segunda-feira, maio 17, 2021

Saab RBS 70NG

Exército dos EUA vai adquirir 342 sistemas de foguetes de artilharia adicionais M142 HIMARS

Destaques

Alexandre Galante
Jornalista, designer, fotógrafo e piloto virtual - alexgalante@fordefesa.com.br

De acordo com informações do site Federal Business Opportunities, de 26 de dezembro de 2018, o Comando de Contratação do Exército dos EUA de Redstone antecipa a concessão de um contrato para a produção do HIMARS (High Mobility Artillery Rocket System). A proposta de ação do contrato incluirá uma base de 12 meses e quatro anos de opção para até 343 M142 lançadores HIMARS, fabricados pela Lockheed Martin.

Esse requisito diz respeito à produção de novos lançadores HIMARS e requisitos de suporte de 2019 a 2023, incluindo manutenção do PDDP, treinamento, equipamentos de suporte, testes de qualificação, sobressalentes iniciais/peças de reparo, software e esforços para corrigir problemas de obsolescência.

O M142 HIMARS é um sistema de lançador de múltiplos foguetes montado em um chassi de caminhão 6×6 FMTV. O objetivo do HIMARS é engajar e derrotar artilharia, concentrações de defesa aérea, caminhões, blindados leves e transportadores de pessoal, bem como apoiar as concentrações de tropas e suprimentos.

Oferecendo poder de fogo do MLRS (Multiple Rocket System) em um chassi sobre rodas, o Sistema de Foguete de Artilharia de Alta Mobilidade (HIMARS) pode carregar um pacote de seis foguetes. O HIMARS é transportável por C-130 e pode ser desdobrado em áreas anteriormente inacessíveis para lançadores mais pesados.

- Advertisement -

25 COMMENTS

Subscribe
Notify of
guest
25 Comentários
oldest
newest most voted
Inline Feedbacks
View all comments
Marcos
Marcos
2 anos atrás

Precisão e eficiência, um belo sistema. Mata a cobra e mostra o pau, é para poucos.

Nunca vimos um vídeo similar com o sistema Astros, nunca vimos sequer uma cratera do impacto.

Munhoz
Munhoz
Reply to  Marcos
2 anos atrás

Amigo este sistema é uma cópia do Astros!

Bosco
Bosco
Reply to  Munhoz
2 anos atrás

O MLRS é um pouco mais antigo que o Astros. Os dois sistemas têm em comum o fato de usarem uma cx selada contendo os foguetes, o que facilita a recarga, já que em outros sistemas os foguetes são carregados um a um. *O MLRS e o HIMARS é até melhor nesse ponto já que o guindaste é integrado ao lançador. A vantagem adicional desse sistema de “caixa” ou “contêiner” selado é que uma maior variedade de foguetes/mísseis podem ser lançados por um único lançador, o que aumenta a flexibilidade. Basta adaptar a caixa no lançador e adequar os parâmetros… Read more »

Antunes 1980
Antunes 1980
2 anos atrás

Ainda prefiro o Astros 2020. Mais eficiente e barato de operar.

sergio ribamar ferreira
Reply to  Antunes 1980
2 anos atrás

Fico impressionado com a quantidade .342 sistemas de artilharia. O Astros é excelente. Precisamos de mais, principalmente acelerar o 2020. Grande abraço.

William Munny
William Munny
Reply to  Antunes 1980
2 anos atrás

Onde ficou provado sua eficiência? Em quais conflitos? Explique se…

Rui chapéu
Rui chapéu
2 anos atrás

O f-35 levanta voo e se estiver sem munição ele passa um ZAP pro Himars e já era o alvo.
Pode ser um f-35 da USAF, do USMC ou da US navy, só bate um fio e bum.

Por isso o us army vai comprar mais. Olha como será prático isso!

João Bosco
João Bosco
2 anos atrás

Acho o Astros 2020 melhor…..quem sabe um dia o US Army olhe para ele e o produza sob licença por lá?

Foxtrot
Foxtrot
Reply to  João Bosco
2 anos atrás

Deus nos livre!
Se isso um dia acontecer, vai acontecer com a Avibras o mesmo que aconteceu com a Embraer.
Quando a Boeing tomou ciência das possibilidades do KC-390 e ALX foi lá e comprou toda empresa.
E como não somos incapazes de peitar os poderosos, o mesmo aconteceria com a Avibras.
Melhor só vendermos os sistemas para eles mesmos.

MRLS
MRLS
Reply to  João Bosco
2 anos atrás

“Acho o Astros 2020 melhor”

Por qual motivo?

“quem sabe um dia o US Army olhe para ele e o produza sob licença por lá?”

Por que fariam isso se já tem o M270 MLRS e o M142 HIMARS?

