Home Carros de Combate General Dynamics lança seu tanque leve

General Dynamics lança seu tanque leve

7520
141

A General Dynamics Land Systems, uma unidade de negócios da General Dynamics, demonstrou seu mais novo veículo de combate desenvolvido para o programa Mobile Protected Firepower do Exército dos EUA.

O novo veículo foi apresentado durante a visita do Secretário do Exército, Exmo. Ryan D. McCarthy e vice-chefe do Estado-Maior do Exército Joseph M. Martin, nas instalações da General Dynamics em Detriot, no dia 23 de abril.

A liderança do Exército dos EUA visitou as instalações da General Dynamics e da BAE Systems em Detroit para inspecionar vários programas militares promissores que continuam a progredir, apesar da pandemia do COVID-19.

O novo veículo de combate de grande calibre foi projetado para fornecer uma capacidade de tiro móvel, protegida, direta e ofensiva em todo o espectro de terrenos e operações para a equipe de combate da Infantry Brigade Combat Team (IBCT).

Os veículos devem ser altamente letais, resistentes e móveis.

O Exército dos EUA espera que o novo tanque leve seja um veículo blindado de 38 toneladas capaz de fornecer aos soldados velocidade, proteção, letalidade e capacidade de travar uma batalha de vários domínios, trabalhando em conjunto com outras forças terrestres para sobrecarregar o inimigo com vários desafios simultâneos.

O novo tanque leve terá uma blindagem aprimorada e um canhão principal de 105 mm.

Maquete do General Dynamics Griffin II Light Tank
Subscribe
Notify of
guest
141 Comentários
oldest
newest most voted
Inline Feedbacks
View all comments
DOUGLAS TARGINO
DOUGLAS TARGINO
2 meses atrás

Fizeram pensando no Brasil? Esse tanque ai seria ideal para o Brasil!

DOUGLAS TARGINO
DOUGLAS TARGINO
Reply to  DOUGLAS TARGINO
2 meses atrás

250 UNIDADES COMO ESSA E 250 UNIDADES DE UM VEICULO DE 50/55 TONELADAS COM UM CANHÃO DE 120 MM É TUDO QUE O BRASIL PRECISARIA!

Doug385
Doug385
Reply to  DOUGLAS TARGINO
2 meses atrás

Amigo, não precisamos e nem teriamos como manter 500 MBTs.

DOUGLAS TARGINO
DOUGLAS TARGINO
Reply to  Doug385
2 meses atrás

Mas hoje temos praticamente isso, amigo!

Wilson
Wilson
Reply to  DOUGLAS TARGINO
2 meses atrás

No papel, por que na prática temos 250 leopard 1a5 e 28 m60a3TTS em condições de combate os leopard 1a1 só estão sendo usados para treino, mas não tem utilidade em combate mais.

Beth
Beth
Reply to  DOUGLAS TARGINO
2 meses atrás

Tem dindin nem pro diesel.

FighterBR
FighterBR
Reply to  DOUGLAS TARGINO
2 meses atrás

Não estamos jogando War.

DOUGLAS TARGINO
DOUGLAS TARGINO
Reply to  FighterBR
2 meses atrás

Claro que não, nossa soberania não é um jogo de criança!

Entusiasta Militar
Entusiasta Militar
Reply to  DOUGLAS TARGINO
2 meses atrás

DOUGLAS TARGINO; Concordo com o senhor quanto a necessidade de temos 2 carros de combate sendo um mediano de 105mm e outro pesado de 120mm, mas acho difícil o nosso EB embarcar nessa ideia. E sendo realista, o mais provável que vai acontecer nos próximos 10 anos, seria a aposentadoria dos M60, dos Leo 1A1 e a curto prazo a modernização inevitável dos cascavel e dos Leo 1A5 para ganhar tempo. Ai sim, com uma possível e necessária compra de muitos IFV de 40mm para o EB, teríamos a chance de desenvolver partindo desses IFV como base um CCB nacional,… Read more »

Carlos Campos
Carlos Campos
Reply to  DOUGLAS TARGINO
2 meses atrás

Já existe o MBT para Brasil, ele tá no Japão, ja foi visto em ação pelo comandante dos CC do Brasil, tem canhão de 120mm, o nome dele é Type 10.

ADRIANO MADUREIRA
ADRIANO MADUREIRA
Reply to  Carlos Campos
2 meses atrás

O preço do type 10 é de USD11.3 milhões…

Carlos Campos
Carlos Campos
Reply to  ADRIANO MADUREIRA
2 meses atrás

o que eu vi era de 8 milhões. de qualquer forma, sonhar não custa nada

Teropode
Reply to  DOUGLAS TARGINO
2 meses atrás

Sem chances , estes produtos americanos novos são caros para se obter , aliás os norteamericanos estão perdendo mercado para produtos chineses justamento por causa do alto custo destes produtos , não vejo o brasil em condições de adquirir estes veiculos , daaui a 30 anos de segunda mão , talves.

Ricardo Bigliazzi
Ricardo Bigliazzi
2 meses atrás

Sobre vida para as munições de 105mm no Ocidente.

Claudio Moreno
Claudio Moreno
2 meses atrás

Bom dia Senhores!

Olha aí! E o povo desce a lenha no 105mm. O preço estimado ninguém divulga? Qual é sacanagem né!

Uma observação apenas: faltou um míssil anti carro e a. 50 em torre remota. Será que é para minimizar os custos?

