quinta-feira, junho 30, 2022

Saab RBS 70NG

‘O urso tem fome’! Dilemas e falhas do sistema logístico do Exército Russo

Destaques

Guilherme Poggiohttp://www.forte.jor.br
Editor da Revista Forças de Defesa

O texto a seguir faz uma análise do sistema logístico do Exército Russo e correlaciona suas eventuais falhas com uma possível invasão aos países bálticos e à Polônia. Ele foi escrito antes do inicio da invasão russa na Ucrânia

A concentração militar da Rússia ao longo da fronteira com a Ucrânia claramente chamou a atenção dos formuladores de políticas de Kiev a Washington, DC. O diretor da CIA, Bill Burns, voou para Moscou para tentar evitar uma crise, enquanto oficiais de inteligência dos EUA estão alertando os aliados da OTAN que uma invasão russa de grandes partes da Ucrânia não podem ser descartadas.

A possibilidade de agressão russa contra a Ucrânia teria enormes consequências para a segurança europeia. Talvez ainda mais preocupante seria um ataque russo contra um membro da OTAN. Moscou poderia minar a segurança dos estados bálticos ou da Polônia, por exemplo, mas o governo russo poderia realizar com sucesso uma invasão em larga escala desses países? Se os jogos de guerra recentes são uma indicação, então a resposta é um retumbante sim – e isso pode ser feito com bastante facilidade. Em um artigo de War on the Rocks de 2016 , David A. Shlapak e Michael W. Johnson projetaram que o exército russo invadiria os estados bálticos em três dias.

A maioria desses jogos de guerra, como o estudo Báltico da RAND, foca no fato consumado, um ataque do governo russo destinado a tomar o terreno — e depois se entrincheirar rapidamente. Isso cria um dilema para a OTAN: lançar um contra-ataque caro e arriscar pesadas baixas e possivelmente uma crise nuclear ou aceitar um fato consumado russo e minar a fé na credibilidade da aliança. Alguns analistas argumentam que essas apreensões são muito mais propensas a serem pequenas em tamanho, limitadas a uma ou duas cidades. Embora esse cenário deva, é claro, ser estudado, a preocupação com a viabilidade de um fato consumado na forma de uma grande invasão ainda permanece.

Enquanto o exército russo definitivamente tem o poder de combate para alcançar esses cenários, a Rússia tem a estrutura de força logística para apoiar essas operações? A resposta curta não está nas linhas do tempo previstas pelos jogos de guerra ocidentais. Em uma ofensiva inicial – dependendo dos combates envolvidos – as forças russas podem atingir os objetivos iniciais, mas a logística exigiria pausas operacionais. Como resultado, uma grande apropriação de terras é irrealista como um fato consumado. O exército russo tem o poder de combate para capturar os objetivos previstos em um fato consumado, mas não tem forças logísticas para fazê-lo em um único empurrão sem uma pausa logística para redefinir sua infraestrutura de sustentação. As Forças Aeroespaciais Russas (com uma considerável força de bombardeiros táticos e aeronaves de ataque) e helicópteros de ataque também podem receber apoio de fogo para aliviar o consumo de munição de artilharia.

Os planejadores da OTAN devem desenvolver planos focados em explorar os desafios logísticos russos em vez de tentar resolver a disparidade no poder de combate. Isso envolve atrair o exército russo para o território da OTAN e estender ao máximo as linhas de suprimentos russas, enquanto visa infraestrutura de logística e transporte, como caminhões, pontes ferroviárias e oleodutos. Comprometer-se com uma batalha decisiva na fronteira jogaria diretamente nas mãos dos russos, permitindo um suprimento mais curto para compensar suas deficiências logísticas.

Ferrovias e Capacidades Logísticas Russas

As forças logísticas do exército russo não são projetadas para uma ofensiva terrestre em larga escala longe de suas ferrovias. Dentro das unidades de manobra, as unidades de sustentação russas são um tamanho menor do que suas contrapartes ocidentais. Apenas brigadas têm capacidade logística equivalente, mas não é uma comparação exata. As formações russas têm apenas três quartos do número de veículos de combate que suas contrapartes americanas, mas quase três vezes mais artilharia. No papel (nem todas as brigadas têm um número completo de batalhões), as brigadas russas têm dois batalhões de artilharia, um batalhão de foguetes e dois batalhões de defesa aérea por brigada, em oposição a um batalhão de artilharia e uma companhia de defesa aérea anexada por brigada dos EUA. Como resultado da artilharia extra e dos batalhões de defesa aérea, os requisitos logísticos russos são muito maiores do que os dos EUA.

“as brigadas russas têm dois batalhões de artilharia, um batalhão de foguetes e dois batalhões de defesa aérea por brigada, em oposição a um batalhão de artilharia e uma companhia de defesa aérea anexada por brigada dos EUA”

Além disso, o exército russo não tem brigadas de apoio suficientes – ou brigadas de suporte técnico-material – para cada um de seus exércitos de armas combinadas. Um olhar sobre o Balanceamento Militar, publicado pelo Instituto Internacional de Estudos Estratégicos, mostra 10 brigadas de suporte técnico-material apoiando 11 exércitos de armas combinadas, um exército de tanques e quatro corpos de exército. Os Comandos Ocidental e Sul da Rússia têm três exércitos e três brigadas de suporte técnico-material para apoiá-los. Em operações defensivas, uma brigada russa pode puxar diretamente do terminal ferroviário. Um trunfo que os russos têm são suas 10 brigadas ferroviárias, que não têm equivalentes ocidentais. Eles se especializaram em segurança, construção e reparo de ferrovias, enquanto o material circulante é fornecido por empresas estatais civis.

A razão pela qual a Rússia é única em ter brigadas ferroviárias é que, logisticamente, as forças russas estão ligadas à ferrovia da fábrica ao depósito do exército e ao exército de armas combinadas e, quando possível, ao nível de divisão/brigada. Nenhuma outra nação europeia usa tanto ferrovias quanto o exército russo. Parte do motivo é que a Rússia é tão vasta – mais de 6.000 milhas de uma ponta a outra. O problema é que as ferrovias russas têm uma bitola mais larga do que o resto da Europa. Apenas ex-nações soviéticas e a Finlândia ainda usam o padrão russo— isso inclui os estados bálticos.

1024px-Russia_Rail_Map.png
Mapa ferroviário da Rússia

Existem vários terminais ferroviários antes das capitais do Báltico, mas ainda levará vários dias para chegar e estabelecer as operações do terminal ferroviário. As operações de avanço ferroviário são mais do que apenas o carregamento cruzado de carga do trem para o caminhão. Envolve receber e classificar a carga, reembalar para unidades específicas e armazenar o excesso no solo.

Devido à natureza perigosa da carga militar, o solo precisa ser preparado para que a carga possa ser armazenada em ambientes seguros e distribuídos. Esse processo pode levar de um a três dias. O local também precisa estar fora do alcance da artilharia inimiga e protegido de guerrilheiros. Um único projétil de sorte ou uma granada propelida por foguete pode resultar em uma grande explosão e têm um efeito desproporcional no ritmo de uma divisão inteira. Isso supondo que as principais pontes, como a de Narva, na fronteira russo-estoniana, não sejam destruídas e precisem ser reparadas.

A Polónia tem apenas uma linha ferroviária de bitola larga, que vai da região de Cracóvia à Ucrânia e não pode ser usado pelas forças russas, sem antes capturar a Ucrânia. Não há linhas de bitola larga que vão da Bielorrússia a Varsóvia. O tráfego ferroviário que atravessa as fronteiras geralmente para para carregar carga cruzada ou usa vagões ferroviários ajustáveis ​​e alterna os motores (que não podem ser ajustados). Em tempos de guerra, é altamente improvável que o exército russo capture locomotivas de trem ocidentais suficientes para apoiar seu exército, forçando-os a depender de caminhões.

“O apoio logístico de caminhões da Rússia, que seria crucial em uma invasão da Europa Oriental, é limitado pelo número de caminhões e alcance das operações.”

Isso significa que a capacidade de sustentação ferroviária do exército russo termina nas fronteiras da antiga União Soviética. Tentar reabastecer o exército russo além da rede ferroviária de bitola russa os forçaria a depender principalmente de sua força de caminhões até que as tropas ferroviárias pudessem reconfigurar/reparar a ferrovia ou construir uma nova.

