terça-feira, setembro 21, 2021

Saab RBS 70NG

Uma proposta para a reestruturação das forças blindadas do Exército Brasileiro

Destaques

Redação Forças de Defesa
redacao@fordefesa.com.br

Por Bardini

Tocaram no assunto de reestruturação…

No meu entendimento, o caminho para uma profunda reestruturação do Exército, seria mais ou menos por aqui:

Nas imediações do Forte Santa Bárbara, construir toda a estrutura para abrigar uma Brigada Pesada completa, fechadinha com tudo o que precisa para existir e operar. Seria uma força com capacidade de logística expedicionária e robusta, par ser desdobrada para qualquer ponto do Brasil em caso de necessidade, já que o Brasil é uma “ilha”, a força ficaria no meio dessa “ilha”.

Uma Brigada de Cavalaria Blindada seria retirada do Sul para isso. A outra seria completamente extinta e o pessoal remanejado.

Formosa tem muito espaço para treinar. Goiás dá isenção de impostos para empresas de defesa. O terreno comporta um MBT “de verdade”. O Forte seria protegido pelo 1º GDA e AAAe perto dali. Os KC-390 ficam perto. Teria opção de ferrovia não muito longe dali, para ir para Norte ou Sul. Muito complexo para um agressor da América do Sul chegar ali.

O EB vai ter que gastar muita grana para trocar de família de blindados na marra, então se que coloque um pouco mais encima e faça algo mais profundo.

Não faz sentido manter essa estrutura velha que temos para conter/balancear a ameaça de uma Argentina que não existe mais, sendo que as fronteiras estão consolidadas. É dinheiro jogado fora, que está fazendo falta a décadas em outros braços da força que necessitam ser renovados constantemente.

Outro foco de mudança, seria transformar de vez as 04 Brigadas de Cavalaria Mecanizada em Brigadas Médias, com caráter de Armas Combinadas. Estas estruturas seriam mais independentes e agregariam o fator mobilidade estratégica e rápida resposta a um evento. Essas estruturas seriam equipadas com blindados Sobre Rodas. Foco: mobilidade estratégica e em caso de agressão, “ganhariam tempo” para desdobrar a Brigada Pesada no TO e posteriormente apoiariam a mesma.

Ficariam 2 no RS, 1 no PR e 1 em GO.

Brigada Pesada: Abrams, AMPV, M109, etc. Ou o pacote alemão (minha preferência).

Brigada Média: Centauro, Guarani, LMV, UAVs, Loitering Munitions de tudo que é tipo e tamanho, EW ofensivo e defensivo a nível tático e estratégico, muito forte em artilharia incluindo o longo alcance, AAAe, etc. O mais nacionalizado e de menor custo possível.

O resto, seriam consideradas Brigadas Leves/ Especiais…

Seria necessário rever a quantidade e a distribuição das Brigadas de Infantaria Mecanizada/Motorizada no Brasil. Tem muita coisa no RS, SC e PR que deveria ir pro facão. O resto daria até pra pensar…

A Infantaria Mecanizada tem de ter a estrutura revista, para ser possível adquirir o que precisamos. Não adianta ter Infantaria Mecanizada top no papel e aguardar artilharia e blindado novo por mais de uma década para completar dotação… Isso é ridículo. Brigada de Infantaria Mecanizada deveria ser barateada e o blindados caros deveriam ir para as Brigadas Médias.

O CFN teria papel fundamental nessa reestruturação do Exército. Deveria ser estruturado para além da guerra anfíbia, dar maior ênfase em fazer guerra em ambiente urbano/localidades, já que é tropa 100% profissional de pronta resposta, deveria ter total capacidade de atuar em crises urbanas. Estranho? Não mesmo! Seria uma ação lógica, já que é na costa que estão as maiores concentrações populacionais. E isso é valido para o ambiente ribeirinho. Não existe operação costeira sem envolver-se em cenário de conflito urbano. Logo, o CFN deveria ser uma força de manobra capaz de atuar nesse ambiente e apoiar o EB em possíveis cenários de manobra.

Essa reestruturação toda seria pensada para cortar parte da massa no Sul para gerar maior capacidade de ter meios modernos de fazer a guerra, como: EW, Cyber, UAVs e Artilharia, muita Artilharia e uma menor quantidade de blindados caros.

Seria necessário adquirir coisa como uma centena de Leopard 2 e duas centenas de Centauro 2, isso é menos da metade do que precisamos adquirir para atender a estrutura atual.

Outro resultado é que a massa de pessoal cortada no Sul, poderia em parte ser deslocada para o Norte, onde no cenário atual e futuro, agregaria maior ganho a defesa nacional. E essa maior presença não demandaria blindado caro e impagável.

NOTA DA REDAÇÃO: O comentário do nosso leitor Bardini ficou tão bom que resolvemos transformá-lo em post. Os leitores que tiverem textos de opinião sobre os temas abordados e quiserem vê-los publicados no ForTe, podem enviá-los para os editores no e-mail redacao@fordefesa.com.br

- Advertisement -

114 COMMENTS

Subscribe
Notify of
guest
114 Comentários
oldest
newest most voted
Inline Feedbacks
View all comments
Cristiano de Aquino Campos
Cristiano de Aquino Campos
5 meses atrás

Concordo, precisamos racionalizar os meios. Qualidade ao invés de quantidade.
Uma força moderna, poderosa e móvel, no meio do país de forma a ser desdobrado e melhor que ter muitos veículos de segunda espalhados. E uma doutrina baseada na guerra da coreia, quando um exercito podia se preparar para uma invasão em larga escala por terra sem ninguem perceber a tempo e quando o transporte de meios levava meses.

Caio
Caio
Reply to  Cristiano de Aquino Campos
5 meses atrás

Não dá para racionalizar tanto em quantidade com um imenso território que temos, logo, por nossas condições financeiras, precisamos ter uma grande quantidade de equipamentos baratos, mesmo que não seja de primeira linha.

