terça-feira, setembro 28, 2021

Saab RBS 70NG

Exército Brasileiro realiza testes de tiro com novo foguete SS-60 do sistema ASTROS

Destaques

Redação Forças de Defesa
redacao@fordefesa.com.br

De acordo com um vídeo publicado pelo Exército Brasileiro em 31 de julho de 2021, o Comando de Artilharia do Exército realizou testes de tiro com o novo foguete SS-60 atualizado lançado a partir do lançador múltiplo autopropelido de rodas ASTROS II (MLRS) produzido no Brasil pela empresa Avibras.

O foguete SS-60 atualizado é desenvolvido pelas Forças Armadas brasileiras como parte do programa ASTROS 2020 com o objetivo de ter um novo veículo lançador de foguetes capaz de disparar mísseis táticos de cruzeiro com alcance de até 300 km.

O sistema de artilharia ASTROS II entrou em serviço no Exército Brasileiro em 1983. O sistema é comprovado em batalha, tendo sido usado em ação pelo Exército Iraquiano nas Guerras do Golfo.

O ASTROS 2020 é um programa ambicioso lançado pelo exército brasileiro para desenvolver o novo ASTROS MK6 baseado nos caminhões Tatra Trucks T815-790R39 6×6 e T815-7A0R59 4×4 em vez do caminhão Mercedes-Benz 2028A 6×6 original. O ASTROS 2020 oferece várias melhorias básicas, incluindo uma cabine blindada aprimorada, sistemas de comunicação e navegação digitais modernos e um novo radar de rastreamento que substitui o sistema Contraves Fieldguard do AV-UCF.

Astros 2020
Astros 2020

Durante a edição 2019, da exposição de defesa LAAD, a empresa brasileira AVIBRAS apresentou seu novo míssil de cruzeiro tático AV-MTC, parte do programa ASTROS 2020. O míssil será capaz de atingir um alvo em um alcance máximo de 300 km. O míssil é propulsado inicialmente por um motor de foguete de combustível sólido e guiado por um sistema de navegação inercial (INS) e GPS. O novo míssil tem comprimento de 5,5 m e peso de 1.400 kg. Ele pode voar a uma velocidade máxima de 800 km/h e pode carregar uma ogiva HE (High Explosive) de 200 kg.

AV-TM-300-3.jpg
AV-TM-300

O foguete SS-60 é produzido pela Avibras Indústria Aerospacial do Brasil. O foguete pode ser disparado a partir da série ASTROS de sistemas de foguetes de lançamento múltiplo (MLRS), que atualmente são capazes de disparar cinco tipos de foguetes não guiados.

O SS-60 é o foguete de artilharia de longo alcance padrão. Esta variante possui a maior ogiva da série ASTROS. Um único foguete é carregado em uma caixa de recarga. O veículo ASTROS MLRS (Multiple Launch Rocket System) é capaz de transportar quatro foguetes SS-60. O foguete SS-60 padrão tem um alcance máximo de tiro de 70 km.

Foguetes do sistema Astros

FONTE: Army Recognition

- Advertisement -

63 COMMENTS

Subscribe
Notify of
guest
63 Comentários
oldest
newest most voted
Inline Feedbacks
View all comments
Tomcat4,2
1 mês atrás

Excelente notícia, lembrando que o …”até 300km” de alcance do MTC 300 diz respeito a uma provável versão de exportação e não ao de uso do EB que terá muito mais que o dobro disso(como mencionado por oficial do EB em um evento/treino tempos atrás), aposto em no mínimo 800km de alcance .

Welington S.
Welington S.
Reply to  Tomcat4,2
1 mês atrás

Não tinha um país interessado no MTC 300?

Allan Lemos
Allan Lemos
Reply to  Tomcat4,2
1 mês atrás

Honestamente, duvido muito que o alcance seja maior do que o que foi divulgado. Se você não divulga a total capacidade da sua arma em uma situação dessas, ela perde 50% da sua utilidade(dissuasão). Além do mais, não faria sentido nenhum testarem a tal “versão de exportação” de 300km sem antes terem finalizado a versão para uso local. Isso seria inverter a ordem lógica das coisas. Acho que a verdade é bem mais simples, fizeram um míssil de apenas 300km de alcance pelo mesmo motivo que resolveram dar a patética nomenclatura “submarino convencional de propulsão nuclear” ao Álvaro Alberto, ao… Read more »

