quarta-feira, dezembro 7, 2022

Saab RBS 70NG

Forças Armadas da Argentina encomendam o RBS 70 NG

Destaques

Redação Forças de Defesa
Redação Forças de Defesa
redacao@fordefesa.com.br

A Saab recebeu o pedido para o sistema RBS 70 NG das Forças Armadas da Argentina.

A Marinha da Argentina é usuária do RBS 70 desde 1984 e agora está atualizando os sistemas de defesa antiaérea de curto alcance para o mais recente RBS 70 NG. O contrato envolve uma expansão do uso do sistema RBS 70 NG para a Força Aérea e o Exército do país. Os sistemas RBS 70 NG, simuladores de treinamento e mísseis entregues serão utilizados pelo Exército, Marinha e Força Aérea argentina.

“Esperamos fortalecer ainda mais a defesa antiaérea das Forças Armadas da Argentina. Com esse recurso, eles terão o sistema de defesa antiaérea de curto alcance mais moderno do mercado, guiado por laser e com imunidade a interferência, bem como com visão noturna”, diz Görgen Johansson, head da área de negócios Dynamics na Saab.

O RBS 70 NG é a mais nova versão do sistema de defesa antiaérea baseado em terra de curto alcance da Saab. Com essa compra, cinco países já assinaram contratos para o RBS 70 NG, incluindo a República Checa, Brasil e Suécia.

Sobre a Saab

A Saab é uma empresa líder no segmento de defesa e segurança com a contínua missão de ajudar nações a manter a segurança da população e da sociedade. Com a força de 18.000 talentos, a Saab está em constante expansão das fronteiras tecnológicas para criar um mundo mais seguro, sustentável e igualitário. A Saab desenvolve, produz e mantém sistemas avançados em aeronáutica, armamentos, comando e controle, além de sensores e sistemas subaquáticos. A Saab tem sua sede na Suécia, tem operações de grande porte em todo o mundo e faz parte dos recursos de defesa de diversas nações.

DIVULGAÇÃO: Saab / Publicis Consultants

- Advertisement -

35 COMMENTS

Subscribe
Notify of
guest

35 Comentários
oldest
newest most voted
Inline Feedbacks
View all comments
Camargoer.
Camargoer.
9 meses atrás

Olá Colegas. Apenas para contribuir para a discussão, em 2017 o EB comprou nove sistemas de disparo, incluindo mísseis, sistemas de visão noturna, simuladores, sistemas de camuflagem e treinamento por US$ 12,7 milhões. O EB tinha comprado 16 sistemas RBS 70 em 2014 (também incluindo sistemas de visão noturno, treinamento, mísseis e peças de reposição) para serem usados durante os Jogos Olímpicos no Rio de Janeiro, pelo que apurei por R$ 27 milhões (cerca de US$ 12 milhões na época). No começo deste ano, o EB comprou mais 50 mísseis do RBS 70 por US$ 2,95 milhões.

glasquis 7
Reply to  Camargoer.
9 meses atrás

Essas quantidades são para avaliação ou são complementares?

Jadson S. Cabral
Jadson S. Cabral
Reply to  glasquis 7
9 meses atrás

50 mísseis para avaliação eu acho muito difícil. Esse sistema já está em uso há muito tempo aqui. Suponho que seja complementar mesmo.

glasquis 7
Reply to  Jadson S. Cabral
9 meses atrás

Obrigado pela informação.

Camargoer.
Camargoer.
Reply to  glasquis 7
9 meses atrás

Olá Glasquis. Pelo que li foram mísseis para complementar o arsenal. O Jadson tem razão sobre o EB ter bastante experiência como RBS 70. Acho que é o grande problema de sempre. O estoque é grande para tempos de paz e pequeno para períodos de guerra.

glasquis 7
Reply to  Camargoer.
9 meses atrás

Obrigado pela informação.

Leonardo
Leonardo
9 meses atrás

Muito bem pela Argentina.