CM

Carlos Campos
Carlos Campos
Reply to  Claudio Moreno
2 meses atrás

“max o canhãozinho de centoecinquento milimetros é obsoluto”, eu acho que dá para colocar tudo isso que vc disse, é só que o MBT.

Ednardo Sombra
Ednardo Sombra
2 meses atrás

Se fosse com canhão de 125mm eu comprava…

DOUGLAS TARGINO
DOUGLAS TARGINO
Reply to  Ednardo Sombra
2 meses atrás

120MM É O BASTANTE.

Carlos Campos
Carlos Campos
Reply to  Ednardo Sombra
2 meses atrás

compra o T14 então

Diego Tarses Cardoso
Diego Tarses Cardoso
2 meses atrás

Leve de 38 toneladas, e nós considerando um carro de 40 como MBT capaz de ser a frente de combate de nosso país.

Wilson
Wilson
Reply to  Diego Tarses Cardoso
2 meses atrás

O sucessor do leo1a5 é para ter 50 toneladas, o EB está se concentrando em ter um veículo que possa resistir a impactos de munição cinética de 120mm na frente(o mínimo necessário para isso).

Cristiano de Aquino Camposkv
Cristiano de Aquino Camposkv
Reply to  Wilson
2 meses atrás

E canhão de 120 mm.

Diego Tarses Cardoso
Diego Tarses Cardoso
Reply to  Wilson
2 meses atrás

De fato Wilson, vai ser difícil encontrar ou produzir esse veículo dentro das 50 toneladas.
Os únicos que encontrei dentro do que o EB quer nessa faixa de peso são os japoneses Type-90 e Type-10, mas eles têm autoloader, coisa que o EB não quer, e o primeiro não tem a proteção que o EB deseja.
Tem os russos, mas esses com certeza estão fora de cogitação.

Wilson
Wilson
Reply to  Diego Tarses Cardoso
2 meses atrás

Pelo que vejo e leio a respeito o mais provável é a criação de um mbt que atenda aos requisitos do EB e que seja produzido aqui. (provavelmente o EB fará uma competição internacional para definir quem será o parceiro nesse projeto. Minha opinião é que como a KMW já tem instalações aqui e já trabalha com o EB, ela está bem posicionada para levar essa.)

Até lá o que será feito é modernizar os leo 1a5 para que durem até que o novo veículo estava pronto.

Diego Tarses Cardoso
Diego Tarses Cardoso
Reply to  Wilson
2 meses atrás

Sim, ouvi em uma live especializada que os melhores candidatos são de fato a KMW e a Iveco, pois as duas possuem fábricas no Brasil. Mas nenhuma das duas têm um carro que atenda as necessidades nacionais, mesmo o Ariete C1 se afasta no quesito peso e blindagem. Li a lista de critérios para a modernização do Leo1a5, e ela focará muito na eletrônica, gargalo do nosso país na manutenção desse carro. Pelo que vi nessa live, a expectativa do EB é que os Leo fiquem operacionais por mais dez anos após a modernização, tempo suficiente para desenvolver o novo… Read more »

Wilson
Wilson
Reply to  Diego Tarses Cardoso
2 meses atrás

Assisti essa live também. é bem instrutiva e ajuda muito a entender o que o EB planeja para o futuro.

Diego Tarses Cardoso
Diego Tarses Cardoso
Reply to  Wilson
2 meses atrás

Fiquei curioso sobre o Tam 2IP, pesquisei a respeito dele e acho que poderia também influenciar nossa modernização do Leo1a5 no quesito blindagem.
Sei que munições cinéticas não tem como melhorar no Leo, mas pelo menos Heat e ATGM sim.

ted
ted
Reply to  Diego Tarses Cardoso
2 meses atrás

correção: so a iveco produz carros de combate atualmente no Brasil . sete lagoas . MG

Wilson
Wilson
Reply to  ted
2 meses atrás

Correção a iveco produz VBTP sobre rodas no Brasil não carros de combate.

Heinz Guderian
Heinz Guderian
Reply to  Wilson
2 meses atrás

Se baterem o martelo para uma modernização dos Leo 1a5, eu faria algo parecido com a que os canadenses fizeram. comment image

Marujo
Marujo
Reply to  Heinz Guderian
2 meses atrás

Mais: eu compraria todos os Leo 1A 5 canadenses que estão a venda par equipar os R CB, que estão bem veículos neste momento.

ted
ted
Reply to  Wilson
2 meses atrás

aquela oficinazinha em santa maria produzindo algo?? sejamos realistas.

Wilson
Wilson
Reply to  ted
2 meses atrás

Essa oficina tem espaço mais que suficiente para desenvolver e produzir carros de combate, atualmente ela está sendo subutilizada.

ted
ted
Reply to  Wilson
2 meses atrás

sucessor!!! jamais. míssil anti tanque um investimento muito inferior com resultado devastador para um possível inimigo.

Wilson
Wilson
Reply to  ted
2 meses atrás

Míssil AT não substitui carros de combate, além de terem uma flexibilidade muito inferior há de um carro de combate.

Sem falar que um carro de combate frontalmente é imune há estes armamentos(quase todos usam munição do tipo HEAT, ineficaz contra armaduras compostas).

Leo neves
Leo neves
2 meses atrás

A torre é tripulada ? Tem carregamento automático da munição?

Ricardo da Silva
Ricardo da Silva
Reply to  Leo neves
2 meses atrás

Nas fotos aparecem 2 acessos de tripulantes na torre e apenas um no casco. Já o carregamento automático, os EUA costumam não “gostar”

Diego Tarses Cardoso
Diego Tarses Cardoso
Reply to  Ricardo da Silva
2 meses atrás

O stryker MGS, versão com canhão, usa autoloader, quem sabe seja uma experiência.

