quinta-feira, junho 30, 2022

Saab RBS 70NG

Infográficos: presença militar dos Estados Unidos em todo o mundo

Destaques

Redação Forças de Defesa
redacao@fordefesa.com.br

Os EUA controlam cerca de 750 bases em pelo menos 80 países em todo o mundo e gastam mais em suas forças armadas do que os 10 países seguintes juntos

Nas primeiras horas da manhã de 31 de agosto de 2021, os últimos soldados americanos decolaram do aeroporto de Cabul, encerrando oficialmente a guerra de 20 anos no Afeganistão, a mais longa da história dos EUA.

Em seu auge em 2011, os EUA tinham aproximadamente 100.000 soldados em pelo menos 10 bases militares de Bagram a Kandahar. No total, mais de 800.000 soldados americanos serviram na guerra, segundo o Pentágono.

Embora nenhuma tropa dos EUA permaneçam no terreno hoje, o presidente dos EUA, Joe Biden, disse que seus militares continuarão a realizar ataques aéreos contra alvos inimigos de “além do horizonte” – missões aéreas de uma vasta rede de bases dos EUA na região.

Mais de 750 bases dos EUA em todo o mundo

Segundo David Vine, professor de antropologia política da American University em Washington, DC, os EUA tinham cerca de 750 bases em pelo menos 80 países em julho de 2021.

O número real pode ser ainda maior, pois nem todos os dados são publicados pelo Pentágono.

Com 120 bases ativas, o Japão tem o maior número de bases dos EUA no mundo, seguido pela Alemanha com 119 e Coreia do Sul com 73.

Clique no infográfico para ampliar

Os locais das bases militares dos EUA se enquadram em duas categorias principais:

Grandes bases ou “Bases”: Definidas como instalações militares com mais de 4 hectares (10 acres) ou com valor superior a US$ 10 milhões. Essas bases normalmente têm mais de 200 militares dos EUA. 439 ou 60% das bases estrangeiras dos EUA se enquadram nessa categoria.

Bases pequenas ou “Lily Pads”: Essas bases são menores que 4 hectares (10 acres) ou têm um valor inferior a US$ 10 milhões. Isso inclui locais de segurança cooperativa e sites operacionais avançados. Os 40% restantes das bases estrangeiras dos EUA se enquadram nessa categoria.

De acordo com dados globais de implantação militar dos EUA publicados no Conflict Management and Peace Science Journal, os EUA tinham cerca de 173.000 soldados implantados em 159 países a partir de 2020.

Como as bases dos EUA, os países com o maior número de tropas americanas incluem o Japão com 53.700, a Alemanha com 33.900 e a Coreia do Sul com 26.400.

Presença militar dos EUA no Oriente Médio

De acordo com o Instituto Watson da Brown University, entre 1,9 e três milhões de militares dos EUA serviram no Afeganistão e no Iraque desde 2001, com mais da metade deles destacados mais de uma vez.

A maior instalação militar dos EUA no Oriente Médio é a Base Aérea de Al Udeid, localizada a oeste de Doha, no Catar. Estabelecida em 1996, abriga cerca de 11.000 militares americanos e da coalizão. Cobrindo uma área de 24 hectares (60 acres), a base acomoda quase 100 aeronaves e drones.

Em 7 de outubro de 2001, os EUA, sob o comando do presidente George W. Bush, invadiram o Afeganistão após os ataques de 11 de setembro. A coalizão que ele liderou acusou o regime talibã de abrigar Osama bin Laden, o líder da Al-Qaeda que reivindicou a responsabilidade pelos ataques.

Estima-se que 241.000 pessoas morreram como resultado direto da guerra desde 2001, de acordo com o projeto Costs of War da Brown University. Além disso, centenas de milhares mais, principalmente civis, morreram devido à fome, doenças e ferimentos causados ​​pela guerra devastadora.

Em 2003, os EUA invadiram o Iraque depois de acusar o líder iraquiano de longa data Saddam Hussein de ter armas de destruição em massa – nenhuma foi encontrada. No seu auge em 2007, os EUA tinham cerca de 170.000 soldados no país. Hoje, há cerca de 2.500 soldados americanos no país como parte de um acordo de segurança com o governo iraquiano.

