quinta-feira, outubro 21, 2021

Saab RBS 70NG

China: É hora de acabar com o ‘drama’ dos EUA sobre os rumores de Xinjiang

Destaques

Redação Forças de Defesa
redacao@fordefesa.com.br

A chamada “questão uigur de Xinjiang” nada mais é do que um complô estratégico dos Estados Unidos para desestabilizar a China por dentro, como admitiu o ex-oficial norte-americano Lawrence Wilkerson, disse a porta-voz do Ministério das Relações Exteriores chinês Hua Chunying em 26 de março.

“É hora de encerrar o ‘drama’ do lado dos EUA”, observou ela.

Hua mostrou aos jornalistas na coletiva de imprensa regular do ministério na sexta-feira um vídeo de Lawrence Wilkerson, um coronel aposentado do Exército dos EUA e ex-chefe de gabinete do Secretário de Estado dos EUA, Colin Powell, fazendo um discurso em agosto de 2018.

Se a CIA quisesse desestabilizar a China, essa seria a melhor maneira de fazer isso – criar agitação e se juntar aos uigures para pressionar a China internamente, e não de fora, o vídeo mostrava Wilkerson dizendo.

As observações de Wilkerson ecoaram comentários do ex-secretário de Estado dos EUA Mike Pompeo em uma palestra em abril de 2019. A CIA “mentiu, trapaceou, roubou”, disse ele, e “fez cursos de treinamento inteiros” dedicados a essas táticas. “Isso é o que os EUA dizem e fazem”, observou Hua.

Isso mostra o papel impróprio desempenhado pelos EUA e alguns de seus aliados e alguns meios de comunicação quando atacam a China, disse Hua. Em conluio com as forças anti-China, eles fazem rumores infundados contra a China, acrescentou ela.

Agora os EUA e alguns de seus aliados ocidentais estão visando o algodão de Xinjiang, dizendo que há “crimes”, incluindo trabalho forçado, esterilização forçada e até genocídio. Eles também impuseram sanções a instituições e funcionários chineses com essas desculpas, disse Hua.

Provavelmente por preconceito ideológico, eles preferem acreditar nas mentiras fabricadas por um pequeno número de forças anti-China do que ouvir as aspirações comuns de mais de 25 milhões de pessoas de vários grupos étnicos em Xinjiang. Eles estão relutantes em enfrentar o fato básico do desenvolvimento e progresso da região, observou Hua.

“Então, depois de ver o vídeo de Wilkerson, eles confiam nas palavras de seus próprios altos funcionários?” Hua perguntou.

Fatos provaram repetidamente que a questão de Xinjiang não é uma questão étnica, religiosa ou de direitos humanos, mas um caso de luta contra o separatismo, violência, terrorismo e interferência, disse Hua. Os EUA prepararam o chamado “problema de Xinjiang” não porque se preocupam com o povo uigur, mas para minar a segurança e a estabilidade da China e impedir seu desenvolvimento e crescimento, disse ela.

Caso contrário, os Estados Unidos não atacariam vários países muçulmanos após o 11 de setembro em nome do combate ao terrorismo, nem decretariam a proibição de viagens aos muçulmanos, nem discriminariam seus grupos minoritários domésticos, incluindo os muçulmanos, disse Hua.

Hua deu outros exemplos de esforços dos Estados Unidos e seus aliados ocidentais para incentivar o conflito.

Em 2003, os Estados Unidos lançaram ataques militares contra o Iraque alegando que o Iraque possuía “armas de destruição em massa”, o que causou centenas de milhares de mortos e deixou mais de um milhão de desabrigados. Anos depois, os EUA admitiram que havia poucas evidências das chamadas “armas de destruição em massa”.

Em 2018, países como Estados Unidos, Reino Unido e França lançaram ataques aéreos contra a Síria sob o argumento de que “o governo sírio usou armas químicas contra seu povo”, o que também foi baseado em evidências duvidosas.

Em 2019, a CIA e seus grupos de “luva branca”, incluindo o National Endowment for Democracy (NED), patrocinaram e instigaram separatistas anti-China em Hong Kong para protestar na cidade e invadir violentamente o prédio do Conselho Legislativo (LegCo) local.

