sexta-feira, outubro 15, 2021

Saab RBS 70NG

Apresentação do Ministro da Defesa à Comissão de Relações Exteriores e Defesa Nacional

Destaques

Alexandre Galante
Jornalista, designer, fotógrafo e piloto virtual - alexgalante@fordefesa.com.br

O Ministro da Defesa, general Fernando de Azevedo e Silva, fez uma apresentação à Comissão de Relações Exteriores e Defesa Nacional (CREDN) no dia 10.04.2019, que pode ser conferida no vídeo acima.

O Ministro da Defesa apresenta muitas informações importantes e interessantes, tais como: aposentadoria dos militares, restruturação da carreira, incidente em Guadalupe, CLA, tratado de salvaguardas tecnológicas, etc.

Vale a pena assistir aos primeiros 48 minutos do vídeo para ter uma ideia dos desafios do Ministério da Defesa para tocar os projetos das Forças Armadas e adequar sua estrutura ao orçamento.

O leitor Gustavo Cordeiro, colaborou conosco e produziu uma planilha com os principais projetos das Forças Armadas, o quanto já se gastou de recursos públicos até hoje e o quanto está previsto para os próximos anos:

O Ministro da Defesa apresentou alguns slides interessantes, que ajudam a entender a situação orçamentária:

- Advertisement -

59 COMMENTS

Subscribe
Notify of
guest
59 Comentários
oldest
newest most voted
Inline Feedbacks
View all comments
Felipe Morais
Felipe Morais
2 anos atrás

Muito boa a tabela no final. Para mim, no que tange a projetos para aquisição de material, são todos estratégicos, com justificativa de nacionalização, com exceção do HX-BR. O valor dessa tranqueira é mais da metade da dotação para o SISFRON. O mesmo valor da dotação para as 04 tamandarés. Compra-se blackhawks e seahawks de prateleira, sobraria grana pra finalizar de vez o MANSUP ou o A darter ou algum outro projeto de míssil nacional. Mas enfim, parece que alguma mente genial, para não tachar com o adjetivo correto, achou interessante que a matriz transferisse conhecimento para sua filial e… Read more »

Tomcat4.0
Tomcat4.0
Reply to  Felipe Morais
2 anos atrás

Essa questão do HX-BR só terá algum valor/serventia se sair um projeto de helicóptero nacional pra atender as três forças.

Wellington Góes
Wellington Góes
Reply to  Tomcat4.0
2 anos atrás

Existência do próprio MANSUP tem a ver com o H-XBR, no que concerne a versão operacional da MB. Há uma relação direta nisto.

GFC_RJ
GFC_RJ
Reply to  Felipe Morais
2 anos atrás

Obrigado, Felipe Morais. O objetivo foi ajudar a informar.

Wellington Góes
Wellington Góes
Reply to  Felipe Morais
2 anos atrás

Os Black Hawks (16 unidades peladex do modelo L) e Seahawks (6) comprados de prateleira, sem qualquer Transferência de Tecnologia (ToT), ou Compensação Comercial (Offset), custaram mais de 1 bilhão de dólares (mais de 4 bilhões de reais). Não gerou um único parafuso de trabalho, muito menos um único centavo de real. Nem o tal centro de manutenção da Sikorsky saiu. Já o H-XBR, com os seus 1,5 de euros, estruturou toda uma cadeia de fornecimento de peças, manutenção e treinamento (os pilotos do continente americano vêm treinar aqui no RJ), além de outros projetos subsequentes (como os primeiros passos… Read more »

Flanker
Flanker
Reply to  Wellington Góes
2 anos atrás

O H225M custou 1,8 bilhão de euros, o que dá um pouquinho mais de 2 bilhões de dólares. E você tem certeza, mesmo, que as modificações e tudo aquilo envolvendo as versões especializadas desse helicóptero, tem seus valores incluidos nesses 2 bi de dólares? E nesse valor estão incluídos simuladores, suporte técnico, treinamento, etc? 1 bilhão de dólares dá 3,9 bi de reais. Os 6 SH-16 da MB custaram 195 (os 4 primeiros) e 87 (os 2 últimos) milhões de dólares. Procurei, mas não achei os valores pagos pelos 16 H-60 da FAB. O que se sabe é que os… Read more »

