domingo, agosto 1, 2021

Saab RBS 70NG

Exército dos EUA começará a testar protótipos de tanques leves

Destaques

Alexandre Galante
Jornalista, designer, fotógrafo e piloto virtual - alexgalante@fordefesa.com.br

General Dynamics Mobile Protected Firepower (MPF) light tank

O Exército dos EUA anunciou que um novo tanque leve para a infantaria dos EUA chega à próxima fase de avaliação, após os testes iniciais em março e abril deste ano

De acordo com um comunicado divulgado no dia 11 de dezembro por Ashley John, a primeira de várias plataformas de combate terrestre de pré-produção Mobile Protected Firepower (MPF) estão sendo entregues a Fort Bragg, N.C. para serem usadas na Avaliação de Veículos de Soldado (SVA).

Os protótipos do Mobile Protected Firepower que chegam por meio da Prototipagem Rápida do Exército são da BAE Systems e a General Dynamics Land Systems. Cada fornecedor entregará 12 veículos protótipos para teste e desenvolvimento.

“Os soldados da 82ª Divisão Aerotransportada em breve terão a chance de fazer algo que nenhum soldado de infantaria dos EUA fez em 26 anos – empregar uma plataforma de veículo de fogo direto móvel dedicada contra posições reforçadas, pessoal desmontado e veículos blindados leves”, anunciou o Exército em um Declaração de 11 de dezembro.

“Estamos muito entusiasmados em ver a plataforma MPF entrar nesta fase”, disse o Brig. Gen. Glenn Dean, o oficial executivo do programa para Sistemas de Combate Terrestre.

“O MPF representa uma abordagem inovadora e agressiva para aquisição de sistema. O início da nossa SVA em janeiro ilustra o quanto as equipes estão trabalhando para manter os principais eventos deste programa dentro do cronograma”, acrescentou.

Atualmente, os Infantry Brigade Combat Teams do Exército (IBCT) não têm um veículo de combate designado que seja capaz de fornecer capacidade de fogo móvel, protegida, direta e ofensiva. Para preencher essa lacuna de capacidade, o Exército está usando uma abordagem de Aquisição inovadora e competitiva para fornecer aos IBCT suas próprias plataformas de letalidade orgânica para garantir a superação contra ameaças de mesmo nível.

BAE Systems MPF

A solução MPF é uma integração de tecnologias e componentes maduros existentes que evita o desenvolvimento que alongaria o cronograma do programa. A prioridade sempre foi colocar em campo essa nova capacidade crítica o mais rápido possível, mas o MPF também será capaz de acomodar peso adicional e energia elétrica sobressalente para apoiar o crescimento futuro.

A SVA está prestes a começar em 4 de janeiro de 2021. Será conduzida em Fort Bragg e durará até junho de 2021. Durante esse tempo, os soldados usarão os protótipos do MPF para conduzir uma ampla variedade de cenários operacionais. A SVA é uma avaliação operacional ao invés de um evento de teste formal, e irá informar diretamente o desenvolvimento de táticas, técnicas e procedimentos (TTP) desta nova capacidade para o IBCT.

“O MPF traz um novo nível de letalidade para nossas forças de infantaria. A SVA nos dá a primeira oportunidade de colocar esses veículos nas mãos de nossos soldados com a 82ª Aerotransportada e começar a desenvolver os métodos pelos quais nossas forças podem empregar melhor o MPF”, disse Brig. Gen. Ross Coffman, diretor do Exército para o Next Generation Combat Vehicles Cross Functional Team. “Assim que eles começarem a interagir com esses protótipos, eu sei que nossos soldados vão propor as melhores maneiras de utilizar o MPF em nossas formações leves.”

A fase competitiva do programa está programada para terminar com a seleção de uma solução de material único e a transição para a produção perto do final do ano fiscal de 2022.

