quinta-feira, junho 30, 2022

Saab RBS 70NG

‘Uma ameaça à humanidade’, ONGs e ativistas pedem a proibição do uso de ‘robôs assassinos’

Destaques

Redação Forças de Defesa
redacao@fordefesa.com.br

ONGs e ativistas pedem a proibição do uso de armas autônomas que não são mais estritamente controladas por mãos humanas, chamando os chamados “robôs assassinos” de uma “ameaça à humanidade”.

A medida ocorre durante a Sexta Conferência de Exame da Convenção sobre Armas Convencionais (CCW – Sixth Review Conference of the Convention on Conventional Weapons) acontece em Genebra nesta semana, presidida pelo embaixador Yann Hwang da França.

Espera-se que os Estados membros decidam se negociarão um tratado que proíba o uso de armas que não sejam controladas de forma decisiva por mãos humanas.

A Human Rights Watch (HRW) pediu um novo tratado para esclarecer e fortalecer as leis existentes relacionadas a essas novas tecnologias, acrescentando que “o surgimento de sistemas de armas autônomos e a perspectiva de perder o controle humano significativo sobre o uso da força são ameaças graves que exigem Ação urgente”.

Achamos que isso ultrapassa uma linha moral. Temos questões morais e éticas sobre isso, temos questões jurídicas, temos questões de desestabilização da segurança internacional. Existem tantas razões pelas quais um robô assassino nunca deveria existir.
Steve Goose- Diretor, Divisão de Armas da Human Rights Watch

“Estes são sistemas de armas que operariam sem controle humano significativo. Ou seja, em vez de um humano, você teria o próprio sistema de armas que selecionaria o alvo e decidiria quando puxar o gatilho. Você não teria humanos executando essas funções, em vez disso, a inteligência artificial substituiria o soldado no campo de batalha “, explicou Steve Goose, diretor da Divisão de Armas da Human Rights Watch.

“Achamos que isso atravessa uma linha moral. Temos questões morais e éticas sobre isso, temos questões jurídicas, temos questões de desestabilização da segurança internacional. Existem tantas razões pelas quais um robô assassino nunca deveria existir e qualquer um desses aspectos merece uma proibição, uma proibição preventiva. Estas são armas que ainda estão em desenvolvimento. Temos a chance de detê-los “, disse Goose ao Euronews.

Tanque robótico Uran 9

Apesar da maioria das nações ser a favor de um novo tratado sobre o assunto, fabricantes de armas como os Estados Unidos, Rússia, China, Israel e Índia são fortemente contra a proibição.

“Não por acaso, esses são os mesmos países que estão mais avançados no desenvolvimento de robôs assassinos”, revelou Goose.

Desde 2018, o Secretário-Geral das Nações Unidas, António Guterres, tem repetidamente instado os Estados a proibir os sistemas de armas que podem, por si próprios, alvejar e atacar seres humanos, chamando-os de “moralmente repugnantes e politicamente inaceitáveis”.

No ano passado, a HRW divulgou um relatório mostrando como 97 países responderam a esse desafio e elaboraram seus pontos de vista sobre os sistemas de armas autônomas letais desde que o assunto foi discutido pela primeira vez no Conselho de Direitos Humanos em 2013.

O relatório pesquisa onde esses países estão em apelos para banir armas totalmente autônomas e reter controle humano significativo sobre o uso da força.

No entanto, de acordo com Steve Goose, o CCW fez “muito pouco progresso” desde que começou a discutir essa preocupação em 2014.

“Em grande parte por causa desses resistentes que não querem ver um movimento em direção a um instrumento legalmente vinculativo. Mas o CCW não é o único caminho para buscar regulamentações legais sobre essas armas futuras. Com as minas terrestres, com as munições cluster, vimos as nações saírem de as Nações Unidas e reúnem um poderoso grupo de países para proibir totalmente as armas. O mesmo passo poderia ser dado para os robôs assassinos ”, prosseguiu.

