segunda-feira, novembro 28, 2022

Saab RBS 70NG

SPETSNAZ – As Forças Especiais Russas

Destaques

Redação Forças de Defesa
Redação Forças de Defesa
redacao@fordefesa.com.br

Por Sérgio Santana*

Origens – A Brigada OMSBON (sigla russa para Brigada Independente de Fuzileiros Motorizados para Funções Especiais, que existiu entre 1941 e 1945, mas que em 1943 foi designada como um destacamento, OSNAZ, sendo voltado para reconhecimento/sabotagem.

Com 10.500 homens subordinados ao NKVD, órgão antecessor da famosa KGB), foi o “embrião” a partir do qual se originaram as unidades do então Exército soviético – hoje russo – conhecidas como SPETSNAZ, “tropas especiais”, embora este termo se aplique a qualquer tropa capaz de exercer funções além daquelas típicas de uma força.

A reativação de tais tropas, antes encarregadas de guerrilhas contra forças nazistas, foi autorizada em 24 de outubro de 1952, então devendo penetrar e neutralizar centros de comando, bases estratégicas e de lançamento de armas nucleares das potências ocidentais, iniciativa em muito motivada pelo teste da primeira bomba H que seria testada no Atol de Eniwetok (Oceano Pacífico) uma semana depois, capacidade que seria obtida pela URSS apenas em 1955. Em 1953, o Exército Vermelho tinha 11 Companhias Independentes de Finalidades Especiais (ORSN), cada um com 120 militares em quatro pelotões, cujo valor foi confirmado pelos efeitos psicológicos sofridos pelos soldados expostos à detonação a 350m de altura de uma ogiva de 40 kilotons em Totsk, durante dezembro de 1954. Ficou evidente a necessidade de uma tropa especializada na destruição de armas nucleares antes que fossem usadas.

Tais unidades, subordinadas ao Primeiro Diretório de Inteligência (GRU) do Exército, foram aumentadas em 1957 para cinco Batalhões e renomeadas OBSP, que sete anos depois, como resultado da Crise Cubana dos Mísseis, sofreram nova ampliação, somando 10 Brigadas, cinco Batalhões e diversas Companhias Independentes, todas essas formações passando a serem designadas SPETSNAZ pouco tempo depois. Atualmente, há sete Brigadas Separadas de SPETSNAZ no Exército russo e suas operações serão apoiadas em um futuro próximo por doze helicópteros Ka-52 “Alligator” (Hokum-B para a OTAN), com oito já entregues para o esquadrão 344 TsBP em Torzhok, operado pela Força Aérea russa.

Em Ação – Embora destinada à penetração em território ocidental, uma das primeiras missões conhecidas da SPETSNAZ foi a repressão à revolta anticomunista na Hungria entre outubro e novembro de 1956. Durante agosto de 1968, disfarçados de civis, soldados Spetsnaz simularam uma falha no avião em que estavam e após o pouso tomaram de assalto o controle de vôo do aeroporto internacional de Ruzyně, facilitando o pouso de aeronaves An-12 “Cub” com pára-quedistas para impedir revolta semelhante, dessa vez na então Tchecoslováquia, intervenção codificada “Operação Danúbio”.

O êxito da missão resultou na formação da 9ª Companhia para treinar forças especiais, estabelecida na escola de pára-quedistas em Ryazan, naquele mesmo ano. Contudo, a surtida que revelou a SPETSNAZ para o mundo foi a “Operação Tempestade-333”, codinome da invasão soviética ao Afeganistão, em dezembro de 1979.

Um dos muitos episódios desfavoráveis envolvendo efetivos SPETSNAZ e rebeldes Mujahedins durante a ocupação ocorreu quando a 15ª Brigada Spetsnaz baseada em Jalalabad enfrentou o Regimento Asama Ben Zaid  estacionado na região de Krer entre março e abril de 1986, depois que a Unidade rebelde Cegonhas Negras havia encurralado e aniquilado duas formações de Spetsnaz entre fevereiro e agosto do ano anterior; como resultado a tropa soviética perdeu 42 homens e eliminou 26 rebeldes, mesmo com apoio de helicópteros Mi-24. Outras ações mais recentes incluem a tomada da península da Criméia em 2014 e operações na Ucrânia, em andamento.