Maurício Veiga
Reply to  Cristiano de Aquino Campos
5 meses atrás

Tente fazer este desdobramento dos meios disponíveis estocados no meio do país para a frente de batalha nas fronteiras durante a safra de Soja e você verá o ENORME pesadelo logístico no qual se meteu, precisamos de meios de combate disponíveis e de pronto emprego próximos a Zona de Combate e não distantes dela, a ideia do Bardini se aplica a países com dimensões territoriais pequenas, limítrofes e aliados entre si que possam combater de forma mútua a exemplo da Otan na Europa!!!

Last edited 5 meses atrás by Maurício Veiga
Maurízio Souza e Souza
Maurízio Souza e Souza
Reply to  Maurício Veiga
5 meses atrás

Discordo. Acredito que as emergências em que serão necessárias a presença das forças armadas virão do oceano. Por isso que é lógico o raciocínio de Bardini

Fábio Mayer
Fábio Mayer
5 meses atrás

Bardini certamente é o forista daqui, que mais entende do assunto. Então, a opinião dele é sempre muito importante.

Bardini
Bardini
Reply to  Fábio Mayer
5 meses atrás

Tem gente mais entendida…

Carvalho
Carvalho
Reply to  Bardini
5 meses atrás

Bardini
A gente percebe que a tua proposta é uma síntese e evolução de tudo o que tem sido discutido aqui nos últimos anos.
Certamente tem alguns pontos discutíveis, mas a maior virtude é não se deixar barrar pelos dogmas que volta e meia se repetem também aqui.

MMerlin
MMerlin
Reply to  Carvalho
5 meses atrás

Faço das suas as minhas palavras Carvalho. Simplificar e adaptar as tropas ao cenário e orçamento, tanto atual quanto futuro.

ALISON
ALISON
Reply to  Bardini
5 meses atrás

No Assunto exercito e blindados não.

Foxtrot
Foxtrot
Reply to  Fábio Mayer
5 meses atrás

Massageou ainda mais um ego hiper inflado kkkkk.

Alfredo Araujo
Alfredo Araujo
Reply to  Foxtrot
5 meses atrás

Quando um ego vem acompanhado de conhecimento, passa…
Pior é crítica sem fundamento… ou melhor… fundamentada em ódio e preferências pessoais infantis, ao melhor estilo Fla x Flu. Ai é um excremento q deveria ficar filtrado no anti-spam

Foxtrot
Foxtrot
Reply to  Alfredo Araujo
5 meses atrás

Hummm , compra um apê e mora os dois juntos KKK.
Conhecimentos vindos da Weekpédia todos podem ter.
Até hoje ele não me explicou com números e cálculos o porquê um cone “pontudo” é melhor que um “redondo”.
Não me explicou o porquê o projeto de máquinas da Barroso (que tem disponibilidade de no mínimo 80% ) é tão ruim.
Grande conhecimento o dele.

Foxtrot
Foxtrot
Reply to  Alfredo Araujo
5 meses atrás

Ódio infantil de quem figura.
Outra ameba dementada e inútil.
Fenômeno desagradável da atualidade.

ALISON
ALISON
Reply to  Foxtrot
5 meses atrás

A gente já sabe que vc rouba nosso oxigênio respirando….

Alexandre Galante
Admin
5 meses atrás

Concordo com boa parte das ideias do Bardini, mas penso que a Brigada pesada deveria ficar perto de um porto, para seguir de navio Roll-on Roll-Off para qualquer porto do país em caso de necessidade ou para o exterior em força expedicionária, como no caso da França levando seus blindados para a Estônia:
comment image

Last edited 5 meses atrás by Alexandre Galante
Nilo
Nilo
Reply to  Alexandre Galante
5 meses atrás

Parabens Bardini, O mais nacionalizado e de menor custo possível. A mobilidade (rapidez na resposta para um pais continental).

Last edited 5 meses atrás by Nilo
Maurício Veiga
Reply to  Nilo
5 meses atrás

A proposta de centralização dos meios mencionada e sugerida pelo colega Bardini na prática não favorece a mobilidade devido aos gargalos de logística encontrados ao longo das vias de transporte, esse modelo se aplica a Europa com países aliados, imítrofes e dimensões reduzidas…

GUSTAVO MENNA BARRETO DA SILVEIRA
GUSTAVO MENNA BARRETO DA SILVEIRA
Reply to  Alexandre Galante
5 meses atrás

Todas as Brigadas Blindadas do EB, estão ligadas aos portos da Região Sul através de Ferrovias!

Bardini
Bardini
Reply to  Alexandre Galante
5 meses atrás

Poxa Galante, poderia ter arrumados os erros de escrita antes de postar, rsrsrs.
.
Sobre a questão do porto, eu penso que dentro de um planejamento de futuro, poderíamos contar ao menos com os planos da Ferrovia Norte-Sul para desdobrar essa força de forma estratégica, pelo Brasil ou para fora dele.

Leandro Costa
Leandro Costa
Reply to  Alexandre Galante
5 meses atrás

Galante, isso não poderia ser remediado de certa com a brigada tendo seu próprio ponto de embarque ferroviário em anexo à base? Obviamente seria bastante interessante treinar bastante esse deslocamento ferroviário para o porto para sanar quaisquer problemas que possam surgir com esse tipo de operação. E salvo engano, o ForTe já publicou matéria mostrando algo assim.

