Home Divulgação IVECO Veículos de Defesa oficializa a contratação do LMV-BR para o Exército...

IVECO Veículos de Defesa oficializa a contratação do LMV-BR para o Exército Brasileiro

4666
62

Primeiro lote com 32 unidades do veículo será entregue para as forças terrestres até 2022

Após a licitação que a IVECO Veículos de Defesa foi escolhida para ser a fornecedora da nova Viatura Blindada Multitarefa Leve de Rodas (VBMT-LSR) 4X4 do Exército Brasileiro (EB), a marca concretiza a negociação com o contrato de fornecimento de 32 unidades do LMV-BR para a Diretoria de Fabricação (DF), subordinada ao Departamento de Ciência e Tecnologia (DCT) do EB. As viaturas serão entregues até 2022.

A cerimônia de assinatura do contrato, que aconteceu em 6 de novembro no Quartel General do Exército Brasileiro em Brasília/DF, teve a presença do embaixador da Itália no Brasil, de oficiais generais e executivos da CNH Industrial. “Esse é um momento em que fortalecemos, ainda mais, a parceria da montadora com o Exército Brasileiro. O LMV-BR é peça-chave do Programa Guarani, que tem o objetivo de modernizar a frota de Viaturas Blindadas de Rodas 4X4, 6X6 e 8X8 das forças terrestres”, afirma Humberto Spinetti, diretor da IVECO Veículos de Defesa para a América do Sul, marca da CNH Industrial.

Os 32 LMV-BR serão produzidos na planta da marca na Itália, e passarão por um processo de pintura, integração do sistema de Armas e sistema de Comando e Controle no Brasil. “Alta confiabilidade, facilidade de manutenção e baixos custo de operação foram considerações importantes durante o projeto. A proposta é que os próximos lotes sejam produzidos na fábrica de Sete Lagoas (MG), onde o blindado Guarani 6X6 já é produzido”, finaliza Spinetti.

Apto para missões de patrulhamento, missões de paz e combate em qualquer ambiente, seja on-roda ou off-road, mais de quatro mil unidades do LMV já foram vendidas para países de diferentes continentes, o que comprova a qualidade e credibilidade do produto.

Viatura Blindada Multitarefas/Leve de Rodas (VBMT-LSR) – LMV-BR

Viatura tática para missões especiais com alto nível de proteção (balística e antiminas), a Viatura Blindada Multitarefa Leve de Rodas (VBMT-LSR) tem alta mobilidade comprovada em diversos tipos de terrenos com performance e excelente autonomia. A viatura já foi adotada por vários países que fazem parte da OTAN, entre eles Itália, Espanha, Bélgica, Áustria, Inglaterra e Noruega e já foi utilizado em missões no Afeganistão, Líbano, Kosovo e Chade.

O LMV-BR proporciona desempenho, confiabilidade e maior conforto para a guarnição com agilidade e segurança em qualquer tipo de missão. A geração atual do LMV-BR, com motor de 190cv de potência, da FPT Industrial, é equipada com transmissão automática modernizada com 06 velocidades, aprimorando a condução e o desempenho em condição off-road, e um novo sistema de filtragem de ar para o motor.

Um novo sistema de controle eletrônico de estabilidade (ESP), capaz de trabalhar em condição off-road, melhora a segurança da condução, bem como a mobilidade em terrenos irregulares. O sistema de suspensão independente foi projetado para aprimorar a mobilidade em qualquer tipo de terreno, combinado com pneus off-road e sistema automático de calibragem.

O novo design da célula da guarnição foi desenvolvido especialmente para transportar com segurança até cinco militares totalmente equipados, com mochilas, armamento e equipamentos pessoais. O layout interno proporciona ótima ergonomia para a guarnição além de incorporar um painel digital de última geração. A proteção balística é reforçada com a utilização de novos materiais na estrutura da carroceria.

O LMV-BR foi projetado para oferecer uma ampla variedade de aplicações, incluindo Posto de comando, Reconhecimento, Patrulha, Plataforma de sistemas de armas leves, Medevac (evacuação médica), entre outras. O veículo foi projetado para ser compatível com os recursos de direção de imagem térmica e NVG (óculos de visão noturna) para possibilitar a condução noturna.

