Home Blindados Pq R mnt/5 realiza testes em VBTP M113BR modernizadas

Pq R mnt/5 realiza testes em VBTP M113BR modernizadas

2771
44

Curitiba (PR) – Velocidade máxima em diferentes terrenos e até na água, inclinação de rampa de entrada, funcionamento das bombas do porão, estanqueidade, flutuabilidade e navegabilidade são alguns dos testes e simulações de pleno emprego realizados por militares do Parque Regional de Manutenção da 5ª Região Militar (Pq R Mnt/5) nas Viaturas Blindadas de Transporte de Pessoal (VBTP) M113 BR.

A viatura, de 12,3 toneladas, tem capacidade de transporte de 11 militares equipados e carga máxima de 500 quilos. Cada VBTP M113BR é submetida a testes de operação, percorrendo um trajeto de cerca de 80 km, grande parte realizada, desde 2012 até meados de 2018, no Campo de Instrução Coronel Brasil Guarani Arruda (CICBA), no município de Quatro Barras (PR). Atualmente os testes estão sendo realizados no interior do Pq R Mnt/5 e 27º Batalhão Logístico (27° B Log).

No entanto, um teste especial marcou a demonstração de um kit de flutuação da VBTP M113BR, o qual melhorou sensivelmente as condições de flutuabilidade e navegação propiciando mais confiança e segurança à tropa. Na ocasião foram demonstrados a eficácia do material e a explanação dos procedimentos para a realização dessa atividade de transpor um obstáculo aquático.

Participaram da apresentação integrantes de todas as organização militar da 5ª Brigada de Cavalaria Blindada (5ª Bda C Bld), inclusive o próprio Comandante, o então General de Brigada Alcides Valeriano de Faria Junior.

Todas as viaturas modernizadas pelo Pq R Mnt/5 passam pelas verificações para assegurar a realização das missões aquáticas em segurança. “Os procedimentos são de suma importância para assegurar que não ocorram acidentes ou quaisquer danos materiais e pessoais resultantes da atividade, garantindo a segurança da tripulação e a integridade dos materiais transportados”, afirmou a Engenheira Militar Primeiro-Tenente Marina Martins de Lima, adjunta da Divisão Técnica, responsável pelo projeto do kit de flutuação, a qual conduziu uma VBTP M113BR no interior do lago do CICBA com total confiança.

O projeto M113 BR

O Projeto de Modernização, da VBTP M113B para a versão M113 BR, teve início em 2012, por meio de acordo internacional, via programa Foreign Military Sales (FMS) entre os Governos do Brasil e dos Estados Unidos da América, com a participação da empresa BAE Systems. A primeira medida adotada pelo Pq R Mnt/5 foi a preparação da linha de produção para que fosse modernizada a viatura protótipo; em seguida, essa viatura seguiu para o Centro de Avaliações do Exército (CAEx), onde foi submetida a diversos testes em concordância com as Normas do Exército Brasileiro, bem como algumas normas internacionais. Na sequência, produziu-se um lote-piloto, que foi apreciado e aprovado pelo CAEx.

A produção seriada foi efetivamente iniciada em 2013, com a primeira fase, correspondente ao primeiro contrato via FMS, o qual se encerrou em 2015 e foi responsável pela modernização de 150 viaturas. Hoje, está em andamento a segunda fase, relativa ao segundo contrato de mesma natureza, com previsão de encerramento em 2019, contemplando outras 236 viaturas. O possível terceiro contrato ainda se encontra em fase de estudo pelo Estado-Maior do Exército e pelo Comando Logístico.

Nesse processo de modernização, a VBTP M113 BR recebe outro conjunto de força e um reforço na suspensão, além de alterações de sistemas e componentes que permitem suportar a potência adicional de cerca de 90CV, característica técnica desejável para acompanhar a Viatura Blindada de Combate Carro de Combate (VBCCC) Leopard 1A5 BR, em uma força-tarefa. O Projeto conta, ainda, com modificações no Sistema de Comunicações, por meio da adoção do equipamento rádio Falcon III e do Intercom SOTAS.

FONTE: Agência Verde-Oliva/CCOMSEx

Subscribe
Notify of
guest
44 Comentários
oldest
newest most voted
Inline Feedbacks
View all comments
Tomcat4.0
Tomcat4.0
1 ano atrás

Ficaram novas em folha, foram totalmente desmontadas ,modernizadas e repintadas, um ganho em conhecimento para os participantes e em operacionalidade pro EB. Só acho que poderíamos ter artilhado algumas ,aproveitado tipos/versões que existem usando esta plataforma .

