Home Forças Armadas As vendas de armas da China

As vendas de armas da China

6649
72
Main Battle Tank (MBT) chinês VT-4 selecionado pela Tailândia

De 2012 a 2016, as vendas de armas da China totalizaram cerca de US$ 20 bilhões, colocando a China entre os cinco principais fornecedores mundiais de armas. A China realiza principalmente vendas de armas em conjunto com ajuda econômica e assistência ao desenvolvimento para apoiar seus objetivos mais amplos de política externa, como garantir o acesso a recursos naturais e mercados de exportação, promover sua influência política entre as elites do país anfitrião e criar apoio em fóruns internacionais. Em menor grau, a venda de armas também reflete as atividades de busca de lucro de empresas comerciais individuais de armas na China e os esforços para compensar os custos de pesquisa e desenvolvimento relacionados à defesa da China.

Da perspectiva dos clientes de armas da China, a maioria dos quais são países em desenvolvimento, as armas chinesas são menos caras do que as oferecidas por outros principais fornecedores internacionais de armas. Elas também são geralmente considerados de menor qualidade e confiabilidade, mas muitas ainda possuem recursos avançados. As armas chinesas também vêm com menos restrições políticas em comparação com fontes alternativas, o que é atraente para clientes que podem não ter acesso a outras fontes de armas por razões políticas ou econômicas.

A maior parte das vendas da China de 2012 a 2016 foi para países da região Ásia-Pacífico, principalmente o Paquistão. As vendas de armas da China e a cooperação industrial de defesa com o Paquistão incluem a venda de SAMs LY-80, navios de guerra, Main Battle Tanks, mísseis ar-ar e aviões de combate.

Em 2015, a China assinou um acordo com o Paquistão para a venda de oito submarinos. Sob os termos deste contrato de bilhões de dólares, os quatro primeiros serão construídos na China e os quatro restantes no Paquistão.

A China é um fornecedor de nicho de UAVs armados e vendeu esses sistemas para vários países do Oriente Médio, incluindo Iraque, Arábia Saudita, Egito e Emirados Árabes Unidos.

A China enfrenta pouca concorrência pela venda de tais sistemas, porque a maioria dos países que os produz estão proibidos de vender a tecnologia como signatários do Regime de Controle de Tecnologia de Mísseis e/ou do Acordo de Wassenaar sobre Controles de Exportação de Armas Convencionais e Bens e Tecnologias de Uso Duplo.

FONTE: China Military Power – Defense Intelligence Agency

Subscribe
Notify of
guest
72 Comentários
oldest
newest most voted
Inline Feedbacks
View all comments
Fabio Araujo
Fabio Araujo
6 meses atrás

Melhoraram a qualidade, mas como funciona a assistência técnica? Puxou a Rússia que deixa a desejar ou esta mais para a ocidental?

PRAEFECTUS
PRAEFECTUS
Reply to  Fabio Araujo
6 meses atrás

Bom, não querendo desmerecer (longe disso), mas…

Enquanto a China está tentando um lugar ao sol exportando tecnologia de 3° ou 4° geração, nossos vizinhos do norte estão pensando 2050…

Cyborg Soldier 2050: fusão humano / máquina e implicações para o futuro do DOD

https://madsciblog.tradoc.army.mil/193-cyborg-soldier-2050-human-machine-fusion-and-the-implications-for-the-future-of-the-dod/

Grato

Antoniokings
Antoniokings
Reply to  PRAEFECTUS
6 meses atrás

Estão com a cabeça em 2050, mas vão levar uma ‘virada’ já em 2025, mais tardar em 2030.
Acontece com quem vive no Mundo da Lua.

WVJ
WVJ
Reply to  PRAEFECTUS
6 meses atrás

Mas exportar não deve estar nos planos, né?
Em matéria militar, a melhor saída é desenvolver-se ao máximo com recursos próprios.

Joao Moita Jr
Joao Moita Jr
Reply to  PRAEFECTUS
6 meses atrás

Universal Soldier!!!

jerominho do alemão
jerominho do alemão
Reply to  PRAEFECTUS
6 meses atrás

d q adianta pensar tudo isso s n estará disponível pra ninguém? o artigo fala sobre armas que muitos podem comprar e n será p enfrentar os EUA. ngm precisa de ciborgue pruma guerrazinha de fronteira, com muito RPG-7 dando sopa no mundo.

