Home Guerra Urbana TJSP entrega 17 fuzis para forças de segurança e um para o...

TJSP entrega 17 fuzis para forças de segurança e um para o Exército

4945
71

O Tribunal de Justiça de São Paulo entregou 18 fuzis para as forças de segurança e forças armadas – 5 para a Polícia Civil, 12 para a Polícia Militar e um para o Exército, esse calibre .50. As armas, todas de grosso calibre, foram apreendidas em processos criminais na Capital e no Interior e, agora, serão utilizadas a serviço da sociedade. A assinatura do termo de entrega dos fuzis ocorreu hoje (24) no gabinete do presidente do TJSP, desembargador Manoel de Queiroz Pereira Calças, com a presença do secretário de Segurança Pública do Estado de São Paulo, general João Camilo Pires de Campos, e do comandante da 2ª Região Militar do Comando Militar do Sudeste, general de divisão João Chalella Júnior.

O presidente Pereira Calças lembrou que essa foi a segunda vez que o TJSP disponibilizou armas de maior potencial lesivo para a segurança. Na primeira, em 2017, foram doados 37 fuzis. “Foi um trabalho iniciado quando eu atuava como corregedor-geral da Justiça e que prossegue com o atual corregedor, desembargador Geraldo Pinheiro Franco, aqui presente”, disse. Ele explicou que a entrega das armas foi possível graças à atuação conjunta das instituições e à dedicação de vários profissionais que estavam presentes e que fez questão de agradecer.

Pereira Calças também falou sobre a retirada de armas dos fóruns do Estado, trabalho iniciado em 2017, e citou números: 2.314 armas restituídas à Polícia Militar; 41.017 armas destruídas; 144.970 munições destruídas e três mil quilos de insumos destruídos (projéteis, pólvora etc.). Por fim, destacou a importância do ato para a segurança do povo paulista: “Retiramos esse armamento da marginalidade e ele será usado para combater a marginalidade. Ou seja, esse trabalho faz com que a população receba em dobro o que a polícia faz em prol da segurança pública”.

O secretário estadual de Segurança Pública afirmou que já havia participado de outras ações de entrega e destruição de armas quando atuava como comandante militar do sudeste. “Hoje participo recebendo esses fuzis. A grande maioria das armas apreendidas em processos deve ser destruída, mas algumas podem ser reaproveitadas, o que é uma quebra de paradigma”, disse o general Campos. E completou: “É com muita satisfação que a Secretaria de Segurança Pública acolhe esse armamento. Nós precisamos proteger os policias que nos protegem e essa é uma ajuda substancial, de valor realmente vultoso e que vem ao encontro daquilo que precisamos: fortalecer o nosso sistema para que a população bandeirante esteja protegida”.

O general de divisão João Chalella Júnior falou em nome do Exército. Ele ressaltou que a cerimônia de entrega foi bastante significativa, porque colocou o armamento nas mãos de “homens que sabem proteger”. “O Exército recebe hoje um fuzil modelo .50, uma arma de alta precisão e que as nossas tropas estão preparadas para utilizá-lo em operações, com um dano colateral muito menor.”

Também participaram do evento o vice-presidente do TJSP, desembargador Artur Marques da Silva Filho; o corregedor-geral da Justiça, desembargador Geraldo Francisco Pinheiro Franco; o presidente da Seção de Direito Criminal do TJSP, desembargador Fernando Antonio Torres Garcia; o comandante-geral da Polícia Militar de São Paulo, coronel PM Marcelo Vieira Salles; o delegado-geral de Polícia do Estado, Ruy Ferraz Fontes; o presidente da Comissão de Segurança Pessoal dos Magistrados, desembargador Roberto Caruso Costabile e Solimene; os desembargadores José Damião Pinheiro Machado Cogan, James Alberto Siano e Edison Aparecido Brandão; a juíza substituta em Segundo Grau Ivana David; o juiz diretor do Complexo Judiciário da Barra Funda, Paulo de Almeida Sorci; o deputado estadual delegado Olim; o chefe da Assessoria Policial Militar do TJSP, coronel PM Sergio Ricardo Moretti; o chefe da Assessoria Policial Civil do TJSP, delegado Fábio Augusto Pinto; o chefe do Centro de Material Bélico da Polícia Militar do Estado de São Paulo, tenente coronel PM Marco Aurélio Valério; os policiais militares que trabalharam para viabilizar a entrega das armas 1º tenente Cristiano Tonon, 1º sargento Marcelo Luiz de Oliveira, cabo Danilo Costa Gaspar e cabo Paulo Sérgio Chendi; demais magistrados; servidores; integrantes das forças de segurança pública e das forças armadas.

