Home Exércitos Os 75 anos da Operação Market Garden

Os 75 anos da Operação Market Garden

3871
83
Paraquedistas saltando sobre a Holanda em 17 de setembro de 1944

Por Luiz Reis – especial para o Forças Terrestres

Entre os dias 17 e 25 de setembro de 1944, durante a Segunda Guerra Mundial, os Aliados lançaram uma frustrada operação usando forças aerotransportadas e terrestres com o objetivo de aniquilar as forças alemãs que ainda resistiam na Holanda (as quais se julgavam serem muito fracas) e depois seguir para a Alemanha para tentar acabar com a guerra antes do Natal de 1944.

A chamada Operação Market Garden (em alguns livros ela é escrita como “Market-Garden”) consistia basicamente em duas suboperações, nas quais o sucesso de uma dependia fundamentalmente do sucesso da outra:

  1. Operação Market (“Mercado”) – um ataque aerotransportado para capturar pontes importantes sobre os rios da região;
  2. Operação Garden (“Jardim”) – um ataque terrestre de divisões blindadas e de infantaria movendo-se sobre as pontes apreendidas, criando o saliente.

Essa operação foi proposta pelo Marechal de Campo inglês Bernard Montgomery, então comandante do 21º Grupo de Exércitos aliado. Os planejadores britânicos e norte-americanos deram o aval para a operação, mas ignoraram (devido a falhas na inteligência aliada) que grandes forças alemães, mesmo desfalcadas, estavam estacionadas na Holanda, como o Grupo de Exércitos B, sob o comando do Marechal de Campo Walther Model, o 15º Exército e o General de Infantaria Gustav-Adolf von Zangen, e remanescentes do II Corpo Panzer sob o comando do SS-Obergruppenfüher Wilhelm Bittrich. Tais tropas eram formadas por muitos veteranos, nos quais muitos lutaram na Frente Oriental contra os russos.

Já os Aliados iriam atacar, inicialmente com a Operação Market, com as 82º e 101º Divisões Aerotransportadas dos EUA (comandadas respectivamente pelos Generais James M. Gavin e Maxwell D. Taylor), a 1ª Divisão Aerotransportada inglesa (comandada pelo Major General Roy Urquhart) e a 1ª Brigada Paraquedista Independente Polonesa (comandada pelo Brigadeiro General Stanisław Sosabowski), que juntas formaram o 1º Exército Aerotransportado Aliado, sob o comando do Tenente General Lewis H. Brereton.

O ataque aliado da Operação Garden consistia principalmente na ação do XXX Corpo inglês (comandado pelo Major General Brian Horrocks) e foi liderado inicialmente pela Divisão Blindada de Guardas (comandada pelo Major General Allan Adair), com a 43ª Divisão de Infantaria Wessex (comandada pelo Major General Ivor Thomas) e 50ª Northumbrian (comandada pelo Major General Douglas Grahamem) em reserva.

Esperava-se que as unidades terrestres chegassem ao extremo sul da área da 101ª Divisão Aerotransportada no primeiro dia, a 82ª no segundo dia e a 1ª no quarto dia, o mais tardar. As principais pontes a serem tomadas estavam sobre os rios Mosa, Waal e o baixo Reno, cruzando também pequenos canais e afluentes.

A operação inicia-se na tarde do domingo, 17 de setembro de 1944, com o lançamento de milhares de paraquedistas norte-americanos e ingleses, parte usando paraquedas em seus saltos, lançados a partir de aeronaves Douglas C-47 Dakota, parte descendo ao solo holandês usando planadores de fabricação inglesa (Horsa e Hamilcar) e norte-americana (Waco).

Na época foi considerada a maior operação aerotransportada da história, mas superada em março de 1945 pela “Operação Varsity”, quando 16.000 homens foram lançados sobre Wessel, na Alemanha, já nos estágios finais da guerra.

Os avanços iniciais dos Aliados foram bem-sucedidos. Várias pontes foram tomadas entre as cidades holandesas de Eindhoven e Nijmegen. O XXX Corpo do exército britânico teve seu avanço atrasado pois os paraquedistas tiveram bastante dificuldades para tomar as pontes entre os rios Son e Nijmegen. As forças alemãs explodiram as pontes sobre o Canal de Wilhelmina antes de recuarem.

A 101ª Divisão Aerotransportada do Exército dos Estados Unidos então tomaram a região. Já a 82ª Divisão norte-americana fracassara em tomar as passagens pelo rio Waal em Nijmegen antes de 20 de setembro de 1944, o que atrasou ainda mais os avanços das forças mecanizadas aliadas.

No setor mais distante das operações paraquedistas aliadas em Arnhem, a 1ª Divisão Aerotransportada britânica encontrou forte resistência dos experientes defensores alemães. O atraso dos Aliados em capturar as pontes, particularmente em Son e Nijmegen, deu tempo para o exército alemão organizar suas linhas de defesa e mobilizarem mais homens e tanques e logo planejaram um contra-ataque.