- Advertisement -

81 COMMENTS

Subscribe
Notify of
guest
81 Comentários
oldest
newest most voted
Inline Feedbacks
View all comments
DOUGLAS TARGINO
DOUGLAS TARGINO
7 meses atrás

Chega deu um gelo no coração, pensei que era para o Brasil! kkkk

elcimar menassa
elcimar menassa
Reply to  DOUGLAS TARGINO
7 meses atrás

poderia ser….mas como sempre tudo feito la começa com um valor e quando se ve triplica

Entusiasta Militar
Entusiasta Militar
Reply to  DOUGLAS TARGINO
7 meses atrás

Para o Brasil espero mesmo que o EB consiga recursos para comprar o CV90120T para substituir o Leopard porque na minha opinião é o ideal para o nosso Pais e poderíamos também ter um IFV da mesma família..

Thom
Thom
Reply to  Entusiasta Militar
7 meses atrás

Tbm acho, mas não vi nada sobre isso.
Brasil deveria formar uma grande parceria com a Suécia, pois tem quase tudo. Defesa anti aérea por exemplo.

MMerlin
MMerlin
Reply to  Entusiasta Militar
7 meses atrás

C90120 está no limite de peso da categoria de tanques leves, ficando apenas 10 toneladas abaixo do T-90, que já é classificado como um MBT. Além de possuir uma relação peso potência 20% inferior aos tanques como Leo-2 e o citado anteriormente, mesmo sendo de categorias diferentes, onde deveria se destacar. A versão com canhão de 120mm sacrifica bastante sua mobilidade e facilidade de transporte.

zézão
zézão
Reply to  DOUGLAS TARGINO
7 meses atrás

Pode ser…

Ricardo
Ricardo
7 meses atrás

Pelas poucas especificações, este tanque está muito próximo do MB-3 Tamoyo fabricado pela bernadini aqui no Brasil (1984), uma pena que muitos projetos nacionais não vão para frente. Tivemos a chance de desenvolver nossa indústria e a perdemos.

Bosco
Bosco
7 meses atrás

O USA é formado por três tipos de brigadas , as de infantaria (inclusive aeromóvel e aerotransportada) que utilizam veículos motorizados (leves sobre rodas) ; as Stryker, que utiliza veículos mecanizados (blindados sobre rodas) e as blindadas, que utiliza veículos blindados (sobre esteiras). Todas agora têm veículos com capacidade de prover apoio de fogo direto de alta capacidade de destruição.
Infantaria: tanque leve com canhão de 105 ou 120 mm (???) ainda em fase de definição.
Stryker: M1128 com canhão de 105 mm
Blindada: tanque M1A2 com canhão de 120 mm

sub urbano
sub urbano
7 meses atrás

Estão correndo atrás do preju… A China opera os Type-15 que seriam lançados de paraquedas nas ilhas do mar do sul da China. Cada Y-20 leva dois. Os americanos viram os Type-15 aparecer nas montanhas do himalaia a 3,500 metros de altura de um dia pro outro durante a treta com os indianos. Devem estar acelerando o programa.

Bardini
Bardini
Reply to  sub urbano
7 meses atrás

Que viagem na maionese…

Hélio
Hélio
Reply to  sub urbano
7 meses atrás

Já faz anos que se fala desse projeto de tanque leve americano, uma coisa não tem absolutamente nada a ver com a outra.

Blind Mans Bluff
Blind Mans Bluff
Reply to  Hélio
7 meses atrás

Verdade, desde que aposentaram os Sheridan depois da guerra do Golfo, as forcas de reacao rapida, vide infantaria leve aerotransportada (82d, 101st…), se viram sem tanques. O projeto AGS dos anos 90, cancelado no final de 1996 foi um balde de agua fria. Porem nao discordo que o fato da China ja operar um, nao seria um fator impulsionante para o nao cancelamento, mais uma vez, do projeto de tanque leve. Nos ultimos anos temos visto isso acontecer seguidamente: cancelamentos e atrasos de projetos importantes do exercito americano. Nada como um inimigo para unir os esforcos do poder burocratico.

Antunes 1980
Antunes 1980
7 meses atrás

O EB deve ficar atento aos resultados desta análise.
Acredito que seja viável considerar além do ASCOD e CV90-120mm (ambos medium main battle tank), também estes tanques leves da BAE Systems e a General Dynamics Land Systems.
Com o Gripen NG, Submarinos novos e MBT novos. Estaríamos em ótimas condições.
Faltando apenas a defesa aérea de médio e longo alcance.