FONTE: Comunicação Social TJSP – CA (texto) / AC (foto)

COLABOROU: MBP

Subscribe
Notify of
guest
71 Comentários
oldest
newest most voted
Inline Feedbacks
View all comments
Ricardo
Ricardo
1 ano atrás

Que mais armas, munições, equipamentos, imóveis, dinheiro e qualquer recurso apreendido volte para sociedade como forma de compensar ou economizar recurso público.

Leandro Costa
Leandro Costa
1 ano atrás

Armamento apreendido TEM que ir para as mãos do Estado. Seja na mão de polícias ou militares. E acho que isso tem sido feito já a bastante tempo, se não me engano.

Além disso, infelizmente muitas também são destruídas. O EB tem pilhas e pilhas e pilhas de armamento antigo, muitos em excelente estado, que valeriam uma nota preta em qualquer leilão de colecionadores lá na gringolândia, e infelizmente, acho que por força de lei, não pode se desfazer deles dessa forma para ganhar uma graninha extra. Com sorte, alguns desses armamentos são direcionados à museus.

Kommander
Reply to  Leandro Costa
1 ano atrás

A legislação do próprio EB que é protecionista as industrias brasileiras, não os deixa usar as armas. Vide as polícias que lutaram por anos para poderem comprar amamento de fora e usar certos calibres.

Agnelo
Agnelo
Reply to  Leandro Costa
1 ano atrás

Prezado Um armamento utilizado, no Exército, por exemplo, tem toda sua “vida” registrada. Isso influencia em uma diagonal de manutenção de vários escalões, para os quais tem de se prever $$ a longo prazo, inclusive a formação de pessoal e aquisição/fabricação de peças. Quando uma arma vem “sei lá de onde”, quantos tiros deu? Até quando terá peças pra ela? Suas características se adaptam a nossa doutrina (seu alcance atenderá as diretrizes para fogos longíncuos, dewfensivos aproximados, de proteção final etc? por exempĺo) infelizmente, não é tão simples. Não é só comprar mun pra ela, desmontar em 1º ou 2º… Read more »

Leandro Costa
Leandro Costa
Reply to  Agnelo
1 ano atrás

Entendo isso, Agnelo, mas ainda assim o EB ou as Polícias (Federais ou Estaduais) são as instituições mais balizadas para efetuar testes e, se julgarem oportuno, adotar ou se desfazerem do armamento em questão de forma correta, tudo perfeitamente registrado, etc.

Ninguém em pleno uso de suas faculdades mentais faria qualquer tipo de planejamento de dotação de armamento baseado em armamento apreendido.

Rodrigo Martins Ferreira
Rodrigo Martins Ferreira
Reply to  Agnelo
1 ano atrás

Uma coisa é a utilização pelas FFAA e outra pela polícia..

as armas na polícia são bem mais utilizadas que nas FFAA vão durar menos e precisam ser substituídas com frequência bem maior.

A PCESP já utilizou acautelamento de armas pelos agentes muitos anos atrás e foi uma experência bem positiva.

Gordo
Gordo
1 ano atrás

Esses fuzis trazem um pouco de alivio, mas a efetividade do combate ao crime se da a partir do trabalho de inteligência investigando a lavagem de dinheiro e com isso pegando os peixes graudos, que muitas vezes estão nos ditos grandes círculos sociais. Quem troca tiros com a polícia é aquele pessoal substituível que serve apenas para revender no varejo.

Alexandre ziviani
Alexandre ziviani
Reply to  Gordo
1 ano atrás

Correto,mas uma AR 15 e AK 47 apreendida e doada faz muita diferença em face dos Parafal que trava toda hora,muitas vezes em confronto.

