonte da OTAN e a independência da União Européia como bloco “soberano” em relação aos yankees e nem precisará dissuadir com “hard power” os Europeus, os terá nas mãos.

      Claro, posso estar errado…

      • A Rússia poderia até anexar a parte ao leste do Rio Dniepre que divide o País ao meio, e reclamar sua posse baseado em fatos históricos, populacionais ou seja lá o que for.
        Os ucranianos não teriam o menor poder de reação e seriam derrotados em pouquíssimos dias.

    • A Ucrânia e a Polônia devem ficar muito espertas. Estão perturbando muito a Rússia e não têm nenhum cacife contra ela. Como se vê a retórica americana é ladrar e não morder. Na hora ‘H’, vão deixar os dois países na mão. E é bom que sirva de exemplo para qualquer País que ache que pode se esconder debaixo da saia do Tio Sam.

      • Comparar a Polônia com a Ucrânia é, no mínimo, desonestidade. Enquanto o primeiro é membro pleno da OTAN, estando protegida pelo Artigo 5°, o segundo deixou a esfera de influência russa a apenas 04 anos e não se integrou (ainda) com as organizações ocidentais, como UE e OTAN.

      • Antonio,

        Lembro-lhe a Guerra Polaco-Russa de 1920… O povo polonês sempre foi osso duro de roer, e tem profundamente enraizados na memória os anos sob tutela soviética e luta constante de seu povo frente ao domínio russo… Agora que estão na OTAN, é que não vão se deixar intimidar mesmo…

        Quanto aos ucranianos… O que falta-lhes é liderança, pois no mais, acredite: é também um povo duro na queda, que não tem o hábito de fugir a luta.

        Não tenho dúvidas de que se os russos quisessem, chegariam a Kiev. Mas estou certo que o exército russo sangraria pelo caminho… E se forem no rumo de Varsóvia, também é certo que tomam tudo. Mas será que sobrará exército russo depois disso…?

        E não se esqueça: se antes os russos estavam ao lado do Fulda, hoje estão pra lá do Berezina… É muita distância pra cobrir e muito sangue que terão que derramar, se ousarem ir as vias de fato ( coisa que não acredito ).

        Claro que existem outras formas dos russos pressionarem, com seus hidrocarbonetos… Bem… Africanos e americanos estão lá com reservas enormes de gás e petróleo apenas esperando para serem exploradas, além da Península Arábica. Quanto tempo até os europeus se decidirem por trocar de fornecedor…? E no final, tudo o que os russos podem conseguir, é deixar o tio Trump com um sorriso de orelha a orelha, além de ampliarem a sua dependência econômica dos chineses, que serão os maiores compradores em potencial dos russos no final…!

        • Não acreditaria em guerra. Acho que isso não cabe mais na Europa. Mas, acredito em um estado de tensões que prejudicaria o ambiente político e econômico dos países. E isso seria particularmente catastrófico para a Ucrânia que vive em uma verdadeira mixórdia. Sem contar que ele tem dentro das suas fronteiras um poderoso movimento armado que pode desestabilizar o País.

    • Não tem interesse nenhum nisso, mas Poroshenko com 8% das intenções de voto e com 50% dos ucranianos dizendo que não votam nele em hipotese nenhuma está louco para arrumar uma briga e ganhar popularidade

    • Me explica ai, como a Europa vai deixar de ser refém, quando ela mesmo procurou estender uma organização militar até a fronteira com a Rússia? Analisar o mundo a partir de 2014 nos dá a falsa sensação de uma Rússia agressiva, quando na realidade temos uma Rússia muito mais reativa, basta escolher um período mais conveniente a partir do fim da URSS.

        • Sim, no limite do argumento vamos todos desconfiar dos nossos vizinhos. É preciso definir um ponto que tenha algum significado, ou que contemple mudanças importantes!
          A União Européia não chegou no ponto em que está por meio da desconfiança mútua, nem empurrando bases militares nas fronteiras entre as nações. Pelo contrário, o período em que isto aconteceu a Europa enfrentou o caos e a guerra. Parece que desaprenderam a lição no caso russo.

    • A Europa Ocidental já é refém do gás russo. Certo estava Trump: enquanto os EUA gastam bilhões com as bases européias, alemães fecham negócios bilionários com os russos e relegam a segundo plano a própria defesa. Tirando ingleses e poloneses, não tenho a mínima pena dos europeus.

      • Seu comentário é , além de desconexo com a realidade, totalmente desprovido de conhecimento.
        Primeiro: o Orbán tem ótimas relações com Putin.
        Segundo: se o ‘caldo entornar’ pra eles, vai entornar para os russos também. Seria a declaração de guerra à toda a Aliança que os russos não tem a mínima condição financeira de manter.