IVECO Veículos de Defesa

A IVECO Veículos de Defesa tem origem italiana e mais de 80 anos de tradição no desenvolvimento e fabricação de soluções para as áreas de defesa e proteção civil. Com clientes em mais de 100 países, incluindo os países-membros da Organização do Tratado do Atlântico Norte (Otan), a marca comercializa uma gama completa de veículos multifuncionais, blindados e para transporte de cargas e tropas.

DIVULGAÇÃO: IVECO Veículos de Defesa

62
Deixe um comentário

avatar
15 Comment threads
47 Thread replies
1 Followers
 
Most reacted comment
Hottest comment thread
32 Comment authors
MarujoFelipe MoraisguestCastroCarvalho Recent comment authors
  Subscribe  
newest oldest most voted
Notify of
JOAO
Visitante
JOAO

Finalmente!!! Parabéns ao EB. Agora precisamos solucionar para ontem a defesa aérea de área.

Peter nine nine
Visitante
Peter nine nine

Como assim, não considere esta vertente solucionada, só foram assinadas 32 unidades, certo? Continua a faltar satisfazer esta necessidade.

Pergunta, a previsão é de quantas destas Ivecos? O objectivo é produzir as restantes no Brasil? Tenho a certeza que tal já deverá ter sido aqui discutido, de facto tenho a ideia de já o ter pesquisado, mas se puderem me actualizar.

Kommander
Visitante
Kommander

Quantos veículos a gente não sabe. Se forem comprados esses 32 já será uma vitória! 🙂

Agra
Visitante
Agra

Ja tem 16, foram comprados ano passado pra intervenção federal

Beserra(FN)
Visitante
Beserra(FN)

Cara, você lê e interpreta o que lê ou é apenas um comentarista de título? O texto é claro sobre que foi fechado o contrato para um lote de 32 unidades fabricadas na Itália, e que os lotes seguintes serão fabricados na unidade da Iveco em Sete Lagoas/MG, de onde sai o VBTP-MR Guarani. a última unidade deste lote será entregue até 2022, ou seja, a partir do ano que vêm já receberemos unidades deste lote. Sobre a quantidade, é bom lembrar que o EB já conta com 16 LMV que foram adquiridos no ano passado para o Gabinete de… Read more »

Peter nine nine
Visitante
Peter nine nine

Beserra, sim li, e sim, a minha pergunta, se fosse apenas basear se na sua resposta, permaneceria a aguardar resposta. Existe algum avanço concreto na fabricação deste tipo de viaturas nas instalações de Sete Lagoas? A matéria por acaso dá certezas sobre qual a estratégia concreta para fabricar e implementar no serviço o número pretendido de viaturas? Não, não dá. Aliás, afinal, qual o número pretendido? Portanto tenha respeito, se o senhor se satisfaz com a informação presente no texto, abstenha se de me responder, é simples, coloque a negativacão e siga para o comentário seguinte. Graças ao colombelli, que… Read more »

Beserra(FN)
Visitante
Beserra(FN)

As minutas de entrega, e detalhes do contrato vão ser de domínio publico e vão estar no contrato, que quiça, será publicado para os brasileiros poderem o ler e debater.

Não adianta tentar parecer inteligente tentando depreciar o comentário dos coleguinhas. O texto é claro apenas no que ele quer informar, e o fez. Simples e direto ao ponto. 😉

Peter nine nine
Visitante
Peter nine nine

Beserra, está tudo bem? A única pessoa que depreciou seja o que for, foi você mesmo, a minha questão foi pertinente, já a forma como decidiu responder, nem tanto.
Se você considera isto simples e directo ao ponto, honestamente, contenta se com pouco.
Exacto, quiçá será publicada informação mais precisa, que era precisamente o que eu procurava saber: se já alguém poderia ter lido algo mais detalhado sobre o assunto.

“Não adianta tentar parecer inteligente tentando depreciar o comentário dos coleguinhas” – Beserra, não se faça de sonso.

Vivaldo José Breternitz
Visitante
Vivaldo José Breternitz

Onde estão os primeiros 16?