Last edited 1 mês atrás by Allan Lemos
João Adaime
João Adaime
Reply to  Allan Lemos
1 mês atrás

Caro Allan Quando a Renault lançou o Kwid, o carro “popular” da marca, ela utilizou o mesmo motor do Sandero, apenas calibrado para ter menor desempenho em força e velocidade, porém com menor consumo. Pode ser o mesmo caso da Avibrás. O motor de cruzeiro do míssil é calibrado para um alcance de 300 km para exportação. Nada impede que seja ajustado para voar “um pouquinho” mais. Se o país que adquirir o MTC 300 descobrir como se faz isso, o Brasil estaria burlando o acordo de limitação de alcance. Logo, para evitar represálias, a gente jura de pé junto… Read more »

Allan Lemos
Allan Lemos
Reply to  João Adaime
1 mês atrás

João, mesmo que eu aceite a premissa da sua argumentação, é pertinente lembrar que o MTCR não é um tratado e não tem força de Lei. Ele é simplesmente um acordo de cavalheiros. Não haveria punições legais ao Brasil se ele fosse violado por nós.

A minha argumentação ainda seria válida: falta coragem aos nossos militares. Mas espero que você esteja certo mesmo.

João Adaime
João Adaime
Reply to  Allan Lemos
1 mês atrás

Prezado Allan
Você escreveu a palavra chave: “Cavalheiros”.
Não se tratam de “punições”, mas de sermos considerados alguém que fez um acordo e não cumpriu. E passaríamos a ser não confiáveis. E muita tecnologia que hoje importamos, poderia nos ser negada.
Abraço

Last edited 1 mês atrás by João Adaime
Vitor
Vitor
Reply to  Allan Lemos
1 mês atrás

O alcance do míssil é relacionado a capacidade de carregar propelente, ou seja, se colocar mais propelente ele irá mais longe. Pra que mostrar “bolas” e criar uma má imagem internacional? Todo mundo sabe que o MTCR não nos impede nem tem força de lei, mas se assinamos essa porcaria o país tem que no mínimo fingir que respeita esse negócio.

MMerlin
MMerlin
Reply to  Allan Lemos
1 mês atrás

O alcance do MTC-300 é limitado, assim como outro misseis que utilizam turbina para voo de cruzeiro, é a vida útil desta turbina (maior limitador) e o combustível carregado (que é customizável).

Segundo várias fontes do meio especializado, a turbina tem vida útil para passar facilmente dos 1 mil Km.

Referente ao MTCR, realmente o seu não cumprimento não tem implicações jurídicas mas existem meio complicadores. É fato que a assinatura facilita o acesso as tecnologias básicas (mas críticas) para lançamento de artefatos (principalmente no âmbito espacial).

Last edited 1 mês atrás by MMerlin
Elias E. Vargas
Elias E. Vargas
Reply to  João Adaime
1 mês atrás

Os melhores mísseis americanos ou russos também não são exportados. Não atacamos ainda a ideia da Avibrás utilizar os motores S-50 feitos em polímero 12 tons. de combustível sólido utilizado no VLM, para construir um míssil balístico de alcance intermediário capaz de carregar uma ogiva termobarica desenvolvida em 2004, capaz de proteger toda a Amazônia Azul, a numa fração de tempo muito menor que qualquer outro vetor bélico naval ou aéreo. Eu iria para os braços de “Morfeu”.

Allan Lemos
Allan Lemos
Reply to  Allan Lemos
1 mês atrás

Bruno, há muito tempo atrás, telegramas da embaixada americana revelaram que chamaram o submarino nuclear brasileiro de “elefante branco populista”. Acho que foi no contexto do Wikileaks, mas não me lembro ao certo. Para bom entendedor meia palavra basta, o que quiseram dizer foi “Para quê o Brasil precisaria de um submarino nuclear?”

Carlos Campos
Carlos Campos
Reply to  Allan Lemos
1 mês atrás

o alcance é relativo à turbina, segundo o que eu já li até de gente do próprio exército e da Turbo Machine que desenvolveu a turbina, ela consegue levar o míssil bem além de 300 Km, além de que a tecnologia da turbina pode ser usada em um míssil anti navio de longo alcance, basta fazerem um design de míssil que comporte ela e a parte eletrônica que já temos do MANSUP, temos 4 bi para pagar campanha mas não para tecnologia e defesa.