        • Refiro-me a essa onde de extrema-direita nacionalista que vem empesteando a Europa. Pouco importa de um determinado dirigente é amistoso com Putin, pois o próximo pode não ser. A Ucrânia, Polônia e Hungria tem abusado do bom sendo elegendo partidos execráveis.
          E outra. Não pense que os EUA e a OTAN vão se doer por alguma ação contra Taiwan, Israel ou um membro pouco expressivo de sua Aliança. Vão no máximo reunir o Conselho de Segurança da ONU para condenar as agressões.

          • Ah é? E por acaso Ucrânia, Polônia e Hungria deveriam escolher quais partidos? Os que a Rússia quer? Esses países não são soberanos e suas populações não podem escolher quem eles bem entendem? Se por acaso os partidos escolhidos fossem um lixo qualquer de esquerda eles estariam corretos, no seu entendimento, não é?

          • Prezado Bruno.
            Se a Rússia realmente se aborrecer com Israel, tenha certeza que os hebreus não terão ninguém para apertar o botão.
            Acredito que apenas um 1/5 das ogivas de um único míssil multi-ogivas russo seria capaz de incinerar Israel até a terceira geração.
            Ele olhe que ela possui centenas deles.

      • O presidente da Hungria é amigo e aliado do Putin. É o maior defensor do Putin dentro da União Europeia e contra as sanções impostas a Rússia

  2. a rússia tem um longuíssimo histórico de interferência nas políticas externas de países, cujos interesses são estratégicos para o país, como os EUA sempre fizeram também.

    aprendam com quem desenvolveu o conceito moderno de guerra híbrida e manipula a ucrânia com maestria.

    “militares do mundo, babai-vos”.

        • Metade da Rússia ou é congelada ou é um lamaçal, nada de útil se cria em condições como essa, o país depende muito das commodities que exportam, e estas sofrem todo o tipo de embargo do ocidente. E projeto da década de 70 também atira e mata, se acha que é moleza vai lá enfrentar os caras, eu mando uma coroa de flores…

        • Disse “Rodrigo Masculino Ferreira”:
          “Se o Putin é tão bom porque ele não tira a Rússia da eterna falência ?

          A única coisa que eles sabem é recauchutar projetos da década de 70.”

          1º) A Rússia está longe de estar “falida”. É superavitária em suas contas externas, e possui baixo endividamento, tanto externo quanto interno. Isto, além estar formando uma das maiores reservas em ouro do planeta…

          2º) Dizer que sistemas de armas novos como o T-50, Armata e Borei Class são “recauchutagem” de projetos dos anos 70 é passar recibo de ignorância crassa.

          Não é surpresa alguma que o comentário de um troll tenha baixa qualidade, pois o objetivo de um troll não é o de contribuir, mas de criar cizânia. Por isso os comentários sem informação, mas eivados de preconceito, raiva e frustração.

    • Jaime, e o que ele ganha com isso? qual o benefício pratico além do ego massageado? So gera desconfiança e isolamento.

      Antônio, ao que se sabe a economia dos EUA vai muito bem. Menor taxa de desemprego dos ultimos anos.

      • Colombelli, permita-me discordar. Existe um conceito denominado taxa de natural de desemprego, que é uma taxa de desemprego para a qual uma economia sem um aquecimento artificial promovido pelo governo tenderá. Em suma, apesar desse índice de desemprego parecer positivo, a verdade é que ele indica a formação de uma nova bolha na economia americana (que já estava sendo formada desde o governo Obama, é só ver a tendência de queda no desemprego) e isso é um péssimo indício. Outrossim os cortes de impostos do Trump, sem ter como contrapartida um corte nos gastos governamentais conseguiu piorar ainda mais o prognóstico da economia dos EUA.

        • Bruno. Eu não quis polemizar, mas as análises efetuadas por economistas americanos destacam que o crescimento americano vem perdendo força e que é certa uma recessão até 2020.
          E ainda, segundo a reportagem, os empregos criados tem sido de menor qualificação e com salários mais baixos.
          E ainda, mencionava uma quantidade significativa de pessoas que desistiam de procurar emprego. Muitos destes por questões de saúde.

  3. Ucrania está indo no mesmo caminho da Georgia,unica duvida é se em 5 dias pedem “água”.
    Ou conseguem prolongar o conflito.Porque ajuda não vão ter mesmo, Mikheil Saakashvili é prova viva disso,rsrsrs

  4. O governo Putin é FASCISTA inspirado em seu guru “intelectual” Alexsandr Dugin, e o interessante é que é amado por um pessoalzinho totalmente alienado da direita, e aclamado por vários da esquerda, que jura que “odeia” o fascismo, vai entender essa gente rsrs…

  5. Que coisa mais estranha essa matéria!
    Se trata de substituição dos complexos S-300PMU obsoletos de Sevastópol (12o regimento) pelo S-400. Somente.. Ja existem outros regimentos da mesma 31a divisão AA da Crimeia (em Teodósia e Eupatória) equipados com S-400. Como tb ha um regimento rádio-técnico (3o regimento) na própria Sevastópol. O resto é mastigação das melecas e especulação ideológica .
    Um grande abraço!