Carlos
Carlos
Reply to  Alexandre ziviani
1 ano atrás

Taurus ganhou a Licitação e a POLICIA CÍVIL de SÃO PAULO , vai de FUZIS T-4 da TAURUS 24/09/19

Rodrigo
Rodrigo
Reply to  Carlos
1 ano atrás

Será que vai se arrepender?
A PMSP teve maior prejuízo com a Taurus e decidiu por um fuzil gringo.

paulof
paulof
Reply to  Rodrigo
1 ano atrás

Beretta ARX160

Carlos
Carlos
Reply to  paulof
1 ano atrás

1 .000 ARX 200 BERETTA
300 ARX 160 BERETTA

Peter nine nine
Peter nine nine
Reply to  Carlos
1 ano atrás

Vou ser sincero, odeio essa Beretta, o jeito da arma mete me fastio só de olhar para ela

Kommander
Reply to  Rodrigo
1 ano atrás

É… Acho que PCSP não aprendeu com a tormenta que PM passou com as armas da Taurus. Espero que tenham melhorado o nível do armamento, senão será um tiro no pé da Polícia Civil.

Alexandre ziviani
Alexandre ziviani
1 ano atrás

Olha,o que de M4 e .50 barett apreendido dando sopa por aí !!!

rdx
rdx
1 ano atrás

Não sabe nada mesmo. Eu disse que a PMERJ (Rio de Janeiro) não emprega armas apreendidas e você em mais um show de contorcionismo verbal e desonestidade intelectual cita um fato envolvendo uma PM de outro estado.

Flanker
Flanker
Reply to  rdx
1 ano atrás

Não tengo nada a ver com a briga de vocês, mas se a PMERJ não usa armas que foram apreendidas e, no mínimo, burrice….de quem quer que seja o responsavel por isso!

rdx
rdx
Reply to  Flanker
1 ano atrás

Com raríssimas exceções, os fuzis usados pelas facções criminosas são versões civis (a maioria de qualidade duvidosa) comercializadas nos EUA….e quase todos apresentam algum tipo de dano ou deterioração. São dezenas de modelos AK-47, FAL, G3, AR-10 e principalmente AR-15 fabricados/montados por dezenas de empresas, nos calibres permitidos para o mercado civil estadunidense: .308, .223 e 7,62x39mm. Como fica o treinamento, a manutenção e o ressuprimento? Lembrando que as PMs são forças auxiliares e reservas do EB, ou seja, são obrigadas a usar os mesmos calibres da supracitada força singular (5,56 mm e 7,62 mm OTAN) por razões óbvias. Enfim,… Read more »

Agnelo
Agnelo
Reply to  rdx
1 ano atrás

Prezado
Realmente, esses motivos evidenciam o porque de não se utilizar arma apreendida.
O “ser reserva das FFAA”, não. São reservas, mas seriam empregadas com suas capacidades, onde não caberia emprego das FFAA.
Aumentariam o Patrulhamento ostensivo em áreas sensdíveis, por exemplo, fora da Zona de Combate.
Sds

horatio nelson
horatio nelson
Reply to  rdx
1 ano atrás

são obrigadas a usar os mesmos calibres da supracitada força singular por esse motivo as pms não usão ak e outras…apenas a civil usa calibres diferentes do eb…

rdx
rdx
Reply to  rdx
1 ano atrás

Continuo esperando do maior farsante do blog (um civil que foi, durante 3 anos, 3º SGT de cavalaria na década de 90) um pouco de honestidade intelectual e a prova de que a PMERJ usa armas apreendidas. Passar bem você também. Aliás, por que você ficou apenas 03 anos no EB?

Gilson
Gilson
Reply to  rdx
1 ano atrás

Pede para ele mostrar a folha de alterações….tem até cana !
Pede para explicar porque foi expulso do judiciário.

Gilson
Gilson
Reply to  Gilson
1 ano atrás

Colombelli
E o seu fetiche qual é?
Explique pq foi expulso do Judiciário, já que o salário é bem melhor do que o do EB.
Aproveite e explique a cadeia por atrito com oficial do 29 BIB

Gilson
Gilson
Reply to  rdx
1 ano atrás

_________

COMENTÁRIO APAGADO. A DISCUSSÃO DESCAMBOU PARA ATAQUES PESSOAIS. RDX, GILSON E COLOMBELLI PAREM COM OS ATAQUES OU SERÃO SUSPENSOS. LEIAM AS REGRAS DO BLOG. AVISO ÚNICO.

