Home Armamento Projeto PARAFAL: transformando o fuzil 7,62mm no modelo MD1

Projeto PARAFAL: transformando o fuzil 7,62mm no modelo MD1

7394
157

O Parque Regional de Manutenção da 7 DE (Recife/PE) deu início ao Projeto PARAFAL. O projeto PARAFAL tem como principal objetivo transformar o fuzil PARAFAL no modelo MD1, que terá melhor capacidade operativa.

Para 2020 o objetivo e transformar todos os 1300 fuzis deste modelo existentes na área da 7ª Região Militar no novo modelo. O primeiro lote abrange 220 unidades.

Subscribe
Notify of
guest
157 Comentários
oldest
newest most voted
Inline Feedbacks
View all comments
Señor batata
Señor batata
4 meses atrás

Valeria a pena essa atualização com ia2 já correndo, inclusive a versão 7,62?

Kommander
Kommander
Reply to  Señor batata
4 meses atrás

Isso parece mais uma medida própria de uma unidade do EB, acho que cansaram de esperar a chegada do IA2.

Señor batata
Señor batata
Reply to  Kommander
4 meses atrás

Kommander mas será q a unidade tem dinheiro sobrando para atualizar uma arma q está em vias de ser trocada?
Tchau e obrigado pela resposta.

Rafael Oliveira
Rafael Oliveira
Reply to  Señor batata
4 meses atrás

O que é “em vias de ser trocada”?
1 ano? 5 anos? 10 anos? 20 anos?
A cadência de produção do IA2 é ridiculamente baixa.
Dependendo do prazo, compensa modernizar o PARAFAL.

Señor batata
Señor batata
Reply to  Rafael Oliveira
4 meses atrás

Concordo q dependendo do prazo realmente pode valer. Mas teria q saber alguma estimativa, para formar veredito, certo?
Tchau e saudações.

PLA
PLA
Reply to  Kommander
4 meses atrás

Acho que independente da instalação do IA2 ou não, é um movimento viável. Dificilmente todos os rifles serão deixados de lado, muitos serão guardados para emprego secundário ou poderão ser usados em treinamentos. Muitas forças armadas possuem rifles antigos guardados para serem usados em forças auxiliares ou secundárias, a própria China se não me engano ainda possui estoques da sua versão do AK47, mesmo com o uso massivo do QBZ-95

Space Jockey
Space Jockey
Reply to  PLA
4 meses atrás

Rifles ?! Rifle = Fuzil em inglês.

Señor batata
Señor batata
Reply to  Señor batata
4 meses atrás

Aproveitando a deixa. Alguém tb saberia dizer se o exercito tem algum programa para eventualmente adquirir uma nova pistola (polímero, percursor lançado, carregador bifilar, pronta já para receber supressor e holográfica)?
Tchau e já ficam meus agradecimentos.

Kommander
Kommander
Reply to  Señor batata
4 meses atrás

Isso não sei lhe informar, mas nunca ouvi falar num projeto desse tipo. Existe o COBRA, que seria para atualizar os equipamentos indivíduos usados pela infantaria, mas o projeto parou no tempo.
Acredito que as Forças Especiais devem utilizar pistolas mais modernas, pq esse tipo de tropa sempre opera armamento melhor do que os das forças convencionais.

Señor batata
Señor batata
Reply to  Kommander
4 meses atrás

De todo modo muito obrigado.

Kommander
Kommander
Reply to  Señor batata
4 meses atrás

Batata
Desculpe pelo comentário breve, tinha muitas mais coisas pra falar, só que pelo celular é horrível digitir.
Sds

Rodrigo Martins Ferreira
Rodrigo Martins Ferreira
Reply to  Señor batata
4 meses atrás

Pra saralho!

Señor batata
Señor batata
Reply to  Rodrigo Martins Ferreira
4 meses atrás

Perdão Rodrigo não entendi.

Saldanha da Gama
Saldanha da Gama
Reply to  Señor batata
4 meses atrás

Ele quis dizer ” pra kramba”

Señor batata
Señor batata
Reply to  Saldanha da Gama
4 meses atrás

Valeu Saldanha.

Peter nine nine
Peter nine nine
Reply to  Señor batata
4 meses atrás

Eu acho esse tipo de soluções bastante interessante. Portugal também faz/fez o mesmo, tanto no Exército como na Marinha, sendo as da Marinha (fuzus) sem dúvida as que mais alterações sofreram, mas por razões óbvias: os fuzileiros irão manter a G3, modernizada, o Exército encontra se a adquirir Scar’s, modificando apenas as G3’s mediante as necessidades das missões no exterior. Eu fico contente pois, eventualmente, lá terei saudades da maldita da arma e da “confusão” que gera uma serie delas a fazer fogo no inimigo, com o bom e velho 7,62. Suspeito até que a tropa até acabe por não… Read more »

NALDO
NALDO
Reply to  Señor batata
3 meses atrás

O IA2 é moderno mas diz que não tem a confiabilidade do FAL, depois de uma pacadinha no carregador o IA2 não dispara, já imaginou você se jogar no chão com o fuzil na mão e depois a arma falhar???

Kommander
Kommander
4 meses atrás

Vai entender essa merd**. Depois reclamam que eu reclamo das FA.
A poha do IA2 não tá aí pra substituir o FAL e o PARA-FAL!? Por que diabos já tão querendo criar essa versão MD1? Fora que o principal problema do FAL nunca foi resolvido que é a falta da alavanca de manejo solidário no transportador do ferrolho, uma medida simples, mas que os eng da IMBEL não querem ou não conseguem fazer.