Colombelli
Visitante
Colombelli

Peter foi sim. A previsão que espelha o desejo do EB seria mais dois lotes perfazendo 186 unidades no total ( ja com estes 32. Os 16 comprados antes estàofira da conta.). Porem dificilmente este numero sera atingido sobretudo quando vemos a demora pra entrega de apenas 32.
A necessidade total se toda cavalaria e pelotões de exploradores blindados fosse equipada seria na ordem de 920 unidades aproximadamente. Postei o calculo preciso na ultima reportagem da sequencia do LMV.
O provavel é que o 15 RCMec passe a constituir um nucleo pra forcas de paz ficando com dotaçào completa com 48.

Silas AC
Visitante
Silas AC

Não existe isso de “necessidade total”. O EB não necessita de LMV para todas as suas unidades.
Seria uma insensatez todos os PCMec, alguns já “vencidos” no tempo, receberem LMV.
O EB vai continuar combinando meios antigos com mais modernos.
Isto não é apenas uma questão de limitação orçamentária, mas de inteligência no planejamento de alocação de meios.

colombelli
Visitante
colombelli

Opinião sua silas. Voce leu bem? “Se” toda cavalaria fosse equipada. Ninguem esta dizendo que será; pelo contrário, se esta dizendo exatamente que não será toda equipada. Este numero proximo a mil unidades como necessidade foi inclusive inserido pelo Poggio na ultima reportagem da série. Ja discuti isso antes contigo ja expliquei lá e não vou perder tempo mais.

TukhMD
Visitante
TukhMD

Não são meios mais antigos, são meios inadequados para a guerra moderna. Cada Marruá em operação é um atestado do exército brasileiro como tropinha de faz de conta.

Peter nine nine
Visitante
Peter nine nine

Colombelli, obrigado. Suspeito que não seja muito sensato realizar o esforço de as fabricar no Brasil para pouco mais de 150 unidades, tal tem o potencial de incorrer num aumento desnecessário de custos de fabrico e para poucas unidades. Esperemos por isso que seja possível concretizar mais do que dois lotes made in Brasil. De facto, sendo que presentemente estamos em 2019, 2022 é um prazo um pouco longo de mais para entregar apenas 32 unidades, foi este prazo que, também em parte, motivou a origem do meu comentário. Concordo que, se estivéssemos a incluir diferentes tipologias, para diferentes funções,… Read more »

colombelli
Visitante
colombelli

Peter na verdade este numero de 920 seria somente para viatura de comando e patrulhas da cavalaria mecanizada e viatura de comando e viaturas dos exploradores blindados dos BIB e dos RCC. Fiz o calculo no post da ultima reportagem da séria do LMV inclusive com indicação das unidades para correta quantificação. Se fossemos por outros tipos de viatura baseadas na mesma familia ou difundi-las por outros tipos de OM se vai a mais de 2000 como inicialmente se comentou ser o potencial de produção para nossas necessidades. Mas obviamente se não houver uma boa mudança econômica provavelmente vai ficar… Read more »

Peter nine nine
Visitante
Peter nine nine

Sim colombelli, mas, considerando a potencial dificuldade económica, alcançar as 900, por si só, já iria requerer que o exército procurasse edificar múltiplas capacidades nesta família de viaturas.
Se o exército procurar satisfazer múltiplas valências com a LMV, tem muito mais facilidade em arranjar orçamento para um número mínimo de 900 unidades. 2000 será sempre um número bastante difícil.

Salim
Visitante
Salim

Caro Colombelli, parece compra engana paisano, 32 viaturas para 2022, fabricadas Itália. Enquanto isto guarani que tem impacto direto no operacional e letalidade da tropa vai ficando para traz. Embora náo sejam para mesma aplicação, optaria ate por retrofit básico cascavel . Exercito parece estar focando recursos para uma intervenção interna e náo na defesa Brasil.

Bardini
Visitante
Bardini

“Exercito parece estar focando recursos para uma intervenção interna e náo na defesa Brasil.”
.
Daqui a pouco tu é capaz de descobrir que é justamente pra isso que serve o EB.

colombelli
Visitante
colombelli

Salim concordo que a prioridade deveria ser o blindado guarani e está muito atrasado. Também concordo que uma solução pro cascavel é mais importante. Mas o motivo desta aquisição é antes a visão em alguma missão no exterior ( força de paz) do que questões internas aqui. E se ficar nos 32 ou mesmo se ir ao 186 a longo prazo não tem significativo impacto orçamentário de forma a prejudicar o blindado guarani.