rdx
rdx
Reply to  rdx
1 ano atrás

Impressionante! Você não é capaz de escrever um post sem ser desrespeitoso….mas vou tentar sanar suas dúvidas. 1. Tenho experiência militar…só um pouquinho. rss 2. Frequento este espaço como entusiasta de armas e assuntos militares e não faço distinção entre civis e militares. Estou aqui para compartilhar minhas experiências/opiniões e aprender com todos 3. Em 1990 eu comprei a “Encyclopedia of Modern Military Weapons”. rss 4. Conheço a origem de todas as armas usadas pela PMERJ. A propósito, ela já usou armas apreendidas no passado (bem antes do tal decreto). Faz uns 10 anos que tal prática foi abandonada. Na… Read more »

Furagelo
Furagelo
1 ano atrás

Todas de grosso calibre (??) Kkk…a que ponto se chega…

Entusiasta Militar
Entusiasta Militar
1 ano atrás

Eu sou totalmente contra o uso de Fuzis pelas forças policiais por serem armas muito poderosas e muito letais quando usadas no ambiente urbano devido a possíveis danos laterais, então, seu uso devia ser restringido apenas para as unidades especiais das policias estaduais…

Rafael Oliveira
Rafael Oliveira
Reply to  Entusiasta Militar
1 ano atrás

Unidades especiais estão no quartel e somente são usadas em ocorrências “especiais” que foram planejadas ou que demoram tanto que elas conseguem chegar (cárcere privado, etc). Quem enfrenta quadrilhas de roubo a bancos ou traficantes armados com fuzis são os policiais “comuns”, que são enviados quando toca o 190. Mesmo assim, são raros esses enfrentamentos. Por mim, pelo menos metade dos policiais que vão para rua deveriam ter treinamento adequado com fuzis, mas ele ficaria na viatura e só seria usado nesse tipo de ocorrência mais grave. Não pode fazer igual a polícia do Rio que usa fuzil como se… Read more »

Heinz Guderian
Heinz Guderian
Reply to  Entusiasta Militar
1 ano atrás

Eu convido o senhor, a subir o complexo do alemão fardado com a farda da PM do RJ, com um revólver 38, ai quando você entrar em confronto me fala se queria mesmo está com o armamento menos potente como um 38, ou um fuzil com 30 munições automático e que tem um alcance efetivo do triplo( ou até mais) de um revólver. Abraços.

Doug385
Doug385
Reply to  Entusiasta Militar
1 ano atrás

No dia em que você subir um morro de 38 para enfrentar a bandidagem de fuzil essa sua idéia pode ter alguma valia.
O que seria dano lateral? É algum tipo de dano que ocorre do lado direito ou esquerdo, mas não no centro?

nonato
nonato
Reply to  Doug385
1 ano atrás

Pelo que entendi, somente subiriam o morro as unidades especiais
Não moro no Rio e nem sei como está a situação.
Como ficou a polícia pacificadora?
Contínua?
Que armamentos usam?

Lucas Schmitt
Reply to  Entusiasta Militar
1 ano atrás

Dano lateral tu forças a amizade…

Carlos
Carlos
Reply to  Lucas Schmitt
1 ano atrás

Kkkkkkkkk Demaisss

nonato
nonato
Reply to  Entusiasta Militar
1 ano atrás

Eu entendi a colocação do colega.
Não digo que concorde.
Mas entendi e tem lógica.
Tipo subir uma favela só com unidades especiais tipo bope etc.
Ou em São Paulo, a rota etc.
Faz sentido.
No patrulhamento normal usaria pistolas.
Acredito que dê certo modo já é assim. Ou não?
Seria o caso de não atirar em um motociclista que não parou na blitz com um fuzil.

Eduardo Henrique
Eduardo Henrique
Reply to  Entusiasta Militar
1 ano atrás

Venha conhecer as aprazíveis comunidades paulistanas denominadas Alba, Elba, Coréia,Vietnam, Arábia e Iraque…talvez o senhor terá um pouco do gosto amargo da guerra e não ficará dando opiniões sem conhecimento.
Unidade especial são os dois polícias do patrulhamento que podem trombar o demônio a qualquer instante em um dia de sv.

