Home Adestramento 7º RC Mec realiza tiro de armas coletivas

7º RC Mec realiza tiro de armas coletivas

1842
22

Lavras do Sul (RS) – No período de 5 a 9 de agosto, o 7º Regimento de Cavalaria Mecanizado (7º RC Mec), Regimento Brigadeiro Vasco Alves Pereira, realizou o tiro das armas coletivas com seu efetivo profissional e com os soldados incorporados no presente ano. Tal atividade ocorreu na região de Ibaré, município de Lavras do Sul (RS).

Durante o exercício, ocorreu, ainda, o tiro com o canhão 90 mm das Viaturas Blindadas de Reconhecimento EE-9 Cascavel; os integrantes dos Grupos de Exploradores atiraram com as metralhadoras 7,62mm MAG; e os fuzileiros dos Grupos de Combate empregaram a metralhadora .50 M2.

Ainda nessa atividade, o Pelotão de Operações Especiais (PELOPES) realizou o Tiro de Combate Básico.

A execução do exercício de tiro empregou cerca de 160 militares e 22 viaturas do 7º RC Mec e contou com o apoio do 3º Batalhão Logístico, de Bagé (RS).

FONTE: Agência Verde-Oliva/CCOMSEx

Subscribe
Notify of
guest
22 Comentários
oldest
newest most voted
Inline Feedbacks
View all comments
Dinho
Dinho
10 meses atrás

Fácil de soltar o carregador ao ter o solavanco do recuo…guarda mão para que…..

Carvalho
Carvalho
Reply to  Dinho
10 meses atrás

Apoiar no guarda mão confere mais estabilidade para o tiro de precisão.

Joao Moita Jr
Joao Moita Jr
10 meses atrás

Uma pergunta aqui, que pode ser um pouco nojenta…
O EB tem como parte da sua doutrina não usar covers camufladas no capacete, quando usam uniformes camuflados?
Muito raramente vejo os mesmos sendo usados, o que nega o resto da camuflagem, pois esses modelos antigos do K-Pot são altamente visíveis.
E eu pensava que o FAL já alga ia sido substituído, mas ainda estão usando ele? Quantos anos têm essas armas? Não seria melhor deixar esses rifles de lado, somente pela idade de operação?

Abs

Sargento Pincel
Sargento Pincel
Reply to  Joao Moita Jr
10 meses atrás

Por mais que nosso amigo João quer e sempre tenta desprestigiar o EB, é a mais pura verdade. O capacete totalmente verde dá uma forma simétrica o que atrapalha e muito a camuflagem… As armas também são bem antigas FAL ja deveriam ter sido substituídas… Os carros de combate??? Serve para que esse treinamento de tiro??? dois carros parados atirando em alvos parados?? meio fraco, não me sinto protegido vendo esse treinamento….

PauloOsk
PauloOsk
Reply to  Joao Moita Jr
10 meses atrás

Acho que tao usando os fal soh pra ralo.

Eduardo Jardim
Eduardo Jardim
Reply to  Joao Moita Jr
10 meses atrás

Boa noite João.

Essa é a realidade do Exército Brasileiro.

Dá para o gasto no atual cenário sul-americano.

Já foi dito aqui, não temos nenhuma unidade de combate convencional equipada no estado-da-arte.

Recce
Recce
Reply to  Joao Moita Jr
10 meses atrás

Realmente faz falta. O efeito disruptivo da quebra de silhueta ao meu ver não é algo opcional mas sim obrigatório.

Foxtrot
Foxtrot
Reply to  Joao Moita Jr
10 meses atrás

Caro João Moita o EB está se modernizando cada vez mais.
Ouvi falar que irão adotar algumas MG,s 42 e mudar o FAL pelo Grahan ou Lee Enfild kkkk.
Porquê esse tal de IA2 só serviu para gerar produção na Inbel (Inbaré).
Triste a brincadeira, mas o atraso doutrinário é descomunal !

Diego Tarses Cardoso
Diego Tarses Cardoso
Reply to  Joao Moita Jr
10 meses atrás

Me pergunto há tempos sobre a falta de cobertura no capacete para camuflagem, já que isso quebra a camuflagem, e também que o capacete por si só emite um grande reflexo.

Notei também que os fuzileiros navais adotaram a mesma regra, nesse caso acho que há um estudo que estimule isso, a falta da camuflagem no capacete, não pode ser só economia.

O cascavel precisa passar por uma modernização no sistema de tiro urgentemente, da maneira como está ele só serve para combater na segunda guerra mundial.