Foxtrot
Foxtrot
Reply to  Tomcat4,2
1 mês atrás

Vai além, acredito que algo em torno de 1.5k.
Em cálculos básicos cheguei ao alcance máximo de 3.5 k no míssil.
Baseado. Em informações cedidas pela própria empresa.

sergio
sergio
Reply to  Foxtrot
1 mês atrás

Também cheguei a esse numero, a Turbina tem validade de 5 horas voando a pouco mais de 800kmh lembrando que essas 5 horas são o limite de vida útil da turbina, então metade desse valor 2 horas de voo a 800kmh da uns 1600kmh.

Foxtrot
Foxtrot
Reply to  sergio
1 mês atrás

Eu já usei Torricelli para calcular os 3.500 km.
Com um pouco mais de informações, poderia usar integrais, assim teria velocidade, distância etc a cada minuto de deslocamento.
Mas uma coisa te digo, em engenharia tem um fator de segurança (o famoso coeficiente de cagaço).
Para cargas que não sejam vivas é de 15%.
Sendo assim, se a turbina tem vida útil de 5 horas, na verdade ela terá vida útil máxima de 6 horas e 15 minutos.
Agora multiplique isso por 800 km/h !

Bosco
Bosco
Reply to  Foxtrot
1 mês atrás

Foxtrot, O tempo de vida da turbina determinado em bancada não é isoladamente um parâmetro para determinar o alcance de um míssil que a adote. O míssil tem um limite dimensional e de peso que se ultrapassado não conseguiria voar. Há um quantidade “x” de combustível internamente e é isso que de fato limita o alcance, além do tempo de bateria. O Tomahawk tem peso semelhante e e assim configurado para um alcance de 1800 km mais ou menos; Peso total: 1600 kg peso do booster: 300 kg peso da ogiva : 1000 lb (450 kg) quantidade de combustível estimada:… Read more »

Sincero Brasileiro da Silva
Sincero Brasileiro da Silva
Reply to  Foxtrot
1 mês atrás

Também fiz uns cálculos básicos aqui e concluí que o Tomahawk tem alcance de 10km. Confia…

Foxtrot
Foxtrot
Reply to  Sincero Brasileiro da Silva
1 mês atrás

Depende de seus cálculos.
Eles estão corretos ?
Uma informação básica, ninguém (a não ser os próprios americanos) realmente sabe o alcance do Tomahawk.

Alfa BR
Alfa BR
1 mês atrás

Organização típica de um Grupo de Mísseis e Foguetes do Exército Brasileiro, considerando apenas as viaturas do sistema ASTROS: ***Uma Bateria de Comando (Bia C), composta por: – Uma Viatura de Comando e Controle (AV-VCC): para o Comando e Controle das diversas missões de tiro do sistema a nível unidade (Três Bias LMFs). ***Três Baterias de Mísseis e Foguetes (Bias LMFs), cada uma composta por: Uma Viatura Posto de Comando e Controle (AV-PCC): para o Comando e Controle das diversas missões de tiro do sistema a nível bateria; – Seis Viaturas Lançadora Múltipla Universal (AV-LMU): capaz de disparar cinco tipos… Read more »

Alfa BR
Alfa BR
Reply to  Alfa BR
1 mês atrás

comment image

Saldanha da Gama
Saldanha da Gama
Reply to  Alfa BR
1 mês atrás

ALFA, parabéns, obrigado pela informação

Alfa BR
Alfa BR
1 mês atrás

Poder de fogo: Cada Grupo de Mísseis e Foguetes do Exército Brasileiro possui dezoito (18) Viaturas Lançadora Múltipla Universal (AV-LMU). Cada Viatura Lançadora Múltipla Universal (AV-LMU) pode ser municiada com 32 foguetes SS-30, 16 foguetes SS-40 ou 4 foguetes SS-60. A dotação orgânica de um Grupo de Mísseis e Foguetes é balizada pelo número de rajadas completas existentes na Bateria de Comando (Bia C) e na Bateria de Mísseis e Foguetes (Bia LMF). Cada Viatura Remuniciadora (AV-RMD) detém o dobro de contêineres lançadores da Viatura Lançadora Múltipla Universal (AV-LMU). Isso dá capacidade para o Grupo de Mísseis e Foguetes carregar… Read more »

Alfa BR
Alfa BR
Reply to  Alfa BR
1 mês atrás

comment image

Tomcat4,2
Reply to  Alfa BR
1 mês atrás

Dá pra fazer um estrago e tanto viu !!!

Alfa BR
Alfa BR
1 mês atrás

Lista de alvos típicos de um Grupo de Mísseis e Foguetes (GMF) do Exército Brasileiro.