De acordo com um relatório recente da ONU, um ataque aéreo de drone na Líbia na primavera de 2020 – feito contra as forças do Exército Nacional da Líbia por drones STM Kargu-2 de fabricação turca em nome do Governo de Acordo Nacional da Líbia – foi conduzido por sistemas de armas sem humanos “no circuito”.

Vídeo crítico sobre o futuro com robôs assassinos

FONTE: Euronews

- Advertisement -

81 COMMENTS

Subscribe
Notify of
guest
81 Comentários
oldest
newest most voted
Inline Feedbacks
View all comments
João Adaime
João Adaime
6 meses atrás

Infelizmente este será o futuro da guerra. Não só robôs, mas também drones e barcos, sem falar nos mísseis e torpedos.
Os poderosos vão evitar ao máximo expor seus soldados.
Quem é contra isto? Quem ainda não tem em seu arsenal.

cerberosph
cerberosph
Reply to  João Adaime
6 meses atrás

Já penso ao contrário, isso vai aumentar a quantidade de conflitos com mais mortes nos países mais pobres. Devia era ter a lei de quem dar a ordem ter de estar à frente do conflito. Presidente ordena a invasão de um pais tem de ser o primeiro a desembarcar, os generais na frente do exército. Aí sim quero ver …

Otavio
Otavio
Reply to  cerberosph
6 meses atrás

Você deve ter 15 anos de idade para escrever uma coisa dessa.

Carlos Campos
Carlos Campos
Reply to  cerberosph
6 meses atrás

é pelo visto vc tá lendo sobre assuntos militares a pouco tempo, ou ainda é ingênuo demais para entender que as guerras tem de tudo menos moralidade, todas as potências atuais e as que foram no passado, cometeram atrocidades,

Eduardo
Eduardo
Reply to  cerberosph
6 meses atrás

Amadurece infantil esquerdopata de 12 anos.

rafa
rafa
Reply to  cerberosph
6 meses atrás

todo mundo criticanto seu comentario e falando sobre ser de esquerda, mas concordo com vc, guerras sao feitas pelos mesmos lideres que vao tomar chá junto meses apos ela acontecer, existem bastantes idiotas para seguir ordem, mas o real perigo desses “robos” é que serao usados contra civis, a economia mundial anda em frangalhos , e a escacez de recurso e instatisfaçao popular estao em altas, robos n precisa de salario e não faz perguntas.

sergio
sergio
Reply to  João Adaime
6 meses atrás

Eles falam em Robôs assassinos, mais qual a diferença entre um Humano puxar o gatilho de uma maquina? o piloto de um caça que lança uma bomba a 150 km de distancia, não ve o alvo, não sabe as condiçoes do mesmo no momento do ataque, esta sujeito a danos colaterais, etc. Um Drone dotado de uma IA apurada, que lança uma bomba a 150 km de distancia, não vê o alvo, não sabe as condições do mesmo no momento do ataque, esta sujeito a danos colaterais, etc. qual a diferença entre eles ? Tudo bem Humanos matar Humanos, mais… Read more »

Hcosta
Hcosta
Reply to  sergio
6 meses atrás

Um drone é pilotado por humanos. Isto é diferente, é a IA que define quem são os alvos, já não é um drone.
Um robot não tem a consciência operacional, ou seja, não compreende a situação. Será sempre baseado em informação que coleta e isso pode não ser suficiente.
E não é nem mais nem menos letal que operadores humanos, isto depende da arma, não do meio de lançamento. Um hellfire lançado de um Apache tem a mesma precisão do que um de um drone

Francisco
Reply to  sergio
6 meses atrás

Amigo é a tal da HIPOCRISIA por parte dos HIPÓCRITAS, desculpe a redundância.

Leonardo
Leonardo
Reply to  sergio
6 meses atrás

Um humano pode ser responsabilizado por erros , uma IA já não pode… Vai prender o robô?

Slow
Slow
Reply to  Leonardo
6 meses atrás

Tanto faz, o estrago ja vai ter acontecido mesmo .