“Quero alertar os EUA de que a China de hoje não é o Iraque, nem a Síria, nem o final da Dinastia Qing (1644-1911) sob as forças da ‘Aliança das Oito Nações’”, disse Hua, observando que o povo chinês tem determinação suficiente e capacidade de salvaguardar resolutamente a soberania e segurança da China e de defender os interesses e a dignidade nacionais.

A China é aberta e honesta, e os fatos irão expor todas as mentiras e rumores maliciosos, disse Hua.

FONTE: Global Times

- Advertisement -

57 COMMENTS

Subscribe
Notify of
guest
57 Comentários
oldest
newest most voted
Inline Feedbacks
View all comments
Antoniokings
Antoniokings
6 meses atrás

‘A chamada “questão uigur de Xinjiang” nada mais é do que um complô estratégico dos Estados Unidos para desestabilizar a China por dentro, como admitiu o ex-oficial norte-americano Lawrence Wilkerson’.

Ponto para o Kings aqui!
Ah! Essa minha modéstia!

Hcosta
Hcosta
Reply to  Antoniokings
6 meses atrás

Só que há um pormenor que faz toda a diferença. A questão Uigur é real.
Cada país utiliza os argumentos que tem disponíveis e se forem verdadeiros mais força têm, principalmente se forem questões de direitos humanos.

Agora tentar utilizar um comentário de um militar para descredibilizar e negar a questão Uigur, e de fazer a China uma vítima, parece-me uma ingenuidade.

Cristiano de Aquino Campos
Cristiano de Aquino Campos
Reply to  Hcosta
6 meses atrás

Se e verdade ou mentira eu não sei. Só sei que o que foi falado pela China e verdade e logo podemos ser vitimas disso na questão da Amazônia, direitos humanos e democracia.

Hcosta
Hcosta
Reply to  Cristiano de Aquino Campos
6 meses atrás

As primeiras e as principais vítimas na questão da Amazônia, direitos humanos e democracia são os Brasileiros.
Como foram no passado, é assim a política internacional.
Mas as questões em si e a forma como são usadas são duas coisas diferentes.

carcara_br
carcara_br
Reply to  Antoniokings
6 meses atrás

É uma funcionária do Min. relações exteriores falando sobre o governo, não dá pra esperar nada diferente.
Por outro lado a preocupação humanitária dos americanos sempre foi bastante seletiva, bem como dos seus apoiadores, inclusive aqui no forte.
E logicamente nada disso é sobre questões humanitárias, é sobre propaganda dos dois lados.

carcara_br
carcara_br
Reply to  carcara_br
6 meses atrás

Diria mais, nenhuma questão humanitária é mais importante que a brasileira no momento, o resto é piada.
Sim, nós brasileiros que vivemos numa democracia, tivemos nossas governança política escolhendo deliberadamente uma estratégia de enfrentamento da pandemia voltada para contaminação da população e por consequente, e previsível, morte em massa. Estamos sem muita moral para criticar a URSS ou a China no momento, e isto será lembrado por muitos em momento oportuno mais pra frente.

Mensageiro
Mensageiro
Reply to  carcara_br
6 meses atrás

Genocídio está acontecendo na nossa frente todo dia, estamos anestesiados pq vemos só morte todos os dias, mas quando voltarmos ao nosso normal vamos ter um choque, e um sentimento de raiva, ódio, vingança por um governo tão cruel.

francisco
francisco
Reply to  carcara_br
6 meses atrás

Se o Brasil com 300 mil morte é genocida o que dirá dos USA com 600 mil mortes? desde que o Bidem assumiu já faleceram mais de 270 mil lá e não vemos ninguém chamar o presidente norte-americano de genocida.
Inventem outra.
Genocida é o prefeito ou governador que desvia/rouba dinheiro da saúde.

Luciano do Prado
Reply to  francisco
6 meses atrás

Os deputados que passam 30 anos mamando nas tetas do governo, sem apresentar projetos de desenvolvimento para o país, também são genocidas, não é?

Antoniokings
Antoniokings
Reply to  carcara_br
6 meses atrás

A funcionária está comentando o que um oficial americano disse.
E, cá para nós, é evidente.

João
João
Reply to  Antoniokings
6 meses atrás

A China pagando de coitadinha e vítima. Esquece do Tibet, Mar do Sul da China, pescas predatórias, etc

Rogério Loureiro Dhierio
Rogério Loureiro Dhierio
Reply to  João
6 meses atrás

João. Falou tudo.
Os EUA pensando que somente eles podem ter um Iraque, uma Síria, uma Líbia para se gabarem.
A China TB tem seus podres, muito bem citados aí.