Os GMF são equipados com as viaturas da família ASTROS.
comment image

PC DE: Posto de Comando de Divisão de Exército
BLB: Base Logística de Brigada

Teórico
Teórico
1 mês atrás

Prezados,

O sistema Astros usava plataforma Mercedes-Benz.

Agora usa a plataforma Tatra.

Qual foi o motivo ?

Além do mais tem outras opções nacionais como Volvo, Scania.

Welington S.
Welington S.
Reply to  Teórico
1 mês atrás

Eu acredito que a mudança se deu pela modularidade da plataforma Tatra.

Tomcat4,2
Reply to  Teórico
1 mês atrás

Cara, Tatra é Tatra, simples assim !!!

joão Fernando
joão Fernando
Reply to  Teórico
1 mês atrás

Até onde sei, embargo da alemanha

Art
Art
Reply to  Teórico
1 mês atrás

O Motivo foi a Alemanha (Mercedez-Benz) não vender mais pro Brasil (embargo velado), então procurou-se outro fornecedor. A Avibrás é a representante TATRA no Brasil, até o momento. Está previsto uma fábrica no Brasil da TATRA para 2021 Ponta Grossa -PR

Last edited 1 mês atrás by Art
Teórico
Teórico
Reply to  Art
1 mês atrás

Caro Art,

Essa informação é nova para mim.

Quer dizer que: as primeiras versões do Astros eram plataformas da

Mercedes-Benz – porém importadas da Alemanha ?

Qual o motivo técnico ?

Potência do motor ? Não tinha um congênere nacional ?

Tutu
Reply to  Teórico
1 mês atrás

Qual é o caminhão projetado para ser militar 6×6 feito no Brasil?

Até onde eu sei não tem nenhum, o mais próximo é um civil VW modificado com tração 6×6 que o EB usa para rebocar os obus de 155mm.

Tutu
Reply to  Tutu
1 mês atrás

Constellation 31.320

images.jpeg
Art
Art
Reply to  Tutu
1 mês atrás

Esse não é DNA militar. É plataforma civil adaptada.

Art
Art
Reply to  Teórico
1 mês atrás

Exato as plataformas iniciais Mercedes Alemanha, não há congênere nacional. Motivo é que caminhão militar tem especificações, requisitos de resistência e redundância, é mais caro também. A Mercedes saiu a TATRA substituiu.
Exato as plataformas iniciais Mercedes Alemanha, não há congênere nacional. Motivo é que caminhão militar tem especificações, requisitos de resistência e redundância, é mais caro também. A Mercedes saiu a TATRA substituiu.

Last edited 1 mês atrás by Art
Caio
Caio
1 mês atrás

Parabéns avibras pelo progressos com o sistema astro.

Allan Lemos
Allan Lemos
1 mês atrás

Qual a situação do SS-40G e do MTC-300? Até agora só conversinha fiada.

SmokingSnake 🐍
SmokingSnake 🐍
Reply to  Allan Lemos
1 mês atrás

MTC-300 sumiu que nem o Mansup

Teropode
Reply to  SmokingSnake 🐍
1 mês atrás

Temo por isso , esperar coisa boa no Brasil é ter um otimismo gigantesco !

sergio
sergio
Reply to  SmokingSnake 🐍
1 mês atrás

A ultima informação que tive foi no Caiafa, Eles estavam tendo problemas na separação do buster do apos o lançamento do míssil.

Pedro Bó
Pedro Bó
Reply to  Allan Lemos
1 mês atrás

Realmente temo que o MTC-300 acabe seguindo o malfadado destino do Piranha, do A-Darter, do MAR-1…

Foxtrot
Foxtrot
Reply to  Pedro Bó
1 mês atrás

Partilho de seus temores.
Some a essa lista SMKB, FPG-82, MANSUP, SONAT, SONAP, SONAR REBOCADO, Drone Submarino, A-darter etc etc etc.
Ao que parece, nossos militares estão jogando a favor do time adversário, e já fizeram vários gol,s contra de propósito.

kahllil
kahllil
1 mês atrás

ta mais e ai oque foi atualizado no SS 60 que foi mostrado nesse teste?

