Home Carros de Combate Exército Brasileiro doa 25 tanques M41 ao Exército Uruguaio

Exército Brasileiro doa 25 tanques M41 ao Exército Uruguaio

14561
70

Santana do Livramento (RS) – Na manhã de 7 de dezembro, o Exército Brasileiro realizou a entrega de 25 viaturas blindadas de combate M41 ao Exército Uruguaio.

As viaturas são de fabricação americana e a doação foi aprovada pelo Poder Executivo em razão de um acordo entre os dois países. A solenidade aconteceu no 7º Regimento de Cavalaria Mecanizado, em Santana do Livramento, fronteira entre o Brasil e o Uruguai.

A cerimônia contou com a presença do Comandante do Exército, General de Exército Eduardo Dias da Costa Villas Bôas e do Comandante do Exército Nacional Uruguaio, General Manini Ríos.

Antes da entrega, militares uruguaios passaram por um Estágio de Operação, conduzido pelo Centro de Instrução de Blindados, em Santa Maria, no Rio Grande do Sul, onde foram capacitados a operar as viaturas. No Parque Regional de Manutenção da 3a Região Militar, os mecânicos aprenderam técnicas de reparo e conservação dos M41.

A doação aconteceu porque, no Brasil, os equipamentos foram substituídos por outros modelos de viaturas e no início dessas substituições, o Exército Uruguaio demonstrou interesse em receber os blindados M41.

Em 2011, já havia acontecido doação semelhante.

FONTE: Agência Verde-Oliva/CCOMSEx

Subscribe
Notify of
guest
70 Comentários
oldest
newest most voted
Inline Feedbacks
View all comments
Javier Bonilla
Javier Bonilla
1 ano atrás

Corrijo: em 2011 começou este trámite, meio enguiçado pela burocracia dos norteamericanos, mas é a mesma partida de tanques, só uma…

Paulo costa
Paulo costa
1 ano atrás

eu vi a solenidade no vídeo e ficou muito legal os tanque de guerra pareciam novos
Parabéns Uruguai

Fernando (Dragon44)
Fernando (Dragon44)
1 ano atrás

Pq até agora o Gen.Villas Bôas não foi pra reserva dada a condição de saúde dele? inacreditável!

Quanto a doação é extremamente importante para manter os bons laços com nossos vizinhos, Em especial do cone sul

Bille
Bille
Reply to  Fernando (Dragon44)
1 ano atrás

Por que ele passa o comando daqui há alguns dias. Nessa altura do campeonato não mudaria nada. Fique calmo.

Alguns dsses blindados deveriam ir pros Campos de tiro pra teste de armamento (ver se o que compramos funciona de verdade).

JCuritiba
Reply to  Fernando (Dragon44)
1 ano atrás

Prezado MColombelli,

Apontou atira! Que história é essa de maré vermelha no EB?

Delfim
Delfim
Reply to  JCuritiba
1 ano atrás

Melancias, tb conhecidos como antifas.

Recruta Zero
Recruta Zero
Reply to  Fernando (Dragon44)
1 ano atrás

O cargo de Comandante de uma Força Armada é dado a um General da RESERVA militar. Ao ser indicado para o Comando da Força Armada: ou ele já estava na reserva, ou será transferido para a reserva automaticamente, por tanto, por não estar de fato na ativa, a condição de saúde dele por si só não é impedimento para comandar o Exército. Sim, isso mesmo, o 01 é da reserva. Você pode pesquisar e comprovar esta informação, se quiser. Trata-se de um cargo de natureza especial.
Confira aqui a condição de servidor CIVIL do comandante: http://www.portaldatransparencia.gov.br/servidores/310152

Dodo
Dodo
1 ano atrás

Parabéns ao exército de ambos os países por esse ato de amizade !