O apoio logístico de caminhões da Rússia, que seria crucial em uma invasão da Europa Oriental, é limitado pelo número de caminhões e alcance das operações. É possível calcular até onde os caminhões podem operar usando matemática simples de cerveja. Assumindo que a rede rodoviária existente pode suportar velocidades de 45 mph, um único caminhão pode fazer três viagens por dia em um alcance de até 45 milhas: uma hora para carregar, uma hora para dirigir até a unidade suportada, uma hora para descarregar e outra hora para voltar à base. Repetir este ciclo três vezes equivale a 12 horas no total. O resto do dia é dedicado à manutenção do caminhão, refeições, reabastecimento, limpeza de armas e sono.

Aumente a distância para 90 milhas e o caminhão poderá fazer duas viagens diárias. A 180 milhas, o mesmo caminhão está reduzido a uma viagem por dia. Essas suposições não funcionarão em terrenos acidentados ou onde houver infraestrutura limitada/danificada. Se um exército tem caminhões suficientes para se sustentar a uma distância de 45 milhas, então a 90 milhas, o rendimento será 33% menor. A 180 milhas, a queda será de 66%. Quanto mais você se afastar dos depósitos de suprimentos, menos suprimentos poderá substituir em um único dia.

O exército russo não tem caminhões suficientes para atender às suas necessidades logísticas a mais de 90 milhas além dos depósitos de suprimentos. Para atingir um alcance de 180 milhas, o exército russo teria que dobrar a alocação de caminhões para 400 caminhões para cada uma das brigadas de suporte técnico de materiais. Para se familiarizar com os requisitos logísticos russos e os recursos de transporte, um ponto de partida útil é o exército russo de armas combinadas. Todos eles têm estruturas de força diferentes, mas no papel, cada exército combinado recebe uma brigada de suporte técnico-material. Cada brigada de apoio técnico-material possui dois batalhões de caminhões com um total de 150 caminhões de carga geral com 50 carretas e 260 caminhões especializados por brigada.

It appears the invading Russian force in Ukraine is running out of trucks — civilian trucks marked with a Z being sent to the frontlines. from Damnthatsinteresting

O exército russo faz uso pesado de fogo de artilharia de tubo e foguete, e a munição de foguete é muito volumosa. Embora cada exército seja diferente, geralmente há 56 a 90 lançadores de foguetes de lançamento múltiplo em um exército. O reabastecimento de cada lançador ocupa toda a caçamba do caminhão. Se o exército de armas combinadas disparasse uma única rajada, seriam necessários de 56 a 90 caminhões apenas para reabastecer a munição do foguete. Isso é cerca de metade de uma força de caminhão de carga seca da brigada de suporte técnico-material apenas para substituir uma saraivada de foguetes.

“Se o exército de armas combinadas disparasse uma única rajada, seriam necessários de 56 a 90 caminhões apenas para reabastecer a munição do foguete.”

Há também entre seis a nove batalhões de artilharia de tubo, nove batalhões de artilharia de defesa aérea, 12 batalhões mecanizados e de reconhecimento, três a cinco batalhões de tanques, morteiros, mísseis antitanque e munição para armas pequenas – sem mencionar alimentos, engenharia, médicos suprimentos, e assim por diante. Esses requisitos são mais difíceis de estimar, mas os requisitos potenciais de reabastecimento são substanciais. A força do exército russo precisa de muitos caminhões apenas para munição e reabastecimento de carga seca.

Para a sustentação de combustível e água, cada brigada de apoio técnico-material possui um batalhão tático de oleodutos. Eles têm um rendimento menor do que seus equivalentes ocidentais, mas podem ser instalados dentro de três a quatro dias após a ocupação do novo terreno. Até lá, são necessários caminhões de combustível para o reabastecimento operacional.

Pode-se argumentar que o exército russo tem alcance para atingir seus objetivos em seu tanque original de combustível, especialmente com tambores de combustível auxiliares que são projetados para transportar. Isso não é totalmente correto. Tanques e veículos blindados queimam combustível ao manobrar em combate ou apenas ociosos enquanto estão parados. Esta é a razão pela qual o Exército dos EUA usa “dias de abastecimento” para planejar o consumo de combustível, não o alcance. Se uma operação do exército russo durar de 36 a 72 horas, como estima o estudo da RAND, o exército russo teria que reabastecer pelo menos uma vez antes que os oleodutos táticos sejam estabelecidos para apoiar as operações.

Sustentar a logística é a parte difícil

Um cenário no Báltico

Existem sérios desafios logísticos com operações de fato consumado em grande escala nos Bálticos. Operações de fato consumado em pequena escala são viáveis ​​com pequenas forças sem um desafio logístico, mas em grande escala são muito mais desafiadoras. O fato consumado exige que as forças russas invadam os estados bálticos e eliminem toda a resistência em menos de 96 horas – antes que a Força-Tarefa de Alta Prontidão da OTAN possa reforçar os defensores. Essa força não impedirá um ataque russo, mas compromete a OTAN em uma guerra terrestre, negando o próprio propósito do fato consumado.

A logística é o principal obstáculo na linha do tempo do fato consumado . A ferrovia é de bitola larga e utilizável, mas o cronograma é muito curto para que os terminais capturados voltem a operar. Uma dúzia de mísseis de cruzeiro lançados do ar da OTAN disparados sobre a Alemanha podem destruir as principais pontes ferroviárias em Narva, Pskov e Velikie Lugi, interrompendo o tráfego ferroviário no Báltico por dias até que essas pontes sejam reparadas. Os planejadores logísticos do Comando Ocidental Russo precisam planejar um cenário em que os estados bálticos optem por travar uma batalha em sua capital. Historicamente, o combate urbano consome enormes quantidades de munição e leva meses para ser concluído. Durante os dois exemplos mais proeminentes, as batalhas de Grozny nas guerras da Chechênia e a Batalha de Mosulem 2016, os defensores empataram de quatro a 10 vezes seus números por até quatro meses. Em Grozny, os russos disparavam até 4.000 projéteis por dia – ou seja, 50 caminhões por dia.

Mesmo em um cenário báltico, os planejadores russos precisam considerar o risco de que a Polônia, que pode reunir quatro divisões, lance um contra-ataque imediato, tentando desequilibrar o exército russo. O exército russo teria grandes forças ligadas aos cercos de Tallinn e Riga enquanto se defendia de um contra-ataque polonês do sul. O consumo de munição seria enorme. Durante a Guerra Russo-Georgiana de 2008 , algumas forças russas gastaram toda uma carga básica de munição em 12 horas. Assumindo as mesmas taxas, os russos teriam que substituir quantidades substanciais de munição a cada 12 a 24 horas.

Aqui reside o dilema. A opressão das forças locais no Báltico antes da chegada das tropas da OTAN não dá tempo à Rússia para estabelecer terminais ferroviários, forçando a dependência de caminhões. A 130 milhas, eles só podem fazer uma viagem por dia, gerando uma escassez de caminhões. Os planejadores russos poderiam comprometer menos forças de manobra e correr o risco de não sobrecarregar os defensores.

Coluna de veículos russos estacionada ao norte de Kiev

Alternativamente, eles poderiam fazer uma pausa logística de dois a três dias e dar aos estados bálticos tempo para se mobilizar e à Força-Tarefa Conjunta de Alta Prontidão da OTAN tempo para chegar. Enquanto isso, eles estariam sofrendo desgaste de guerrilheiros locais, ataques aéreos da OTAN, falhas de manutenção e munição vagabunda, como visto na última Guerra de Nagorno- Karabakh . De qualquer forma, fato consumado falha, e o conflito degenera em guerra prolongada, que a Rússia provavelmente perderá.

A logística russa só pode apoiar um fato consumado em grande escala se as forças da OTAN travarem uma batalha decisiva na fronteira. A maior parte do consumo de suprimentos ocorreria perto dos depósitos russos. As forças aéreas russas podem aliviar a tensão logística com apoio de fogo. O que é incerto é por quanto tempo a força aérea russa forneceria apoio aéreo aproximado em face do poder aéreo da OTAN, dada a capacidade da OTAN de conduzir combates ar-ar com mísseis de longo alcance além do alcance efetivo da defesa aérea russa em Kaliningrado e São Petersburgo.

Uma imagem semelhante existe no mar. A combinação de poder aéreo, submarinos a diesel e mísseis antinavio baseados em terra provavelmente negará o Mar Báltico às frotas de superfície de ambos os lados.