  6. “Antoniokings 29 de novembro de 2018 at 12:42
    Prezado Bruno.
    Se a Rússia realmente se aborrecer com Israel, tenha certeza que os hebreus não terão ninguém para apertar o botão.
    Acredito que apenas um 1/5 das ogivas de um único míssil multi-ogivas russo seria capaz de incinerar Israel até a terceira geração.
    Ele olhe que ela possui centenas deles.”

    Tu és tão cego ideologicamente, com teus dois neurônios tão lavados por doutrina suja, que vive fazendo apologia ao anti-semitismo e outras coisas imundas do tipo, que acedita que se a tua amada Rússia atacar Israel nuclearmente sairá impune! Se isso um dia acontecesse, seria o início de uma reação em cadeia que dizimaria o planeta! Os EUA, europa, Rússia, China, Coréias, Japão, etc….seriam sugados para uma devastação nuclear que extinguiria a vida nesses locais em questão de minutos. E o resto do planeta seria inabitável……portanto, mesmo que um ataque nuclear russo à Israel povoe seus sonhos molhados, pode acordar!! Tu és tão bitolado pela sujeira de esquerda que acredita que tudo que escreves é verdade!

    • Flanker Não perca o seu tempo tentando explicar o óbvio para esse ae, não tem jeito já está doutrinado e nunca vai aprender. Ele acha que apenas a Rússia e China tem poder nuclear de reagir a um ataque feito contra eles, e licença para atacar quem quiser saindo os dois países impune, e nem adianta desenhar que não vai entender rsrs..

      • Flanker

        Não sei se vc é judeu, mas, mesmo assim, não abuse da paciência dos russos. Eles costumam ser particularmente cruéis com os recalcitrantes.

        • A Rússia não teve coragem nem de atacar a Ucrânia diretamente.

          Em outras guerras foi humilhada por países que nem força aérea possuíam. Ridículas essas ameaças em nome da Rússia. Sabe muito bem que eles não irão
          fazer nada contra Israel.

          Acorda do mundo da fantasia.

        • Não sou judeu e nem israelense. Sou brasileiro e cristão. E você, é brasileiro? Não parece….parece ser uma cruza entre chinês e russo, com ancestrais iranianos misturados com sírios, venezuelanos e cubanos…..
          Quanto à paciência dos russos, estou c@gando e andando pra eles…..quero mais é que se explodam, junto com chineses e iranianos….e com o Assad pra enfeitar o féretro.

  7. Antonio, alvitrar ataque russo contra Israel? por favor né. Alvitrar ataque nuclear de qualquer natureza e conta quem quer que seja é uma viagem psicodélica.
    Putin não enxerga o verdadeiro inimigo dele a leste. Deveria estar se aliando ao ocidente contra a China e ocupando seu lugar de direito de liderança proporcionalmente ao que a Russia hoje de fato é ( e não no que ele pensa que ela ainda é) e não fazendo pirotecnias para tentar reviver a antiga URSS. Restou so o poder nuclear. Muita gente estaria e está ávida para fazer negócios com a Russia e integra-la, mas ele insiste nesta questão de ego.

    • Prezado Colombelli
      É só uma provocação, diria, hiperbólica, para o sujeito se orientar e não ficar aventando a possibilidade de Israel confrontar a Rússia em qualquer campo militar.
      É apenas uma volta à realidade.
      Sds

    • Mestre!
      A Russia dificilmente poderia se alinhar com Ocidente diante da historia milenar(!) da resistência militar e cultural. As cruzadas Teutónicas menos ainda “pulos de gato” Polonesas nem atrocidades de Hitler levariam para tal decisão (sem contar da “cultura gay” e queda geral dos princípios da família tradicional) e ate revisão e , na maioria dos casos distorção grotesca , dos acontecimentos da Segunda Guerra da Pátria (como é chamada a SGM por la). Desde a escolha do “formato” da crença e ate absorção “à vontade” da cultura dos prussianos e franceses Eles (os Russos) sempre foram autodidatas.
      Hoje nem (provavelmente) amanha isto vai mudar.
      A China é inimigo antigo (mais que milenar) e últimos 300 anos eles estão se dando bem (mais ou menos desde que a China sempre se acalma apos uma boa porrada). Ja com os americanos passaram de apoio militar (enviando tropas e navios para proteger os portos) quando jovem Estado Americano precisou (em 1861 e tal) passando pelos atrocidades inesquecidos e saqueamento em 1918 (operação “Urso Polar”) ate uma parcial “união” contra Hittler e enfrentamentos continuous durante da guerra fria (vide Coreia , Vietnam , Líbia , Afeganistão e etc).
      Na minha visão nos próximos 20 anos não haverá nenhum tipo de aproximação “estratégica” entre a Russia e Ocidente.Com Putin ou sem ele – problema é bem mais fundo.
      OBS : espero que estou enganado.Mas os meus amigos sempre dizem que sou muito otimista! Dai 20 anos seria uma previsão otimista então ..
      Um grande abraço!

