segunda-feira, junho 27, 2022

Saab RBS 70NG

Thomas Gomart: ‘A guerra na Ucrânia também revela nossas próprias ilusões’

Destaques

Redação Forças de Defesa
redacao@fordefesa.com.br

Por Valerie Toranian

A guerra na Ucrânia destacou o abismo de mal-entendidos que existe entre a Rússia e o Ocidente. Explicações e análises com Thomas Gomart, diretor do Instituto Francês de Relações Internacionais.

Revue des Deux MondesEm que se baseia o abismo de mal-entendidos entre o Ocidente e a Rússia?

Thomas Gomart – No início dos anos Putin, os círculos políticos e econômicos consideravam a Rússia principalmente como um dos Brics (Brasil, Rússia, Índia, China e África do Sul), ou seja, como um mercado emergente. A ideia predominante na época era que a convergência econômica acabaria levando à convergência política. No entanto, a Rússia só aderiu à Organização Mundial do Comércio (OMC) em 2011, dez anos depois da China. O primeiro mal-entendido é, portanto, não ter visto que a Rússia era também, e sobretudo, uma potência re-emergente. Quando progrediu economicamente, especialmente com o aumento dos preços da energia, se rearmou. Não devemos esquecer que Vladimir Putin começou seu mandato ao perder um submarino nuclear em agosto de 2000. Ele reviveu a guerra na Chechênia e ofereceu vingança aos seus soldados. Esta estratégia permitiu-lhe recuperar credibilidade e prestígio internacional. Ele achava que, para ser respeitado, era preciso ser temido.

Segundo mal-entendido: a Rússia é uma civilização à parte, o famoso mundo ortodoxo descrito por Samuel Huntington em seu Clash of Civilizations, ou é um país que participa plenamente da globalização? Existe uma especificidade específica para a Rússia? Devido à sua dimensão continental e à organização do seu poder, a Rússia não pode ter um desenvolvimento comparável ao da Polônia ou dos países bálticos. Na segunda metade dos anos de Putin, o discurso sobre a “especificidade” russa endureceu. As elites russas abordam, com diferenças, a visão “huntingtoniana” do mundo. Putin apresenta-se como a personificação de um bloco civilizacional fundamentalmente oposto ao ocidentalismo decadente, mas capaz, ao contrário dos ocidentais, de interagir com outras grandes “civilizações”, em particular o mundo muçulmano. Para nós, isso levou a interpretações geopolíticas muitas vezes caricaturais e instrumentalizadas, como na questão dos cristãos orientais, seja por ignorância ou cegueira. No entanto, a dupla relação mantida com a Chechênia e a Síria é constitutiva do poder de Vladimir Putin. Interna e externamente, o presidente checheno, Ramzan Kadyrov, é pessoalmente leal a Vladimir Putin e faz parte de seu aparato de poder. Ele envia suas tropas para lutar na Ucrânia ao grito de “Allah Akbar”. Vale lembrar que quando os ataques ao Charlie Hebdo foram cometidos, um milhão de chechenos marcharam pelas ruas de Grozny contra a publicação das charges. Na Síria, a Rússia lutou menos contra o Estado Islâmico do que garantiu, à custa de bombardeios maciços, o regime de Bashar al-Assad.

‘Poucos líderes internacionais experimentaram uma jornada pessoal tão deslumbrante. Portanto, sua personalidade não tem nada em comum com os líderes produzidos por nossos sistemas democráticos.’

Finalmente, o terceiro mal-entendido diz respeito à personalidade de Putin e seu ponto de vista sobre outros líderes ocidentais, simplesmente por causa de sua ideologia, seu quadro intelectual de referência – ele é viciado na história russa, uma droga pesada que ele não pode deixar de largar – e por sua experiência vivida. As ruas de Leningrado, estudos de direito, uma carreira bastante medíocre na KGB, seu tempo na Alemanha Oriental, onde viu um sistema em colapso, seu retorno à Rússia no início dos anos 80, o caos econômico que beneficia crimes graves … Dez anos após seu retorno da RDA, foi eleito presidente da Federação Russa. Poucos líderes internacionais experimentaram uma jornada pessoal tão deslumbrante. Desde então, sua personalidade não tem nada em comum com os líderes produzidos por nossos sistemas democráticos. O couro não é o mesmo. Especialmente porque Vladimir Putin imprime sua vontade de poder por meio de sua capacidade de agir.

Revue des Deux MondesEsta viragem, a partir da qual Vladimir Putin se insere mais na civilização russa, está ligada ao avanço para leste da NATO?