Kornet
Kornet
Reply to  Kommander
4 meses atrás

E o IA 2 tb não tem.
Esse negocio de que o ferrolho rotativo é infalível,sei não.

Kommander
Kommander
Reply to  Kornet
4 meses atrás

Exatamente, foi por isso que citei os eng da IMBEL no final, acho que o mundo todo tá errado, só o Brasil tá certo.

Mayuan
Mayuan
Reply to  Kommander
4 meses atrás

Existem outras armas em amplo uso por aí cuja alavanca de manejo não é solidária ao ferrolho. O FAL não é nenhuma jabuticaba.

Rodrigo Martins Ferreira
Rodrigo Martins Ferreira
Reply to  Kommander
4 meses atrás

Esta mudança vai ser mais barata que um novo FAL…

Peter nine nine
Peter nine nine
Reply to  Kommander
4 meses atrás

Kommander, este tipo de alteração é sempre bem vindo.
Repare, mesmo que todo o militar brasileiro venha a contar com o IA2, o mais provável, caso quem manda assim o permita, é que continuará a ver uma outra FAL nas mãos de um ou outro militar, imaginemos, por exemplo, na função de Marksmen. A FAL adaptada acaba por se posicionar como mais uma opção para o militar. Não julgue que este tipo de fuzil deixou de ser útil, visto que, obviamente que adaptado, ainda conta com uma ou outra vantagem mediante exemplares mais modernos.

jodreski
jodreski
4 meses atrás

Gente longe de mim querer criticar esse projeto, qualquer melhoria às nossas forças são bem vindas e ultra necessárias, mas é vergonhoso ver o EB ainda operando um armamento tão antigo. A carabina Imbel IA2 5.56 que deveria ser um armamento que traria modernidade à força tem sido amplamente criticada, eu particularmente não tenho nada a somar a essa discussão, não avaliei o armamento, não atirei com o mesmo, o que posso falar seria só reprodução da opinião de terceiros. Mas acho que é ultra necessário o EB se modernizar, esse projeto é um passo importante sim, mas já deveria… Read more »

tomcat4.0
tomcat4.0
Reply to  jodreski
4 meses atrás

Comentário simples e objetivo, parabéns jodresk e concordo contigo em gênero ,número e grau!

Alex Stelio
Alex Stelio
Reply to  tomcat4.0
4 meses atrás

Em gênero e número; já que grau não concorda com absolutamente nada.

Leandro Furlan
Leandro Furlan
4 meses atrás

Lixo de atualização! Para quê?! Se já tem o IA2 7,62 mm. Podiam estar pintando o quartel que estariam gastando melhor o nosso dinheiro…

jodreski
jodreski
4 meses atrás

Complementando…. parece que o EB parou no tempo e quando tenta se modernizar ele o faz na velocidade de uma lesma! É rezar para nunca ocorrer um arranco rabo que nos envolva, pq se ocorrer vai por mim que nossas forças não durarão uma semana em combate e aí que enxergaremos a burrada que fizemos…

Kommander
Kommander
Reply to  jodreski
4 meses atrás

Cara, isso é vergonhoso. Quando vejo um policial ou um soldado do EB na mão com um FAL de mais de 1 metro na mão e tentando embarcar numa viatura, dá uma vergonha… Vergonha pelo descaso e por saber que poderiamos estar operando coisa muito melhor.

Ersn
Ersn
Reply to  Kommander
4 meses atrás

Isso é uma das coisas que da para por na conta do regime militar ,se era para fabricar algo sob licença seria melhor ter pego alguma coisa que era inovadora na época como por exemplo o M16 ou AR15 até mesmo o G3 tava mais avançado e melhor desenvolvido que o FAL quando ele comecou a ser fabricado aqui o M16 já estava na versão A1 ,poderíamos ter coisa muito mais avançada hoje.

Henrique
Henrique
Reply to  Ersn
3 meses atrás

Na época que o EB escolheu o FAL ele era o fuzil mais maduro e aceito no mercado. Nessa época o M16 era um projeto problemático e o G3 era novo demais, possívelmente não se podia auferir o quão confiável era. O problema é que o EB se deu conta muito tarde que o FAL era obsoleto, os países mais desenvolvidos que usavan o fuzil da FN o substituiu nos anos 80. Só como exemplo, o exército belga já adotou dois fuzis depois do FAL: fn fnc e o scar.

Emerson Gabriel
Emerson Gabriel
Reply to  Kommander
4 meses atrás

Kommander, além disso que você disse tem mais coisa que da vontade de chorar. O Colt M-4 custa 1.500,00

Raphael
Reply to  jodreski
4 meses atrás

Jodreski, em certo ponto você está certo sim, a grande maioria do EB é despreparada, salvando pouquíssimas unidades melhor preparadas, já o CFN da Marinha a história já é outra, sendo esta na minha opinião a única com um contigente maior com um bom preparo

Anderson Fernandes
Anderson Fernandes
4 meses atrás

Sabia que o IA2 nao iria dar em nada… assim como provavelmente nao terao todos os helicopteros pesados do projeto da Helibras, nem todos os Guaranis planejados, nem todos os submarinos planejados, nem todos os KCs 390 e nem todos os Gripens. Como sempre dao “um jeitinho” pra reformar o carro velho e nao trocar pelo novo

Kommander
Kommander
Reply to  Anderson Fernandes
4 meses atrás

A gente tem dinheiro pra andar de Jetta, mas sempre vai de Gol.

Carlos Gallani
Carlos Gallani
Reply to  Kommander
4 meses atrás

O problema é que a gente tem motoristas e passageiros profissionais demais!