Presença militar dos EUA no Japão e na Coreia do Sul

Os EUA estão no Japão desde o fim da Segunda Guerra Mundial (1939-1945) e na Coreia do Sul desde a Guerra da Coreia (1950-1953).

Quase metade de todos os militares dos EUA implantados no exterior, cerca de 80.100 americanos, estão estacionados no Japão com 53.700 e na Coreia do Sul com 26.400.

A Coreia do Sul hospeda Camp Humphreys, a maior base militar dos EUA no exterior, localizada a aproximadamente 65 km (40 milhas) ao sul da capital Seul.

A base de 1.398 hectares (3.454 acres) é uma das 80 bases do país e fica a menos de 100 km (60 milhas) da zona desmilitarizada fortemente fortificada que demarca a Coreia do Norte da Coreia do Sul.

Presença militar dos EUA na Europa

A Europa abriga pelo menos 60.000 soldados americanos. Com 33.900, a Alemanha tem o maior número de soldados dos EUA na Europa – e o segundo maior do mundo – seguido pela Itália com 12.300 e pelo Reino Unido com 9.300. No entanto, o número de tropas americanas estacionadas na Alemanha caiu mais da metade entre 2006 e 2020, caindo de 72.400 para 33.900.

A Base Aérea de Ramstein, na Alemanha, é o maior centro de tropas e suprimentos militares dos EUA na Europa. Do lado de fora da base de 1.200 hectares (3.000 acres) está o Landstuhl Regional Medical Center, o maior hospital militar dos EUA fora dos EUA. A instalação foi usada extensivamente durante as guerras do Afeganistão e do Iraque e tratou milhares de soldados feridos.

Como quase todas as bases dos EUA, Ramstein está equipada com hospitais, escolas, centrais elétricas, complexos de apartamentos e uma série de amenidades muitas vezes referidas como “Burger Kings e pistas de boliche”.

Presença militar dos EUA na América Latina

Localizada na ponta leste de Cuba, a base naval da Baía de Guantánamo é a base militar mais antiga dos EUA no exterior. A instalação de 116 quilômetros quadrados (45 milhas quadradas) está sob controle americano desde o final do século XIX.

A base é uma questão muito debatida entre os EUA e Cuba. Durante décadas, Cuba insistiu que os EUA devolvam o território que tomou à força em 1898 e posteriormente arrendado permanentemente em 1903.

Implantação de tropas dos EUA desde 1950

Nos últimos 70 anos, as forças armadas dos EUA foram enviadas para mais de 200 países e territórios.

O infográfico abaixo mostra um breve histórico de onde os EUA implantaram suas tropas desde o final da Segunda Guerra Mundial, juntamente com as guerras em que lutou.

1950-1953

Após a rendição dos japoneses aos Aliados que encerrou a Segunda Guerra Mundial, os EUA e a União Soviética dividiram a Coreia, que estava sob domínio japonês, ao longo do paralelo 38, dividindo aproximadamente a península coreana.

Em 25 de junho de 1950, as forças norte-coreanas, apoiadas pela China e pela União Soviética, invadiram o Sul, desencadeando o início da Guerra da Coréia. Aliados ao Sul, os EUA mobilizaram cerca de 1,78 milhão de soldados durante a guerra de três anos.

Estima-se que entre 2 a 3 milhões de civis morreram durante a guerra. De acordo com o Departamento de Defesa dos EUA, os EUA sofreram 33.739 mortes em batalha. Nenhum tratado de paz formal foi assinado.

1955-1975

As tensões entre os EUA e a União Soviética continuaram a crescer no Sudeste Asiático nas décadas de 1950 e 1960. O principal conflito opôs o governo comunista do Vietnã do Norte contra o Vietnã do Sul e seu aliado, os EUA.

Mais de 3,4 milhões de soldados dos EUA foram enviados ao Sudeste Asiático; mais de três milhões de pessoas, incluindo mais de 58.000 americanos, foram mortos na guerra.

Em 29 de março de 1973, as últimas tropas de combate dos EUA deixaram o Vietnã. Dois anos depois, em 30 de abril de 1975, as forças comunistas tomaram o controle do Vietnã do Sul e encerraram a guerra.

1990-1991

Em 2 de agosto de 1990, o exército iraquiano invadiu o Kuwait, uma pequena nação rica em petróleo ao sul do país. Uma semana depois, em 9 de agosto, os EUA iniciaram a Operação Escudo do Deserto e enviaram milhares de tropas para a Arábia Saudita.