Last edited 7 meses atrás by Antunes 1980
Carlos Campos
Carlos Campos
Reply to  Antunes 1980
7 meses atrás

o CV90 acho muito legal.

Gabriel BR
Gabriel BR
Reply to  Carlos Campos
7 meses atrás

O CV90120T é uma excelente proposta

Rafael Gustavo de Oliveira
Rafael Gustavo de Oliveira
Reply to  Antunes 1980
7 meses atrás

Dentre as opçoes, o CV90120 é o projeto mais maduro…tem a vantagem de usar mecanica scania de fácil adaptação ao cenario brasileiro

Rafael Gustavo de Oliveira
Rafael Gustavo de Oliveira
Reply to  Antunes 1980
7 meses atrás

corrigindo: parece que os motores Scania v8 do CV90 são feitos aqui em São Bernardo do Campo mesmo

“https://news.cision.com/scania/r/scania-delivers-engines-for-armoured-vehicle-cv90,c164057”

gordo
gordo
Reply to  Antunes 1980
7 meses atrás

O CV90 com carregamento automático e um tripulante a menos seria um sonho de consumo.

Gabriel BR
Gabriel BR
7 meses atrás

O Futuro do EB está nos tanques leves!
Ascood 2 com torre israelense 120mm é minha viatura favorita.

DOUGLAS TARGINO
DOUGLAS TARGINO
Reply to  Gabriel BR
7 meses atrás

Precisamos de 250 unidades de veículos novos de 120 mm e a segunda linha fica sendo os atuais leopards 1a5.

Gabriel BR
Gabriel BR
Reply to  DOUGLAS TARGINO
7 meses atrás

Leopard 1a5 é sucata! deve ser aposentado o quanto antes.

Waldeir
Waldeir
Reply to  Gabriel BR
7 meses atrás

Discordo de você o próprio exército chileno o mais moderno na região está analisando modernização dos seus leo1

Waldeir
Waldeir
Reply to  Gabriel BR
7 meses atrás

Os Leo 1 servem para meio de instruções ou para aproveitar a carcaça para desenvolver veículos auxiliar exemplo lança ponte

Mayuan
Mayuan
Reply to  Gabriel BR
7 meses atrás

Não necessariamente. A Rússia pegou T72 e os transformou em uma interessante viatura blindada de apoio a infantaria em combate urbano. É a plataforma do T72 com uma nova torre com 4 ATGM, uma 30mm e um lançador de granadas sendo que os dois últimos com ângulos de tiro de quase 90 graus para poderem dar combate a inimigos no alto de prédios. Tudo com mira estabilizada visão termal e noturna.

Junior
Junior
Reply to  Gabriel BR
7 meses atrás

Todo mundo fala dessa torre israelense no ascod 2, mas alguém saberia informar de qual fabricante israelense é essa torre?

Gabriel BR
Gabriel BR
Reply to  Junior
7 meses atrás

depende da proposta

Bardini
Bardini
Reply to  Gabriel BR
7 meses atrás

Ou seja, não sabe.

Gabriel BR
Gabriel BR
Reply to  Bardini
7 meses atrás

Nem você ! mas a proposta está nas mãos do EB

Bardini
Bardini
Reply to  Gabriel BR
7 meses atrás

Tu fala em: . “Ascood 2 com torre israelense 120mm é minha viatura favorita.” . Não existe “torre israelense 120mm”. . O que os israeli venderam recentemente, foi um ASCOD equipado com canhão 105mm italiano e uma torre recheada de sistemas Elbit. E a mesma torre será empregada no blindado 8×8… . O canhão smoothbore israeli, empregado nos Merkava, é um MG251. Enfiaram isso no ASCOD? Não. Não tem como. . O único canhão smoothbore de 120mm que cabe no ASCOD, é o canhão italiano empregado no Centauro II. Pq? Por essa arma tem um sistema muito robusto voltado a… Read more »

Last edited 7 meses atrás by Bardini
Gabriel BR
Gabriel BR
Reply to  Bardini
7 meses atrás

Entre você e o Caiafa , eu vou de Caiafa!

