terça-feira, setembro 28, 2021

Saab RBS 70NG

Golpe da Guiné: as repercussões geopolíticas para a China

Destaques

Redação Forças de Defesa
redacao@fordefesa.com.br

Por Geopolitical Monitor

Elementos do Exército da Guiné se encarregaram de escrever um novo capítulo na tumultuada história política do país da África Ocidental.

Um grupo de soldados deteve o presidente Alpha Conde no fim de semana após uma batalha campal em torno do palácio presidencial. O golpe parece ter sido liderado pelo coronel Mamadi Doumbouya – um ex-legionário francês – embora a extensão do apoio de Doumbouya dentro das forças armadas permaneça desconhecida.

Os líderes militares justificaram o golpe em termos populistas, citando as péssimas estradas e hospitais do país, apesar de sua abundante riqueza mineral. Doumbouya anulou a constituição e prometeu restaurar a democracia em algum momento no futuro.

O ex-presidente Alpha Conde já foi aclamado como um arauto da reforma democrática em um país que sofreu décadas de autoritarismo, corrupção e golpes de estado rotineiros desde que se tornou independente da França em 1958. Conde foi nitidamente menos comprometido com a proteção das liberdades democráticas ao assumir em 2010, no entanto, e sua eventual insistência em se candidatar a um terceiro mandato – apesar dos limites constitucionais dos mandatos – gerou uma onda de protestos violentos no final do ano passado.

País pequeno, grande impacto econômico

Apesar de ser um país pequeno com cerca de 13 milhões de habitantes, a Guiné está acima do seu peso em termos económicos pelo carácter estratégico do seu principal produto de exportação: a bauxite, que representa cerca de 46,5% da sua carteira de exportações. (Para ter uma noção da importância da indústria de mineração para a Guiné, o ouro representa outros 46% das exportações).

A Guiné é o segundo maior produtor mundial de bauxita, principal insumo na produção de minério de alumínio, e também abriga as maiores reservas de bauxita do mundo. Os preços do alumínio já haviam subido quase 40% em 2021 devido ao estímulo relacionado ao COVID, à recuperação econômica e aos gargalos de transporte. O golpe efetivamente colocou mais lenha na fogueira, fazendo os preços subirem mais 3%, para chegar a US $ 2.768 por tonelada – um nível não visto desde maio de 2011.

Os líderes do golpe até agora tentaram proteger o lucrativo setor de mineração do país da ruptura, conclamando as empresas de mineração a continuar suas operações normais. Eles também indicaram que os acordos de mineração pré-existentes serão honrados. No entanto, duas considerações parecem merecer uma abordagem de esperar para ver para os investidores estrangeiros: 1) o golpe pode não ser um ‘negócio fechado’ e o conflito pode estourar entre os apoiadores e detratores do golpe, ou dentro dos conspiradores do golpe ‘ o próprio círculo interno; e 2) a linguagem populista em que o golpe está envolto sugere uma potencial reavaliação do contrato social subjacente ao setor de mineração da Guiné, se for levado pelo valor de face.

O preço do Alumínio chegou a 3.000 dólares a tonelada em 13 de setembro

Os riscos geopolíticos são altos para a China

Pequim tem muito a perder se o golpe derrubar os negócios de sempre.

A China obtém cerca de 55% de sua bauxita da Guiné, que utiliza na produção de alumínio. Segundo uma estimativa, cerca de 20% de todo o alumínio do mundo é produzido a partir da bauxita guineense. A China também lidera o mundo na produção de alumínio, e por uma larga margem, nada menos. Em 2019, a China produziu 36 milhões de toneladas de alumínio; o segundo país foi a Índia com 3.700.000 toneladas.

A dependência da China na bauxita guineense, portanto, define a mesa para movimentos de preços voláteis daqui para frente. E esses movimentos não ficarão restritos aos mercados de alumínio, já que o metal industrial é um insumo fundamental em uma variedade de produtos de consumo que vão desde latas de cerveja até iPhones (cada iPhone contém 31 gramas de alumínio). Segue-se que interrupções significativas no fornecimento na Guiné arriscam criar outra tendência inflacionária bem num momento em que os preços da energia estão subindo.