Resumindo. Tudo farinha do mesmo saco.

francisco
francisco
Reply to  João
6 meses atrás

Faltou citar os milhões de chineses mortos pelos comunistas.

O livro biográfico “Mao – A história desconhecida”  fala em 70 milhões de civis mortos pelo ditador chinÊs.

Mgtow
Mgtow
Reply to  Antoniokings
6 meses atrás

Os Yankees deveriam estar preocupados com os direitos dos negros no país deles. Até hoje são perseguidos e mortos por policiais com fortes ligações com a KKK. Mortos covardemente. Inclusive quando dominados e sem oferecer resistencia.

Luiz
Luiz
6 meses atrás

A China é aberta e honesta, e os fatos irão expor todas as mentiras e rumores maliciosos, disse Hua.”

Acredite quem quiser.

pangloss
pangloss
Reply to  Luiz
6 meses atrás

O vírus curtiu essa afirmação.

Pedro
Pedro
Reply to  pangloss
6 meses atrás

Isso. Tá mais fácil este vírus mudar de nacionalidade, por pura incompetência governamental.

WVJ
WVJ
Reply to  pangloss
5 meses atrás

Você é dos que acreditam que seria possível esconder o descontrole da pandemia, e que lá morre mais gente do que eles eles falam?
Se sim, você é incompetente em reconhecer os méritos alheios.
Em cada bolso uma câmera.
Hoje em dia não dá pra esconder gente sofrendo em hospitais.
Os chineses foram os primeiros a lidar com o vírus e deram o exemplo de como controlar a situação.
O ocidente teve mais tempo.
O Brasil todo tempo necessário.
Falhamos miseravelmente.
Essa liderança do país não tem condições
de nos levar à vitória em coisa alguma.

Fabio Araujo
Fabio Araujo
6 meses atrás

Quando uma nova potência mundial começa a crescer a potência antiga reage e infelizmente pelo que vemos ao longo da história humana isso as vezes não costuma terminar bem, mas também ao longo da história houve mudanças menos traumáticas sem guerras, espero que a nossa era não venha se somar às mudanças traumáticas com guerras violentas e que a coisa fique só ao nível da guerra comercial!

Antoniokings
Antoniokings
Reply to  Fabio Araujo
6 meses atrás

Esse papo de Xinijiang, Tibet e etc e conversa para dormir e tentar desestabilizar a China.
Seria o equivalente aos esquimós reivindicarem a independência do Alasca ou da Groenlândia.
Não há base sustentável de ordem histórica ou jurídica.

Hcosta
Hcosta
Reply to  Antoniokings
6 meses atrás

A China invadiu o Tibet…
E se a maioria da população quiser independência, isso é uma questão legítima. E acrescento que o Alasca é um estado Dos EUA e a Gronelândia tem um governo independente da Dinamarca e, mais importante, são democracias. E isso é uma importante diferença em relação à China.
Ou também defende que as antigas colónias europeias devam voltar a serem colónias já que também foram invadidas e mantidas sobre o seu domínio pelo uso da força?

Antoniokings
Antoniokings
Reply to  Hcosta
6 meses atrás

A Escócia quer independência. O País Basco. A Irlanda do Norte. A Catalunha e centenas de outras regiões.
Não é assim que a banda toca.

Hcosta
Hcosta
Reply to  Antoniokings
6 meses atrás

A Espanha ainda tem muito que aprender com o RU acerca da democracia. Há referendos e um há pouco tempo na Escócia que foi a favor da permanência e não me parece que a Irlanda do Norte queira fazer parte da Irlanda já que a maior parte é protestante. A Espanha tem medo da guerra civil, tem medo da democracia e voltar a ser só Castela. E não admite processo de separação. Por isso existe muita pressão internacional para haver referendos. Mas, mesmo assim, as sondagens dão resultados muito próximos entre os dois lados. Mas Espanha não anda a fazer… Read more »

Fabio Araujo
Fabio Araujo
Reply to  Antoniokings
6 meses atrás

Dá mesma forma que a Chechênia!