Mayuan
Mayuan
Reply to  Gabriel BR
7 meses atrás

Quando o ego dele não atrapalha e ele não leva 40 minutos pra dar uma notícia que sairia em 10, é uma boa fonte.

Just looking
Just looking
Reply to  Bardini
7 meses atrás

A torre hitfact não agradou os filipinos, aí a elbit trabalhou com uma empresa da África do Sul para fazer uma nova, com recarregamento automático e maior ângulo vertical. Teoricamente, daria para instalar também no guarani 8×8

Rafael Gustavo de Oliveira
Rafael Gustavo de Oliveira
Reply to  Junior
7 meses atrás

Que eu saiba o ascod vem sendo mostrado com uma torre hitfact 120mm da leonardo….a mesma torre do centauro II

Gabriel BR
Gabriel BR
Reply to  Rafael Gustavo de Oliveira
7 meses atrás

Os israelenses ofereceram o Ascod com torre 120mm israelense

Carlos Campos
Carlos Campos
Reply to  Junior
7 meses atrás

poderia ser a Elbit que faz o canhão do Merkava, mas não sei se eles colocam essa torre no Ascod.

Just looking
Just looking
Reply to  Junior
7 meses atrás

Elbit

PauloR
PauloR
7 meses atrás

E o Osorio? Kd?
Esse país é uma vergonha

Gabriel BR
Gabriel BR
Reply to  PauloR
7 meses atrás

Vergonhosa é a sua ignorância!

MFB
MFB
Reply to  PauloR
7 meses atrás

Entre ano, sai ano, mas o Osório teima em aparecer nos comentários…

MMerlin
MMerlin
Reply to  MFB
7 meses atrás

A volta dos que não foram…

Last edited 7 meses atrás by MMerlin
Rafael Gustavo de Oliveira
Rafael Gustavo de Oliveira
Reply to  PauloR
7 meses atrás

Osorio morreu …. e o país não tem/tinha nada haver com isso

Ramon
Ramon
Reply to  PauloR
7 meses atrás

Vamos tentar explicar o óbvio, meu caro o Osório na atualidade é inviável, o projeto é da década de 80 e estamos em 2020 se passaram 40 anos, do Osório original da para se utilizar somente o nome primeiro que muitas tecnologias do projeto estão defasadas e não são mais fabricadas, segundo que se fossem utilizar o projeto original teriam que refaze-lo por completo desde as tecnologias embarcadas até o desenho o que seria basicamente refazer tudo, então o melhor mesmo é desenvolver um novo carro de combate ou comprar algum existente.

Agressor's
Agressor's
Reply to  PauloR
7 meses atrás

Nós temos capacidade para desenvolver e produzir qualquer tipo de armamento. Temos capacidade para desenvolver bons tanques de guerra, submarinos nucleares, satélites, mísseis de cruzeiro, ICBMS e até a bomba nuclear se quisermos. Mas somos impedidos por influências externas de “forças ocultas”, que dominam o país desde a era Vargas, mas este domínio é disputado e o quadro pode mudar de forma inesperada pra uma intervenção militar deles contra nós de um momento para outro. Eles não precisam tomar nada daqui para explorar e levar as riquezas do nosso país pois eles já fazem isso a décadas, sem a necesidade… Read more »

Leandro Costa
Leandro Costa
Reply to  Agressor's
7 meses atrás

Então, eu sugiro que escreva um roteiro disso e venda para Hollywood. Só a grana do roteiro com as novelizações garantiriam uma grana fantástica!

Agressor's
Agressor's
Reply to  PauloR
7 meses atrás

As potências estrangeiras são dependentes dos nossos recursos naturais, pois temos as maiores reservas de água doce e de minérios estratégicos como o nióbio, imprencidivio para o desenvolvimento tecnológico e industrial deles . Somos o celeiro do mundo e o território com mais terras agricultáveis que existe.