Ricardo Bigliazzi
Ricardo Bigliazzi
1 ano atrás

Que Eles cumpram mais uma bela Missão

Foxtrot
Foxtrot
1 ano atrás

Ainda acho que algumas unidades deste tank serviriam muito bem como desativados de Minas, carros socorro, lança pontes, e quem sabe até um caça carros armados com o MSS 1.2 e uma versão nacional atualizada desse canhão de 90 mm, ou quem sabe um 105 mm nacional.
Algumas unidades poderiam ser doadas as faculdades para estudos.
O mesmo vale para os M60A3TTS que compramos !

Paulo costa
Paulo costa
Reply to  Foxtrot
1 ano atrás

Esses carros de combate estão na reserva e servem ao EB desse jeito. O Exercito Brasileiro tinha planos de modernizações tanto os M60 e os Leo1A1 mas foi abandonados e atualmente em geral eles estão semi-operacionais mas com algumas unidades ainda operacionais fazendo treinamentos e outras funções. Na minha opinião, o Exercito Brasileiro Tem hoje a melhor chance dos últimos 20 anos para ter coragem e Ousadia e dar um passo alem fazendo uma Parceria com a KMW para construir um carro de combate nacional e esquecer a ideia de comprar MBTs usados porque isto nos torna dependentes boa vontade… Read more »

Lucas Schmitt
Reply to  Paulo costa
1 ano atrás

Cara, não adianta, sempre seremos dependentes de outros países no que tange a material bélico. O super tucano que é um avião de construção “simples”, não tem 50% de fábricação nacional, e as únicas partes que são nacionais são na sua maioria fuselagem, partes relativamente fáceis de projetar e construir. Motor e aviônica, esquece, tudo importado e apenas montado aqui. Com o gripen é a mesma coisa, nem os suecos conseguem 100% de nacionalização, imagina o Brasil. Os únicos que conseguem coisa desse tipo são EUA e Rússia. Para nós não adianta programa gripen, super tucano, MBT nacional, basta uma… Read more »

Mf
Mf
Reply to  Lucas Schmitt
1 ano atrás

Errado , boa parte da aviônica e a integração é feita pela brasileira AEL. E ter o projeto do avião em detalhes só o fabricante tem. Um país que compre o AT-29 não conseguiria fazer uma réplica tão facilmente, não é assim. A tecnologia é nossa.

Lucas Schmitt
Reply to  Mf
1 ano atrás

Sei que pra fazer réplica não é fácil, mas o que quero dizer é que é impossível o Brasil ser independente militarmente em equipamentos avançados. Basta uma sanção dos EUA ou UE e não conseguimos as partes importantes do gripen ou tucano. E não temos fabricantes nacionais similares. Primeiro motor de avião ou primeiro canhão 105mm, 100% nacionais, creio que não aconteça nesse século. Enfim, só queria deixar claro que essa história de sermos independentes militarmente é uma utopia, coisa que nem no futuro próximo acontecerá.

Paulo Costa
Paulo Costa
Reply to  Lucas Schmitt
1 ano atrás

Com certeza 100% nacional no mundo globalizado hoje em dia e difícil ate grandes potencias, mas em momento algum sugerir 100% de nacionalização,
O Sr foi precipitado em deduzir isso, mas seja 40%, 50% ou 60% nacional e muito melhor que zero %, alem disso, a própria empresa ja teria planos para caso o nosso querido EB decidir avançar nisso.

boa sorte

Gabriel Luis da Silva
Reply to  Paulo costa
1 ano atrás

Fazer MBT nacional e paralizar o programa Guarani?