O exército russo tem amplo poder de combate para capturar os estados bálticos, mas não será um fato consumado rápido a menos que o governo russo reduza o tamanho do território que deseja tomar. Usando o diagrama 2×2 “Variações do Fato Accompli” de Van Jackson como uma estrutura conceitual, podemos apreciar plenamente o dilema russo.

As forças logísticas só podem apoiar um fato consumado gradual , que não destruirá a unidade da OTAN, dando tempo à OTAN para se mobilizar e selar a apropriação de terras. Mesmo que a OTAN opte por não reconquistar o território imediatamente, seus estados membros provavelmente imporiam sanções econômicas incapacitantes até que a Rússia cedesse. Por outro lado, o fato consumado decisivo, como a conquista de um estado membro pleno, pode atingir o objetivo de quebrar a unidade da OTAN, mas não pode ser logisticamente apoiado pelo exército russo.

Também corre um grande risco de erro de cálculo ao supor que todos os trinta estados membros devem declarar o Artigo 5 da OTAN. No papel, isso é verdade, mas na prática, apenas os Estados Unidos (para fornecer poder de combate), Alemanha e Polônia (para garantir acesso) têm que honrar o Artigo 5, e a Rússia se veria em um grande conflito que pode escalar além do limiar nuclear.

Um cenário polonês

Os desafios logísticos do exército russo são diferentes no cenário polonês. Há menos restrições de tempo, mas maiores dificuldades devido às distâncias envolvidas e à falta de ferrovias de bitola larga, que terminam na fronteira bielorrussa. A estação ferroviária mais próxima da Polônia é Grodno e Brest, na Bielorrússia. A primeira está localizada a 130 milhas e a segunda a 177 milhas de Varsóvia. Para um exército que se estende para sustentar 90 milhas, é uma longa linha de suprimentos para apoiar.

Kaliningrado poderia ser considerada como outra opção, mas não é prática, pois não tem acesso ao mar por membros da OTAN. A combinação do poder aéreo da OTAN, forças navais e mísseis anti-navio poloneses baseados em terra tornam improvável o reabastecimento por mar. De acordo com o Balanço Militar, há um corpo russo com grandes depósitos, mas sem unidades logísticas de apoio para empurrar suprimentos. As forças de manobra teriam que puxar esses suprimentos usando formações logísticas orgânicas, um alcance de cerca de 45 milhas. A guarnição ali pode permanecer isolada por muito tempo, mas não pode realizar operações ofensivas terrestres. O exército russo poderá chegar a Varsóvia, mas não poderá capturá-la sem uma pausa logística para parar, reconfigurar/reparar a ferrovia e construir oleodutos táticos e depósitos na linha de frente. Em vez de fazer uma pausa de alguns dias, como no cenário báltico, a pausa no cenário polonês pode levar algumas semanas. Isso dá à OTAN espaço para respirar para construir poder de combate.

A logística também é útil para avaliar um conflito ucraniano, já que as forças russas estão novamente se concentrando na fronteira. A melhor maneira de interpretar a seriedade das intenções russas é rastrear o acúmulo de forças logísticas e depósitos de suprimentos, em vez de contar os grupos táticos do batalhão que se mudaram para a fronteira. O tamanho e a escala da preparação logística nos dizem exatamente até onde o exército russo planeja ir.

Reservas Estratégicas Russas

A Rússia poderia reforçar seu Comando Estratégico Conjunto Ocidental (distrito militar ocidental) de outras partes do país para aumentar o poder logístico, mas não muito. Como Michael Kofman apontou , a OTAN tem a capacidade de escalar horizontalmente o conflito, mantendo a maioria dos teatros russos em risco. O Estado-Maior russo não pode ignorar esta ameaça. Como resultado, o Comando Central da Rússia e partes do Comando Oriental são os únicos comandos conjuntos que não enfrentam uma ameaça externa e são capazes de reforçar o Comando Ocidental. No entanto, as forças de sustentação que eles fornecem seriam consumidas pelas forças de combate adicionais que o acompanham. Não há caminhões extras no exército russo que não estejam vinculados ao apoio às forças engajadas.

Um dos pontos fortes do exército russo em uma guerra no Báltico ou na Polônia seria sua capacidade de mobilizar reservistas e caminhões civis. A Rússia ainda tem uma enorme capacidade de mobilização embutida em sua economia nacional, um legado da Segunda Guerra Mundial e da Guerra Fria. No entanto, mobilizar civis para lutar em uma guerra tem grandes custos econômicos e políticos. Para manter a estabilidade política em casa, o povo russo teria que acreditar genuinamente que está defendendo seu país. Eles não vão tolerar que maridos, filhos e pais partam para a guerra por capricho de Putin. A última vez que o governo russo confiou fortemente em recrutas e reservistas foi durante a Primeira Guerra Chechena (1994-1996). Dentro de dois meses, um grande movimento contrário apareceu, liderado pelas mães dos soldados .

A Rússia e o fato consumado

O exército russo será pressionado a realizar uma ofensiva terrestre de mais de 90 milhas além das fronteiras da antiga União Soviética sem uma pausa logística. Para a OTAN, isso significa que pode se preocupar menos com uma grande invasão russa dos estados bálticos ou da Polônia e um foco maior na exploração dos desafios logísticos russos, afastando as forças russas de seus depósitos de suprimentos e visando pontos de estrangulamento na infraestrutura logística russa e força logística no geral. Isso também significa que é mais provável que a Rússia apreenda pequenas partes do território inimigo sob seu alcance logisticamente sustentável de 90 milhas, em vez de uma grande invasão como parte de uma estratégia de fato consumado .

Da perspectiva russa, não parece que eles estejam construindo suas forças logísticas com o fato consumado ou blitzkrieg em toda a Polônia em mente. Em vez disso, o governo russo construiu um exército ideal para sua estratégia de “Defesa Ativa”. O governo russo construiu forças armadas altamente capazes de lutar em território nacional ou perto de sua fronteira e atacar profundamente com fogos de longo alcance. No entanto, eles não são capazes de uma ofensiva terrestre sustentada muito além das ferrovias russas sem uma grande parada logística ou uma mobilização maciça de reservas.

Decifrar as intenções da Rússia agora é cada vez mais difícil. Seu acúmulo militar na fronteira com a Ucrânia pode ser uma preparação para uma invasão ou pode ser mais uma rodada de diplomacia coercitiva. No entanto, pensar nas capacidades logísticas militares da Rússia pode dar à OTAN algumas ideias sobre o que Moscou pode estar planejando fazer a seguir – e o que a aliança ocidental pode fazer para proteger seus interesses.

texto por: Alex Vershinin

O tenente-coronel Alex Vershinin foi comissionado como segundo tenente de cavalaria blindada em 2002. Ele tem 10 anos de experiência na linha de frente na Coréia, Iraque e Afeganistão, incluindo quatro missões de combate. Desde 2014, ele trabalha como oficial de modelagem e simulações no campo de desenvolvimento e experimentação de conceitos para a OTAN e para o Exército dos EUA, incluindo uma turnê no Laboratório de Batalha de Sustentação do Exército dos EUA, onde liderou a equipe de cenários de experimentação.

Correção: Uma versão anterior deste artigo afirmava que os Comandos Ocidental e Sul da Rússia têm três exércitos e apenas duas brigadas de suporte técnico-material para apoiá-los. Na verdade, esses distritos contam com três brigadas de apoio técnico-material.

FONTE: War on the Rocks

- Advertisement -

141 COMMENTS

Subscribe
Notify of
guest
141 Comentários
oldest
newest most voted
Inline Feedbacks
View all comments
Luís
Luís
3 meses atrás

Vocês querem matar o King do coração!?

glasquis 7
3 meses atrás

‘O urso tem fome’!”

Poderia ter consciência dos seus atos também, não faria mal.

MARCO ANTONIO DEMUNER PASSAMANI
Reply to  glasquis 7
3 meses atrás

Não sou pró-russia, mas os EUA tb já fizeram umas merdas. Os motivos são sempre questionáveis, seja de um lado ou outro.

Que bela matéria!!!! Conseguiu clarear bastante algumas dúvidas que tenho.