Na subsequente “Batalha de Arnhem”, os paraquedistas britânicos conseguiram conquistar o norte da cidade, mas quando os reforços terrestres atrasaram, eles acabaram sendo derrotados pelos alemães em 21 de setembro. O que sobrou da 1ª Divisão Aerotransportada ficou presa em um pequeno bolsão a oeste da ponte da cidade, sendo evacuados (cerca de 2.400 homens) apenas entre os dias 25 e 26, na chamada “Operação Berlim”.

No final, os Aliados acabaram fracassando em estabelecer seus objetivos e cruzar o Rio Reno e as defesas alemãs no norte e oeste do seu país continuaram firmes, e só cederiam por completo em março de 1945.

O fracasso da Operação Market Garden, com a perda de valiosos homens e equipamentos, acabou com as expectativas dos Aliados de tentar acabar com a guerra antes do natal de 1944.

As forças aliadas sofreram mais perdas na Market Garden do que na gigantesca invasão da Normandia (“Operação Overlord”). A maioria dos historiadores militares concordam em que, no período de 24 horas do “Dia D” (6 de junho de 1944), as perdas aliadas alcançaram a estimativa de 10 mil a 20 mil.

Nos nove dias da Operação Market Garden, as perdas combinadas – forças aeroterrestres e blindadas – em mortos, feridos e desaparecidos são estimadas para mais de 17 mil homens.

As perdas britânicas foram as mais altas: 13.226 homens. A 1ª Divisão Aerotransportada inglesa foi quase totalmente destruída. Na força inicial de ataque a Arnhem, com um efetivo de 10.005 homens, na qual se incluem os poloneses e os pilotos de planadores, as perdas totalizaram 7.578 (cerca de 75% do total).

O XXX Corpo inglês perdeu 1.480 homens e os norte-americanos perderam cerca de 3.900 soldados. As cifras alemãs permanecem um pouco obscuras, devido a muitos documentos tendo sido perdidos ao final da guerra, mas em Arnhem e Oosterbeek as perdas chegaram a 3.300; entretanto, as perdas do Grupo de Exércitos B foram consideradas as mais elevadas.

Levando-se em conta a frente de batalha que se desenvolveu ao longo da campanha, estima-se que as perdas podem ter chegado até a 10 mil homens. Houve também cerca de 500 mortos entre os civis holandeses e os membros da resistência contra os alemães.

A operação foi imortalizada no famoso livro lançado em 1974, “A Bridge Too Far” (“Uma Ponte Longe Demais” no Brasil), escrito pelo escritor e historiador militar irlandês Cornelius Ryan.

O livro inspirou a produção de um filme épico do mesmo nome, lançado em 1977, com a direção de Richard Attenborough e estrelado por grandes atores como Sean Connery, Michael Caine, James Caan, dentre outros. Dramatizações das ações da 101ª Divisão Aerotransportada, em especial a “Easy Company” do 506º PIR, durante a batalha fizeram parte da minissérie de televisão da HBO “Band of Brothers”, lançado em 2001.

Subscribe
Notify of
guest
83 Comentários
oldest
newest most voted
Inline Feedbacks
View all comments
FERNANDO
FERNANDO
1 ano atrás

Pois é, o tempo passa.
E, não a nada que cure as cicatrizes da vida.

Carvalho
Carvalho
1 ano atrás

Há alguns anos visitei Arnhem e Nijmeguen, e suas pontes, obviamente.
Algumas coisas me impressionaram:
Enquanto Nijmeguem ainda mantém características de cidade medieval, Arnhem possui muitos prédios modernos, já que foi destruída na batalha.
No cemitério de guerra, haviam muitos túmulos de pilotos de planadores, aviadores que lutaram como infantes, e morreram como tal.
O QG de Urqhart ainda existe em sua configuração original.
Bom passeio de um dia, a partir de Amsterdã

Joao Moita Jr
Joao Moita Jr
1 ano atrás

A maior cagada de Montgomery, e uma das piores da Segunda Guerra. Tantas vidas sacrificaras no altar dele.
Patton era quem estava certo!!!

Matheus Santiago
Matheus Santiago
Reply to  Joao Moita Jr
1 ano atrás

Sem Monty, Rommel provavelmente teria tomado Alexandria, tornando o Mediterrâneo Oriental um lago italiano. Isso pode ter resultado em uma enorme tentação de a Turquia e a Espanha se unirem ao Eixo (embora eu ache que Mustafa Atatürk e Franco teriam se recusado a participar da guerra). Na Normandia, os britânicos e canadenses fizeram o trabalho sem glamour e Patton foi à glória. Patton era um bom general de cavalaria, mas fracassou sempre que encontrou oposição. Em Metz, ele não tinha ideia de como pegar a cidade. Na Normandia, ele praticamente não enfrentou oposição. Quanto aos ingleses “lentos”, eles derrotaram… Read more »

Rafael M. F.
Rafael M. F.
Reply to  Matheus Santiago
1 ano atrás

Os Panzer alemães foram varridos do mapa em particular na Bolsa de Falaise, ação decisiva da invasão da Normandia. Nessa ação, aos Hawker Typhoon britânicos é atribuída em um único dia a destruição de quase 200 tanques, dando ao “Tiffy” a merecida alcunha de “Flagelo de Falaise”. Apenas a presença deles já era bastante para que as tripulações dos Panzer abandonassem seus veículos.