Juarez
Juarez
Reply to  Wellington Góes
2 anos atrás

Hora, hora,hora, o nosso imperador do Amapá desinformado as pessoas, de novo.
O índice de nacionalização do EC 725 era para estar ,50% hoje, conforme o contrato, e não está 20%.
Cada Anv peladex está custando a bagatela de 43 milhões de euros, voando cheios de limitações impostas pela Airbus, e pane encima de pane.
O que escoltou o Heli de ataque turco pousou em pane do RJ.
As inspeções a cada 10 HS de voo estão jogando o custo de operação nas nuvens, e os idiotas pagando achando lindo e pagando a conta.

Tomcat4.0
Tomcat4.0
2 anos atrás

Do valor estimado para o que fio gasto até agora no FX2, KC-390 e ,principalmente ,no Guarani há um hiato enooooorme. Eita falta de verbas e contingenciamento malditos !!!

GFC_RJ
GFC_RJ
Reply to  Tomcat4.0
2 anos atrás

No caso do KC-390 e FX-2 o atraso até que está pequeno em relação ao cronograma previsto do momento da assinatura do contrato.
O Guarani não. Ali o caso é bem mais grave. Em um momento da exposição ele diz que o volume esperado de produção era de 120 veículos por ano, mas tiveram que reduzir à metade, isto é, para 60 veículos por ano. Ademais, “esticaram” o cronograma de produção e ele próprio comenta que ao receber os últimos veículos, “os primeiros já estarão no ferro velho”. Esse projeto está osso!

Tomcat4.0
Tomcat4.0
Reply to  GFC_RJ
2 anos atrás

Triste e vergonhosa realidade a que anos de entubação e empurra empurra com a barriga nos levaram e olha que aqui só tratamos do lado referente a pasta da defesa. Ao menos que, transformando situação ruim em boa, no decorrer do projeto Guarani, este já possa evoluir pra um block II etc e nisso os primeiros que já estarão entrando em obsolescência já serão substituídos por uma nova versão atualizada .

Leonardo
Leonardo
2 anos atrás

País continental com projetos estratégicos tem que possuir ambições grandes!

Renan
Renan
2 anos atrás

A tabela mostra uma vergonha absurda, tem o programa dos astros 2,4 bilhões isso o governo paga só de ajuda a partidos políticos anualmente.
Dinheiro tem e muito.(3,6 bilhões)
E as forças armadas gasta 2,4 bilhões em medicina aos militares.
Algo irrisório ao Brasil.
Resumindo não fazem porque não querem.
Podem cortar tudo que beneficia a nação. Mas se prejudicar o próprio bolso ou o interesse do grupo a não tem cortes.

Ricardo Rosa Firmino
Ricardo Rosa Firmino
Reply to  Renan
2 anos atrás

Concordo com você Renan. Cortar regalias?? Nunca.. é melhor parar o desenvolvimento do MAR 1 do que cortar regalias, por ex.. Alguém acha que o estado das Forças Armadas vai mudar? Nunca..infelizmente.. vamos viver disso aí..algumas compras pontuais ( CCT.. Astros.. FX2..Guarani.. KC) pra operar por 30/40 anos até o osso e quando o bicho pegar compra de oportunidade e segue o baile.. sempre foi assim e não vejo mudança a vista..infelizmente..

Bardini
Bardini
Reply to  Ricardo Rosa Firmino
2 anos atrás

Dura realidade.

Diego
Diego
Reply to  Renan
2 anos atrás

Cheguei a conclusão que são forças armadas de fachada algumas compras, alguns desenvolvimentos, que depois são cessados as vezes sem nos dar explicações do dinheiro já investido. Quem viu o desfile militar sabe do que falo. Apenas iglas pra def. AA.
Que exército sério hoje no mundo deixa de preocupar com a defesa anti aérea..