Antoniokings
Antoniokings
Reply to  Fabio Araujo
6 meses atrás

Sim.
As reivindicações são muitas afora.
E segue o jogo que os EUA jamais vão desestabilizar a China.

Fabio Araujo
Fabio Araujo
Reply to  Antoniokings
6 meses atrás

A China esta comemorando a “Democratização do Tibet” que se deu com a invasão do Tibet que era um país livre. O Dalai Lama era líder político, chefe de estado e líder religioso do país e teve que fugir para a Índia para não ser preso, talvez até mesmo morto.

Carlos Campos
Carlos Campos
Reply to  Antoniokings
6 meses atrás

Autodeterminação dos povos, quero Manaus sem Brasil.

Antoniokings
Antoniokings
Reply to  Carlos Campos
6 meses atrás

Dá ideia não que daqui a pouco termos o Leblon livre.
kkkkkkk

Fernando C. Vidoto
Reply to  Antoniokings
6 meses atrás

Desafio um Referendum com a participação da população local de Xianjiang e Tibet sobre a independencia de suas respectivas regiões.

Last edited 6 meses atrás by Fernando C. Vidoto
Antoniokings
Antoniokings
Reply to  Fernando C. Vidoto
6 meses atrás

Desafio outros para Catalunha, País Basco, Escócia e etc.
Na verdade, nem preciso.
Já ganhei.

João Fernando
João Fernando
6 meses atrás

Uai o Borsonaro não fala o mesmo das reservas de índios, que tem pressão de ONGs? Ou o pau que bate em Chico aqui não vale?

Cristiano de Aquino Campos
Cristiano de Aquino Campos
Reply to  João Fernando
6 meses atrás

Hoje e a China perseguindo mulçumanos. Amanhã e o Brasil destruindo a Amazônia e perseguindo índios.

Antoniokings
Antoniokings
Reply to  João Fernando
6 meses atrás

A única diferença é que as terras indígenas brasileiras estão ameaçadas por bandoleiros, garimpeiros, madeireiros ilegais, agricultores também ilegais, traficantes, piratas de rio e toda sorte de escória.
Não se sabe o porquê (será?), mas essas pessoas têm representação no Congresso Nacional.
E adivinhe quem eles apoiam.

Thiago A.
Thiago A.
Reply to  Antoniokings
6 meses atrás

Diferença nenhuma Antônio, ainda que assim fosse, é um assunto interno de exclusiva competência do Estado Brasileiro e sua sociedade, representada pelas instituições do mesmo, as quais ( pesem as falhas e erros ) possuem a mesma dignidade das equivalentes estadunidenses/chinesas/européias . Qualquer ingerência externa deve ser veementemente rechaçada.

Hcosta
Hcosta
Reply to  Thiago A.
6 meses atrás

O Brasil não faz parte de instituições internacionais? Se não quiser respeitar as regras então que sai. Qualquer país que vá contra questões fundamentais, como o desrespeito pelos direitos humanos, deve ser criticado. Ações acarretam consequências. É isso o fundamental de viver numa democracia e num estado de direito. Se os EUA começarem a fazer o que fazem na China, e é preciso acontecer alguma tragédia de grandes dimensões para isso acontecer, então deixa de ser uma democracia e, certamente, alvo de pressões internacionais para voltar a ser. Por isso, mesmo um governo eleito pelo povo não tem a legitimidade… Read more »

Thiago A.
Thiago A.
Reply to  Hcosta
6 meses atrás

Os EUA já o fazem e fizeram, não é por ser um democracia que eles evitaram de cometer crimes ambientais ou contrários aos direitos humanos , simplesmente não sofreram a repercussão pelo próprio peso e importância geopolítica. Eles não aceitam nem recebem
muito bem ingerência externa e críticas. Até porque se consideram acima dos demais.

Hcosta
Hcosta
Reply to  Thiago A.
6 meses atrás

A democracia não é infalível. Mesmo os EUA precisam de fazer acordos com outros países e e não dá para invadir todos. Sim, concordo que os EUA cometem muitos erros mas a diferença é que esses erros são mais difíceis de cometer numa democracia. E existem vários níveis. Não é a mesma coisa a polícia ter como alvo a população negra ou utilizar armas químicas como na Síria. E mesmo na invasão do Iraque foram meses para convencer o congresso. Na Crimeia anexaram e no dia seguinte o parlamento aprovou a anexação. E isso é uma diferença importante. E, acho… Read more »

Carlos Campos
Carlos Campos
Reply to  Hcosta
6 meses atrás

Trágedia de grande proporções, Iraque, Libia e Síria, vai lá nesses países com uma bandeira dos EUA, fala para pessoas que perderam tudo até parentes e diz: Está tudo bem, nos salvamos vocês suas vidas destruídas e agora desgraçadas sem perspectiva de melhora é só um efeito colateral, fique feliz!