      • Concordo com você. A Russia não é afeita a esse tipo de parcerias e amizades. Quanto à ajudas mútuas entre Rússia e EUA, você esqueceu da maior de todas, quando na 2ª GM os EUA enviaram milhares e milhares de equipamentos, como caminhões, viaturas de todos os tipos, aviões,etc….para os russos enfrentarem os alemães.

        • Mencionei isto amigo Flanker!
          So que aquela união temporária e ajuda com equipamentos e suprimentos não evitou os enfrentamentos e baixas mutuas durante o período final da SGM dando uma ideia de que ta por vir pela frente e inicio de Guerra Fria.
          Diria que tratava-se “união situacional”. E tanto USSR como EUA saíram ganhando no final das contas : USSR focou nas coisas mais estratégicas e EUA – multiplicaram seu parque industrial tendo as encomendas firmes dos equipamentos fornecidos para UK e USSR (vide a historia da produção de carne enlatada , Studebaker , P-39 etc).
          E não esquece que na parte mais difícil (primeiro meio ano de guerra) o fornecimento destes equipamentos foi pago em barras de ouro. Nada de 0800..
          Um grande abraço!

  8. “Antoniokings 29 de novembro de 2018 at 12:42
    Prezado Bruno.
    Se a Rússia realmente se aborrecer com Israel, tenha certeza que os hebreus não terão ninguém para apertar o botão.
    Acredito que apenas um 1/5 das ogivas de um único míssil multi-ogivas russo seria capaz de incinerar Israel até a terceira geração.
    Ele olhe que ela possui centenas deles.”
    Israel e Rússia tem boas relações desde o fim da URSS, e sobre ninguém para apertar os botões vc esqueceu que os Israelenses tem submarinos com capacidade de ataque Nuclear Israel pode acabar, mas as Principais Cidades da Rússia vão virar pó também. não tem essa de quem atacar primeiro, todo morre no final. todos os países que tem a arma nuclear, usam seus subs como vingadores.

  9. Concordo com o Sr. Colombelli. O inimigo da Rússia está a leste. Lembremos dos confrontos nas fronteiras entre os dois países. a Rússia integrada à comunidade europeia seria muito bom para esta e melhor ainda para aquela. Perfeito. Abraços a todos. Uma interessante proposta. Reitero os abraços.

  10. Estes sistemas S-400 são capazes de dissuadir eventual vetores 4++ da OTAN. ?
    Acredito que a única forma de realmente os Estados Unidos reafirmarem sua força global naquela região é enviando para a Itália ou Grécia os F-22 e F-35 e começar a sobrevoar a Crimeia insistentemente. Somente assim Putin irá acreditar que a Ucrânia não está desamparada.

    • Sim, esses vetores só podem atacar os S-400 ou a área que ele protege com mísseis de cruzeiro Stand Off, tipo o Storm Shadow.
      Podem tentar lançar bombas planadoras stand off, mas é mais arriscado por que teria que entrar efetivamente na zona de engajamento do S-400, provavelmente voando a baixa altitude, fazer um Pop-Up lançar rapidamente as bombas e voltar para baixa altitude.
      Como os mísseis do S-400s são Mach 6, essa estratégia só é viável com aviões que tem um bom sistema de guerra eletrônica para retardar o engajamento.

      • Amigo Augusto!
        So complementando um detalhe para seu comentário : as distancias onde os vetores de ataque hipotética poderiam se sentir relativamente seguros em baixa altitude (relativamente porque tem dois radares Nebo-SM por la) ficam fora de raio de uns 110-120km da península de Crimeia. Ou seja , mesmo fazendo pop-up fica difícil garantir um alto grau de sucesso.
        Um grande abraço!

    • Tirando o método usando arma Stand Off. acredito que um E/A-18G Growler tem capacidade para causar interferência eletrônica nas baterias de S-400 e facilitar o ataque.

    • Muito possivelmente, os caças de 5º geração seriam detectados a varias centenas de quilômetros pelos radares VHF russos.
      Os próprios atacantes sofreriam pesados ataques eletrônicos. Um F-18G que se aproximasse suficiente para que a interferência eletrônica tivesse sucesso também seria alvos dos mísseis do S-400. E dado a doutrina Russa em desenvolver versões antiradiação dos seus mísseis ar-ar os próprios interferidores teriam que se defender da aproximação de vetores disparando mísseis a grandes distâncias procurando por emissores de radiação. Não duvide de uma cabeça de busca “P” para os S-400.
      E lógico os atacantes teriam que concentrar uma força em algum local. este local seria vítima de ataque dos mísseis de cruzeiro e balístico russos.
      Em ambiente saturado eletronicamente provavelmente os caças de 5ª geração teriam que ligar os radares também, então não esperem um passeio. Se fosse simples passar despercebido pelas defesas russas os EUA já teriam feito isso a muito tempo. Já imaginou que incrível peça de propaganda uma foto tirada pelos sensores do F-35/F-22 de uma bateria S-400 na Crimeia?

