Home Defesa Aérea MSPO 2019: MBDA e PGZ apresentam solução de defesa aérea CAMM em...

MSPO 2019: MBDA e PGZ apresentam solução de defesa aérea CAMM em veículo Jelcz

4837
38

A MBDA e a PGZ divulgaram nA MSPO 2019 uma solução de defesa aérea que apresenta o CAMM iLauncher da MBDA integrado a um chassi de caminhão polonês Jelcz 8×8.

As duas partes também reafirmam a vontade expressa no Acordo de Parceria Estratégica para Tecnologia de Mísseis, assinado em 2 de fevereiro de 2017 entre PGZ-MBDA para cooperação em programas de mísseis.

Baseada na família de interceptadores CAMM, a cooperação proposta pelo MBDA contém um nível muito alto de conteúdo polonês e verá uma transferência extensiva de tecnologia e know-how, com o míssil e o iLauncher sendo progressivamente construídos na Polônia. Se selecionada, a solução conjunta PGZ-MBDA oferece a melhor solução para a indústria e a soberania polonesa.

Sebastian Chwałek, vice-presidente executivo da PGZ, disse: “A implementação do programa Narew pela PGZ é fundamental para o nosso futuro e a segurança da Polônia. É por isso que estamos demonstrando que não há limitações para nós na cooperação estrangeira. Juntando nossas competências em sistemas de comunicação e comando, essenciais para a defesa aérea, com as tecnologias de mísseis de nossos parceiros estrangeiros, estamos prontos para entregar um produto final à parte contratante em um curto espaço de tempo.”

Jan Grabowski, Delegado dQ MBDA na Polônia, disse: “Esse aprofundamento do relacionamento entre PGZ e MBDA é um grande sucesso para a cooperação europeia em defesa. O CAMM fornece à indústria militar e polonesa polonesa as melhores capacidades e tecnologias disponíveis no mercado mundial e os benefícios de uma verdadeira parceria europEia em tecnologias de mísseis. A cooperação no CAMM é essencial para permitir uma cooperação profunda em outros programas de mísseis.”

A família CAMM representa a última geração de tecnologia de defesa aérea. Utilizando tecnologias de busca ativa de radar e lançamento suave de última geração, o CAMM é capaz de derrotar rapidamente um grande número das ameaças aéreas modernas mais desafiadoras e é adequado para aplicações terrestres e marítimas.

A MBDA é o único grupo europeu capaz de projetar e produzir mísseis e sistemas de mísseis que correspondem a todas as necessidades operacionais atuais e futuras das três forças armadas (terrestre, marítima e aérea). Com uma presença significativa em cinco países europeus e nos EUA, a MBDA alcançou em 2018 uma receita de 3,2 bilhões de euros com uma carteira de pedidos de 17,4 bilhões de euros. A MBDA é de propriedade conjunta da Airbus (37,5%), da BAE Systems (37,5%) e da Leonardo (25%).

MBDA CAMM
MBDA CAMM

FONTE: MBDA

Subscribe
Notify of
guest
38 Comentários
oldest
newest most voted
Inline Feedbacks
View all comments
Tomca.t
Tomca.t
1 ano atrás

Já passou da hora do tal projeto da Avibrás\MBDA sair da prancheta e maquetes e virar realidade.

Mauricio R.
Reply to  Tomca.t
1 ano atrás

O que já passou da hora são o fim das reservas de mercado e dos cartórios.
Não temos que arrumar serviço pra Avibrás fazer.
Concorrência já!!!!

Alexandre ziviani
Alexandre ziviani
1 ano atrás

Bem que eu queria um destes com a bandeira do Brasil.

Defensor da liberdade
Defensor da liberdade
1 ano atrás

Os próximos serão com os Mercedes brasileiros, quem viver verá! CAMM-ER no Brasil.

Art
Art
Reply to  Defensor da liberdade
1 ano atrás

A mercedez boicotou a avibras faz anos. A plataforma astros é TATRA a bastante tempo. O astros é 6×6 mas pode avoluir até a 10×10. A plataforma atual permite. A avibras é o representante TATRA no Brasil e a parceria segue firme. Falando em parceria esse sistema poderia ser adotado aqui, plataforma TATRA padrão ja utilizado no EB.

Wanderson
Wanderson
Reply to  Art
1 ano atrás

Eu acho que deveriam investir na agrale e fazer algo totalmente nacional…

Art
Art
Reply to  Wanderson
1 ano atrás

Aí a agrale teria que investir muito, plataforma de caminhão off road, 6×6 ou 8×8 (a maioria dos lancadores de misseis são 8×8) baixo retorno porque será uma compra de poucos exemplares. É melhor ficar com a avibras/TATRA. Poderia sim juntar a iveco e a agrale para desenvolver o 8×8 nacional ou a agrale se associar a uma empresa estrangeira tipo a Finlandesa Pátria. Pata desenvolver a VBCI 8×8. Lembro que o Guarani só se viabilizou porque tem encomenda até o momento são 400 unidades.