Alexandre
Alexandre
Reply to  Matheus Santiago
1 ano atrás

O que deteu Rommel, a raposa do deserto, foi a falta de suprimentos e de reposição de material e tropas, pois a guerra estava se deslocando para a frente russa, ele foi ferido em combate, fora a questão da tentativa de assassinato do Hitler, operação Walkiria, lendo as biografias sou Patton, lembrando que a invasão partiu do território inglês, por isso poder político, os ingleses foram humilhados na retirada de Dunkerque.

Matheus Santiago
Matheus Santiago
Reply to  Alexandre
1 ano atrás

Monty estava ali combatendo o Afrika Korps para resguardar territórios e não deixar cair em mãos dos inimigos, o trabalho ali foi feito por um desgaste por parte dos alemães, enquanto os britânicos só absorveram os choques alemães e tentar em seguida contra-atacar. Rommel fez tudo o que estava ao seu alcance para tentar concluir a missão com sucesso, mas o fato é que ele quase conseguiu e ponto final. Não há o que discutir. Em nenhum momento eu disse que sou a favor de Monty e que menosprezo Patton, você deveria ler novamente meu comentário. Eu apenas citei fatos… Read more »

Oiseau de Proie
Oiseau de Proie
Reply to  Joao Moita Jr
1 ano atrás

Patton foi apenas mais um maníaco psicótico afamado por seus delírios de grandeza que construiu a sua fama as custas do suor e do sangue dos outros…no delírio de grandeza, as pessoas que sofrem deste tipo de delírio consideram-se superiores aos outros em diversos aspectos…consideram-se pessoas especiais, e que a sua existência tem uma grande importância para a humanidade…a megalomania foi o traço de comportamento mais marcante do seu perfil comportamental…a megalomania se caracteriza como um transtorno psicológico definido por delírios e fantasias de poder, relevância ou omnipotência…é caracterizada por uma exagerada auto-estima das pessoas nas suas crenças e/ou poderes…… Read more »

pangloss
pangloss
1 ano atrás

Vi esse filme – espetacular – quando era criança. Fiquei perplexo com o final, pois os filmes sempre retratavam vitórias aliadas.

Camargoer
Camargoer
Reply to  pangloss
1 ano atrás

Olá Pangloss. Acho que ainda é o melhor filme da II Guerra. O legal é queá está disponível no YouTube, original e com legenda em português (ou estava até uns meses atrás quando assisti, de novo, na madrugada). Quem não viu, vale a pena ver. Quem já viu, vale a pena rever.

Willber Rodrigues
Willber Rodrigues
1 ano atrás

Hoje em dia uma operação em larga escala de PQD’s ainda é viável, ou o avanço de S.A.M’s e AAA tornam isso impossível?

Joao Moita Jr
Joao Moita Jr
Reply to  Willber Rodrigues
1 ano atrás

Sim é muito possível. Países como o Brasil por exemplo, de território gigantesco e defesa aérea quase inexistente são campo fértil para tais operações.

VITOR
VITOR
1 ano atrás

so lembro dos episodios de band of brothers

Defensor da liberdade
Defensor da liberdade
Reply to  VITOR
1 ano atrás

Muita coisa fora da realidade aquela série. Tem uma cena que o capitão lá cujo nome não lembro mata sozinho uns 50 alemães num lamaçal, e os alemães só faziam correr. Acho que nem numa luta contra volkssturm uma coisa dessa aconteceria.

Mauro Gardusi
Mauro Gardusi
Reply to  Defensor da liberdade
1 ano atrás

Sugiro ler o livro (que é fantástico) e terá uma visão melhor desse ponto em particular

Defensor da liberdade
Defensor da liberdade
Reply to  Defensor da liberdade
1 ano atrás

É esse mesmo. Matou mais que o Rambo.

Alexandre Pessoa
Alexandre Pessoa
Reply to  Defensor da liberdade
1 ano atrás

Reitero a sugestão de leitura do livro. Até hoje a manobra do Capitão Winters consta nos manuais de campo da infantaria americana.

LucianoSR71
LucianoSR71
1 ano atrás

Essa operação talvez seja o maior exemplo do lado pouco conhecido da 2ªGM ( mas não apenas dela ): o jogo sórdido pelo poder e prestígio vitaminados pela vaidade e estrelismo de muito dos que tinham algum tipo de poder dentro da máquina política-militar. Na Inglaterra, por exemplo, dentro área de inteligência – espionagem, contraespionagem e guerrilha nos territórios ocupados, houve sabotagem de uma das alas, não informando que a rede de agentes do SOE na Holanda fora descoberta e que as mensagens que eles recebiam solicitando o envio mais agentes e recursos eram na verdade ditadas pelos alemães, tudo… Read more »

AUGUSTO
AUGUSTO
Reply to  LucianoSR71
1 ano atrás

No filme, o General Polonês coloca a verdade dos fatos e a irresponsabilidade da operação no tempo e pelo material disponível. Tem o aspecto também da força blindada inglesa, que a despeito dos pedidos do General Americano, para que avançassem, permaneceu parada enquanto os paraquedistas ingleses eram derrotados. Acredito que essa é a verdade que subliminarmente o filme tenta passar, não sendo mais clara em respeito a memória heroica do Monty