Luciano
Luciano
Reply to  Slow
6 meses atrás

Podemos evitar esse estrago ou ao menos diminuir, não?

Slow
Slow
Reply to  Luciano
6 meses atrás

“ vai prender um robô “

O humano vai preso mas pra isso acontecer o estrago ja foi feito entendeu oq quis dizer ?

sergio
sergio
Reply to  Slow
6 meses atrás

Uma IA, e pura, livre de paixões, preconceitos, ideologias, raiva, ódio, amor, a menos chances dela cometer um erro, do que um Humano, vou citar aqui o molde mestre, a IA que comanda os sentinelas nos x-men. em dado momento, as sentinelas se voltaram contra os mutantes e os humanos, seu criado então indaga do por que ele esta fazendo, isso se a finalidade da mesa era proteger os Humanos dos mutantes, então molde mestre responde essa indagação era absurda pois mutantes são humanos, Humanos precisam ser protegidos deles mesmos. perceba a sutileza da questão, ela esta cometendo um erro… Read more »

sergio
sergio
Reply to  Leonardo
6 meses atrás

A IA e menos propensa a “erros” do que Humanos.

EduardoSP
EduardoSP
Reply to  sergio
6 meses atrás

IA não erra. Ela faz o que foi programada para fazer. A questão é se o programa abarca todo o contexto em que se dá a operação.
Lembrando que a guerra é, talvez, a atividade humana com maior nível de incerteza que existe.

Agressor's
Agressor's
Reply to  sergio
6 meses atrás

Mensurem sobre o que já fazem com os drones de ataque “predators”, e agora imaginem como vai ser quando estiverem usando essas coisas…..

Pessoas perversas sempre evoluem, sempre se aprimoram, e estão sempre criando, na arte de praticar o Mal em nome do Bem…!!!…

Last edited 6 meses atrás by Agressor's
Otavio
Otavio
Reply to  João Adaime
6 meses atrás

Infelizmente? É muito mais lógico colocar um robô na zona de guerra.

João Adaime
João Adaime
Reply to  Otavio
6 meses atrás

Caro Otávio
Infelizmente porque não será robô contra robô, mas robôs contra humanos que não dispõem desta tecnologia.
Abraço

Marcelo
Marcelo
6 meses atrás

Quem vai proibir isso somente países fracos e pequenos. Duvido que as nações poderosas e avançadas em IA em máquinas Irá entrar nesse jogo. Espero que o Bolso não entre nesse tratado.

Mensageiro
Mensageiro
Reply to  Marcelo
6 meses atrás

Cara não deposite esperança em politicos tradicionais, principalmente esse, desde quando bolso tem alguma ideia sensata pro país, só quer $$ e manter o foro privilegiado.

Alessandro
Alessandro
Reply to  Marcelo
6 meses atrás

Marcelo Mas o papel das ONGs é exatamente esse, elas são criadas com a única e exclusiva finalidade de FINGIR que estão preocupadas com a humanidade, enquanto LUCRAM com os “problemas” criados pelos países desenvolvidos TRAVANDO o progresso dos subdesenvolvidos em fazer igual. Pode ter certeza que já há estudos e dados “científicos” encomendados por essas ONGs, para chantagear e reprimir países como o Brasil e outros para não seguir o mesmo caminho dos EUA, Rússia, Europa, China e Índia. Um governante só assina esse tipo de coisa se for mal intencionado, lembrando que aqui no Brasil tudo antes passa… Read more »

Last edited 6 meses atrás by Alessandro
Carlos
Carlos
6 meses atrás

Prezados,

Alguém sabe como funciona ,no caso de operação, a identificação (e a certeza) do alvo?