Abel
Abel
Reply to  MARCO ANTONIO DEMUNER PASSAMANI
3 meses atrás

O povo resiste mesmo perdendo,vai ficar difícil segurar a resistência em Belarus e Ucrânia. Isso depois dessa primeira guerra. A influência cultural dessa guerra vai durar uns 200 anos. Por isso que a China vai rever seu caminhar junto a Rússia, ou cairá antes de sua festa de 2049. E olha que sou anti americano

Mas anti tanque tá na moda
hj com musica e tudo tudo.

Cᴀʟɪʙʀᴇ Oʙsᴄᴜʀᴀ (@CalibreObscura) tweetou: Ukrainian forces doing the ol’ RPG shoot-n-scoot https://t.co/awUZiiOBru https://twitter.com/CalibreObscura/status/1499878609149906946?s=20&t=CrCV39MCv7EqJESyJ6u2Mg

Last edited 3 meses atrás by Abel
Agressor's
Agressor's
Reply to  glasquis 7
3 meses atrás

A Rússia tem que detonar as torres de transmissão de TV da Ucrânia. O comediante é ator, deve estar morrendo de medo da inteligência russa mas tá se criando falando para o mundo todo e levando os civis para a morte e a desgraça. Claramente os civis estão sendo impedidos de fugirem para serem usados como escudos humanos e massa de manobra contra os russos…

Last edited 3 meses atrás by Agressor's
glasquis 7
Reply to  Agressor's
3 meses atrás

” levando os civis para a morte e a desgraça.”

Você não deve estar sabendo mas, esta guerra é uma invasão russa a Ucrânia. Quem mata civis ucranianos é o exercito russo.

Só pra te deixar por dentro.

Em tudo caso, sou mais um comediante na trincheira do que um “estrategista” no escritório.

Last edited 3 meses atrás by glasquis 7
Slow
Slow
Reply to  glasquis 7
3 meses atrás

Cade o comediante na trincheira ? Pq ele só aparece pra tirar foto depois volta pro bunker ..

Nei
Nei
Reply to  Agressor's
3 meses atrás

Quanta desinformação e suposição em uma única mensagem, vai trabalhar cidadão. Você deve ser aquela pessoa que fala mal da polícia, mas quando está em apuros liga pro 190. Conheço sua índole só por suas mensagens cidadão.

Palpiteiro
Palpiteiro
Reply to  glasquis 7
3 meses atrás

Deveriam ter aderido a Otan. Assim investiram 2% do PIB. Teriam acesso a equipamentos bons e poderiam participar de treinamento adequado.

Slow
Slow
Reply to  glasquis 7
3 meses atrás

O urso só está protegendo seus filhotes .

6F941933-8DA0-48C1-969B-B13DC1C2CF92.jpeg
Last edited 3 meses atrás by Slow
Slow
Slow
Reply to  glasquis 7
3 meses atrás

O urso

F868E025-7648-4045-B8C9-181B3045176F.jpeg
Hank Voight
Reply to  Slow
3 meses atrás

Charge duplamente falsa, mas é o que se pode esperar da ditadura totalitária chinesa

Rodrigo Martins Ferreira
Rodrigo Martins Ferreira
3 meses atrás

O exército vermelho, não erra! Quem erra são a realidade, matemática, lógica e física.

Antoniokings
Antoniokings
Reply to  Rodrigo Martins Ferreira
3 meses atrás

Incrível tanque blindado russo se dirigindo para Mariupol.

https://southfront.org/wp-content/uploads/2022/03/Melitopol.mp4?_=1

Kira
Kira
Reply to  Rodrigo Martins Ferreira
3 meses atrás

Kkkkkkkk

André K
André K
Reply to  Rodrigo Martins Ferreira
3 meses atrás

O importante é a narrativa.
Funciona bem quando não há resistência.

Rodrigo Martins Ferreira
Rodrigo Martins Ferreira
3 meses atrás

Pergunta ao camarada Antoniokings;

Os russos fecharam um acordo para vender o seu gás aos chineses. Mas tomaram uma esfolada que os chinas só pagarão 40% do valor que os europeus pagavam..

Ainda da para dizer que ali tem parceria ou os chinas ferraram o Putin gostoso ?

Chevalier
Chevalier
Reply to  Rodrigo Martins Ferreira
3 meses atrás

Comunista ferrando comunista. Coisa linda.

Nilton L Junior
Nilton L Junior
Reply to  Chevalier
3 meses atrás

Exatamente, URSS comunista e China comunista, parabéns.

Andre
Andre
Reply to  Nilton L Junior
3 meses atrás

Mas o fato de que o dragão vai espremer o ursinho até arrancar sua última gosta de suor não da para questionar ne?

Pablo Maroka
Pablo Maroka
Reply to  Chevalier
3 meses atrás

Só deixar que eles se matam novamente.

MARCO ANTONIO DEMUNER PASSAMANI
Reply to  Rodrigo Martins Ferreira
3 meses atrás

Amigos, amigos, negócios a parte. Esse papinho que a China está alinhada com a Rússia… nem a parte mais fácil que seria na ONU fizeram. Imagina na economia.

Rodrigo Martins Ferreira
Rodrigo Martins Ferreira
Reply to  MARCO ANTONIO DEMUNER PASSAMANI
3 meses atrás

Pois é…. Vai a turma da <- entender isto.

Para a China interessa uma Rússia quebrada e submissa.

Antoniokings
Antoniokings
Reply to  MARCO ANTONIO DEMUNER PASSAMANI
3 meses atrás

E vc acha que a China vai perder a oportunidade de acabar de empurrar os EUA para baixo?
Tolinho.
Leia aí.
Mais importante parceiro.

https://www.marketwatch.com/story/china-calls-russia-its-most-important-partner-as-it-refrains-from-condemning-ukraine-attack-01646643497?mod=home-page

glasquis 7
Reply to  Rodrigo Martins Ferreira
3 meses atrás

O que menos interessa à China é ter um concorrente poderoso do seu lado.

Nelson Junior
Nelson Junior
Reply to  glasquis 7
3 meses atrás

Quiz mostrar que tinha “força” para seu vizinho de olho puxado e agora deixou claro que ali é pura propaganda… Não duvido nada os Chineses estarem torcendo contra o Putin, hahahahaha

Pedro
Pedro
Reply to  Rodrigo Martins Ferreira
3 meses atrás

Com certeza. A China não vai fazer caridade. E se não vender pra ela ,não vai vender para ninguém.

Nelson Junior
Nelson Junior
Reply to  Rodrigo Martins Ferreira
3 meses atrás

Ditadores e Comunistas adoram puxar o tapete uns dos outros…

Rodrigo Martins Ferreira
Rodrigo Martins Ferreira
Reply to  Nelson Junior
3 meses atrás

Isto é uma verdade absoluta

Realista
Realista
Reply to  Nelson Junior
3 meses atrás

Da onde você tirou que Rússia é comunista ?

Nelson Junior
Nelson Junior
Reply to  Realista
3 meses atrás

Não Falei que a Russia é Comunista leia direito o que escrevi !
Simplesmente coloquei Comunistas e Ditadores no mesmo “balaio”
São tudo da mesma “láia”, nenhum presta

Carlos Gallani
Carlos Gallani
Reply to  Rodrigo Martins Ferreira
3 meses atrás

Ele estava delirando outro dia que Putin e Xi tinham combinado tudo nas olimpíadas de inverno… coitado!

Antoniokings
Antoniokings
Reply to  Carlos Gallani
3 meses atrás

O que não vc entendeu quando a China anunciou hoje 07/03 que a Rússia é sua mais importante parceira e não vai adotar sanções contra ela?

Com a palavara, o Chanceler chinês.

http://www.marketwatch.com/story/china-calls-russia-its-most-important-partner-as-it-refrains-from-condemning-ukraine-attack-01646643497?mod=home-page

Acorda camarada!.
O Ocidente está nas cordas e a China não vai perder a oportunidade de dar o empurrão final.
Esse é o momento que ela esperava há anos e ela está muito agradecida a sua parceira Rússia.de ter começado esse tão esperado momento.

Cadu
Cadu
Reply to  Rodrigo Martins Ferreira
3 meses atrás

Talvez ele não diga o que ele realmente pensa, mas no fundo ele te diria que é o acordo caracu, os chineses entram com a cara e o russos com o ….. Kkk

Jacinto
Jacinto
Reply to  Rodrigo Martins Ferreira
3 meses atrás

Se isso for verdade, o Putin conseguiu transformar a Rússia na colônia de exploração da China. Porque desde que o s portugueses chegaram aqui e começaram a trocar pau-brasil por espelho não se vê um acordo mais predatório do que este.