Diego
Diego
Reply to  Entusiasta Militar
1 ano atrás

Concordo, fuzil pra polícia preparada, no caso as especiais, aqueles que levam um susto e ja apertam o gatilho sem saber o alvo não está preparado. Pq? Pq depois mata inocentes a mídia cai em cima a comunidade fica contra, e aí a narrativa muda e só a força bruta não resolverá. Pq? Pq filhos e entornos de inocentes mortos terão ódio de polícia e o ciclo vai seguindo nunca conquistará a paz.

Rodrigo Martins Ferreira
Rodrigo Martins Ferreira
Reply to  Diego
1 ano atrás

E o vagabundo pode usar fuzil sem problema para você ?

Fácil ficar c….do regra com a sua b… no sofá..

Um aviso para vocês..

O Policial também é gente, também tem família e principalmente se morre não tem respawn.

Se as condições de SSP no Brasil exigem que o policial tenha o maior poder de fogo possível que assim seja, até os bandidos estarem totalmente desarmados.

Antonio Palhares
Antonio Palhares
Reply to  Entusiasta Militar
1 ano atrás

O senhor é a favor dos fuzis nas mãos dos bandidos ? Se sim, como os policiais podem enfrentá-los ?

JOSE CLAUDIO DA SILVA
JOSE CLAUDIO DA SILVA
Reply to  Entusiasta Militar
1 ano atrás

No mundo ideal, eu também sou contra policiais usarem fuzis, mas no mundo real, onde vivemos, eles são necessários. A polícia deve agir em superioridade, ou na pior das hipóteses, em igualdade de força. Atualmente, estamos em desvantagem. Acho que a cada duas viaturas de policiamento ostensivo, pelo menos uma deveria ter um fuzil. Mas os policiais deveriam ter o bom senso de utiliza-los, ou mesmo portá-los apenas quando fossem realmente necessários, por ser uma arma muito agressiva. Chega a ser cômico ver nossos policiais militares portando fuzis em portas de padarias, enquanto tomam seus cafés, ou com a bandoleira… Read more »

Ricardo
Ricardo
Reply to  Entusiasta Militar
1 ano atrás

A doutrina defendida não é absurda como muitos imaginam, pode-se, armar os agentes públicos conforme as áreas de atuação que estão mais expostos. Exemplo: unidades que estão em locais de baixa ocorrência de ações armadas com calibre de longo alcance ou poder de fogo não precisam de fuzil na viatura. Existem calibres que promovem poder de parada (energia) e alcance suficientes ou adequados a conflitos ambientes urbanos com efeitos colaterais mais controlados como por exemplo a penetração ou distância fora da área de conflito. O tema ou estudos são complexos e requerem estudo, inteligência e adequação constante das forças de… Read more »

Peter nine nine
Peter nine nine
Reply to  Entusiasta Militar
1 ano atrás

Entusiasta, eu não sou brasileiro, mas até eu sei que no Brasil é inviável essa sua ideia, bandido no Brasil tem acesso a armas, fuzis de polícia (FAL, m4…), AK’s, armas artesanais baseadas em plataformas de sucesso… Enfim… Só pistola não resolve.
Não sou fã de polícia constantemente equipada com armas de grande calibre, mas, no Brasil todas as patrulhas têm de ter pelo menos duas 5.56/7.62 na bagageira, ou polícias vão comessar a perder respeito diante de criminosos bem armados.

Kommander
1 ano atrás

Até que enfim essa justiça podre fez algo de útil.

Jagderband#44
Jagderband#44
1 ano atrás

Se eu fossemos um país sério, estas armas nem teriam parado na justiça. Seguiram diretamente para as forças de segurança do estado.

jagderband#44
jagderband#44
Reply to  Jagderband#44
1 ano atrás

Correções: “eu” e “seguiriam”

Delfim
Delfim
1 ano atrás

Sobre o uso de armas apreendidas… depende. Dos modelos das armas, seu estado de conservação, compatibilidade com munição, carregadores e outros componentes, etc.
Não é pq veio de graça que se aceita.

m. wolf
m. wolf
1 ano atrás

144.970 munições destruídas????? quero saber que lei arcaica não permite que sejam doadas as policias.

nonato
nonato
Reply to  m. wolf
1 ano atrás

Que que é isso.
Furtar pólvora?
Para quê?