Rafael Gustavo de Oliveira
Rafael Gustavo de Oliveira
Reply to  Carlos
6 meses atrás

Prezado…estamos em uma era onde a busca e a identificação é automatizada atraves de algoritmos de grande complexidade que trabalham de forma sugestiva ao operador baseada em probabilidades (reconhecimento de padrões), ou seja, o processo de decisão de engajamento caberá a um comando humano…..o resto é hollywood puro

Last edited 6 meses atrás by Rafaelvbv
Felipe Augusto Batista
Felipe Augusto Batista
Reply to  Rafael Gustavo de Oliveira
6 meses atrás

” o processo de decisão de engajamento caberá a um comando humano…..o resto é hollywood puro” Por enquanto. Vários países por exemplo, estão desenvolvendo aeronaves opcionalmente tripuladas, uma ideia seria enviar 3 caças mas apenas um com piloto dando ordens pros outros dois drones, agora imagine uma missão de bombardeio e depois de penetrarem o espaço aéreo inimigo o caça pilotado é abatido, as opções seriam, os robôs passarem para o controle de um segundo caça pilotado se este estivesse próximo, ou abortar a missão e retornar à base, acredito que vão preferir que os drones continuem a missão e… Read more »

Bosco
Bosco
Reply to  Rafael Gustavo de Oliveira
6 meses atrás

Eu temo que já estejamos vivendo a era em que as máquinas tomam decisões. Só como exemplo, os primeiros mísseis guiados por TV na e logo após a SGM eram dirigidos por controle remoto até o alvo. Na década de 60 já desenvolveram mísseis guiados por TV que bastava o operador trancar manualmente na imagem de alto contraste que ele queria acerta que o míssil mantinha a imagem “centralizada” e a atingia após ser lançado. Depois aperfeiçoaram o sistema lançando o míssil primeiro e por meio de um data-link via RF o alvo era escolhido e aí o míssil fazia… Read more »

Bosco
Bosco
Reply to  Bosco
6 meses atrás

E a tecnologia continua evoluindo. O que se planeja para breve é que as diversas armas “conversem” entre si e tomem suas próprias decisões. Ou seja, se uma dúzia de F-35 lançarem 96 GBU-53 numa determinada área com , digamos, uns 50 alvos válidos, corre-se o risco de mais de uma bomba (ou mesmo, várias) se dirigir para um mesmo alvo, o que seria contraproducente. Com elas podendo se comunicar entre si cada uma irá se dirigir para um alvo e se ele for destruído uma outra que se dirigia a ele pode buscar outro alvo. Um programa da USAF… Read more »

Agressor's
Agressor's
Reply to  Bosco
6 meses atrás

Os mísseis russos já fazem isso a muito tempo…

Emmanuel
Emmanuel
Reply to  Agressor's
6 meses atrás

Claro. E voltam para casa quando não encontram o alvo.

Bosco
Bosco
Reply to  Agressor's
6 meses atrás

Eu sei que há a informação que o SSN19 seria capaz de ataque cooperativo tipo enxame, mas eu não acredito , caso tais informações tenham procedência, que seja algo muito evoluído por uma série de razões: tecnologia de 40/50 anos atrás; seeker de radar que não possibilita formação de imagem; míssil supersônico, que implica em menor tempo de processamento das informações.

Agressor's
Agressor's
Reply to  Bosco
6 meses atrás

Também não acredito naquela farsa da missão Apollo 11 e por conta disso eu sou atacado ou censurado por aqui quando abordo sobre esse assunto….Pois cada um acredita naquilo que lhe convém… O ser humano acredita, sempre, naquilo que ele quer e sente como o mais conveniente para si…Se é a realidade ou não é a decisão de cada um que determina a nobreza dos fatos ou não…

Last edited 6 meses atrás by Agressor's
Agressor's
Agressor's
Reply to  Bosco
6 meses atrás

Os mísseis russos estão lá preparados e armados para quem quiser pôr a prova a capacidade de eficácia deles ou tentar levar a “democracia”…

Last edited 6 meses atrás by Agressor's
Rafael Gustavo de Oliveira
Rafael Gustavo de Oliveira
Reply to  Bosco
6 meses atrás