Existem poucas alternativas atraentes para os legisladores chineses que buscam diversificar a partir da bauxita guineense. A Indonésia proibiu a exportação de matérias-primas, incluindo bauxita, a fim de estimular uma indústria de processamento doméstica. Isso deixa a Austrália, o outro produtor mundial de bauxita ao lado da Guiné. As exportações de bauxita australiana para a China foram poupadas até agora na disputa comercial bilateral em curso. No entanto, há muito tempo fica claro que Pequim pretende reduzir sua dependência das exportações australianas de insumos essenciais.

A extensa mina de ferro de Simandou está na balança

Falando nisso, a Guiné figura com destaque em outra jogada chinesa para reduzir sua dependência excessiva das exportações estratégicas australianas: o desenvolvimento do complexo de mineração de Simandou, lar das maiores reservas inexploradas de ferro do mundo. Os principais financiadores estrangeiros do projeto são o Grupo Rio Tinto e o China Baowu Steel Group, este último assumiu a participação da Aluminum Corp of China (Chalco) em 2020. A infraestrutura de apoio ao complexo já foi aprovada, com estimativa de custos na faixa de US $ 15 a US $ 23 bilhões para colocar o projeto online. Com uma data de produção de 2026, Simandou pode muito bem ser uma virada de jogo nos mercados globais de ferro, com uma produção inicial de até 60 milhões de toneladas de minério de ferro de alto teor por ano.

O projeto Simandou gerou grande polêmica ao longo dos anos. Por um lado, representa um pesadelo logístico, já que as minas estão localizadas nas profundezas da Guiné, exigindo um investimento inicial significativo em infraestrutura para permitir que o minério chegue aos mercados globais. Esse investimento poderia ser mitigado com o roteamento do minério pelo porto de Buchanan, na Libéria, que é geograficamente muito mais próximo do que Conakry. No entanto, o governo Conde resistiu a tais pressões, na esperança de manter a operação de Simandou – e os bilhões em investimentos que ela representa – um assunto totalmente guineense. A propósito, será interessante ver que posição a nova junta assume nesta frente.

A governança é outra questão, nomeadamente a cultura profundamente enraizada de corrupção e o fraco quadro regulamentar sob o qual os gigantes da mineração operam na Guiné. Simandou já é sinônimo de enxerto e inépcia burocrática. Depois que a Rio Tinto recebeu pela primeira vez os direitos totais de mineração em 1997, vários blocos foram desapropriados pelo estado, transferidos por decisão judicial e / ou despojados na sequência de casos de corrupção de alto perfil. O ímpeto do projeto nos últimos anos é mais um fator de vontade política do lado chinês, motivado por preocupações geopolíticas, ao invés de qualquer mudança material no clima de investimento da Guiné.

Simplificando: Simandou era uma ponte longe demais, mesmo antes do golpe da semana passada. E dada a falta de um dividendo de desenvolvimento após décadas de investimento estrangeiro em ouro e bauxita, o último dos quais suportou anos de preços intermitentemente baixos devido à superprodução de alumínio global, será difícil vender para a junta manter qualquer aparência de credibilidade popular sem visar diretamente o tipo de práticas de negócios nas quais a China e outros gigantes da mineração há muito prosperam.

É seguro dizer que o golpe representa uma perda líquida potencial para a China, cuja verdadeira extensão ainda está para ser ver.

FONTE: Geopolitical Monitor

NOTA DA REDAÇÃO: No dia em que ocorreu o golpe contra o presidente da Guiné, membros das forças especiais Green Berets do Exército dos EUA estavam no país realizando treinamento de tropas locais. Quando os Green Berets perceberam que um golpe estava em andamento, eles foram direto para a Embaixada dos Estados Unidos em Conakry, e o programa de treinamento foi suspenso, disse Kelly Cahalan, porta-voz do Comando da África dos EUA. O golpe, disse ela, é “inconsistente com o treinamento e a educação militar dos EUA”.

Tentativas de golpe na África, 1946-2021

- Advertisement -

32 COMMENTS

Subscribe
Notify of
guest
32 Comentários
oldest
newest most voted
Inline Feedbacks
View all comments
Slow
Slow
15 dias atrás

Obviamente financiado pela CIA .

Hélio
Hélio
Reply to  Slow
14 dias atrás

Os militares que deram o golpe estavam sendo treinados pelos boinas verdes.