Rogério Loureiro Dhierio
Rogério Loureiro Dhierio
Reply to  Alexandre Galante
5 meses atrás

Discutível essa questão pois podemos afirmar que os portos ficariam mais vulneráveis ao ataque via marítima. No entanto, é de se pensar o quão menos vulneráveis estariam as brigadas mais adentro do território nacional, mesmo com ferrovias, sendo que nem uma (Litoral ou Central) possuem uma capacidade de negar ataques pelos céus? Se fosse para escolher entre um cenário e outro, eu optaria pela ideia do Bardini. Acho que bases mais centradas e com uma capacidade de defesa aérea se possível em camadas seria mais custoso ao atacante, tanto em grana quando em planejamento, meios, logística etc. Apesar disso, não… Read more »

Last edited 5 meses atrás by Rogério Loureiro Dhierio
Carlos Campos
Carlos Campos
Reply to  Alexandre Galante
5 meses atrás

mas se concentrar no GO, fica fácil movimentar via linhas ferreas, pra todos os lados, em questão de dias as forças pesadas estariam em qualquer parte do Brasil, além que ficariam mais protegidas de mísseis de cruzeiro.

Rafael Gustavo de Oliveira
Rafael Gustavo de Oliveira
Reply to  Alexandre Galante
5 meses atrás

Você tem toda razão Galante, aliás ambos estão corretos, a ideia sua e do Bardini não são divergentes e sim complementares, como todos já devem saber me preocupo demais com a logística, e o modal aquaviário e ferroviário são os melhores para transporte de forças blindadas (custo x benefício)…

Penso que seguindo a ideia do Bardini, no caso a Brigada de transporte aquaviário seria uma brigada blindada de fuzileiros navais

ou seja

Ficariam 2 no RS, 1 no PR e 1 em GO.
+ Brigada blindada de fuzileiros navais no RJ

ALISON
ALISON
Reply to  Alexandre Galante
5 meses atrás

Poucos portos do Brasil podem receber Navios desse porte…

Maurício Veiga
Reply to  Alexandre Galante
5 meses atrás

As FAs Brasileiras não atuam ou tem o papel de “Forças Expedicionárias” exceto quando em consonância com a ONU, faz mais sentido termos forças dispersas e próximas aos “Pontos de Atrito” a exemplo do projeto Calha Norte…

Guacamole
Guacamole
5 meses atrás

Só tem uma coisa que esqueceram no texto que provavelmente trancaria tudo isso: os interesses por debaixo dos panos.

Nilo
Nilo
Reply to  Guacamole
5 meses atrás

Ele não esqueceu, deixou para outros comentarem.

Carvalho
Carvalho
5 meses atrás

O futuro virá rápido…e será sobre rodas.
Uma possibilidade para aprofundar a proposta:
– inserir a infantaria mecanizada nas brigadas médias.

Carvalho
Carvalho
Reply to  Carvalho
5 meses atrás

Esclarecendo:
Com a introdução do Guarani (4×4 e 8×8), as Brigadas de Infantaria Mecanizda ficaram muito semelhantes com a Cavalaria Mecanizada.
O RCB poderia ser substituído por um BIMec (Tendo um esquadrão de Centauro e duas companhias de Inf. Mecanizada).
Esta medida vai de encontro ao propósito de cortar custos.
Uma curiosidade: Na década de 80 os RCBs operaram X1A1 e Urubus juntos (rodas com lagartas)

Wilson Look
Wilson Look
Reply to  Carvalho
5 meses atrás

O X1A1 não chegou a ser adotado para serviço operacional, os que foram adotados foram o X1 e o X1A2, o X1A1 somente teve 1 unidade construída.
(uma curiosidade, o X1 foi chamado de MB-1 Pioneiro e o X1A2 de MB-2 Carcará, por isso o Tamoyo era o MB-3).

GUSTAVO MENNA BARRETO DA SILVEIRA
GUSTAVO MENNA BARRETO DA SILVEIRA
5 meses atrás

Um “pequeno” detalhe impossibilita a mobilidade tática e estratégica de uma Brigada Blindada no Planalto. Aeronaves. O Kc390 só pode transportar 32ton, enquanto um Leopard 2 pesa 64ton…. Por isso os RCCs e BIBs estão estacionados no sul, Onde seu emprego é otimizado pelo terreno favorável a blindados pesados. Inclusive com extensos campos de instrução. A Argentina apesar de passar por uma crise profunda em suas FFAA, ainda possui uma força blindada de respeito. Não podemos nem deveríamos subestima-las. Os Astros2020 são os meios mais poderosos de nosso EB. Seu peso razoável é apto para ser aerotransportado, possibilitando seu emprego… Read more »

Hcosta
Hcosta
Reply to  GUSTAVO MENNA BARRETO DA SILVEIRA
5 meses atrás

Acho que nenhum país do mundo consegue transportar por via aérea a maior parte da sua força blindada e isto sem falar das forças de apoio que são ainda mais numerosas.
Na guerra fria os EUA deixavam os blindados armazenados na Europa e as tripulações nos EU.

GUSTAVO MENNA BARRETO DA SILVEIRA
GUSTAVO MENNA BARRETO DA SILVEIRA
Reply to  Hcosta
5 meses atrás

Perfeito

Victor Filipe
Victor Filipe
Reply to  Hcosta
5 meses atrás

Não existe mesmo. os pra você levar por via aérea qualquer MBT moderno você precisa de um avião no porte de um C-17 e os EUA “só” tem 223 unidades desse avião.

Bardini
Bardini
Reply to  GUSTAVO MENNA BARRETO DA SILVEIRA
5 meses atrás

Eu não vejo nenhum sentido prático no Brasil fazendo uma mobilização via aeronave de transporte, carregando blindado da família Guarani. Ainda mais dentro do próprio território nacional, onde estaríamos operando “em casa” e certamente não existiria grande oposição e ações irregulares no terreno, durante os deslocamentos. Nesses aviões, entendo que só seria levado o fundamental, no tocante de logística para manter as operações. . Outra questão é que nós não conseguimos pagar pelo programa do KC-390 para ter as 28 aeronaves dentro do prazo, quem dera chegar no dia em que vão conseguir manter tudo rodando para ter capacidade de… Read more »

Hcosta
Hcosta
Reply to  Bardini
5 meses atrás

E no caso Francês foram poucas unidades

Flanker
Flanker
Reply to  Bardini
5 meses atrás

Bardini , essa história de separatismo do sul do resto do Brasil é coisa do passado…..moro no centro do RS e viajo por todo estado…..esse assunto e morto por aqui….coisa de meia dúziq de gatos pingafos falam nisso de tempos em tempos, mas sem credibilidade alguma. Quanto a centralizar uma Brigada Pesada, e seus meios de apoio, junto às Unidades de Astros, somado à grande concentração de meios sa FAB na Ala 2 (e os mais estratégicos, como KC-390, E e R-99 e F-39), mais a possível transferência da Brigada Paraquedista para Goiânia, no meu ponto de vista centraliza de… Read more »

Tomcat4,2
Reply to  Bardini
5 meses atrás

Matou a pau neste comentário Bardini ,assino embaixo!!!