Caro Bosco…..É um excelente texto, quase uma aula…rs…mas isso tudo são informações que são alimentadas previamente (If and else), todo sistema com IA, pode ter um bom desempenho se parametrizado corretamente (o desenvolvedor precisa prever de tudo), acho engraçado a frase de imprensa “a máquina tomará as decisões” o computador seguirá a linha do código que poderá levar a um comportamento…não tem nada de novo nisso, o que muda é o quão complexo é o sistema (um F-35 tem 8 milhões de linhas de códigos) Agora pense comigo, atacar é relativamente simples comparado o quão complexo pode ser a programação… Read more »

Francisco
6 meses atrás

A única chance dos europeus lacradores terem “alguém” para lutar em caso de guerra é essa visto que seus jovens vão estar distraídos lacrando, assinar um tratado como esse é a mesma coisa que dar um tiro no próprio pé, e não duvido que esse movimento ganhe força e o pessoal do mundo do faz de contas assine mesmo, provavelmente se a Rússia, China, Irã, Turquia, etc… esperarem mais uns 10 anos vão conseguir conquistar a lacrolândia sem ter que efetuar um único disparo, pensei que o velho continente deixaria de existir como conhecemos mas de outra forma, achei que… Read more »

pangloss
pangloss
Reply to  Francisco
6 meses atrás

Acho que as coisas não são muito diferentes por aqui.
Basta trocar o que você chama de lacração por samba/sertanejo/balada/futebol, e verá que o jovem brasileiro não se sente muito estimulado a defender uma pátria que, salvo exceções pontuais, nada oferece.

Francisco
Reply to  pangloss
6 meses atrás

KKKKKKKK verdade amigo, infelizmente essa é a realidade.

Victor Filipe
Victor Filipe
6 meses atrás

Quem proibir o uso será derrotado por aqueles que adotarem o mesmo.

Agressor's
Agressor's
Reply to  Victor Filipe
6 meses atrás

Essa é a ideia por detrás da coisa. É o mesmo que fazem com relação as armas e submarinos nucleares…

Last edited 6 meses atrás by Agressor's
Carlos Campos
Carlos Campos
Reply to  Victor Filipe
6 meses atrás

iguais as armas nucleares.

Varg
Varg
6 meses atrás

Pessoal está vendo muito Exterminador do Futuro…

Ainda estamos décadas distantes de uma IA realmente consciente.

O maior risco atual em armas autônomas são eventuais “cracks” em seus códigos por hackers, mas a isso isso qualquer sistema digital está vulnerável.

Felipe Augusto Batista
Felipe Augusto Batista
Reply to  Varg
6 meses atrás

Um possível problema com armas autonomas é justamente a falta de uma IA consciente. Se por um lado esta seria um risco (skynet etc) por outro uma IA rígida segue suas ordens à risca. Temos os casos do submarino russo que quase disparou um torpedo atômico durante a crise de misseis de cuba e daquele operador também russo que deveria ter dado o alerta de ataque nuclear para começar uma retaliação mas decidiu que deveria ser um erro do sistema, em ambos os casos todas as informações disponíveis indicavam que o ataque era a opção correta, e apenas o bom… Read more »

Emmanuel
Emmanuel
6 meses atrás

AK-47, M-16, e todas as suas variantes, mataram e matarão muito mais que robôs assassinos.
É só dar um pulinho na África, alguns países da Ásia, Oriente Médio e América Latina para ver isso.

pedro
pedro
Reply to  Emmanuel
6 meses atrás

Nao sabia que o AK-47 ou o M-16 matam pessoas! Gostaria de saber como é isso. O Fuzil sai flutuando atirando a esmo e remuniciando por si proprio? Ou será que existe um operador humano nele utilizando a arma para matar mas tambem correndo o risco de ser morto?
Essa é a grande diferença, pois sem um droide ou robo, a chance de haver perdas sempre existe e isso muitas vezes que foi o fiel da balança entre fazer guerra ou negociar. Sem essa preocupação, para que vou negociar com um inimigo se nao terei problemas de baixas?

Emmanuel
Emmanuel
Reply to  pedro
6 meses atrás

Dá uma lida sobre criança soldados.
Só isso.
Talvez a sua ignorância consiga entender o que eu escrevi.