      • Na verdade os radares UHF não enxergam os Stealth americanos a mais de 100 km isso para o F-35, para os outros é menos, sem ter como engajar.
        Na guerra eletrônica moderna (EW, ESM e ECCM) mais do que o hardware dos sistemas em si, o que vale é a inteligência, poder computacional e sensibilidade do sistema, os americanos nessa aérea tem uma superioridade incontestável, devido a grande vantagem competitiva da área de informática que tem na sua economia.
        Quanto a ataques russos, a Otan oferece uma boa proteção em camadas, principalmente nos seus ativos na Europa ocidental (Alemanha, RU, Franca e países baixos), talvez eles tenham um capacidade maior de ataque a países menos capazes da OTAN, como a Polônia, mas tudo pode ser mitigado com dispersão.
        O que eu vejo que os russos planejam fazer e atacar economicamente os países da Europa ocidental por trás, usando submarinos no Mar do Norte e os bombardeiros de longo alcance descendo pela Antártica, atacando alvos como hidrelétricas, usinas nucleares, portos e etc.
        Seria como ataques de punição.

        • Sugiro que saia da opinião de especialistas de internet, inclusive eu, e vá ler algum artigo acadêmico que trate o assunto com seriedade.
          Não temos um ponto pacífico aqui, a menos que você me apresente alguma boa fonte, por falar em fontes sugiro que leia:
          http://www.academia.edu/5672531/Radar_Cross_Section_of_a_stealthy_aircraft_using_electromagnetic_simulation_in_the_X_and_in_VHF_UHF_Bands
          É um artigo escrito por brasileiros…
          Vale a pena ler, sério… é um inicio pra gente ficar debatendo, não vale a pena ficar dando murro em ponta de faca…

        • Caro Carcará, eu não posso fazer você acreditar no que você não quer, apesar de a verdade ser clara, mas posso fazer com que você não passe informações erradas. Você mostra um o artigo de um fabricante, que não tem como provar sua eficácia, por não terem um stealth pra testar e um artigo brasileiro falando sobre o equipamento usando as mesmas fontes desse tendencioso fabricante.
          Enquanto há informações disponíveis de pessoas da aérea, que não são “especialistas de internet”, que provam que é ao contrário.
          Inclusive já postaram-se links aqui, e você os refutou alecando fontes que nem estavam sendo apresentada, fontes que não existiam.

  11. Sr. Scud B . Obrigado . Fatos históricos e culturais incontestáveis. A questão religiosa, tradição familiar…etc. para não adentrar no mérito decadente ocidental de certas “paradas”. realmente fica muito difícil esta integração9não impossível. O tempo é o Sr. de todos… Reitero abraços.

  12. Uma coisa que não entendi até hoje.
    A Rússia foi útil na segunda guerra Mundial.
    Mas o que lhe deu o direito de ocupar toda a Europa oriental, as repúblicas soviéticas além da Coreia e outras?
    Na segunda guerra Mundial apoiou e foi apoiada pelos EUA e pela Europa.
    Por que agiu tomando territórios nos moldes da Alemanha?
    O ocidente não agiu e criou uma cobra.
    E no que dá ser omisso.
    É o que ocorre agora com a China.
    Ninguém tem coragem de dizer ou fazer nada.
    Depois serão forçados a sofrer.
    Seja pela subserviência seja por meio de guerras.
    A China está se lixando para os demais países.

    • A resposta a isso é simples: Manda quem pode e obedece quem tem juízo.
      Quem poderia enfrentar Stalin e o gigantesco exército soviético?
      Quem poderá enfrentar Jinping e o poderoso exército chinês.

