Home Divulgação IVECO Veículos de Defesa oficializa a contratação do LMV-BR para o Exército...

IVECO Veículos de Defesa oficializa a contratação do LMV-BR para o Exército Brasileiro

5320
60

Primeiro lote com 32 unidades do veículo será entregue para as forças terrestres até 2022

Após a licitação que a IVECO Veículos de Defesa foi escolhida para ser a fornecedora da nova Viatura Blindada Multitarefa Leve de Rodas (VBMT-LSR) 4X4 do Exército Brasileiro (EB), a marca concretiza a negociação com o contrato de fornecimento de 32 unidades do LMV-BR para a Diretoria de Fabricação (DF), subordinada ao Departamento de Ciência e Tecnologia (DCT) do EB. As viaturas serão entregues até 2022.

A cerimônia de assinatura do contrato, que aconteceu em 6 de novembro no Quartel General do Exército Brasileiro em Brasília/DF, teve a presença do embaixador da Itália no Brasil, de oficiais generais e executivos da CNH Industrial. “Esse é um momento em que fortalecemos, ainda mais, a parceria da montadora com o Exército Brasileiro. O LMV-BR é peça-chave do Programa Guarani, que tem o objetivo de modernizar a frota de Viaturas Blindadas de Rodas 4X4, 6X6 e 8X8 das forças terrestres”, afirma Humberto Spinetti, diretor da IVECO Veículos de Defesa para a América do Sul, marca da CNH Industrial.

Os 32 LMV-BR serão produzidos na planta da marca na Itália, e passarão por um processo de pintura, integração do sistema de Armas e sistema de Comando e Controle no Brasil. “Alta confiabilidade, facilidade de manutenção e baixos custo de operação foram considerações importantes durante o projeto. A proposta é que os próximos lotes sejam produzidos na fábrica de Sete Lagoas (MG), onde o blindado Guarani 6X6 já é produzido”, finaliza Spinetti.

Apto para missões de patrulhamento, missões de paz e combate em qualquer ambiente, seja on-roda ou off-road, mais de quatro mil unidades do LMV já foram vendidas para países de diferentes continentes, o que comprova a qualidade e credibilidade do produto.

Viatura Blindada Multitarefas/Leve de Rodas (VBMT-LSR) – LMV-BR

Viatura tática para missões especiais com alto nível de proteção (balística e antiminas), a Viatura Blindada Multitarefa Leve de Rodas (VBMT-LSR) tem alta mobilidade comprovada em diversos tipos de terrenos com performance e excelente autonomia. A viatura já foi adotada por vários países que fazem parte da OTAN, entre eles Itália, Espanha, Bélgica, Áustria, Inglaterra e Noruega e já foi utilizado em missões no Afeganistão, Líbano, Kosovo e Chade.

O LMV-BR proporciona desempenho, confiabilidade e maior conforto para a guarnição com agilidade e segurança em qualquer tipo de missão. A geração atual do LMV-BR, com motor de 190cv de potência, da FPT Industrial, é equipada com transmissão automática modernizada com 06 velocidades, aprimorando a condução e o desempenho em condição off-road, e um novo sistema de filtragem de ar para o motor.

Um novo sistema de controle eletrônico de estabilidade (ESP), capaz de trabalhar em condição off-road, melhora a segurança da condução, bem como a mobilidade em terrenos irregulares. O sistema de suspensão independente foi projetado para aprimorar a mobilidade em qualquer tipo de terreno, combinado com pneus off-road e sistema automático de calibragem.

O novo design da célula da guarnição foi desenvolvido especialmente para transportar com segurança até cinco militares totalmente equipados, com mochilas, armamento e equipamentos pessoais. O layout interno proporciona ótima ergonomia para a guarnição além de incorporar um painel digital de última geração. A proteção balística é reforçada com a utilização de novos materiais na estrutura da carroceria.

O LMV-BR foi projetado para oferecer uma ampla variedade de aplicações, incluindo Posto de comando, Reconhecimento, Patrulha, Plataforma de sistemas de armas leves, Medevac (evacuação médica), entre outras. O veículo foi projetado para ser compatível com os recursos de direção de imagem térmica e NVG (óculos de visão noturna) para possibilitar a condução noturna.

