terça-feira, junho 15, 2021

Saab RBS 70NG

Subprograma Forças Blindadas – Evolução Permanente

Destaques

Redação Forças de Defesa
redacao@fordefesa.com.br

Neste 26 de maio comemoramos os 100 anos da adoção dos blindados pelo Exército Brasileiro e encerraremos as publicações sobre o histórico das viaturas que compuseram ou compõem as forças blindadas brasileiras com este texto, reportando a visão de futuro e a permanente busca que o Exército tem com a atualização de suas forças blindadas.

A constante evolução tecnológica impõe o permanente acompanhamento da modernização dos novos meios de combate para que os materiais de emprego militar do Exército Brasileiro não fiquem tecnologicamente defasados, comprometendo o poder dissuasório nacional.

Neste contexto, foi criado o Subprograma Forças blindadas, que visa obter, através de aquisição, desenvolvimento ou modernização, sistemas e materiais de emprego militar atualizados que atendam às necessidades operacionais das forças blindadas do Exército Brasileiro, com viaturas blindadas de combate, de reconhecimento, de transporte de pessoal e especiais, dotadas de sistemas de armas, comando e controle e equipamentos especiais, entregando capacidades como ação de choque, poder de fogo, proteção blindada, consciência situacional e mobilidade.

Outro encargo do Subprograma é apontar sistemas de treinamento e simulação que permitam o preparo adequado das guarnições blindadas do Exército Brasileiro. Propor alternativas para atualizar o sistema logístico do Exército com meios adequados, de modo a permitir a sustentabilidade logística dos meios atuais e dos meios a serem incorporados, visando otimizar os níveis de disponibilidade ao longo do ciclo de vida do material. Todos estes requisitos deverão atender às premissas de emprego da Força Terrestre quanto a flexibilidade, adaptabilidade, modularidade, elasticidade e sustentabilidade.

O Subprograma Forças Blindadas está inserido no Programa Estratégico do Exército Obtenção da Capacidade Operacional e corresponde a uma Iniciativa Estratégica que considera os fatores técnico, econômico, gerencial, legais e ambiental para dotar a Força Terrestre de meios de combate blindados atualizados.

O Subprograma Forças Blindadas visa contribuir com a consecução dos seguintes Objetivos Estratégicos do Exército: contribuir com a dissuasão extrarregional, contribuir com o desenvolvimento sustentável e a paz social e implantar um novo e efetivo Sistema de Ciência, Tecnologia e Inovação.

Para isto, o Estado-Maior do Exército Brasileiro criou, em abril de 2019, o Grupo de Trabalho para a Formulação Conceitual dos Meios Blindados do Exército Brasileiro e designou o Comandante da 3ª Divisão de Exército como Coordenador Executivo deste grupo de trabalho.

O grupo de trabalho produziu o Estudo de Viabilidade do Subprograma, que apresenta uma proposta, contendo uma visualização dos projetos e ações complementares integrantes, uma estimativa preliminar dos recursos orçamentários necessários para a execução ao longo do ciclo de vida (investimentos e custeio) e um conjunto de medidas que, se adotadas pelo Exército, combinadas ou não, contribuirão com os êxitos desta Iniciativa Estratégica e com a mitigação dos variados riscos inerentes a um projeto de grande envergadura.

Com base no Estudo de Viabilidade, o Chefe do Estado-Maior do Exército determinou a iniciação de três projetos do Subprograma: Obtenção da Viatura Blindada de Combate de Cavalaria Média Sobre Rodas, Modernização da Viatura Blindada de Reconhecimento EE-9 Cascavel e Modernização da Viatura Blindada de Combate Carro de Combate Leopard 1A5 BR.