LucianoSR71
LucianoSR71
Reply to  AUGUSTO
1 ano atrás

Augusto, houve até problema c/ os rádios, que, salvo engano, trabalhavam em frequências diferentes e portanto não comunicavam entre si, impedindo a coordenação de forças.
Outra triste consequência dessa operação foi que as forças de resistência se sublevaram acreditando que esse era o momento da derrocada dos alemães – até os ferroviários fizeram greve p/ ajudar os Aliados, mas c/ o fracasso a vingança sobre a população foi terrível, os alemães cortaram o suprimento de alimentos e muitos morreram de fome em Amsterdã.

Tio Velho Comuna
Tio Velho Comuna
1 ano atrás

Montegomery até que não era tão mau general! Mas suas grandes vitórias só se deram quando ele tinha expressiva vantagem sob os adversários!

Matheus Santiago
Matheus Santiago
Reply to  Tio Velho Comuna
1 ano atrás

“ele tinha expressiva vantagem sob os adversários” Engraçado. Uma vez eu li em um livro onde o coronel do exército americano, David Hackworth, relembrou um episódio que resume como os alemães viam as tropas americanas. Como um jovem soldado, guardando um campo de prisioneiros de guerra em 1946, ele ironicamente perguntou a um tenente alemão capturado em Salerno: “Bem, se você é tão durão, se você é todo super-homem, como é que você está aqui capturado? E eu estou te protegendo? ” O oficial alemão, que falava inglês perfeito, calmamente respondeu: “Bem, é assim: eu estava nessa colina como um… Read more »

Carvalho
Carvalho
Reply to  Matheus Santiago
1 ano atrás

Muito boa a A história sobre os americanos não ficarem sem tanques !
Li que havia uma brincadeira entre tanquistas alemães na Normandia, que se ressentiam de não poder ter cobertura aérea;
“ se vc olhar para o céu e ver bombardeiros em altitude….é a força aérea americana..
Se vc olhar e ver caças bombardeiros….é a RAF….
Se vc olhar e não ver nada….é a Luftwaffe !!!

Matheus Santiago
Matheus Santiago
Reply to  Carvalho
1 ano atrás

Muitos ficaram frustrados com o modo americano de guerra, especialmente os oficiais que não podiam invocar os recursos que o inimigo podia. O soldado comum ficou aborrecido porque a infantaria americana se recusou a “lutar de maneira justa” e se baseou fortemente na artilharia(altamente elogiado pelos oficias alemães) e no poder aéreo para abrandar a resistência. Os americanos eram mais ousados que os cautelosos britânicos, mas não atacavam de forma imprudente no ataque, nem avançavam implacavelmente como os russos, sofrendo enormes baixas no processo. A doutrina do Exército dos EUA para unidades em todos os níveis era o que eles… Read more »

Joao Moita Jr
Joao Moita Jr
Reply to  Matheus Santiago
1 ano atrás

Como por exemplo, em Kasserine Pass.

Tio Velho Comuna
Tio Velho Comuna
Reply to  Matheus Santiago
1 ano atrás

Agradeço ao camarada Matheus e demais camaradas por compartilharem esses episódios da II Guerra Mundial; assunto do qual sempre tenho ávida curiosidade

Furagelo
Furagelo
Reply to  Matheus Santiago
1 ano atrás

“Nuts”…

Joao Moita Jr
Joao Moita Jr
Reply to  Tio Velho Comuna
1 ano atrás

Exatamente. Como na África Do Norte, quando Rommel ficou isolado, pela total falta de suprimentos da Europa.

Cadu
Cadu
Reply to  Tio Velho Comuna
1 ano atrás

Não entendo o povo aqui, “vitória quando tinha vantagem”. A logística faz parte da guerra, e é vital. Os aliados tinha uma capacidade logística e industrial superior e se aproveitaram disso. Querem que eles combinem com os Alemães a quantidade de homens e equipamentos? Os alemães gastaram bastante tempo(até os últimos meses da guerra) a transportarem judeus para campos de concentração,inclusive dando preferência a esse tipo de transporte ao invés de suprimentos as tropas em campo. Fora a interferência de Hitler sobre as questões militares e uma aliança pouco sólida(principalmente em relação aos aliados). Deixando claro, os alemães historicamente sempre… Read more »

Plinio Jr
Plinio Jr
1 ano atrás

Um grande erro da inteligência aliada que subestimou os efetivos alemães na região e o resultado foi catastrófico para os aliados….