Maurízio Souza e Souza
Maurízio Souza e Souza
Reply to  Bardini
5 meses atrás

Bem, acho que estaríamos sujeitos à ações de sabotagem atrás das linhas por unidades de forças especiais, guerrilheiros ou lesa-pátrias FDP… A Argentina não mete mais medo em ninguém. Mesmo com uma força blindada respeitável. Eles não possuem ” la plata ” pra conduzir a guerra. A ferrovia de integração Oeste Leste e a norte-sul seriam, junto com um programa consistente de transporte pelo velho Chico, as únicas formas de garantir um modal de transporte eficaz para possível TO no país. Óbvio que temos as rodovias. O forte Santa Bárbara, junto com a BAAN, seriam de fundamental importância para a… Read more »

Carlos Campos
Carlos Campos
Reply to  GUSTAVO MENNA BARRETO DA SILVEIRA
5 meses atrás

ninguém aqui vai querer apoiar sair transportando MBT de avião se tem ferrovias passando perto indo para o norte, nordeste, sudeste e sul……..Argentina não é maluca de atacar o Brasil nem agora nem no futuro e se fizerem rápido as nossas forças iriam para lá, logo não seria o TO mais provável, o Brasil tem que preocupar com países poderosos com capacidade expedicionária e atauqes com mísseis de Longo alcance, UK, FRA, EUA, CH, OTAN……..

Ted
Ted
Reply to  GUSTAVO MENNA BARRETO DA SILVEIRA
5 meses atrás

As forças blindadas da Argentina estão sucateadas. Sem combustível para operar. O povo está brigando nas ruas por comida. Nos anos 80 foram os tal . E conseguiram perder a guerra em pouco mais de um mês.

Blind Mans Bluff
Blind Mans Bluff
5 meses atrás

Muito bom e bom atual o pensamento do Bardini. Também concordo com o conceito de Brigadas médias de Armas Combinadas, que vai no mesmo caminho da atual doutrina americana. Ambas têm a mesma problemática da necessidade de mobilidade estrategica, seja para um teatro de operações do Pacifico ou da Polonia; este último em particular tem a similaridade com o nosso ao que toca a infraestrutura local precaria: lama e pontes que suportam menos de 50t. No caso dos EUA, as brigadas de mobilidade estratégica terão muita infantaria leve e mecanizada, suportadas por tanques leves e com a missão de ganhar… Read more »

Bardini
Bardini
Reply to  Blind Mans Bluff
5 meses atrás

“…que vai no mesmo caminho da atual doutrina americana.”
.
Eu estava pensando em algo mais na linha da reestruturação do PLA Army 🙂

Henrique
Henrique
Reply to  Bardini
5 meses atrás

Bardini, o que você acha dos griffon franceses? Um veículo dessa classe caberia no EB?

Bardini
Bardini
Reply to  Henrique
5 meses atrás

O Guarani já é o “Griffon” do EB.

Antonio Cançado
Reply to  Bardini
5 meses atrás

Agora a moda é copiar de quem copia? Prova de quer não há nada tão ruim, que não possa piorar…

Bardini
Bardini
Reply to  Antonio Cançado
5 meses atrás

Você já viu as estruturas de armas combinadas que os chineses montaram?

João Adaime
João Adaime
Reply to  Blind Mans Bluff
5 meses atrás

Caro Blind Mans Bluff

“ou ver países como Argentina, Uruguai ou até mesmo Venezuela como adversários.”

Não devemos nos iludir. Se fechar o pau entre os grandões, estes países e até outros da América do Sul vão pedir socorro ao Brasil. Estaremos preparados para liderá-los? Os “aliados” terão condições de nos fornecer, em tempo hábil, os meios de nos defendermos? Poderemos manter a ameaça bélica longe da AS?
Si vis pacem, para bellum.
Abraço

Carlos Campos
Carlos Campos
Reply to  Blind Mans Bluff
5 meses atrás

nunca lutaria para defender o mundo livre, desculpe, mas sim para manter o Brasil livre, os gringos que se matem.

Last edited 5 meses atrás by Carlos Campos
Blind Mans Bluff
Blind Mans Bluff
Reply to  Carlos Campos
5 meses atrás

O Brasil ou qualquer país livre, nao estao isolados. Mesmo se nao houvesse globalizacao, nenhum país é completamente autonomo, e aqueles que se aproximam, são os mesmo que mais precisam de seus parceiros e aliados, sejam comerciais ou estrategicos.

zézão
zézão
5 meses atrás

Acho a Doutrina Delta perfeita para defesa do nosso território Brasileiro e suas Bda e Div muito bem estruturadas e balanceadas. O EB deveria ter mais Bld, no mínimo 5 Bda, pois estaria mais protegido de agentes QBN, que é a guerra de “verdade” a ser travada. Mais artilharia tubo e missil AP, campanha e AAe. Menos quarteizinhos de Inf espalhados por aí. O EB não precisa ser um “MBT” caríssimo, não precisamos para nossa defesa, teríamos a massa e o território a nosso favor. Ora, quais regiões tem malha viária “menos pior” para servir de eixo de penetração, onde… Read more »