A adoção destas propostas fortalecerão a Base da Indústria de Defesa em áreas estratégicas, tais como armamentos, sistemas de comando e controle, optrônicos, equipamentos de proteção, munições, entre outros, contribuindo para o desenvolvimento sustentável e a pesquisa, o desenvolvimento e modernização de Sistemas e Materiais de Emprego Militar aplicados aos meios blindados, reduzindo o hiato tecnológico e a dependência externa, além da geração de empregos e renda no Brasil. Estas ações vão impulsionar a Tríplice Hélice Nacional- indústria, academia e governo.

Como síntese do Subprograma Forças Blindadas, podemos dizer que pretende propor alternativas para atualizar as organizações militares do Exército Brasileiro de meios blindados necessários para a obtenção e manutenção de capacidades operacionais adequadas, contribuindo com a prontidão operacional e capacidade dissuasória da Força Terrestre para as próximas décadas, permitindo sua atuação efetiva segundo a concepção da Estratégia Nacional de Defesa.

Guarani-1024x743.jpg

DIVULGAÇÃO: 3ª Divisão de Exército

- Advertisement -

24 COMMENTS

Subscribe
Notify of
guest
24 Comentários
oldest
newest most voted
Inline Feedbacks
View all comments
GFC_RJ
GFC_RJ
17 dias atrás

Que há avanços tecnológicos, não há dúvidas. Inegável que o nível atual está superior que 20, 30 anos atrás.

No entanto, o gap tecnológico também está aumentando muito, visto que o avanço tem sido bem mais lento em relação a média do avanço tecnológico dos países centrais.

Além de que esse avanço tem sido desequilibrado entre as diversas áreas atuantes do EB.

Destaca-se que essa é uma situação do país como um todo, não somente do EB. Nosso país como um todo sofre de gaps tecnológicos cada vez maiores.

Heinz Guderian
Heinz Guderian
Reply to  GFC_RJ
17 dias atrás

O Brasil sempre teve “gaps” tecnológicos em relação a outros países, começando pela Revolução industrial, que teve um atraso de anos para chegar até aqui, digamos que nem houve revolução nesse aspecto aqui. Isso claro, se deve a uma classe política que nunca teve um projeto de nação que fosse bem articulado e que continuasse mesmo mudando os governos, o que nós vemos é que a cada governo que entra no poder eles tendem a buscar seus próprios interesses, e não o da nação como um todo, infelizmente poucas coisas dão certo por aqui, e a maioria da errado, muito… Read more »

Antunes 1980
Antunes 1980
17 dias atrás

A parceria com Italia e Austria é a forma mais coerente de diminuir o gap tecnológico.
Se dependermos dos Estados Unidos, estamos lascados.
ASCOD e Centauro II com transferencia de tecnologia é o futuro. Aos moldes do projeto Gripen NG da Saab .

Welington S.
Welington S.
Reply to  Antunes 1980
17 dias atrás

Fazendo um olhar mais amplo, qualquer empresa hoje em parceria com o Exército Brasileiro, estará diminuindo esse gap tecnológico que nós temos. O ASCOD II possui um canhão de 120mm Oto Melara magnífico. Imagine a dupla Centauro II 120mm. Eu realmente espero que o Exército Brasileiro escolha tanto o 8×8 quanto o MMBT, ambos com canhão de 120mm. Assim, evita maiores custos na fabricação de munição 105mm pra um e 120mm pra outro. E convenhamos, está na hora mesmo do Exército Brasileiro sair do 105mm e ir diretamente para o 120mm.

Gabriel
Gabriel
17 dias atrás

Conforme comentou o GFC_RJ é inegável que a situação atual está muito melhor que 20 anos atrás. Não só em equipamentos, mas também em relação ao emprego, doutrina, manutenção e logística. Por outro lado, as modernizações do M-113, e futuras do Leo 1A5 e Cascavel são, de uma maneira simples, soluções temporárias para problemas que se apresentam no horizonte a médio prazo e que efetivamente vão necessitar de um volume significativo de recursos. Espero que nesse “meio tempo” efetivamente estejam implementadas as mudanças estruturais que estão em andamento (em velocidade menor que o ideal, é verdade), como a redução de… Read more »

Welington S.
Welington S.
Reply to  Gabriel
17 dias atrás

Ao invés de modernizar os vovô Leo e Cascavel, porque não realocar todo o dinheiro que será gasto na modernização para o projeto de aquisição, como por exemplo, a recente questão do 8×8 e futuramente o MMBT?