Thomas Gomart – Eu dificilmente subscrevo a tese da humilhação russa, insistida pelas embaixadas russas na Europa e repetida ad nauseam. Subscrevo apenas parcialmente a que trata do alargamento da OTAN como causa principal do comportamento da Rússia pós-soviética. O problema fundamental é a natureza do regime russo após a queda da URSS. Este último desmoronou por si só no dia em que os soviéticos deixaram de acreditar nele. É sobretudo um fracasso econômico, político e ideológico antes de ser fruto de manobras ocidentais. A URSS perdeu a Guerra Fria porque não conseguiu mais continuar com a competição. A partir de 1993, ao reprimir o Parlamento, a Rússia mergulhou em um presidencialismo que aniquilou qualquer ideia de contrapoder institucional e imediatamente retornou à violência política. A Rússia da década de 1990 era baseada em quatro forças: o Kremlin, o exército, os serviços de segurança e os círculos criminosos, que vão se equipar com fachadas apresentáveis ​​com oligarcas jogando o jogo da globalização ao máximo. Enquanto a economia russa está sendo violentamente privatizada – é sem dúvida nesta área que a influência ocidental terá sido a mais prejudicial – a Rússia é derrotada militarmente na Chechênia. Se o Ocidente sabe aproveitar as privatizações, toma duas grandes iniciativas: por um lado, um conselho OTAN-Rússia em 1997, que estabelece uma paridade simbólica que não corresponde ao real equilíbrio de poder, e, por outro, por outro lado, a entrada da Rússia no G7, que se torna o G8. Ao mesmo tempo, é claro, existem as modalidades de dominação estratégica americana, particularmente na ex-Iugoslávia. O bombardeio de Belgrado pela OTAN, sem mandato da ONU, marca uma ruptura ideológica e estratégica. Moscou denuncia abertamente os “duplos padrões” ocidentais, ao mesmo tempo em que toma conhecimento de seu rebaixamento militar. A Rússia deu calote em 1998. Para Putin, a recuperação só pode rimar com nacionalismo.

‘Lembremos que a OTAN não anexa países. (…) Este “ocidente sequestrado”, para usar a expressão de Milan Kundera, sofria do totalitarismo nazista e soviético, era vital para ele obter garantias de segurança ocidentais tendo em vista a evolução política da Rússia e seu modo de travar a guerra na Chechênia’

Sobre o sentimento de insegurança da Rússia, recordemos de passagem que a OTAN não anexa países. Para os polacos ou para os húngaros, o Pacto de Varsóvia não era propriamente a casa da felicidade! Seu desejo de finalmente sair da órbita histórica da Rússia também reflete o sentimento de ter sido abandonado à própria sorte durante a Guerra Fria. Este “ocidente sequestrado”, para usar a fórmula de Milan Kundera, sofria do totalitarismo nazista e soviético, era vital para ele obter garantias de segurança ocidentais em vista da evolução política da Rússia e seu modo de ir à guerra na Chechênia. A situação é novamente diferente para os ex-membros da URSS: a comparação do desenvolvimento dos países bálticos e da Ucrânia, trinta anos após o colapso,

A verdadeira sensação de insegurança da Rússia está na cultura estratégica do país, que precisa de “fronteiras grossas”, para usar a frase de Sabine Dullin, para proteger o coração da Federação. Como tal, o sentimento de insegurança é interno e externo. Internamente, com a instabilidade no Cáucaso do Norte, confrontou-se muito cedo com um jihadismo militarizado que os ocidentais não necessariamente queriam ver. Externo, com a continuação de uma rivalidade estratégica com os Estados Unidos. Após os ataques de 11 de setembro, a Rússia imediatamente apoia Washington e até ajuda a intervenção no Afeganistão. Mas logo depois, os Estados Unidos retiraram-se unilateralmente do tratado ABM ( Anti-Ballistic Missile), que é, na minha opinião, mais importante do ponto de vista da segurança russa do que o alargamento da NATO. Os dois estão ligados, mas os russos tomaram conhecimento da possível redução de seu arsenal balístico, a pedra angular de seu sistema de segurança. Os Estados Unidos já estão pensando na ascensão da China e especialmente do Irã, e estão deixando este tratado para estabelecer seu próprio sistema antimísseis na Europa. Para a Rússia, é uma deterioração estratégica imediata.