Salim
Visitante
Salim

Colombelli estes jipes serviriam para o que em caso agressão, não teríamos quase nada retaguarda para se contrapor a um ataque e nem para contra atacar. Desculpe só servem para atirar fumigenos pra dar tempo para nós correr. Cascavel modernizado com sistema óptico atual e canhão 90 mm com munição moderna e Guarani com remax ou 40 mm automatica espalhados ou alocados em regiões críticas só seriam superados por coluna mbt ou ataque aereo.
Reconhecimento avançado seria muito mais producentes o uso de drones, vant armado ou até helicoptores ataque/super tucano. Levando em conta imensidão de nosso território.

Guilherme Poggio
Editor
Famed Member

É bom para o EB que isso tudo tenha se resolvido. Imagine se o processo caducasse e tivesse voltar para a estaca ZERO. O prejuízo seria maior.

Paulo
Visitante
Paulo

É verdade essa história de transferência da brigada paraquedista para Goiás?

Eduardo Oliveira
Visitante
Eduardo Oliveira

Essa história vem de décadas já kkkk, é igual a história de um bavex em Santa Catarina. A única coisa que faria sentido nisso era juntar com o Copesp e ficar no “meio” do país, mas muito provavelmente não vai acontecer. A mística do pqd no Rio fala mais alto kkk. E eles sao aerotransportados, ou seja, sem muita dificuldade pra chegar rápido em qualquer lugar do país, diferente dos batalhões aeromoveis.

Maurício Veiga
Visitante

É fundamental neste momento a retirada da BPQD da cidade do Rio de Janeiro, a moral e imagem da tropa vem sendo severamente abalada e prejudicada pelo ambiente na qual a mesma se encontra, no passado foi símbolo de orgulho e disciplina hoje mais parece uma unidade infiltrada por favelados e indisciplinados, lástima…

Eduardo Oliveira
Visitante
Eduardo Oliveira

É triste vc dizer isso por não conhecer o trabalho dos caras.

Maurício Veiga
Visitante

Eduardo conheço e tive contato com várias gerações de PQDs, a tropa atual está uma merda, lástima…

guest
Visitante
guest

Você fala mal de favelado mas o maior lixo que saiu da BdaInfPqdt foi um certo capitão vizinho de milicianos……

Menos preconceito com quem é mão de obra barata explorada até o bagaço pra que você possa falar asneira na internet

Paulo Roberto
Visitante
Paulo Roberto

A Brigada de Inf. PQDT será sim transferida para Anápolis-GO. Não é coincidência que o KC-390 e o 1GTT operará nesta cidade. A Brigada de Op. Esp. já se encontra em Goiânia, local a 50 km de Anápolis. Acredito que uma vez o 1GTT implantado no centro-oeste, o EB deve acompanhar a mudança, mas a questão orçamentária ditará essa transferência.

Abraços.

Alex
Visitante
Alex

Top

willhorv
Visitante
willhorv

2022??
Pq tudo é pra depois e depois do ano que vem!
Verbas se alocam. Certas coisas devem ser mais ágeis não.
Estamos falando de um lote piloto!!!!

Peter nine nine
Visitante
Peter nine nine

Eu pessoalmente fiquei sem perceber se serão entregues até 2022, como dá, à primeira vista, a entender, ou se a partir de 2022 chega a primeira. De facto, quando chega a primeira? Quando chega a última? Por fim, partilho a sua visão, o lote não é representativo de tal esforço fabril que só em 2022 se pode entregar a última ou comessar a entregar a primeira. Mediante o facto de que só são 32 unidades, o financiamento e entrega da primeira deveria estar concluído dentro de poucos meses, com a última a ser entregue poucos meses a seguir à primeira,… Read more »

Kommander
Visitante
Kommander

Manter as mordomias é mais importante que equipar a tropa.

Tomcat4.0
Visitante
Tomcat4.0

No texto consta ” …até 2022″, ou seja ,as entregas terão fim neste ano e não o seu início. Como este lote será feito na Itália, creio q ano q vem já tenhamos entregas dos primeiros veículos.

Peter nine nine
Visitante
Peter nine nine

Sim Tom, é isso que dá a entender à primeira vista, mas, brinquei com as palavras porque o prazo é de facto longo e não sendo um lote propriamente grande, porque não se sabe uma data aproximada da entrega da primeira? Porque temos de supor? Derrepente, talvez a primeira só chegue em 2021, até podem chegar todas ao mesmo tempo, até 2022.