Atualmente, as Spetsnaz compreendem sete brigadas regulares de vários tamanhos, em um total de 19 destacamentos do tamanho de um batalhão. São subordinadas ao Quinto Diretório (Reconhecimento Operacional) do GRU, Diretório Principal de Inteligência​, embora no terreno estejam subordinadas aos comandantes operacionais.

Os quatro Regimentos de Reconhecimento Naval Independente de Propósito Especial (análogos às brigadas) ainda fazem parte tecnicamente do Quinto Diretório, mas estão mais intimamente ligados às suas Frotas-mãe. Além disso, há o próprio 45º Regimento de Propósito Especial Independente de Guardas, parte das Tropas Aerotransportadas, as VDV, e três outros elementos independentes de Spetsnaz. Um deles, a 100ª Brigada Independente, é frequentemente usada como banco de testes para novas ideias e equipamento.

Dois outros foram criados em 2011–12 como parte do preparativos de segurança para os Jogos Olímpicos de Inverno de Sochi no sudoeste da Rússia: o 25º Regimento Independente, otimizado para operações no turbulento norte do Cáucaso, e a 346ª Brigada, do tamanho de um regimento.

Recrutamento e treinamento

Há uma pressão constante para tentar garantir que as unidades da Spetsnaz sejam compostas exclusivamente por voluntários profissionais, “militares contratados” na linguagem russa. Isso está provando um desafio, no entanto, e enquanto alguns elementos são totalmente voluntários, a partir de 2013 alguns outras eram até 50 por cento compostas por recrutas – selecionados por suas destrezas físicas e interesse prévio em atividades como tiro, orientação e Esportes.

Novos conscritos em mandatos de um ano entram em maio e novembro (após quatro meses de treinamento básico), sargentos e especialistas em julho e janeiro (após seis meses), e oficiais recém-saídos das faculdades militares todo mês de setembro.   O treino é uma mistura intensa de condicionamento físico, orientação mental – grande ênfase é colocada em tentar surpreender os recrutas e desenvolver sua capacidade de responder rapidamente ao inesperado – e transmitindo as habilidades táticas e técnicas necessárias.

Os profissionais podem muito bem aprender o básico de uma linguagem relevante para sua brigada específica área de operações, mas esta não é uma questão central; não há expectativa de que eles irão adquirir qualquer coisa como fluência, a menos que sejam passíveis de transferência para as operações de inteligência do GRU.

O posto mais alto dentro do Spetsnaz é coronel, que pode atuar como comandante de brigada. Aqueles com aspirações mais altas deve mover-se para a estrutura principal do GRU, que é dominada por oficiais de inteligência em vez de comandos, ou então fazer a difícil mudança lateral para a VDV, o que significa enfrentar uma rivalidade de longa data entre as duas organizações. Nesse aspecto, eles são muito menos bem posicionados do que os oficiais da VDV, que têm posições de comando mais altas disponíveis dentro de sua organização, também podendo se transferir mais facilmente para cargos ou postos de comando no Ministério da Defesa ou Estado-Maior.

Armamento

Armas portáteis

A arma padrão dos Spetsnaz é a mesma família de fuzis de assalto das tropas regulares AK-74 de 5,45×39 mm, normalmente os AK-74Ms, AK-74Ns com acessórios para lunetas de visão noturna e carabinas de assalto AKS-74U de cano curto. Esta é uma arma geralmente bem vista, com praticamente a mesma robustez que o AK-47 original, sendo mais leve e mais preciso.