MMerlin
MMerlin
Reply to  Agressor's
7 meses atrás

Nióbio imprescindível… Dois outros metais cumprem exatamente a mesma função e ainda são mais versáteis. São eles: vanádio e titânio.

Pessoal ainda acha que o nióbio vai salvar a economia do país, permitindo transformar as cidades em verdadeiros parques tecnológicos e colocar nossas FA no patamar das de primeiro mundo.

Pensaram a mesma coisa do pré-sal. Mudou alguma coisa?

Bosco
Bosco
Reply to  Agressor's
7 meses atrás

O Brasil precisava melhorar a educação e agregar valor aos seus produtos e parar de querer sobreviver só sendo celeiro do mundo e fonte de materias primas. O dia que tivermos um turismo de primeira qualidade, serviços de primeira qualidade, indústria e tecnologia de primeira qualidade, não precisaremos ficar negociando nossos recursos naturais. Se demorarmos muito e continuarmos com essa conversa os países desenvolvidos já estarão minerando asteróides e buscando água nos anéis de Saturno e nós aqui, vendo a banda passar.

Defensor da liberdade
Defensor da liberdade
Reply to  Bosco
7 meses atrás

Conversa fiada, Austrália tbm é fazendão do mundo, onde tem mais pobres por metro quadrado, aqui ou lá? Não largo minha plantação de uva e manga por nenhuma startup de tecnologia.

MMerlin
MMerlin
Reply to  Defensor da liberdade
7 meses atrás

A Austrália possui uma vasta rede de produção agropecuária mas não está nem entre os 10 maiores produtores do mundo, ficando atrás inclusive para países como Japão e Turquia.

O diferencial deste país está em possuir uma economia rica, extremamente diversificada. É um grande atrativo para especialistas na área de tecnologia, desde software até hardware e comunicação.

Bosco
Bosco
Reply to  Defensor da liberdade
7 meses atrás

Austrália tem 25 milhões de habitantes.

Defensor da liberdade
Defensor da liberdade
Reply to  Bosco
7 meses atrás

Tamanho de população não interfere em capacidade de criar riqueza.

Leandro Costa
Leandro Costa
Reply to  Bosco
7 meses atrás

É… vamos vender batata para comprar computador. Em algum moento aí a conta simplesmente não fecha.

Defensor da liberdade
Defensor da liberdade
Reply to  Leandro Costa
7 meses atrás

Australianos discordam.

Bosco
Bosco
Reply to  Defensor da liberdade
7 meses atrás

Mas japoneses, sul coreanos, singapurenses, taiwaneses, suecos, suiços… concordam.

Salim
Salim
Reply to  Bosco
7 meses atrás

Já estão desenvolvendo alimentos feitos geneticamente o que diminuiria esta vantagem, bem como proteína sintética. Nossas Forcas defesa estão mais voltadas a distúrbios internos como na década 70 para garantir estes benefícios e roubalheira dos atuais mandantes Brasil, o povo e nossa defesa que se lasque. Estamos vendo uma entrega desenfreada de nosso pais a interses externos. A quem interessa importação sem impostos de armas. A Taurus ta mudando pro USA para sobreviver. Quem matou engesa, bernardini, AMRJ, mectron, DF Vasconcelos!?!!!!!??! Quem paga tot para subsidiaria estrangeira em detrimento industria nacional. Tot de avião de quarta geração que Embraer pode… Read more »

PauloR
PauloR
7 meses atrás

CV90 120mm é aquele que tá a décadas tentando sair da prancheta e ninguém compra? É o novo com cara de velho. Ate seu irmão, o IFV, já passou do seu tempo.

Guacamole
Guacamole
7 meses atrás

Ao que parece, esse vai ser o futuro de muitos exércitos pelo mundo.
E o timming entre o desenvolvimento de novos tanques médios e o Brasil aposentar os velho Leopards está quase perfeito.
Quem sabe não é esse tipo de tanque médio que nos atenderia melhor do que comprar usados, mesmo que mais poderosos, como os Leopard 2?
Claro, tudo dentro do orçamento…

Carlos Gallani
Carlos Gallani
Reply to  Guacamole
7 meses atrás

Eu acredito que a era do MBT sem absoluto controle aéreo acabou com a chegada dos drones baratos, considerando que os gripens não são suficientes e nem adequados para esse novo inimigo, investir em um tanque médio e consequentemente mais barato seja uma boa ideia para qualquer país com limitações orçamentárias!