Anderson Fernandes
Anderson Fernandes
4 meses atrás

Prevejo que no futuro nosso teóricos da guerra irão reduzir a compra de Gripens e modernizar os Super Tucanos colocando turbinas de e-jet da Embraer kkkkk

nflopes
nflopes
4 meses atrás

Assistindo a uma série sobre a unidade de guerra na selva, pude observar que o FAL não parece adequado para a floresta.

Alex Stelio
Alex Stelio
Reply to  nflopes
4 meses atrás

Por incrível que pareça o Fal é o melhor fuzil para o teatro amazônico por causa de seu calibre e robustez em um clima muito hostil. Pelo menos essa é a explicação dada por profissionais da área que já testaram várias armas nesse ambiente e o FAL se mostrou o mais adequado. Se estou errado em reproduzir isso não sei, mas foi o que li.

nflopes
nflopes
Reply to  Alex Stelio
4 meses atrás

prezado Alex
Por inadequado, me refiro ao tamanho, num ambiente de curta distância, de galhos, ramos etc, nada a ver com a qualidade. Lembrando que luta a curta distância exige armas mais curtas.

Salim
Salim
Reply to  nflopes
4 meses atrás

Senhores, o armamento em questão e o parafal, tem 990 mm e pesa 4,5 kg, o ia2 equivalente tem 920 mm e pesa 4,1 kg. Com esta mudança cano curto ficara menor e mais leve e trilho para acessórios agregara funções importantes, tem coronha rebatível que facilitam mobilidade. Ainda hj e uma bela arma e bem usada faz um ótimo trabalho, alem do calibre 7.62 ter maior potencia e alcance. Acredito que modificação e valida e bem vinda ate que o ia2 consiga ter producão e compra em quantidades robustas pelo EB. Conforme ressaltado por comentarista abaixo gostaria de saber… Read more »

João Girardi
João Girardi
Reply to  nflopes
4 meses atrás

O FAL é um excelente fuzil pra selva, foi muito usado pelo SAS australiano em versões customizadas pelos próprios combatentes com cano serrado e carregadores de 30 munições no Vietnã.

Dod
Dod
4 meses atrás

Exércitos do mundo todo: Vamos usar 5,56,para a tropa;EB “bora usar 7,62 herp derp.

SixteenthCipher
SixteenthCipher
4 meses atrás

OFF Topic
O exército divulgou os requisitos para o próximo Veículo Blindado de Combate, http://www.sgex.eb.mil.br/sistemas/be/separatas.php
port-028-eme_r_op_vbc-cc-corrente_(eb20-ro-04.060).pdf

cerberosph
cerberosph
4 meses atrás

A marinha pode dizer que não pode comprar um navio novo pois é caro, a aeronautica que um caça moderno é caro, o exercito pode dizer que um tanque moderno novo é caro mais po##a o exercito não pode comprar um fuzil que preste ai já é demais, gastam mais em champanhe que em fuzil.

Raphael
Reply to  cerberosph
4 meses atrás

Já se perguntou porque o EB compra IMBEL e a FAB e MB não compram? Conhecem os acionistas da IMBEL? Pesquise e verão porque

Rodrigo Martins Ferreira
Rodrigo Martins Ferreira
4 meses atrás

Não é mais fácil n inventar a roda, ligar na DSARms e ver no que eles podem ajudar ?

O topo eu deixaria com o trilho, o guarda-mão eu colocaria um MLOK e a coronha um tubo de M4

Talisson
Talisson
Reply to  Rodrigo Martins Ferreira
4 meses atrás

Dando uma observada deduzi que o punho do IA2 foi licenciado da DSA.

Rodrigo Martins Ferreira
Rodrigo Martins Ferreira
Reply to  Talisson
4 meses atrás

O que a DSA usa é mesmo grip da SAW, no IA2 eu nunca reparei.

Rodrigo Martins Ferreira
Rodrigo Martins Ferreira
4 meses atrás

Povo..

Um FAL modernizado ainda é uma arma bastante “competitiva” quando se compara com outras armas mesmo mais modernas.

Continua com a sua ergonomia da década de 60, mas de resto vale muito a pena a modernização sim.

Eu tenho um projeto de PARAFAL para mim, já que foi liberado para os CACs

EVERTON SBRISSE
EVERTON SBRISSE
Reply to  Rodrigo Martins Ferreira
4 meses atrás

Tmb acho, ma só que essa modernização veio um pouco tarde.

Carlos
Carlos
Reply to  EVERTON SBRISSE
4 meses atrás

Ficam melhor para Doar as Polícias Estaduais após Modernizados .
Vai dar certo. ! 👍

Rodrigo Martins Ferreira
Rodrigo Martins Ferreira
Reply to  EVERTON SBRISSE
4 meses atrás

Sim e não…

Pq até quem sabe um dia todos os IA2 556 e 762 forem entregues..

A unidade pode estar usando uma arma mais modernizada.

João Girardi
João Girardi
Reply to  Rodrigo Martins Ferreira
4 meses atrás

Algo que eu queria ver é um FAL modificado com:
1) Alavanca de manejo solidária ao ferrolho
2) Ergonomia melhorada com chave seletora de tiro em posição semelhante a do AR-15
3) Eixo basculante estilo AR, à frente do carregador e não atrás
4) Tampa da caixa da culatra fixa

Se o FAL ou mesmo IA2 adotassem essa configuração, provavelmente ainda seriam fuzis muito bons.

Edit: por acaso existe algum variante do FAL no mundo com configurações parecidas com isso que listei?