      • Quem tinha bomba nuclear e quem forneceu armamentos para a Rússia enfrentar a Alemanha…
        Em tese, a Rússia era aliada.
        Não sei porque tomou para si vastos territórios de outros países, justamente o que motivou a segunda guerra, só que o invasor era a Alemanha.
        O ocidente poderia ter continuado a guerra, mas mudando o adversário de Alemanha para Rússia
        A vida teria sido muito mais fácil nos últimos 70 anos…

        • A USAF era 2 vezes maior que a URSS. com os novos B-29 os americanos não teriam o trabalho que a Alemanha teve para reduzir a capacidade industrial soviética. tirando isso temos:
          Regiões agrícolas do leste europeu completamente devastadas e sem capacidade de produção (exercito de estomago vazio não luta)
          Estrangulamento naval da URSS. a Royal Navy e US Navy conseguiriam com sucesso impedir qualquer entrada de suprimentos por meios navais pq a marinha soviética era pífia
          e o grosso da cavalaria blindada soviética formada por pelos T-34 tinham uma qualidade muito inferior na construção, sua suspensão dava problemas constantes (tanto que as vezes eles levavam uma suspensão extra) veiculo pequeno e apertado, um disparo poderia matar toda a tripulação, a qualidade da blindagem não era tão boa por causa da vontade de produzir cada vez mais.
          alem das táticas soviéticas serem no minimo questionáveis…
          A guerra não aconteceu porque os aliados estavam muito desgastados e a população civil não iria apoiar um novo conflito

          • 1º) A URSS tinha mais de 11 milhões de homens muitíssimo bem armados e bem treinados ao final da Guerra;
            2º) O T-34 foi considerado o melhor tanque da guerra em termos gerais. E ao final do conflito, os soviéticos ainda lançaram a série de tanques pesados IS (Josef Stalin) que tinha um poderoso canhão de 122 mm, mas que nem precisou ser utilizado de maneira mais contundente, visto a derrota nazista iminente.
            3º) A URSS sempre foi autossuficiente em materiais estratégicos e nunca deu muita importância aos meios navais. Por isto, qualquer bloqueio naval seria inútil, como é ainda hoje. Por terra, a antiga URSS e a atual Rússia têm acesso a qualquer tipo de suprimento necessário.
            4º) Se não me engano, a URSS conseguia construir cerca de 3 mil aviões e 2 mil tanques por mês sendo que a ajuda ocidental chegou a 1 mil caminhões, 15 mil outros veículos e alguns produtos de petróleo e víveres.

            Nunca é demais ressaltar que foram os soviéticos que detiveram a então invencível força alemã e em três anos estavam desfilando em Berlim

    • Existem formas explicitas e sutis de dominar território,
      Em geral governos centralizadores e autoritários tem facilidade em lidar com o primeiro. Já democracias são mais estáveis com o segundo…
      A Europa não ficou por conta própria após a segunda guerra mundial e continua assim até hoje, com um ou outro sinal de mudança, mas nada que vá ocorrer a curto prazo…

  13. Li os comentário desta coluna, eles são bastante reveladores do atual momento em que vivemos…

    O fato é que os comentaristas presentes não conseguem entender o que se passa na região, o que não me surpreende,

    A Rússia não tem interesse algum na Ucrânia, que para a Federação, hoje, não passa de um peso morto. Todos os back-ups industriais existentes na Rússia foram ativados, tornando a base industrial ucraniana completamente inútil para os russos…

    A Rússia deu um golpe de mão, genial diga-se, e ficou com a Criméia. Nada se pode fazer quanto a isso que não seja o esperneio, algo que a senhora Nikki Haley faz muito bem…

    Para quê iniciar uma guerra com a Ucrânia, falida? A Ucrânia está desmoronando-se por si…
    Engraçado como até a presente data a aproximação com o “ocidente” nada trouxe de vantajoso para os ucranianos… Não deixa de ser incrível que a “combalida” economia russa seja capaz de provocar a asfixia no vizinho e o poderoso ocidente não seja capaz de inverter o processo…
    Francamente!

    A verdade é simples e dolorosa: não se provoca uma potência junto as suas fronteiras. É burrice.
    Algumas verdades precisam ser ditas aqui e vou numerá-las:
    1) Não se provoca uma potência junto da sua fronteira.
    2) Não se provoca uma potência regional junto da sua fronteira.
    3) Caso seja um Estado Soberano, mais fraco, deve-se manter as melhores relações possíveis com o seu vizinho mais forte. Este princípio cresce de importância caso o vizinho seja uma potência, mesmo que regional.
    4) Putin é um líder calmo, sereno. Qualquer outro russo no lugar dele já teria deixado a Ucrânia em brasas ferventes, mas Putin mais parece chinês do que um russo… Fato.

    • Perfeito comentário.
      E acrescentaria que a Ucrânia está se desesperando pelo fato da Rússia estar colocando em aspecto secundário o transporte de gás pelo seu território. Agora é muito tarde. Quis se afastar da Rússia? Agora aguente as consequências;
      É importante observar os crescentes laços econômicos entre a China e a Rússia. É para lá que a Rússia está se voltando.
      O comércio entre os dois está aumentando a taxas exponencias e dentro em breve chegará a um fluxo de US$ 200 bilhões anuais.