Jacinto
Jacinto
Reply to  Jacinto
3 meses atrás

Palavras o vento leva… o Putin e o Lavrov também disseram que a Rússia não iria invadir e invadiu.
Quando você encontrar um banco importante chinês financiando algo importante russo vou acreditar que essa aliança é mais do que palavras. Até lá tente explicar isso: os maiores bancos chineses não estão financiando operações russas;

imagem_2022-03-07_211114.png
Rodrigo Martins Ferreira
Rodrigo Martins Ferreira
Reply to  Jacinto
3 meses atrás

Mas eu já percebi isto faz tempo…a China utiliza a Rússia como uma fontes das tecnologias que ela ainda não possui e nada mais.

Desde os tempos ancestrais do PROSUB/HXBR eu falo sobre as associações que o Brasil fez com a França e isto tb vale para a Rússia e China…

Não existe relação de igualdade, quando as duas partes são tão díspares…

Simples assim.

Jacinto
Jacinto
Reply to  Rodrigo Martins Ferreira
3 meses atrás

Quem me dera ao menos uma vez
Ter de volta todo o ouro que entreguei a quem
Conseguiu me convencer que era prova de amizade
Se alguém levasse embora até o que eu não tinha

Rodrigo Martins Ferreira
Rodrigo Martins Ferreira
Reply to  Jacinto
3 meses atrás

Amizade entre países e corporações não existe.

No passado eu já trabalhei com empresas em HK, não tive problemas.. Eles cumpriram a parte deles e nós a nossa..

Fazendo um contrato direito e bom para todos, não tem erro para ninguém.

O problema está nos locais, que aceitam que estrangeiros, cooptem os corruptos e façam acordos caracu…

Ai eu pergunto. O problema está na China/EUA ou aqui ?

Rodrigo Martins Ferreira
Rodrigo Martins Ferreira
Reply to  Jacinto
3 meses atrás

Procura em mídia séria… jornais de economia de verdade e não em Sputinik e Southfront.

Diga-se de passagem os chinas estão certos e espero que o Brasil nos seus negócios com a pária Rússia use do mesmo expediente.

Juarez Martinez de Castro
Juarez Martinez de Castro
Reply to  Jacinto
3 meses atrás

Assista o programa roda viva, o professor Trevisan falou em alto e bom dom:
Os Chineses esfolaram os Russos na negociação, vendendo o metrô cúbico de gás 40 % abaixo do que e vendido para a Europa

Antoniokings
Antoniokings
Reply to  Rodrigo Martins Ferreira
3 meses atrás

Não ferraram. Não tenho acesso aos termos do acordo, mas mesmo que sejam a preços mais baixos, os russos ainda terão um bom lucro. De qualquer maneira, quem sairá prejudicada será a Europa, que verá o preço de um insumo industrial disparar e inviabilizar sua indústria. E mais ainda se comparada a essa vantagem chinesa. Mais uma, energia barata. Nem estou considerando os estragos que farão nos orçamentos das famílias que terão de dispender mais dinheiro com energia doméstica. E diminuição do consumo, leva à diminuição das encomendas que leva ao desemprego e etc. Eu considero (na verdade, muitos analistas)… Read more »

Rodrigo Martins Ferreira
Rodrigo Martins Ferreira
Reply to  Rodrigo Martins Ferreira
3 meses atrás

Esta parceria Rússia e China só a turma da <- acredita..

Vou te afirmar…ela é mais fantasiosa que BRICS…

A China, o que puder vai esfolar os russos.

Satyricon
Satyricon
Reply to  Rodrigo Martins Ferreira
3 meses atrás

O mais estranho é que essa é uma percepção comum na sociedade russa, refletida até no cinema. Há uma série Russa no Netflix chamada “Cidade dos Mortos” (muito boa, por sinal) onde, devido á um vírus, o mundo encontra seu fim apocalíptico. É interessante notar a percepção da sociedade a diversos fatores, como a brutalidade das forças armadas russas, dizimando vilarejos do interior, por suspeita de estarem infectados. E no final da série, a Rússia é invadida por forças militares estrangeiras. Advinhe de onde vem o vilão? Vai uma dica: não são ocidentais, e possuem os olhos puxadinhos Estranho como… Read more »

Slow
Slow
Reply to  Rodrigo Martins Ferreira
3 meses atrás

BRICS é o futuro você gostando ou não .

Rodrigo Martins Ferreira
Rodrigo Martins Ferreira
Reply to  Slow
3 meses atrás

Faz tempo que isto é futuro hein velho ?

Alecs
Alecs
Reply to  Rodrigo Martins Ferreira
3 meses atrás

Eu falei pro Tonho da Lua que o Ursinho pimpão ia baixar a b#nd@ para o dragão e o dragão ia se aproveitar disso!

Antoniokings
Antoniokings
Reply to  Alecs
3 meses atrás

Confia.
E espalha isso no grupo de zap de sua família.
Tolinho.

‘Para a China, a parceria com a Rússia é uma prioridade estratégica, que será mantida mesmo sob condições internacionais adversas’

blogs.oglobo.globo.com/marcelo-ninio/post/amizade-com-russia-e-solida-como-rocha-diz-chanceler-da-china.html

Em tempo.
Interessante como seu ‘estilo literário’ parece com o de outro forista que gosta de ler manuais e anda meio sumido, eis que desnorteado.

paulotd
paulotd
Reply to  Rodrigo Martins Ferreira
3 meses atrás

Por isso que esse fórum tá cada dia pior, postam uma fake news dessa e somem. Nunca que a Rússia fecharia contrato de gás dela com só 40% do preço europeu. 70% acho possível.

A única notícia que tem fontes confiáveis na mídia é que a Shell continua a comprar óleo Russo, com um bom desconto claro, mas continuam comprando

Nei
Nei
Reply to  Rodrigo Martins Ferreira
3 meses atrás

Cade o Antoniokings? Haaa, sem resposta.

Antoniokings
Antoniokings
Reply to  Nei
3 meses atrás

Não é que esteja sem resposta.
É que aqui e no Naval, meus comentários depois até 20 horas (ou mais) para serem liberados.
Deste modo, evito comentar aqui e só respondo quando leio uma batatada muito grande.
O debate perde o ‘dinamismo’.

Zeca
Zeca
3 meses atrás

E pensar que um obtuso como o Pazuello é general 3 estrelas da logística militar brasileira…

RenanZ
RenanZ
Reply to  Zeca
3 meses atrás

Aquela logística boa, que manda vacinas para o estado errado

Zeca
Zeca
Reply to  RenanZ
3 meses atrás

Pra eles Macapá e Amapá é a mesma coisa kkkkk

EduardoSP
EduardoSP
Reply to  Zeca
3 meses atrás

Macapá, Amapá e Vatapá!
Tudo a mesma coisa para o gagal. Pançuelo.

Antoniokings
Antoniokings
Reply to  EduardoSP
3 meses atrás

Vatapá?
Ele não sabe o que é isso, não.
Conhece lagosta, filet mignon, caviar e etc.

Pablo Maroka
Pablo Maroka
Reply to  Zeca
3 meses atrás

Pelo menos as tropas fariam churrascos históricos.

horatio nelson zhirinovsky
horatio nelson zhirinovsky
3 meses atrás

e alem de tudo isso alguns soldados simplesmente abandonam seus tanques e caminhoes e fogem…se ainda existissem os comissários politicos a guerra ja teria acabado!

Hank Voight
Reply to  horatio nelson zhirinovsky
3 meses atrás

Os veículos russos estão quebrando ou ficando sem combustível e com receio de serem emboscados por ucranianos portando RPGs, mísseis Javelin ou NLAWs os russos preferem abandonar os veículos

Antoniokings
Antoniokings
Reply to  Hank Voight
3 meses atrás

HMS

Esqueça isso.
Essas historinhas de zap não convencem mais.
Tem uma coluna de 60 km de tanques pronta para entrar em Kiev a um estalar de dedos de Putin.
Reze para seu irmão de fé Zelenky ter bom senso para se render logo antes que a paciência russa se esgote..