Gabriel
Gabriel
Reply to  Welington S.
17 dias atrás

Mesmo sem ter detalhes de valores envolvidos, muito possivelmente os recursos para a modernização dos Leo e Cascavel são bem inferiores aos necessários para adquirir veículos novos.

Welington S.
Welington S.
Reply to  Gabriel
16 dias atrás

Sou da máxima: ”cada centavo vale ouro.”

Quantos Leo serão modernizados? 116? E o Cascavel? E os M-113?

Vai para a casa dos bilhões em modernizações de equipamentos que já são vovôs. Ai fica a pergunta: Modernizados, quanto tempo se levará para que o Exército Brasileiro se dê por concreto o primeiro MMBT?

Aos meus olhos, o tempo de se modernizar Leo, Cascavel e M-113, já passou. O foco deveria ser realmente no projeto Nova Couraça e não em um Nova Couraça: Nova Roupagem.

Diego Tarses Cardoso
Diego Tarses Cardoso
Reply to  Gabriel
15 dias atrás

É o que foi falado aqui, o dinheiro disponível não é suficiente para atender as demandas do EB, se for comprar tudo novo, vai faltar veículo.

rdx
rdx
Reply to  Gabriel
17 dias atrás

Efetivo de exércitos nacionais. Para reflexão:

EB – 183 mil (1990) – 218 mil (2020)
França – 305 mil (1990) – 114 mil ( 2020)
Alemanha – 350 mil (1990) – 64 mil (2020)
Reino Unido – 162 mil (1990) – 80 mil (2020)
Holanda – 65 mil (1990) – 15 mil (2020)
EUA – 770 mil (1990) – 480 mil (2020)

Fernando XO
Fernando XO
Reply to  rdx
17 dias atrás

Todos esses caras, exceto um, fazem parte da OTAN… somente um desses caras aí tem fronteiras com 10 outros, alguns desses com sérios problemas internos… vale também para reflexão… abraço…

Willber Rodrigues
Willber Rodrigues
Reply to  Fernando XO
17 dias atrás

somente um desses caras aí tem fronteiras com 10 outros, alguns desses com sérios problemas internos´´

Compreendí, mas também trazendo para reflexão:
Com exceção de um deles ( Venezuela ), qual deles tem sérios riscos de guerra civil?
Qual desses países são militarmente comparáveis, ou mais fortes, do que o Brasil?
Qual deles tem sérias pendências territoriais com o Brasil?
Qual foi a última vez, nos últimos 100 anos, em que entramos em guerra com algum deles?
Qual a última vez em que o líder de algum deles nos ameaçou publicamente?

Fernando XO
Fernando XO
Reply to  Willber Rodrigues
17 dias atrás

Boa noite, vou ampliar… pense em ameaças transnacionais… abraço.

Willber Rodrigues
Willber Rodrigues
Reply to  Fernando XO
17 dias atrás

“Pense em ameaças transacionais”
Se pensar nisso, é aí que fica mais escancarado o quanto estamos mal preparados pra isso…

samuka
samuka
Reply to  Fernando XO
15 dias atrás

Se continuarmos nesse caminho, vamos ter que combater essas ameaças transnacionais com estilingues…

rdx
rdx
Reply to  Fernando XO
17 dias atrás

Sim, todos, exceto um, já faziam parte da OTAN em 1990… e na Europa sempre existiu uma ameaça chamada Rússia. (Não estamos falando de um Estado falido do terceiro mundo). No campo interno existem as ameaças representadas pelo terrorismo islâmico e pelos refugiados em massa, mas isso nunca foi motivo para transformar os exércitos europeus da OTAN em guardas de fronteiras e gendarmarias (PMs). Eles preferiram trocar efetivo por tecnologia de última geração.

