Home Exércitos Leonardo DRS fornecerá sistemas Trophy adicionais ao Exército dos EUA

Leonardo DRS fornecerá sistemas Trophy adicionais ao Exército dos EUA

2659
28
Ilustração do campo de força virtual que o APS Trophy cria em torno do tanque

A Leonardo DRS dos Estados Unidos recebeu uma ação de contrato não definida para a entrega de sistemas adicionais de proteção ativa Trophy para o Exército dos EUA.

Sob o contrato, inicialmente no valor de US$ 79,6 milhões, a empresa também fornecerá os sistemas desenvolvidos pelo parceiro Rafael Advanced Defense Systems, sediado em Israel, ao Corpo de Fuzileiros Navais dos EUA.

Com este contrato, o valor total financiado do programa aumenta para mais de US$ 200 milhões.

O vice-presidente e gerente geral da divisão Leonardo DRS Land Systems, Aaron Hankins, disse: “A Leonardo DRS está orgulhosa da confiança demonstrada pelo exército ao decidir colocar o Trophy em ação para mais brigadas de combate dos EUA.

“Juntamente com nossos parceiros da Rafael, estamos totalmente comprometidos em atender às demandas de nossos clientes e estamos trabalhando em paralelo para atender ainda mais às necessidades urgentes de proteção de outras plataformas dos EUA”.

O sistema de proteção ativa foi projetado para proteger soldados contra ameaças de mísseis e foguetes anti-blindados.

O sistema permite uma resposta imediata, pois é capaz de detectar, localizar e reportar proativamente a origem do fogo hostil.

Em agosto, Leonardo DRS e Rafael testaram o novo Trophy VPS de peso mais leve em um veículo de combate Bradley.

Em fevereiro deste ano, a equipe participará da demonstração do sistema de proteção ativa Stryker Expedited do Exército.

O vice-presidente executivo da Divisão Terra e Naval de Rafael, Moshe Elazar, disse: “O Trophy VPS oferece as mesmas capacidades e desempenho que o Trophy em um pacote significativamente menor.

“Também estamos alavancando nossa liderança global em proteção ativa (perto de 1.500 sistemas Trophy) e sistemas remotos de armas de médio calibre (mais de 1.000 sistemas), para oferecer a torre Samson madura, confiável e leve, que combina ambas as capacidades.

“Dada a nossa ampla base de clientes e linhas de produção existentes para ambos, a Samson é uma solução capaz, acessível e de baixo risco para os Veículos de Combate de Próxima Geração do Exército dos EUA, outros programas em Israel e outros mercados.”

28
Deixe um comentário

avatar
13 Comment threads
15 Thread replies
2 Followers
 
Most reacted comment
Hottest comment thread
16 Comment authors
MgtowcolombelliTukhMDLeopoldo_RR_ Recent comment authors
  Subscribe  
newest oldest most voted
Notify of
Rui chapéu
Visitante
Rui chapéu

Eu não entendi aquele crew Shield….
Serve de proteção aos tripulantes contra o que? O próprio sistema? Seria exaustão do motor de alguma coisa ? Contra estilhaços?
E os tripulantes supostamente não estariam dentro do tanque?

Navegante
Visitante
Navegante

Talvez contra alguma exaustão de gases eu acho, se você reparar tem um tripulante na metralhadora do Merkava, talvez tenha uma possibilidade de queimaduras, ou só precaução mesmo

Navegante
Visitante
Navegante

Esse sistema aliado a armadura reativa é show!

JPC3
Visitante
JPC3

Essa foi um área que os americanos negligenciaram por muito tempo. Desenvolveram alguns sistemas, mas ao que parece não chegaram a nada tão efetivo quanto o trophy.

Gabriel Luis da Silva
Visitante
Gabriel Luis da Silva

Apesar de eu preferir e considerar o AMAP como o melhor ADS atual, seguido pelo Afghanit, o Trophy é um sistema em tanto. Encaixaria bem em nossos futuros CC’s.