Hank Voight
Reply to  Antoniokings
3 meses atrás

Entendo o seu desespero, tanto que está fazendo hora extra…

Mas fatos são fatos! Sinto muito…rssss

Almeida
Almeida
Reply to  Antoniokings
3 meses atrás

Pra quem tava esbravejando uma guerra nuclear, o Putin tá bem paciente pra estalar esses hein? Três semanas já rsrsrsrs

Pablo Maroka
Pablo Maroka
Reply to  Hank Voight
3 meses atrás

O nome Javelin assusta qualquer militar russo.

Dormirão decadas lembrando esse nome

Andre
Andre
Reply to  Pablo Maroka
3 meses atrás

Inclua o nome bayraktar, destruindo veículos de origem russa desde a Armênia.

Hank Voight
3 meses atrás

Especialmente no caso dessa campanha na Ucrânia o responsável pela logística russa deve ser o General Pazzuellovisky…rsss!

Last edited 3 meses atrás by Hank Voight
Canarinho
Canarinho
3 meses atrás

OFF TOPIC – os Russos acabaram de tomar Izyium, uma cidade estratégica, agora estao a um passo de ter Donetsk Inteira e abrir outra frente em kharkiv

Lucas
Lucas
Reply to  Canarinho
3 meses atrás

Fonte: algum perfil obscuro e tendencioso das redes sociais?

Antoniokings
Antoniokings
Reply to  Canarinho
3 meses atrás

Confirmado.
Os russos entraram na cidade.
Com a queda de Izyum, a Ucrânia praticamente se despede de Donbass.

https://southfront.org/breaking-russian-armed-forces-burst-through-afu-defenses-near-town-of-izyum/

Li que russos e militares da LPR estavam se aproximando de Karkhov por essa direção.
Quando chegarem lá, praticamente não haverá mais fronteira russa exposta com a Ucrânia.
Além disso, dominadas essas regiões, espera-se que avancem para oeste até Dnipro cortando toda a região.

Rodrigo Martins Ferreira
Rodrigo Martins Ferreira
Reply to  Canarinho
3 meses atrás

E eu pensava que eles já controlassem o Donetsk há anos.

Antoniokings
Antoniokings
Reply to  Rodrigo Martins Ferreira
3 meses atrás

Os separatistas controlavam apenas a região de Donbass, que abrange áreas de Donestk e Luhansk, não o território todo das províncias, que eles chamam de oblast.
Seria, p. ex,, como o Vale do Rio Paraíba do Sul, que tem terras no RJ e SP, mas não o Estado todo.

Nelson Junior
Nelson Junior
3 meses atrás

Putz parece que não aprenderam nada na segunda guerra mundial…
Só os EUA mandaram mais de 200 mil caminhões para os RUSSOS durante a segunda guerra…
https://br.rbth.com/historia/84807-studebaker-dos-eua-na-urss

Palpiteiro
Palpiteiro
Reply to  Nelson Junior
3 meses atrás

Os caminhoneiros foram trabalhar na Inglaterra. Eles estão precisando de motoristas lá.

Agnelo
Agnelo
Reply to  Nelson Junior
3 meses atrás

+ de 600 mil.

Bruno Vinicius
Bruno Vinicius
Reply to  Nelson Junior
3 meses atrás

Um erro tremendo. Os aliados deveriam ter deixado russos e alemães se destruírem sem ajuda externa e depois entrado para limpar a bagunça. Tivessem feito isso, vários do problemas criados pela Guerra Fria nunca teriam existido.

Last edited 3 meses atrás by Bruno Vinicius
Antoniokings
Antoniokings
Reply to  Bruno Vinicius
3 meses atrás

Só se viessem a nado da América, porque os soviéticos teriam tomado toda a Europa.

Hcosta
Hcosta
Reply to  Bruno Vinicius
3 meses atrás

E a União Soviética conquistava o resto da Europa…

Bruno Vinícius
Bruno Vinícius
Reply to  Hcosta
3 meses atrás

Vocês subestimam demais o efeito do land lease. Sem o apoio material que os americanos deram, os alemães não derrotariam a URSS, mas dificilmente os soviéticos conseguiriam fazer uma contra-ofensiva tão grande como fizeram.

Last edited 3 meses atrás by Bruno Vinícius
Henrique
Henrique
3 meses atrás

A tradução não está muito boa, seria melhor procurar não traduzir os termos ao pé da letra mas de acordo com os termos usados por nós.

Rafael Gustavo de Oliveira
Rafael Gustavo de Oliveira
3 meses atrás

Havia rumores de criar uma arma de logística no exercito brasileiro, seria a extinção (por transformação) do serviço de intendência e quadro de material bélico em uma única arma….não sei se aprovaram….logística é um assunto extremamente importante, mas que pouco se fala por que não dá ibope na mídia. Vocês ficam debatendo comprar C.C de 75 toneladas, mas na prática sofremos para operar meios de 45/50t, manter operando em campanha com combustível, munição, sobressalentes e transporte é complicado até para as superpotencias…. muitos de vocês não sabe que para adquirir meios (principalmente os mais pesados) seria necessário reestruturar muita coisa,… Read more »

Agnelo
Agnelo
Reply to  Rafael Gustavo de Oliveira
3 meses atrás

Na ESAO, unificaram Mat Bel e Intendência.
Por enquanto, foi a mudança neste sentido.

Peter nine nine
Peter nine nine
Reply to  Rafael Gustavo de Oliveira
3 meses atrás

Ehhh. Camião de estrada na terra?
Não sei que tipo de movimentação era essa, mas desembarcar o gepard e fazer uso das lagartas, tal como o m113, era a opção de maior sucesso. Quanto ao camião, nem devia estar ali. Pelo menos não com esse pneu e/ou nem desse modelo.

Gabriel ferraz
Gabriel ferraz
3 meses atrás

Não é difícil acertar não, quando putin agrupou 150 mil tropas na fronteira ,foi pra invadir a Ucrânia, o mesmo está fazendo aos arredores de Kiev, juntando tropa e material pra tentar tornar a capital ,ou vocês acham que é brincadeira tomar uma capital com 4 milhões de pessoas?

Alfa BR
Alfa BR
3 meses atrás

Os Grupos Táticos de Batalhão (BTG) russos dispõem de duas a cinco viaturas cisterna combustível de 7.000 l para reabastecimento dependendo da constituição. Isso dá no máximo 35.000 litros de combustível para uma formação que integra frações artilharia, defesa antiaérea…

Para comparação, um Combined Arms Battalion do US Army é suportado por 6 viaturas cisterna combustível (+ reboques de combustível) que carregam até 90.000 litros.

BlackWhitepl
BlackWhitepl
Reply to  Alfa BR
3 meses atrás

Duvido muito dessa informação, exista alguma fonte oficial que disponha dela?

Jester
Jester
3 meses atrás

Continua esse papo furado de sufocar a Rússia e blá blá blá . Vc s fazem uma ginástica mental enorme pra distorcer os fatos meu Deus ! E eu tô vendo a mentalidade defensiva da Rússia com 150 mil invasores dentro da Ucrânia . Tenha paciência .

Hcosta
Hcosta
3 meses atrás

As fronteiras deles dão para 2 continentes e 3 oceanos.
Sem contar que na guerra fria tinham muitos países para o apoio logístico.

Carlos Gallani
Carlos Gallani
3 meses atrás

Eu não sei se isso é uma releitura da corrida maluca ou se é o circo chegando na cidade!
HAHAHAHAHAHAHAHAHAHA

circo.jpg
Last edited 3 meses atrás by Carlos Gallani
Carlos Gallani
Carlos Gallani
Reply to  Guilherme Poggio
3 meses atrás

É já tinha visto esse vídeo, será que estes veículos realmente são la do fim da URSS ou será que a indústria automotiva deles é muito ruim?
Os caras estão mandando uns cacarecos que até os muriçoqueiros tupiniquins vão dar risada!

Abel
Abel
Reply to  Carlos Gallani
3 meses atrás

Sim são veículos de apoio do exército russo. Foram levados de trem,

Antoniokings
Antoniokings
Reply to  Abel
3 meses atrás

E por falar em trem, trem blindado russo chegando a Mariupol.
O bicho é poderoso.

https://southfront.org/wp-content/uploads/2022/03/Melitopol.mp4?_=1

Nelson Junior
Nelson Junior
Reply to  Guilherme Poggio
3 meses atrás

Típico dos Russos, quando “a porca torce o rabo” confiscam dos civis

Pablo Maroka
Pablo Maroka
Reply to  Nelson Junior
3 meses atrás

Estou enojado!