Plinio Jr
Plinio Jr
5 meses atrás

Parabéns pela análise Bardini, o EB gasta muita grana em uma estrutura gigante, mal posicionada e mal equipada….. Posicionar a maior parte de nossos MBTs e blindados em uma região em que nosso vizinho (Argentina) deixou de ser uma ameaça e deixar o resto do país desguarnecido é totalmente fora de sentido. Corretíssimo posicionar a maior parte destas unidades na região central e serem capacitadas para se deslocarem para qualquer parte do país…. Trocaria todas as velharias existentes como Leo1A5, Leo 1A1, M-60 por 100 MBTs modernos de boa mobilidade (Type 10, K-2, CV-90-120), investir em bons lotes de ATGMs… Read more »

Ted
Ted
Reply to  Plinio Jr
5 meses atrás

Está reorganização do exército deveria ter sido feito a 20 anos atrás. Pergunta: Os últimos 2 comandantes do exército são nascidos aonde? E aquele quartel transferido para Goiás que resolverão reconstruir lá no sul. Pra que isso?

Flanker
Flanker
Reply to  Ted
5 meses atrás

Resolveram*……
E qual quartel é esse???

Ted
Ted
Reply to  Flanker
5 meses atrás

O antigo 6 que foi para Formosa

Flanker
Flanker
Reply to  Ted
5 meses atrás

Antigo 6? 6 o que? A 6ª Divisão de Exército havia sido extinta e, no ano passado, foi reativada, em Porto Alegre….concordo que foi um retrocesso sua reativação. O que foi transferido para Formosa foi o 16º GAC/AP, de São Leopoldo/RS, que era equipado com M109A3 e foi transferido para Formosa e teve seu equipamento substituído pelo Astros.

Mercenário
Mercenário
Reply to  Plinio Jr
5 meses atrás

Plinio Jr,

“região em que nosso vizinho (Argentina) deixou de ser uma ameaça”

Qual vizinho é uma ameaça real ao Brasil? Na realidade, nenhum.

O vizinho com maior potencial de rivalizar com o Brasil na América do Sul é a Argentina, que está quebrada agora (assim como a Venezuela).

Henrique
Henrique
Reply to  Mercenário
5 meses atrás

Os bolivianos. Não se esqueça do roubo das refinarias por parte do índio cocaleiro e que o molusco fez vista grossa. Além de serem os maiores exportadores de cocaína pro Brasil.

Barak MX para o Brasil
Barak MX para o Brasil
Reply to  Henrique
5 meses atrás

Larga esse papo furado.

Juarez
Juarez
Reply to  Plinio Jr
5 meses atrás

A presença de brigadas blindadas na região sul não impõe ao resto do pais uma situação de estar desguarnecido. Acontece que a maior probabilidade de uso de blindados e de CCs especificamente, que são tropa e meio de choque e justamente contra um oponente que ameaça seu território. E a presença deles no sul não se dá em função única da fronteira com a Argentina, mas sim por ser a única região de fronteira seca que permite o uso intensivo de blindados. Lembrando que no caso da brigada no RS existe já toda uma estrutura logística voltada para a sua… Read more »

Ted
Ted
Reply to  Juarez
5 meses atrás

Única fronteira seca? Kkkk. Q tal os blindados argentinos atravessarem o Paraguai entrar pelo Mato Grosso do Sul e parar só em Brasília.

Flanker
Flanker
Reply to  Ted
5 meses atrás

Nessa tua hipótese, os argentinos teriam que atravessar um país inteiro (Paraguai) e mais um rio na fronteira com o Brasil…..No RS, precisariam atravessar só um rio…..e em Sc nem rio precisariam atravessar…..

Ted
Ted
Reply to  Flanker
5 meses atrás

Por causa da morte do Solano Lopes os paraguaios nos odeiam. Talvez participassem do espólio.

Flanker
Flanker
Reply to  Ted
5 meses atrás

Cara, eu apenas pontuei situações de fronteira em um e outro local. Quanto à hipótese da Argentina atacar o Brasil a partir do Paraguai, e chegar até Brasília, é tão surreal que não vou nem perder tempo em discutir.

Juarez
Juarez
Reply to  Ted
5 meses atrás

Cidadão, sul e sudoeste.Por isto a presença de um RCB no MS, apesar de que se você conhecesse a região com nós conhecemos, Entre Rios e Formosa, dois pântanos entremeados de rios saberia que tal manobra e fadada ao fracasso até porque poderíamos curtas as pernas deles pela retaguarda atravessando de São Borja até Posadas, ccortando a província ao meio e são 180 kms de ótimo asfalto.

Hcosta
Hcosta
5 meses atrás

A ponta da Lança está definida.
E o resto? Engenharia, logística, infantaria, apoio aéreo combinado… Os m113 ainda fazem parte do esquema?
Não estou a criticar mas curioso para desenvolver o resto.

Foxtrot
Foxtrot
5 meses atrás

Olha só. O Lesardine escreve textos também, não sabia. Para mim ele só copiava e colava textos da Weekpédia. Nem li o texto todo, mas aposto que ele falou que a melhor opção é o Abrams M1A1 beberrão, surrado pela areia do deserto e sua turbina hiper problemática. Quem quer apostar ? Para uma “escola de blindados” para o EB, eu apostaria nova unidade no nordeste brasileiro. Por sua baixa densidade populacional, grandes extensões de terras desertas e desabitadas se torna o lugar ideal. Na verdade para mim o Forte Santa Bárbara deveria ter sido construído no nordeste devido as… Read more »

Flanker
Flanker
Reply to  Foxtrot
5 meses atrás

White Sands*

Foxtrot
Foxtrot
Reply to  Flanker
5 meses atrás

Exatamente

Tamandaré
Tamandaré
5 meses atrás

Gostei bastante da proposta do colega Bardini, e ainda acrescento 2 pontos:

1- A FAB precisa de mais cargueiros, especialmente de maiores capacidades – que comportem até um blindado pesado no compartimento. Estamos falando de C-17, C-5, An-124, 747-8F e similares.
2- A Marinha também precisaria fazer melhorias no CFN (aliás, a proposta de emprego do CFN foi excelente) e em suas capacidades expedicionárias (só A-140 Atlântico e NDM Bahia não surtirão efeito).

