sábado, outubro 23, 2021

Saab RBS 70NG

Uma ‘cobra não criada’: Engesa EE-3 Jararaca 4×4

Destaques

Fernando "Nunão" De Martini
Pesquisador de História da Ciência, Técnica e Tecnologia, membro do corpo editorial da revista Forças de Defesa e sites Poder Aéreo, Poder Naval e Forças Terrestres

Jararaca na Academia da Força Aérea (AFA), em 2008 – Foto: Nunão

Por Fernando De Martini

Nas fotos, um dos dois protótipos do EE-3 Jararaca 4×4 recebidos pelo Exército Brasileiro a partir da massa falida da Engesa, flagrado em agosto de 2008 em um evento da AFA (Academia da Força Aérea, em Pirassununga, mesma cidade do 13º Regimento de Cavalaria Mecanizado, que possui os dois exemplares).

O modelo, ao contrário de outras “cobras criadas” empregadas pelo EB, como o Urutu e o Cascavel, não foi adquirido pela Força, recebendo encomendas de exportação de alguns países do mundo, destacando-se na América Latina o Equador e o Uruguai (este último empregou o Jararaca no Haiti). No total, foram exportadas 63 unidades.

Com 4,16m de comprimento, 2,23m de largura e altura (até a metralhadora) de 1,97m, o EE-3 Jararaca pesa 5.800 kg e é equipado com um motor turbo diesel Mercedes Benz OM-314A  de 110 cavalos.

Com 140 litros de combustível, tem autonomia de 700 km, e como armamento pode receber uma metralhadora 7,62 ou 12,7mm, além de quatro lançadores de granadas fumígenas. A guarnição é composta por um motorista, um comandante e um atirador.

No artigo “EE-3 Jararaca 4×4: um conceito esquecido” o pesquisador de assuntos militares da Universidade Federal de Juiz de Fora, prof. Expedito Carlos Stephani Bastos, discute a história do projeto e a validade do conceito atualmente, especialmente para operação em áreas urbanas – clique aqui para acesar o artigo, em pdf. E você, o que acha do conceito do Jararaca, viatura blindada 4×4 com guarnição de três homens e uma metralhadora?

Fotos: Nunão

- Advertisement -

41 COMMENTS

Subscribe
Notify of
guest
41 Comentários
oldest
newest most voted
Inline Feedbacks
View all comments
Ricardo
Ricardo
1 ano atrás

Ele poderia servir para patrulhamento de fronteira e ate operação de GLO aproveitando a blindagem dele ia ser útil

Wilson
Wilson
Reply to  Ricardo
1 ano atrás

O Jararaca tinha problemas mecânicos, sendo esta a razão de não ter sido tido mais encomendas, o conceito em si é bom o veículo por outro lado tinha poucas qualidades positivas que justificasse uma possível aquisição.

Fabrício
Fabrício
Reply to  Wilson
6 meses atrás

Sim, e o motor OM 314 da Mercedes é muito pequeno, com cerca de 3,8 l de deslocamento e projetado, originalmente, para render 80 cv. Tunado a 110 cv, num veículo de 5,8 t de aplicação militar sujeito, teoricamente, a maiores estresses que um caminhão 3/4 de 6 t de PBT ou no Toyota Bandeirante, suas aplicações originais, seguramente deveria requerer manutenção intensiva.

Creio que seria bem mais interessante com o motor OM 352 (5,7 l) posicionado na dianteira com saída da tripulação por uma porta traseira, além das escotilhas.

Renato B.
Renato B.
1 ano atrás

Fico pensando como ficaria uma versão muito atualizada desse veículo e do Ogum agora que temos torres não tripuladas e controles de tração melhores. Algumas forças estão investindo em veículos ultraleves para suas forças aerotransportadas. O grande problema é o mercado, ainda mais com o freio da economia mundial.

Carlos Gallani
Carlos Gallani
1 ano atrás

Se é pra levar bala nos pneus prefiro que comprem mais uns LMV iveco, mais polivalente.

Caio
Caio
1 ano atrás

Caríssimo editor! Está nos querendo( nacionalistas de verdade) matar de raiva?

Mgtow
Mgtow
Reply to  Caio
1 ano atrás

hahahaha….tamo junto

João Bosco
João Bosco
1 ano atrás

Da série : produtos militares que não foram para frente… Até que uma ” versão atualizada ” e modernizada dele seria interessante.

Pedro
Pedro
1 ano atrás

BRDM-2 brasileiro. Ate onde sabia do mesmo, ele tinha um desempenho nao muito elogiavel devido a algum problema de projeto com sua suspensao.

OSEIAS
OSEIAS
1 ano atrás

Interessante verificar que suas linhas lembra em muito um projeto stealth.

Fabio Araujo
Fabio Araujo
1 ano atrás

Poderia ser um bom veículo para as unidades especiais das polícias militares e para a policia federal.