Grifon Eagle
Grifon Eagle
6 meses atrás

Só podiam ser globalistas mesmo querendo proibir artefatos de guerra no futuro.

Pablo
Pablo
6 meses atrás

Parece que o lider desse movimento contra essas armas é o John Connor

Jacinto
Jacinto
Reply to  Pablo
6 meses atrás

kkk

pedro
pedro
6 meses atrás

Primeira vez que estou do lado desse tipo de “gente”! Certamente se estao fazendo isso é por terem percebido que seus financiadores (Globalistas) perderam a guerra por desenvolver esse tipo de produto e agora querem proibir. A guerra é natural do ser Humano e o que o faz desistir disso é seu custo. Uma vez que ele nao corre o risco de ser atingido pelo lado ruim da guerra (morte, destruição, peste, prejuizo financeiro, humilhação e etc) o mesmo irá fazer guerras a rodo! Hoje com a proliferação de drones e agora armas com IA, ter armas nucleares ou quimicas/biologicas… Read more »

Andreo Tomaz
Andreo Tomaz
6 meses atrás

Ao meu ver esse é um problema que ultrapassa o campo de batalha. E espero que a humanidade consiga resolver esse problema.

SmokingSnake ?
SmokingSnake ?
6 meses atrás

No máximo só conseguem proibir nos países lacradores ocidentais como já estão conseguindo proibir até câmeras de reconhecimento facial, e então vira mais uma vantagem tecnológica para países como China e Rússia. Uma hora vai custar caro…

Last edited 6 meses atrás by SmokingSnake ?
Bruno Vinícius
Bruno Vinícius
Reply to  SmokingSnake ?
6 meses atrás

Quem defende a proibição de câmeras com reconhecimento facial nos países desenvolvidos, via de regra, está no espectro político oposto ao dos lacradores. Geralmente com o discurso de “governo tirano”, muuuuuu. Apesar de que agora tem um povo de esquerda à la Greenwald que está começando a comprar esse discurso também.

Last edited 6 meses atrás by Bruno Vinícius
Rafael Gustavo de Oliveira
Rafael Gustavo de Oliveira
6 meses atrás

Isso vai acabar igual tratado de armas nucleares, fabricacão de minas anti pessoal, etc…..quem detem a tecnologia vai manter seu clubinho e os demais países provavelmente poderão ser fiscalizados e passível de sanções
Se o Brasil desenvolver uma nova arma revolucionária eu serei o primeiro a montar uma ong e levantar algo assim…e que ninguém mais
possa fazer algo parecido tão terrível assim, com direito a encenação na onu, tudo em nome da paz mundial…rs

Carlos Campos
Carlos Campos
Reply to  Rafael Gustavo de Oliveira
6 meses atrás

vai ganhar milhões de doláres, vai aparecer em jornais famosos, e blá blá blá.

Zé zinho
Zé zinho
6 meses atrás

Ué…porque as ONG’s não exigem o fim dos soldados autômatos das ditaduras ou dos terroristas?

Augusto
Augusto
Reply to  Zé zinho
6 meses atrás

Talvez porque muitas dessas ONG’s devem ser financiadas por esses ditadores.

Gabriel BR
Gabriel BR
6 meses atrás

Os gringos podem ficar despreocupados! tenho quase a certeza que o interesse das Forças do Brasil nessa automação toda é mínimo rsrsrsrsrsrs

Augusto
Augusto
Reply to  Gabriel BR
6 meses atrás

E logico, assim vai acabar a mamata Gabriel, kkkkkk.

Mas e capas de ainda assim aumentar mais ainda o efetivo, com a justificativa que vai precisar de mais pessoal para controlar a automação.

Renato B.
Renato B.
6 meses atrás

Inventamos armas nucleares e elas só foram usadas em combate duas vezes, armas químicas eram consideradas um avanço inevitável no início do século XX e seu uso permaneceu raro nas décadas seguintes.

A proibição é necessária e possível.