Antunes 1980
Antunes 1980
1 ano atrás

Estamos precisando urgente de uma defesa aérea realmente efetiva.
Somos a maior economia do hemisfério sul, potência sul-americana, quase 200 milhões de habitantes e a nona economia do planeta.
Precisamos defender nossas usinas, centros de pesquisa, indústrias; assim como as nossas cidades.
O EB deveria já deveria estar procurando algo !

Evgeniy (RF).
Evgeniy (RF).
Reply to  Antunes 1980
1 ano atrás

Primeiro, deve haver vontade política. E isso simplesmente não é visível.

MFS
MFS
Reply to  Antunes 1980
1 ano atrás

Já temos mais de 210 milhões de habitantes…

Carlos Campos
Carlos Campos
Reply to  Antunes 1980
1 ano atrás

Grandes cidades eu não sei mais Brasilia e cidades que tenham bases aéreas e grandes quarteis, portos da MB e grandes portos na Costa deviam ser cobertos por sistemas AA. assim como certas empresas fabricantes de armas.

Gabriel BR
Gabriel BR
1 ano atrás

O que não falta no Brasil são instalações estratégicas que demandam este tipo de proteção. Nossa infraestrutura energética ( Grandes Hidrelétricas, Usinas Nucleares, Super complexos de refino e distribuição de combustíveis) é um grande alvo completamente indefeso.

Defensor da liberdade
Defensor da liberdade
1 ano atrás

Umas 5 baterias com 8 lançadores cada, combinados com uns 50 Rapidfire 40 mm e teremos a melhor defesa aérea da América Latina.

Art
Art
Reply to  Defensor da liberdade
1 ano atrás

O preço da artilharia antiaérea (sistema completo, mísseis, radares, logistica) é similar a compra de gripens. É caro e no momento está em pauta a compra de três baterias uma para cada força. Mas o estudo prossegue.

Willber Rodrigues
Willber Rodrigues
1 ano atrás

Já passou da hora das FA’s brasileiras terem um sistema AAA decente.

AK. for T-7
AK. for T-7
1 ano atrás

Melhor seria aproveitar a parceria com os israelenses e partir para o Iron Dome/David Sling com interceptador Stunner: mísseis mais baratos, sistemas de orientação múltiplos do míssil (radar, IIR e EO ao mesmo tempo), data link triplo, capacidade de engajamento cooperativo, capacidade de interceptação de mísseis balísticos (até o porte de um Isklander), enfim… muito superior. Uma bateria com dois lançadores de Iron Dome (40 mísseis) e um lançador de David Sling (12 mísseis) por cada base aérea principal da FAB e base naval da MB já protege contra PGMs e drones (Iron Dome) e caças e demais ameaças aéreas… Read more »

Cristiano de Aquino Campos
Cristiano de Aquino Campos
Reply to  AK. for T-7
1 ano atrás

E perde a oportunidade de padronizar com a marinha que já escolheu os misses do CAMM para as escoltas?

A.K. for T-7
A.K. for T-7
Reply to  Cristiano de Aquino Campos
1 ano atrás

Já fechou o acordo? Já comprou? Já está construído o navio? Já está instalado o sistema?

Vai ser a mesma história dos Aspide. Escolhem o míssil 3-4 anos de comprar e durante uma transição de tecnologias dos sistemas de defesa aérea (na época estava ficando para trás a orientação semi-ativa e entrando a fire and forget), aí atrasa tudo, e quando finalmente implementa o projeto, já está tudo desatualizado.

Sem contar que, se você ler minha postagem até o final, já está claro qual seria a proposta para a MB.

Sem contar o preço…

Alexandre ziviani
Alexandre ziviani
Reply to  A.K. for T-7
1 ano atrás

“Misseis mais baratos” David sling custo : U$$ 1 milhão por míssil.

Carlos Campos
Carlos Campos
Reply to  Alexandre ziviani
1 ano atrás

David Slinsg e caro e poderia ficar de fora. no mais eu vejo a proposta dele como a melhor para o Brasil pois aí os Franceses e os Alemães não teriam capacidade de embargar o Brasil.

Carlos Campos
Carlos Campos
Reply to  Carlos Campos
1 ano atrás

dois traidores me negativaram, devem ser namorados do Macron

A.K. for T-7
A.K. for T-7
Reply to  Alexandre ziviani
1 ano atrás

Melhor você atualizar seus dados, @Alexandre ziviani. O custo previsto do David Sling era US$ 1 milhão por míssil, porém a Raytheon entrou na jogada e agora o míssil Stunner é parte do sistema Patriot PAC-4, e não bastasse isso, Israel resolveu equipar seus F-16 e F-35 com uma versão aérea do David Sling/Stunner, porque chegaram à conclusão que eles conseguem colocar 8 David Sling nas baias do F-35, ao invés de 4 AMRAAM… então, só com isso, a última informação é que o custo de produção, dada a economia de escala, foi para US$ 400 mil dólares por míssil,… Read more »

Carlos Campos
Carlos Campos
Reply to  A.K. for T-7
1 ano atrás

caramba é um monstro, vou voltar a ler sobre ele, definitivamente melhor opção para o Brasil.