Antonio Palhares
Antonio Palhares
Reply to  Slow
13 dias atrás

Naaaão

Veiga 104
Veiga 104
15 dias atrás

Mais uma ex colônia Francesa com o LEGADO Francês.

Luciano
Luciano
Reply to  Veiga 104
14 dias atrás

Assim como ex-colônias, no geral, de qualquer país europeu..legado de pobreza, instabilidade política, exploração por grandes empresas parasitas que promovem a corrupção, subdesenvolvimento….

Fabio
Fabio
Reply to  Luciano
14 dias atrás

Antes, paraíso.

Pedro Bó
Pedro Bó
Reply to  Fabio
14 dias atrás

Não era paraíso, mas a partilha da África (juntando muitas tribos que antes eram rivais no mesmo território), sua consequente exploração e posteriormente o próprio processo de descolonização explicam muito da instabilidade sociopolítica no continente.

paulof
paulof
Reply to  Pedro Bó
14 dias atrás

Vamos pensar que mais ou menos, por que eles próprio veem sua história ligado a império de várias tribos, como o Império Songai que muitas vezes é usado nos discursos de passado glorioso, o problema dali é quando se quebra o comércio transaariano que diminuiu muita as trocas entre as tribos ou povos que viviam, caíram no paratisismo de reinos escravagistas e aí já viu…

Hélio
Hélio
Reply to  Luciano
14 dias atrás

Errado, as colônias iberocas foram muito bem, só se deterioram com o processo pós-independência. A própria América Latina é exemplo, onde países desenvolvidos viraram favelas por brigas internas e interferência de você sabe quem.

Antoniokings
Antoniokings
15 dias atrás

O problema é que é uma via de mão dupla.
A capacidade de produção de alumínio da China é tão esmagadoramente grande, que a Guiné não terá onde colocar sua matéria-prima em outros concorrentes se eventualmente diminuísse o fornecimento aos chineses.
Simplesmente não há capacidade instalada em outros países para absorver a produção da Guiné.
Quanto à mina de Simandou, como dito no texto, ela tem diversos problemas logísticos e já foi objeto de estudo pelos chineses que ainda não levaram à frente o projeto.

Jefferson Ferreira
Jefferson Ferreira
Reply to  Antoniokings
15 dias atrás

Mas se o preço do alumínio continuar estratosfericamente alto eles compensam o volume no preço, já que podem manter a mesma rentabilidade em um volume menor…

Marcelo Baptista
Marcelo Baptista
Reply to  Antoniokings
15 dias atrás

Antonio,
O problema não é para quem a Guine ira vender, é por quanto ela irá vender!
A China tem clientes que precisam ser atendidos, industrias a serem alimentadas, se a Guiné não puder mineirar, quem vai?
A China só irá repassar os custos, para os consumidores, ops, nós!
Quanto a Simandou, bem, lendo nas entre linhas, acho que podem ter resolvido o problema de logística, já que tiraram o empecilho.
Quem ajudou? Vejamos quem são os interessados.
Infelizmente, acho que é mais um País sendo usado, como peão no jogo de poder, e o povão se ferrando.

Mauricio
Mauricio
Reply to  Marcelo Baptista
14 dias atrás

Se a Guiné “mineirar”, vai começar a falar uai e comer pão de queijo!
Foi só uma brincadeira! kkkk

Marcelo Baptista
Marcelo Baptista
Reply to  Mauricio
14 dias atrás

Tranquilo, eu fiquei olhando a frase e o “mineirar” ficava estranho, mas foi mesmo assim, eheh.
Mas prefiro só o queijo minas.

Marcelo Baptista
Marcelo Baptista
15 dias atrás

Triste, tanta riqueza a ser explorada, e o povo vai continuar na miséria. Mais um golpe atrasando o desenvolvimento do País, como sempre onde isto ocorre. Quanto a analise econômica da coisa, se levarmos em conta que não mexerão com as mineradoras, o que pode ocorrer a curto prazo é um aumento nos custos dos minérios, mas que pode ser rapidamente corrigido pelo can…, digo dita…, digo líder de plantão. A China ou quem for processar os minérios vai repassar para nós e ponto. Esta dependência, vai varia de como eles irão negociar com o can.., digo líder e com… Read more »

José
José
15 dias atrás

Só faltava isso!
A cerveja em lata vai almentar por causa de tanta discórdia!
Triste….