João Adaime
João Adaime
Reply to  kahllil
1 mês atrás

Prezado Kahllil
Segundo o texto, esta variante possui a maior ogiva da série Astros.
Deve ser isto.
Abraço

arcanjo
1 mês atrás

Este é o vídeo publicado pelo Exército Brasileiro em 31 de julho de 2021.
https://youtu.be/hLT_W2cXSGY

José Carlos David
José Carlos David
1 mês atrás

Estamos engatinhando. Os mísseis hipersônicos são as estrelas do momento.

Adriano Madureira
Adriano Madureira
Reply to  José Carlos David
1 mês atrás

Quem sabe se não houvéssemos perdido aquela oportunidade de joint-venture com russos e indianos, teríamos condições de ter mísseis hipersônicos…

Na época, era o missil antinavio Brahmos,hoje em dia russos e indianos estão desenvolvendo até uma versão anti-AWACS para 2024,isso sem esquecer o Brahmos 2 que foi apresentado em 2018.

Mas já é tradição do Brasil de perder algumas boas parcerias e entrarem em parcerias caracu…

comment image

Teropode
Reply to  José Carlos David
1 mês atrás

Cada um possui seu valor , a questão é que o EB tem que desenvolver novas munições , o MTC-300 seria o passo seguinte .

Foxtrot
Foxtrot
1 mês atrás

Só não se fala o que há de novo no SS-60.
Serão as mesmas evoluções do SS40-G ?
Ficou mais dúvidas do que esclarecimentos.
Acho que foi mais uma jogada de marketing do que tudo.

paulo ricardo da rocha paiva
paulo ricardo da rocha paiva
1 mês atrás

DEFESA NACIONAL, BRINCANDO COM A VERDADE Eis que o Ministério da “Defesa” anuncia sobre míssil de “longo” alcance que está em fase final de desenvolvimento.  Atenção! Alerta! Perigo! Aumentar do irrisório alcance do AVM- 300 km para, apenas, 300 milhas, equivalentes a tão somente 480 km, um rojão de meia pataca que, se lançado de Vitória/ES não atinge Salvador/BA (distantes 839 km), é continuar se enganando com perfumarias que não vão resolver nada em termos de dissuasão extrarregional. Precisamos nos precaver, além das possibilidades de uma armada que se aproxime agressiva pelo Atlântico Sul, também, face às bases/campos de pouso… Read more »

João Adaime
João Adaime
Reply to  paulo ricardo da rocha paiva
1 mês atrás

Prezado coronel
Interessante seu comentário, porém acredito que a notícia em que baseou seu comentário, de setembro do ano passado, esteja equivocada. O alcance de todos os foguetes são indicados em milhas, quando sabemos que na verdade são quilômetros.
Logo, em vez de 300 milhas, são apenas 300 km. Cenário pior ainda.
Abraço

Foxtrot
Foxtrot
Reply to  paulo ricardo da rocha paiva
1 mês atrás

Caro coronel, pelo o que percebi o senhor é da “velha guarda” (com todo respeito, pois a velha guarda para mim era a verdadeira visão nacionalista), pois vive falando dos Yankes e sua verdadeira ameaça ao Brasil. Mas hoje, seus colegas de farda e alguns políticos despatriados estão entregando de bandeja o país para os Yankes e seus parceiros europeus. Aí do que adiantar ter mísseis de longo alcance, se os Yankes tem base em Alcântara ? Do que adianta ameaçar a posição Yanke no Perú se a FAB boa com aviões repletos de sistemas de armas e EW americano?… Read more »

Phillipe
Phillipe
Reply to  paulo ricardo da rocha paiva
1 mês atrás

Coronel em tempos de meios modernos de ataque/defesa vemos que o senhor com o conhecimento que tem cita os Yankes como sendo nossos “inimigos”,sabemos que com toda a Frota Naval,Força Aérea e Exército que eles possuem nada pararia ou retalharia um desdobramento militar contra o Brasil se ELES quisessem,de fato não querem e não teriam o porquê,nem mesmo nessas hipóteses levantadas pelo senhor,digo que se a Força Aerea Venezuelana quiser,manda os jatos russos que eles possuem,atacaria qualquer ALVO militar ou não…estratégico ou não…sem sofrer grandes retaliações…talvez voltariam em segurança para suas bases e militares seriam mortos sem nem saber que… Read more »

Foxtrot
Foxtrot
Reply to  Phillipe
1 mês atrás

E qual o interesse estratégico, comercial a Venezuela teria para nós atacar?
Não faz sentido algum termos medo de nossos vizinhos (comunista ou não).
Canso de escrever aqui, as maiores ameaças ao Brasil são as nações ocidentais com a qual vivemos de flerte há anos.
E eles já demonstraram isso sabotando nosso desenvolvimento, tentando criar separações internas, declarando a cobiça sobre a Amazônia etc etc etc.