Abraços

Antonio josé
Antonio josé
10 meses atrás

https://youtu.be/782mJMeupNA
vídeo sobre ataque combinado

Sargento Pincel
Sargento Pincel
Reply to  Antonio josé
10 meses atrás

Retiro oq eu disse acima… rs..
Treinamento top, mas a trilha sonora ajudou… rs…

rafa
rafa
Reply to  Sargento Pincel
10 meses atrás

Os caras usaram a trilha sonora dos Transformers.. fala serio.

Evandro
Evandro
Reply to  rafa
10 meses atrás

Não tem nada de mais usar trilha sonora do Transformers.
As FFAA de Singapura usa música do Naruto em desfile militar.

Entusiasta Militar
Entusiasta Militar
Reply to  Antonio josé
10 meses atrás
Entusiasta Militar
Entusiasta Militar
10 meses atrás

Podem me xingar de quiserem. mas vou dar minha opiniao mesmo assim … Eu acho que esse é o momento ideal para uma grande reformulação nos quadros das 03 forças armadas, ou seja diminuir o efetivo efetivo e aumentar a qualidade. E se formos comparar nossas FFAA com países com tamanho semelhantes como o canada, austrália e argentina, vemos que temos um efetivo muito grande que poderia ser reduzido e profissionalizado. Canada Exército 40.000 Força Aérea 15.000 marinha 15.000 Austrália Exército 30.000 Força Aérea 15.000 marinha 15.000 México Exército 185.000 Força Aérea 15.000 marinha 15.000 Países da America do Sul… Read more »

paulop
paulop
Reply to  Entusiasta Militar
10 meses atrás

Concordo Entusiasta. Já que estamos na onda das reformas, reformamos as FFAA. Também acredito que as forças deveriam ser mais enxutas, totalmente voluntárias e mais móveis.
Menos efetivo gera menos custo com pessoal, e portanto menos verba de custeio, podendo, de forma planejada, ampliarem-se os investimentos em material. Também creio que reduzir unidades de vário tamanhos e reestruturar grandes comando, especialmente no caso do EB, auxiliaria na redução de custos e maiores investimentos.
Abraço

Agnelo
Agnelo
Reply to  Entusiasta Militar
10 meses atrás

Prezado Cada país é um país. Só na fronteira temos 13 Bda. Igual o Exército Britânico todo, por exemplo. Canadá e Austrália fazem parte de um conjunto q se sustenta. Esses países sempre atuam de forma combinada, utilizando infraestruturas de aliados. Além disso, qual país desses tem as responsabilidades das nossas FFAA? O Canadá e a Austrália tem vazios demográficos q não interessam a ninguém. O nosso vazio demográfico é a Amazônia. Além de alvo de cobiça, tem fronteira com muita encrenca exigindo uma Força com meios e homens especializados. A defesa de metade do CO e do sul já… Read more »

Entusiasta Militar
Entusiasta Militar
Reply to  Entusiasta Militar
10 meses atrás

Nossas forças atuais estão assim divididas :

Forças armadas atuais
Exército 220.000
Força Aérea 80.000
marinha 80.000

Forças armadas reformadas
Exército 160.000
Força Aérea 40.000
marinha 40.000

Acredito que com esses novos números as nossas forças ficariam MUITO enxutas e diminuiria o gasto com o custeio das forças e se for feito de forma cuidadosa e planejada ao longo de 02 a 04 anos não iria enfraquecer nenhuma delas.

Foxtrot
Foxtrot
10 meses atrás

Gente toda vez que vejo essa MAG 7.62 me dá uma angústia danada.
Imagino o sofrimento que é o operador transportar esse trambolho.
Isso sem falar que em caso de conflito ainda tem munição.
Imagino o porquê até hoje a Imbel (Inbaré) não buscou desenvolver nova variante da MAG, mais leve e portátil do que a atual.
Com emprego de polímeros, ligas especiais de aço etc.
Como os americanos fizeram e fazem desde a década de 60.
Obs: só nessa foto já vi três modelos de camuflagem usados pelo EB rsrs.
Outra coisa que me angustia !

rdx
rdx
10 meses atrás

Se não fosse o capacete (Por que não tem camuflagem?) ficaria muito difícil dizer se essa foto foi tirada na década de 90, anos 2000 ou 2019. A propósito, os suspensórios usados pelos soldados eram muito comuns na década de 90. Tem um que é tão antigo (com fivela metálica) que está até amarelado.

Bruno
Bruno
10 meses atrás

Li semana passada, não me lembro onde, que o EB vai começar a utilizar o IA2 versão .22lr para instrução, alguém sabe dizer ao certo?
Sobre o não uso de camuflagem no capacetes, isso em um cenário real, por algo mais simples que seja, faz diferença, militar que entende do assunto e tem olho bom sabe do que estou falando, aposto que o EB nem grana pra comprar a camuflagem de capacete tem! Que fase!