Joao Moita Jr
Joao Moita Jr
Reply to  Plinio Jr
1 ano atrás

Acontece que os “agentes aliados” na Holanda estavam faz muito tempo trabalhando para a OKW, fazendo um belo trabalho de contra-inteligência e desinformação. O resultado foi o que já conhecemos.

alexandre
alexandre
1 ano atrás

Monty era arrogante, Paton foi o grande trator dos aliados, tanto que quando guerra acabou, ele se foi, um dos grandes homens do seculo XX..

alexandre
alexandre
Reply to  alexandre
1 ano atrás

sim que ele sacrificou 300 para salvar o seu cunhado Coronel, atras das linha inimigas, Montgomery só atuava, quando tinha superioridade numérica, levou um baile de Rommel e de Model na guerra, se tivessem dado o combustível e suprimentos pro Patton, ele chegaria as portas de Berlim , inclusive deram tempo para os alemães reagruparem suas defesas, quantas vidas Patton salvou ? Bradley era menos explosivo e aceitava a politica….na verdade parece que aliados nunca viram os alemães como inimigos e sim Hitler, nunca foi o objetivo de aniquilar o exercito alemão, mas Hitler e a SS…..

Matheus Santiago
Matheus Santiago
Reply to  alexandre
1 ano atrás

Os Aliados em geral se utilizavam de superioridade numérica, principalmente os soviéticos. Os americanos além da superioridade numérica, detinha também a superioridade material. Patton nunca conseguiria libertar Bastogne sem as vantagens tecnológicas do Exército norte-americano, ele tinha enorme apreço a isso a favor dele, uma coisa que os alemães nunca tiveram em toda guerra. Como sempre gostam de usar a versão da falta de combustível para argumentar a favor de Patton sobre a paralisação do 3º Exército perto do rio Mosela, do lado de fora de Metz. A ofensiva de Patton parou em 31 de agosto de 1944. A ofensiva… Read more »

Matheus Santiago
Matheus Santiago
Reply to  alexandre
1 ano atrás

A “Task Force Baum” foi um verdadeiro desastre operacional. Não há desculpa para o que foi feito.

Defensor da liberdade
Defensor da liberdade
1 ano atrás

Rapaz a máquina de guerra alemã era impressionante, os caras eram bons no ataque e na defesa. Hoje pagam pau para Israel, mas a Alemanha ainda continua sendo o maior exemplo de como desempenhar a arte da guerra. Os generais alemães fizeram história na guerra Franco-prussiana, primeira e segunda guerra mundial. Na segunda guerra mundial me impressionam as façanhas de Rommel e sua divisão fantasma, do forte Eben Emael subjugado por 80 paraquedistas alemães; As façanhas de Mainstein, de Michael Wittmann que destruiu 10 tanques aliados em 10 minutos, e Adolf Galland e Eric Hartmann que foram grandes ases da… Read more »

Alfa BR
Alfa BR
Reply to  Defensor da liberdade
1 ano atrás

Engraçado que Rommel foi derrotado por Montgomery no Norte da Africa.

Defensor da liberdade
Defensor da liberdade
Reply to  Alfa BR
1 ano atrás

Com os poucos recursos que tinha Rommel fez foi muito, os britânicos quase foram derrotados por um exército menor e mal equipado.

Joao Moita Jr
Joao Moita Jr
Reply to  Defensor da liberdade
1 ano atrás

Não é por nada que os britânicos o apelidaram The Desert Fox, e quando o mesmo faleceu eles mesmos prestaram homenagem ao valoroso e honrado estrategista.

Defensor da liberdade
Defensor da liberdade
Reply to  Joao Moita Jr
1 ano atrás

Valoroso mesmo, era bem visto entre as tropas de baixa patente, comandava na frente, ao lado dos soldados, um exemplo de liderança, tratava bem até os prisioneiros de guerra, e isso irritava profundamente seus desafetos.

Soube de um relato de um oficial inglês no cativeiro, que foi reclamar com Rommel da qualidade da água que era servida aos prisioneiros. Rommel respondeu “meus homens estão bebendo a mesma água”, não necessariamente nestas palavras.

Alfa BR
Alfa BR
Reply to  Alfa BR
1 ano atrás

Rommel não se ligava muito a suas limitações logísticas. Era um exímio tático, conseguindo rápidas vitorias pela manobra, mas que eram revertidas pelos contra-ataques britânicos, pois sua cadeia logística acabava sempre muito distendida. Uma queda de braço contínua, beirando o impasse.

Montgomery não realizou vitórias rápidas e grandes avanços em curto período de tempo. Sua estratégia priorizou um avanço mais lento mas sempre em frente que culminou na derrota alemã.

Joao Moita Jr
Joao Moita Jr
Reply to  Alfa BR
1 ano atrás

Ajudado muito, claro, pela total supremacia aérea aliada, pelo desembarque do US Army na África do Norte e na Sicília, assim como a chuva torrencial de suprimentos sem fim provenientes da Fortress América. Estive lendo uma biografia de um soldado alemão, que ao ser capturado pelos aliados, observou como centenas de tanques, jeeps e caminhões eram mantidos pelas tropas o dia inteiro com os motores ligados, quando os alemães tratavam o combustível com muito mais cuidado, e o desperdício de sequer uma gota era visto como pecado capital. Curioso, ele perguntou em inglês a um soldado americano a razão desse… Read more »

Joao Moita Jr
Joao Moita Jr
Reply to  Defensor da liberdade
1 ano atrás

E Otto Skorzeny, com seu ousado resgate do Ducce do pico de uma montanha. Assim como os incríveis e impossíveis contra ataques da Waffen SS na Rússia, aonde únicos batalhões seguravam e até derrotavam divisões soviéticas muito bem equipadas.
Quem quiser o livro Campaign In Russia, do incrível Leon Degrelle grátis me passa seu e-mail. Aqui tenho uma cópia desse livro quase impossível de encontrar, em PDF e inglês.