Bosco
Bosco
Reply to  Renato B.
6 meses atrás

Renato,
Eu temo que seja impossível proibir tais armas. Elas são indiferenciáveis das tecnologias civis. Se vai colocar um fuzil na mão do robô faxineira não há o que se possa fazer.
*As três leis da robótica de Asimov eram interessantes como distração mas completamente inverossímil no mundo real. Simplesmente não há como implantá-las.

Renato B.
Renato B.
Reply to  Bosco
6 meses atrás

Não existe proibição 100%, mas quanto mais proscrito for o uso dessas armas, melhor será.

Luciano
Luciano
Reply to  Renato B.
6 meses atrás

Olá, Renato. Lembrei das armas químicas tb, que teve um sucesso significatico. Com menor efetividade, faz anos que existe um esforço pra limitar outras armas que acabam afetando muito as populações civis durante e no pós conflito. É o caso das munições cluster e das minas terrestres. No casos desses veículos robôs, poderia restringi-los as funções de vigilância, reconhecimento e espionagem.

Embora a guerra ocorra nos extremos, sempre existiu uma ética que limitava ações, armas e alvos……mas tb sempre existiu quem nao respeitasse nada disso….vamos ver onde isso vai dar.

Bruno Vinícius
Bruno Vinícius
Reply to  Renato B.
6 meses atrás

As armas que você citou, além de terem um poder destrutivo enorme e de deixarem um número gigante de sequelas naqueles que sobrevivem ao ataque inicial, são incapazes de distinguir entre alvos civis e militares. Não acho que se possa dizer o mesmo destes robôs. Na minha opinião, são meros soldados, porém mais precisos.

Augusto
Augusto
Reply to  Renato B.
6 meses atrás

Renato B. não foi a proibição de tais armas que impediu delas serem usadas, mas o medo da escalada em um conflito ao usar tais armas, a maioria das potencias militares devem ter um estoque de tais armas, a mesma coisa acontece com as armas nucleares.

Aconteceu isso na SGII, os beligerantes possuíam essas armas, mas não as usaram por temerem uma repetição do que aconteceu na guerra anterior.

Renato B.
Renato B.
Reply to  Augusto
6 meses atrás

Colocar a palavra “proibição” no papel dos tratados é só a forma como a decisão se cristaliza. O que importa é que o uso dessas armas foi restringido.

Last edited 6 meses atrás by Renato B.
Rogério Loureiro Dhierio
Rogério Loureiro Dhierio
6 meses atrás

Skynet.

O próximo passo será estas armas autônomas e prontas para matar vestidas de “seres humanos”.

Bosco
Bosco
6 meses atrás

Na verdade as máquinas já tomam decisões há muito tempo. Um simples Exocet da década de 70 já toma decisões quando tem que escolher entre dois contatos de mesma magnitude na mesma área de varredura. Um pode ser um navio de cruzeiro e o outro um cruzador e o míssil pode escolher o primeiro. Toda vez que um míssil que opera no modo LOAL (trancamento depois do lançamento) sem participação humana é lançado contra um alvo ele toma decisões e nem sempre a mais acertada, daí haver as tais “regras de engajamento” e terem desenvolvido sistemas de identificação amigo-inimigo colaborativos.… Read more »

Allan Lemos
Allan Lemos
6 meses atrás

Assim que esses robôs estiverem operacionais, as potências irão incentivar os países fracos a os proibirem, enquanto elas os manterão em seus arsenais alegando “necessidade”.

Algo parecido acontecerá com os mísseis hipersônicos, quando as potências os tiverem em seus arsenais, começarão a surgir tratados, que serão impostos sugeridos para os demais países, mas que eles mesmos jamais irão aderir.

Nemo
Nemo
6 meses atrás

Pensem nos bilhões de dólares que já devem estar sendo investidos nessas tecnologias e o que já devecestar pronto para uso. Também na zona cinza que existe entre uma máquina realmente autônoma e um sistema sob uma forma de controle humano. Finalmente qual potência está disposta a abrir mão dessa tecnologia. Um colega acima lembrou do John Connors, espero que a Sarah o treine bem.