Em alguns casos, os Spetsnaz preferem o projétil mais pesado de 7,62×39 mm e, portanto, carrega o AKM mais antigo ou AKMN; alternativamente eles carregam o rifle AK-103 mais recente, que dispara a mesma munição mas incorpora muitas das melhorias do AK-74.

Os atiradores de elite desempenham um papel fundamental nas táticas da Spetsnaz. Enquanto alguns ainda usam o SVD Dragunov 7,62x54mmR da era soviética, e a versão modernizada dobrável SVDS originalmente projetada para os pára-quedistas, os Spetsnaz tem usado cada vez mais o SV-98 de 7,62X54mmR, uma arma de ferrolho normalmente montando uma mira telescópica de ampliação fixa PKS-07 7x ou uma mira telescópica óptica de ampliação variável 1P69 3–10×42, que oferece um alcance de até 1.000 m. Embora o SV-98 possa ser equipado com um supressor de som, os Spetsnaz são muito mais propensos a usar o rifle VSS Vintorez em 9x39mm para missões onde a necessidade de furtividade supera a precisão de longo alcance.

A munição 9x39mm tornou-se uma marca registrada da Spetsnaz, especialmente porque foi amplamente implantado na tomada da Crimeia em 2014. Faz parte de todo um conjunto de armas silenciadas favorecidas pelo Spetsnaz; outros são a carabina de assalto AS Val e a pistola PB 6P9 – uma arma baseada na pistola Makarov da década de 1950, mas ainda emitida para missões especiais. O O SR-3 Vikhr é uma variante abreviada do AS Val, que pode ser equipado com um supressor, mas ainda dispara o mesmo projétil subsônico.

Armas de apoio

Os Spetsnaz tendem a não empregar nada mais pesado do que armas de apoio de pelotão, como metralhadoras PKP 6P41 de 7,62x54mmR, lançadores de foguetes antitanque RPG-27 Tavolga e RPG-29 Vampir, foguetes descartáveis ​​RPG-26 Arlen e RPG-30 Kryuk, lançadores de foguetes incendiários RPO-A Shmel e mísseis superfície-ar 9K338 Igla-S (SA-24 Grinch). Eles geralmente montam lançadores de granadas de tiro único GP-25 6G15 ou GP-30 6G21 em seus rifles e, em alguns casos, usam o lançador de 6 granadas G30 disparando o mesmo projétil de VOG-25 de 40 milímetros.

Equipamento subaquático

Dado o ambiente em que operam, talvez não seja surpreendente que seja os Spetsnaz navais possuam o equipamento mais distinto. Eles operam acima e abaixo da superfície; para este último, eles usam não apenas veículos de propulsão de mergulho de um homem Protei-5, mas também minissubmarinos como o Piranya (que pode transportar seis operadores por alguns 1500km), e o menor Triton-1 de dois homens.

O valor subaquático das armas de fogo convencionais é extremamente limitado, então os Spetsnaz navais adquiriram armas especializadas. Seus nadadores de combate usam duas dessas armas, projetadas nos tempos soviéticos: a pistola SPP-1M e o fuzil APS. O primeiro é uma arma de de quatro canos que dispara dardos de aço de 4,5 mm por 5m–20m debaixo d’água, dependendo do profundidade. Já o fuzil APS dispara flechettes de metal maiores de 5,66 mm a cerca de 30 m (100 pés) em águas rasas (até uma profundidade máxima de 11m/35ft) ou 100m (330ft) quando estiver fora da água. Considerando a desempenho marginal dessas armas acima da superfície, os Spetsnaz navais em missões de ataque também costumam carregar suas armas regulares em estojos à prova d’água. Por esta razão eles adotaram a arma combinada ASM-DT Morskoi Lev (“Leão Marinho”) em 2000. Este rifle pode alternar entre munição convencional de 5,45x39mm e dardos de calibre semelhante, permitindo desempenho amplamente comparável ao APS subaquático e a carabina AKS-74U em terra seca.