Marcos R.
Marcos R.
Reply to  Fabio Araujo
6 meses atrás

Esse MBT não é o mesmo que soltou pecinha na olimpíada de tanques na Rússia?

Fabio Araujo
Fabio Araujo
6 meses atrás

Segundo a Rússia nos últimos 17 anos 500 armas russas foram copiadas ilegalmente no exterior. Quem será que lidera este ranking?

Vinicius Momesso
Vinicius Momesso
Reply to  Fabio Araujo
6 meses atrás

Deu para ver de onde eles tiveram isnpiracão para criar o J-20.
comment image
comment image

***Foto desclassificada de uma maquete em tamanho real do que deveria ser Sukhoi Su47 cancelado por falta de money em 1988***

Vinicius Momesso
Vinicius Momesso
Reply to  Fabio Araujo
6 meses atrás

Quem mandou o Kremilin permitir que os escritorios de suas estatais tivessem acesso a WEB? Luxo perigoso!

Antunes 1980
Antunes 1980
6 meses atrás

Estes dias vi na rua um SUV chinês 0km de mais de 100 mil reais, com as lanternas traseiras queimadas.
Um produto com apenas 40% de peças nacionais, e o restante dos componentes chinês.
Impressionante como a qualidade deles ainda deixa muito a desejar em vários quesitos.
Será que quando se trata de armamentos, eles também são ruins ?

Vinicius Momesso
Vinicius Momesso
Reply to  Alexandre Galante
6 meses atrás

Xiaomi e Huawei que o diga!

Fabio Araujo
Fabio Araujo
Reply to  Vinicius Momesso
6 meses atrás

Trabalhei anos em empresas de telecomunicações e os equipamentos de telecom da Huawei são muito bons e tem excelente assistência técnica.

gordo
gordo
Reply to  Vinicius Momesso
6 meses atrás

Meu celular é um Xiaomi e até agora não tenho do que reclamar. O que preocupa os EUA não é essa crescente exportação de armas, um mercado que era Soviético/Russo com flutuações. Os EUA estão de cabelo em pé é com a vendas que vão de leds para enfeitar fachadas Natalinas a celulares e tornos de precisão. A imposição Chinesa vai ocorrendo na forma de financiamentos e linhas de credito. Aqui já ofereceram um fundo de 3 Bilhões de dólares para financiar empreendimentos e em troca aceitamos a 5G na área de comunicação. Os Chineses tem 5000 anos de civilização… Read more »

Bobpeh
Bobpeh
Reply to  gordo
6 meses atrás

Quem cai nas Garras Chinesas não sai mais, vide Equador, Venezuela e outros Países da AL. São terríveis e implacáveis! Subjugam totalmente. A 5 G por exemplo, está preparada para espionar todos que a adotarem, por isso Europa e EUA não querem adotá-la. Tem que cuidar e muito! Eles oferecem tudo fácil e rápido, depois vem o difícil por muito tempo!!!! A AL e África que se cuidem. A Ásia já está no bolso deles.

Marcelo
Marcelo
Reply to  Bobpeh
6 meses atrás

E quem acredita que a 5G fornecida por qualquer outro país não está preparada para espionar?
Todos serão espiões. O que teremos de decidir é qual deles entrará no Brasil. Só isso.

Greyjoy
Greyjoy
Reply to  Bobpeh
6 meses atrás

Longe de ser um defensor do regime chinês, mas tecnologia ocidental também não faz o mesmo?

Cristiano de Aquino Campos
Cristiano de Aquino Campos
Reply to  Alexandre Galante
6 meses atrás

Sério mesmo que você acha que a lanterna trazeira da SUV faz parte dos 60% do carro que e Chines?

chapim rabilongo
chapim rabilongo
Reply to  Alexandre Galante
6 meses atrás

talvez só seja mais barato msm… isso se deve em parte a china ser o pais mais industrializado do mundo atualmente

Francisco Herês
Francisco Herês
Reply to  Antunes 1980
6 meses atrás

Se puder evitar, não compre.

Antoniokings
Antoniokings
Reply to  Antunes 1980
6 meses atrás

Por pior que sejam, as armas chinesas não têm o problema ‘aqui vc pode usar e ali vc não pode’.
Os chineses estão tirando, inclusive, mercado de países que eram/são afinados com os EUA.