Teropode
6 meses atrás

Quanta bobagem ???, na verdade não há diferença entre ser morto por uma entidade de silício ou por um macaco , o objetivo é o mesmo . Este pessoal deveria se preocupar com o preço do algodão doce , aqui em BH o preço subiu muito ….

Alexandre
Alexandre
6 meses atrás

Me fez lembrar o Exterminador do Futuro agora rsrsrs

Willber Rodrigues
Willber Rodrigues
6 meses atrás

Impossível proibir isso. Essa tecnologia já passou do “ponto de não retorno” a muito tempo.
Além do mais, com a população de democracias ocidentais cada vez menos tolerantes com a idéia de seus militares voltando pra casa em sacos pretos após ter sido morto por uma IED em algum sh*thole qualquer, os governos recorrerão cada vez mais pra drones e robôs fazerendo o máximo de trabalho sujo possível no campo de batalha.

sóestoudepassagem
6 meses atrás

Nada. Esquece robôs, esquece meteoro e esquece guerra nuclear.
O que vai decidir o futuro da humanidade será o genocídio pela arma biológica.
Populações com o DNA marcados geneticamente sumirão do planeta como no estalar de dedo do Thanos. A ironia nisso é que antes do extermínio essas populações pedirão para serem marcadas.

Bosco
Bosco
Reply to  sóestoudepassagem
6 meses atrás

Isso me lembra uma certa vacina que não serve pra nada mas todo mundo é obrigado a tomar…

Francisco
Reply to  Bosco
6 meses atrás

Discordo amigo Bosco, a vacina tem funcionado bem demais, acredito que até além do esperado, é só entender o real propósito para qual ela foi “criada”.

Renato B.
Renato B.
Reply to  Francisco
6 meses atrás

Enquanto a vacina funcionar melhor que a doença ela vale todo o investimento.

Carlos Campos
Carlos Campos
Reply to  sóestoudepassagem
6 meses atrás

olha, andei vendo uma teorias aí um tempo atrás e a maior parte delas tá em caminho de se concretizar, eu diria que vc é louco, mas hj te dou um certo crédito.

Reinaldo Deprera
Reinaldo Deprera
6 meses atrás

Se a consciência do Pentágono for parecida com a minha e, se estivéssemos na década de 90 do século XX, sabendo que os EUA já tinham tecnologia para criar inteligência artificial e robôs para fazer guerra e, inclusive, substituir a infantaria. Certamente começaria a ocultar todo o tipo de sistema de armas e pesquisas nesse campo e de vez em quando soltaria uma desinformação para o público já me antecipando ao óbvio: este tipo de reação de setores da sociedade. Como não estamos na década de 90 do século passado, só tenho uma coisa a dizer para o Secretário e… Read more »

Carlos Campos
Carlos Campos
Reply to  Reinaldo Deprera
6 meses atrás

e quem disse que não existe algo assim? tu acha que a China e o EUA fazem computadores quânticos para rodar o joguinho em 100000000 fps?

Vincenzzo
Vincenzzo
6 meses atrás

Cylon? Cade o Battlestar Galactica?!

Mattos
Mattos
6 meses atrás

Enquanto isso Rússia e China se armam e e avançam na qualidade e o Ocidente fica descutindo banheiro junto para homens e mulheres, ideologia de genero e outras baboseira globalistas> Ocidente com um pé na cova>

Mattos
Mattos
6 meses atrás

Nossa soberania depende de termos a bomba atômica> Sem ela para nos impormos perantes os cretinos que querem a nossa Amazônia> Ninguém se atreve a tentar qualquer coisa contra um pa´´is possuidor da boma>

Últimas Notícias

Apresentação sobre Estudos Estratégicos – Prof. Dr. Vitelio Brustolin

O Prof. Dr. Vitelio Brustolin, Professor de Direito Internacional, Organizações Internacionais e Estudos Estratégicos do INEST/UFF e pesquisador da...
- Advertisement -
- Advertisement -