Lucas Silva
Lucas Silva
Reply to  Tomcat4.0
1 ano atrás

Parabéns!

Paulo Costa
Paulo Costa
Reply to  Tomcat4.0
1 ano atrás

O Exercito Brasileiro tem mais de 500 M113 em seu inventario, então Eu acho que o EB perdeu a oportunidade de tentar potencializar uma Centena desses M113 com uma blindagem melhorada e com a substituição da torre manual por torre automática, transformando os mesmos em veículos de combate de infantaria, isso sim seria uma modernização de verdade.

Victor Filipe
Victor Filipe
1 ano atrás

Deviam testar a flutuabilidade nos grandes Rios Amazônicos. se flutuar por aqui, flutua em qualquer canto.

Carlos Campos
Carlos Campos
Reply to  Victor Filipe
1 ano atrás

cara eu acho perigoso, ainda mais em certos Rios como Madeira que tem vários troncos vai que bate e afunda, fora que dependendo do trecho são mais de 100 metros para atravessar de uma margem a outra melhor deixar isso para quando for necessário

Flanker
Flanker
Reply to  Carlos Campos
1 ano atrás

100 metros? Só? Tem rios amazônicos muito mais largos que isso…..os grandes rios, então, nem se fala….
Aqui no RS temos muitos rios mais largos do que isso….o rio Ibicuí, que desagua no rio Uruguai, entre Itaqui e Uruguaiana, na fronteira com a Argentina, tem 700 metros de largura quando está em seu nível normal.

Victor Filipe
Victor Filipe
Reply to  Flanker
1 ano atrás

Rio madeira na época da seca fica pouco mais de 100 metros mesmo… mas fora isso ai…comment image

Juarez
Juarez
Reply to  Victor Filipe
1 ano atrás

Ele não e uma VTs DNA anfíbio, pode em determinadas situações cursos de água. Rios largos como os da região amaxinica, Paraná e Uruguai aqui no sul com correnteza, a primeira ondulação que atingir o snorkel já era.

Pedro Rocha
Pedro Rocha
1 ano atrás

Olá senhores! Fiquei muito curioso, por isso pergunto aos mestres: Se não estou enganado o M113 só desloca na água com as saias laterais, pergunto então se foi instalado algum tipo de hidrojato ou hélice? Não consegui ver nesses protótipos! Acho fundamental esse tipo de propulsão mesmo nas versões somente fluviais, haja vista os grandes e turbulentos rios amazônicos e pantaneiros!

Walfrido Strobel
Walfrido Strobel
Reply to  Pedro Rocha
1 ano atrás

Pedro, instalação com hélice no M113 por enquanto só no kit Arisgator italiano que a Indonésia comprou 160 unidades.
. http://www.army-guide.com/eng/product1007.html

Elcimar
Elcimar
Reply to  Walfrido Strobel
1 ano atrás

A frente desse kit lembra muito a do clanf..

carvalho2008
Reply to  Walfrido Strobel
1 ano atrás

Este kit é excelente

Transforme um M-113 em um mini Clanf

Transforma o M-113 de capacidade ribeirinha em um anfibio de capacidade oceanica Mar 4 a menos de 1/5 do custo de um AAV-7.

O Brasil deveria ter uns 50 destes, mesmo que alocados no EB como uma reserva de material aos Clanf…a conversão fica boa mesmo.

A Indonesia foi experta e fez a encomenda. parecem bem satisfeitos.

carvalho2008
Reply to  carvalho2008
1 ano atrás

O M-113 parece uma caixinha de lego, ja de para fazer de quase tudo com ele….apenas ainda não voou…..rzrzrz
https://www.youtube.com/watch?v=qkpQSPeeYHI

Bardini
Bardini
Reply to  carvalho2008
1 ano atrás

“O Brasil deveria ter uns 50 destes, mesmo que alocados no EB como uma reserva de material aos Clanf…a conversão fica boa mesmo.”
.
Desperdício de dinheiro…
.
Se fossem necessários mais blindados com essas características, era só ir lá nos EUA e comprar mais CLANfs, mantendo assim a cadeia logística, treinamentos e etc.

Carvalgo2008
Carvalgo2008
Reply to  Bardini
1 ano atrás

Ahh claro Mestre Bardini….pagando muito mais e custo muito mais para operar e tendo a grana, sem problemas….