  14. O Ocidente estava cansado da guerra. Havia um Europa a ser reconstruída urgentemente.
    Militarmente também seria complicado. O clima seria inclemente. A URSS era autossuficiente com os recursos. A diferença tecnológica em termos convencionais não existia. Seria um adversário pior ainda que os nazistas.
    O ideal, militarmente falando, seriam os nazistas e comunistas se matando e o Ocidente assistindo de camarote com pipoca e refri 2 litros. Mas aí teríamos que fechar os olhos para toda a barbárie e genocídio, o que Churchill não fez.

  15. Tava lendo os comentarias e focando em 2 pontos:

    A Russia e Israel são hoje em dia bons aliados. Possuem vários convênios de Educação, Pesquisa e Defesa pra ambos. Então esse papo Russia e Israel é furada, fora que o *Ministro da defesa de Israel é de Origem russa, amigo de Putin e faz par da extrema direita…

    Sobre a Ucrânia, a Russia poderia toma-la facilmente em 2 semanas usando principalmente as 150 e 136 Divisões Rifle motorizadas do **Distrito Militar Sul. Basicamente elas são compostas de 268/288 T-72B3M e T-90A cada mais varios batalhões de BTR-82AM, BMP-3M, MTsA-M1/M2, Akatsiya, Msta-B, D-30, Tornado-S/G, TOR-M2U e Tunkuska M1 Etc… fora a doutrina russa de usar **VDV que possuem 2 unidades no Distrito Militar Sul mais as varias bases de MI-28N/UB – KA-52 e MI-24VP/VN e MI-35.
    E eles nem precisam sair da zona de DONBASS e Leste de grande maioria russa. Como esse movimento mais ataques aéreos (Misseis de cruzeiro KH-101/KH-65 e Kalibr e Balísticos como Iskander-M e Tochk e aviação de ataque e caça) mais profundo a infraestrutura (Energética, Comunicações e Industrial) a Ucrânia se fragmentaria igual a Yugoslavia.
    A Frota do Mar negro que possui 3 Fragatas Admiral Grigorovich e mais um e ultima pra 2019, 3 Buyan-M, 2 Project 22160 e 6 submarinos Classe Improved Kilo fora uma infinidade de corvetas menores. Tendo ainda as muitas Baterias costeiras na Crimea com sistemas BAL e Bastion-P e os vários batalhões Fuzileiros Navais da Frota do Mar Negro.

    O Distrito Militar Sul é mais que o suficiente pra Ucrânia e Polônia e Baltico. Sendo esse o Terceiro ou segundo junto ao Central mais importante depois do Distrito Militar Ocidental.

  16. * Li agora que ele saiu do governo por se favorável num ataque/engajamento maior contra o hezbollah/ outros grupos terroristas.
    ** Praticamente essas unidades ficam no outro lado da ponte.
    *** As 150 e 136 Divisões rifle Motorizadas, fazem parte do 8th Guards Combined Arms Army que é compostos também 49th Combined Arms Army e 58th Combined Arms Army

  17. Eu não sei aonde o Linmberman que renunciou faz parte da extrema direita ou é apoiador do Putin.
    Que eu saiba o Linmberman é extremamente pro-ocidental. Quanto as relações russo-israelenses, os 2 se respeitam enquanto da pra respeitar ao mesmo tempo em que tentam lucrar um com o outro. Não são nenhuma maravilha mas também não são infrutíferas, no mínimo pragmáticas.
    Quanto a Ucrânia o máximo que os russos chegariam é o Rio Dinipro, apartir dali não valeria mais a pena.
    Diferente da OTAN, mais especificamente a USAF, o poder aéreo russo não é muito eficaz contra alvos moveis.
    Eles tem a falta de muito equipamentos necessários para à “cadeia de matança”.
    Esse vídeo da uma explicação melhor das opções russas de intervenção.

    https://youtu.be/LCMn-WDTIf8

  18. Victor Filipe ( 30 de novembro de 2018 at 12:25 );

    Vamos por partes aí…

    Em verdade, os efeitos da campanha de bombardeiros aliados foi muito menor que o frequentemente alardeado…

    O bombardeio estratégico foi concebido com dois propósitos básicos: (a) destruir a moral do atacado e (b) destruir os centros industriais e de produção de matérias primas.

    No primeiro caso, foi um completo fracasso… Ao contrário, cada bomba que caía era usada pela própria propaganda alemã para manter as fileiras cerradas. E sendo justo, efeito similar viu-se no Reino Unido.

    Já no segundo… O êxito foi parcial… A campanha de bombardeio nunca conseguiu de fato fazer a Alemanha parar de produzir. Pelo contrário, os índices de produção foram até maiores ao longo da campanha.