Boa tarde e boa semana a todos!! 🙂

Renato de Mello Machado
Renato de Mello Machado
5 meses atrás

Concordo é isso aí.

Alois
Alois
5 meses atrás

Concordo em parte com Bardini, criar uma brigada pesada no centro do país é muito mais lógico, com cerca de 150 MBT’S modernos, e mais 150 CB com canhões de 120 mm e completamente equipada com artilharia e drones, seria uma boa, mas daria mais ênfase no norte, e lá o que precisa são helicópteros, muitos, de ataque médios e pesados, bem como lanchas, também de transporte e artilhadas, com morteiros pesados de 120mm. No nordeste também 2 brigadas ligeiras, com veículos blindados de alta mobilidade, realmemte no sul, existe uma concentração excessiva de meios, que podem ser melhor usados… Read more »

Fred
Fred
5 meses atrás

Geralmente, nos comentários sobre blindados e cavalaria, eu coloco no “buscar na página” Bardini e só leio os dele. Faz tempo.

Vez o outra há interlocutores legais também. Mas o “core” desses posts é o comentário do Bardini.

Sempre racional, objetivo.

Carlos Campos
Carlos Campos
5 meses atrás

Como já disse antes, concordo com o Bardini nesse reestruturação, mas o EB é lento e aparentemente burro, fora que as outras forças principalmente a MB, não é exemplo de nada, e agem como inimigas.

Entusiasta Militar
Entusiasta Militar
5 meses atrás

Plagio total !!! É tão chato quando alguém entra em sua cabeça e copia suas ideias kkk Mas há anos defendo algo parecido com isso e ninguém aceita, para o EB com o uso de uma brigada de MBT pesados no centro-oeste apoiados por. IFVs e espalhando o Cascavel/urutu por todo o resto do País …. Aliás, defendo a mesma coisa na FAB com um GDA de Gripens em Anápolis apoiando o M-346 espalhados nos outros 04 cantos do País. Parabéns Bardini … É de se admirar a qualidade dos foristas e dos editores da trilogia força de defesa (menos… Read more »

Last edited 5 meses atrás by Entusiasta Militar
Bogaz
Bogaz
5 meses atrás

Não sei..me lembra Pearl Harbour..os aviões americanos estavam estacionados mais próximos pela ameça de sabotagem..foi um prato cheio para ps bombardeios japoneses..claro que a escala é diferente..mas todos os meios muito concentrados iria diminuir o tempo de reação…um ataque nos trens ou rodovias que conectassem esse centro iria deixar a força isolada e sem açao…dou da opnião de ter os meios mais dispersos…quanto a qualidade concordo completamente..precisamos de qualidade e não quantidade

Bogaz
Bogaz
Reply to  Bogaz
5 meses atrás

opnião de leigo…bem longe de ser um especialista…

tadeu54
5 meses atrás

Sugestão muito interessante, e lógica !

Lucas Carvalho
Lucas Carvalho
5 meses atrás

Queria ver um texto assim falando sobre um plano de defesa bem explicativo,sobre a defesa da nossa costa marinha, número de fragatas, submarinos nucleares,porta helicópteros! Espero que alguém como vocês possam fazer um texto elucidativo assim,muitos gostariam!

Jef2020
Jef2020
5 meses atrás

Caramba Bardini….parabéns pela análise!! Realmente algo precisa ser feito em nossas forcas armadas nesse sentido!!! E no tocante ao EB to cansado de ver gastando grana em funilaria de eqptos obsoletos e projetos que não saem nunca so papel…. talvez seria o caso de trocar quantidade por qualidade.. investir em equiptos modernos mesmo que em quantidades aquém do necessario….nao adianta termos grandes quantidades de equipamentos que não mais representam eficiencia para o cenario de conflito atual…e contimuar a direcionar os parcos recursos na manutenção e modernização destes.. estao preparados para o combate deste seculo com bofors, leos1, urutu e cascavel… Read more »

Last edited 5 meses atrás by Jef2020
Augusto L
Augusto L
5 meses atrás

Acabei de ler o texto, nem li os comentários ainda, mas gostei muito do texto Bardini e da iniciativa do ForTe. Poderia ter mais iniciativas assim, no início das pagina tinha mais isso. Acredito que não deve nem pensar muito a edição pelo comentário ja esta pronto. Posso estar totalmente errrado 🤣. Mas indo direto ao ponto. Eu penso muito em questão de geografia e demografia. O Brasil sim é uma ilha, mas sua geografia impede o deslocamento interno, era melhor a tal brigada blindada ficar perto de um porto. Achei que faltou uma Analise mais completa da Argentina. O… Read more »

Augusto L
Augusto L
Reply to  Augusto L
5 meses atrás

Acho que uma superforca de reação juntando a brigada para e aeromovel + as forças especiais poderia muito bem ficar nessa nova d bombada versão do forte Santa Barbara ao invés da tal brigada blindada e ai e so a gente comprar uns MV-22 e outro helicóptero pesado.

Juarez
Juarez
5 meses atrás

Bardinii, a ideia e boa, mas.. O problema não está no aonde estão as OMs, tanto que Santa Maria tem bar aérea, entrocamento rodoviário e ferroviário. Concordo totalmente com a “tesoura” nos OMs inúteis e na simplificação doutrinária, mas o problema e manter e operar. Se quando os BMITZ eram compostos Jeeps e camimhoes, em media a 40% da frota estava indisponível por falta de din fim e tinham motoristas, hoje com a conversão em BIMEC com os mal fadados Guarani que necessitam operadores d sistema e manutenção pontual preventiva a vaca vai para o brejo logo ali. O grande… Read more »

Igor Campos de Almeida Lima
Igor Campos de Almeida Lima
5 meses atrás

Parabéns, Bardini, pela análise feita! Sempre bom aprender contigo! Um abraço!