Alexandre ziviani
Alexandre ziviani
Reply to  A.K. for T-7
1 ano atrás

Olha AK 47 for t7,se for isto mesmo que você diz,você me pegou! o seu comentário faz sentido,mas entenda que o míssil stunner usado nas baterias do david sling,muito provavelmente possui booster,e isto faz encarecer o míssil,olha,não estou duvidando de você,mas eu acho barato demais 400 mil dólares para um míssil do “naipe” do stunner.
Sds

Mauricio R.
Reply to  Cristiano de Aquino Campos
1 ano atrás

Não consta que US Army (Patriot e Thaad) e US Navy (Standard) ou o BA (em transição do Rapier p/ o Camm) e a RN (Aster) tenham algum problema nesse quesito.

Defensor da liberdade
Defensor da liberdade
Reply to  AK. for T-7
1 ano atrás

Tem uns 5 países interessados no CAMM, isso significa queda nos preços pela maior escala de produção. Quantos países utilizam estes sistemas israelenses que você citou? Achou que uns três no máximo. Chuta que é macumba, é CAMM na marinha e CAMM-ER no EB e na FAB, o resto é ilusão e vontade de puxar saco do “povo escolhido”.

Mauricio R.
Reply to  AK. for T-7
1 ano atrás

Tirando Saber 200 e Saber 60, até que parece uma boa ideia.

Carlos Campos
Carlos Campos
Reply to  AK. for T-7
1 ano atrás

eu acho melhor pq MBDA é da França também, e até mesmo Meteor já estou pensando ser melhor desistir e comprar um míssil dos EUA mesmo que tenha desempenho inferior.

cesar silva
1 ano atrás

uma pergunta o míssil ar ar a-darter ou o piranha poderia ser adaptado para um sistema anti aéreo de baixa altitude? já que temos o veiculo e o radar.

Tomcat4.0
Tomcat4.0
Reply to  cesar silva
1 ano atrás

Creio ser factível sim mas vou perguntar pro doutorando no assunto, Boscooooooooooooo!!!???????

Alexandre ziviani
Alexandre ziviani
Reply to  Tomcat4.0
1 ano atrás

O A darter sim,é só adaptar o lançador GBL Denel para disparar o A darter.

Lançador GBL Denel.comment image

_RR_
_RR_
Reply to  cesar silva
1 ano atrás

cesar, Tecnicamente é viável. Um exemplo desse tipo de combinação é o sistema SPYDER, de origem israelense. Grosso modo, o hardware já existe. Mas juntar tudo não sai barato… Um sistema SHORAD que aproveite o A-darter seria o melhor dos mundos para a indústria nacional. E junto ao RBS-70, haveria um sistema de defesa integrado robusto para o que considera-se baixa altitude. Ocorre que… A questão aí, passa a ser o preço por míssil… Mísseis guiados por rádio normalmente se tornam de operação mais barata que mísseis com guiamento autônomo, podendo haver mais mísseis por lançador, que é o que… Read more »

Alexandre ziviani
Alexandre ziviani
Reply to  _RR_
1 ano atrás

RR,concordo com você! mas já temos o A darter,é só adaptar lo ao GBL denel,já que o unkhonto ir é muito parecido com o a darter,ora se os sul africanos que possuem menos recursos que nós conseguiram,por que nós não?

cesar silva
Reply to  _RR_
1 ano atrás

obrigado pela resposta

Morato
1 ano atrás

Vamos lá, vamos comprar mais armas Francesas……. transformar nossas forças armadas numa subsidiária da UE, e aí quando eles realmente se interessarem em nos sancionar devido a algum probleminha que não concordem conosco, só aperta o botão, e acabou nossas capacidades.

Willber Rodrigues
Willber Rodrigues
Reply to  Morato
1 ano atrás

Tem uma maneira de resolver isso:
Investir bilhões e bilhões de reais ao longo das décadas em ensino de qualidade, P&D, e em projetos de alta tecnologia nacionais.

Ou isso, ou continua comprando de fora e ficando com o c* na mão com medo de embargo.

Mercenário
Mercenário
Reply to  Morato
1 ano atrás

Morato,

O CAMM não é francês.

Foi desenvolvido pelo MBDA UK.

Tomcat4.0
Tomcat4.0
Reply to  Morato
1 ano atrás

Esquece o lance de França isso e aquilo, o jacu do Macron já vai rodar na próxima eleição. Vc acha q a porrada de empresas francesas instaladas e vendendo muito no Brasil, estão gostando da falácia desse sujeito? E nem estou falando em Prosub e HXBR. Se resolvemos boicotar produtos franceses , milhões de brasileiros a menos rendendo dindin pra França, ela quebra pois já não está bem das pernas .