MF1
MF1
Reply to  Diego
2 anos atrás

Igla , RBS-70, Guepard, e algumas dezenas de canhões. Realmente uma lacuna muito grande, mas para defesa a baixa atitude estamos servidos.

Antunes 1980
Antunes 1980
2 anos atrás

Só para critério comparativo, a Rússia acaba de suspender o serviço militar obrigatório. O Brasil deveria buscar este mesmo caminho, com forças armadas enxutas; e acima de tudo profissionais! Tecnologia aliado ao profissionalismo. Equipamentos de ponta, em quantidades medianas. Evitando assim desperdício de material excedente, que acabam se tornando obsoletos e extremamente onerosos de se atualizar. O ponto principal é a questão de contingente. Chega de cabides nas três forças, e milicos amontoados em quartéis sem fazer absolutamente nada. O mundo não aceita mais isso. Arrisco dizer que cerca de 50% do efetivo pode ser cortado nos próximos 10 anos.… Read more »

Antunes 1980
Antunes 1980
Reply to  Alexandre Galante
2 anos atrás

Garante, uma análise de viabilidade deve ser considerada.
Deixar apenas a “nata” dos militares e realizar a terceirização de atividades “não chave”.
Importante que os números nos mostrem se esta possibilidade é factível.

Renan
Renan
Reply to  Alexandre Galante
2 anos atrás

Do coronel para baixo até o 3° sargento são 160 mil homens disponível para faxina e pintura e muito bem remunerado

Gabriel
Gabriel
Reply to  Renan
2 anos atrás

Renan, ou realmente você desconhece e escreve bobagens ou você conhece e tem problema de carácter.
Esclareça com seu “amplo conhecimento”, quem são os 160mil militares “de Cel a Sgt”.
Depois explique com sua “sabedoria” como seria sua organização em nível de GC até Grandes Unidades apenas com “Cel a Sgt”.

Renan
Renan
Reply to  Gabriel
2 anos atrás

Gabriel bom dia! Último gráfico apresentado pega uma régua ou um esquadro e faz uma linha do fim da Barra da função até o eixo efetivo Vc irá ter a informação precisa. Porém passando o olho no gráfico coloca ae … 3°sargento mais de 40 mil, 2° sargento aproxima de 27 mil, 1°sargento 17 mil, aspirante a oficial 4 mil, sub Tenente 16 mil, 2° Tenente 12 mil, 1° Tenente 18 mil, capitão 10 mil, major 8 mil, Tenente coronel 4 mil, coronel 2 mil, o restante é margem de erro. Mas soma que aproxima de 160 mil. A segunda… Read more »

Defensor da liberdade
Defensor da liberdade
Reply to  Alexandre Galante
2 anos atrás

Num é, é muito mato nos quartéis para capinar.

Munhoz
Munhoz
Reply to  Antunes 1980
2 anos atrás

Sua visão está errada, nosso país precisa de forças grandes devido ao tamanho em território e população,

As forças armadas garantem a segurança interna e externa!

O que ocorre é que deveríamos ter uma guarda nacional garantindo a segurança interna e ao mesmo tempo servindo como reserva do Exército, sendo tudo estruturado num mesmo organismo!

Na Marinha seria uma guarda costeira etc

O gasto com esses efetivos seriam classificados como gasto em segurança pública, que aliás é o correto, sendo que assim poderiam ser melhor aproveitados é justificados !