Um Arisgator custa 1/5 de um Clanf, em que pese o Clanf ser melhor é bem maior, carrega mais tropas, etc.,,,

Mas jamais a manutenção de um será igual a do outro, o M-113 é aerotransportavel, vai de boa até duas unidades num KC390, vira bem em ruas apertadas….temos de respeitar aquele caixotinho -queimado mil e uma utilidades

Pedro Rocha
Pedro Rocha
Reply to  Walfrido Strobel
1 ano atrás

Mestre Walfrido Strobel, saudações! Você saber me informar se o M113 consegue deslocar na água sem as saias laterais? O mestre tem alguma ilustração sobre os itens dessa modernização M113BR? Eu sei que a modernização do M113 dos fuzileiros foi diferente desta mas infelizmente não encontrei nenhum infográfico sobre essas modernizações e comparação entre elas! Principalmente os resultados! Mestre Galante fica inclusive uma sugestão de tópico.

Walfrido Strobel
Walfrido Strobel
Reply to  Pedro Rocha
1 ano atrás

Desconheço este detalhe, vou procurar.

Delfim
Delfim
1 ano atrás

Em uma força~tarefa terrestre, só vão os Leo e os M113 ? Os Guarani, Cascavel e Guepard ficam de fora ou não foram citados ?
.
“Viatura Blindada de Combate Carro de Combate”… pleonasmo.

Agnelo
Agnelo
Reply to  Delfim
1 ano atrás

Nao foram citados.
Uma Força-Tarefa é uma formaçao temporaria.
O q envolve tropas de diferentes tipos temporariamente é uma FT.
No caso das Bda q tem Leo e M-113 é o mais normal, mas podem constituir FT com o Esqd CMec da Bda tambem.
O M-113 é um bom carro pra nossa realidade.
Muitos paises so estao comecando estudos pra substitui-lo agora.
Os EUA os empregaram MUITO no Iraque dessa ultima vez.

Antunes 1980
Antunes 1980
1 ano atrás

Existe a possibilidade de deixarmos alguns M-113 do EB assim ?

comment image

Bardini
Bardini
Reply to  Antunes 1980
1 ano atrás

É o que deveriam fazer… Transformar essas velharias em monumento.

Mr White
Mr White
Reply to  Bardini
1 ano atrás

Dei uma boa risada!

Leonardo Guilmann Junior
Leonardo Guilmann Junior
Reply to  Bardini
1 ano atrás

Cara! Pra quem serviu na Infantaria, fez 10 campos, foi da PE em muitos anos, nada existe mais funcional que o M113, para transporte de tropa, nada!

Bardini
Bardini
Reply to  Leonardo Guilmann Junior
1 ano atrás

Não tem nada mais funcional no exército ultrapassado e sindicalista em que tu perdeu tempo de vida servindo.
.
Mas o fato é que é pra isso mesmo que serve um VBTP: transporte.
.
A questão aqui é: qualquer centavo gasto em M113 que vai além da função de VBTP, é um centavo jogado fora.

Felipe Morais
Felipe Morais
Reply to  Bardini
1 ano atrás

Pô Bardini, tem algo melhor pra colocar em serviço? ($$$)

Você sabe que não.

Quem sabe na próxima década SE as reformas avançarem.

Tomcat4.0
Tomcat4.0
Reply to  Antunes 1980
1 ano atrás

É disso que estou falando, e tem ainda versão com mísseis ant aéreos ou ATGM, como dito acima o bichinho é igual Lego ,da pra montar quase tudo nele, basta vontade e $$.

Bardini
Bardini
Reply to  Tomcat4.0
1 ano atrás

É igual LEGO mesmo, é tão velho quanto…
.
Cada centavo que vão rasgar nessas porcarias de recauchutagens que propõem para a velharia do M113, poderia ser investido DIRETAMENTE na aquisição de sistemas muito, mas muito mais úteis, que VÃO COMBATER, como RBS 70 NG e/ou míssil ATGM, como Spike. Ambos sistemas que acrescentam uma ampla mobilidade, já que não seriam limitados a ficar atrelados de forma completamente ridícula e inútil a um blindado de características pífias.

Antunes 1980
Antunes 1980
Reply to  Bardini
1 ano atrás

Israel, Austrália e outros países relevantes ainda operam o M-113 em várias versões.
Ele é tão ruim assim?