Matheus Santiago
Matheus Santiago
Reply to  Joao Moita Jr
1 ano atrás

A batalha por Berlim foi brutal, com destaque para os portões de Berlim nas montanhas Seelow, na qual o general alemão Gotthard Heinrici heroicamente resistiu com 100 mil soldados um ataque de Zhukov com mais de 1 milhão de soldados russos. Gotthard Heinrici aguentou firmemente por 4 dias, destruindo 2 mil veículos blindados do exército vermelho, enquanto Gotthard não perdeu nem 100 tanques pesados.

Matheus Santiago
Matheus Santiago
Reply to  Matheus Santiago
1 ano atrás

É impressionante a resistência alemã para realizar um esforço titânico para tentar paralisar os russos. Acho que os comandantes alemães pensaram que poderiam resistir igual ao Frederico II, durante a Guerra dos Sete Anos, resistindo com sucesso, os esforços combinados da França, da Áustria e da Rússia.

Camargoer
Reply to  Joao Moita Jr
1 ano atrás

ola João. Fica meio complicado passar o e-mail nos tempos atuais… Será que o Galante não faria um post com um link para download?

smichtt
smichtt
Reply to  Defensor da liberdade
1 ano atrás

Meu pai sempre me dizia que não se conformava como os alemães tinham perdido a guerra. Ele foi testemunha ocular do ocorrido na Itália. Mais precisamente em Pisa, ao lado do Rio Serchio. Ele dizia que a disciplina e a inteligência da Wehrmacht era incomparável com a das tropas americanas.

Camargoer
Camargoer
Reply to  smichtt
1 ano atrás

Caro Smicht. A URSS tinha muito mais soldados do que a Alemanha. A partir de uma certa proporção, a vantagem numérica supera a vantagem tecnológica (quem assistiu “Tropas Estelares” lembra bem). O exército soviético era menos treinado, mas tinha algumas vantagens tecnológicas (o T34 por exemplo). A capacidade industrial da URSS ficou preservada enquanto que a Alemanha foi bastante prejudicada. A Inglaterra tinha uma grande base industrial com mão-de-obra nacionalista e motivada (parte da mão-de-obra na Alemanha era de escravos ou prisioneiros). Os EUA tinham uma grande base industrial que foi ampliada durante a guerra, tinha algumas vantagens tecnológicas e… Read more »

smichtt
smichtt
Reply to  Camargoer
1 ano atrás

Caro Camargoer,

É verdade, todos estamos cientes das vantagens econômicas e populacionais dos aliados. eu me referia apenas à percepção de meu pai sobre a disciplina dos soldados alemães, além de sua engenhosidade na utilização dos parcos recursos que tinham.
Obrigado pela resposta. Abc

Camargoer
Camargoer
Reply to  smichtt
1 ano atrás

Olá Smchtt. Acabei de ler o livro “Catástrofe”, sobre Grande Guerra. O autor menciona que o exército de Guilherme II foi o herdeiro da tradição militar da Prússia. Esse exército era o melhor equipado e melhor treinado da Europa, mas seus generais eram iguais aos generais da Inglaterra e França em qualidade e defeitos. Tenho a impressão que o exército da Alemanha na II Guerra manteve essa tradição do antigo exército da Prússia de muito treinamento, disciplina e bons equipamentos. Parece que novamente os soldados alemães eram muito melhores que seus comandantes.

smichtt
smichtt
Reply to  Camargoer
1 ano atrás

Olá Camargoer,

O Hastings é muito conhecido no meio. Outro livro dele muito bom é “Inferno”, acho que a melhor bibliografia de um só fôlego sobre o conflito traduzida para o português até agora. Se quiser voos mais altos, leia “A World at Arms: A Global History of World War II” by Gerhard L. Weinberg.
Abc

Camargoer
Camargoer
Reply to  smichtt
1 ano atrás

Olá Smichtt. Estou lendo O tratado de Versalhes” agora… “Inferno” está na minha mesa. Sera o próximo. Obrigado pela sugestão. Gostei bastante do “A primeira guerra mundial” da M.MacMillan (infelizmente a editora economizou na revisão do texto, mas se você ignorar isso e focar no assunto e contexto histórico, é bem legal).

nonato
nonato
1 ano atrás

Há um erro de português no primeiro parágrafo

Binho
Binho
1 ano atrás

Essa operação foi uma das maiores lambanças da guerra, quase igual a tomada de Kreta quando os alemães deveriam ter tomado Malta ou invasão das Channel Islands.

nonato
nonato
1 ano atrás

Essa matéria tem a ver com estratégia militar, a qual considero poderia ser dada mais ênfase. Nessa operação, há algumas questões que não compreendo. Primeiro: qual era o objetivo? Chegar em Berlim cortando caminho? Como você faz uma invasão aerotransportada na presença de aviões de caça e artilharia antiaérea? Qual a diferença entre invadir de navio, de paraquedas neste local ou de paraquedas mais adiante? Por que não descer direto em Berlim? De onde e como viriam essas outras forças terrestres que não vieram de avião? Qual a estratégia para ganharmos essa batalha? Cercar o inimigo? Vencê-lo com superioridade numérica,… Read more »

Defensor da liberdade
Defensor da liberdade
Reply to  nonato
1 ano atrás

Se eles tivessem pousado em Berlim teriam sido trucidados, pois haviam 900 mil defensores e uma parafernália de Tigers, Panzers, Panthers e Stugs para recepciona-los.