Welton
Visitante
Welton

Toda essa novela para 32 unidade.
Foi uma boa aquisição, mas no mínimo umas 100 seria interessante.

Paulo
Visitante
Paulo

Welton, o segundo e o terceiro lope preveem mais 77 unidades cada. O total é de 186.

Rodrigo
Visitante
Rodrigo

Para uma tropa de 150 mil pracinhas?
Tô vendo que por décadas verei Marruá e caminhões para trasporte e missões de reconhecimento

Guilherme Poggio
Editor
Famed Member

Rodrigo, penso que sim. O EB não substituirá todos os Marruá pelos LMV. Aliás, apenas uma pequena parte.

Beserra(FN)
Visitante
Beserra(FN)

Toda a “novela” foi para o contrato, este lote inicial será de 32 unidades montadas na Italia, os lotes posteriores serão produzidos na unidade da Iveco em Sete Lagoas/MG, está bem claro no texto.

Guilherme Poggio
Editor
Famed Member

Só para completar. Os demais veículos além dos 32 iniciais serão formalmente considerados como um “follow-up” da compra inicial. Não precisa de nova licitação, mas terá que ter verba empenhada para que seja feito o pedido. Aí depende do orçamento.

wwolf22
Membro
Famed Member
wwolf22

excelente noticia…
mudando de veiculo, por que o EB não pega os blindados CASCAVEIS restantes e não faz algo parecido com esse do link… https://www.youtube.com/watch?v=F1xvSQNllyI

Tomcat4.0
Visitante
Tomcat4.0

Meu caro, uma torre desta no Guarani seria sonho de consumo total. Creio que por aqui(tendo dindin e vontade) se poderia colocar a Torc-30 e acrescentar a Remax e mais um lançador do ATGM nacional e teríamos algo parecido mas os custos desse tipo de sistema são elevados(país sério e que leva defesa a sério não mediria esforços pra ter o melhor mas……).

Salim
Visitante
Salim

Náo fazemos isto porque o foco esta desvirtuado, exercito deveria focar defesa pátria e náo GLO, missão ONU ou intervenção interna. Sisfrom se arrastando, blindados se exaurindo, compra em quantidade misseis portáteis anti carro, mísseis táticos media e longa distancia , radar M200 operacional.

Carvalho
Visitante
Carvalho

O foco deve estar onde existe ameaça. A maior ameaça é anarquia interna e externa, fomentada ou não por interesses corporativos ou de outros governos. O LMV cai como uma luva para as necessidades do EB. Quanto à letalidade, o LMV com Remaxpoderá ser tão letal quanto um Guarani. Trabalharão juntos. O argumento de que devem ser priorizados os Guarani apenas daria ensejo a uma força desequilibrada. O LMV se presta a ações ofensivas, e não apenas de reconhecimento, na qual o Marruá não pode atender. A matéria cita explicitamente a mudança doutrinária que será necessária com a introdução deste… Read more »

Salim
Visitante
Salim

A anarquia interna só ocorre quando governo trabalha para satisfazer suas necessidades e nao a da população. O desvirtuamento da missão das forças armadas e mais um detalhe que gera descontentamento e desconfiança. Guerra assimétrica teria justificativa se fossemos ocupar um outro país ou um levante popular contra governo déspota, ditatorial e não democrático. Espero que Brasil não chegue a este retrocesso e se ocorrer uma ameaça a isto espero que forças armadas corram a acudir a população brasileira.

Castro
Visitante
Castro

Alô Salim, Alô Salim…Câmbio!
Planeta Terra chamando !!
Já leu os jornais hoje?
Viu o que está acontecendo no Chile?
Viu o que está acontecendo na Bolívia?
Na Venezuela?
Na América Central?
No Rio?

Tomcat4.0
Visitante
Tomcat4.0

Enfim abriu-se as porteiras para a passagem do LMV e que cheguem logo os primeiros e o segundo lote seja contratado para fabricação aqui em MG. Ótima notícia!!!

Beserra(FN)
Visitante
Beserra(FN)

É bom lembrar que além destes 32 do lote inicial, já temos 16 viaturas entregues no ano passado, que foram para o Gabinete de Intervenção do EB para a Segurança Publica no Rio de Janeiro, que após o fim da intervenção serão incorporados em unidades de Infantaria Motorizada.