Durante a breve guerra, cerca de 694.550 soldados americanos foram enviados para a região. Em 28 de fevereiro de 1991, o presidente dos EUA, George HW Bush, declarou um cessar-fogo e, em 3 de abril do mesmo ano, a ONU aprovou uma resolução formalmente encerrando o conflito.

2001-2021

O período que se seguiu aos ataques de 11 de setembro e à declaração de guerra ao Afeganistão em 2001 e ao Iraque em 2003 viu um grande aumento de tropas no exterior. Pelo menos 800.000 americanos serviram no Afeganistão e mais de 1,5 milhão no Iraque nos últimos 20 anos.

Estima-se que o custo humano das guerras tenha matado mais de 900.000 pessoas – a maioria civis.

Gastos militares dos EUA desde 1950

Em 2020, os EUA gastaram US$ 778 bilhões em suas forças armadas – o maior gastador militar do mundo e mais do que os próximos 10 países juntos – de acordo com o Instituto Internacional de Pesquisa para a Paz de Estocolmo (SIPRI).

A China ficou em segundo lugar com US$ 252 bilhões, seguida pela Índia com US$ 73 bilhões, a Rússia com US$ 62 bilhões e o Reino Unido com US$ 59 bilhões.

Os EUA gastaram US$ 2,1 trilhões nas guerras no Iraque e na Síria, e US$ 355 bilhões foram atribuídos a outras guerras.

O restante do dinheiro inclui mais de US$ 1 bilhão em pagamentos de juros pelas enormes quantias de dinheiro emprestadas para financiar as guerras, bem como mais de US$ 2,2 bilhões em obrigações para cuidar de veteranos nos próximos 30 anos.

Isso significa que, mesmo depois que os EUA deixarem o Afeganistão, continuarão a pagar pelas guerras nos próximos anos.

FONTE: Al Jazeera

- Advertisement -

30 COMMENTS

Subscribe
Notify of
guest
30 Comentários
oldest
newest most voted
Inline Feedbacks
View all comments
Marcelo
Marcelo
4 meses atrás

Alguém saberia informar qual base corresponde aquele ponto vermelho na costa sul Chinesa?

Gilson Moura
Gilson Moura
Reply to  Marcelo
4 meses atrás

HK. Mas essa “presença” militar já foi devidamente expulsa ainda no governo Trump. Os EUA não tinham base em HK, mas tinham um grande destacamento do USMC em consulados.

Obs: Não leve muito a sério esses mapas, a maioria destes formatos de mapa contém grandes inconsistências que com uma pesquisa rápida você atestará.

Gilson Moura
Gilson Moura
4 meses atrás

O custo deste deployment é em torno de US$120-150 bi.

Gilson Moura
Gilson Moura
Reply to  Gilson Moura
4 meses atrás

Como podem ver, eu sou muito estimado pela patota aqui.

César
Reply to  Gilson Moura
4 meses atrás

Não leve pro lado pessoal. Qualquer canhoto aqui é ¨muito estimado¨ pela imensa maioria dos leitores que ¨adoram¨ ver as suas ¨opiniões¨.

Gilson Moura
Gilson Moura
Reply to  César
4 meses atrás

Mas eu não sou canhoto. Eu escrevo com a mão direita e também chuto a bola com a perna direita.

Antoniokings
Antoniokings
Reply to  Gilson Moura
4 meses atrás

Os gastos da Índia só de 75 bilhões?
Rússia 62 bi?
Reino Unido 59?
Isso está parecendo que os gastos foram calculados pela conversão direta dos valores em moedas locais para o dólar.

Quem tem moeda mais valorizada parece que gastou muito.
Quem tem moeda pouco valorizada que gastou pouco.

Gilson Moura
Gilson Moura
Reply to  Antoniokings
4 meses atrás

Alguns países sofreram queda nos gastos militares em 2020 por conta da pandemia, os valores pré-pandemia dos gastos militares devem retornar esse ano ou mesmo ser ultrapassado, isso pela maioria dos países que realmente reduziram os gastos com a defesa.

Mas em um ponto você está certo, a conversão pela maneira nominal não reflete essencialmente os gastos militares reais de um país, mas esses valores são muito difíceis de serem analisados.