Rodrigo Martins Ferreira
Rodrigo Martins Ferreira
Reply to  João Girardi
4 meses atrás

Tem o SCAR rs

João Girardi
João Girardi
Reply to  Rodrigo Martins Ferreira
4 meses atrás

Putz kkkkkkkkkkkkkkk
Mas acho que um projeto sério de um fuzil brasileiro pra substituir o FAL tem que pelo seguir pelo menos esses quatro requisitos para corrigir as falhas do FAL.

Rodrigo Martins Ferreira
Rodrigo Martins Ferreira
Reply to  João Girardi
4 meses atrás

Eu não vejo esta necessidade de projetar aqui, só de fabricar.

A H&K abriu uma nova fábrica nos EUA só para fabricar os M38 e M27 do USMC, depois venderá as versões civis para a fábricar continuar funcionando.

Os franceses vão usar o HK416, no lugar do FAMAS.

Eu prefiro comprar um projeto descente e só fabricar aqui.

João Girardi
João Girardi
Reply to  Rodrigo Martins Ferreira
4 meses atrás

O que você acha do SiG 556?

Delp
Delp
Reply to  Rodrigo Martins Ferreira
2 meses atrás

Boa tarde. Sabes onde posso adquirir uma tampa da culatra com trilho , desse mesmo tipo da modernização?

rdx
rdx
4 meses atrás

Enfim um pouco de sensatez no EB. Cadê a militância “verde-oliva” para criticar o nosso exército? Está aí. Trocou o cano e a tampa da caixa da culatra do FAL e temos um fuzil melhor que o IA-2…aliás, com a mesma capacidade do IA-2 7,62mm. A história da carabina IA-2 5,56mm deveria ser objeto de estudo. Ela nasceu com as características de uma arma para operações especiais mas não substituiu nem a M4 do BAC. Honestamente, alguém acha que os nossos recrutas receberão miras térmicas, laser IR e outros acessórios de última geração para acoplar nos trilhos do IA-2? Outra… Read more »

Rodrigo Martins Ferreira
Rodrigo Martins Ferreira
Reply to  rdx
4 meses atrás

M27IAR e o M38DMR são ambos derivados do 416 e não do 417

rdx
rdx
Reply to  Rodrigo Martins Ferreira
4 meses atrás

Sim, o 7 do M27 me induziu ao erro. rss.

Rafael Oliveira
Rafael Oliveira
Reply to  rdx
4 meses atrás

A 100 metros de distância um infante brasileiro não acerta um soldado inimigo, seja usando, FAL, PARAFAL, IA2, T4. M4, M16, M27 ou qualquer outro fuzil.
Não adianta nada investir em armamento se não há treinamento de verdade. Militar que não seja de Forças Especiais dá quantos tiros por ano?

Rodrigo Martins Ferreira
Rodrigo Martins Ferreira
Reply to  Rafael Oliveira
4 meses atrás

Não fala o que vc n sabe cara…

Quando vc fala um infante brasileiro, vc se refere a qual unidade ?

Space Jockey
Space Jockey
Reply to  Rodrigo Martins Ferreira
4 meses atrás

95% delas

Rafael Oliveira
Rafael Oliveira
Reply to  Rodrigo Martins Ferreira
4 meses atrás

A qualquer um de uma unidade que não seja especial.
Pega qualquer batalhão de infantaria, infantaria motorizada ou infantaria de selva.
Quantos tiros eles dão por ano?

Space jockey
Space jockey
Reply to  Rafael Oliveira
4 meses atrás

Rafael, 30

Eduardo
Eduardo
Reply to  Space jockey
4 meses atrás

30??? Em 1 ano??? HAHAHA.

Space Jockey
Space Jockey
Reply to  Eduardo
4 meses atrás

Posso responder pelo meu ano e pela minha turma de 302 recrutas, mas é um bom indicador. Na verdade um número de 40 é mais fiel, só sei que não chegou a 50, e foi somente fuzil.

Alexandre Pessoa
Alexandre Pessoa
Reply to  Space Jockey
4 meses atrás

Na minha OM foram 10 (D-E-Z!) tiros numa ano. Eu, por ser S2, dei mais uns tirinhos, incluindo pistola e Beretta.

rdx
rdx
Reply to  Rafael Oliveira
4 meses atrás

O assunto não tem nada a ver com treinamento. A verdade é que se uma tropa do EB armada com IA-2, esbarrar com um inimigo armado com FAL, a mais de 200 metros, é bom estar com o TAF em dia.

Peter nine nine
Peter nine nine
Reply to  rdx
4 meses atrás

Rdx, A essa distância, prefiro um FAL modernizado, com acessórios à escolha. ^^ Convenhamos, eu, por circunstâncias da vida, nunca fui militar, nem por tal me tento passar. Mas das vezes que disparei uma arma de fogo, somado ao conhecimento que absorvi sobre certas e determinadas armas e das suas respectivas prestações, esta é a opinião que tenho. Quanto a IA2, as críticas somam-se (se bem que, julgo eu, muito exageradas e excessivamente mediatizadas) , mas tenho pena que muito probavelmente não poderei nem manejar nem estar perto de uma, não sei como anda o mercado externo dessa arma, mas… Read more »

Rafael Oliveira
Rafael Oliveira
Reply to  Peter nine nine
4 meses atrás

A Imbel aparentemente não faz nenhum esforço para exportar o IA2. Aliás, sequer os vende para civis brasileiros.
Mesmo as vendas para as polícias brasileiras são demoradas, tanto que a tendência é elas comprarem o T4 da Taurus ou importarem fuzis.
A Imbel é uma estatal ineficiente demais então você dificilmente verá um IA2 na Europa.