Não há como gerir ambos, se quer passamos do VBTP Guarani, e ainda falta os VBE’s, VBR, VPC…

Paulo Costa
Paulo Costa
Reply to  Gabriel Luis da Silva
1 ano atrás

Nao deve ser do nosso querido Exercito Brasileiro que o Sr. esta falando paralisar ??? O Exercito Brasileiro e grande, tem vários programas acontecendo simultaneamente e um corpo de Oficialato com capacidade técnica de gerir muitos outros programas, operações e eventos, sem precisar paralisar nada, só basta um pouco mais de investimentos e isso teremos. O problema e que as pessoas gostam de criticar, nao pesquisam e nao param de engolir as bobagens que repetidamente comentam aqui e ficam como verdades absolutas … o Exercito nao pode ter tanque(de roupa eu acho) acima 55 ton porque destrói as estradas ou… Read more »

Rafael Oliveira
Rafael Oliveira
Reply to  Paulo Costa
1 ano atrás

Paulo,
O EB não está conseguindo tocar adequadamente o programa Guarani. Isso é um fato.
Ou você viu no site do EB o Guarani 8×8 com canhão de 105mm? O Guarani porta-morteiro de 120mm? Quantos Guaranis com torre UT30BR o EB já comprou, das que ele previa comprar?
O EB é grandioso, cheio de OMs e militares, mas não tem muito dinheiro para investir.

Gabriel Luis da Silva
Reply to  Paulo Costa
1 ano atrás

“Exército não pode ter tanque acima de 55 tons pra não destruir estradas e pontes”.

De onde você tirou isso?

Flávio Henrique
Flávio Henrique
Reply to  Paulo Costa
1 ano atrás

Rafael já analisasse quantos programas o EB tem além do Guarani? ASTROS 2020, AV-TM 300, ALAC, MSS1.2 e IA2…Acredito que o AV-TM 300 e MSS 1.2 seja o motivo do guarani ta mais lento já que ambos estão em desenvolvimento….

paulop
paulop
1 ano atrás

Aos entendidos: porque o Uruguai não investe na modernização de seu Exército. Poderia seguir um modelo advindo de algum país europeu, respeitando as diversidades orçamentárias, é claro.
Me parece um país com uma força pedinte e sucateada.
Abraço

Camargoer
Camargoer
Reply to  paulop
1 ano atrás

Caro colega. O PIB do Uruguai e da ordem de US$ 60 bilhões. Eles tem um pequeno parque industrial e uma balança comercial baseada em exportação de alimentos. Além disso, eles tem uma excelente relação com os vizinhos e nenhuma ameaça no horizonte. Então, eles não precisam de um exército moderno ou em alerta e podem usar seu orçamento para educação, saúde e bem estar da população, até porque eles não representam nenhum interesse estratégica de a super pontencia militar para receber vultosa doações, exceção talvez do Brasil.

paulop
paulop
Reply to  Camargoer
1 ano atrás

Caro Camargoer. Concordo com a sua colocação. Porém seria mais adequado ao Uruguai manter uma pequena força militar bem equipada, ao exemplo da Irlanda, Bélgica ou Nova Zelandia. Claro: opiniões são opiniões. Ainda assim dá pena das forças uruguaias.
Abraço.

Camargoer
Camargoer
Reply to  paulop
1 ano atrás

Olá Paulo. Apenas para adoçar a discussão. o PIB da Irlanda é US$ 330 bilhões. da Bélgica é US$ 490 bilhões e o da Nova Zelândia é US$ 200 bilhões (lembrando que o PIB do Uruguai é de US$ 60 bilhões). A diferença é muito grande. Penso em dois modelos possíveis; o primeiro é algo parecido ao que você sugeriu, uma força pequena e profissional (contudo creio que isso criará um problema previdenciário no futuro). O outro é uma força de conscritos, talvez 2 ou 3 anos de serviço, para garantir um treinamento de alto nível. o que criaria um… Read more »

Luciano
Luciano
Reply to  Camargoer
1 ano atrás

Olá, Camargoer. 100 anos atrás essa era uma discussão muito forte nas publicações especializadas, jornais e no congresso nacional, ou seja, se e como deveriamos lidar com a formação de uma reserva. Os editores de “A Defesa Nacional” batiam com força, na década de 1910 e anos seguintes, na importância de serem formadas reservas e para tanto insistiam na efetivação do sorteio militar. Criticavam o reengajamento, por exe, que impedia que novos civis fossem transformados em reservistas, além de criticarem os tiros de guerra e os tráfico de influência dos “coronéis”, que conseguiam dispensas para seus protegidos.