Defensor da liberdade
Defensor da liberdade
Reply to  Antunes 1980
6 meses atrás

Desde quando tem carro de qualidade no Brasil? Só alguns poucos modelos fora da curva ou da média, com preços bem exorbitantes, ou os importados de luxo como Mercedes, Audi, etc. No geral esses SUVs tem qualidade deprimente mesmo, ainda mais esses de 100 mil reais. Digo isso por que minha esposa tinha um HR-V que com 2 anos de uso começou a apresentar problemas no acabamento, um barulho infernal dentro do carro, parecia que tinha uma bateria de escola de samba. E olhe que Honda é tida como referência de qualidade… Quero nem imaginar esses populares de 40, 50… Read more »

Carvalho2008
Carvalho2008
Reply to  Defensor da liberdade
6 meses atrás

Tenho uma chevrolet Tracker turbo e ela ja esta no 2o recall e mais duas idas de suspensao e vidros em garantia… ta complicado

Defensor da liberdade
Defensor da liberdade
Reply to  Carvalho2008
6 meses atrás

Por isso só ando em carro alemão, desde sempre.

Oiseau de Proie
Oiseau de Proie
Reply to  Defensor da liberdade
6 meses atrás

“Defensor da liberdade Desde quando tem carro de qualidade no Brasil? Só alguns poucos modelos fora da curva ou da média, com preços bem exorbitantes, ou os importados de luxo como Mercedes, Audi, etc. No geral esses SUVs tem qualidade deprimente mesmo, ainda mais esses de 100 mil reais. Digo isso por que minha esposa tinha um HR-V que com 2 anos de uso começou a apresentar problemas no acabamento, um barulho infernal dentro do carro, parecia que tinha uma bateria de escola de samba. E olhe que Honda é tida como referência de qualidade… Quero nem imaginar esses populares… Read more »

Rodrigo Martins Ferreira
Rodrigo Martins Ferreira
Reply to  Oiseau de Proie
6 meses atrás

Então explica ai pq o seu Deus de 9 dedos não abriu o mercado brasileiro para automóveis descentes e obrigou os feitos aqui a terem a mesma qualidade ?

Ahhh pq fez carreira no ABC criando problema em montadora e ganhando dinheiro com isto.

Rodrigo Martins Ferreira
Rodrigo Martins Ferreira
Reply to  Antunes 1980
6 meses atrás

Tem que ter muita coragem para dar 100k em um carro chinês..

MMerlin
MMerlin
Reply to  Rodrigo Martins Ferreira
6 meses atrás

Nada contra produtos chineses. Com comentaram acima, Xiaomi e Huawei são exemplos de bons produtos.
Mas a desvalorização beira o absurdo. Algumas peças de reposição chegam a demorar 6 meses para serem importadas.
Então, no segmento automobilístico, nem chamo de coragem. Chamo de burrice.

Thiago Aiani
Thiago Aiani
Reply to  MMerlin
6 meses atrás

Exatamente MMerlin, nada contra um celular eu até topo, o risco x benefício dá até para justificar , Xiaomi e Huawei são gigantes consolidadas. MAS UM SUV Chinês, Tiggo , recém chegado no mercado com vendedora totalmente inexperiente e ignorante em matéria, qie afirma que o carro é ” fabricado” no Brasil , quando na realidade é apenas montado , pelo mesmo preço de um JEEP Renegade! Não tive dúvidas , optei pelo Jeep , marca consolidada, parte de um grupo europeu e até porque tem uma planta aqui no Nordeste, em GOIANA . Primeiro, prefiro ajudar minha economia, segundo… Read more »

Brunow
Reply to  Thiago Aiani
6 meses atrás

Quer saber se as Armas chinesas são boas, pergunta alguns países do Oriente Médio que compraram UAVs Chineses (Arábia Saudita, EAU, Iraque, Egito, Jordânia, Argélia etc)…

Rodrigo Martins Ferreira
Rodrigo Martins Ferreira
Reply to  Brunow
6 meses atrás

Como se faz esta pergunta ? Manda no SAC deles ?

Marcelo
Marcelo
Reply to  Brunow
6 meses atrás

O problema não é apenas a qualidade. A questão fundamental é: comprar da China ou não ter nenhuma?