Bruno Vinícius
Bruno Vinícius
4 meses atrás

Por que o sistema de ICBMs americanos estaria obsoleto? Por acaso o Minuteman é incapaz de cumprir seu papel de levar uma ogiva nuclear ao seu alvo na China ou Rússia? Antiquado? Certamente. Obsoleto? Não. E vale salientar também que o Trident II, míssil balístico de alcance intercontinental utilizado nos submarinos da classe Ohio é um dos mais modernos e capazes do mundo, não devendo em nada aos ICBMs russos lançados por terra.

Last edited 4 meses atrás by Bruno Vinícius
Jackson
Jackson
4 meses atrás

Porque Brasil está azul quando mostra América central, 100 tropas?

Gilson Moura
Gilson Moura
Reply to  Jackson
4 meses atrás

Destacamento de fuzileiros para proteção da embaixada e dos consulados, e não são 100 militares propriamente destacado, o número varia de 11-100 militares.

sergio
sergio
4 meses atrás

Mais o Universo continua a se expandir cada vez mais rápido, então isso não e uma certeza universal.

Teropode
Reply to  sergio
4 meses atrás

Bobajada !

Andre
Andre
Reply to  sergio
4 meses atrás

Não existe o movimento de contração do universo. Pare de inventar bobagens.

Oráculo
Oráculo
4 meses atrás

Alguns pontos que me chamam a atenção: A presença de tropas americanas na Europa é muito grande, mais de 60 mil soldados. Porém creio ser o menor número desde o fim da 2ª Guerra mundial. Ou seja, a política de diminuir as tropas na Europa para focar no pacífico, é um fato, Mais de 80 mil soldados americanos estão na Coréia do Sul e no Japão. Os EUA possum praticamente 2 exércitos(num modo simplista fazer as contas) na “fronteira” com a China. É um baita de um problema paras os Chineses. O Tio Sam desistiu do Oriente Médio. Aparentemente a… Read more »

Antoniokings
Antoniokings
4 meses atrás

Adoro esse tipo de notícia.
Ainda mais quando vem seguida de outra do tipo: Deficit publico americano bate recorde

cnnbrasil.com.br/business/eua-divida-publica-supera-us-30-trilhoes-pela-primeira-vez-em-meio-a-pandemia/

Francisco
Reply to  Antoniokings
4 meses atrás

Sai quanto do teu bolso?

Antoniokings
Antoniokings
Reply to  Francisco
4 meses atrás

Isso ‘não tem preço’.

Rogério Loureiro Dhiério
Rogério Loureiro Dhiério
4 meses atrás

Isso que é Domínio Global Total.
Se uma mosca pisca aqui ou um percevejo peida ali, os EUA sabem antes, agem antes, espionam antes, pressionam antes, estrangulam antes, ou seja, vantagem em tudo, em primeiro lugar e de forma inquestionável.

Para o inferno as justificativas, as narrativas ou as historias que ficam nos livros, que se dane o chororo livre…o que importa em é o PODER.
E isso, somente eles teem.

Dai vem a pergunta. Se não fossem eles, seriam quem? Certamente outro alguém no papel de domínio total.

Resumo. Mundo sendo mundo.
A assim vai.

Antoniokings
Antoniokings
Reply to  Rogério Loureiro Dhiério
4 meses atrás

Pois os afegãos peidaram muito e os americanos nem sentiram o cheiro, né?.
Pelo gráfico, percebe-se que o ‘apogeu’ americano foi na década de 60 até 70.
Só que eles tiveram o azar de ter outra superpotência, talvez até mais poderosa que ela militarmente (URSS), que atrapalhou seus planos.
Agora, a briga está perdida.
Com o País endividado e dividido, não teria muita chance contra uma superpotência.
Quanto mais contra duas.
Já era!

Nelson Junior
Nelson Junior
Reply to  Rogério Loureiro Dhiério
4 meses atrás

Perfeito !!!

Maurício.
Maurício.
4 meses atrás

Tem uns países aí que exalam liberdade e democracia, tipo, Arábia Saudita, Oman, Kuwait, Egito, Turquia, EAU, Jordânia, Bahrein e Qatar.
Será que nesses países os militares americanos são livres ou só são livres dentro das bases? Duvido que algum militar americano cristão saia na rua com uma Bíblia na mão, dúvido que façam um culto em alguma praça por exemplo.