Ricardo da Silva
Ricardo da Silva
2 meses atrás

Seria bom se usasse uma plataforma comum com um IFV. poderia formar uma “família de blindados”. Sempre achei que uma solução semelhante seria o ideal para o EB e oCFN MB.
Só espero que o programa avance, me lembrei do Cadillac Cage Commando Stingray

Wilson
Wilson
Reply to  Ricardo da Silva
2 meses atrás

Parece que usa a plataforma Griffin, que é um IFV.

ScudB
ScudB
Reply to  Wilson
2 meses atrás

Mais precisamente a plataforma ASCOD.

O bloqueado.
O bloqueado.
2 meses atrás

Em teoria deve complementar o M1, mas com os TO cada vez mais urbanos, seu alto custo de operação e a ascensão de defesas ativas, MBTs de mais de 50 tons. de peso podem acabar como os couraçados: extintos. . Logo pode haver uma versão “A1” com canhão de 120mm, então não entro nessa de 105 x 120. . Não fala sobre número de tripulantes, deve levar 3, embora com a automatização poderia se reduzir a 2. . A torre recuada deixa a dúvida : motorização dianteira ou traseira ? . Encaixa como uma luva no EB e FN. 400… Read more »

Wilson
Wilson
Reply to  O bloqueado.
2 meses atrás

Defesas ativas não são tudo o que falam, ajudam na defesa do veículo, mas elas só interceptam parte dos misseis lançados contra o veículo(tipo a cada x lançados y são abatidos). O PL-01 é mais leve e leva um 120mm, tudo depende dos requisitos que devem ser cumpridos. 2 tripulantes é muito pouco, você estará sobrecarregando o comandante e reduzindo a eficácia do veículo em combate. Torre recuada o mais provável é motorização dianteira como no Merkava. Não podemos afirmar que se encaixa bem com o EB e FN pois não existe requisitos comuns entre os dois e não conhecemos… Read more »

Vicente Júnior
Vicente Júnior
2 meses atrás

Ideal para os Fuzileiros Navais! Pra Substituir aqueles blindados SK-105 Kürassier 👍

Luiz Floriano Alves
Luiz Floriano Alves
Reply to  Vicente Júnior
2 meses atrás

Vicente Jr.
Os fuzileiros navais dos EU acabam de extinguir os quatro batalhões de Abrams. Motivo: chegaram a conclusão de que no atual TO não existe condições de combate para MBT em desembarques anfíbios. Não seremos nós, com menos expertize, que vamos contradizer isso. Agora, esse tanque “LEVE” é tudo que os atuais estrategistas estão pedindo. Até porque Russos e Chineses já saíram na frente. 105 mm? O que resite um impacto destes? Abço.

Elcimar Menassa
Elcimar Menassa
Reply to  Luiz Floriano Alves
2 meses atrás

pro nosso CFN que não tem pretensão de sair pelo mundo fazendo desembarques como esta na doutrina do USMC,estaria muito bom pro nosso cenário de America do sul não acha.
quanto ao calibre,muitos falam muita besteira, vai depender muito da posição do acerto para se parar ou danificar um MTB maior,tirando-o de ação por breve ou longo período,isso se não por definitivo.
e lembrando que com um tanque leve acompanhando a infantaria sempre existira armas ant-carro nos pelotões.

Carlos Campos
Carlos Campos
Reply to  Luiz Floriano Alves
2 meses atrás

105 APFSDS acho que nenhum MBT leva uma sem arriar.

Fabio Araujo
Fabio Araujo
2 meses atrás

E ainda dizem que canhão de 105 não tem mais espaço! Agora uns desses para o Pantanal e para a Amazônia cairiam bem!

FighterBR
FighterBR
Reply to  Fabio Araujo
2 meses atrás

Pra ficar atolado?

Cristiano de Aquino Camposkv
Cristiano de Aquino Camposkv
Reply to  Fabio Araujo
2 meses atrás

Quantovmaior o calibre mais blindagem perfura e a uma distância maior. Mesma lógica do calibre de fuzil, porém, isso só e valido em combates frente a frente em terrenos planos, pois em combates como os de hoje, urbanos, na distância de uma esquina a outra tanto faz o calibre, todos matam igual.

Elcimar Menassa
Elcimar Menassa
Reply to  Fabio Araujo
2 meses atrás

pra essas regiões vai depender muito,por causa do terreno e geografia local.

2Hard4U
2Hard4U
Reply to  Fabio Araujo
2 meses atrás

Na boa, pelo seu comentário você nunca esteve nem no Pantanal ou na Amazônia, dois ambientes geográficos totalmente inadequados para MBTs.

Bardini
Bardini
2 meses atrás

Não, não é “ideal” para o Brasil. Quem leu os requisitos do EB sabe muito bem o que o EB quer.
.
O canhão de 105mm é suficiente para APOIO DE FOGO, que será a missão principal desse blindado, que está até no nome do programa.
.
Esse AFV não é blindado feito para bater de frente com um MBT. Essa é a missão do Abrams.
.
Optar pela munição de 105mm representa diminuir o peso do blindado e aumenta a quantidade de munições transportadas.
.
Com esse peso, eles conseguem transportar suas forças via aeronaves com maior facilidade.

Diego Tarses Cardoso
Diego Tarses Cardoso
Reply to  Bardini
2 meses atrás

Talvez servisse para os RCB Bardini ?