Last edited 17 dias atrás by rdx
Fernando XO
Fernando XO
Reply to  rdx
17 dias atrás

Boa noite, talvez eles não tenham trocado a função de seus exercitos por uma questão jurídica (os EUA não podem empregar suas FFAA no próprio território, por exemplo) ou já existam instituições formadas e aptas para dar conta dessa missão em seus respectivos territórios… são suposições minhas.
Quanto à tecnologia ela é fundamental e pode fazer a diferença nas mãos de pessoal motivado e adestrado, mas não acredito que seja um fator de redução tão grande como você postou… abraço.

rdx
rdx
Reply to  Fernando XO
17 dias atrás

Boa noite. Nada justifica o atual efetivo do EB. Para início de conversa não existem ameaças internas e/ou externas. Vigilância de fronteiras? uma das premissas do SISFRON deve ser substituir efetivo por tecnologia (Drones e sensores). Além disso, existem dezenas de milhares de militares ociosos em regiões sem fronteiras (CMNE e CML). Manter tropas do EB no RJ é ainda mais ilógico uma vez que é sede do CFN (mais de 15 mil homens). O principal fator para reduzir efetivo é econômico. Todos os países estão reduzindo unidades, tropas, comandos e meios militares (manter equipamento obsoleto ou excedente custa caro)… Read more »

Last edited 17 dias atrás by rdx
rdx
rdx
Reply to  rdx
17 dias atrás

Em suma: enquanto não reduzir o efetivo vai continuar colecionando sucatas.

Maurízio Souza e Souza
Maurízio Souza e Souza
Reply to  rdx
8 dias atrás

Manter tropas no NE ainda é necessário, inclusive defendo unidades com grande poder de choque. Uma invasão estrangeira, provavelmente seria aqui. No RJ, tem que reduzir o efetivo e distribuir para outras localidades da Federação, inclusive nossa preguiçosa Marinha.

Agnelo
Agnelo
Reply to  Fernando XO
17 dias atrás

Perfeito

M.@.K
M.@.K
Reply to  Fernando XO
17 dias atrás

Exato..

Gabriel
Gabriel
Reply to  rdx
17 dias atrás

Uma reflexão é que se somarmos o território da França, Alemanha, Reino Unido e Holanda, ainda não teremos um Brasil.

Mesmo assim, o efetivo somado dos Exército, desses mesmos países, é menor que o do EB.

De qualquer maneira, como já me referi no outro comentário, o efetivo do EB terá uma diminuição de 10%.

Outra questão, é que dificilmente os mesmos países manteriam a politica de diminuição de efetivos e orçamentos se não tivessem os EUA como “irmão mais forte”.

M.@.K
M.@.K
Reply to  Gabriel
17 dias atrás

Boa noite Gabriel, corroborando com este teu pensamento, estava eu lendo estes dias atrás, uma matéria antiga na revista física aqui da Trilogia que falava sobre aquisição do sistema antiaéreo Gepard pelo EB, aproveitando-se de uma nova doutrina das Forças Armadas Alemãs denominada de “Neus Heer”, onde a defesa aérea daquela país ficaria a cargo de um “um guarda-chuva da aviação tática da Otan“, e que tal equipamento (Gepard) estaria sendo descartado. Pelo que se pode entender, a Alemanha estaria abrindo mão de parte de suas defesas, a deixando sob responsabilidade da “NATO”, isto é, haveria um fardo a menos… Read more »

Reportagens Especiais

‘A Batalha Esquecida’: Os 75 Anos da Batalha da Floresta de Hürtgen

Por Luiz Reis*, especial para o Forças Terrestres Há 75 anos iniciava-se uma das mais sangrentas e ferozes batalhas entre...
- Advertisement -
- Advertisement -