Ersn
Ersn
Reply to  MMerlin
6 meses atrás

Uma coisa é você comprar um eletronico com o máximo de vida útil de 3 ou 4 anos ,outra coisa é comprar um veículo ou equipamento caro com centenas de peças e componentes mecânicos e elétricos que devem ser substituídos numa cadência razoável após muitos anos de uso intenso e ter disponibilidade desses no mercado. Comparar um computador ou celular com um carro ou trator e totalmente desproporcional.

Carvalho2008
Carvalho2008
Reply to  MMerlin
6 meses atrás

Com a Caoa por tras a Cherry ta vendendo muito aqui

Foi assim que a Hiunday se alavancou…

tadeu54
6 meses atrás

Gostaria que o Brasil voltasse ao mercado internacional de armas, receitas, divisas, empregos que tanto precisamos….
Na década de 90 deixamos nossa industria de defesa definhar e quase morrer por puro descaso, cegueira e preconceito.

EduardoSP
EduardoSP
Reply to  tadeu54
6 meses atrás

Tadeu, a indústria de defesa definhou nos anos 80, com a hiperinflação, aa crises cambiais e da dívida e o corte de despesas das forças armadas.

Rodrigo Martins Ferreira
Rodrigo Martins Ferreira
Reply to  EduardoSP
6 meses atrás

Quem começou o desmonte da indústria bélica nacional foi um cara chamado José Sarney

Mauricio R.
Reply to  tadeu54
6 meses atrás

Sem tecnologia própria e fabricando o que fabrica, com tecnologia de terceiros, pode esquecer.

MMerlin
MMerlin
Reply to  tadeu54
6 meses atrás

Acredite. No anos 90 o Brasil ainda construía. Pouco mas construía.
Foi a partir dos anos 2000 que entramos na era dos projeto, mas nada saía do papel.
Os projetos eram o afago motivacional do líder do mandato.
Mas na hora de executar, o que as FA’s recebiam era um tapinha nas costas.
A era “industrial” como era
conhecida na verdade foi um engodo. Na verdade, foi a era do “crédito fácil”.

Defensor da liberdade
Defensor da liberdade
Reply to  MMerlin
6 meses atrás

Era do crédito fácil graças à manipulação do governo, às medidas protecionistas que impediam certos produtos de serem importados se tivessem um similar nacional. Quando esse modelo desenvolvimentista se esgotou e o mercado teve que se abrir, a quebradeira foi geral, grandes grupos se desmacharam feito farinha, e outros tiveram que ser fundidos para evitar a falência. O Brasil mesmo tinha uma farra de bancos estaduais de fomento que viraram livro de história. Aqui na minha cidade mesmo haviam várias indústrias têxteis nos anos 80. Depois da década de 90 e fim de parte dos subsídios, não ficou nenhuma mais.… Read more »

Blind Mans Bluff
Blind Mans Bluff
Reply to  Defensor da liberdade
6 meses atrás

Falando em abrir mercado e comecar a quebradeira, lembro do governo collor.

MMerlin
MMerlin
Reply to  Defensor da liberdade
6 meses atrás

Você tocou em um assunto que me preocupa: o retorno de medidas protecionistas. Por que preocupa? Porque ainda não entramos na era da Indústria 4.0 (sim, bato nesta tecla a bastante tempo aqui). Enquanto países da Europa começaram a investir pesado a 10 anos e os EUA a 7. A Indústria 4.0 não se restringe apenas a robotização. É automatização extrema, em todas as áreas. Desde um controle de estoque, compra automatizada de sobressalentes, pagamento de fornecedores, cobrança de clientes, registro no eSocial, analise e controle bancário automatizado. Arrisco a dizer que, se o trabalho não é de criação, pode… Read more »

Blind Mans Bluff
Blind Mans Bluff
Reply to  MMerlin
6 meses atrás

Tipico populismo.

Thiago Aiani
Thiago Aiani
6 meses atrás

2 anos atrás comprei uma Kia, até um ótimo carro, tive um acidente e preço e demora das peças foram um absurdo, a desvalorização do carro foi outro problema . Eu não pagria esse valor nem em carro francês imagina chinês rsrsrs

Rodrigo Martins Ferreira
Rodrigo Martins Ferreira
Reply to  Thiago Aiani
6 meses atrás

Kia e outras marcas japonesas que não “pegaram” no Brasil só são problema porque faltam peças..