IVECO Veículos de Defesa

A IVECO Veículos de Defesa tem origem italiana e mais de 80 anos de tradição no desenvolvimento e fabricação de soluções para as áreas de defesa e proteção civil. Com clientes em mais de 100 países, incluindo os países-membros da Organização do Tratado do Atlântico Norte (Otan), a marca comercializa uma gama completa de veículos multifuncionais, blindados e para transporte de cargas e tropas.

DIVULGAÇÃO: IVECO Veículos de Defesa

Subscribe
Notify of
guest
60 Comentários
oldest
newest most voted
Inline Feedbacks
View all comments
JOAO
JOAO
8 meses atrás

Finalmente!!! Parabéns ao EB. Agora precisamos solucionar para ontem a defesa aérea de área.

Peter nine nine
Peter nine nine
Reply to  JOAO
8 meses atrás

Como assim, não considere esta vertente solucionada, só foram assinadas 32 unidades, certo? Continua a faltar satisfazer esta necessidade.

Pergunta, a previsão é de quantas destas Ivecos? O objectivo é produzir as restantes no Brasil? Tenho a certeza que tal já deverá ter sido aqui discutido, de facto tenho a ideia de já o ter pesquisado, mas se puderem me actualizar.

Kommander
Kommander
Reply to  Peter nine nine
8 meses atrás

Quantos veículos a gente não sabe. Se forem comprados esses 32 já será uma vitória! 🙂

Agra
Agra
Reply to  Kommander
8 meses atrás

Ja tem 16, foram comprados ano passado pra intervenção federal

Beserra(FN)
Beserra(FN)
Reply to  Peter nine nine
8 meses atrás

Cara, você lê e interpreta o que lê ou é apenas um comentarista de título? O texto é claro sobre que foi fechado o contrato para um lote de 32 unidades fabricadas na Itália, e que os lotes seguintes serão fabricados na unidade da Iveco em Sete Lagoas/MG, de onde sai o VBTP-MR Guarani. a última unidade deste lote será entregue até 2022, ou seja, a partir do ano que vêm já receberemos unidades deste lote. Sobre a quantidade, é bom lembrar que o EB já conta com 16 LMV que foram adquiridos no ano passado para o Gabinete de… Read more »

Peter nine nine
Peter nine nine
Reply to  Beserra(FN)
8 meses atrás

Beserra, sim li, e sim, a minha pergunta, se fosse apenas basear se na sua resposta, permaneceria a aguardar resposta. Existe algum avanço concreto na fabricação deste tipo de viaturas nas instalações de Sete Lagoas? A matéria por acaso dá certezas sobre qual a estratégia concreta para fabricar e implementar no serviço o número pretendido de viaturas? Não, não dá. Aliás, afinal, qual o número pretendido? Portanto tenha respeito, se o senhor se satisfaz com a informação presente no texto, abstenha se de me responder, é simples, coloque a negativacão e siga para o comentário seguinte. Graças ao colombelli, que… Read more »

Beserra(FN)
Beserra(FN)
Reply to  Peter nine nine
8 meses atrás

As minutas de entrega, e detalhes do contrato vão ser de domínio publico e vão estar no contrato, que quiça, será publicado para os brasileiros poderem o ler e debater.

Não adianta tentar parecer inteligente tentando depreciar o comentário dos coleguinhas. O texto é claro apenas no que ele quer informar, e o fez. Simples e direto ao ponto. 😉

Peter nine nine
Peter nine nine
Reply to  Beserra(FN)
8 meses atrás

Beserra, está tudo bem? A única pessoa que depreciou seja o que for, foi você mesmo, a minha questão foi pertinente, já a forma como decidiu responder, nem tanto.
Se você considera isto simples e directo ao ponto, honestamente, contenta se com pouco.
Exacto, quiçá será publicada informação mais precisa, que era precisamente o que eu procurava saber: se já alguém poderia ter lido algo mais detalhado sobre o assunto.

“Não adianta tentar parecer inteligente tentando depreciar o comentário dos coleguinhas” – Beserra, não se faça de sonso.

Vivaldo José Breternitz
Vivaldo José Breternitz
Reply to  Beserra(FN)
8 meses atrás

Onde estão os primeiros 16?