Antonio Cançado
Reply to  Igor Campos de Almeida Lima
5 meses atrás

Aprender? Pfff!…rsrsrrss

Munhoz
Munhoz
5 meses atrás

A maior ameaça para o Brasil no cenário atual vem da Europa, vc não vê os Russos ou Chineses dando indireta sobre a Amazônia, na verdade a ameaça vinda da Rússia / China é de ingerência politica, então devemos separar as coisas, o Brasil tem que se preparar para conter uma Europa apoiada pelos EUA numa possível tentativa de intervenção na Amazônia, e isso iria ocorrer numa escalada operacional padrão já bem testada em outros cenários, nessa ordem; politica, econômica, presença naval, bloqueio naval, ataques aéreos esporádicos, ataques aéreos intensos e por ultimo operações terrestres. Então devemos focar nisso pensando… Read more »

Last edited 5 meses atrás by Munhoz
Leonel Testa
Leonel Testa
5 meses atrás

Bardini pra minisro da Defesa

Antonio Cançado
Reply to  Leonel Testa
5 meses atrás

Do Paraguai, né?

Bille
Bille
5 meses atrás

Buenas
1- uma “tabelinha” de como está e como ficaria seria interessante;
2- não dá pra se iludir que vamos ter aeronaves para transportar blindados. É inviável. Um ou outro até iria mas é muito caro e pouco eficiente
3- tem que se pensar em custo e pessoal, se adotando esse modelo qual o impacto financeiro e de onde viria o pessoal que manteria o status do dispositivo atual…
4- coloca na ata da RACE e prega fogo…

Tomcat4,2
Reply to  Bille
5 meses atrás

O interessante e que muitos não percebem é o quanto se está investindo na malha viária brasileira neste governo, interligando as ferrovias de modo a ligar o extremo sul ao extremo norte, a BR do mar para cabotagem(que entram os rios navegáveis tbm), asfaltamento de estradas extremamente importantes, muitas largadas ao léu a décadas(mesmo sendo importantes vias de escoamento de produção), duplicações, reformas de aeroportos e ou construção em pontos longínquos. São questões que atendem uma possível logística de guerra e estão sendo priorizadas.

João Bosco
João Bosco
5 meses atrás

Interessante o Post. Se me permite, faria a seguinte complementação: Como a Argentina e o Uruguai são países que não nos darão problemas tão cedo, deslocaria boa parte dessas formações militares estacionadas no Sul para o Centro-Oeste do país. Outro lugar seria a fronteira com a Venezuela, que seria reforçada para mandar lembranças a Maduro , caso este dê uma de doido…. Espalharia mais batalhões de Fuzileros Navais ao longo da costa brasileira ( sul , nordeste ) , pois mal ouço falar de forças militares no Nordeste do país- isso é perigoso, pois o gargalo do Atlântico é ali… Read more »

Jhonn
Jhonn
5 meses atrás

Quero ver o governante tentar tirar do Sul A cavalaria blindada, já esta estabelecida e estruturada, faz uns 10 anos que o primeiro rcc mudou do rio para SM. Não vejo mudança nos próximos dez anos.

Ted
Ted
Reply to  Jhonn
5 meses atrás

O chefe supremo das forças armadas é o presidente. “DONO DA CANETA”.

Charles
Charles
5 meses atrás

Parabéns pela equipe do forte que publicou material escrito pelo leitor. Leu, compreendeu e interpretou sem paixões e deixou as portas abertas para tantos outros leitores com capacidade de raciocínio e discernimento. Algo raro de ser ver hoje em dia na imprensa em geral. Novamente estão de Parabéns.

Tomcat4,2
5 meses atrás

Parabéns pela analise focada e sem paixões Bardini, a qual acho pertinente.

Larri Gonçalves
Larri Gonçalves
5 meses atrás

A proposta/visão do Bardini é atualizada de acordo com as lições de conflitos como por exemplo Armênia x Azerbaijão, Síria e Yemen, conflitos onde se prova que unidades mais leves e com maior mobilidade levam vantagens,sobre unidades mais pesadas e lentas ou fixas em posições defensivas, fixas no solo. Claro que alguém vai dizer há, mais na Síria o foco é mais guerra urbana, na Armênia X Azerbaijão é um conflito em que o TO é mais tradicional e no Yemen é mais um conflito assimétrico (guerrilha contra forças convencionais); tudo bem, mas quem leva vantagem, unidades profissionais e com… Read more »

Antonio Cançado
5 meses atrás

A sorte de certas pessoas é que pensar e falar bobagem não mata, nem dá cadeia…

Ricardo
Ricardo
5 meses atrás

Só faria uma resalva. O aumento da força de helicópteros médios, pesados e de ataque. Instalaria quase todos do cento-oeste para cima.

Precisamos reforçar a capacidade de deslocamento do Amapá ao Mato Grosso.

Bardini
Bardini
Reply to  Ricardo
5 meses atrás

Helicópteros de ataque seriam extremamente importantes, principalmente para atuar como multiplicador de forças nas Brigadas Médias, quando necessário.
.
Eu não vejo motivos para mudar a distribuição da estrutura atual.