Luiz Floriano Alves
Reply to  Fabio Araujo
1 ano atrás

Problemas de desenvolvimento são sanáveis durante os testes de campo. O conceito merece estudo de atualização. A tripulação poderia ser de quatro ocupantes. A arma principal um ATGM e secundária uma FN mini 5,56mm.ou MG42, e lança granadas de 40 mm. No topo aquela torre de Hummer, com 360º de giro..Opção de tração elétrica para menor assinatura térmica. But…já e outro projeto! Assim se faz um brainstorming, começo…claro.

Joli Le Chat
Joli Le Chat
1 ano atrás

Um comandante, um motorista e um atirador.
Precisa mesmo ter um comandante?

Renato
Renato
1 ano atrás

O Bacchi falava mal deste projeto, e isto me basta.

paulop
paulop
1 ano atrás

Eita saudosismo…. kkkkk De toda a forma esse veiculo poderia, na sua época, ser o nosso Panhard VBL, guardadas as devidas proporções é claro. Fazendo um exercício de imaginação creio que teria sido útil para a cavalaria Pqd, devido ao seu baixo peso, podendo receber uma série de armas (lembro certa feita ter lido um documento acerca deste veiculo que informava que ele poderia receber, além de metralhadoras .30 e .50 ainda um míssil AT, Milan se não me engano, e até um canhão de 20mm). Se tivesse ido para frente, com maior volume de vendas, talvez teríamos versões mais… Read more »

Bardini
Bardini
Reply to  paulop
1 ano atrás

É um desrespeito sem fundamento comparar isso aí com um VBL.
.
Nunca será!
https://www.youtube.com/watch?v=K0GioaWhTjQ

Bardini
Bardini
1 ano atrás

O que mais chama atenção nesses projetos da ENGESA, é a falta de comunalidade entre os meios. A ENGESA não tinha uma “família de blindados”.
.
Eram praticamente todos projetos específicos e a maioria, coisas assombrosas e feitas a facão, como esse 4×4 aí, que eu não sei como diabos ainda venderam.
.
A coisa mais próxima de uma “família de blindados” que eu consigo enxergar dentro da ENGESA, é a suspensão boomerang aplicada tanto no Cáscavel quanto Urutu…

Fabio Araujo
Fabio Araujo
1 ano atrás

OFF – Num exercício da OTAN na Polônia um Bradley foi atirar num alvo e acertou um pássaro que passou voando na linha de tiro. Nem se quisesse o Bradley teria acertado esse infeliz pássaro!

https://www.reddit.com/r/TankPorn/comments/gaiv0q/an_antitank_missile_launched_from_m2a2_bradley/?utm_content=title&utm_medium=post_embed&utm_name=2aec1e643b6f4d72a3b43dc593cadd8b&utm_source=embedly&utm_term=gaiv0q

Cristiano de Aquino Campos
Cristiano de Aquino Campos
1 ano atrás

Nunão, podia fazer uma materia sobre o MBT Tamoio e o Charruá.
Em minha opinião o Tamoio era o ideal para o nosso exército e não o Osório.

Fabio Araujo
Fabio Araujo
Reply to  Cristiano de Aquino Campos
1 ano atrás

O Tamoio foi um projeto feito pensando no EB e o Osório foi feito pensando no mercado externo para a época eram dois bons projetos pena que nenhum deles foi adiante!

Paulotd
Paulotd
Reply to  Cristiano de Aquino Campos
1 ano atrás

Urutu é muito melhor, por isso o Jararaca não foi comprado. E pra reconhecimento o Cascavel faz a função melhor também.

Jararaca aguenta tiro de 7.62mm? As chapas de aço do Urutu aguentam bem.

Fabio Araujo
Fabio Araujo
Reply to  Paulotd
1 ano atrás

Pelo tamanho ele seria ideal para o BOPE usar nas favelas do Rio.

rdx
rdx
Reply to  Fabio Araujo
1 ano atrás

Um blindado que transporta 1 motorista e 2 militares é completamente inútil para tarefas policiais

O EE-3 nasceu para a cavalaria mecanizada….mas doutrinariamente não fazia muito sentido adquiri-lo, uma vez que o EB possuia 400 EE-9 e numerosos jeeps armados com metralhadoras (mais simples e baratos de manter, praticamente descartáveis).

O EB também não se interessou em substituir o jeep armado com CSR 106mm pela versão do EE-3 armada com Milan.

Além disso, o EB certamente já conhecia os defeitos do projeto.

Defensor da liberdade
Defensor da liberdade
1 ano atrás

Bom para quê, para fazer viúvas com essas portas laterais na hora da tropa desembarcar?

Renato B
Renato B
Reply to  Defensor da liberdade
1 ano atrás

E quem disse que é para transporte de tropa? Ele é para reconhecimento, deve ser menor que um MRAP.

Teropode
Reply to  Defensor da liberdade
1 ano atrás

Aiiiiiiii , esta doeu muito 😂😂😂😂😋😋😋😂

antonio
antonio
1 ano atrás

Seria mais interessante um versão para 4 combatentes: Cmt/Op Mtr .50 REMAX, Mot e 2 Sd exploradores, a exemplo dos veículos dos grupos dos Pel C Mec. O projeto poderia adotar perfil com janelas blindadas, a semelhança da LMV da IVECO. Mas tão compacta como o Jararaca.