Thiago A.
Thiago A.
Reply to  Thiago A.
6 meses atrás

E nisso me encontro em total concordância com as palavras proferidas pelo Cristóvão Buarque : De fato, como brasileiro eu simplesmente falaria contra a internacionalização da Amazônia. Por mais que nossos governos não tenham o devido cuidado com esse patrimônio, ele é nosso. Como humanista, sentindo o risco da degradação ambiental que sofre a Amazônia, posso imaginar a sua internacionalização, como também de tudo o mais que tem importância para a Humanidade. Se a Amazônia, sob uma ótica humanista, deve ser internacionalizada, internacionalizemos também as reservas de petróleo do mundo inteiro. O petróleo é tão importante para o bem-estar da… Read more »

Hcosta
Hcosta
Reply to  Thiago A.
6 meses atrás

Acho que ninguém defende a internacionalização da Amazônia, nem mesmo o Macron. Mas parece legítimo haver pressão internacional para a sua preservação, mesmo que essa pressão tenha objetivos políticos que não têm nada a ver com a questão. Os Brasileiros são os guardiões da Amazónia Brasileira e isso significa proteger das ameaças internas ou externas, naturais ou criadas pelo homem, na população/cultural ou no património natural. E para não entrar muito na política atual, tenho a ideia que o presidente brasileiro só enviou os meios militares para combater os incêndios depois de muita pressão nacional e internacional. E pressão externa… Read more »

Thiago A.
Thiago A.
Reply to  Hcosta
6 meses atrás

Internacionalização é um termo provavelmente já antiquado, mas entenda internacionalização como qualquer movimento que deseja para o enfraquecimento da soberania brasileira sobre da região, podendo ser esse movimento autonomista, separatista ou a pretensão de compartilhamento da soberania estabelecimento regras e limites. Eu acho engraçado essa consciência ambiental vinda de países que promoveram o fracking em reserva indigenas em nome da autossuficiencia energética ou pior que detonaram deliberadamente artefatos nucleares no meio do Oceano Pacífico sem interpelar a comunidade internacional. Agora vá o Brasil fazer uma b…tá dessa para ver o que acontece. Mesmo com toda a boa vontade e amor… Read more »

Thiago A.
Thiago A.
Reply to  Hcosta
6 meses atrás

A pressão externa é normal, é esperada. Que eles opinem quanto quiserem, mas fiquem bem cientes que a decisão é somente nossa e qualquer tentativa de pressão além do aceitável ou ingerência deve ser rechaçada e seguida por consequências e retaliações – possívelmente pagando na mesma moeda ou seja colocar o dedo em assuntos delicados e internos desses países .

Last edited 6 meses atrás by Thiago A.
Nilo
Nilo
6 meses atrás

1 milhão de uigures, em centro de retreinamento profissional (um eufemismo) obrigatórios, Certamente que não é um complô criado pelos EUA, se bem que ele pode potencializar, mas essa primavera chinesa dificilmente ocorrerá, os radicais serão eliminados como foram no Tibet. Utilizando a mesma tática usada no Tibet, fomenta com programas de incentivo a migração dos chineses han para a região (inclua-se esterilização de mulheres e homens), diluindo a cultura dos uigures. Desde 2009, com o protesto uigur nos quais pelo menos 197 pessoas foram mortas, a reposta foi fechar as mesquitas uigures e cortaram o acesso à Internet na… Read more »

Hcosta
Hcosta
Reply to  Nilo
6 meses atrás

Acho que ainda não aconteceu uma verdadeira guerra comercial contra a China. Trump era mais pólvora seca e com objetivos muito mais pessoais e limitados do que outra coisa.
Mas não sei se a China aguenta uma ocupação de Taiwan, Hong Kong, Tibete e Xinjiang. Por isso duvido de uma ocupação de Taiwan.
É fácil conquistar militarmente, manter é outra coisa. Se as autoridades Chinesas não conseguirem manter a paz não se aguentam muito tempo no cargo.