Agnelo
Agnelo
Reply to  nonato
1 ano atrás

Prezado Normalmente, rios são obstáculos utilizados para impedir o avanço do inimigo. Sobre os rios se baseiam muito posições defensivas (dependendo do terreno). Uma transposição de Curso d´agua defendido por um inimigo é uma das operações mais dificeis e complexas em uma campanha terrestre. Para que os aliados chegassem a Alemanha rapidamente, a ideia foi garantir que importantes pontes fossem mantidas, para que as forças Bld pudessem passar por elas e prosseguir em campanha terrestre. Vc faz uma invasão aeroterrestre utilizando seus caças para manter a superioridade aérea na hora do lançamento. Suprime as Def AAe com ataques de aviação,… Read more »

nonato
nonato
Reply to  nonato
1 ano atrás

Como podem pessoas negativar um comentário desses, apresentando informações valiosas?

Colombelli
Colombelli
Reply to  nonato
1 ano atrás

É os meus “fãs” Nonato. Bem facil descobrir quem são. Deixa eles. Não vale a pena perder tempo com eles. Estou a mais de 10 anos aqui e vou continuar debatendo com colegas como voce. Trazendo.informação e aprendendo também.

nonato
nonato
Reply to  Colombelli
1 ano atrás

Obrigado pela atenção e cordialidade. Acho que na trilogia estratégias militares poderiam ser mais bem exploradas até porque é o objetivo final de um sistema de defesa. Para quem é militar pode parecer “bobagem”. Mas se é assunto tão simples e dominado por tantos, não os vejo debater a respeito. Lembro de um colega que já foi da marinha e que gostava de contar “causos” ou curiosidades. Uma delas foi sobre combates no Pacífico, se não me engano, batalha de Midway, sobre as vantagens e desvantagens de estar de frente ou de lado (não sei a termologia técnica) numa batalha… Read more »

Camargoer
Reply to  Colombelli
1 ano atrás

Ola Colombelli. Ignore e relaxe. Uma vez alguém apelidou esses fãs de “haters de estimação”. Eles são barulhenta e bicam a ponta dos dedos daqueles que os alimentam. O mais chato mesmo é que a gente tem que lavar o poleiro onde eles ficam quase todo dia.

Camargoer
Reply to  Camargoer
1 ano atrás

Ola Colombelli. Também acho que tenho sorte em ler os seus comentários e de outros colegas militares e ex-militares. Acho que a trilogia é uma grande oportunidade de aprender com vocês coisas que não tive oportunidade de vivenciar.

Marcelo Danton
Marcelo Danton
1 ano atrás

Para variar sempre dão um jeitinho de transformar derrotas em alguma “vitória”. O que começa a dar a impressão é que também se utilizaram em esgotar a munição alemã com corpos de soldados…CLARO que não na proporção que os Russos fizeram, mas que usaram essa tática usaram.

Alfa BR
Alfa BR
Reply to  Marcelo Danton
1 ano atrás

A Batalha de Arnhem foi uma derrota. A operação Market Garden uma falha operacional (pois não atingiram os objetivos previstos). Porém o saldo final foi de terreno ganho para os Aliados.

DanielJr
DanielJr
1 ano atrás

Meio que Off-Topic, mas a Rússia fez um treinamento em certa parte parecido esses tempos, chamado de Center-2019. 71 IL-76 lançaram paraquedistas, veículos e outras coisas. Parece que 2 blindados não tiveram o paraquedas aberto e caíram direto.

https://www.youtube.com/watch?v=_HztjEjVvB8

https://www.youtube.com/watch?v=MugvRGzqk88

Joao Moita Jr
Joao Moita Jr
Reply to  DanielJr
1 ano atrás

Na Itália tivemos um incidente parecido em 2017, aonde o para quedas não abriu e 3 Humvees foram destruídos.
Parecia acidente, mas depois da investigação um sargento foi preso por ter feito isso de propósito.

DanielJr
DanielJr
Reply to  Joao Moita Jr
1 ano atrás

Isso é que é chamar a atenção. Foi esclarecido qual foi a motivação dele ?

joao moita jr
joao moita jr
Reply to  Joao Moita Jr
1 ano atrás

A motivação??? Fazer um video legal e colocar no Youtube. Essa nova geração…

Marcelo Andrade
Marcelo Andrade
1 ano atrás

Cara! Esse filme é espetacular! Música, fotografia, elenco que não se junta mais hoje em dia!! Quem quiser assistir está de graça no Youtube legendado!! Para mim, um dos melhores filmes de guerra que já assisti! A cena do “fogo de barragem” diante do avanço dos tanques aliados, comandados por Michael Caine é de tirar o fôlego até para os padrões de hoje!.