Silas AC
Silas AC
Reply to  Peter nine nine
8 meses atrás

Não existe isso de “necessidade total”. O EB não necessita de LMV para todas as suas unidades.
Seria uma insensatez todos os PCMec, alguns já “vencidos” no tempo, receberem LMV.
O EB vai continuar combinando meios antigos com mais modernos.
Isto não é apenas uma questão de limitação orçamentária, mas de inteligência no planejamento de alocação de meios.

TukhMD
TukhMD
Reply to  Silas AC
8 meses atrás

Não são meios mais antigos, são meios inadequados para a guerra moderna. Cada Marruá em operação é um atestado do exército brasileiro como tropinha de faz de conta.

Peter nine nine
Peter nine nine
Reply to  Peter nine nine
8 meses atrás

Colombelli, obrigado. Suspeito que não seja muito sensato realizar o esforço de as fabricar no Brasil para pouco mais de 150 unidades, tal tem o potencial de incorrer num aumento desnecessário de custos de fabrico e para poucas unidades. Esperemos por isso que seja possível concretizar mais do que dois lotes made in Brasil. De facto, sendo que presentemente estamos em 2019, 2022 é um prazo um pouco longo de mais para entregar apenas 32 unidades, foi este prazo que, também em parte, motivou a origem do meu comentário. Concordo que, se estivéssemos a incluir diferentes tipologias, para diferentes funções,… Read more »

Peter nine nine
Peter nine nine
Reply to  Peter nine nine
8 meses atrás

Sim colombelli, mas, considerando a potencial dificuldade económica, alcançar as 900, por si só, já iria requerer que o exército procurasse edificar múltiplas capacidades nesta família de viaturas.
Se o exército procurar satisfazer múltiplas valências com a LMV, tem muito mais facilidade em arranjar orçamento para um número mínimo de 900 unidades. 2000 será sempre um número bastante difícil.

Salim
Salim
Reply to  Peter nine nine
8 meses atrás

Caro Colombelli, parece compra engana paisano, 32 viaturas para 2022, fabricadas Itália. Enquanto isto guarani que tem impacto direto no operacional e letalidade da tropa vai ficando para traz. Embora náo sejam para mesma aplicação, optaria ate por retrofit básico cascavel . Exercito parece estar focando recursos para uma intervenção interna e náo na defesa Brasil.

Bardini
Bardini
Reply to  Salim
8 meses atrás

“Exercito parece estar focando recursos para uma intervenção interna e náo na defesa Brasil.”
.
Daqui a pouco tu é capaz de descobrir que é justamente pra isso que serve o EB.

Salim
Salim
Reply to  Salim
8 meses atrás

Colombelli estes jipes serviriam para o que em caso agressão, não teríamos quase nada retaguarda para se contrapor a um ataque e nem para contra atacar. Desculpe só servem para atirar fumigenos pra dar tempo para nós correr. Cascavel modernizado com sistema óptico atual e canhão 90 mm com munição moderna e Guarani com remax ou 40 mm automatica espalhados ou alocados em regiões críticas só seriam superados por coluna mbt ou ataque aereo.
Reconhecimento avançado seria muito mais producentes o uso de drones, vant armado ou até helicoptores ataque/super tucano. Levando em conta imensidão de nosso território.

Arantes
Arantes
Reply to  Peter nine nine
7 meses atrás

Provavelmente esse lote será o de familiarização de nossos engenheiro com o projeto, visto que será produzido na Itália! O próximos deverão ser feito aqui mesmo.

Guilherme Poggio
Reply to  JOAO
8 meses atrás

É bom para o EB que isso tudo tenha se resolvido. Imagine se o processo caducasse e tivesse voltar para a estaca ZERO. O prejuízo seria maior.

Paulo
Paulo
8 meses atrás

É verdade essa história de transferência da brigada paraquedista para Goiás?

Eduardo Oliveira
Eduardo Oliveira
Reply to  Paulo
8 meses atrás

Essa história vem de décadas já kkkk, é igual a história de um bavex em Santa Catarina. A única coisa que faria sentido nisso era juntar com o Copesp e ficar no “meio” do país, mas muito provavelmente não vai acontecer. A mística do pqd no Rio fala mais alto kkk. E eles sao aerotransportados, ou seja, sem muita dificuldade pra chegar rápido em qualquer lugar do país, diferente dos batalhões aeromoveis.