Marcelo Andrade
Marcelo Andrade
Reply to  paulop
1 ano atrás

Paulo, caso vc não saiba, o Uruguai é um dos países que mais participam de Missões de Paz com a ONU.

Recce
Recce
Reply to  paulop
1 ano atrás

Lembrando que o Exército Neozelandês tem uma força equivalente a de uma brigada reforçada (4.500 homens na ativa aproximadamente).

É uma força muito profissional, altamente treinada e adestrada.

O Exército Uruguaio por sua vez possui efetivo superior a 15.000 homens (equivalente a uma divisão).

Não consegui o valor individual do orçamento referente a ambos os exércitos, mas as Forças Armadas Neozelandesas recebem U$$ 1,73 Bi, enquanto as do Uruguai recebem U$$ 492 Mi.

paulop
paulop
Reply to  Recce
1 ano atrás

Gratos pelas colocações pessoal. Ajuda aos menos entendidos, como eu, a compreender melhor a diversidade de situações do mundo militar. Mais uma vez obrigado e perdoem qualquer incoerência.
Abraços .

Alma
Alma
1 ano atrás

Fico imaginando, se para nós que temos muita coisa antiga isto já é antigo demais e estamos até doando, imagina a condição do exército uruguaio kkkkkkkkkkkk.

Tallguiese
Tallguiese
1 ano atrás

Camargoer tem toda razão e se fosse possível para o Brasil. Diária alguns sapões também. Tucaninhos não porque foram todos aproveitados na AFA para reposição de partes e peças. Quem sabe alguns urubus ou cascaveis e por aí vai.

Camargoer
Camargoer
Reply to  Tallguiese
1 ano atrás

Caro Tallguiese. Obrigado pelo comentário. Caro a Embraer(a) fosse brasileira, o governo brasileiro poderia subsidiar um esquadrão de A29 para o Uruguai, via BNDES.

Tallguiese
Tallguiese
1 ano atrás

Meu deus perdoem a má digitação. O corretor não me ajuda.

Rodrigo LD
Rodrigo LD
1 ano atrás

Eles utilizam o M-24 Chaffee (1944) e o que possuem de mais moderno são algumas unidades do M-41 (1953). Estavam de olho nos CCs brasileiros desde 2011. Está difícil conseguir manter esses carros rodando. Não existem mais sobressalentes ou serviços no mercado internacional. Dos 25 doados, 15 serão mantidos em serviço e 10 servirão como fonte de peças de reposição. Abraço, camaradas.

Sidy
Sidy
Reply to  Rodrigo LD
1 ano atrás

Se terão serventia para eles, está bem doado.

J-20
J-20
1 ano atrás

Muitos acham que não tem utilidade esses blindados, mas tendo eles pelo menos, os uruguaios ainda continuaram com experiência para, quem sabe, operar veículos mais avançados num futuro próximo.

Guilherme Marques
Guilherme Marques
1 ano atrás

Uruguai é um belo e tranquilo país de gente muito hospitaleira!

Marcelo Andrade
Marcelo Andrade
Reply to  Guilherme Marques
1 ano atrás

E o vinho é espetacular!!!!!

Heitor
Heitor
1 ano atrás
Larri Gonçalves
Larri Gonçalves
1 ano atrás

Pessoal, menos, bem menos, resido em Rio Grande-RS à poucos Km’s da Fronteira Uruguaia, volta meia estou no Uruguai e Argentina, tenho conversado com militares uruguaios, pois junto da fronteira tem alguns fortes-museus e uma área militar uruguaia na região do Chuy – Uruguaio, não dá para comparar o poder econômico-financeiro do Brasil não dá para comparar com o pequenino Uruguai e seus parcos recursos para a defesa, eles estão com suas FFAA “sucateadas”, especialmente a Armada e a Força Aérea, diria até que o ejercito Uruguayo é o melhor equipado das três forças, mas a qualidade de vida no… Read more »

Luiz Floriano Alves
1 ano atrás

O M-41 é considerado o veículo ideal para sustar desembarques nas praias. Taiwan que é o maior operador deste blindado os mantém neste propósito.A Tailandia o quer devido as suas estradas precárias e infra estrutura mal conservada. O canhão pode destruir uma barcaça de desembarque no primeiro disparo. É de silhueta média, fácil de camuflar no litoral. Com sensores e arma de carregamento rápido (automático) pode deter a formação de uma cabeça de ponte.( A la Anzio)..