Last edited 6 meses atrás by Hcosta
Antoniokings
Antoniokings
Reply to  Hcosta
6 meses atrás

Não entendi.
Ocupação de Hong Kong, Tibete e Xinjiang?
Não existe ocupação lá.
O que existe são as instalações militares normais para manutenção da integridade territorial chinesa.

Hcosta
Hcosta
Reply to  Antoniokings
6 meses atrás

Usei a palavra errada, não aguenta uma população hostil à autoridade chinesa.
E certamente que a forma como a China se impõe nessas populações vai para além das instalações militares.

Nilo
Nilo
Reply to  Hcosta
6 meses atrás

Tibet não tem como definir como não ocupação, a não ser que distorça a história.
Tibet nunca foi parte da China, sempre teve sua própria religiosidade, linguística e étnia.
A maciça migração han foi um eficiente e perverso projeto de aniquilação da cultura tibetana.

Last edited 6 meses atrás by Nilo
Max
Max
6 meses atrás
Nascimento
Reply to  Max
6 meses atrás

Mais do mesmo. Financiar rebeldes ”moderados” muçulmanos. O que pode dar errado não é mesmo? Até parece que as coisas não podem sair do controle como aconteceu com o financiamento dos Mujahideen nos anos 70.

jagdervband44
jagdervband44
6 meses atrás

O dia em que a china tiver eleições livres e uma mulher no poder, passo a acreditar nos xings.

Carlos Campos
Carlos Campos
Reply to  jagdervband44
6 meses atrás

não precise acreditar no Xings, mas também não acredite nos Europeus e nos EUA.

Carlos Campos
Carlos Campos
6 meses atrás

Mentiras das Potências Ocidentais
Iraque tem armas de destruição em Massa
Queremos libertar o povo Sírio.
Nos Preocupamos com os Uigures
Nos nos preocupamos com a Amazônia.
Que existe uma opressão contra os uigures é vdd, mas que os gringos estão pensando neles, isso é conversa fiada.

Mendes observador
Mendes observador
6 meses atrás

Fazendo a lição de casa. A China é um império que leva a sério seu destino. Agora está tratando do calcanhar de Aquiles que é a forte presença de muçulmanos em uma de suas províncias. Parabéns pela competência e iniciativa aos chineses.

sub urbano
sub urbano
6 meses atrás

Os campos de concentração são necessarios antes q comece a ter atentados suicidas islâmicos em Pequim. Negar esses campos de concentração tbm é necessário para acalmar a imprensa internacional. Já na Amazônia brasileira ocorre um genocídio e os responsáveis precisam ser punidos severamente. Nativos estao sendo deliberadamebte exterminados para favorecer pecuaristas e garimbeiros. Tribunal de Haia e prisão perpétua para Boro e sua gangue de psicopatas.

Carlos Campos
Carlos Campos
Reply to  sub urbano
6 meses atrás

China prender um povo por sua cultura e autodeterminação: OK
Pandemia que atinge o mundo todo e com vários países em situações horríveis: Culpa do Bolsonaro, dois pesos, duas medidas.

Alex Nogueira
Alex Nogueira
6 meses atrás

A China é tão boazinha… Até “doou” 1.7 milhões para a C U T.
A China entende tudo de desestabilizar governos inimigos internamente…

Tomoko Fujinami
Tomoko Fujinami
6 meses atrás

Os russos também tem seus problemas com muçulmanos, de vez em quando o FSB mata terroristas islâmicos no Cáucaso. Eles sabem desde a era soviética que não é bom deixar essa erva daninha se alastrar.

Mas a China é um patamar totalmente diferente, e até mais radical do que eles fizeram com o Tibete. Sendo muito próximo do que Hitler fez em sua época. Mas com seu poder econômico e militar, e considerando que vários países se tornaram dependentes deles, as pessoas preferem fazer vista grossa ou relativizar a favor desse autêntico genocidio.

Últimas Notícias

Novidades na Exposição Internacional Aeroespacial e Defesa de Seul – ADEX 2021

A Exposição Internacional Aeroespacial e Defesa de Seul, ou ADEX 2021, acontece no Aeroporto de Seul em Seongnam, Gyeonggi,...
- Advertisement -
- Advertisement -