sexta-feira, junho 25, 2021

Saab RBS 70NG

Obuseiro da Elbit Systems selecionado pelo Exército dos EUA para avaliação de tiro

Destaques

Alexandre Galante
Jornalista, designer, fotógrafo e piloto virtual - alexgalante@fordefesa.com.br

Iron Sabre

FORT WORTH, TX. – O Autonomous Truck Mounted Ordnance System (ATMOS) Iron Sabre da Elbit Systems of America é um obuseiro móvel selecionado para participar da Avaliação de Tiro de Canhão Móvel de 155 mm do Exército dos Estados Unidos.

O evento, que ocorrerá durante o primeiro trimestre de 2021, oferece ao US Army a oportunidade de revisar várias soluções da indústria e, em seguida, selecionar um sistema pronto para produção que demonstre aumentos no alcance, cadência de tiro e mobilidade em relação aos sistemas de artilharia atuais disponíveis para os Stryker Brigade Combat Teams (SBCTs).

A Elbit Systems of America é líder de mercado no fornecimento de soluções de artilharia e está confiante de que seu sistema terá um bom desempenho no teste de tiro, sendo avaliado como “pronto agora”. O ATMOS Iron Sabre é um sistema comprovado em campo de uma família de obuseiros que oferecem suporte a clientes internacionais há mais de 30 anos.

Compatível com todos os projéteis e cargas de propelente existentes nos EUA, ele atende às necessidades de obuseiro móvel do Exército imediatamente, entregando a modernização e melhorias de capacidade definidas pelo objetivo do Army Futures Command Long Range Precision Fires.

“O US Army Fires precisa de soluções que possam acompanhar os SBCT, atirar mais rápido e mais longe e, o mais importante, de baixo risco e prontas agora. O ATMOS Iron Sabre da Elbit Systems of America atende a todas essas necessidades”, disse Ridge Sower, vice-presidente de Ground Combat & Precision Targeting da empresa. “Temos o prazer de ser selecionados para esta avaliação e estamos prontos para entrega rápida de nossa linha de produção quente, se selecionados para produção e campo.”

FONTE: Elbit Systems

- Advertisement -

26 COMMENTS

Subscribe
Notify of
guest
26 Comentários
oldest
newest most voted
Inline Feedbacks
View all comments
Alfa BR
Alfa BR
6 meses atrás

Algo nessa linha cairia como uma luva para as brigadas mecanizadas do EB.

Henrique
Henrique
Reply to  Alfa BR
6 meses atrás

eu pegaria o M777 que tem uma praticidade maior e mais fácil/barato de operar.

Tomcat4,2
Reply to  Henrique
6 meses atrás

O M-777 é rebocado, aqui a questão é autopropulsado sobre rodas meu caro.

Henrique
Henrique
Reply to  Tomcat4,2
6 meses atrás

não pode ter os dois? até pq o autopropulsado (o que o EB tem atualmente) não chega onde o M777 pode chegar voando

Last edited 6 meses atrás by Henrique
Bosco
Bosco
Reply to  Henrique
6 meses atrás

Henrique,
O M777 ficaria exclusivamente com as brigadas de infantaria (leves), já esse poderá ficar nas Brigadas Stryker (médias) e os M-109/M-1299 ficariam com as brigadas blindadas (pesadas)

Fabio Araujo
Fabio Araujo
Reply to  Alfa BR
6 meses atrás

Acho que cairia bem tanto para o EB quanto para os Fuzileiros! Numa região pantanosa ou numa praia por serem mais leves devem ser mais ágeis que os obuseiros blindados!

Last edited 6 meses atrás by Fabio Araujo
Fighter_BR
Fighter_BR
Reply to  Fabio Araujo
6 meses atrás

Os fuzileiros vão de M777.

Fabio Araujo
Fabio Araujo
Reply to  Fighter_BR
6 meses atrás

Mas esse é autopropulsado e o M777 não seriam complementares!

Bogaz
Bogaz
Reply to  Alfa BR
6 meses atrás

Sou fã do Pzh 2000. Agora, se seria apropriado para o EB não tenho a menor idéia.