Marcelo Baptista
Marcelo Baptista
Reply to  José
15 dias atrás

José, neste caso voltamos para as garrafas, heheh.
É só um pouco mais de cerveja para beber, hehe

José
José
Reply to  Marcelo Baptista
15 dias atrás

Hehehehehe
Verdade

Mauricio
Mauricio
Reply to  José
14 dias atrás

Vamos de litrão!

Marcelo Baptista
Marcelo Baptista
Reply to  Mauricio
14 dias atrás

Já aumentou!
Começamos com 300ml, foi para 600ml, chegamos no litro. Isso vai dar problema em casa.

Flanker
Flanker
Reply to  José
14 dias atrás

Acho que, no caso, seria aumentar…….

Camargoer.
Camargoer.
14 dias atrás

Olá a todos. Ridículos tiranos.

Zé Butina
Zé Butina
14 dias atrás

Por aqui não é nada diferente. Pobres colônias!

Felipe Morais
Felipe Morais
Reply to  Zé Butina
13 dias atrás

Por aqui onde? Você mora no Haiti? No Yemen? Na Somália? Sudão? Congo?
Ah, já sei. Tá falando diretamente do Afeganistão.

Porque comparar a vida que temos no Brasil com a vida no país da matéria, só pode estar de sacanagem.

Gabriel BR
Gabriel BR
14 dias atrás

Típica interferência dos Franceses em África.

Marcelo Baptista
Marcelo Baptista
Reply to  Gabriel BR
14 dias atrás

Franceses? Eu pessoalmente acho que isso tem dedo Chinês, veja quanto dinheiro esta envolvido, principalmente com relação a Simandou, o Cana.., digo Líder anterior queria manter todo o transporte ate o porto dentro do território da Guiné, mas vc olha no mapa e ve que ficaria muuuuuuitttto mais barato, escoar pelo porto da Libéria. Muito conveniente, não?

Gabriel BR
Gabriel BR
Reply to  Marcelo Baptista
14 dias atrás

O script da ação tem a digital dos franceses. a China geralmente age de maneira muito diferente deste roteiro.

Felipe Morais
Felipe Morais
Reply to  Marcelo Baptista
13 dias atrás

rapaz, vou te falar.
Você acha que os chineses colocariam o fornecimento de mais de 50% de material essencial pra produzir seu alumínio em risco assim, por causa do custo do transporte?
Não duvido de nada, mas me parece que os chineses têm sido muito mais pragmáticos que isso.

Nilton L Junior
Nilton L Junior
13 dias atrás

A China se fazendo de morta.

Marcos10
Marcos10
13 dias atrás

Quem quer ser grande, sempre encontrará esses revezes.
Depois da SG, os vencedores acharam que podiam tudo.
Franceses apanharam na Indochina.
Russos apanharam do Afeganistão e na Georgia e parece que conseguiram achar um novo atoleiro na Síria.
Americanos fracassaram na Coréia, tomaram uma lavada no Vietnã, tomaram uma entornada no Afeganistão e Iraque.
Aguardemos os chineses. Esse ai parece o primeiro revés. Vamos ver o que acontece no Afeganistão ou até aguardemos os afegãos começarem a exportar para a China sua principal matéria prima.
Grande mesmo, só foi Roma. Tomou um monte de bordoada, mas seu império foi longevo.

SmokingSnake 🐍
SmokingSnake 🐍
13 dias atrás

A bolha imobiliária na China já começou a estourar: Sonhos da imobiliária Evergrande viram pesadelo para os compradores chineses – Internacional – Estado de Minas

Boa parte do crescimento da China é artificial, eles incrementam o pib construindo coisas que não vão dar retorno, tem cidades inteiras fantasmas porque constroem e não conseguem vender nada depois.

Cristiano de Aquino Campos
Cristiano de Aquino Campos
12 dias atrás

Não muda nada para a China na medida da velha balança do tem quem vende e tem quem compre. A guine vai continuar a vender para quem quer comprar e quem compra com um governo vai continuar a comprar com o outro. No texto mesmo fala isso.

Últimas Notícias

Paraquedistas russos começam exercícios em grande escala na Crimeia

SIMFEROPOL, 27 de setembro. /TASS/. Os exercícios em grande escala de um assalto aéreo com um regimento de artilharia...
- Advertisement -
- Advertisement -