JS666
JS666
1 ano atrás

Curiosidade: A versão exportada para o Chipre possuía um lançador único do míssil MILAN.

Saldanha da Gama
Saldanha da Gama
1 ano atrás

Quanto tempo gasto, quanto P&D desperdiçado….

Renato B
Renato B
Reply to  Saldanha da Gama
1 ano atrás

Desperdício foi quando os erros deste projeto deixaram de virar aprendizado para outros. Inovação é assim, arriscada. Vai ver quantos projetos os russos, ingleses, franceses e americanos já jogaram no lixo. Alguns na fase de protótipo ou mesmo em produção.

Saldanha da Gama
Saldanha da Gama
Reply to  Renato B
1 ano atrás

Meu caro, boa noite… Acho que vc não entendeu… Uma pena que engesa faliu, tempo gasto, P&D desperdiçados… Engesa, se tivesse conseguido sobreviver, quantos projetos de vanguarda não teríamos? Me preocupa e muito os “tots” do gripen, dos subs etc… será que iremos aproveitar o mesmo na execução de novos projetos ou se perderão pelo tempo ou falta de investimento ou escala? abraços

wagner
wagner
1 ano atrás

Esta de volta Nunão?

Marcos10
Marcos10
1 ano atrás

O problema do Brasil, com raríssimas exceções, é que não há programas de desenvolvimento, assim não há indústria militar que sobreviva.

Carlos Crispim
Carlos Crispim
Reply to  Marcos10
18 dias atrás

Marcos10, o problema é que não sabemos vender, aqui é tudo amador e mambembe, vc vai numa loja de armas de fogo e não tem armas pra te vender. A Imbel não tem pra vender, só fabrica armas (sem acabamento nenhum) quando querem. A Taurus tem, mas aí é outro problema, só tem Taurus no mercado pra vender, ela deita e rola nesse “monopólio”. Eu peguei autorização do EB pra comprar uma pistola, cheguei na loja (a autorização é amarrada na loja, mais uma aberração do EB) e não tinha pra vender, eu perguntei, vai ter quando? Não sei, foi… Read more »

Alexandre
Alexandre
1 ano atrás

Já que o exército n quer, deveria modernizar e doar para o BOPE.

Cidadão
Cidadão
1 ano atrás

Na onda da expansão do comunavirus tem pateta sonhando com reestatização! Vai pensando, zé , se os nazi-comuno-globalistas não nos exterminarem, deixando em pindorama apenas botocudos bunda-sujas e mico-leão-dourado, vai nos restar só plantar bananas.

Marcelo-SP
Marcelo-SP
1 ano atrás

Acho que dá para ser um pouco livre nos conceitos e dizer que os LMV blindados com uma torreta atuais são a mistura dessa idéia com os velhos jipes. Nem sempre as inovações que dão certo nascem prontas. Não vejo esse veículo como um simples fracasso. Vejo sim como uma boa demonstração de como, à época, nossa indústria de defesa buscava ser inovadora, principalmente pensando em atender mercados que não eram atendidos pelos produtos “de ponta”. Apesar do foco do Jararaca ser no reconhecimento, a idéia de que o deslocamento de pequenas unidades perto da linha de fogo precisaria de… Read more »

Alexandre Esteves
Alexandre Esteves
1 ano atrás

Pode não atender aos requisitos do EB que, por sua própria razao de existir tem que ser mais complexos, mas atenderia aos requisitos da FAB para defesa de suas Bases Aéreas.

Entusiasta Militar
Entusiasta Militar
1 ano atrás

Parabéns ao blog …

Esses blindados sempre estiveram no meu coração, pena não terem sido comprados e dificilmente poderiam ser atualizados para serem usados novamente.

Foxtrot
Foxtrot
1 ano atrás

Isso aí já é uma porcaria feia e inútil para o T.O moderno (guarnição de 3 homens, muito pouco). Já prefiro para GLO, Recon etc o Avibras Guará 4WS ou Gladiador I ou II (se é que ele chegou a existir, pois não se fala mais nada dele). Mas alguém dirá que o Guará 4WS não presta porque o EB escolheu o LMV e um monte de conversinha fiada. O dia que o EB mostrar os testes de comparação entre o Guará x LMV e demonstrar por A+B que o LMV foi melhor vou concordar. Até lá será o mesmo… Read more »

Otto Lima
5 meses atrás

O EE-3 Jararaca e o EE-T4 Ogum poderiam servir de base hoje para viaturas não tripuladas destinadas a apoiar destacamentos de Comandos e Forças Especiais, como os russos fizeram com os veículos da família Uran. Ou ainda, veículos não tripulados para desminagem ou DQBRN.

Últimas Notícias

Recife (PE) sediará a nova Escola de Formação de Sargentos do Exército

O CENTRO DE COMUNICAÇÃO SOCIAL DO EXÉRCITO INFORMA: Na 339ª Reunião do Alto Comando do Exército, realizada de 18 a...
- Advertisement -
- Advertisement -