Bardini
Bardini
Reply to  Diego Tarses Cardoso
2 meses atrás

Por mim, os RCB deveriam deixar de existir. Nunca existiu e nem vai existir condições financeiras de continuar sustentando essa ilusão de papel.

Augusto L
Augusto L
Reply to  Bardini
2 meses atrás

Concordo em partes em relação aos RCBs, acho que a cavalaria mecanizada como brigada deveria deixar de existir como é hoje mas os alguns RCBs de brigadas de infantaria deveriam continuar existindo, a compra do exército americano de blindados sobre lagartas para sua infantaria leve comprovam que essas unidades precisam de um “algo a mais” Inclusive sou a favor além de se manter alguns RCBs em algumas unidades de infantaria leve, criar unidades de infantarias leves com MRPs e tanques leves ao invés de infantarias mecanizadas. Infantaria Mecanizada é pra quem vai lutar guerra de media-grande escala de alta intensidade,… Read more »

Bardini
Bardini
Reply to  Augusto L
2 meses atrás

Eu investiria em Infantaria Mecanizada. Não tem força que entregue maior custo x benefício dentro do nosso TO e em operações expedicionárias de pacificação de regiões quentes do que a Infantaria Mecanizada.

Augusto L
Augusto L
Reply to  Bardini
2 meses atrás

A infantaria mecanizada é eficaz sim Bardini mas ineficiente se comparado a MRPs em missões irregulares.

Tanto que Israel não tem uma Stryker brigade, sua infantaria mecanizada é puramente pesada e feita para operar em apoio a infantaria leve.

Outros exemplos são os EUA e RU, que investiram pesado em MRPs e não enviam brigadas Stryker ou semelhantes a areas de insurgência, ate os franceses vão substituir o VAB por MRPs e não por veículos de infantaria.

Bardini
Bardini
Reply to  Augusto L
2 meses atrás

MRP? Não seria MRAP? . Pra missão irregular falta um 4×4 blindado na força. A Infantaria Mecanizada precisa de um 4×4 blindado. É só somar 2+2 pra ver que temos aí uma oportunidade de sanar esses 2 fatores. . “Tanto que Israel não tem uma Stryker brigade, sua infantaria mecanizada é puramente pesada e feita para operar em apoio a infantaria leve.” . Mas pq as Forças de Defesa de Israel precisariam de algo como uma Brigada Stryker? . “Outros exemplos são os EUA e RU, que investiram pesado em MRPs e não enviam brigadas Stryker ou semelhantes a areas… Read more »

Augusto L
Augusto L
Reply to  Bardini
2 meses atrás

Confundi a siglas rsrsr. Mas vejo o Griffon mais pra um MRAP do que um APC/IFV na minha visão. “Quem faz o serviço sujo são as Strykers e depois, em um contexto de pacificação é que surgem os MRAPs. Nem todo mundo pode ter a diversidade de meios que os americanos podem ter.“ Discordo fundamentalmente, quem faz p serviço de chutar a porta são as FEs e a infantaria leve apoiadas por frações de tropas mecanizadas, blindadas e suporte aéreo. Russos são um exemplo na primeira guerra da Chechenia tentaram entrar com as tropas mecanizadas e tomaram um pau, hoje… Read more »

Diego Tarses Cardoso
Diego Tarses Cardoso
Reply to  Augusto L
2 meses atrás

Sei que os RCB são a segunda linha de defesa do nosso país em termos de blindados, porém vejo neles também uma unidade integrada. Na minha opinião um carro mais leve como o CV90-120 poderia fazer o trabalho dos Leo1Be e 1a5 que estão lá hoje, e o novo cc do futuro pertencer aos RCC. Mas toda essa questão depende de recursos, com certeza o EB especula, planeja, sonha, mas na hora H a grana não vem. Porém como primeira reforma que as três forças deveriam fazer é acabar com pensão para filhas de militares. Já se foi o tempo… Read more »

Alfa BR
Alfa BR
Reply to  Bardini
2 meses atrás

Acho que isso vai te interessar Bardini (caso já não tenha lido):

Estudo sobre a primeira Stryker Brigade Combat Team (SBCT) a entrar em combate após ser enviada ao Iraque em novembro de 2003.
Link:
https://history.army.mil/html/books/070/70-106-1/CMH_70-106-1.pdf
comment image

Bardini
Bardini
Reply to  Alfa BR
2 meses atrás

Vou dar uma olhada nisso aí sim. Valeu 👍🏻

Carvalho
Carvalho
Reply to  Bardini
2 meses atrás

A defesa da priorização da infantaria mecanizada sempre foi a posição do Bacchi.
O que nos falta hj? Além do 4×4, nos falta um RCC sobre rodas, adido à Bgda Inf. Mec., sobre a plataforma Guarani.

Como temos 3 Bgdas Cav Mec no sul, uma opção seria montar um RCC embrionário com os Cascavel, mandando os Urutus para serviços de retaguarda e os marruás para entregar correspondência.

Carvalho
Carvalho
Reply to  Augusto L
2 meses atrás

Esta discussão é longa.
As BGdas CMec são fracas em infantaria.
Os RCBs, mesmo não tendo nenhum CC operando, é capaz de fornecer massa de infantaria em um blindado sobre lagartas, para ser empregada em alguma ação decisiva.

Quando as Bgdas Inf. Mecanizada estiverem plenamente operacionais (ainda vai demorar) se pode pensar em uma reestruturação das Bgdas Cav, já que as duas irão ter uma composição de equipamentos muito semelhante, podendo inclusive atuar em missões semelhantes.