Glasquis 7
1 mês atrás

Então, na atualidade, qual é real alcance do ASTROS II, 70 km, 100 km, 150 km…???

João Adaime
João Adaime
Reply to  Glasquis 7
1 mês atrás

Caro Glasquis
O sistema Astros II é composto de lançadores múltiplos de foguetes, com vários calibres. Cada um tem um alcance, que varia de 15 a 300 km. Basta trocar o casulo que contém cada tipo de foguete. A decisão de qual usar depende da distância e do tipo de alvo.
Abraço

glasquis 7
Reply to  João Adaime
1 mês atrás

Certo mas, atualmente, ,qual munição do Astros II atinge , ou já atingiu 300 km?

João Adaime
João Adaime
Reply to  glasquis 7
1 mês atrás

Glasquis O Astros II tem alcance máximo de 80 km com seu foguete mais potente. Agora a Avibrás se concentra no Astros 2020 (pronuncia-se “vinte vinte”), que possibilitará o uso do foguete guiado SS-40G e do míssil tático de cruzeiro AV-MT (MTC-300). Quanto ao MTC-300, pelas últimas informações que tenho, a etapa de homologação depende dos tiros de validação do alcance máximo. Porém estes ainda não foram realizados porque faltam sistema de monitoramento e local adequado. O campo de provas da FAB na Serra do Caximbo (PA) não permite tiros de mais de 120 km. Além disso, as Forças Armadas… Read more »

Glasquis 7
Reply to  João Adaime
1 mês atrás

Mas o MTC-300 não existe nos inventários do EB então, não pode ser considerado.

Eu queria saber a realidade atual. Hoje, qual o alcance da artilharia de foguetes e/ou misseis do EB???

João Adaime
João Adaime
Reply to  Glasquis 7
1 mês atrás

Certeza mesmo, é o foguete SS-80 do sistema Astros com alcance variando entre 80 e 90 km. Ano passado era para a Avibrás entregar 100 MTC-300 ao Exército. Pelo jeito não entregou. Agora a previsão é as entregas começarem em 2023. Outro que está no forno é o foguete guiado SS-40G com 45 km de alcance. Os outros não são guiados. Estes dois integrarão o sistema Astros 2020, que já pode lançar os foguetes SS-30, SS-40, SS-60 e SS-80. Quanto ao MTC-300, a Avibrás já fez 16 lançamentos e mais quatro estão previstos. Se já aconteceram, não sei. O pessoal… Read more »

Glasquis 7
Reply to  João Adaime
1 mês atrás

Entendo. Então, na atualidade, o alcance do Astros, mesmo sendo o 2020 não alcança os 100 Km.

João Adaime
João Adaime
Reply to  Glasquis 7
1 mês atrás

O 2020 é apenas o porta casulos. O alcance depende de quais foguetes ou mísseis são instalados nele.
O que se conhece como sistema Astros é composto, além dos foguetes e do futuro míssil MTC-300, de viaturas lançadora, remuniciadora, comando e controle, meteorológica e apoio ao solo.
O 2020 acrescentou ao sistema a capacidade de lançar o futuro foguete guiado SS-40G e o míssil MTC-300. E no futuro outros mísseis poderão ser acrescidos.

astros.jpg
glasquis 7
Reply to  João Adaime
1 mês atrás

Meu estimado, tal vez o meu português seja muito precário e por isso a dificuldade de me fazer entender mas, eu queria saber, qual o alcance real que atualmente tem o EB, não qual terá nem qual poderia ter.

Os misseis e foguetes que algum dia poderão ser empregados pelo EB, fazem parte de outra formulação. Mesmo por que muito do que se planeja ter, não acaba vingando, vide exemplo o A DARTER produzido no Brasil.

João Adaime
João Adaime
Reply to  glasquis 7
1 mês atrás

Como eu disse mais acima. O que temos de mais efetivo é o SS-80 com alcance entre 80 e 90 km.
O resto ainda está em desenvolvimento ou esperando homologação.

Últimas Notícias

Paraquedistas russos começam exercícios em grande escala na Crimeia

SIMFEROPOL, 27 de setembro. /TASS/. Os exercícios em grande escala de um assalto aéreo com um regimento de artilharia...
- Advertisement -
- Advertisement -