Tomcat4,2
6 meses atrás

Torço muito para que o EB selecione este obuseiro para suas fileiras!!! Que máquinão !!!

Jhon
Jhon
6 meses atrás

Esse sistema visa substituir o M109 ou M777?

Bardini
Bardini
Reply to  Jhon
6 meses atrás

Esse iria para as Brigadas Stryker, logo, despacharia em tese os M777.
.
O substituto do M109 tende a ser o ERCA, se aquilo lá vingar.

Bardini
Bardini
6 meses atrás

O US Army vai avaliar outros sistemas, como Caesar e Archer.
.
A questão é clara: a artilharia do US Army tem curto alcance e estão tentando correr atrás do prejuízo, selecionando um projeto estrangeiro pronto, para construir localmente o seu obuseiro 155mm de 52 calibres.
.
Essa versão do Atmos aí da foto emprega um sistema de carregamento semiautomático. Os israeli já estão desenvolvendo um sistema de carregamento totalmente automatizado para a IDF.

Mercenário
Mercenário
Reply to  Bardini
6 meses atrás

Corroborando as informações do Bardini, serão pelo menos três sistemas avaliados: Archer (BAE), Caesar (Nexter) e Atmos (Elbit).

https://www.janes.com/defence-news/news-detail/nexters-caesar-joins-pack-competing-in-us-armys-mobile-howitzer-shoot-off

Defensor da liberdade
Defensor da liberdade
6 meses atrás

EUA adquirindo arma israelense é compra, ou troca de favores, só eu que fiquei confuso agora? 🤔🤔

Last edited 6 meses atrás by Defensor da liberdade
Carlos Campos
Carlos Campos
Reply to  Defensor da liberdade
6 meses atrás

é compra.

Teropode
Reply to  Defensor da liberdade
6 meses atrás

Pensar dentro da caixa causa perda cognitiva , 💀

sub urbano
sub urbano
6 meses atrás

Reza a lenda q tudo começou no Afeganistão qnd os americanos viram os CAESAR franceses arrebentando a boca do balão: “queremos um treco desses tbm, disseram eles”.

Sobre o Brasil podem esquecer. Nossos recursos são escassos, como ficariam as pensões pra filhas solteiras?

Defensor da liberdade
Defensor da liberdade
Reply to  sub urbano
6 meses atrás

Na hora da guerra a gente lança as solteironas como munição 😂😂😂

Teropode
Reply to  Defensor da liberdade
6 meses atrás

Não tenho nada contra o cara não gostar de mulher mas , querer se livrar delas numa guerra já é demais 🤣🤣🤣🤣

Welington S.
Welington S.
6 meses atrás

Alguém sabe informar se o custo de manutenção deste obuseiro é muito caro?

Lobo
Lobo
6 meses atrás

Depois de ter visto os filmes do estrago que os drones fizeram no conflito Azerbaijão X Armênia. Qualquer tipo de artilharia rebocada perdeu o sentido.
Hoje é atirar, correr e com sorte sobreviver.

Ari Levinson
Ari Levinson
Reply to  Lobo
6 meses atrás

No conflito armenia com Azerbaijão as maiores vítimas dos drones foram os sistemas SAM

Teropode
Reply to  Lobo
6 meses atrás

Ou ter uma cobertura AA de primeira linha , igla não serve .

Lobo
Lobo
Reply to  Teropode
6 meses atrás

Concordo, mas se o país já não investiu em artilharia moderna é sinal que recursos para uma AA de primeira linha também não estão disponíveis. E AA de primeira linha sai caro, muito caro. Na minha opinião em qualquer cenário, AA descente é indispensável. Sem AA, ter rodas da uma chance de sobreviver, mas não garante nada.

Henrique
Henrique
Reply to  Lobo
5 meses atrás

Os armênios eram amadores, cometeram erros de principiante. Qualquer um mais competente e com MANPADS iria varrer aqueles drones simplórios dos ares.

Reportagens Especiais

26ª Exposição Internacional da Indústria de Defesa MSPO

Por Jean François Auran Especial para Forças de Defesa/Forças Terrestres A Exposição Internacional da Indústria de Defesa MSPO é um dos...
- Advertisement -
- Advertisement -