Guilherme Poggio
Editor
Famed Member

Beserra(FN), é bom também lembrar que serão veículos bem diferentes destes. Basicamente teremos dois tipos de LMV. Esses 16 que já vieram e foram comprados “off-the-self” (do jeito que estavam) e aqueles customizados para o EB (com tropicalização e tudo mais). Será a mesma coisa que comparar os Leopard 1A3 com os 1A5. É tudo Leopard, mas são diferentes.

Beserra(FN)
Visitante
Beserra(FN)

Poggio, as 16 Viaturas do Gabinete vão voltar para a IVECO, vão receber os hardware do EB e as devidas tropicalizações.

RENAN
Visitante
RENAN

Tá de brincadeira 3 anos para adquirir 32 veículo 4×4?
Não consigo encontrar uma explicação plausível

Beserra(FN)
Visitante
Beserra(FN)

Vou repetir o que descrevi para o Peter logo acima: Cara, você lê e interpreta o que lê ou é apenas um comentarista de título? O texto é claro sobre que foi fechado o contrato para um lote de 32 unidades fabricadas na Itália, e que os lotes seguintes serão fabricados na unidade da Iveco em Sete Lagoas/MG, de onde sai o VBTP-MR Guarani. a última unidade deste lote será entregue até 2022, ou seja, a partir do ano que vêm já receberemos unidades deste lote. Sobre a quantidade, é bom lembrar que o EB já conta com 16 LMV… Read more »

Lucas
Visitante
Lucas

Já compraram 16 em 2018.
Agora 32. Depois o restante dos 186 pretendidos para começo.
Somando tudo vem 202 nessa PRIMEIRA FASE.

Depois, perto do fim das entregas e com a linha de montagem aqui, vão começar o “pinga-pinga” tradicional no EB.

Num ano vem 10. No outro mais 25. E assim vai, conforme os cofres permitem.
Igual fizeram com os Marruás e caminhões e agora com o Guarani.

Vamos andando do jeito que dá.
Melhor que ficar parado.

Foxtrot
Visitante
Foxtrot

É já que não tem jeito mais, espero que o LMV entregue tudo aquilo que promete ao EB.
Parabéns a Iveco, ao menos apertaremos os parafusos em Sete Lagoas rsrsrs.

DaGuerra
Visitante
DaGuerra

Muito bem, demorou!

Flanker
Visitante
Flanker

Qual o motivo que levou o Exército Britânico a colocar à venda os seus veículos desse modelo?
Alguém sabe ou teve acesso aos relatórios de custos de manutenção e operação desses veículos?

rdx
Visitante
rdx

São 03 motivos:

1. Reduzido espaço interno. Não tem espaço para transportar os equipamentos da guarnição e esse problema se agravou com a instalação de uma estação de armas remotamente controlada.

2. Pouco confiável (causando sérios problemas de disponibilidade)

3. Proteção blindada inadequada contra as ameaças encontradas no Iraque e no Afeganistão.

Bardini
Visitante
Bardini

O motivo principal se chama JLTV, que substituiria não só o Panther, como também Husky e Vector. Talvez substituiria também parte das Land Rovers e no futuro, até o Foxhound…

Flanker
Visitante
Flanker

“Bela” compra, então……

Fábio Ferreira Fernandes
Visitante
Fábio Ferreira Fernandes

Se não for comprado em grandes quantidades não haverá propósito na aquisição. A regra é clara, quanto mais unidades tem um lote, mais barato sai o produto, gera mais empregos e fomenta a industria nacional.

Felipe Morais
Visitante
Felipe Morais

Francamente, mais de 02 anos para produzir 32 veículos desses?

Dessa vez eu vou ter que dar uma de Nonato… O que tem de tão complexo nesses veículos para essa demora toda? Teria a ver com orçamento da parte brasileira? Será que a planta da Fábrica na Itália está abarrotada de pedidos?

E antes que algum Ufanista venha encher o saco, eu vi que a matéria fala que é só o primeiro lote e tbm vi que as entregas são “até” 2022. Mas podem falar o que quiser…prazo extremamente longo para a construção de algo que não é tão complexo.

Marujo
Visitante
Marujo

Onde estão os M-198 que seriam comprados usados?