Mas um carro Kia, Subaru, Daewoo, Suzuki, Nissan, entre outras estão longe de ser medianas.

Só boas para ótimas.

Os chineses irão chegar lá um dia com certeza, já passaram os russos, mas ainda tem um longo caminho a percorrer.

MMerlin
MMerlin
Reply to  Rodrigo Martins Ferreira
6 meses atrás

Concordo. Tenho um Grand Vitara 4×4. Precisava de um carro para viagens a trabalho e lazer, mas como faço muito trekking e acampamentos mais roots em áreas razoavelmente isoladas, não podiam abrir mão de um controle maior da tração, situação aonde SUVS AWD, que acionam o mecanismo de forma automatizada, não atendiam. Foi um bom custo benefício. Mas a rede de atendimento e tempo de espera de algumas peças é desanimador. Ainda bem que, na parte mecânica, é inquebrável. Ocorre que os maiores desgastes que tenho é na parte de suspensão. Mas como a minha é customizada, levo em uma… Read more »

Rodrigo Martins Ferreira
Rodrigo Martins Ferreira
Reply to  MMerlin
6 meses atrás

Vamos ver se criam um ambiente favorável para outras montadoras e o Governo não caia na chantagem das 4 Grandes como já caiu trocentas vezes no passado.

Willber Rodrigues
Willber Rodrigues
6 meses atrás

Qual armamento os argentinos compraram dos chineses?
Sou da opinião de que a argentina só vai voltar a ter o mínimo de defesa se comprar dos chineses em troca de commodity, independente da qualidade.

Tutu
Reply to  Willber Rodrigues
6 meses atrás

Já compraram munição e alguns blindados no passado, a experiência foi horrível.
A munição de 155mm para obus se provou imprecisa e as de 105mm para os TAM destruíram alguns tubos.
Porém o mais grave foi os blindados, não lembro o nome ao certo, mas eram provenientes da norinco, as duas unidades que foram adquiridas para testes, que supostamente eram anfíbias, chegaram a afundar.

https://youtu.be/g3c8ubdAlxA

Este vídeo de um YouTuber argentino corrobora o que acabei de dizer, inclusive com fotos.

Cristiano de Aquino Campos
Cristiano de Aquino Campos
Reply to  Tutu
6 meses atrás

Quanto aos canos do TAM, no caso não eram os canos que tinham problema?
Não importa se você compra da China ou da Alemanha, tem que ter teste antes da compra, confere durante a fabricação.

MMerlin
MMerlin
Reply to  Willber Rodrigues
6 meses atrás

Quem paga com commoditie já saí em desvantagem numa negociação.
A recessão na Argentina é tão alta, que não deve nem se dar ao luxo de comprar equipamento militar externo. Infelizmente.
Precisa sim, é fechar parcerias com forças de outros países (Brasil, Uruguai, Peru e Chile) para auxílio fronteiriço, mantendo o pouco equipamento em condições de uso para doutrina ou atuação interna.
No máximo, tentar adotar e adaptar equipamentos nacionais comerciais para fins militares.

Augusto L
Augusto L
Reply to  Willber Rodrigues
6 meses atrás

.

Tutu
Reply to  Augusto L
6 meses atrás

Augusto L?

Defensor da liberdade
Defensor da liberdade
6 meses atrás

Esse SAM LY-80 seria bom para o Brasil. Por ser barato daria para equipar vários batalhões de defesa AA pelo país. Alô Biroliro, bora vê umas armas chinesas aí nesta aproximação com a China

Carlos Campos
Carlos Campos
Reply to  Defensor da liberdade
6 meses atrás

Só se for o J20, aí eu apoio, nada de bagulho da Norinco e réplica de Sukhoi

Defensor da liberdade
Defensor da liberdade
Reply to  Carlos Campos
6 meses atrás

Mais fácil eles venderem o J-31, que para a América Latina ainda é um filé mignon.

Gabriel BR
Gabriel BR
Reply to  Defensor da liberdade
6 meses atrás

Concordo com você , Defensor da Liberdade. poderíamos inclusive pagar com commodities…vou além, o Z-10 daria um belo helicóptero de ataque para o EB.

MMerlin
MMerlin
Reply to  Gabriel BR
6 meses atrás

Esquece isso de pagar em commodities. Produto bruto tem um custo muito inferior a um produto manufaturado.