Kit pessoal

Como convém ao seu status, os Spetsnaz estavam entre as primeiras tropas russas a receber o novo conjunto de equipamentos pessoais Ratnik (“Guerreiro”), incluindo não apenas o padrão Flora digital vestido de batalha camuflado projetado para ser mais confortável e durável que o anterior questão, mas também o capacete de combate Kevlar 6B47, armadura corporal 6B43 e uma variedade de elementos adicionais de cotoveleiras e joelheiras a bolsas de hidratação. Alguns dos mais elementos avançados da suíte Ratnik, como equipamentos de visão noturna de nova geração, são ainda não está pronto para a questão geral. Na Crimeia, no início de 2014, Spetsnaz foram vistos usando novos 168-0,5UME rádios pessoais – um salto em frente para um exército que negligenciou o moderno comunicações táticas.

Combate corpo a corpo

A arma de combate russa padrão é a pistola GSh-18 de 9x19mm, e a Spetsnaz usará isso para defesa pessoal, bem como (raramente) metralhadoras de 9x18mm, como a Bizon, 9A-91, e Vityaz-SN. Para um combate ainda mais próximo, os Spetsnaz recebem a baioneta 6Kh5 do fuzil AK-74, ou a NRS-2. Esta última incorpora no punho um mecanismo de disparo único disparando uma bala de 7,62×39 mm de baixa potência para um alcance efetivo de cerca de 25 m (80 pés). A NRS-2 foi emitido da década de 1980, mas continua sendo mais uma curiosidade do que uma arma de combate, e é muito raramente usada como qualquer coisa que não seja uma faca comum. De fato, muitos Spetsnaz preferem a versão NR-2, em onde o mecanismo de disparo é substituído por um compartimento para ferramentas de sobrevivência.

Por outro lado, os Spetsnaz fazem uso da sua lendária MPL “Saperka”, ou “pequena pá de infantaria”. Uma ferramenta de entrincheiramento de cabo curto que normalmente é mantida afiada, pode ser usada como arma corpo a corpo ou arremessada. Enquanto esta ferramenta seja padrão para todas as tropas russas, o Spetsnaz (e até certo ponto a VDV) a carrega de modo distinto, e não apenas para treinar em seu uso de combate, mas também fazer exibições envolvendo proezas como arremessar a MPL em um alvo enquanto salta através de um arco em chamas.

Para confrontos ainda mais próximos, os Spetsnaz também são treinados extensivamente em combate desarmado, especificamente o sistema chamado Sambo, uma contração de “Samozashchita bez oruzhiya”, “autodefesa sem armas”. Esta é uma arte marcial que começou a ser desenvolvida pelo Exército Vermelho como no início da década de 1920, baseando-se tanto na luta tradicional russa quanto no judô e no jiu-jitsu. Foi desde o início explicitamente uma arte de combate, e embora desde então também tenha evoluído para um esporte competitivo, em sua forma mais pura, é surpreendentemente desprovido de quaisquer restrições ou filosofia além de derrubar o inimigo o mais rápido e eficientemente possível. Estimula assim qualquer tipo de ataque ou – apesar do nome – o uso de qualquer forma formal ou improvisada arma pode vir à mão, desde garrafas a placas de rua.


*Colaborador da Shephard Media, Autor de livros sobre aeronaves de Inteligência, Vigilância e Reconhecimento

- Advertisement -

54 COMMENTS

Subscribe
Notify of
guest

54 Comentários
oldest
newest most voted
Inline Feedbacks
View all comments
Carlos Gallani
Carlos Gallani
8 meses atrás

Todos farão a Ucrânia amanhecer mais florida!

Amado
Amado
Reply to  Carlos Gallani
8 meses atrás

Bom, eu entendi que quando putin falou deles é pra indicar que tiveram baixas, também tem flores do outro lado camarada florista. Não é freefire, é guerra de meses.