Delfim
Delfim
1 ano atrás

Temos mais que tratar o Uruguay bem. Já foi nosso e não se sabe o amanhã.

Rodrigo LD
Rodrigo LD
1 ano atrás

Sugestão de Matéria Alexandre Galante: Blindados na América do Sul. Abraço.

Antunes 1980
Antunes 1980
1 ano atrás

Isto é sério mesmo? Estes MBT do tempo da segunda guerra mundial não poderiam ser substituídos por IFV modernos?
O Uruguai não consegue adquirir M-60 usados ou mesmo T-72 ucranianos e russos.

_RR_
_RR_
Reply to  Antunes 1980
1 ano atrás

Antunes,

Se os uruguaios solicitarem, é quase certo que o M-60 vem “na faixa”… O problema vai ser manter…

IFV não faz o mesmo trabalho de um carro de combate. Aliás, digo de nota: há naquele país um punhado de BMP-1, que é um veículo de transporte de infantaria apto a acompanhar o CC em cavalarias blindadas.

paulo souza
paulo souza
1 ano atrás

como se diz por aqui, “o lixo de uns é o luxo de outros”.

Carvalho
Carvalho
1 ano atrás

O Uruguai não tem profundidade estratégia. Portanto, qualquer defesa não poderá ter muita elasticidade. Os CCs, nesse caso, serão aferrados junto à sua infantaria blindado e mecanizada que, a se confiar nos números disponíveis na internet, não é nada desprezível. Possivelmente estes M-41 não possuem nem rádios em operação, uma deficiência desde o tempo do EB. Em termos mecânicos, não devem ser muito exigidos, até mesmo em função da profundidade das frentes, como eu falei acima. Assim sendo, pode ajudar a aumentar o poder de fogo da infantaria Mec e Bld. Enfim, necessidades específicas….materiais específicos. Considero boa a iniciativa, para… Read more »

Dodo
Dodo
Reply to  Carvalho
1 ano atrás

Foram tropas uruguaias,sob o comando do Santos Cruz, que derrotaram os rebeldes congoleses, coisa que nenhuma outra força se paz da ONU tinha feito em mais de 50 anos. Tanto é assim, que o Santos Cruz e suas tropas ficaram conhecidos como ” os vingadores de jadotville”

Carvalho
Carvalho
Reply to  Dodo
1 ano atrás

Sério? Essa eu não sabia.
Devem ter tomado muitos “mate” junto !!

Rafa
Rafa
1 ano atrás

Eu até entendo o receio de uns com relação a doar equipamentos de guerra aos nossos vizinhos que em tese só poderiam guerrar contra a argentina ou nós mesmos.

Mas no meu ponto de vista, é interessante doar equipamentos velhos por diversos motivos:
1 – Doando algo velho, vc impede que esse país compre algo novo e bom;
2 – Economiza dinheiro;
3 – O uruguai poderia utilizar esses blindados em forças da ONU;
4 – Estreita o laço de amizades e cria um possível aliado em algum conflito.

Camargoer
Camargoer
Reply to  Rafa
1 ano atrás

Caro Rafa. Há anos eu defendo que as doações de material excedente para as forças armadas dos países vizinhos e África é de mútuo interesse, e sempre fui muito criticado. Lembrando que uma vez defendi que dois submarinos da classe Tupi fossem vendidos à Argentina, sem saber que a MB realmente planejava isso antes do acidente do San Juan. Eu discordo de você quando acha que a doação deve ser material velho. Material excedente pode ser moderno e relativamente novo, mas desnecessário para as forças armadas.