Camargoer
Camargoer
Reply to  Marcelo Andrade
1 ano atrás

Olá Marcelo. Concordo. Fiz a mesma sugestão de assisti-lo no YouTube legendado…. agora só assisto o filme de madrugada, senão minha esposa fica implicando “de novo esse filme?”

Joao Moita Jr
Joao Moita Jr
Reply to  Camargoer
1 ano atrás

Exatamente isso acontece na minha casa quando assisto pela enésima vez Cross Of Iron, com James Coburn no papel de Sargento Steiner na Rússia.
O outro dia mesmo, ouvi…Damn!!! Again, this movie???😉

Marcelo Andrade
Marcelo Andrade
Reply to  Camargoer
1 ano atrás

kkkkk eu te entendo!!! Faço isso com “Operação Valquíria” não me canso de assistir! Aqueles momentos da História do famoso “E se….”

tadeu54
1 ano atrás

Muito de fala de Monty, Ike, Patton, vou dar meu palpite também : Em minha modesta opinião, o comandante mais competente da II GM foi Yamashida ! Desembarcou na Malásia em 08/12/1941 com 30.000 homens, varreu a península, capturou, feriu e matou 85.000 homens do Império Britânico, em 04/02/1942 Percival se rendeu, foram pouco mais de 2 meses ! Mas a inveja + burrice humana não conhece fronteiras não é mesmo ? Tojo enciumado removeu o brilhante general para um comando secundário na Mandchuria, Yamashida só voltaria à linha de frente no 2º semestre de 1944, a Força Aeronaval japonesa… Read more »

Dr. Mundico
Dr. Mundico
1 ano atrás

Nada me tira da cabeça que o bom comandante deve confiar mais na fraqueza do seu adversário do que no poder das suas próprias tropas. Conhecer e avaliar a fraqueza do adversário talvez seja o maior desafio do bom comandante, pois quase sempre ele será levado a subestimar o adversário e inferir uma situação irreal e desconexa. O problema é que quanto mais se conhece a fraqueza do adversário, menos se deve acreditar nele.

Fábio
Fábio
1 ano atrás

História Simplismente Fantastica

tadeu54
1 ano atrás

Muito se fala de Monty, Ike, Rommel, Manstein e Patton, porém vou dar meu palpite aqui:
Para mim o comandante mais competente da 2ª GM foi Yamashida.
Desembarcou na Malásia em 08/12/1941 e em pouco mais de 2 meses matou, feriu e capturou mais de 85.000 soldados do Império Britânico, Percival se rendeu em 04/02/1942.

tadeu54
1 ano atrás

Mas a inveja é universal, e o Império do Japão não era exceção: Tojo enciumado afastou Yamashida de seu comando, ele ficou mais de 2 anos num comando secundário na Mandchuria, afastado da frente de batalha.

tadeu54
1 ano atrás

No 2º semestre de 1944 Tojo havia se demitido após o desastre de Saipan, a Marinha Imperial já não tinha nenhuma capacidade ofensiva com seus poucos porta-aviões que restavam, e Yamashida foi chamado para assumir a defesa das Filipinas, chegou ao arquipélago alguns dias antes da invasão de MacArthur.

tadeu54
1 ano atrás

Claro que a avalanche americana não poderia ser detida, os americanos controlavam o ar, o mar e suas tropas estavam muito bem treinadas e equipadas, Yamashida recuou para o norte, lá resistiu retendo várias divisões americanas até o final da guerra, foi o único general japonês a conseguir tal feito.

tadeu54
1 ano atrás

Finda a guerra MacArthur também enciumado arranjou uma corte marcial para julgar Yamashida, acusou-o de:
1 – Massacrar prisioneiros ingleses num hospital da Malásia em 1942, porém ao saber do caso Yamashida julgou, condenou e enforcou o oficial japonês responsável pelo setor onde ocorreu o crime, queriam que ele ressuscitasse os prisioneiros também ?
2 – Destruir Manila numa atroz batalha de rua, porém o comandante local era um almirante da Marinha Imperial, não preciso nem dizer a rivalidade exacerbada entre Exército e Marinha japoneses na II GM.

tadeu54
1 ano atrás

MacArthur conseguiu condenar o general japonês à forca, os advogados de defesa ( militares americanos ) apelaram da sentença, foram até Truman, mas nada conseguiram, e a sentença foi cumprida.
Velho ditado romano e gaulês: ” Ai dos vencidos ! “

nflopes
nflopes
1 ano atrás

Por tudo que li até hoje, o general Montgomery era um fracasso; no Egito, enquanto não obteve uma ampla supremacia em armas e tropas, não atacou Rommel. debilitado por falta de suprimentos. Market Garden foi um fracasso, além de prejudicar a ofensiva americana, pois combustível foi disponibilizado para esta ofensiva. Tinha a missão de conquistar Antuérpia para servir como porto para os aliados; conquistou a cidade, o que de nada adiantou pois não se preocupou em conquistar a foz, que estava com os alemães.