William Munny
William Munny
Reply to  João Bosco
2 anos atrás

Melhor porque? Foi testado onde? Em quais conflitos? Explique se…

Foxtrot
Foxtrot
2 anos atrás

Não precisamos de 342 sistemas Astros 2020, mas acho que o EB/ CFN deveriam ter no mínimo uns 150 sistemas lançadores ( 100 para o EB e 50 CFN). Realmente concordo com os amigos, o grande problema das indústrias de defesa nacionais é não mostrar a capacidade e ou mesmo os testes de seus equipamentos. Até hoje não mostraram se quer o voo cativo do MT-300, impacto do mesmo contra um alvo, abertura das asas etc. Ao passo que já vi testes diversos com as cargas explosivas do MRLS, testes de impacto direto e sobre o alvo, set UPS de… Read more »

MRLS
MRLS
Reply to  Foxtrot
2 anos atrás

Nossos GMF (Grupos de Mísseis e Foguetes) possuem 3 baterias a 6 peças cada salvo engano. Então cada grupo terá 18 viaturas lançadoras fora as outras variantes. Um grupo do tipo geralmente tem como missão prover apoio de fogo a um corpo de exército, saturando concentrações inimigas de valor estratégico (reservas, bases logísticas…). Nosso exército não possui tal nível de organização (corpo) em tempos de paz. Isso seria aventado somente numa crise que pudesse levar a um conflito. Nossa maior probabilidade de envolvimento em um conflito convencional é regional, limitada e de curta a média duração. Logo, em tal cenário… Read more »

Foxtrot
Foxtrot
Reply to  MRLS
2 anos atrás

Será que nossos militares já ouviram falar em reserva estratégia de guerra. Não adianta colocar a tranca depois que o ladrão arrombou a porta. A reserva estratégica é bom para a indústria, para o EB que receberia Royalties para venda emergencial do estoque para algum país amigo, é bom para o GF que manteria a indústria e empregos. Vide exemplo dos E.U.A que vende seus excedentes para nações amigas, com obrigação do comprador em modernizar o equipamento com alguma empresa do país. Os conflitos surgem do nada e sem aviso, e não podemos continuar com essa mentalidade de manter apenas… Read more »

Bosco
Bosco
2 anos atrás

O USA está com um programa de urgência para modernizar sua capacidade de apoio de fogo indireto. O USA sempre privilegiou obuseiros com canos curtos, mais móveis, mais leves, mais compactos, de modo a terem ótima mobilidade estratégica e já que conta com a USAF para apoio de fogo mais distante e tem o MLRS para contrabateria e alvos pontuais usando munição guiada. Mas agora o USA quer canhões com alcance de pelo menos 100 km e para isso está desenvolvendo novas munições (vide HVP, XM113, etc) e quer reformar seus obuseiros instalando tubos de 62 calibres. O MLRS também… Read more »

Tomcat4.0
Tomcat4.0
Reply to  Bosco
2 anos atrás

Grande Bosco a curiosidade está me consumindo, qual é este míssil enorme da última foto???

Tomcat4.0
Tomcat4.0
Reply to  Bardini
2 anos atrás

Obrigado Bardini, pelo visto é o MTC-300 deles.rs

Bosco
Bosco
Reply to  Tomcat4.0
2 anos atrás

O bicho é bonitão. rrsrss Vale salientar que o Iskander também tem uma presença!!

Tomcat4.0
Tomcat4.0
2 anos atrás

Cada um com seu sistema de saturação, nosso AstrosII/2020 é excelente e tem espaço para crescimento e acréscimos tecnológicos tbm, podendo tbm vir a ter comunicação com outros meios para direcionamento de seus mísseis, lembrem se que o ponto alto da família Gripen é a fusão de dados e eletrônica embarcada e no E tudo chega ao ápice do estado da arte e com crescimento e atualizações garantidos e creio que veremos muito crescimento nestes termos de interoperabilidade com o linkBR.

Foxtrot
Foxtrot
Reply to  Tomcat4.0
2 anos atrás

Mais uma vez concordarei com o senhor Tomcat. O crescimento do sistema Astros 2020 pode vim também com as comunicações via satélite (Satcom) com o SGDC, e enlace de dados com os E-99, Vant Falcão e Heremes, Fragatas leves CCT,s dentre inúmeras plataformas. Tudo isso via RDS (Rádio definido por software nacional), SGDC, link BR2. Ou seja a guerra centrada em redes com equipamentos nacionais. Imagino a troca de informações entre diversos meios das FAA,s nacionais passando informações para o ataque massivo de MT-300. Dai julgo ser extremamente viável a inclusão de uma cabeça de busca e travamento a laser… Read more »

Bosco
Bosco
2 anos atrás

O ATACMS com uma ogiva de 230 kg e alcance de 300 km, Mach 4, 50 km de altitude e 1,7 t daria uma formidável arma ar-sup, a exemplo do Kinzhal. Lançado de um F-15 ou de um bombardeiro a grande altitude provavelmente seu alcance iria triplicar.

Luiz Floriano Alves
Reply to  Bosco
2 anos atrás

Com este equipamento, mais sistemas de artilharia a tubo se tornam disponíveis para os “amigos” menos favorecidos e que podem pagar no caixa do FMS. Poderemos reforças nossas reservas estratégicas estocando equipamentos para formação de brigadas em reserva, para o caso de emergência bélica.

Mauricio R.
2 anos atrás

Parece que os sauditas querem produzir seus próprios motores de foguetes:

(https://www.janes.com/article/85958/saudi-arabia-may-be-producing-rocket-motors)

Inicialmente seriam produzidos motores para os mísseis DF-3, depois quem sabe????

Paulo Costa
Paulo Costa
2 anos atrás

Este estampido no lançamento ,é quebrando a barreira do som?Acredito que sim,este míssil é muito mais rápido do que o nosso astros,e preciso também,

Reportagens Especiais

IMBEL: Facas de Campanha IA2 e AMZ

IA2 – IMBEL Modelo A2 e AMZ – Amazônia   Origem As pesquisas de mercado da IMBEL, em 2008, identificaram a demanda...
- Advertisement -
- Advertisement -