Last edited 8 meses atrás by Amado
Francisco
Francisco
Reply to  Carlos Gallani
8 meses atrás

Caro Carlos, entendo as preferências das pessoas e as respeito, com tudo esse é um espaço para comentários sobre os temas das matérias, certamente você pode colaborar e enriquecer muito o debate não deixando que sua torcida, que sua preferência interfira em suas analises de forma tendenciosa ou irracional, saudações.

Maurício.
Maurício.
Reply to  Francisco
8 meses atrás

Francisco, eu acho que o Carlos está falando das sementes de girassol, uma mulher confrontou um soldado russo e disse para ele colocar sementes de girassol no bolso para que elas floresçam depois que ele morrer, deve ser isso, por isso o “Carlos” foi irônico.

Francisco
Francisco
Reply to  Maurício.
8 meses atrás

Amigo Mauricio eu entendi a ironia.

Carlos Gallani
Carlos Gallani
Reply to  Francisco
8 meses atrás

Ahhh sim, com uma recente e fervente guerra do pais supracitado na materia cd não quer nenhum comentário correlancionando os assuntos, ta SERTO!

images.jpeg
Paulo Drusnam
Paulo Drusnam
Reply to  Carlos Gallani
7 meses atrás

Analfabetis, Sertu!

Veiga 104
Veiga 104
Reply to  Francisco
8 meses atrás

Excelente comentário. É lamentável como a maioria sai totalmente do tema da matéria .

Nilo
Nilo
Reply to  Carlos Gallani
8 meses atrás

Justificar a formação de um mártir, O mártir bufão, que disse agora em pronunciamento:
Zelensky diz que prioridade é proteger Kiev, o comediante não entendeu nada. Vão usar os civis como barreira, sabem que estarão assim limitando as ações dos Russos.

MAB
MAB
Reply to  Nilo
8 meses atrás

Negativado com louvor !

Bruno Vinicius
Bruno Vinicius
Reply to  Carlos Gallani
8 meses atrás

De fato, tomara que os soldados russos estejam colocando sementes de girassol nos bolsos, a primavera está próxima e os campos ucranianos ficarão lindos.

Last edited 8 meses atrás by Bruno Vinicius
Gerson Carvalho
Gerson Carvalho
Reply to  Carlos Gallani
7 meses atrás

Ao ler o artigo, fica evidente que pegaram um texto e colocaram no tradutor e pronto. Devia ter lido e consertado algumas palavras.

Joe
Joe
8 meses atrás

Mas chegam relatos na imprensa internacional de que, entre os soldados “comuns”, existe uma grande frustração e insatisfação de atacar irmãos e, em menor escala, estão ocorrendo deserções.

Last edited 8 meses atrás by Joe
Joe
Joe
Reply to  Joe
8 meses atrás

‘Putin já perdeu a guerra’, diz escritor israelense Yuval Noah Harari…

https://noticias.uol.com.br/internacional/ultimas-noticias/2022/02/28/ucrania-russia-yuval-noah-harari-guerra-putin-perdeu.htm

Last edited 8 meses atrás by Joe
Carlos Gallani
Carlos Gallani
Reply to  Joe
8 meses atrás

Não precisa nem ir tão longe, o Gallani diz o mesmo! Hahahahhahaa

Amado
Amado
8 meses atrás

Foco na doutrina. Não é apoio aos russos que vejo é mostrar a capacidade e fatos das tropas. A guerra é uma pena. Parabéns site, sei que quando tiverem algo bom do lado ucraniano vão mostrar. Não tiveram paraquedistas?

Last edited 8 meses atrás by Amado
Antoniokings
Antoniokings
8 meses atrás

A melhor e mais temida força do Mundo.

Joe
Joe
Reply to  Antoniokings
8 meses atrás

Por que você quer…

Vinicius 023
Vinicius 023
Reply to  Antoniokings
8 meses atrás

Melhor KKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKJ

Vinicius 023
Vinicius 023
Reply to  Antoniokings
8 meses atrás

O fanatismo tá te cegando, Tonho.