Rafael Oliveira
Rafael Oliveira
Reply to  nonato
1 ano atrás

Isso se não acontecer o pior da munição ficar no cano e a que vem na sequência funcionar e acertá-la.

horatio nelson
horatio nelson
Reply to  nonato
1 ano atrás

kkkkkk o brasileiro sempre tem um jeitinho é por isso q a corrupção nunca vai acabar os conscritos furtavam a polvora e colocavam terra no lugar kkk rindo muito aqui, se usassem a criatividade pro bem o brasil era uma potência !

Talisson
Talisson
Reply to  nonato
1 ano atrás

Também já vi munição sem pólvora no EB. Servi no 13º GAC de 2009 a 2012. Um claro sinal de que SM obrigatório ja passou da hora de acabar.

Francisco AMX
Francisco AMX
1 ano atrás

Parabéns aos envolvidos, que isso seja só o início!

Antonio Palhares
Antonio Palhares
1 ano atrás

Eu sempre achei isto. A maioria das armas que os bandidos usam, tem calibres que podem ser usados nas policias. Devem fazer parte dos inventários das instituições. Bem como toda munição que estiver em condições de ser usada. Bandido bom é bandido morto. A maioria destas armas são novas.

Wellington Rossi Kramer
Wellington Rossi Kramer
1 ano atrás

“A verdade é filha do tempo”. Santo Tomás de Aquino.

Antunes 1980
Antunes 1980
1 ano atrás

Um trabalho idealizado e feito com grande sucesso pelo ministério da justiça.
Parabéns aos envolvidos, por utilizar praticamente todos os recursos financeiros e bélicos dos bandidos, contra eles mesmos.
O Brasil está melhorando gradativamente em todas as áreas, porém a mídia progressista da família marinho e “camaradas” não aceitam a realidade.

JOSE CLAUDIO DA SILVA
JOSE CLAUDIO DA SILVA
Reply to  Antunes 1980
1 ano atrás

Quem possibilitou isso foi o “cabeça de piroca/Lex Luthor” (ministro Alexandre de Moraes), quando foi ministro da Justiça do ex-presidente Temer. Antes partia o coração ver Glocks, Sigs, Berettas, Colts, HKs, etc., serem encaminhadas para destruição, para logo em seguida o Estado comprar Taurus e Imbel. O atual presidente e o atual ministro da justiça, até agora não fizeram uma única medida positiva na área. Até o falastrão do Jungmann, foi um ministro da justiça melhor do que o ministro Moro.

Delfim
Delfim
1 ano atrás

Os AK-47 foram retirados das Delegacias da PCERJ. Apenas os fuzis M-16, FAL e G3 são utilizados.

paulof
paulof
Reply to  Delfim
1 ano atrás

Pelo antigo decreto DECRETO Nº 8.938 de 2016 não podia, segundo interpretação dada, pelo novo de DECRETO Nº 9.847 de 2019 já poderá usar as 45 aks apreendidas no galeão.

Cristiano GR
Cristiano GR
1 ano atrás

Isso sim é que chamo de fazer bonito p gringo ver. Doam 17 fuzís e passam soltando bandidos. Não adianta a polícia ficar super equipada. É paliativo, ou mais corretamente, é placebo. Num exercício de imaginação, bem exagerado, se fosse colocado à disposição da polícia, por exemplo, exatamente as mesmas quantidades de homens e máquinas e os mesmos equipamentos da USAF e da USNAVY juntas, os índices de criminalidade e violência cairiam pouco e continuariam a ser uma vergonha e ameaça para o Brasil. Poderia até haver 1 policial por habitante e mesmo assim, os criminosos agiriam livre e impunemente,… Read more »

Talisson
Talisson
Reply to  Cristiano GR
1 ano atrás

O caminho (que eu imagino) para a paz pública, passa por uma policia forte e amparada, agindo com ciclo completo, presidios (vagas e condições), leis e uma CF à altura da guerra que vivemos, educação e desburocratização + liberdade econômica que juntos gerarão empregos. Qualquer um desses que faltar na soma já desmorona tudo. Certamente esqueci de mais alguns pontos… Mas na hora em que o narcoterrorista resolve usar um fuzil contra o policial, apenas outro fuzil na mão do policial e de seu colega o salvará da morte certa. Na falta disso nem a melhor lei do mundo pode… Read more »

Carl
Carl
1 ano atrás

Curiosidade… Alguem sabe como se chama esse tipo de coronha sem soleira nesses ARs?