Augusto L
Augusto L
Reply to  Carvalho
2 meses atrás

Deveríamos é acabar com as brigadas CavMec

Carvalho
Carvalho
Reply to  Augusto L
2 meses atrás

Como possuem menos massa de infantaria, a Cav Mec deve servir como força de cobertura, segurança, exploração, controle de fronteira em situação de conflito, etc.
É uma força de extrema flexibilidade.
Hj, é a unidade com maior poder de fogo no Exército. Certamente seria a ponta de lança em qualquer ação ofensiva.
Nenhuma outra unidade possui tantos carros de combate capaz de avançar em profundidade com rapidez.

Se pensarmos em prontidão, hj é nossa força de maior operacionalidade.

Carvalho
Carvalho
Reply to  Carvalho
2 meses atrás

Quanto ao CC da General Dynamics, me lembrou os TAM dos argentinos.

Augusto L
Augusto L
Reply to  Carvalho
2 meses atrás

Desnecessária, nenhum exército moderno tem mas cavalaria.
As secções de reconhecimento das unidades blindadas/mecanizadas e leves cumprem essa função perfeitamente.
E se precisa de algo melhor ft podem ser criadas de frações de tropas de outras unidades

Carvalho
Carvalho
Reply to  Augusto L
2 meses atrás

Nesse ponto concordo.
Como eu havia falado, a Infantaria Mecanizada vai ficar com o mesmo tipo de equipamento, faltando apenas o CC sobre rodas.
Mas precisamos primeiro implementar totalmente as Bgdas Inf. Mecanizada, inclusive com os RCC de apoio sobre rodas.

Carvalho
Carvalho
Reply to  Carvalho
2 meses atrás

Mas reforço a questão.
Hoje, a importância do RCB reside nos esquadrões de fuzileiros blindados, não nos CCs. Lembrando que no Sul ainda não temos infantaria mecanizada.
Estes fuzileiros podem ser empregados em ações de infantaria blindada sem desfalcar os efetivos das Brigadas Blindadas, que devem ser mantidos junto aos RCCs.

Carvalho
Carvalho
Reply to  Carvalho
2 meses atrás

Ainda sobre a Cavalaria Mecanizada, estas tropas compreendem a grande maioria das bocas de fogo dos nossos blindados, montado sobre o velho Cascavel.

Os RCCs e RCBs, até onde sei, possuem muito pouca disponibilidade, seja por problemas de motorização ou eletrônica.

Ou seja, a Infantaria Mecanizada ainda vai ter que comer muito feijão (Guarani) para igualar ou compor força equivalente.

Ivo
Ivo
2 meses atrás

Perfeito para substituir os SK-105 do CFN.

Diego Tarses Cardoso
Diego Tarses Cardoso
Reply to  Ivo
2 meses atrás

Acho que o problema seria peso: Os SK-105 pesam em torno de 20 toneladas, esse Griffin pesa 38. A Marinha precisaria conseguir transportar os carros em quantidade suficiente pelo mar até a praia.

Alfa BR
Alfa BR
2 meses atrás

O programa Mobile Protected Firepower (MPF) visa um Carro de Combate aerotransportavel para apoiar as Brigadas de Infantaria (Infantry Brigade Combat Teams – IBCT) e possivelmente substituir o Stryker MGS M1128 nas Brigadas Mecanizadas (Stryker Brigade Combat Teams – SBCT), podendo inclusive serem destacados para as Brigadas Blindadas (Armored Brigade Combat Team – ABCT) de acordo com a necessidade de maior mobilidade.

Augusto L
Augusto L
Reply to  Alfa BR
2 meses atrás

Acho que as seções de reconhecimento das ABCT podem receber o MPF, um mix de MPF e Bradleys, ou, um novo veículo de IFV, formaria um belo par.

Fellipe Barbieri
Fellipe Barbieri
2 meses atrás

Não adianta sonhar, se vir (quando vir) vai ser Leo 2 de um jeito ou de outro, a não ser que os EUA deem muita “barda” para o Brasil … Se fosse para vir coisa americana seria M1 usado, mas aí entra a velha história de peso e blá blá blá . Eu não consigo me entusiasmar com grandes investimentos em MBTs, acho que uma pequena força já seria o suficiente e se for para o cenário atual melhor gastar em helicópteros de ataque. . Falando nisso, e a tal história dos AH1 Cobras ? Diziam que viria para o… Read more »

Wilson
Wilson
Reply to  Fellipe Barbieri
2 meses atrás

Tem que atender aos requisitos do EB, caso contrário não virá.(o mais provável é justamente a criação de um mbt que atenda aos requisitos do EB).
Sobre os cobras, a MB não falou nada então foi só boato e no caso do EB também, o que tinha era o plano de fazer uma concorrência para comprar um helicóptero de ataque.

Hcosta
Hcosta
Reply to  Fellipe Barbieri
2 meses atrás

O Leo 2 não serve?
Este blindado é um IFV com um canhão de 105, não um MBT.
Serve como complemento aos MBT ou como artilharia móvel leve.
É muito parecido com os CV90.

Zé naval da Paraíba
Zé naval da Paraíba
2 meses atrás

O 105 mm voltando, interessante.
Por que meus comentários estão sendo bloqueados?

sub urbano
sub urbano
2 meses atrás

É pequenininho, é bonitinho, mas na hora do “vamos ver” em uma guerra de verdade o que conta mesmo é couraça e poder de fogo. Pra enfrentar um T-72 que seja tem que colocar pelo menos mais 10 toneladas de aço nesse chassi de grilo kkk

Bardini
Bardini
Reply to  sub urbano
2 meses atrás

Se esse blindado der de frente com um T-72, é pq alguém errou muito feio nas decisões…

Augusto L
Augusto L
Reply to  sub urbano
2 meses atrás

É bem capaz de ele sair vitorioso por conta dos sistemas embarcados.
Vale lembrar que nossos Leos com canhões de 105mm e quase nenhuma blindagem foram feitos para enfrentar os T-72.

