Home Artilharia Antiaérea MBDA e Lockheed Martin apresentam proposta do TLVS à Alemanha

MBDA e Lockheed Martin apresentam proposta do TLVS à Alemanha

3167
18
A Alemanha tem hesitado quanto à renovação de seus antigos sistemas de defesa aérea Patriot há algum tempo, mas o contrato TLVS, avaliado em mais de 4 bilhões de euros, pode ser assinado até o final do ano, após aprovação do comitê de orçamento do Bundestag. (Foto MBDA)

SCHROBENHAUSEN, GE e DALLAS, TX — O consórcio de licitantes TLVS, um empreendimento conjunto MBDA Deutschland e Lockheed Martin, submeteu sua proposta ao Escritório Federal Alemão de Equipamentos, Tecnologia da Informação e Suporte em Serviço do Bundeswehr (BAAINBw) para desenvolver, testar e entregar o TLVS, o futuro  Sistema Integrado de Defesa Aérea e Mísseis (IAMD) da Alemanha.

A proposta apresenta uma abordagem eficiente de quatro fases que inclui desenvolvimento, integração, teste e entrega de um sistema multimissão em campo. A unidade em campo fornecerá novos recursos e aprimoramentos de desempenho significativos muito além do programa MEADS e de todos os sistemas conhecidos.

“Uma breve olhada nas manchetes mostram avanços significativos em ameaças adversárias nos últimos cinco anos, e estamos operando em um ambiente hoje em que essas ameaças provavelmente só continuarão a proliferar”, disse Dietmar Thelen, diretor da joint venture TLVS. “A Alemanha precisa de uma solução preparada para o futuro que possa crescer com a ameaça emergente”.

Projetado para substituir os sistemas Patriot envelhecidos e setorizados da Alemanha projetados no final dos anos 1960, a proposta 2019 do TLVS oferece proteção contra um espectro de ameaças mais amplo com dois efetores específicos da missão, recursos de radar significativamente aprimorados para engajamentos de longo alcance e um novo sistema de comunicações para suportar interoperabilidade aprimorada, fusão de dados e resiliência cibernética. O TLVS será o primeiro sistema integrado de defesa aérea e de mísseis capaz de detectar, rastrear e interceptar simultaneamente vários conjuntos de ameaças, incluindo ameaças de médio e curto alcance com cobertura total de 360 ​​graus.

“Reprojetamos completamente o TLVS com base nos requisitos do cliente. Nossa abordagem reduz o risco, suporta custos mais baixos do ciclo de vida e permite operações de coalizão mais eficazes”, disse Gregory Kee, diretor administrativo da joint venture TLVS. “O TLVS permitirá que a Alemanha ofereça proteção regional como a Nação Marco para a Defesa Aérea e de Mísseis da OTAN, com um alto grau de soberania do sistema.”

A proposta TLVS representa o início de um novo capítulo na parceria de longa data entre a MBDA Deutschland e a Lockheed Martin.

Com sua interface plug and fight integrada, o TLVS é o sistema IAMD em 360° mais avançado em rede do mundo. É o único sistema com a capacidade de se adaptar às ameaças em evolução usando recursos adaptados à missão. O TLVS transformará as capacidades de defesa da Alemanha e estabelecerá um importante precedente na forma como as nações vizinhas enfrentam ameaças globais persistentes nos próximos anos.

FONTE: MDBA Deutschland

Subscribe
Notify of
guest
18 Comentários
oldest
newest most voted
Inline Feedbacks
View all comments
Minuteman
Minuteman
1 ano atrás

E a gente só chupando o dedo…

Jakson de Almeida
Jakson de Almeida
Reply to  Minuteman
1 ano atrás

Ainda temos dedos?HAHAHAHAHA…

Altacyr Junior
Altacyr Junior
Reply to  Minuteman
1 ano atrás

O EB enviou técnicos para avaliarem o RBS-23 Bamse da Saab

Augusto L
Augusto L
1 ano atrás

Eu entregaria o missil GEM-C do PAC 2+ também para proteger grandes aéreas contra misseis de cruzeiro.