Renan
Renan
Reply to  Munhoz
2 anos atrás

Munhoz acredito que a sua visão está ultrapassada. Com todo o respeito. Precisamos de tecnologia onde cobrimos mais áreas com menos homens e menos riscos, e menores custos. (aeronaves autónoma de monitoramento, câmeras, robôs, sensores, satélite, tudo que a engenharia permitir). Havendo a necessidade desloca as tropas. Tornando o Brasil em uma potência bélica, e extremamente profissional. Eu prefiro ter 150 mil homens nas 3 forças armadas tendo todos com apetidão FÍSICA, intelectual, muito bem treinados e com equipamentos de ponta. Bem remunerado sem causar prejuízo a nação.(90/30/30) Do que ter 444.814 militares sem recursos para enfrentar ameaças diversas deste… Read more »

Munhoz
Munhoz
Reply to  Renan
2 anos atrás

Não estou falando que uma guarda nacional substitui o Exercito, o que estou querendo dizer é que esta serviria como reserva deste, e teria o gasto justificado e haveria mais liberdade de ação na segurança interna, vigilância dos fronteiras etc Ai teríamos um gasto mais real com as Forças Armadas, onde poderia ser revindicado mais verbas para o Exercito por exemplo, atualmente os 3 ramos fazem o papel de guarda nacional, guarda costeira etc com os custos classificados como gasto militar, que mal haveria em classificarmos isso como gasto em segurança publica e oficializarmos as funções ? Poderíamos expor a… Read more »

Renan
Renan
Reply to  Munhoz
2 anos atrás

Munhoz, vamos fazer um exercício fictício. 1 funcionário público gera uma despesa x ao orçamento federal e quando aposentado gera x +1 ao SUS. 1 militar gera uma despesa x para o ministério da defesa e quando aposentado gera x.x. (No celular não sei escrever x ao quadro). Um funcionário privado gera x de despesa a contratante e após a aposentadoria gera x/4 ao SUS. Isso para justificar minha afirmação: não criar mais um cabide de emprego para a união sustentar, está guarda nacional terá mais impacto aos cofres públicos. O que precisa é o ministério da defesa se organizar… Read more »

Renan
Renan
Reply to  Munhoz
2 anos atrás

Comentários retido

Agnelo
Agnelo
Reply to  Renan
2 anos atrás

A enorme parafernália eletrônica dos EUA só provou q precisam mais de HUMINT.
Depois, a invasão do Iraque, mesmo tão fraco, provou q exércitos tão pequenos, mesmo muito bem equipados, não cumprem a missão da forma ideal, por isso ainda não estabilizaram aquele lugar.

GFC_RJ
GFC_RJ
Reply to  Munhoz
2 anos atrás

O ministro não é o primeiro, mas ele reproduz algo que já é conhecido. Se você pôr todo o contingente de mão dadas esticadas ao longo das fronteiras, começando no Uruguai, você mal chega à Argentina. Dessa forma, contingente em fronteira, se ficar na operacionalidade, vai ser sempre insuficiente. As forças têm a consciência disso. Quando fiz a planilha, fiz questão de incluir o PESE e o SISGAAZ porque junto com o SISFRON são os projetos mais importantes das Forças Armadas brasileiras na minha opinião. Uma pena que o ministro não listou os dois primeiros na transparência dos gastos. Esses… Read more »

Evgeniy (RF).
Evgeniy (RF).
Reply to  Antunes 1980
2 anos atrás

A Rússia não suspendeu o serviço militar obrigatório. Esta não é uma tradução correta ou interpretação errônea.

ScudB
ScudB
Reply to  Antunes 1980
2 anos atrás

“a Rússia acaba de suspender o serviço militar obrigatório”..
Tem certeza??
As juntas estão trabalhando a todo vapor (o “chamado de primavera” começou 1 de Abril e vai ate 15 de Julho)! O que estão cogitando é POSSÍVEL (daqui uns 10-15 anos) redução e , talvez mais na frente, suspensão completa de convocação para serviço obrigatório.E aquilo ainda de acordo com questões da logística , prazos e financiamento.
Ou seja , mudou nada. E vai demorar para mudar.Pelo menos na Rússia.