Antunes 1980
Visitante
Antunes 1980

Se este sistema realmente for tudo o que a propaganda diz, os mísseis ATGM dificilmente terão tanto êxito como neste início de século.
A farra dos TOW e Kornet irá finalmente acabar.
Pois hoje o placar deste estar assim. ATGM 7x 1 MBT.

JPC3
Visitante
JPC3

Pelos relatos da forças israelenses nunca um tanque usando o trophy foi destruído, isso em mais de 100 incidentes.

TukhMD
Visitante
TukhMD

“A propaganda é a alma do negócio”. rssrsrs

Carlos Campos
Visitante
Carlos Campos

Atualmente nenhum Merkava perdido desde a adoção do Trophy, os russos estavam testando um sistema que lança dois mísseis/foguetes um atrás do outro para driblar o Trophy

JPC3
Visitante
JPC3

Parece o trophy tem capacidade de engajar alvos múltiplos em sequência.

Carlos Campos
Visitante
Carlos Campos

rapaz aí é com os Russos e os Israelenses, e eu sei que ele tem essa capacidade, mas o que vi os russos testando é um foguete na frente e um logo no rabo do outro, ou seja tentando fazer uma “sombra de radar”, se vai ser efetivo eu não sei, mas se for essa porcaria pode cair nas mãos do Hezbollah que teoricamente recebeu dos Iranianos os Kornet E.

colombelli
Visitante
colombelli

Carlos, a ausência de perdas israelenses se deve antes a uma mudança ex expressiva na tática e doutrina de emprego e em contra medidas diversas do que na adoção destes sistemas. Melhorias de inteligência, reconhecimento, diminuição da exposição e diversas outras. O equipamento é so um dos fatores do resultado

colombelli
Visitante
colombelli

ataque de saturação e propaganda se torna so propaganda. O que se tem até agora são relatos dos fabricantes/vendedores e em lutas contra forças irregulares.

Bardini
Visitante
Bardini

Esse é um baita sistema de proteção ativa…
.
No tocante a Brasil, eu acredito que este seja mais realizável. E sem pretensão de equipar toda a força blindada… Apenas um pequeno montante, visando desdobramentos em operações expedicionárias, incluindo desde Guarani, a LMV e talvez blindados como o Leopard 1A5BR.
https://www.gd-ots.com/wp-content/uploads/2017/11/Iron-Fist.pdf

Leopoldo
Visitante

Será muito importante a aquisição de unidades com canhão de 120mm, eu acredito.

Bardini
Visitante
Bardini

VBCCC? . Sem dúvidas… Teremos de partir para um canhão 120mm smoothbore. . Até mesmo o VBR-MR 8×8 deveria idealmente contar com um canhão 120mm Smoothbore Low Recoil de 45 calibres, para utilizar o mesmo estoque de munições que necessitará ser adquirido de qualquer forma, para as próximas décadas da força blindada e o novo VBCCC SL. http://www.iveco-otomelara.com/wheeled/centauro8x8/_DSC6109.jpg . Desta forma, com esta padronização, que é cara no princípio mas totalmente realista no longo prazo, poderíamos facilitar o desenvolvimento de uma munição nacional, partindo principalmente pela variante “High Explosive”, para adquirir inicialmente, visando o apoio de fogo engajando tropa inimiga,… Read more »

Recce
Visitante
Recce

Esses sistemas tem se provado em conflitos assimétricos, onde os ataques com mísseis AC são realizados por equipes isoladas, geralmente em emboscadas contra comboios ou incursões contra veículos dispostos em posições estáticas, coisa do tipo “atire e corra”.

Num conflito de alta intensidade o negócio muda. O volume de fogo é mais intenso, a cadência de disparos é maior. Esses sistemas podem ser saturados e podem apresentar falhas pelo nível de desgaste e manutenção.