    Um estudo britânico de 1942 revelou que apenas 8% de suas bombas caíam na região do alvo. Seus bombardeios noturnos, ao final, não contribuíram em virtualmente nada no que tange ao esforço de guerra estratégico; muito embora se registrem sucessos pontuais, como o ataque dos Dam Busters as represas do Ruhr em 1943…

    Mais a frente, com a insistência em atacar de dia, os americanos lograram melhores resultados, mas a precisão ainda era pífia. O sistema Norden entregava uma precisão de 500 metros do alvo, se muito…

    Curioso observar que os alemães se mostraram consideravelmente engenhosos em reestruturar seu sistema fabril. A produção do caça FW-190, por exemplo, passou a ser realizada de forma descentralizada, a partir de várias fabriquetas de fundo de quintal! Estas simplesmente produziam as peças, que eram remetidas a campos de pouso e ali montadas… Voi-lá…!

    Talvez os maiores êxitos tenham sido conseguidos contra siderurgicas e áreas de mineração, que eram alvos grandes e que não poderiam ser movidos, e cuja a interrupção da produção retardava o ritmo nas fábricas; além de ataques a portos e estaleiros, grandes entroncamentos e aeroportos, limitando de fato o transporte de massas.

    No final, o que paralisou a industria alemã foi a perda de territórios vitais, como Ploesti ( Romênia ), e a invasão da França, que os privou de matérias primas essenciais…

    Enfim, não se poderia esperar um desempenho muito melhor em um eventual ataque a URSS.

    O T-34, ao contrário, era um carro excelente para o seu tempo. A variante /85 sanou praticamente todos os problemas de seu antescessor. Havia ainda a série KV, melhor blindada, e disponível em bom número.

    Vou concordar que as forças navais aliadas seriam um carta na manga, mas não por conta de um eventual bloqueio que pudesse levar a efeito, e sim por permitir uma aproximação a qualquer ponto do litoral russo e propiciar uma invasão.

  19. Antoniokings ( 30 de novembro de 2018 at 13:24 ),

    A ajuda do Ocidente aos soviéticos incluiu mais de 400.000 caminhões… Em 1945, cerca de 1/3 da força de transporte soviética era composta por modelos ocidentais, que eram, de longe, os melhores disponíveis a eles…

    Também foram enviados mais de 11.000 vagões e cerca de 1900 locomotivas, sem as quais os transporte ferroviário soviético teria virtualmente parado.

    Quanto a viveres e suprimentos, foram mais de 2,5 milhões de toneladas de derivados de petróleo e e cerca de 4,5 milhões de toneladas de alimentos.

    E por fim, cito o próprio Stalin:

    “Sem a produção americana, as Nações Unidas nunca teriam vencido a guerra.”

    Nikita Khrushchev confessaria mais tarde que, em conversas reservadas, Stalin havia lhe confessado que a ajuda americana foi de fundamental importância, e a vitória da URSS teria sido praticamente impossível sem ela…

    O Marechal Zhukov também confessaria, em uma entrevista reservada, que a assistência americana foi um divisor de águas…

    Muito provavelmente, o melhor carro de combate em linhas gerais era o ‘Panther’ alemão, cujos principais problemas estavam praticamente sanados em 1944. Seu calcanhar de Aquiles era a transmissão, que requeria mais cuidados que o habitual. Mas fora isso, era um carro excepcional.

    Os americanos estavam, por aquele período, pondo em serviço o ‘Pershing’, que era em tudo superior ao T-34. Tivesse a guerra continuado, e seria este o carro a ser produzido em larga escala pelo Ocidente. Fora isso, haviam outras variantes do ‘Sherman’ dignas de respeito, como a ‘Firefly’ e a M4A3, certamente capazes de lidar com qualquer carro russo do período.

  20. Augusto L,

    Sobre o Ministro de defesa de Israel e putin, é vi nós jornais aqui e lá e sendo representante da enorme colonia judaica russa.
    O Partido dele fazia até pouco tempo parte da coalizão do Netanyahu, só que é mais a direita ainda.
    Sobre os equipamentos russos… esse site sempre foi meio atrasado 2/3 anos sobre as capacidades russas. Antes de 2015 eles falavam de pé junto que os russos não tinha armas “bombas” por glonas ou GPS e outros equipamentos russos que foram vistos na Síria.

    Sobre parte dessa deficiência, Putin mandou aumentar em muito a compra de armas guiadas atuais e desenvolvimento de novas armas guiadas.
    Pelo menos 3 já estão em uso.
    Família KAB-250
    KH-50 fase final de testes
    Família Hermes
    Pod T220
    Tem um novo missil com alcance de 100/200km pro SU-30Sm/34/35 que já no meio do ano ja estava na fase fina dos teste de estado. Quando eu achar o nome certo dele no forum eu posto aqui.

  21. Disputada Península da Crimeia ! A Crimeia sempre foi russa , o ocidente é que repete , repete , repete que a Rússia tomou a Crimeia e os bobos , passam a repetir também , para os que pensam em contrário , que estudem História , Geografia e Geopolítica , entenderão o caso Crimeia e outros casos mentirosos também !

LEAVE A REPLY

Please enter your comment!
Please enter your name here