PauloR
PauloR
9 meses atrás

Adiantando o comentário do brasileiro com Síndrome de Dona Florinda: Eles tem dinheiro pra isso??

Camargoer.
Camargoer.
Reply to  PauloR
9 meses atrás

Olá Paulo. A Argentina renovou o acordo com o FMI, garantindo cerca de US$ 40 bilhões para o financiamento do seu comércio exterior, que é o grande gargalo economia argentina. A compra deste material militar (fazendo um comparativo com os contratos do EB) seriam da ordem de US$ 10 milhões (nem sabemos se é um pagamento á vista ou parcelado) é relativamente baixo para o tamanho da economia da Argentina, da ordem de US$ 425 bilhões. Supondo uma carga fiscal da ordem de 30% (lembrando que a OCDE tem uma carga média de 32%), dá para assumir que a arrecadação… Read more »

Luís Henrique
Luís Henrique
Reply to  Camargoer.
9 meses atrás

A Colômbia que tem PIB menor que a Argentina, investe mais de U$ 10 bi por ano no orçamento militar. Esses U$ 3 bi da Argentina se devem aos problemas econômicos dos últimos anos e do descaso dos últimos governos. Se o governo atual resolver fortalecer laços com China e Rússia e aumentar o poder militar para tentar negociar a questão das ilhas Malvinas, a Argentina poderá dobrar e até triplicar esse orçamento nos próximos anos, tudo depende de vontade política.

Camargoer.
Camargoer.
Reply to  Luís Henrique
9 meses atrás

Caro Luis. A Colômbia é o país latino americano que tem os maiores gastos relativos com defesa (3,3%). enquanto que o Brasil é o país que mais gasta em valores absolutos (US$ 20 bilhões, ou cerca de 1,2% do PIB). Enquanto o Chile gasta cerca de US% 5 bilhões (para um PIB de US$ 250 bilhões). Todos sabemos que a Argentina tem cortado os gastos militares para privilegiar outras áreas, mas mesmo assim seria um exagero dizer que a Argentina não teria recursos para o RBS70.

Thiago A.
Thiago A.
Reply to  Luís Henrique
9 meses atrás

Só para complementar as informações . A Colômbia recebe quase meio bilhão de dólares todos os anos como assistência dos norte-americanos.

Ivan
Ivan
9 meses atrás

Boa compra.
Padronização interessante.

Antunes 1980
Antunes 1980
9 meses atrás

Se estes equipamentos estivessem disponíveis 2 anos antes, o massacre da força área britânica sobre as posições argentinas em terra, não teria ocorrido.
Depender apenas de canhões para defesa de curto alcance nos tempos atuais, é insano.

Glasquis7
Reply to  Antunes 1980
9 meses atrás

Acho que não faria muita diferença. A Inglaterra usou os Harrier e esse sistema tem apenas 9 km de alcance com até 5 km de altura.

Antunes 1980
Antunes 1980
Reply to  Glasquis7
9 meses atrás

Em vídeos no YouTube gravado pelo argentinos, os Harries davam rasantes a baixíssima altitude….

glasquis 7
Reply to  Antunes 1980
9 meses atrás

Sim mas precisa de um certo tempo para travar no alvo.

Jadson S. Cabral
Jadson S. Cabral
Reply to  Antunes 1980
9 meses atrás

Davam rasante a baixíssima altitude justamente pq sabiam que os argentinos não tinham baterias de artilharia antiaéreas modernas. Se tivessem, os ingleses mudariam de tática rapidinho depois de perder os primeiros caças

glasquis 7
Reply to  Jadson S. Cabral
9 meses atrás

Além do mais, há 40 anos os recursos de aquisição de alvos pra uma defesa como essa eram bem menos eficientes que os de hoje.