Bruno
Bruno
Reply to  Antoniokings
8 meses atrás

E ainda assim está apanhando da Ucrânia ?

pangloss
pangloss
Reply to  Antoniokings
8 meses atrás

Comentário absolutamente imparcial. Disfarça essa paixão…

Pablo
Pablo
Reply to  pangloss
8 meses atrás

Comentário absolutamente técnico.

Capa Preta
Capa Preta
Reply to  Antoniokings
8 meses atrás

E sabido que eles passam muito tempo sozinhos em treinamento de prontidão na gelada e solitária siberia, então criam uma relação muito próxima uns com os outros, algo íntimo mesmo, na primeira foto, a do salto se nota claramente como o Serguei troca olhares calorosos com o Bóris, com certeza morreriam um pelo outro.

Last edited 8 meses atrás by Capa Preta
Atitador 33
Atitador 33
Reply to  Antoniokings
8 meses atrás

Entre as melhores, o seals são osso. Não entendi a Russia usando fardamento camuflado multicam, o camuflado mais tecnológico do mundo e desenvolvido pelos EUA, acessórios tipo molle, inventado tambem pelos EUA, os spetsnaz estão bem ocidentalizados…

BlindmansBluff
BlindmansBluff
Reply to  Antoniokings
8 meses atrás

Voce quer algumas sementes de girassol amigo? Vai te fazer bem.

paulof
paulof
8 meses atrás

Nem na guerra fria… a FIDE informou que qualquer torneio na Putinlândia não terá mais ligação com ela, nos torneios pelo mundo, os atletas são proibidos de usar a bandeira russa ou da bielorussia ou em caso de vitória tocar o hino e as olimpíadas de xadrez agora procurando novo local. FIDE sempre foi branda com problemas políticos, mudou muito.

Last edited 8 meses atrás by paulof
Talisson
Talisson
Reply to  paulof
8 meses atrás

Esperamos que essa comoção anti guerra continue por décadas. Porque ano passado mesmo, quando globalistas invadiram a Armênia o ocidente não deu a mínima. Que eu saiba ninguém sancionou (sequer sençurou) os azeris nem os turcos. Tirando os canadenses que reclamaram do drone turco ter sensores feitos lá.

João Adaime
João Adaime
8 meses atrás

Pergunto ao senhores editores:
O texto fala que o minissubmarino Piranya pode navegar por 1.500 km. Não seriam 1.500 metros? Ou 15 km?

MARCELO DANTON DA SILVA
MARCELO DANTON DA SILVA
8 meses atrás

Perigo países como Letônia, Polônia, Finlândia, etc ,etc etc…ficarem anunciando e tomando partido tão incisivamente.
SERÃO ALVOS SIM!

A Rússia esta em vias de mandar um aviso CLARO, se já não mandou e a imprensa esta escondendo, com o lançamento de artefato Hiperbárico.
Depois decretarão espaço aéreo em guerra próximo às fronteira da Polônia.
Acabará sendo invadida na faixa de 150 km da fronteira com ação dessas forças acima.

DEPOIS NÃO CHOREM!

Plinio Jr
Plinio Jr
Reply to  MARCELO DANTON DA SILVA
8 meses atrás

Nossa, que medo …..

pangloss
pangloss
Reply to  MARCELO DANTON DA SILVA
8 meses atrás

Sua sugestão é outorgar poder absoluto ao Putin, em todo o mundo?

Foxtrot
Foxtrot
8 meses atrás

Está aí uma força a ser muito temida.

dfa
dfa
8 meses atrás

Entre as melhores forças especiais do mundo sem dúvida.
Não dá para questionar a qualidade das forças especiais russas.
Neste conflito com a Ucrânia apostaria que são eles que estão a fazer valer o avanço Russo.
Se a Rússia ganhar este conflito vai ser graças aos Spetsnaz, VDV e o martelo que é a artilharia russa.
As forças convencionais russas tem tido uma má prestação no terreno, talvez fruto de pouca instrução, chefias incompetentes ou quem sabe doutrina, como é que se costuma dizer…”a quantidade tem qualidade própria” e acho que os generais russos ainda utilizam manuais doutrinários soviéticos.