Gilson Moura
Gilson Moura
Reply to  Maurício.
4 meses atrás

A população desses países composta por islâmicos nunca se agradaram com a permanência permanente de militares americanos, o Fernando Ulrich em um vídeo, ele afirmou que trabalhou em Dubai durante um período antes da crise de 2008, na qual ele mesmo viu isso presencialmente. É uma questão de tempo até a retirada efetiva dos EUA no OM, pode demorar, mas ocorrerá. E não pense que isso não acontece apenas com os americanos não, os franceses também serão “expulsos” e outros países que mantém presença permanente na região, nessa anarquia política do OM se torna uma questão de um patamar acima… Read more »

Zé Rato
Zé Rato
4 meses atrás

Aqui em Portugal, existe a Base Aérea das Lajes, nos Açores, que passa quase despercebida, onde a presença de militares americanos é praticamente residual, mas que assume importância fulcral em termos logísticos de cada vez que os EUA se encontram envolvidos em algum conflito na Europa ou Médio Oriente. Nessas alturas, estacionam aí alguns aviões de reabastecimento em voo, que reabastecem os caças-bombardeiros ou aviões de transporte que cruzam o Atlântico. Depois segue-se um segundo reabastecimento em voo a partir de outra base de Espanha ou Itália, antes desses aviões chegarem ao seu destino final. Também possibilita a aterragem de… Read more »

Nelson Junior
Nelson Junior
4 meses atrás

Os Japoneses durante muito tempo invadiram, exploram, estupraram, mataram em quase todos os países do leste asiático: Coréia, China, Cingapura, Malásia, Hong Kong, Tailândia, Etc… Esses países tem “muito ressentimento” dos Japoneses, oriundos do seu “imperialismo expansionista”, e pode ter certeza que depois de ter ganho a segunda Guerra contra o Japão, Se não fosse os EUA se comprometerem a DEFENDER o Japão, eles hoje seriam território Chines, ou talvez até Coreano ou Russo… Então acho que em vez de “usar focinheira” eles tem uma grande gratidão aos Americanos, tanto que não pensam 2x na hora de ajudar os EUA… Read more »

Luciano do Prado
4 meses atrás

Impressionante como uma nação milenar como o Japão, foi subjugado pelo EUA e colocado numa coleira.

Ivanmc
Ivanmc
Reply to  Luciano do Prado
4 meses atrás

Bombardeamentos atômicos das cidades de Hiroshima e Nagasaki foram dois bombardeios realizados pelos Estados Unidos contra oImpério do Japão durante os estágios finais da Segunda Guerra Mundial, em agosto de 1945.

Teropode
Reply to  Luciano do Prado
4 meses atrás

E estão no lucro pois se caíssem na mão dos russos não teriam Toyota , Honda , Kawasaki , certamente teriam armas nucleares e muita fome , fome mesmo , aí ponto de estarem comendo casca de árvore como seus primos NC , japas são felizes e não ligam pra sua opinião , simples assim …

Luciano do Prado
Reply to  Teropode
4 meses atrás

Caramba, que argumento pobre, quer dizer que passar de uma nação de guerreiros, para uma paz e amor na marra, é estar na vantagem?

Andre
Andre
4 meses atrás

Não existe essa “lei universal” de que depois da expansão, segue-se a contração. Na verdade o universo segue em expansão acelerada e, com as observações atuais, não existe nenhuma expectativa do universo se contrair novamente.

Os japoneses não se sentem humilhados e não tem qualquer remorso em relação aos americanos, ao contrário, sentem remorso em relação a seus lideres militares dos anos 1930 e 1940 e sentem vergonha do que fizeram em todo extremo oriente.

Você está com a criatividade ótima hein. Inventou uma lei universal, imbuiu um sentimento a todo um povo…tudo isso para mostrar como você é anti-EUA.

Últimas Notícias

Apresentação sobre Estudos Estratégicos – Prof. Dr. Vitelio Brustolin

O Prof. Dr. Vitelio Brustolin, Professor de Direito Internacional, Organizações Internacionais e Estudos Estratégicos do INEST/UFF e pesquisador da...
- Advertisement -
- Advertisement -