Bardini
Bardini
Reply to  Carlos Gallani
7 meses atrás

Me diz: qual grande exército está abrindo mão de um MBT por conta de “drone barato”???
.
O grande problema dos MBT se chama MOBILIDADE.

Last edited 7 meses atrás by Bardini
Guacamole
Guacamole
Reply to  Bardini
7 meses atrás

Preço também, né irmão.
Fora EUA, Russia e China, não conheço nem país que esteja fabricando ou pensando fabricar um.

Bardini
Bardini
Reply to  Guacamole
7 meses atrás

Korea tem projeto zero bala.
Japão tem projeto zero bala.
Turquia tem projeto zero bala.
Polônia + Espanha + Itália estão tentando formar uma JV para fazer um MBT em conjunto.
Alemanha + França tem uma JV para fazer um MBT em conjunto.
Fora dezenas de países que compraram ou estão em processo de comprar material pronto, de ponta, no estado da arte.
.
Preço?
Desculpinha…

PauloOsk
PauloOsk
Reply to  Bardini
7 meses atrás

Bardini, voce tem alguma preferencia pro novo mbt ou mmbt brasileiro ?

Bardini
Bardini
Reply to  PauloOsk
7 meses atrás

Vou te dar o meu passo a passo, ainda resumido: . 1) Bancar modernização dos Leopards 1A5 baseado em concorrência técnica, sem perder tempo e uma montanha de dinheiro com frufrus de “obtenção de conhecimentos pra criar/desenvolver MBT nacional”. Essa é a atual balelagem que estão tentando fazer com esses blindados. >>> Abre concorrência dizendo “quero isso, isso e aquilo com suporte logístico da frota por 10/15 anos, com disponibilidade de no mínimo xx%”. Taca pau e seleciona quem entregar mais por menos em um novo contrato de 10/15 anos de suporte. Nada vai bater isso em termos de custo… Read more »

Last edited 7 meses atrás by Bardini
Carlos Gallani
Carlos Gallani
Reply to  Bardini
7 meses atrás

De certa forma vc até concordou comigo, jogou o MBT pro canto em prol de volume e racionalidade de gastos! Hahahahahahaha

Guacamole
Guacamole
Reply to  Bardini
7 meses atrás

Projeto até o Brasil tem.
mas só isso também.

Carlos Gallani
Carlos Gallani
Reply to  Bardini
7 meses atrás

Olá Bardini, acho que vc não leu meu comentário com a devida atenção, veja bem que eu falo “país com restrições orçamentárias” e não “país com grande exército”, abraços!

Bardini
Bardini
Reply to  Carlos Gallani
7 meses atrás

Verdade.

falken666
falken666
7 meses atrás

Ainda acho que o caminho pro EB seria tentar fabricar sob licença o Type-10 japonês, talvez com transferência de tecnologia, na atualidade creio que é a melhor opção para nossas forças blindadas, devido a performance, blindagem e peso. Ou aguardar esses aí de cima se consolidarem, mas vai demorar.

Defensor da liberdade
Defensor da liberdade
Reply to  falken666
7 meses atrás

Primeiro resta saber se os japas iriam vender.

Carlos Campos
Carlos Campos
Reply to  falken666
7 meses atrás

Se o Japas fizessem um acordo comercial legal, atrelar a compra do Type 10 seria perfeito. sou fã desse MBT

Defensor da liberdade
Defensor da liberdade
7 meses atrás

Desde 2017 quando comecei a comentar neste site que o CV90120 como tanque leve deveria ser considerado pelo EB, até os EUA já caíram na tendência, isso em 3 anos….

Last edited 7 meses atrás by Defensor da liberdade
Fabio Araujo
Fabio Araujo
7 meses atrás

Bem que uns tanques leves desses iam cair bem para os fuzileiros navais substituírem os SK-105!