Bardini
Bardini
Reply to  Augusto L
2 meses atrás

“Vale lembrar que nossos Leos com canhões de 105mm e quase nenhuma blindagem foram feitos para enfrentar os T-72.”
.
Só se for em uma realidade paralela. Nessa aqui, tiveram que desenvolver o Leopard 2 para encarar os novos blindados russos.

Augusto L
Augusto L
Reply to  Bardini
2 meses atrás

O leopard 2 encararia o T-80 e não os T-72, na verdade a resposta a esse blindado é a versão a5 do Leo1.

Que é a que o Brasil adquiriu.

Diego Tarses Cardoso
Diego Tarses Cardoso
Reply to  Augusto L
2 meses atrás

Na verdade foram feitos para enfrentar os T-55, quem sabe o T-62. O grande diferencial dos nossos Leo1a5 é a mira estabilizada, visão noturna passiva e térmica, tiro em movimento, coisa que os T-72 venezuelanos não fazem.

ScudB
ScudB
Reply to  Diego Tarses Cardoso
2 meses atrás

Estabilizador 2342-2 e “Sosna-U” olham para Voce rindo e gesticulando com dedo contra o templo pois normativo (UUS3) de tiro em movimento para T-72B1 e B1V é o mesmo – 3m10s com 6 projeteis contra :
– tanque (alvo n12) ;
– tanque entrincheirado (n12b);
– ninho ATGM (alvo 17a).
Tudo em movimento nas distancias ate 1200m de dia e ate 800m – com visão noturna. Exercício encerra com aproximação de 700(ou 500 a noite) metros.
Um grande abraço!

Augusto L
Augusto L
Reply to  ScudB
2 meses atrás

Não é um computador de tiro.
E não tem a mesma precisão

Augusto L
Augusto L
Reply to  Augusto L
2 meses atrás

Os T72 da versão venezuelana so teriam o telêmetro a laser mas não o computador balístico.

ScudB
ScudB
Reply to  Augusto L
2 meses atrás

Jura?B1 tem nada disso quer dizer..

Augusto L
Augusto L
Reply to  ScudB
2 meses atrás

Versão B1, não tem.
Os únicos T-72 que tem mira estabilizada por computadores são os das versões M e subsequentemente variantes. Que são praticamente T-90

ScudB
ScudB
Reply to  Augusto L
2 meses atrás

Ponto positivo é meu.
N t Sosna. Tem razão. Sosna so foi para algumas maquinas dos comandantes.Pessoal de Peleng comentou isso.
Mas tem 1A40-1 que tem 20-30% de precisão a menos com as distancias efetivas de computação de 1600m.
E normativo é o mesmo para B1 , B2/B3(com Sosna)..
Um grande abraço!

Adriano Madureira
Adriano Madureira
2 meses atrás

Qual é o atual tanque leve os Estados Unidos 🤔❓

Marcelo Andrade
Marcelo Andrade
Reply to  Adriano Madureira
2 meses atrás

Acho que é o Bradley?? Posso ter errado….

Alfa BR
Alfa BR
Reply to  Adriano Madureira
2 meses atrás

Nenhum desde a aposentadoria do M551 Sheridan.

Hcosta
Hcosta
Reply to  Adriano Madureira
2 meses atrás

Depende da definição de tanque.
Certamente este não é um MBT, sendo semelhante ao Bradley.

Alfa BR
Alfa BR
Reply to  Hcosta
2 meses atrás

O Bradley é uma VCI.

Marcelo Andrade
Marcelo Andrade
Reply to  Alfa BR
2 meses atrás

Sim Alfa BR, depois que escrevi achei que tinha errado. O Bradley é muito mais leve que esse aí e é de combate de infantaria, tipo o M113. Valeu!!!!

Alfa BR
Alfa BR
Reply to  Marcelo Andrade
2 meses atrás

Não querendo ser chato (mas sendo) mas o M113 é uma VBTP e não uma VCI. O EB que não faz ideia disso.

Marcelo Andrade
Marcelo Andrade
Reply to  Alfa BR
2 meses atrás

kkkkk, eu me enrolei de novo!!!! O M113 não é uma VCI!!! Você está corretíssimo!! É que minha praia é a Aviação!! Valeu!!!

Rafael G de Oliveira
Rafael G de Oliveira
2 meses atrás

Na minha opinião, se for pra investir em algo novo, que seja no CV90120-t é uma opção bem mais interessante por ter um canhão 120mm

Augusto L
Augusto L
Reply to  Rafael G de Oliveira
2 meses atrás

Pelo que vi, a BAE não quis entrar na concorrência e o programa pedia que a plataforma tivesse alguma comunalidade com os Bradleys e Abrams.

Mercenário
Mercenário
Reply to  Augusto L
2 meses atrás

Acredito que a BAE é a outra concorrente nesse programa MPF (Mobile Protected Firepower).