Andre
Andre
1 ano atrás

http://memoria.bn.br/pdf/030015/per030015_1961_00270.pdf
Amigos editores….pesquisando sobre o jadotville e a participação do Uruguai acabei me deparando com essa edição antiga do jornal do Brasil que noticía a chegada de aviões no RJ para uma apr4esentção. Tomei a liberdade compartilhar com vcs.

Foxtrot
Foxtrot
1 ano atrás

Lucas Schmitt 10 de dezembro de 2018 at 21:09 Cara, não adianta, sempre seremos dependentes de outros países no que tange a material bélico. O super tucano que é um avião de construção “simples”, não tem 50% de fábricação nacional, e as únicas partes que são nacionais são na sua maioria fuselagem, partes relativamente fáceis de projetar e construir. Motor e aviônica, esquece, tudo importado e apenas montado aqui. Com o gripen é a mesma coisa, nem os suecos conseguem 100% de nacionalização, imagina o Brasil. Os únicos que conseguem coisa desse tipo são EUA e Rússia. Para nós não… Read more »

paulo souza
paulo souza
Reply to  Foxtrot
1 ano atrás

“Para nós não adianta programa gripen, super tucano, MBT nacional, basta uma canetada e eles ficam de motor, sem canhão e por aí vai.”

alguém aqui entende muito bem que essa “transferência de tequinologia” é um mito e – em pelo 2018 – um anacronismo que nenhum país persegue mais.

parabéns pela excelente argumentação.

Dodo
Dodo
Reply to  paulo souza
1 ano atrás

Paulo Souza, por favor, me diga uma empresa de aviação cuja a produção de uma aeronave seja 100% nacionalizada …. estarei no eterno aguardo pois não existe tal coisa

PauloR
PauloR
1 ano atrás

Como são as coisas né; Ate um tempo atrás uma doação dessa faria os direitopatas ter piripaques, agora é todo mundo elogiando.
Novos tempos kkk

Delfim
Delfim
1 ano atrás

Off – Ataque na Catedral de Campinas, um homem matou 4 pessoas, feriu várias e se matou.
Era analista de sistemas, 49 anos, concursado do ministério público estadual.Sujeito claramente classe média.Morava bem e não tinha antecedentes criminais ou psiquiátricos. Com pistola CZ-75 9mmP de numeração raspada.
Campinas é a cidade de registro natal de Bolsonaro. Mourão se manifestou logo após a divulgação. Há hipótese de terrorismo.

Camargoer
Camargoer
Reply to  Delfim
1 ano atrás

Caro Delfim. É preciso muito cuidado para classificar algo como terrorismo. Em vários momentos da história, grupos minoritários executaram ações classificadas como terrorismo. Por exemplo, os nazistas consideraram o assassinato de Reinhard Heydrich como um atentado terrorista. A tentativa de assassinar Hitler também foi chamado de terrorismo. A origem do Estado de Israel também foi conquistada por meio de ações terroristas. Toda a luta pelos direitos civis nos EUA foram conseguidas por meio da desobediência civil, mas que dificilmente alguém as chamou de ações terroristas. O massacre de Columbine também não é considerado um ataque terrorista, enquanto que ninguém duvida… Read more »

Bueno
Bueno
1 ano atrás

editores
Iveco LMV Lince em operação no RJ – Inicio do Vídeo
https://www.youtube.com/watch?v=K6hOF-NxSIU

Carvalho
Carvalho
1 ano atrás

Muito bom !
Esses carros poupam os Guaranis em missões menos nobres, que podem ser escalados somente em ações mais exigentes.
Isso se chama economia de meios !!
Quando acabar a intervenção….para onde serão deslocados???