JORGE TADEU GOMES JARDIM
JORGE TADEU GOMES JARDIM
5 meses atrás

Prezados, boa tarde. Acompanho este forum de discussões há muitos anos. Gostei muito da discussão oriunda da postagem do Sr. Bardini. Acho a opinião do Sr. Bardini, inteligente, notadamente no que tange à economia de recursos públicos que são sempre escassos e que permitiriam investimentos em novos e melhores meios de combate blindado. Contudo, na qualidade de leigo, faço uma única ressalva… Ao concentrar a imensa maioria das forças blindadas de choque num único ponto de nosso território, estaríamos assinando sua sentença de morte prematura. Obviamente, não penso nos nossos potenciais adversários sul americanos… Penso em potências médias para cima,… Read more »

Bardini
Bardini
Reply to  JORGE TADEU GOMES JARDIM
5 meses atrás

Míssil de Cruzeiro seria empregado contra estrutura, no meu entendimento. Não vejo ninguém gastando este tipo de ativo para bater blindado… . Formosa fica a quase mil quilômetros distante da costa, de onde um Submarino poderia lançar mísseis de cruzeiro. Hoje as nossas Brigadas blindadas ficam a que distância da costa? Se o alvo é a estrutura destas unidades, qual está mais comprometida? . Mover o que chamei de Brigada Pesada para o Centro do país deixaria essa estrutura por completo, mais protegida. A força estaria por natureza desta medida, sempre mobilizada e concentrada. O novo sistema de AAAe que… Read more »

Last edited 5 meses atrás by Bardini
JORGE TADEU GOMES JARDIM
JORGE TADEU GOMES JARDIM
Reply to  Bardini
5 meses atrás

Agradeço a fineza na resposta, prezado Sr. Bardini. Suas ponderações são muito interessantes e, obviamente, bem fundamentadas. Como leigo que sou, não tenho a mínima perspectiva de esgotar o assunto ou mesmo impor minha opinião a quem quer que seja, ainda mais em se tratando de indivíduo bem melhor informado e capacitado do que eu, razão pela qual, o parabenizo. Contudo, ainda prefiro o conceito de dispersão de forças, porque obriga o eventual atacante a centrar fogo em vários alvos diferentes, de forma concomitante ou não, o que não apenas encarece e dificulta o ataque e, isso na minha humilde… Read more »

Alan
5 meses atrás

Saudações. Acompanho a trilogia Força/Poder há bastante. Sou entusiasta ainda que não entenda nada do assunto. O texto em questão é bastante interessante e, no tocante aos blindados sobre rodas e com maior nacionalização possível, veio me a pergunta: seria interessante pensar em uma versão atualizada do natimorto EE-17 Sucuri?!

Last edited 5 meses atrás by Alan
Wilson Look
Wilson Look
Reply to  Alan
5 meses atrás

Desse em questão não, ele tinha muitos problemas e um desempenho insatisfatório.
A própria Engesa abandonou ele, e fez um novo veículo que chamaram de EE-18 Sucuri II esse sim seria mais interessante.

E no tocante a viabilidade econômica, no meu ver, seria mais interessante a produção licenciada do Centauro II 120mm.

Rafael Gustavo de Oliveira
Rafael Gustavo de Oliveira
5 meses atrás

Ficou muito bom, parabéns chefe…

Paulo Costa
Paulo Costa
5 meses atrás

Bom debate,mas com a crise economica herdada,e pandemia
sou mais minar a fronteira norte de Roraima,tem uma faixa de campo de fronteira,e o restante é selva,e Alac e At-4,e misseis de ombro contra helicopteros de tropas.

ALISON
ALISON
5 meses atrás

Tem como discordar de uma postagem dessa???

José ROBERTO
José ROBERTO
5 meses atrás

Quem é Bardini?

Luiz Trindade
Luiz Trindade
5 meses atrás

Porque não aproveita que houve mudança no comando dos militares no governo, não se solicita Abrams M1 Lincoln para reestruturar o Exército?!? Ae as Forças Armadas aceitam o estado de sítio!

Flanker
Flanker
Reply to  Luiz Trindade
5 meses atrás

É só Abrams…..sem o Lincoln.

Paulo Costa
Paulo Costa
5 meses atrás

Tem complicações em minar uma area,mas significa tambem que não quer
conflitos na fronteira,e as minas com a chuva se movimentam,manutenção
da area,etc.Na guerra entre Peru e Equador,as fronteiras foram minadas,e não se fala mais em conflito por la.Semana passada foi apreendido um barco de pesca Venezuelano em aguas exclusivas nossas,a Guiana fez acordo com a China para explorar petroleo na sua plataforma continental,deve estar indo bem a exploração,pois
tem videos de obras e asfaltamento na Guiana.Dias atras dois SU-30 da Venezuela fizeram rasantes em uma base ou pista aerea na Guiana.

Marco
Marco
5 meses atrás

Desculpe minha ingenuidade mas se o problema é de deslocamento por que não centrar a brigada em Minas Gerais ou São Paulo?

André Zanatti
André Zanatti
5 meses atrás

Não sou especialista no assunto, mais se tirar a estrutura que tem no RS e subir pro PR e MS 20°Regimento de Cavalaria Blindada, fica melhor distribuído o efetivo, e com certeza em GO, fica uma posição estratégica boa pra guardar, dar manutenção e treinamento dos MBTs e despachar pra proteger o país!

Ocimar da Rocha
Ocimar da Rocha
4 meses atrás

Nos dias de hoje, será que a empresa brasileira Avibras ou outra empresa brasileira de defesa, poderia comprar o projeto do EE-T1 Osório atualizá-lo para os padrões atuais, segundo as necessidades do Exército Brasileiro, e oferecer como opção de compra viável para o nosso Exército Brasileiro. E por sua vez o Exército Brasileiro assim como a Força Aérea Brasileira fez junto a Embraer ao pedir um aeronave não tripulada de ultima geração, trabalhar em conjunto ao projeto para beneficio multou, ao invés de procurar opções de MBT de segunda mão no exterior, ou gastar com modernização com os já existentes… Read more »

Últimas Notícias

Grupo de Artilharia Antiaérea realiza exercício de tiro real

Praia Grande (SP) – O 2º Grupo de Artilharia Antiaérea participou, no período de 13 a 17 de setembro,...
- Advertisement -
- Advertisement -