Last edited 8 meses atrás by dfa
Kommander
Kommander
Reply to  dfa
8 meses atrás

Não estão tendo sucesso porque os soldados são jovens e estão divididos, é bem comum ver vídeo deles levando “bronca” de ucranianos por estarem atacando seus próprios irmãos. Isso deixa qualquer um confuso.

Ícaro
Ícaro
Reply to  dfa
8 meses atrás

Eles estão usando pequenas frações de tropa para conquistar avanços nas cidades, muito difícil essa abordagem.

Oráculo
Oráculo
Reply to  dfa
8 meses atrás

A a artilharia russa merece uma matéria a parte.
Que coisa absurda.
É muito poder de fogo.

gordo
gordo
8 meses atrás

Forças especiais tem um valor tático e estratégico muito alto. Nos conflitos essas forças costumam passar despercebidas, nada de ações espetaculares como costumam mostrar em filmes, sabotando e coletando informação. Com a superioridade aérea assegurada grupos de inteligência devem estar atuando na vetorização de ataques aéreos contra tropas e fortificações.

Bruno Vinícius
Bruno Vinícius
8 meses atrás

Destroços de um SU-34 em Kharkiv

20220301_150752.jpg
100nick-Elã
100nick-Elã
Reply to  Bruno Vinícius
8 meses atrás

Fake

Bruno Vinícius
Bruno Vinícius
Reply to  100nick-Elã
8 meses atrás

Como você sabe que é Fake? Aviões russos são indestrutíveis por um acaso?

Oráculo
Oráculo
8 meses atrás

A Rússia tem 3 tipos de Forças Especiais. Somando tudo dá mais de 80 mil homens!!! Os Spetsnaz, tema da matéria. A VDV, as tropas aerotransportadas(paraquedistas). E os Fuzileiros Navais. É muita força de combate altamente profissional e qualificado. Sobre a diferença entre os combatentes especiais e as tropas regulares russas que o pessoal comentou aqui, no Instagram tem um jornalista americano que está publicando entrevistas com soldados envolvidos nos combates, dos dois lados. Lá tem um relato de um Ucraniano, ex- US Mariners, que está em Kiev e falou sobre isso. Disse que o soldado regular russo é novo… Read more »

Heinz Guderian
Heinz Guderian
Reply to  Oráculo
8 meses atrás

Toda tropa especial, sempre vai ser mais treinada e oferecer um combate mais duro do que a maioria do efetivo convencional, isso vem desde a antiguidade. Eu comentei aqui no blog alguns dias sobre os chechenos, são sem dúvidas muito bons no combate urbano, bem treinados e equipados deve ser dureza enfrentar esses caras numa batalha. Há fontes que chechenos estão se alistando e montando grupos de combate para defender a Ucrânia. Imagina o bolo que vai virar ou virou a Ucrânia? pessoas da mesma etnia, mesmo país, se digladiando de esquina em esquina. Obrigado pela dica, vou segui-lo no… Read more »

Bruno
Bruno
8 meses atrás

Oq vcs acham q vai acontecer com esta guerra ? A Rússia praticamente esta sendo lançada pra fora da C.I, oq Putin fará?

Bruno Vinicius
Bruno Vinicius
Reply to  Bruno
8 meses atrás

Se vivêssemos em um mundo ideal ele faria igual um certo ditador que carregava um bigode característico e nos livraria de sua presença.

Heinz Guderian
Heinz Guderian
8 meses atrás

Excelente matéria, sem dúvida uma unidade muito capaz e que deve está envolvida até o pescoço nos combates dessa guerra.
Seria interessante trazer uma matéria, sobre as forças especiais ucranianas também.