Juarez
Juarez
Reply to  Fabio Araujo
7 meses atrás

O CV 90 e um dos prováveis finalistas da concorrência do CFN.

Junior
Junior
Reply to  Juarez
7 meses atrás

Ficarei surpreso se a decisão final do CFN optar por algo diferente da dupla CV90/ASCOD 2

José Pereira
José Pereira
7 meses atrás

O exército brasileiro não vai comprar mbt… somente modernizar.. aliás não entendo a uniformização dos equipamentos utilizados entre as 3 forças, sabendo que o lmv da iveco já está sendo fabricado e a marinha está fazendo uma opção por importar.

Luiz Floriano Alves
Reply to  José Pereira
7 meses atrás

O CFN tem um padrão, a FAB tem outro, o EB,,,…assim não temos economia de escala para produzir armas nacuinais avançadas. Temos que nos espelhar nos paises industrializados. Ou vamos continuar no jogo do tipo …o meu é melhor do que o teu?

Gabriel BR
Gabriel BR
Reply to  Luiz Floriano Alves
7 meses atrás

A demanda do EB sozinha já gera economia de escala e sustenta a fabrica. O melhor caminho para construir uma indústria de defesa competitiva no Brasil é investir nas demandas materiais do EB.

Andrade Neves
Andrade Neves
7 meses atrás

Interessante a matéria, EUA sempre dando um passo a frente. Quanto aos que comentam sobre a aquisição de novos materiais como este ao EB, é preciso salientar que, enquanto o EB não mudar sua postura em relação a suas doutrinas terrestres, enquanto houver gente coçando os sacos nas diretorias e nos Centros de Adestramento ( Sul e Leste ), poderíamos ganhar um Centauro 2, com todo o suporte logístico e transferência de tecnologia, o EB ainda teria o pensamento obsoleto de encaixa-lo em algum Pelotão C Mec desses.da vida. Enquanto não mudarmos nossa doutrina, nossos manuais da década de campanha,… Read more »

Luiz Floriano Alves
Reply to  Andrade Neves
7 meses atrás

O Brasil, por sua capacidade técnica e industrial pode produzir uma massa de blindados que sobrepujaa qualquer oponente na América do Sul. Agora, enfrentar uma potrencia de primeira linha, nem pensar. Nem pólvora e nem flecha segura o petardo. A guerra moderna exige armas caríssimas e sofisticadas que poucos podem possuir.

Sequim
Sequim
Reply to  Luiz Floriano Alves
7 meses atrás

As forças armadas brasileiras são para auto-defesa nacional e não para projetar poder. Isso “facilita” um pouco as coisas. Se for um combate mano a mano com uma força militar regular, estaríamos aí sim em desvantagem. Se aliar isso a um território nacional imenso, torna tudo muito mais difícil para uma força agressora estrangeira que queira se tornar também uma força de ocupação. Creio que, além de investir em material bélico pesado, as F.As deveriam investir mais em forças especiais de combate. Isso é relativamente barato e dá resultado. É só ver o que aconteceu no Afeganistão quando a URSS… Read more »

A.K. for T-7
A.K. for T-7
7 meses atrás

Lynx KF41 com o novo canhão Rheinmetall de 130mm em torre com carregador automático. Chassis modificado: teto rebaixado e direção de deslocamento alterada, com o motor atrás, mantendo a configuração padrão de um MBT. Peso de 44 toneladas. Regimentos de Cavalaria Blindada com Rheinmetall Lynx KF41 IFV e MBT, além de versão Posto de Comando, Morteiro 120mm (Nemo), Ambulância e Posto Médico, tudo mesma plataforma. Também viatura AAé Lynx KF41 com torre Rheinmetall Skyranger 35mm com os radares conformais e com periscópio 360° extra para comando de mísseis RBS70NG em casulos adaptados à lateral torre. Capacidade de engajamento múltiplo simultaneamente:… Read more »

Últimas Notícias

Rússia e China realizarão treinamento conjunto no exercício Zapad/Interaction 2021

A Rússia deve se juntar a um exercício militar no noroeste da China em agosto com o tema de...
- Advertisement -
- Advertisement -