ScudB
ScudB
Reply to  Antunes 1980
2 anos atrás

Colega Evgeniy (RF) ja deixou seu comentário sobre “interpretação errônea”. Veja a versão original : https://kaspyinfo.ru/kogda-otmenjat-prizyv-v-armiju/ “The call is gradually becoming a thing of the past, said President Vladimir Putin on April 12. And he explained that military equipment becomes more complicated, which requires a professional army. According to the chairman of the State Duma Committee on Defense, Vladimir Shamanov, the abolition of military conscription can occur NO(!!!) earlier than 10-15 years. “In the meantime, the call remains, although the proportion of conscripts will certainly be reduced,” reports his TASS. According to Shamanov, it is necessary to work out the… Read more »

rdx
rdx
Reply to  Antunes 1980
2 anos atrás

Perfeito. A reestruturação deveria começar pelo Rio de Janeiro e Nordeste, desativando diversas unidades inúteis e transferindo a brigada paraquedista para Goiás. Aliás, eu queria entender porque existe um GAC com obuseiros 155 mm em Niterói. E já foi pior, cerca de 20 anos atrás, no mesmo local existia uma unidade de artilharia de costa equipada com…ASTROS II. Não sei o que era pior, querer acertar um navio com foguetes ou acreditar que alguma marinha poderia desembarcar tropas no litoral brasileiro.

rdx
rdx
Reply to  rdx
2 anos atrás

Também não faz o menor sentido a existência de 02 comandos militares na região sudeste (CMSE e CML). A única explicação é dar cargos para generais.

Rafael Oliveira
Rafael Oliveira
Reply to  rdx
2 anos atrás

Poderia ter 5 comandos, um para cada região geográfica brasileira e ponto final.
Idem para a FAB e suas Alas.

rdx
rdx
Reply to  Rafael Oliveira
2 anos atrás

Na minha opinião, um exército com 120 mil homens está de bom tamanho para o Brasil. Temos aproximadamente 100 mil a mais. Norte – 30 mil Centro-oeste – 30 mil Sul – 30 mil Sudeste e Nordeste – 30 mil Para reflexão: os poderosos exércitos francês e britânico, possuem cerca de 120 mil e 80 mil homens, respectivamente. Tamanho de território não quer dizer muita coisa. O exército australiano possui 23 mil homens (e olha que eles estão próximos da conturbada Ásia). O argumento de que o EB é responsável pela segurança interna também não cola. Existem mais de 400… Read more »

MF1
MF1
Reply to  rdx
2 anos atrás

O efetivo do exército de 220.000 está de bom tamanho. O problema é estar muito concentrado no sul e sudeste, em especial no Rio de Janeiro. Deveria haver uma realocação. Já a marinha e FAB estão gordas para quem tem poucos navios e aviões.

Agnelo
Agnelo
Reply to  rdx
2 anos atrás

O poderoso exército inglês e francês não tem tropas cuidando de fronteiras como nós. Esses poderosos exércitos, se colocados nas nossas fronteiras, dão menos conta ainda… Tamanho e território somente não quer dizer, mas como esse terreno se apresenta para operações militares, sim. A Austrália, por exemplo, não faz fronteira com ninguém… Só mar… E o argumento da segurança interna pode não colar pra vc, mas pros estados do RJ, ES, RN, AL onde tiveram greves de PM e Op GLO cola muito. Além da greve de caminhoneiros, na qual houve operação no Brasil todo. Entenda uma coisa, se fosse… Read more »

Carvalho
Carvalho
Reply to  Agnelo
2 anos atrás

Agnelo,
Concordo plenamente com vc quanto à questão da segurança interna.
Toda a vez que penso sobre desdobramento de efetivos do EB, sempre é difícil mensurar o quanto pesa na mentalidade do EM possuir tropas rapidamente mobilizáveis em caso de conflagração interna.
Somos um país economicamente instável e socialmente desequilibrado. Uma hora a panela estoura.
Outro ponto importante é que a presença do EB em todo o território o faz permeável é plenamente consciente de todos as mazelas de nosso país.