Mattos
Mattos
8 meses atrás

O exército ucraniano conhece como ninguém o exército russo.

Sidao
Sidao
8 meses atrás

Todos sabemos do poderio militar russo,somente comparado a dos EUA e sabemos que um dos lados tem q ceder!!!mais quem vai????

Antunes 1980
Antunes 1980
8 meses atrás

90% dos brasileiros acreditam que a Ucrânia está resistindo bravamente, porém foram apenas 7 dias e Kiev já está prestes a cair.

A caráter de comparação, em 2003, Bagdá caiu para os americanos em 24 dias. E naquela época os Estados eram mais poderosos do que os russos são hoje. ‬

Por isso a Rússia está conseguindo avançar de forma consistente, com o apoio das tropas especiais e a força dos mísseis de cruzeiro.

Last edited 8 meses atrás by Antunes 1980
Zezão
Zezão
Reply to  Antunes 1980
8 meses atrás

Não inventa.

Bagdá caiu depois de 7 dias.
A invasão começou em 3 de abril de 2003, quando tropas americanas da 3a divisão de infantaria avançaram sobre Bagdá.
No dia 7 de Abril, as tropas conseguiram assumir o controle do palácio presidencial e poucas horas após a tomada, com a cobertura televisiva, os americanos ordenaram às forças iraquianas dentro de Bagdá que se rendessem.
Em 9 de Abril de 2003, Bagdá foi considerada formalmente ocupada pelas forças da Coligação.

Fontes:
https://www.rfi.fr/en/middle-east/20190408-fall-baghdad-16-years-saddam-hussein-george-bush
https://www.armyupress.army.mil/Journals/Military-Review/English-Edition-Archives/September-October-2020/Fiore-Battle-Baghdad/

Ten Murphy
Ten Murphy
8 meses atrás

Receio que o artigo esteja levemente desatualizado. A Spetsnaz GRU representa apenas um ramo das forças especiais russas e não toda ela como o texto faz crer. O termo é Spetsnaz GRU, nunca apenas Spetsnaz como muitas vezes lemos por aí. O termo Spetsnaz é amplo e aplicado a forças diversas, desde bombeiros e paramédicos até forças especiais militares do Ministério da Justiça e das forças policiais (diversos). O termo Spetsnaz nas forças armadas russas pode ser entendido como Pelopes no Exército Brasileiro e Fuzileiros Navais na Marinha do Brasil. Para operações especiais o termo correto é Spetsnaz GRU. A… Read more »

SteelWing
Reply to  Ten Murphy
8 meses atrás

resumindo: SPETNAZ é um termo genérico que significa tropas especiais ou tropas de elite, que por sua vez podem ser dos mais diversos ramos.

Capa Preta
Capa Preta
8 meses atrás

Spertnaz são os pic@ das forças especiais do mundo, os caras não tomam mel,mastigam a abelha, não sei como nos anos 80 um bando de taleban de camisola e chinelo fizeram eles voltarem com os rabos entre as pernas choramingando pra mamãe Rússia,deve ter sido um surto de gripe na tropa, virose com certeza.

Carlos
Carlos
8 meses atrás

Os ucranianos precisam urgentemente, aprender com o( falecido em 2002) finlandês SIMON HAIHA que com fuzil de caça matou 500 russos e terminou com sonho soviético de anexar a Finlândia, na segunda guerra mundial, era um fuzil simples de caça, e acabou com a festa russa; Os russos só deixarão a Ucrânia, se tiverem prejuízo igual, foram mais de 500 mortos pelo caçador HAIHA!

Últimas Notícias

Novo enviado da Rússia à China promete combater ‘hegemonia unipolar’

Embaixador Igor Morgulov diz ao chanceler chinês que a amizade entre os países pode 'superar...
Parceiro

- Advertisement -
- Advertisement -