Machado
Machado
2 meses atrás

Agora são os EUA que copiam a China. Quem diria….Rs

Bardini
Bardini
Reply to  Machado
2 meses atrás

O US Army quer um novo tanque leve desde a década de 90…
.
https://www.youtube.com/watch?v=ulDLnTB__vA

MFB
MFB
Reply to  Machado
2 meses atrás

Alguém falou bobagem, quem diria rsrs

Pedro
Pedro
2 meses atrás

Boa tarde. Sei que é extra-trilogia. Mas, tenha que explanar aqui. Aprendi muito com este cara, muito inteligente, mas, tenho que solicitar seu argumento sobre a renúncia do Moro. Mestre Bosco cadê você

Elden
Elden
2 meses atrás

Não sei porque me lembrou o Osório 🙁

Wilson
Wilson
Reply to  Elden
2 meses atrás

O perfil da torre é semelhante.

ANDRE DE ALBUQUERQUE GARCIA
ANDRE DE ALBUQUERQUE GARCIA
2 meses atrás

Uma boa para o CFN, não?

EdcarlosPrudente
EdcarlosPrudente
2 meses atrás

Tem muito M60 esperando para ser desativado mundo a fora, certamente esse Mobile Protected Firepower veio para se apresentar como possivel substituto do mesmo.

Saudações!

Pedro
Pedro
2 meses atrás

38T, leve? Pqp, é a massa do T-64A! Até um T-62 que tem um canhao maior e blindagem maciça é mais leve que isso. Esse veiculo deveria ter uma massa de no maximo 28t ou menos. E outra, com essa altura toda, fica dificil querer um veiculo que seja mais discreto em atividades de reconhecimento ou apoio.

Rodrigo LD
Rodrigo LD
2 meses atrás

Pocket Abrams (Abrams de bolso). Não fossem os preços absurdos dos modernos equipamentos militares americanos, eu diria que seria uma boa opção para o Brasil. Ainda mais sendo 105mm.

João Polinario
João Polinario
2 meses atrás

Gostei desse projeto, enquanto os pesados passando de 50t fizeram um filho menor kkkk

Agora é esperar resultados do front já que no caso dos EUA é para pau pereiria.

PLA
PLA
2 meses atrás

Achei o perfil do tanque um pouco elevado para um tanque leve

Entusiasta Militar
Entusiasta Militar
2 meses atrás

Nao sei nao, mas esse Light tank da imagem nao me parece muito leve nao …
Alem disso, como nao foi colocado em produção ainda, tenho certeza que o Exercito Americano vai dar um jeito de enfeitar tanto o pavão, que daqui a pouco chega as 55 toneladas rapidinho kkk

Diego Tarses Cardoso
Diego Tarses Cardoso
Reply to  Entusiasta Militar
2 meses atrás

Light para hoje, pois os Sk-105 têm 20 toneladas 🙂

Evandro Zeferino
Evandro Zeferino
2 meses atrás

O motor parece estar na parte frontal… Interessante!

Diego Tarses Cardoso
Diego Tarses Cardoso
2 meses atrás

Interessante porém é classificar esse carro de 38 toneladas como leve, sendo que o PT Pindad tem 35 e é considerado médio.

Segue abaixo link do mesmo:

https://en.wikipedia.org/wiki/Modern_Medium_Weight_Tank

Francisco Braz
Francisco Braz
Reply to  Diego Tarses Cardoso
2 meses atrás

Considere o parâmetro de comparação… O Abrams tem 65.

Francisco Braz
Francisco Braz
2 meses atrás

Com exceção do calibre do canhão, ele me lembra do M-41 C (canhão de 90mm), antecessor do Leopard 1A1. Só me interessaria se todo o pedido fosse atendido por empresas nacionais. Motivo: Sempre que os americanos se metem numa guerra, qualquer operador externo fica sem peças de reposição e parada, dependendo de canibalismo. Exemplo: peças para o BlackHawk H-70 durante a guerra do Golfo e Afeganistão/Iraque. A frota ficou groundeada por falta de peças que os americanos não forneciam por demanda prioritária dos usuários envolvidos.

Karl Bonfim
Karl Bonfim
2 meses atrás

Interessante, tem tração dianteira como os merkava!

ScudB
ScudB
Reply to  Karl Bonfim
2 meses atrás

Como todos os Panzers de Wehrmacht (e outros projetos fracassados do Japão e USA/UK)! Tração dianteira não é interessante e de longe – nova. Principalmente exposta desta maneira : primeiro tiro de RPG ou rajada de DShK e este “erro de evolução dos tanques” vai virar um obelisco ao “gênio” da engenharia tosca. So vejo este projeto como desespero ou tentativa rachar mais grana num projeto inútil e duvidoso invés de fazer um up rápido e BARATO de um projeto “praticamente” pronto e 15t mais leve e 1 metro mais baixinho com direito de autoloader de XM35 – M8 Bulford.… Read more »

Alfa BR
Alfa BR
Reply to  ScudB
2 meses atrás

“primeiro tiro de RPG ou rajada de DShK”

O Sprut-SD aguenta isso?

Wilson
Wilson
Reply to  ScudB
2 meses atrás

Qual a diferença de tração dianteira para traseira, pra um RPG?
Estourando as lagartas,não interessa aonde está a tração, vai virar um monumento de qualquer jeito.

Procure saber mais quais são as tendencias atuais que estão norteando não apenas este veículo mas vários outros.É algo bem mais racional e barato em termos de logística do que sua proposta.

E é essa tendência que pode ditar o futuro das forças blindadas do EB.