Bardini
Bardini
Reply to  Antunes 1980
1 ano atrás

EUA vai substituir M113 por Armored Multi Purpose Vehicle, o “AMPV”.
.
Israel vai substituir o restante dos M113 por Eitan 8×8.
.
Austrália vai substituir M113 com o vencedor do LAND 400.
Um dos concorrentes (pra mim, o favorito com ampla folga): comment image?width=960&crop=smart&auto=webp&s=eca75bfdf3e1cb660d5474462406c6ffb9c15804

Delfim
Delfim
Reply to  Bardini
1 ano atrás

A doutrina de uso do M113 em Israel é se aproximar no mínimo a 100 metros da linha de tiro. Quanto mais distante melhor.

Bardini
Bardini
Reply to  Antunes 1980
1 ano atrás

A imagem…comment image:large

Recce
Recce
Reply to  Antunes 1980
1 ano atrás

Bardini, acho que vai dar a versão VBCI do Ajax.

Juarez
Juarez
Reply to  Antunes 1980
1 ano atrás

Só um detalhe, os M 113 Aussies foram extensamente modificados para se “aproximarem” do que poderia ser um VBCI, inclusive com a troca do chassi do carro rodante e adição de mais um rolete, tornando o carro maior, mais comprido e mais pesado, junto com um motorzão que tem uns 100 hps a mais que o da nossa versão modernizada.

Recce
Recce
Reply to  Bardini
1 ano atrás

O Exército Australiano está selecionando um VBCI para substituir seus M113.

Inclusive existe um folder do programa Land 400 que mostra as desvantagens em empregar o M113 no campo de batalha atual:

http://www.defence.gov.au/casg/Multimedia/LAND400_CloseCombatStoryboard-9-5562.pdf

Kommander
Kommander
1 ano atrás

Não tem jeito, os caras do EB AMAM uma velharia.

Juarez
Juarez
Reply to  Kommander
1 ano atrás

A belezinha que o Bardini tem orgasmos pleonásticos custa full uns cinco milhões de euros, multiplica por 470 que é o número s do inventário do EB e tu vais entender que não é caso de gostar de velharias, é sim uma questão de “números”.

Paulo Costa
Paulo Costa
1 ano atrás

Ja que nao tem como ficar sem blindados sobre lagartas e nem como comprar novos para substituir os M113, o Exercito deveria ter investido um pouco mais e ter potencializado esses blindados com mais blindagem, eletrônica atualizada, armamento automático, sistemas de proteção, tudo que pudesse para garantir uma sobrevida de mais uns 20 anos e isso sim seria uma modernização de verdade.

Desmontar, fazer uma revisão e fazer pinturinha nova nao é modernização …

Carvalho
Carvalho
Reply to  Paulo Costa
1 ano atrás

Outro item importante na modernização foi a aquisição de kits de visão infravermelho para os motoristas nas vtr das brigadas blindadas.

A capacidade de lutar à noite é um importante passo adotado pelo EB rumo à plena operacionalidade.

Carvalho
Carvalho
1 ano atrás

O problema não é ter e operar o M113
O problema é ter e operar SÓ o M113
Tanto EUA quanto Israel possuem IFV para sua infantaria blindada, mesmo operando M113

No Brasil teremos em breve um paradoxo.
À infantaria mecanizada terá mais proteção e poder de fogo (Guarani + Torc) que sua infantaria blindada.

Ramon
Ramon
1 ano atrás

Pelo visto o m113 vai ser usado por muito tempo ainda até chegar os dias que eles não aguentarem mais, acho que blindados novos mesmo nos próximos anos vai ser só o Guarani mesmo e olhe lá.

Mauricio R.
1 ano atrás

Faltaram os tanques externos de combustível, do M113A-2.

carvalho2008
1 ano atrás

Mestre Bardini, sem duvidas existem os exemplos melhores e bem mais modernos que voce exemplificou, mas atenção ao valor deles, suas caracteristicas, etc….bem como o estoque de 500 unidades do EB… Todos os seus exemplos estão na faixa de 30 ton para cima…. Os proprios americanos se mataram na guerra de requisitos e ora o veiculo pode fazer uma coisa ou hora outra…foi a maior encrenca no AMPV…. Isto tudo por justamente o M-113 ser um faz tudo….. foi o conceito dele desde sua origem… Anfibio, leve, aerotransportavel da faixa de 12-13 ton….lagarta…terrenos duros e macios…bem macios… Obvio ja esta… Read more »

Leonardo guilmann Junior
Leonardo guilmann Junior
17 dias atrás

Sou fã do M113, só quem já fez desembarque dele em treinamento sabe que é o protótipo ideal para os diversos relevos brasileiros. Fiz mais de cem treinamentos pela Infantaria em sete anos sempre com o M113, nunca vi um erro ou uma performance que deixasse a desejar.É cem por cento eficaz!