Rodrigo Martins Ferreira
Rodrigo Martins Ferreira
Reply to  Rafael Oliveira
4 meses atrás

A venda está liberada para CACs

O problema é o preço e com o T4 mesmo sendo uma b…. vc pode trocar ele todo, enquanto o IA2 vc vai ficar eternamene na mão da IMBEL.

Alguém sabe se o IA2 pelo menos aceita PMAG ?

marcos vinicius braga carvalhaes junior
marcos vinicius braga carvalhaes junior
Reply to  Rafael Oliveira
3 meses atrás

Rafael, e quem ira comprar as porcarias fabricadas pela Imbel, Taurus,CBC ou Boito?

La fora eles tem HK, SIG, COLT, BERETTA, BENELLI e por ai vai.

Aguiar
Aguiar
Reply to  Rafael Oliveira
4 meses atrás

Eu e os outros recrutas no Tiro de Guerra como soldados da reserva de segunda categoria a 20 anos atrás conseguiamos acertar quase todos os tiros no alvo a 400 metros com um mosquetão calibre 7,62, imagina a capacidade de um soldado treinado por uma companhia ou qualquer unidade mais capacitada que um Tiro de Guerra, você está equivocado com relação a capacidade de nossos militares.

Doug385
Doug385
Reply to  Aguiar
4 meses atrás

O famoso pau de fogo.

Alfa BR
Alfa BR
Reply to  Aguiar
4 meses atrás

Aguiar, tem OM onde a recrutada não efetua mais do que 50 disparos de fuzil no ano que serve e depois vai pra rua como reservista…

Rafael Oliveira
Rafael Oliveira
Reply to  Aguiar
4 meses atrás

Hoje tem Tiro de Guerra que a instrução se resume a 6 tiros. 2 em pé, 2 agachados e 2 deitados.
Quando que eu escrevi o comentário me referi a acertar um soldado inimigo. Acertar um alvo parado, estando parado atirando e corrigindo a visada com o alvo continuando parado é mais fácil do que acertar alguém numa guerra.
Em conflitos envolvendo outros países, incluindo os EUA, constatou-se que a maioria dos tiros são perdidos, mesmo a distâncias menores. No Brasil não seria diferente.

Rodrigo Martins Ferreira
Rodrigo Martins Ferreira
Reply to  Rafael Oliveira
4 meses atrás

Vocês estão comparando tiro de guerra e o pessoal do SMO com pessoal da ativa ?

Rafael Oliveira
Rafael Oliveira
Reply to  Rodrigo Martins Ferreira
4 meses atrás

Eu só citei os TGs porque o colega acima deu a entender que até no TG eles treinam e atiram muito bem.
Quando você me perguntou citei BI, BIM e BIS. Eles dão quantos tiros por ano?

Rodrigo Martins Ferreira
Rodrigo Martins Ferreira
Reply to  Rafael Oliveira
4 meses atrás

Nem eu sei e nem você sabe para afirmar que são um bando de inúteis.

Mas na hora que precisa eles vão lá e resolvem.

Rafael Oliveira
Rafael Oliveira
Reply to  Rodrigo Martins Ferreira
4 meses atrás

Não chamei ninguém de inútil.
Nas últimas décadas o Exército somente foi usado em missões de menor complexidade e contra bandidos comuns e guerrilheiros. Não enfrentou nenhum outro Exército para ter qualquer parâmetro de comparação.

Rodrigo Martins Ferreira
Rodrigo Martins Ferreira
Reply to  Rafael Oliveira
4 meses atrás

Seria pq o Brasil não entrou em Guerra ?

A maioria das operações militares hoje em dia em qualquer lugar são de regulares contra irregulares…

Rafael Oliveira
Rafael Oliveira
Reply to  Rodrigo Martins Ferreira
4 meses atrás

Sim, óbvio que é por isso. Tão óbvio que eu achei que não precisava ter dito.
Outrossim, mesmo contra irregulares há uma enorme diferença entre enfrentar as gangues de Porto Príncipe e o Hezbollah ou o EI.
Ou você acha que um infante brasileiro tem treinamento melhor do que os mariners que lutaram no Iraque e no Afeganistão? Que eles atiram mais e com maior precisão? Se tivesse que enfrentar alguma tropa, preferiria encarar os mariners do que os infantes tupiniquins e seus FALs e Parafals?

Mayuan
Mayuan
Reply to  Rafael Oliveira
4 meses atrás

Mariner é bote inflável da intex. Os fuzileiros navais americanos são Marines.

Rodrigo Martins Ferreira
Rodrigo Martins Ferreira
Reply to  Rafael Oliveira
4 meses atrás

Depende do terreno e com apoio aéreo ou sem ?

Doug385
Doug385
Reply to  Rafael Oliveira
4 meses atrás

Num TG são em média 12 tiros em um ano.

Space Jockey
Space Jockey
Reply to  Rodrigo Martins Ferreira
4 meses atrás

E quem vc acha que vai para o front na guerra Rodrigo, os oficiais de refeição diferenciada e barba feita em água mineral ou os recrutas ? Considerando um país como o Brasil. Quantas Minimi vc acha que existem no nosso inventário ? Quer dourar a pílula aqui no fórum ? Acho que aqui é para se expor a realidade.

Rodrigo Martins Ferreira
Rodrigo Martins Ferreira
Reply to  Space Jockey
4 meses atrás

Eu dourando a pílula ? Quem mais critica aqui sou eu..

E com razão pq eu lido com PCE, não sou bobo de fórum que critica por criticar pq vê na folhinha que a arma tal atira mais longe que a arma não sei o q…

Rodrigo Martins Ferreira
Rodrigo Martins Ferreira
Reply to  Space Jockey
4 meses atrás

Do jeito que você fala, vão soltar os soldados desarmados em uma guerra enquantos os oficiais ficam no clube…

eu nem perco meu tempo em debater com gente assim.