Talisson Goet
Talisson Goet
Reply to  Carl
1 ano atrás

Aquilo é uma coronha incompleta.
Pois é só desencaixar a soleira e o que resta é aquela parte onde se abriga a guia e a mola recuperadora do ferrolho.
Qualquer soleira para M4 airsoft em sites chineses encaixam ali e como o M4/T4/AR15/M16 não tem recuo algum, a peça de airsoft se encaixar, da conta. Percebi que alguns são revestidos de espuma para diminuir o desconforto para quem for usar a arma sem soleira.

Rodrigo Martins Ferreira
Rodrigo Martins Ferreira
Reply to  Talisson Goet
1 ano atrás

Não necessariamente…

E mesmo assim peça de Airsoft não aguenta a vibração da arma no recuo.

Talisson
Talisson
1 ano atrás

No RS também ocorrem esses repasses. A PC é bem mais rápida quanto à incorporação das armas “doadas” pela justiça, a Brigada já demora perto de um ano avaliando a arma e estudando a disponibilidade de peças.
95% é plataforma M4/AR15, o resto é cópia de AK e pouquíssimas plataformas FN Fal, nem sempre brasileiras.

Talisson
Talisson
1 ano atrás

No RS o poder judiciário (conforme lei) faz o repasse de 80% do dinheiro arrecadado pelo Juizado Especial Criminal (“pequenas causas”, multas ambientais, transações penais etc) para as policias, que vez ou outra, dependendo da necessidade, optam por comprar armamento, isso ajuda muito, já que as CT30/CT40 bastante comum na unidades estão passando de 5 anos de uso e não aguentam mais. O Estado também está fazendo sua parte e já comprou desde 2014 quase mil 5,56 e 7,62 para BM, PC e Susepe, em várias pequenas levas, com recursos próprios e da Senasp e esse ano licitou 4.500 pistolas… Read more »

Talisson
Talisson
1 ano atrás

Vou ficar devendo a fonte, mas já li que a quantidade de fuzis “doados” em SP já passaria dos 200, senão dos 300.
O repasse já está autorizado há quase 3 anos e muitos fuzis já estavam “esperando” a doação desde 2014, 2015.
De qualquer forma, creio que a quantidade é bem maior do que esses 37 + 17 fuzis.

Peter nine nine
Peter nine nine
1 ano atrás

Como armas dessas podem ser aprendidas? Tipo, no Brasil vendem armas para civis dessa categoria apresentada nas imagens? Uma . 50????

Talisson
Talisson
Reply to  Peter nine nine
1 ano atrás

Fuzis semi auto e de ação Bolt acima do calibre .338LM são proibidos para civis, mesmo colecionadores e esportistas, infelizmente, mesmo sem nenhum estudo que ampare essa proibição. Esse armamento entra no país por fronteiras, portos e aeroportos vindos diretamente dos EUA, Canadá, uns poucos da Europa e outros tantos desviados no comércio legalizado do Paraguai. São encomendados por grupos criminosos/terroristas para serem usados e até “alugados” por traficantes de drogas em ações de guerrilha e roubos a banco. Para a mídia brasileira, são apenas guarda-chuvas. . São usadas para matar muita gente inocente e comumente a policia acaba levando… Read more »

Peter nine nine
Peter nine nine
1 ano atrás

As armas foram apreendidas a quem?

Luiz Floriano Alves
Reply to  Peter nine nine
1 ano atrás

Finalmente o EB recebe fuzil .50. É discutível sua aplicação em números tão reduzidos, mas se agrega um instrumento de avaliação quanto a incluir essa arma nos petrechos pesados ou fabricar um similar nacional para uso embarcado nos rios da Amazônia. Seria muito eficaz no combate a pirataria e na detenção de barcos rápidos.

rdx
rdx
Reply to  Luiz Floriano Alves
1 ano atrás

Doação completamente esdrúxula. Para início de conversa o fuzil calibre .50 doado para o EB é um SHTF 50 vendido no mercado civil estadunidense…e não um Barrett de origem militar como muitos pensam (que já faz parte do arsenal do EB). Fatalmente, o EB deve avaliar a unidade doada para conhecer as capacidades do principal fuzil .50 usado pelas facções criminosas e depois esquecê-lo.