Entre e o Z10 e A129 sou muito mais o segundo.
Inclusive, este ano, já tivemos um lobby forte em relação a compra.
Mas, sinceramente, já gostaria de ter visto a dupla da Bell AH-1Z e UH-1Y, uma vez que compartilham 85% das peças. Isso facilitaria demais a logística, manutenção e diminuiria de forma consideravelmente o custo.

Leonardo
Leonardo
6 meses atrás

Brasil poderia seguir China deixar desser colônia

Control
Control
Reply to  Leonardo
6 meses atrás

Jovem Leonardo
Não se preocupe, o Brasil está caminhando para se tornar uma colônia da China.
Sds

Vinicius Momesso
Vinicius Momesso
Reply to  Leonardo
6 meses atrás

O Brasil é aquele filho que mora com o pai(presidente) e o mesmo não para com mulher alguma.

Guizmo
Guizmo
Reply to  Leonardo
6 meses atrás

Sim, poderíamos começar escrevendo corretamente nosso próprio idioma, não?

Gabriel BR
Gabriel BR
6 meses atrás

Eu gostaria de ver o EB com 36 unidades do Z-10.

rafael
rafael
6 meses atrás

A China adaptou a frase de Lavoisier: “Na China nada se cria, tudo se copia”.

Léo Neves
Léo Neves
6 meses atrás

Pessoal defende equipamento chinês nas forças armadas brasileira , tomara que isso nunca se concretize. O que os chineses tem a oferecer que outros países não tem ? Questão de preço os russos também tem ótimo preço e ainda por cima tem qualidade.

RENAN
RENAN
6 meses atrás

Eu não acharia nada ruim comprar 20 unidades da type-055

Já teria condições de falar ao mundo que podemos dar uma resposta a qualquer possível agressor.

MMerlin
MMerlin
Reply to  RENAN
6 meses atrás

É… A um custo de 3 bilhões de reais (preço local – China) cada…
Simplesmente se tornaria o maior projeto de compra…
Nem nosso antigo Chefe de Estada megalomaníaco tomaria tal decisão.

RENAN
RENAN
Reply to  MMerlin
6 meses atrás

Se for isso é muito barato Valéria cada centavo Basta trocar por alimentos e minério Soja Triturada – Participação 13% – Valor FOB US$ 19,9; Óleos Brutos de Petróleo – Participação 11% – Valor FOB US$ 15,63; Minério de Ferro – Participação 9,9% – Valor FOB US$14,75; Celulose – Participação 3,7% – Valor FOB US$ 5,57; Carne de Frango – Participação 2,8% – Valor FOB US$4,2, Milho em Grãos – Participação 2,7% – Valor FOB US$ 4,2; Produtos Manufaturados – Participação 2,7% – Valor FOB US$ 3,96; Farelo de Óleo de Soja – Participação 2,6% – Valor FOB US$ 3,91;… Read more »

Fabio Araujo
Fabio Araujo
6 meses atrás

OFF- Duas bases foram atacadas hoje na Venezuela e algumas armas foram roubadas, aí um ministro da Venezuela faz um twitter dizendo que os atacantes foram treinados em campos paramilitares na Colômbia “com a colaboração ardilosa do governo de Jair Bolsonaro”. Esses caras causaram toda a bagunça por lá e depois vem nos culpar? Só faltava essa!

jerominho do alemão
jerominho do alemão
6 meses atrás

eita povo inteligente. enquanto o mundo regula isso e aquilo, eles vão lá e vendem. não fazem perguntas, nada viram, nada sabem. e os países, democracias ou não, ficam eternamente felizes pelo apoio chinês à sua causa. que o diga nosso presidente, que depois de ser entubado 3 vezes pelo trump, recebeu apoio incondicional chinês no caso da amazônia e um creditinho suplementar de 100 bilhões de dólares, além de participarem da concorrencia do pré-sal, quando nós vendemos pra nós mesmos.

Luiz Floriano Alves
Luiz Floriano Alves
Reply to  jerominho do alemão
6 meses atrás

A Etiópia comprou um sistema de lançamento de satélites da China e já é uma nação ESPACIAL. Nós já fizemos gastos absurdos e só colhemos um lamentável acidente que nos custou preciosas vidas. Nossa “parceria com a Ucrania, deu em nada, ou pior, um prejuízo enorme.