Até tinha feito uma resposta mais qualificada para vc, mas não sei pq ficou presa.

Space Jockey
Space Jockey
Reply to  Rodrigo Martins Ferreira
4 meses atrás

Ou seja, um defensor do status quó.

edimur
edimur
Reply to  Rafael Oliveira
4 meses atrás

General Americano falou em perca de 99% dos tiros em combates

Space Jockey
Space Jockey
Reply to  Rafael Oliveira
4 meses atrás

30

Antonio Palhares
Antonio Palhares
Reply to  Rafael Oliveira
4 meses atrás

Senhor Rafael.
O que te leva a esta certeza toda ?

Rafael Oliveira
Rafael Oliveira
Reply to  Antonio Palhares
4 meses atrás

Já li artigos e reportagens de guerra que citam a falta de precisão de um soldado comum em conflitos. Trocas de tiros até que acabam as munições sem que ninguém seja alvejado. E isso em Exércitos que participam com frequência de guerras, como EUA e Reino Unido. Também já li a respeito e ouvi de amigos policiais que trocaram tiros com bandidos a uma distância menor (obviamente com pistolas) e citaram a quantidade de tiros perdidos até acertar o meliante (ou ele fugir). Quanto ao EB, se os infantes atirassem bastante (bastante é milhares de tiros cada um), os FAL… Read more »

Space Jockey
Space Jockey
Reply to  rdx
4 meses atrás

Parece um fuzilzinho de criança, acho que minha antiga PT-59 tinha o cano maior. O desempenho balístico deteriora bastante com esses canos muito curtos, se um dia trocarmos num Cerrado da vida os enfrentamentos terão grandes distancias.

Rodrigo
Rodrigo
Reply to  Space Jockey
4 meses atrás

Tá aí um desperdício!
Vc gasta um ano com vários recrutas e depois dispensa e começa tudo de novo.
E para engajar é poucas vagas e geralmente já tem os peixes.
Mesmo assim o cara pode ficar só 7 anos, para permanecer tem que fazer prova de sgt.
Na minha época era assim na EsSA

Rodrigo Martins Ferreira
Rodrigo Martins Ferreira
Reply to  Rodrigo
4 meses atrás

Eu acho o SMO um desperdício de recursos, mas infelizmente os coroas para mudarem o pensamento deles vai levar uma eternidade.

João Girardi
João Girardi
Reply to  rdx
4 meses atrás

@rdx
Porra bicho concordo com tudo que vc diz, mas esse lance de stopping power é furada.

Rodrigo Martins Ferreira
Rodrigo Martins Ferreira
Reply to  João Girardi
4 meses atrás

Por que ?

Só pq o Cid Gomes disse que levou dos tiros de .40 S&W no peito, sem colete e foi andando até o carro para ir pro hospital ? rs Já que ninguém zuou isto aqui até agora vou eu…

João Girardi
João Girardi
Reply to  Rodrigo Martins Ferreira
4 meses atrás
Antunes 1980
Antunes 1980
4 meses atrás

Esse equipamento deveria ser modificado e direcionado para as forças de segurança em todo território nacional. Forças policiais em geral, Guarda Nacional e polícia federal.
Parabéns aos envolvidos.

paddy mayne
paddy mayne
4 meses atrás

A Imbel vai vender paraFAL para os CACs. Custo estimado de 12 mil, no modelo original. Ou seja, sem trilhos, grip, nada. Os caras abusam.

Space Jockey
Space Jockey
Reply to  paddy mayne
4 meses atrás

Tem tolo que paga.

Rodrigo Martins Ferreira
Rodrigo Martins Ferreira
Reply to  paddy mayne
4 meses atrás

Depende do Estado..

Tem estado que vai chegar a 10 e outros que serão 18

João Girardi
João Girardi
Reply to  paddy mayne
4 meses atrás

Biroliro tinha que abrir logo o mercado pra armas estrangeiras pro consumidor foder a Imbel de volta.

Rodrigo Martins Ferreira
Rodrigo Martins Ferreira
Reply to  João Girardi
4 meses atrás

Já está aberto

João Girardi
João Girardi
Reply to  Rodrigo Martins Ferreira
4 meses atrás

Ainda não é o bastante.

Rodrigo Martins Ferreira
Rodrigo Martins Ferreira
Reply to  João Girardi
4 meses atrás

Você quer que abra mais como ? Que o Governo pague para você importar ? rs

João Girardi
João Girardi
Reply to  Rodrigo Martins Ferreira
4 meses atrás

Abolição total do Estatuto do Desarmamento e do R-105. Enquanto o brasileiro comum não tiver acesso ao mesmo tipo de armamento que os traficantes tem e sem restrições na compra de munição, ainda não é o suficiente. Um povo armado é um povo livre. A humilhação pela qual o governador da Virginia teve que se sujeitar pelo povo americano lá nos EUA, com o capitólio cercado por milhares de pessoas com armamento pesado prova isso.

Foxtrot
Foxtrot
4 meses atrás

Nossa só isso?
Quem quer apostar que vão demorar uns 5 anos para fazerem o primeiro protótipo (que já existe,diga se de passagem) ?
Os Argentinos tem um projeto de modernização de seus FAL muito mais abrangente e que torna a arma mais ergonômica e operacional.
Será que não pensaram em colocar uma coronha tipo a do SCAR, trocar o guarda mão, colocar uma alça para empunhadura vertical, lanterna tática, laser etc.