Revue des Deux Mondes – A evolução do mandato de Putin pode ser analisada de duas maneiras. Ou não respondemos às suas propostas, ou não queríamos ver que ele sempre quis chegar à situação atual…

Thomas Gomart – A primeira tese não está completamente errada. No início de seu mandato, Putin apoiou os americanos em 11 de setembro, insistiu nos vínculos entre a União Europeia e a Rússia e propôs um projeto de integração regional de quatro vias entre Rússia, Ucrânia, Cazaquistão e Bielorrússia. A Europa apoia a integração regional em todo o mundo, exceto no espaço soviético, pois prepara então o alargamento de 2004 aos países que querem finalmente sair da órbita russa. Está, portanto, começando a ficar travado, especialmente com a Revolução Laranja: Putin não pode conceber, a fortiori na Ucrânia, que exista uma forma de aspiração democrática. Seria necessariamente fomentado pelos serviços de inteligência.

A segunda leitura possível é que a guerra é consubstancial ao poder de Putin. Ele chega aos negócios logo após os ataques em Moscou em 1999, que nunca foram realmente elucidados, e inicia uma nova guerra contra os chechenos. O jihadismo checheno foi um prenúncio do terrorismo militarizado com centenas de mortes, na escola de Beslan ou durante a tomada de reféns no teatro Dubrovka em Moscou. A maneira russa de fazer o contraterrorismo é muito diferente daquela do Ocidente.

‘O ano de 2013 marca para Putin o início do fim das intervenções ocidentais, dez anos após a guerra no Iraque, à qual ele havia se oposto com Paris e Berlim.’

Existem dois pontos de inflexão em relação ao Ocidente. Primeiro, em 2013, Barack Obama não reagiu após o uso de armas químicas por Bashar al-Assad, apesar de ter feito disso uma linha vermelha. Não tenho certeza se a qualificação da Rússia como uma “potência regional” satisfez Moscou. O exército sírio foi treinado pelos soviéticos, especialmente para armas químicas. O ano de 2013 marca, portanto, para Putin o início do fim das intervenções ocidentais, dez anos após a guerra no Iraque, à qual ele se opôs, aliás, com Paris e Berlim.

O segundo ponto de inflexão é a derrota das tropas americanas no Afeganistão em agosto de 2021. Putin já está exercendo pressão militar na fronteira ucraniana e realizando intensa atividade naval no Atlântico Norte, Mar Negro e Mediterrâneo Oriental, onde se tornou dominante. Ele também recruta mercenários na Síria e envia mil deles para o Mali, o que encerra a Operação Barkhane. Ele agora assume completamente para produzir efeitos ao agir.

Revue des Deux MondesPutin destaca intervenções ocidentais na Líbia, Iraque, Kosovo, Afeganistão para justificar as suas próprias. Ele está errado?

Thomas Gomart – Um colega russo me colocou desta forma: o crime atual da Rússia é simplesmente ter violado o monopólio ocidental sobre a violação do direito internacional. Os ocidentais travaram guerras pela mudança de regime, libertando-se quando lhes convinha do direito internacional. Esse argumento é admissível, pois mostra o impasse ao qual o intervencionismo ocidental conduziu. Estamos pagando as consequências da intervenção da OTAN na ex-Jugoslávia sem mandato da ONU. Nosso discurso e a legitimidade da ação ficam assim enfraquecidos.

A intervenção de 2011 na Líbia é um pouco mais sólida juridicamente, porque houve uma resolução do Conselho de Segurança da ONU, embora a Rússia deplore a ampla interpretação que foi feita dela. Basicamente, os russos consideram que o Ocidente lhes dá lições de governança quando eles mesmos recorrem ao intervencionismo e à mudança de regime, mesmo que isso signifique distorcer o direito internacional de acordo com seus interesses. Apontam – e para isso encontram eco em setores da opinião internacional – a hipocrisia ocidental, o que chamam de “duplo padrão”. […]

FONTE: revuedesdeuxmondes.fr

- Advertisement -

50 COMMENTS

Subscribe
Notify of
guest
50 Comentários
oldest
newest most voted
Inline Feedbacks
View all comments
Casemiro
Casemiro
1 mês atrás

‘Um colega russo me colocou desta forma: o crime atual da Rússia é simplesmente ter violado o monopólio ocidental sobre a violação do direito internacional. Os ocidentais travaram guerras pela mudança de regime, libertando-se quando lhes convinha do direito internacional.’

Perfeito.
E essa agora é uma das ‘vertentes’ da Nova Ordem Mundial.
Acabou o direito do Ocidente de invadir e depor regimes que não lhes agradavam.
Está acabando o monopólio sobre as fontes de riqueza que, agora, estão indo para o controle dos países orientais.
Que venha esse Novo Mundo!