Maurício Veiga
Reply to  Paulo
8 meses atrás

É fundamental neste momento a retirada da BPQD da cidade do Rio de Janeiro, a moral e imagem da tropa vem sendo severamente abalada e prejudicada pelo ambiente na qual a mesma se encontra, no passado foi símbolo de orgulho e disciplina hoje mais parece uma unidade infiltrada por favelados e indisciplinados, lástima…

Eduardo Oliveira
Eduardo Oliveira
Reply to  Maurício Veiga
8 meses atrás

É triste vc dizer isso por não conhecer o trabalho dos caras.

Maurício Veiga
Reply to  Eduardo Oliveira
8 meses atrás

Eduardo conheço e tive contato com várias gerações de PQDs, a tropa atual está uma merda, lástima…

guest
guest
Reply to  Maurício Veiga
8 meses atrás

Você fala mal de favelado mas o maior lixo que saiu da BdaInfPqdt foi um certo capitão vizinho de milicianos……

Menos preconceito com quem é mão de obra barata explorada até o bagaço pra que você possa falar asneira na internet

Paulo Roberto
Paulo Roberto
Reply to  Paulo
8 meses atrás

A Brigada de Inf. PQDT será sim transferida para Anápolis-GO. Não é coincidência que o KC-390 e o 1GTT operará nesta cidade. A Brigada de Op. Esp. já se encontra em Goiânia, local a 50 km de Anápolis. Acredito que uma vez o 1GTT implantado no centro-oeste, o EB deve acompanhar a mudança, mas a questão orçamentária ditará essa transferência.

Abraços.

Alex
Alex
8 meses atrás

Top

willhorv
willhorv
8 meses atrás

2022??
Pq tudo é pra depois e depois do ano que vem!
Verbas se alocam. Certas coisas devem ser mais ágeis não.
Estamos falando de um lote piloto!!!!

Peter nine nine
Peter nine nine
Reply to  willhorv
8 meses atrás

Eu pessoalmente fiquei sem perceber se serão entregues até 2022, como dá, à primeira vista, a entender, ou se a partir de 2022 chega a primeira. De facto, quando chega a primeira? Quando chega a última? Por fim, partilho a sua visão, o lote não é representativo de tal esforço fabril que só em 2022 se pode entregar a última ou comessar a entregar a primeira. Mediante o facto de que só são 32 unidades, o financiamento e entrega da primeira deveria estar concluído dentro de poucos meses, com a última a ser entregue poucos meses a seguir à primeira,… Read more »

Kommander
Kommander
Reply to  willhorv
8 meses atrás

Manter as mordomias é mais importante que equipar a tropa.

Tomcat4.0
Tomcat4.0
Reply to  willhorv
8 meses atrás

No texto consta ” …até 2022″, ou seja ,as entregas terão fim neste ano e não o seu início. Como este lote será feito na Itália, creio q ano q vem já tenhamos entregas dos primeiros veículos.

Peter nine nine
Peter nine nine
Reply to  Tomcat4.0
8 meses atrás

Sim Tom, é isso que dá a entender à primeira vista, mas, brinquei com as palavras porque o prazo é de facto longo e não sendo um lote propriamente grande, porque não se sabe uma data aproximada da entrega da primeira? Porque temos de supor? Derrepente, talvez a primeira só chegue em 2021, até podem chegar todas ao mesmo tempo, até 2022.

Welton
Welton
8 meses atrás

Toda essa novela para 32 unidade.
Foi uma boa aquisição, mas no mínimo umas 100 seria interessante.

Paulo
Paulo
Reply to  Welton
8 meses atrás

Welton, o segundo e o terceiro lope preveem mais 77 unidades cada. O total é de 186.

Rodrigo
Rodrigo
Reply to  Paulo
8 meses atrás

Para uma tropa de 150 mil pracinhas?
Tô vendo que por décadas verei Marruá e caminhões para trasporte e missões de reconhecimento

Guilherme Poggio
Reply to  Rodrigo
8 meses atrás

Rodrigo, penso que sim. O EB não substituirá todos os Marruá pelos LMV. Aliás, apenas uma pequena parte.