Tutu
Reply to  Foxtrot
4 meses atrás

Os argentinos tiveram que modernizar muito bem os seus FAL, uma vez que lá não existem nem planos para subistui-lo.

Foxtrot
Foxtrot
Reply to  Tutu
4 meses atrás

Pode até ser caro Tutu, mas fizeram um excelente trabalho.
Dando de 1.000 na Imbaré (Inbel) e esse Frankenstein desengonçado denominado IA2.
Mais uma vez demonstrando que a Inbel deve ser privatizada e manter estatal só sua divisão de eletrônica e comunicações.
Nessas últimas ela da um show!

Mayuan
Mayuan
Reply to  Foxtrot
4 meses atrás

Não há necessidade de privatizar a Imbel para que melhore. Basta o GF profissionalizar e capitalizar a empresa.

Rodrigo Martins Ferreira
Rodrigo Martins Ferreira
Reply to  Tutu
4 meses atrás

Os argentinos tinham um plano para modernizar no estilo dos da DSA, mas não sei se foi para frente por questões financeiras.

Julinho
4 meses atrás

Imagina essa mesma idéia nós Hk-33 da FAB um fuzil no calibre 5,56 NATO que ainda tem muita lenha pra queimae

Foxtrot
Foxtrot
4 meses atrás

Algo tipo issocomment image?ims=544x.

E o mais importante, redução de peso substituindo peças de aço por duraluminium, Titânio ou plásticos de engenharia.
Mas aí corre-se o risco dessa instituição se tornar mais eficiente do que o elefante branco denominado Inbel.

Rodrigo Martins Ferreira
Rodrigo Martins Ferreira
Reply to  Foxtrot
4 meses atrás

Algo tipo uma arma de Airsofr vagabunda..

Escolha pelo menos uma boa

Peter nine nine
Peter nine nine
Reply to  Rodrigo Martins Ferreira
4 meses atrás

Vagabunda mesmo, que réplica vergonhosa essa da foto.

Foxtrot
Foxtrot
Reply to  Peter nine nine
4 meses atrás

Outro !!!
Aff.

Rodrigo Martins Ferreira
Rodrigo Martins Ferreira
Reply to  Foxtrot
4 meses atrás

Pega pelo menos um que se passe por arma de fogo.

O da TM ou VFC.

Bardini
Bardini
Reply to  Foxtrot
4 meses atrás

KKKKKKKKKKKK

Foxtrot
Foxtrot
Reply to  Bardini
4 meses atrás

Olha é meu fã, o Lesardine kkkkkkk.
Segue a onde dos dementados acima .
Vai fazer conjunturas sobre uma imagem como os “especialistas de teclado” acima e como sempre fez.
Querem ver ?
Em 1,23 …….

Doug385
Doug385
4 meses atrás

Gastar vela boa com defunto ruim.

Salim
Salim
4 meses atrás

Parabéns aos envolvidos, mostram conhecimento equipamento, capacidade técnica para melhorar equipamento com custo relativamente baixo. O fal embora de projeto antigo , em maos treinadas causa bastante estrago, boa opção pra tropa regular ainda dias de hoje.

Talisson
Talisson
4 meses atrás

Achei válido. Afinal a função de um parque de MatBel é essa mesmo. IA2 762 vai demorar pra estar difundido na tropa e esse upgrade deve custar 20% do valor de um IA2, e acredito que ficará bom.

Peixoto
Peixoto
4 meses atrás

Glr antes de mais nd, eu sou um leigo no assunto… Mas pq as nossas forças n estão produzindo e fzd a devida distribuição do IA2 seja o 5.56 ou 7.62? O fuzil realmente n presta ou seria um problema de logística, sla? Pq pelo o q fiquei sabendo é um fuzil de excelente qualidade.

Talisson
Talisson
Reply to  Peixoto
4 meses atrás

Pelo que o Roberto Caiafa comentou o maquinário da Imbel é demasiadamente antigo e não da conta de uma cadência maior.

WVLopes
WVLopes
Reply to  Talisson
4 meses atrás

Então não seria o caso realizar parcerias com outras empresas para a fabricação do IA2, para agilizar a distribuição das tropas?

Lyw
Lyw
4 meses atrás

Aos que estão sem entender o porque de fazer esse “retrofit” se o IA2 foi escolhido como o novo fuzil do EB… Trata-se de uma questão de tempo x recursos… O IA2 não chega na velocidade necessária para substituir o FAL, logo algumas tropas receberão esses fuzis retrofit’s enquanto aguardam a demorada chegada do IA2 (graças aos poucos recursos empregados para a compra desses equipamentos). É importante levar em consideração que esse retrofit tem um custo muito baixo e pode ser feito em pouco tempo nas próprias unidades militares.

Lyw
Lyw
Reply to  Lyw
4 meses atrás

Em tempo, é preciso acrescentar um detalhe, na 7º Região Militar a maioria dos soldados têm a disposição o FAL tradicional e não o PARAFAL. Sendo assim, ainda vai sobrar uma grande quantidade dos velhíssimos FAL equipando uma boa parte das tropas…

Sergio
Sergio
4 meses atrás

Muito boa a modificação. Além do mais seriam milhares de “FAL´s” que provavelmente seriam destruídos quando da chegada do IA2…..
Será que a ideia propagará para outras unidades????

Wellington Rossi Kramer
Wellington Rossi Kramer
4 meses atrás

O EB deveria implementar o projeto Para Fal e o Anda IA2.

IBIZ
IBIZ
4 meses atrás

Duas duvidas:
1° O termo correto no caso do FAL é fuzil ou rifle de batalha?
2° Trilho picatinny e miras ópticas em uma tampa removível; isso dá certo?