E a 10 KM os Harrier já podiam realizar ataques

rdx
rdx
Reply to  Jadson S. Cabral
9 meses atrás

Perderam 4 Harrier dessa forma; outros foram danificados.

glasquis 7
Reply to  rdx
9 meses atrás

Tenho entendido que apenas um Harrier foi derrubado pelo Roland e um por SAM. As outras perdas foram por outras armas

rdx
rdx
Reply to  Antunes 1980
9 meses atrás

Na verdade, os britânicos perderam 2 Harrier para SAM (Blowpipe e Roland) e 2 Harrier para o GDF 35mm. O sistema argentino mais termido pelos britânicos era o Roland. Este foi destruído por um míssil Shrike.

Os argentinos empregaram durante a guerra os seguintes SAM: Blowpipe, Roland, Tigercat e SA-7.

Curiosamente, o RBS-70 tem desempenho similar ao do Roland.

Bosco
Bosco
Reply to  rdx
9 meses atrás

RDX
Não tinha visto seu comentário.
Não me lembrava do Tigercat ter sido adotado pelos argies.
Valeu!
*Acho que o Roland foi capturado inteiro.

rdx
rdx
Reply to  Bosco
9 meses atrás

Os britânicos teriam encontrado 7 lançadores na Ilha.

comment image

Bosco
Bosco
Reply to  rdx
9 meses atrás

Mas será que estavam funcionais, com todo o sistema de controle de tiro?

rdx
rdx
Reply to  Bosco
9 meses atrás

Provavelmente.
Tudo sobe a AAA argentina durante a guerra das Malvinas
https://en.wikipedia.org/wiki/GADA_601
https://es.wikipedia.org/wiki/Grupo_de_Artiller%C3%ADa_Antia%C3%A9reo_601

Last edited 9 meses atrás by rdx
rdx
rdx
Reply to  Bosco
9 meses atrás

Verdade. Ato falho. Os britânicos destruíram 1 EDT Skyguard com míssil Shrike. O lançador Roland foi encontrado intacto e levado para a Inglaterra.

Last edited 9 meses atrás by rdx
rdx
rdx
Reply to  rdx
9 meses atrás

Os argentinos também usaram AAA 20 mm (Rheinmetall) e 30 mm (Hispano-Suiza) na ilha.

rdx
rdx
Reply to  rdx
9 meses atrás

Digo, temido.

Bosco
Bosco
Reply to  Antunes 1980
9 meses atrás

Antunes,
Só como curiosidade, os argentinos levaram para as Malvinas o SA-7, o Blowpipe e um veículo Roland.
Foram creditados aos Blowpipe e ao Roland o abate de 1 Harrier e 1 Sea Harrier , que por conta disso passaram a atacar acima de 5000 metros.
Os Harriers na época não eram compatíveis com mísseis Maverick e a bomba guiada PaveWay II só estava operando na época junto aos Harriers dos Marines.
Tivessem levado essas armas e poderiam ter atacado fora do envelope dos citados mísseis.

Kornet
Kornet
Reply to  Bosco
9 meses atrás

Bosco,os ingleses não usaram o paveway nas Malvinas?

Bosco
Bosco
Reply to  Kornet
9 meses atrás

Usaram Kornet. Em poucas quantidades e necessitavam dos alvos serem iluminados por equipes em terra.
Me equivoquei.
Inclusive uma das fotos mais clássicas da guerra é a de um SeaHarrier no convés com uma Paveway dependurada.

Teropode
9 meses atrás

O melhor , mais confiável e mais prático , até os Russos gostariam de encomendar algumas centenas de unidades .

MATHEUS AUGUSTO
MATHEUS AUGUSTO
Reply to  Teropode
9 meses atrás

Se têm uma coisa que acho que os Russos não precisam encomendar de ninguém é defesa anti aérea…

Carlos Pietro
Carlos Pietro
9 meses atrás

Parabéns para os Argentinos. Excelente aquisição. Padronizando o equipamento para as três forças. Excelente. Que sirva de exemplo.

Últimas Notícias

Perdido em mentiras: acompanhando as reivindicações da propaganda russa

Por Stijn Mitzer e Joost Oliemans (*) Poucos países usaram a desinformação como arma na medida em que a Rússia...
Parceiro

- Advertisement -
- Advertisement -