Beserra(FN)
Beserra(FN)
Reply to  Welton
8 meses atrás

Toda a “novela” foi para o contrato, este lote inicial será de 32 unidades montadas na Italia, os lotes posteriores serão produzidos na unidade da Iveco em Sete Lagoas/MG, está bem claro no texto.

Guilherme Poggio
Reply to  Beserra(FN)
8 meses atrás

Só para completar. Os demais veículos além dos 32 iniciais serão formalmente considerados como um “follow-up” da compra inicial. Não precisa de nova licitação, mas terá que ter verba empenhada para que seja feito o pedido. Aí depende do orçamento.

wwolf22
wwolf22
8 meses atrás

excelente noticia…
mudando de veiculo, por que o EB não pega os blindados CASCAVEIS restantes e não faz algo parecido com esse do link… https://www.youtube.com/watch?v=F1xvSQNllyI

Tomcat4.0
Tomcat4.0
Reply to  wwolf22
8 meses atrás

Meu caro, uma torre desta no Guarani seria sonho de consumo total. Creio que por aqui(tendo dindin e vontade) se poderia colocar a Torc-30 e acrescentar a Remax e mais um lançador do ATGM nacional e teríamos algo parecido mas os custos desse tipo de sistema são elevados(país sério e que leva defesa a sério não mediria esforços pra ter o melhor mas……).

Salim
Salim
Reply to  wwolf22
8 meses atrás

Náo fazemos isto porque o foco esta desvirtuado, exercito deveria focar defesa pátria e náo GLO, missão ONU ou intervenção interna. Sisfrom se arrastando, blindados se exaurindo, compra em quantidade misseis portáteis anti carro, mísseis táticos media e longa distancia , radar M200 operacional.

Carvalho
Carvalho
Reply to  Salim
8 meses atrás

O foco deve estar onde existe ameaça. A maior ameaça é anarquia interna e externa, fomentada ou não por interesses corporativos ou de outros governos. O LMV cai como uma luva para as necessidades do EB. Quanto à letalidade, o LMV com Remaxpoderá ser tão letal quanto um Guarani. Trabalharão juntos. O argumento de que devem ser priorizados os Guarani apenas daria ensejo a uma força desequilibrada. O LMV se presta a ações ofensivas, e não apenas de reconhecimento, na qual o Marruá não pode atender. A matéria cita explicitamente a mudança doutrinária que será necessária com a introdução deste… Read more »

Salim
Salim
Reply to  Carvalho
8 meses atrás

A anarquia interna só ocorre quando governo trabalha para satisfazer suas necessidades e nao a da população. O desvirtuamento da missão das forças armadas e mais um detalhe que gera descontentamento e desconfiança. Guerra assimétrica teria justificativa se fossemos ocupar um outro país ou um levante popular contra governo déspota, ditatorial e não democrático. Espero que Brasil não chegue a este retrocesso e se ocorrer uma ameaça a isto espero que forças armadas corram a acudir a população brasileira.

Castro
Castro
Reply to  Salim
8 meses atrás

Alô Salim, Alô Salim…Câmbio!
Planeta Terra chamando !!
Já leu os jornais hoje?
Viu o que está acontecendo no Chile?
Viu o que está acontecendo na Bolívia?
Na Venezuela?
Na América Central?
No Rio?

Tomcat4.0
Tomcat4.0
8 meses atrás

Enfim abriu-se as porteiras para a passagem do LMV e que cheguem logo os primeiros e o segundo lote seja contratado para fabricação aqui em MG. Ótima notícia!!!

Beserra(FN)
Beserra(FN)
Reply to  Tomcat4.0
8 meses atrás

É bom lembrar que além destes 32 do lote inicial, já temos 16 viaturas entregues no ano passado, que foram para o Gabinete de Intervenção do EB para a Segurança Publica no Rio de Janeiro, que após o fim da intervenção serão incorporados em unidades de Infantaria Motorizada.

Guilherme Poggio
Reply to  Beserra(FN)
8 meses atrás

Beserra(FN), é bom também lembrar que serão veículos bem diferentes destes. Basicamente teremos dois tipos de LMV. Esses 16 que já vieram e foram comprados “off-the-self” (do jeito que estavam) e aqueles customizados para o EB (com tropicalização e tudo mais). Será a mesma coisa que comparar os Leopard 1A3 com os 1A5. É tudo Leopard, mas são diferentes.