Wellington Rossi Kramer
Wellington Rossi Kramer
Reply to  IBIZ
4 meses atrás

Rifle é o termo em inglês, em português é fuzil. Refere-se também a arma com cano raiado – rifled.

Salim
Salim
Reply to  IBIZ
4 meses atrás

Tenho a mesma duvida, trilho em tampa removível!?! Precisa mais detalhes.

Jhon
Jhon
4 meses atrás

Alguém sabe ou chuta a cadência de produção do Imbel IA2 por ano para o exército? 2mil no máximo!

OSEIAS
OSEIAS
4 meses atrás

legal a iniciativa e tal.
Mas falar no final do vídeo ” com armamento mais moderno” kkkkkkkkkk
coitada dela por ser obrigada a falar isso

Ten.Bruno
Ten.Bruno
4 meses atrás

O cano na parte do guarda mão poderia ser reduzido em 3cm assim como se o encaixe da bandoleira fosse deslocado para mais perto do bico do guarda-mão. Isso daria para diminuir ainda mais uns 2cm na ponta do cano. oque daria uma redução total de 5 cm.

horatio nelson
horatio nelson
4 meses atrás

SÓ NO MORRO DO ALEMÃO TEM 1.300 FUZIS…Q VERGONHA!

Mayuan
Mayuan
Reply to  horatio nelson
4 meses atrás

Não viaja.

horatio nelson
horatio nelson
Reply to  Mayuan
4 meses atrás

duvido q a quantidade de fuizs seja superior a quantidade de soldados.

Luiz Floriano Alves
Luiz Floriano Alves
Reply to  Guilherme Poggio
4 meses atrás

Aqui ni RS, no interior, os meninos de oito anos já sabem atirar com revolver ou rifle de ferrolho que todos tem um. Sabemos que um dia o inimigo atravessa o Rio Uruguai e vai ter que levar chumbo grosso. Pena que essa tradição está se perdendo por parte do politicamente correto. Com um melhora na legislação de uso de armas espero que isso mude para melhor.

tomcat4.0
tomcat4.0
Reply to  Luiz Floriano Alves
4 meses atrás

Essa é a parte interessante de se facilitar a compra(pra quem tem ficha limpa e psicológico bacana) de armas e o estímulo de se criar mais estandes de tiro e competições como se vê no tio Sam. No caso de treta a população é um exército irregular treinado na arte de atirar(a qual digo por experiencia ,não é tão simples como parece, no caso atirar e acertar é claro).

João Girardi
João Girardi
4 meses atrás

Trago verdades:
comment image

rdx
rdx
4 meses atrás

O próprio US Army já reconheceu que a aquisição do M4 como “fuzil” regulamentar foi um erro. No campo de batalha, o M4 apresentou sérios problemas de alcance, letalidade e stopping power. O alcance efetivo de 300 metros do M4 deixou a infantaria incapaz de responder a fogos de armas calibre 7,62×54 e 7,62×51…e a munição SS109 (M855) apresentou sérios problemas de letalidade e stopping power num cano com menos de 20″. A solução encontrada para tais problemas foi desenvolver munições mais avançadas e compatíveis para canos mais curtos (MK262,MK318 e M855A1)…um paliativo. Atualmente existem 03 soluções definitivas em discussão:… Read more »

O bloqueado.
O bloqueado.
4 meses atrás

Concordando com o Poggio e além. Aqui no RJ alguns FAL já explodiram com o uso pelas Polícias, aço também sofre desestruturação molecular com o tempo, ficando mais frágil. Os carregadores com molas igualmente vencidas falhando na alimentação. O correto seria trocar todas as molas de fuzis e carregadores, e todos os canos, mesmo com raiamento, por conta da câmara não suportar a pressão por conta da fadiga pelo tempo. Excesso ? O FBI troca todas as molas de suas armas a cada 2000 disparos ou 2 anos, o que acontecer primeiro. A Glock ofereceu como alternativa às Polícias americanas… Read more »

O bloqueado.
O bloqueado.
4 meses atrás

OFF- os diplomatas e funcionários brasileiros na embaixada e consulados na Venezuela estão sendo retirados, de acordo com G1/Globonews.

Luiz Floriano Alves
Luiz Floriano Alves
Reply to  O bloqueado.
4 meses atrás

Deve ser por falta de mantimentos. Na reunião do Trump com o Bolsonaro será conhecida a receita do bolo.

tomcat4.0
tomcat4.0
Reply to  O bloqueado.
4 meses atrás

Também foram mandados embora os da turma do Maduro que estão no Brasil.

João Girardi
João Girardi
Reply to  tomcat4.0
4 meses atrás

Claro, não vão comer nosso rango às nossas custas kkkkk

Wellington Góes
Wellington Góes
3 meses atrás

Projeto de atualização ainda válido…. segue o bonde…..

Felipe
Felipe
3 meses atrás

Essa “atualização” já estava sendo feita de forma gradativa desde 2010. A reportagem só fez “explicar” o que já estava sendo feito desde 2010. A ideia é transformar todos os FAL/ PARAFAL em uso na força desde 1964 nesse padrão MD1, que teoricamente, teria uma vida últil maior, e esteticamente seriam mais conservados e usar esses Fz recauchutados como tampão até a chegada dos IA2. Sobre a chegada do IA2, isso está uma guerra sem fim que quem não está nos bastidores não tem noção e opinião de quem já usou bastante um Fz recauchutado desses, eu acho até valido.… Read more »

Josué
Josué
3 meses atrás

Daqui a pouco vão modernizar os PARAFAL todos é nada do IA2 ser entregue a todo país.