Saudações

Agnelo
Agnelo
Reply to  Carvalho
2 anos atrás

Saudações, camarada.
Sim, isso é importantíssimo.
Outro fato importante é a capacidade que cada região tem de prover pessoal e material mobilizável. Quanto é pra manter uma OM em um local?
Raciocinado somente com Defesa, alguns locais seriam mais prioritários, mas dá pra manter uma OM ali? Além disso, não é melhor manter uma OM em um local em q na Paz haja mais utilidade e na guerra seja fácil levá-la pra outro?
O q vc escreveu é 100% pertinente.

rdx
rdx
Reply to  Agnelo
2 anos atrás

Para começar penso que vigiar fronteira é papel de polícia e não de um exército…mas tudo bem, sob a sua ótica o nosso exército é até pequeno para vigiar milhares de km de fronteiras. O EB continuará reclamando de falta de recursos e mal equipado ad eternum. Sobre o emprego do EB na segurança interna, já conversei com alguns oficiais superiores (futuros generais) e a maioria demonstra preocupação com as constantes e questionáveis missões de polícia ostensiva (denominadas GLO pelo EB). A principal delas é o desgaste da imagem institucional (O recente caso do fuzilamento de uma família no RJ… Read more »

Agnelo
Agnelo
Reply to  rdx
2 anos atrás

Infelizmente, não é mais só problema de polícia, na medida q o terrorismo transnacional se une ao tráfico internacional de armas e drogas. Soma-se a isso, o fato dessas vertentes de perturbação serem ótimos instrumentos na Guerra Híbrida.
Quanto a GLO, q é uma denominação constitucional e não do EB, é uma preocupação dentro dos termos q mencionou de todo militar.
Mas, infelizmente, tem sido uma necessidade, principalmente pelo quanto às PM tem se desmilitarizado e perdido sua capacidade de real atuação.

Bardini
Bardini
Reply to  rdx
2 anos atrás

“A principal delas é o desgaste da imagem institucional”
.
É só o que importa…

MF1
MF1
Reply to  rdx
2 anos atrás

Não. A explicação é política. Nos anos 30 com a revolta paulista chegou-se a conclusão que era perigoso ter um poder militar forte em São Paulo por ser um estado muito forte economicamente. Na época Getúlio Vargas fez a centralização do poder no governo federal em detrimento dos Estados. Por esta razão são Paulo não tem caças , blindados muito poucos e artilharia idem.

Flanker
Flanker
Reply to  rdx
2 anos atrás

Concordo cm o que vc disse…só não entendi qando vc se disse admirado por acreditarem que alguma marinha poderia desembarcar tropas no litoral brasileiro….você acha impossível que, em caso de conflito, algum inimigo seja capaz de desembarcar tropas no nosso litoral?

rdx
rdx
Reply to  Flanker
2 anos atrás

Hipótese fantástica. O único país com essa capacidade são os EUA. Só que ele não precisa invadir o Brasil para impor a sua vontade…e não será com foguetes que o EB impediria o desembarque do USMC em algum ponto de território brasileiro.

MF1
MF1
Reply to  rdx
2 anos atrás

O intuito do submarino nuclear e do missel MTC é dar alguma dissuasão ao Brasil frente potências estrangeiras. Dissuadir é poder infligir danos que tornem economicamente e humanamente não recomendável um ataque ao país , não necessariamente ser capaz de vencer ou impedir este país de nos invadir.