Bosco
Bosco
Reply to  Augusto L
1 ano atrás

Augusto,
Mas o PAC-3 MSE é efetivo contra alvos aéreos.

Caio
Caio
1 ano atrás

4 bilhões só pra cobrir os céus alemães tá de bom tamanho. Dado que os patriots, fazem a diferença em Israel, do seu sucessor não se espera menos.

Danilo Henrique
Danilo Henrique
Reply to  Caio
1 ano atrás

Esse valor será que é de apenas uma bateria?

Antunes 1980
Antunes 1980
1 ano atrás

Quais seriam os seus concorrentes ocidentais e russos?

Carlos Campos
Carlos Campos
Reply to  Antunes 1980
1 ano atrás

de cabeça, AEGIS Terrestre, PAC 3, DAVID’S SLING, S300, S400, BARAK

Luiz Floriano Alves
Reply to  Carlos Campos
1 ano atrás

A eterna luta entre o atacante e o defensor, nunca acaba. A defesa estará, sempre, um passo aquém do ataque. As razões para Trump criar a força Aero Espacial está na raiz desses desenvolvimentos de ponta. Apenas uma frota de satélites com poder de saturação poderá furar as barreiras de sistemas como esse.

JPC3
JPC3
Reply to  Carlos Campos
1 ano atrás

AEGIS terrestre é fixo, não pode ser um concorrente. Ao menos no caso do AEGIS naval uma das maiores preocupações dos russos é de que ele possa interceptar ICBMs na fase de ascensão. Com o terrestre deve ser a mesma coisa se instalado em países próximos a fronteira russa, por isso tanto protesto.

Bosco
Bosco
Reply to  JPC3
1 ano atrás

JPC3,
O SM-3 Block IIA é dito ter capacidade contra ICBMs na fase intermediária e não só na fase de ascensão.

JPC3
JPC3
Reply to  Bosco
1 ano atrás

Verdade.

Um abraço!

Cristiano de Aquino Campos
Cristiano de Aquino Campos
Reply to  Carlos Campos
1 ano atrás

Esqueceu o sistema da MDBA , SAMP-T ASTER-30.

rdx
rdx
Reply to  Antunes 1980
1 ano atrás

Ocidentais: THAAD, Barak 8 e SAMP/T
Russos: S400 e S500

Bosco
Bosco
Reply to  rdx
1 ano atrás

RDX, O THAAD e o S500 (que ainda não está operacional) não são concorrentes diretos por terem capacidade exoatmosférica. O sistema MEADS usando o míssil PAC-3 MSE tem capacidade antibalístico endoatmoaférica e capacidade antiaérea. Os concorrentes diretos do MEADS são o próprio Patriot (que também adota o PAC-3 MSE) , o S300, S300V, S400, SAMP-T e David Sling. O Arrow 2 é um interceptor endoatmosférico mas não tem capacidade contra alvos aéreos, então fica fora. Os mísseis SM-2 Block IV e o SM-6 são interceptores de mísseis balísticos endoatmosféricos e aéreos mas são de uso exclusivo naval, então também ficam… Read more »

Bosco
Bosco
Reply to  Bosco
1 ano atrás

O desempenho dos vários sistemas é mais ou menos assim: MEADS: mísseis balísticos com o míssil PAC-3 MSE: 30/35 km contra até MRBM alvos aéreos com o PAC-3 MSE: ? (provavelmente na faixa de 100 km) – Patriot: mísseis balísticos com o PAC-3 MSE: 30/35 km contra MRBM alvos aéreos com o Patriot PAC-2 GEM: 160 km – S-300PMU: mísseis balísticos com o 48N6E2: 20/25 km contra MRBM alvos aéreos com o 48N6E2: 200 km – S-300V: mísseis balísticos com o 9M83ME: 35/40 km contra MRBM alvos aéreos com o 9M83ME: 200 km (400 km a confirmar) – S400: mísseis… Read more »

rdx
rdx
Reply to  rdx
1 ano atrás

O congênere israelense é o David Sling. A versão terrestre do Barak 8 é um simples sistema AA com capacidade contra aeronaves, drones e mísseis de cruzeiro. O alcance é de até 100 km (a versão ER possui alcance de 150 km)