Vejamos seu desempenho na próxima “Desert Storm”.

JPC3
Visitante
JPC3

Não sei concordo, amigo. Em combates urbanos assimétricos as defesas dos tanques também são saturadas por foguetes leves. Tem muitos exemplos de tanques que foram atingidos 15, 20 ou mais vezes como aconteceu em Grosny, Iugoslávia e no Iraque.

Em confrontos de grande intensidade é fácil saturar alguns veículos, mas quando são vários se aproximando em velocidade e usando o terreno, as árvores e construções para para se proteger a situação fica mais difícil.

Victor Filipe
Visitante
Victor Filipe

Imagina o desespero do Talibã com seu RPG-V7 (que dificilmente penetraria um abrams de qualquer jeito) disparando nos americanos, o Trophy intercepta o projetil e agora eles vão ter toda uma coluna de blindados muito puta procurando por eles

Felipe
Visitante
Felipe

Senhoras, senhores.
E como operam as equipes em solo, que acompanham os veículos a pé tendo em vista a explosão da destruição do projetil hostil? E ainda, se eu efetuar um disparo (foguete) ainda dentro dessa área de defesa do sistema, não entraria em colapso sem saber se é fogo amigo ou inimigo?

Bosco
Visitante
Bosco

Felipe,
Esse é um caso em que a doutrina vai ter que se adequar ao armamento. Há de se treinar tendo em vista essa possibilidade.
Na verdade uma detonação de uma carga oca contra o blindado já tem potencial de causar baixas na tropa nas proximidades do veículo. Essa capacidade de dano só aumenta no caso do uso de um sistema de proteção ativo.

colombelli
Visitante
colombelli

se for adotado o M1 provavelmente o fuzileiro de acompanhamento será suprimido por causa do calor da turbina. Reparou que nunca se viu atras dos M1?

Felipe
Visitante
Felipe

Interessante. Vamos pesquisar sobre isso.

Bosco
Visitante
Bosco

A própria munição de carga oca (HEAT) já traz consigo a sua fragilidade, que é a sensibilidade da espoleta de impacto. Qualquer fragmento que um projétil HEAT encontrar pelo caminho tem o potencial de fazê-lo detonar e é nesse princípio que se baseia os sistemas de proteção ativos. Vale salientar que mesmo assim esses sistemas de proteção ativos encontram sua máxima efetividade contra munição subsônica (típica de alguns mísseis e armas de ombro, que são as mais comuns no campo de batalha assimétrico), e menos capazes contra munição HEAT lançada por canhão de tanque ou obuseiro. *Também os APS são… Read more »

colombelli
Visitante
colombelli

o sete é a chave da seção AC. Rádios e dois bons cabos no lançador e se tem o resultado

_RR_
Visitante
_RR_

Reflexos da experiência saudita, talvez… É certo que os americanos tem conhecimento detalhado dos percalços de seus aliados no Yemem, e o que eles observaram deve ter tido peso determinante nessa aquisição.

Até então, não havia um grande interesse do US Army nesse tipo de sistema. Contudo, os cenários assimétricos atuais mostram os benefícios em se contar com uma defesa como essa.

colombelli
Visitante
colombelli

quem tiver dinheiro ponha nos seus CC, vale até fita do bom fim, ainda mais em conflito assimétrico. Pra nos a situação é mais básica. Primeiro é conseguir um CC razoável. Isso ai é um luxo que talvez nunca tenhamos e que aqui ainda não se faz tão necessário ( por ora). Pelo menos não figura na mista máxima de prioridades. E lembrando? é apenas um componente da defesa do CC. Israel mudou bastante sua doutrina de emprego depois do estrago dos Kornets. Vários fatores modificados na doutrina e na tática resultaram na diminuição ou eliminação de perdas que eles… Read more »

Mgtow
Visitante
Mgtow

Sim, é um impressionante sistema. Mas numa guerra simétrica com fogo pesado não há trophy que dê conta.