Andre
Andre
Reply to  Carlos Gallani
3 meses atrás

Nosso ex presidente chamaria isso de carroças.

Antunes 1980
Antunes 1980
3 meses atrás

A Rússia simplesmente expos ao mundo todo:

A) estratégia equivoca e/ou ultrapassada.

B) equipamentos obsoletos e em péssimo estado.

C) militares desmotivados.

D) incapacidade em garantir a supremacia aérea.

E) não utilização de drones em larga escala.

F) Baixa tecnologia de contramedidas para suas aeronaves.

Pra quem tinha medo da Rússia, agora pode ficar mais tranquilo.

Joe
Joe
Reply to  Antunes 1980
3 meses atrás

Imagine o exército russo enfrentando as tropas modernas da otan. Seriam massacrados. Por isso ficam falando esses dias sobre guerra nuclear. É o só o que lhes restou.

Last edited 3 meses atrás by Joe
Nilton L Junior
Nilton L Junior
Reply to  Antunes 1980
3 meses atrás

Da forma que vc coloca parece que são amadores, vamos ver se ainda der tempo, uma passado o conflito as análise serão mais realista e cada ponto desses levantados serão obviamente confrontados com o que os Russos planejaram e o que conseguiram.

Antunes 1980
Antunes 1980
Reply to  Nilton L Junior
3 meses atrás

Então eles planejaram sofrer grandes baixas toda sua linha defensiva e de suprimentos.
Planejaram perder vários helicópteros, aviões de ataque ao solo e caças.
Planejaram ficar sem combustível, água e alimento.

Deve ter saído mesmo tudo conforme o planejado.

BlackWhitepl
BlackWhitepl
Reply to  Antunes 1980
3 meses atrás

De acordo com os dados Ucranianos, e na guerra a primeira vítima é a verdade. Lembre-se do “fantasma de Kiev” que abateu em um único dia 6 aeronaves Russas? Tudo propaganda e mentira.

Nelson Junior
Nelson Junior
Reply to  Antunes 1980
3 meses atrás

Agora imagina o estado das ogivas nucleares, capaz de explodir no colo deles antes de lançar

Palpiteiro
Palpiteiro
Reply to  Nelson Junior
3 meses atrás

Estão chocando granadas

Pablo Maroka
Pablo Maroka
Reply to  Nelson Junior
3 meses atrás

Sim, imagino um soldado correndo com uma ogiva nas mãos, atropeça e ela cai no chão e explode.

Hcosta
Hcosta
Reply to  Guilherme Poggio
3 meses atrás

Isso foi confirmado? Já na 2GM enviavam muitas mensagens falsas…

Rodrigo Martins Ferreira
Rodrigo Martins Ferreira
Reply to  Guilherme Poggio
3 meses atrás

Eu vi isto, n entendo russo o suficente para diferenciar…

Mas espero que eles estejam pelo menos usando a língua do P

Oráculo
Oráculo
Reply to  Antunes 1980
3 meses atrás

Tanta bobagem em um só post… Os russos estão enfrentando um Exército que só usa material russo. Que tem uma doutrina “soviética” igual a russa. E cujo povo também é eslavo. Ou seja, estão lutando contra seus “iguais”. Por isso que o bicho tá pegando. E pro azar deles a OTAN equilibrou o jogo mandando DEZESSETE MIL misseis anti-tanques variados, com destaque pro Javelin e Nlaw, alem dos Stinger, que fazem a vida dos pilotos de helicópteros virar um inferno. Supremacia aérea contra S-300, Pantsir, Bulks, Iglas, Stingers? É ruim hein… Eles eliminaram a Força Aérea Ucraniana. Agora arriscar voar… Read more »

Antunes 1980
Antunes 1980
Reply to  Oráculo
3 meses atrás

Os ucranianos estão recebendo desde 2015 treinamento militar dos britânicos.
E nos últimos meses receberam mais de 500 milhões de libras em equipamentos ocidentais.
Outro fator fundamental é que eles tiveram tempo para organizar e reforçar suas linhas defensivas, tudo isso com apoio dos ingleses e americanos.
Semana passada o governo americano confirmou que apoia os ucranianos com informações do campo de batalha através dos seus satélites.

Os russos caíram em uma armadilha difícil de sair.

Last edited 3 meses atrás by Antunes 1980
Agnelo
Agnelo
Reply to  Oráculo
3 meses atrás

Seus iguais?
Os ucranianos não acham….
Def AAe é pra atrapalhar o Poder Aéreo, não para impedi-lo totalmente. Se os russos não podem enfrentar meios a eles mesmo construíram, então podem interferir muito bem, algo de muito errado não está certo no poder aéreo russo.

Oráculo
Oráculo
Reply to  Agnelo
3 meses atrás

Nisso concordamos.

Esse “medo” russo de seus próprios sistemas antiaéreas é o grande mistério dessa guerra.

Esses dias eu vi a quantidade de caças estacionados na Bielorrússia, coisa de mais de 200.

Inexplicável o motivo deles não entrarem em combate. A única explicação é que eles são uma “reserva técnica” pro caso da OTAN entrar na guerra.

dfa
dfa
3 meses atrás

O ridículo continua… Sufocar as fronteiras Russas? Mas alguma vez a OTAN atacaria um estado nuclear como a Rússia? Com o número de ogivas nucleares que a Rússia tem, a necessidade de uma defesa em profundidade torna-se desnecessária, ainda mais tendo em conta o número magro de forças da OTAN que estavam junto de suas fronteiras, mesmo convencionalmente nunca existiu risco. Isso é conversinha de Putin para se apoderar dos recursos Ucranianos. E seja como for a China e as empresas de defesa europeias e americanas agradecem a jogada de Putin. Aliás China que está tomando apontamento dessa guerra pensando… Read more »

Antoniokings
Antoniokings
Reply to  dfa
3 meses atrás

Então, meu caro gênio, por que diabos a OTAN está se expandindo pelo Leste?
Só que agora acabou.
Putin colocou o porrete sobre a mesa e falou: Agora acabou!
E a OTAN, como dizemos, cag. pra dentro.

Francisco
Reply to  dfa
3 meses atrás

Cabe lembrar ao amigo dfa que o termo atacar pode ser usado para outras formas de ofensiva além das bélicas, tais como cultural, religiosa, política, etc…

Oráculo
Oráculo
3 meses atrás

Muito bom o texto.

RenanZ
RenanZ
Reply to  Oráculo
3 meses atrás

Achei excelente, bem redigido e com fatos concretos

naval762
naval762
3 meses atrás

Depois de ler a matéria, vc vai nos comentários e o que vê? Torcida.

Oráculo
Oráculo
Reply to  naval762
3 meses atrás

Os comentários são um tumor maligno na Trilogia…

Leonid Brejnev
Leonid Brejnev
3 meses atrás

Estou vendo diariamente esse papo de falha na logística do exército Russo, a mais ou menos dois meses a Rússia mobilizou rapidamente uma grande força no Cazaquistão. Acho que o Putin esta deixando a mídia ocidental doida, ficam tentando adivinhar qual a tática russa para a Ucrânia, e ai começam a inventar histórias.

HLopes
HLopes
Reply to  Leonid Brejnev
3 meses atrás

Não é comparável a logística necessária para sustentar uma força de infantaria ligeira composta de seis ou sete mil homens com a logística necessária para uma força de armas combinadas de mais de duzentos mil homens.

dfa
dfa
Reply to  Leonid Brejnev
3 meses atrás

No Cazaquistão foram os SVD russos, 2 mil homens se não estou em erro.
Tropa de carácter expedicionário abastecidos por ponte aérea.
Logística completamente diferente de uma força mais robusta (Ex:cavalaria mecanizada)
Cenário de baixa intensidade versus Cenário de alta intensidade.
Uma é manutenção de paz a outra é guerra.
Simplesmente são dois contextos diferentes.

Last edited 3 meses atrás by dfa
Rayan
Rayan
3 meses atrás

Estudo fenomenal que explica perfeitamente as pausas de reorganização de suprimentos das forças russas nos últimos 2 dias.