Flanker
Flanker
Reply to  rdx
2 anos atrás

Eu mão disse que é correto se defender de um desembarque anfíbio utilizando foguetes de saturação. …concordo contigo.
Quanto à possibilidade de um desembarque anfíbio em nosso imenso litoral, não concordo com você. …depende muito das condições de um conflito. E das alianças e colisões formadas. China não teria essa capacidade? Nenhum outro pais possui capacidade expedicionária?
Na sua opinião, nosso CFN, utilizando nossos NDCC, o Bahia e o Atlântico, tem capacidade expedicionária e de desembaque anfíbio em outro país?

rdx
rdx
Reply to  Flanker
2 anos atrás

Verdade, você não disse. O Brasil de certa forma é protegido pela distância. Fica muito longe da Europa e da Ásia, para ser ameaçado pela Rússia e a China, respectivamente. Excluindo os EUA, não conheço outro país com tamanha capacidade expedicionária e de desembarque anfíbio. Realmente, existe a possibilidade através de uma aliança com a Venezuela, por exemplo, mas é remotíssima. No caso do CFN é diferente. Na minha opinião, ele possui real capacidade expedicionária e desembarque na África e no Caribe, particularmente como componente de uma coalizão. É muito mais fácil o CFN desembarcar na Venezuela do que a… Read more »

Munhoz
Munhoz
2 anos atrás

Eles compraram armas mas não compram munição!

Quantos mísseis eles têm ?

Ou quantos pretendem comprar?

Eduardo O.
Eduardo O.
Reply to  Munhoz
2 anos atrás

Isso não lhe convém kkk

Rodrigo Martins Ferreira
Rodrigo Martins Ferreira
2 anos atrás

Off Topic..

https://congressoemfoco.uol.com.br/economia/maduro-pede-ajuda-a-davi-alcolumbre-para-restabelecer-relacoes-com-o-brasil-e-abrir-fronteira-em-roraima/

Ficar nas mãos de Rússia e China não é legal…

Cadê as duas grandes potências do bem para ajudar o pobre coitado Maduro ?

Por que ele precisa pedir pinico para o Brasil do “ditador” Bolsonaro ?

C. César
C. César
Reply to  Rodrigo Martins Ferreira
2 anos atrás

Falando nisto já repararam que todos os M a v s esquerdistas (todos mesmo!) desapareceram do Forte ao mesmo tempo desde ontem??
É como se ao apertar um botão todos eles aparecessem comentando, rindo, trollando e de repente sumissem todos.
Mistério também!
Kkkk!

Rodrigo Martins Ferreira
Rodrigo Martins Ferreira
Reply to  C. César
2 anos atrás

Quando pingar o pagamento eles voltarão

MF1
MF1
2 anos atrás

O problema não é efetivo grande. Temos um efetivo modesto para um país continental, em torno de 350.000 , o problema é o gasto que é pequeno mesmo. 1,41% do PIB sendo que 80% disso é gasto com aposentadorias e pensões, estas pensões das filhas até 2001 não podem ser mexidas pois são direito adquirido, protegido pela constituição. Mas se elevarmos os gastos para 2% do PIB já seria suficiente para tocar de forma mais rápida todos estes programas e até novos programas. Sem 2% do PIB vamos ficar patinando. Quanto ao Guarani que aparece ali 2040 a conclusão é… Read more »

Colombelli
Colombelli
2 anos atrás

Indonesia começou produzir um CC medio a em torno de 6 milhões de dolares a unidade. Comparem isso ao nosso orçamento e vejam como é devaneio pensar em um CC nacional ser desenvolvido

Joshua
Joshua
2 anos atrás

Ao que tudo indica, a penúria orçamentária que enfrentam as Forças Armadas brasileiras, não terá fim tão breve, se levarmos em conta do orçamento impostas pelo teto de gastos públicos até 2037.
A miopia do governo federal é muito preocupante, o que pode afetar seriamente os programas estratégicos fundamentais a manutenção das capacidades operativas de nossas “armas”. Tal incapacidade de gerir as necessidades fundamentais ao reaparelhamento de nossas Forças Armadas, pode levá-las a obsolescência e a perda de importantes capacidades.

Últimas Notícias

ESPECIAL: Apresentação das capacidades do Exército Francês

Por Jean François Auran* Colaborador especial do Forças Terrestres/Forças de Defesa Parece às autoridades militares francesas que o mundo está se...
- Advertisement -
- Advertisement -