ScudB
ScudB
Reply to  Wilson
2 meses atrás

Vou responder para Vcs dois : nenhum tipo de lagarta aguenta RPG. Mas no caso de lagarta com motriz dianteira para sair do lugar Vcs vão ter que trocar tudo – segmentos , pinos , motriz e ainda rezar muito que a transmissão não foi afetada. E detalhe : praticamente impossível imaginar que a esteira fica em baixo das rodas. Normalmente (como acontecia na SGM com panzers) ela desenrola ate o final e vai precisar de muitas horas para reparar tudo e ainda ajuda de algum carro de apoio técnico. Inclusive o mesmo posso falar sobre posição do motor: como… Read more »

Carvalho
Carvalho
Reply to  ScudB
2 meses atrás

Bem colocado….
Mas o motor dianteiro neste caso, não seria para possibilitar o desenvolvimento de uma plataforma comum para o IFV?

Wilson
Wilson
Reply to  Carvalho
2 meses atrás

Exato

ScudB
ScudB
Reply to  Carvalho
2 meses atrás

Exaxto!
Mais a resposta vai ser muito simples: pegaram ASCOD da Ajax ja .. existente! Assim sobrou mais grana para rachar. Pois pela altura de veiculo e espaço atrás da blindagem (em metros cúbicos) daria para fazer miniMerkava. Mas nem isso eles conseguiram fazer. Ou (que seria mais provável diante de racha de orçamento) nem queriam.
Vejo assim.

Wilson
Wilson
Reply to  ScudB
2 meses atrás

O que os requisitos do programa estabelecem sobre a questão da blindagem? Sem essa resposta tudo não passa de opinião.

Pelo que li o principal é ter um baixo peso para facilitar o transporte para aonde for necessário, então não tem como esperar que o veículo chegue as 50 ou + toneladas. (com certeza que ele vai receber blindagem modular se a missão exigir).

Augusto L
Augusto L
Reply to  Carvalho
2 meses atrás

Carvalho um dos requisitos é ter comunalidade

Wilson
Wilson
Reply to  ScudB
2 meses atrás

Mesmo um com motriz traseira precisará de um veículo de apoio para ser reparado no caso de um RPG, claro que as lagartas saem se o veículo estiver em movimento ou tentar algum movimento com elas quebradas. No caso do motor ele atua sim como proteção sendo um obstáculo a mais há ser penetrado antes de chegar ao compartimento da tripulação(sendo está mais importante do que o veículo em si) é nessa hora que o apoio de infantaria mostra o seu valor assim como o apoio dos demais elementos em campo. O que se espera é utilizar uma plataforma base… Read more »

ScudB
ScudB
Reply to  Wilson
2 meses atrás

Não exatamente.
Depende da posição da lagarta , caráter de danos e tipo do solo. So posso repetir que a dianteira “descalça” mais feio e se comporta muito pior nas velocidades baixas (isso tb reflete na economia de combustível) devido problema geral desta configuração. Com solo pesado ou rochoso – alles kaput.

Wilson
Wilson
Reply to  ScudB
2 meses atrás

Toda configuração tem vantagens e desvantagens. Olhando mais atentamente para as imagens dá para ver melhor a posição provável do motor, sendo dianteiro e na lateral direita do veículo com o motorista a esquerda, configuração comum em IFV, que nesse caso está usando a mesma base com pequenas mudanças para ser usado para apoio de fogo, é possível ver também os pontos para colocar blindagem modular. Esse programa é parte de outro muito maior e basicamente estão buscando o sucessor do Bradley além do veículo de apoio de fogo, com ambos usando a mesma plataforma com visíveis vantagens logísticas e… Read more »

Augusto L
Augusto L
Reply to  ScudB
2 meses atrás

Wilson a questão da blindagem era ter o mesma dos IFV modernos, por isso não escolheram o M8 da BAE que era um projeto antigo que eles atualizaram para o programa.

Inclusive tiraram o canhão de 120mm, que a General Dynamics tinha apresentando no início.

Karl Bonfim
Karl Bonfim
2 meses atrás

Eu acho que seria muito interessante para o Exército e os fuzileiros navais do Brasil!

Antunes 1980
Antunes 1980
2 meses atrás

Esse aí não aguenta meia hora em um teatro como Síria ou Iêmen. Parece um MBT de brinquedo “comandos em ação”.
comment image

Luiz Floriano Alves
Luiz Floriano Alves
Reply to  Antunes 1980
2 meses atrás

A Síria é o campo de batalha mais propicio aos MBT. Porém se observa que o MBT sempre está apoiado por formações de IFV. Lembram muito as Panzer com Granadeiros. Osso duro de roer. Os blindados de transporte de tropas de infantaria dos russos são o fruto de muitas campanhas do Exercito Vermelho. Bons anfíbios e bons nos desertos secos. Ainda possuem fogo de apoio próprio, que vem evoluindo do 23 mm. até o 57 ou 100 mm. com om 23 mm. paralelo.

Eduardo
Eduardo
2 meses atrás

É só o Brasil comprar esse mbt com o canhão de 120 mm aí seria perfeito, pois este atenderia a todos o requisitos do exercito brasileiro.

Alfa BR
Alfa BR
2 meses atrás

Creio que essa seja a ideia por trás desse tipo de veículo:

https://www.youtube.com/watch?v=manKGmYvQog&feature=emb_title

Luiz Floriano Alves
Luiz Floriano Alves
Reply to  Alfa BR
2 meses atrás

Alfa Br
Bem observado. Essa parece ser uma forte tendencia nas táticas mais atuais. Só acho que faltou o componente aéreo na forma de drones armados e helicópteros de ataque. Sem falar que o domínio do ar é necessário para um desdobramento vertical. Abço.