ALEX TIAGO
1 ano atrás

Delfim. Eu está a 150 metros do local no exato momento vi a correria das pessoas falavam em carro forte e tiroteio pois o Banco do Brasil fica do lado logo peguei minha moto passei atrás da catedral vi policiais militares na porta lateral da catedral empunhando armas eu apenas acelerei a multidão estava se formando quando cheguei ao trabalho 5 minutos ja comentavam. 30 minutos depois fiquei o que realmente tinha ocorrido muito triste. Na hora pensei em terrorismo ou intolerância religiosa.

Tomcat4.0
Tomcat4.0
Reply to  Eduardo Oliveira
1 ano atrás

Eu vi o vídeo. Os bichos são imponentes.

Foxtrot
Foxtrot
1 ano atrás

Bueno 12 de dezembro de 2018 at 11:31 editores Iveco LMV Lince em operação no RJ – Inicio do Vídeo https://www.youtube.com/watch?v=K6hOF-NxSIU Persebem o que digo? Outro grande exemplo do que estou falando. Temos no mínimo 3 a 4 empresas que oferecem blindados 4×4 militar ( Guará 4WS, Gladiador II, Marruá Blindado e umas outras duas que esqueci). Mesmo assim o EB adquiriu o LMV -I para operar no Rio de Janeiro. Onde as maiores ameaças são projéteis 7.62 mm e no máximo .50. Sendo que os blocos meados nacionais atenderia e muito bem essa necessidade. Ou seja, mais uma vez… Read more »

João Adaime
João Adaime
Reply to  Foxtrot
1 ano atrás

Caro Foxtrot
O critério desta compra foi a pressa. São veículos usados do exército italiano. Tinham sido recondicionados pela Iveco, grande parceira do EB.
Se fosse encomendar desta empresas que você listou, seria algo pra começar a entrega em dois anos, se tudo corresse bem. E foram apenas 16.
Abraço

Fabio Araujo
Fabio Araujo
1 ano atrás
Foxtrot
Foxtrot
1 ano atrás

João Adaime 12 de dezembro de 2018 at 19:43 Caro Foxtrot O critério desta compra foi a pressa. São veículos usados do exército italiano. Tinham sido recondicionados pela Iveco, grande parceira do EB. Se fosse encomendar desta empresas que você listou, seria algo pra começar a entrega em dois anos, se tudo corresse bem. E foram apenas 16. Abraço Presado João Andaime obrigado pela explicação, porém recentemente o EB usou o veículo Vespa-1 (desenvolvido entre Agrale/Ctex) no Rio de janeiro. Sendo assim essa explicação do EB não se justifica. Outro coisa, caso o EB realmente estivesse interessado em algum veículo… Read more »

João Adaime
João Adaime
Reply to  Foxtrot
1 ano atrás

Prezado Foxtrot Inicialmente me declaro a favor do Gladiador, por tratar-se de um blindado 4 X 4 nacional. Quanto a este lote de 16 usados, custou 16 milhões incluindo peças sobressalentes e outros serviços. Fora esta compra, o EB adquiriu 186 LMV-BR da Iveco. Trata-se uma versão modificada do Lince para atender às exigências do EB. Na ocasião do anúncio o Juarez fez uma análise detalhada desse veículo, mostrando suas deficiências em relação a outros 4 X 4 bons de briga. A Iveco levou porque, em relação às empresas nacionais que você citou, era a única que tinha um modelo… Read more »

Baschera
Baschera
1 ano atrás

Como arma bélica, estes MBT’s doados não servem para praticamente nada.
Os tubos dos canhões não são usados a muito tempo…e a maioria dos M-41 ficaram expostos ao tempo e as interpéries.
Muito provavelmente os canhões tem dezenas de microfissuras e abririam como uma “flor” no primeiro disparo.

Sds.

Regisant Santana
Regisant Santana
1 ano atrás

Província Cisplatina, tamo junto!

Marujo
Marujo
1 ano atrás

Para os militares do blog: há alguma negociação em curso para trazer Bradley e Búfalo para o EB? Os obuseiros de 155 e 105 mm já estão vindo?