Beserra(FN)
Beserra(FN)
Reply to  Guilherme Poggio
8 meses atrás

Poggio, as 16 Viaturas do Gabinete vão voltar para a IVECO, vão receber os hardware do EB e as devidas tropicalizações.

RENAN
RENAN
8 meses atrás

Tá de brincadeira 3 anos para adquirir 32 veículo 4×4?
Não consigo encontrar uma explicação plausível

Beserra(FN)
Beserra(FN)
Reply to  RENAN
8 meses atrás

Vou repetir o que descrevi para o Peter logo acima: Cara, você lê e interpreta o que lê ou é apenas um comentarista de título? O texto é claro sobre que foi fechado o contrato para um lote de 32 unidades fabricadas na Itália, e que os lotes seguintes serão fabricados na unidade da Iveco em Sete Lagoas/MG, de onde sai o VBTP-MR Guarani. a última unidade deste lote será entregue até 2022, ou seja, a partir do ano que vêm já receberemos unidades deste lote. Sobre a quantidade, é bom lembrar que o EB já conta com 16 LMV… Read more »

Lucas
Lucas
8 meses atrás

Já compraram 16 em 2018.
Agora 32. Depois o restante dos 186 pretendidos para começo.
Somando tudo vem 202 nessa PRIMEIRA FASE.

Depois, perto do fim das entregas e com a linha de montagem aqui, vão começar o “pinga-pinga” tradicional no EB.

Num ano vem 10. No outro mais 25. E assim vai, conforme os cofres permitem.
Igual fizeram com os Marruás e caminhões e agora com o Guarani.

Vamos andando do jeito que dá.
Melhor que ficar parado.

Foxtrot
Foxtrot
8 meses atrás

É já que não tem jeito mais, espero que o LMV entregue tudo aquilo que promete ao EB.
Parabéns a Iveco, ao menos apertaremos os parafusos em Sete Lagoas rsrsrs.

DaGuerra
DaGuerra
8 meses atrás

Muito bem, demorou!

Flanker
Flanker
8 meses atrás

Qual o motivo que levou o Exército Britânico a colocar à venda os seus veículos desse modelo?
Alguém sabe ou teve acesso aos relatórios de custos de manutenção e operação desses veículos?

rdx
rdx
Reply to  Flanker
8 meses atrás

São 03 motivos:

1. Reduzido espaço interno. Não tem espaço para transportar os equipamentos da guarnição e esse problema se agravou com a instalação de uma estação de armas remotamente controlada.

2. Pouco confiável (causando sérios problemas de disponibilidade)

3. Proteção blindada inadequada contra as ameaças encontradas no Iraque e no Afeganistão.

Bardini
Bardini
Reply to  rdx
8 meses atrás

O motivo principal se chama JLTV, que substituiria não só o Panther, como também Husky e Vector. Talvez substituiria também parte das Land Rovers e no futuro, até o Foxhound…

Juarez
Juarez
Reply to  Bardini
7 meses atrás

E mesmo sabichão, então lê o relatório de problemas infindaveis, quebras de motor, de turbina, demora no atendimento de peças. Deve ser tudo coisa “dus americanu malvadu.”

Flanker
Flanker
Reply to  rdx
8 meses atrás

“Bela” compra, então……

Fábio Ferreira Fernandes
Fábio Ferreira Fernandes
8 meses atrás

Se não for comprado em grandes quantidades não haverá propósito na aquisição. A regra é clara, quanto mais unidades tem um lote, mais barato sai o produto, gera mais empregos e fomenta a industria nacional.

Felipe Morais
Felipe Morais
8 meses atrás

Francamente, mais de 02 anos para produzir 32 veículos desses?

Dessa vez eu vou ter que dar uma de Nonato… O que tem de tão complexo nesses veículos para essa demora toda? Teria a ver com orçamento da parte brasileira? Será que a planta da Fábrica na Itália está abarrotada de pedidos?

E antes que algum Ufanista venha encher o saco, eu vi que a matéria fala que é só o primeiro lote e tbm vi que as entregas são “até” 2022. Mas podem falar o que quiser…prazo extremamente longo para a construção de algo que não é tão complexo.

Marujo
Marujo
8 meses atrás

Onde estão os M-198 que seriam comprados usados?