Zezão
Zezão
3 meses atrás

Não importa como a guerra na Ucrânia termine, Putin já perdeu. Mesmo que ele tome Kiev amanhã, ele perdeu.  A Rússia não tem forças (e talvez vontade) para ocupar a Ucrânia, uma sociedade civil que optou em resistir.  Parece que a derrota de Putin é provavelmente o produto de 5 fatores: o alto preço de uma vitória militar possível, o atoleiro de uma ocupação, o fortalecimento da OTAN e da defesa europeia, o isolamento internacional da Rússia e o descontentamento interno que poderá levar a sua queda. É fato que a guerra não vai como planejado pelos russos. A luta tem sido… Read more »

Antunes 1980
Antunes 1980
Reply to  Zezão
3 meses atrás

Esse é o ponto principal.

Hoje 15% do parlamento ucraniano é pró-Rússia, e uns 20% são o centrão deles (que apoia a situação que for mais vantajosa para eles).

Sinceramente não vejo como instalar um governo russo uniforme. Além de internamente haver uma grande rejeição russa, o ocidente vai fazer de tudo pra derrubar quem estiver lá.

Vamos ver ser a Rússia lida melhor com uma guerra política do que uma guerra de verdade.

Carlos Gallani
Carlos Gallani
Reply to  Antunes 1980
3 meses atrás

Não há suporte popular para um governo pro Rússia, ele seria linchado literalmente!
A Ucrânia sofre mas pode anotar, assim que a guerra acabar ela será aceita na UE, passará por um mini plano Marshall e se tornara um pais próspero, já a Rússia devera depender do custoso dinheiro Chinês para reerguer a economia e o prognóstico é sombrio!

Carlos Gallani
Carlos Gallani
Reply to  Zezão
3 meses atrás

Eu não teria escrito melhor, penso da mesma forma, Putin se tornou vitima da própria estratégia e a Otan, agindo como boa moça sem grande esforço, sorri vendo a Rússia sangrar cada dia mais, a Rússia perdeu e Putin subiu no telhado!

Pablo Maroka
Pablo Maroka
Reply to  Zezão
3 meses atrás

Será o vietnã russo.

Jacinto
Jacinto
Reply to  Zezão
3 meses atrás

Esta campanha já causou danos à imagem do exército russo. Hoje no New York Times tem uma reportagem que deixa claro de que aquela ideia de que os russos conseguiriam invadir os países Bálticos em 3 dias (baseado em estudo da Rand) perdeu a credibilidade.

imagem_2022-03-07_222531.png
Last edited 3 meses atrás by Jacinto
Nelson Junior
Nelson Junior
Reply to  Zezão
3 meses atrás

Estou até vendo… Após a guerra, os Russos fazerem o “desfile da vitória” na praça vermelha, e uma estátua em algum praça para homenagear algum General “heróico” da guerra contra a Ucrânia, exaltando o indestrutível Exército vermelho… A Russia é uma piada de mal gosto, e o pior, que o mundo está cheio de Russoboys alienados aplaudindo

Last edited 3 meses atrás by Nelson Junior
sub urbano
sub urbano
3 meses atrás

Quem lê acha que os ucranianos estão cercando Moscow e Putin está agachado em posição fetal em algum bunker… Na verdade Zelensky deixou a capital nesta madrugada escoltado por operadores do SAS enquanto Putin bebia chá preto com as comissarias da Aeroflot.

Faver
Faver
3 meses atrás

O cúmulo da hipocrisia desta guerra é que a Rússia continua a enviar gás para a Europa via gasoduto que passa pela Ucrânia, isto durante a guerra. Ou seja, a Ucrânia não faz nada contra isso. Ela podia usar isto a seu favor contra os russos (um gasoduto é um alvo parado) e deliberadamente não o faz. A Europa promete no ano que vem parar de usar o gás (até lá vai estocar até o talo), mas no momento continua sugando. Outro detalhe é que o gigante de minerais russos não entrou nas sanções. A não certificação do NordStream2 levou a… Read more »

Bruno Vinicius
Bruno Vinicius
Reply to  Faver
3 meses atrás

Apenas uma correção, o Rublo perdeu 60% do seu valor frente ao dólar. E tudo indica que cairá mais.

Carlos Gallani
Carlos Gallani
Reply to  Faver
3 meses atrás

A Rússia precisa da receita do gás, a Alemanha precisa do gás para sua economia, a Ucrânia precisa de apoio alemão, é um jogo no fio da navalha mas conveniente para todos!

Oráculo
Oráculo
Reply to  Faver
3 meses atrás

Sexta feira eu vi uma matéria que um grupo de Traders encontrou uma brecha no sistema e conseguiu comprar mais de 300 milhões de dólares em ativos russos, por menos de 20% do valor.

No fim da guerra vem o lucro bilionário.

Fabio Bueno Vinholo
Fabio Bueno Vinholo
3 meses atrás

Que textao sem noção! Cadê a menção da Ucrania? A Rússia tá levando uma fantástica surra que já se vê nas suas colunas uma porção de veículos de cores variadas fora o os veiculos militares, o que “significa o significado significante”: de os russos estão sofrendo tantas emboscadas que eles estão ficando quase sem caminhões. Fora os que são destruídos existem aqueles abandonados pelos russos que desertam, se rendem ou dão no pé. Temos que parar de fantasiar sobre a capacidade militar russa e também chinesa. São gigantes com pés de barro!

Reinaldo Deprera
Reinaldo Deprera
3 meses atrás

Uma divisão do US ARMY composta por algumas brigadas de infantaria, meia-duzia de brigada blindada e mais umas 6 brigadas de IFV, é plenamente capaz de neutralizar uma frente de batalha do exército russo em qualquer país da Europa e ainda realizar a capitulação de Moscou em quase qualquer modelo de contra-ataque e com perdas mínimas. Se alguém ainda tinha dúvidas disso, agora não tem mais. Um país como o Iraque ou o Afeganistão oferecem mais dificuldades para o US ARMY do que o exército russo devido a natureza da ocupação de território com insurgentes muitas vezes movidos por fanatismo… Read more »

Oráculo
Oráculo
Reply to  Reinaldo Deprera
3 meses atrás

Ou seja, na tua “conta de padaria” 1 divisão com “algumas” brigadas(o padrão são 3) = mais ou menos 15 mil homens 6 brigadas blindadas = de 25 a 30 mil homens 6 brigadas de IFV = de 25 a 30 mil homens. Ou seja, um exército de mais ou menos 70 mil soldados. Coloque pessoal de apoio, logística, Marinha, Força Aérea, etc e vai dar uma Força de ataque com mais de 120 mil homens. Se você realmente acredita que um exército de 120 mil homens ocupa Moscou, você deveria comentar nos grupos militares do Facebook, aonde os caras… Read more »

Peter nine nine
Peter nine nine
3 meses atrás

O que é que não compreendes no facto de que nações soberanas e independentes têm o direito a fazer as suas soberanas decisões? A Ucrânia não vai ser soberana pk a Rússia não quer? É isso? Os países do ex bloco soviético foram eles mesmos, a nível político e social (povo) que manifestaram o desejo de tenderem para o lado da união europeia e o escudo da NATO. O simples facto de que a União Europeia era um importante parceiro comercial de Moscovo, muitas vezes à rebelia de Washington, que sempre alertaram para a dependência comercial com um parceiro duvidoso,… Read more »

Zé bombinha
Zé bombinha
3 meses atrás

Camaradas… Qual a quantidade aproximada de caminhões no EB… Nas faixa 5ton..10ton.. e maiores!7500? E os ” especiais” temos?

Sensato
Sensato
Reply to  Zé bombinha
3 meses atrás

Pensei nisso enquanto lia o texto e no final, lembrei que, alguns anos atrás, quando foi noticiado que o EB tinha comprado uma quantidade de caminhões, choveu “especialista” por aqui criticando.

Andre
Andre
3 meses atrás

Sem os caminhões, trilhos, locomotivas e vagões americanos, fica muito difícil para a Rússia travar uma guerra em larga escala.

BlackWhitepl
BlackWhitepl
Reply to  Andre
3 meses atrás

Tudo isso representou apenas 5% dos recursos totais na guerra. O Land lease foi uma farsa.

Marialva
Marialva
3 meses atrás

KKKKKKKKKKKKK

Se os jogos de guerra recentes são uma indicação, então a resposta é um retumbante sim – e isso pode ser feito com bastante facilidade. 

KKKKKKKKKKKKK

Últimas Notícias

Apresentação sobre Estudos Estratégicos – Prof. Dr. Vitelio Brustolin

O Prof. Dr. Vitelio Brustolin, Professor de Direito Internacional, Organizações Internacionais e Estudos Estratégicos do INEST/UFF e pesquisador da...