César
Reply to  Casemiro
1 mês atrás
Casemiro
Casemiro
Reply to  César
1 mês atrás

Nem leu o texto, né?
O colega russo não é meu, é do autor acima.
Perceba que coloquei aspas para usar a citação de outrem.

Aí vc vai correndo no zap da família ver as ‘novidades’ ou aqueles textos que são mais rápidos que rastilho de pólvora.
Eita nós!

César
Reply to  Casemiro
1 mês atrás

Li sim. Aliás eu já tinha perguntado pra vc antes e tu não me respondeu. O trols russos recebem 500 libras por mês pra trolar e inventar perfis falsos lá na Rússia! E vc recebe quanto pra fazer a mesma coisa aqui? Responda agora então!

Marcelo
Marcelo
Reply to  César
1 mês atrás

Mesmo escondido pros traz de um nickname deveria sentir profunda vergonha de ser tão bobo.
Sem dúvida pessoas debochadas como vc tem problemas psicológicos e solidão …

Charle
Reply to  Casemiro
1 mês atrás

Colega, Casemiro. Nem mesmo quando um europeu ocidental produz uma análise um tanto quanto mais sensata, na medida do possível “isenta” da crise atual, mesmo assim, não darão o devido valor.

E isso ocorre somente pelo motivo de o analista, no caso um francês, não está endossando unicamente a argumentação ou ponto de vista dos EUA e ou de seus aliados.

Last edited 1 mês atrás by Charle
Bosco
Bosco
Reply to  Casemiro
1 mês atrás

Que ótimo. Havia só um valentão no bairro para extorquir a vizinhança, mas agora há dois. Perfeito! O bairro ficou menos seguro mas esse negocio de ser estuprado pelo mesmo valentão é muito entediante.

SQN…
A Rússia sempre fez a mesmíssima coisa desde os tempos dos czares e piorou quando era a URSS.

Casemiro
Casemiro
Reply to  Bosco
1 mês atrás

Em vez de ficar só lendo manuais de armas, leia esse artigo de um Professor de Oxford e veja se aprende algo útil.

https://www.yicaiglobal.com/opinion/tom.fowdy/america-gdp-drop-is-a-reality-check-for-the-global-economy

É recente.
Foi publicado ontem.
Infelizmente, eu não tenho o condão de mudar a realidade atual e muito menos a que se aproxima.

Marcelo
Marcelo
Reply to  Casemiro
1 mês atrás

Bingo!!!
Esse bosco é a prova cabal de gente que aparenta inteligência mas é desnudada de forma vexatória quando foge do Hobie de ler manuais …
Decepção eu tive ao ler as bobagens que este argumenta de forma tão rasa!

Bosco
Bosco
Reply to  Marcelo
1 mês atrás

Ui!

Andre
Andre
Reply to  Bosco
1 mês atrás

Outra diferença é que o valentão russo não está conseguindo extorquir nem o menino da casa ao lado…

Fabio Jeffer
Fabio Jeffer
Reply to  Bosco
1 mês atrás

Não tão pior quanto os hipócritas da Otan

Andre
Andre
Reply to  Casemiro
1 mês atrás

Deixa só a Russia conseguir vencer a poderosa Ucrânia que em poucos dias a NOM estará formada, indo de Lisboa até Vladvostok.

Com a nova tática de avanços para trás, logo os EUA se ajoelharão frente ao poder dos velhos t-72, su30, su-34, su-35, Ka-52, o caolho S400, sua esquadra de cruzadores submarinos…

Deixa só a Russia terminar a conquista de Donbass…mais uns 128 anos e tudo estará resolvido.

dfa
dfa
Reply to  Casemiro
1 mês atrás

É preguiça mental culpar o Ocidente por todos os males do mundo.

Ainda por cima a Rússia que desde Ivan, nada mais tem feito do que expandir-se a custa de outras nações.

Estima-se que os mongóis tenham matado 11% da população mundial na altura do seu Império, e quê?
Agora é justificativa para tudo, os erros de outras nações?
Não estou a defender os EUA, eu lembro bem das mentiras do Iraque.

Agora achar que um novo mundo sobre o comando da Rússia e China seriam melhore é pura insanidade.

Wellington jr
Wellington jr
Reply to  dfa
1 mês atrás

Concordo.
Minha tese é que o ser humano nasceu por natureza agressiva onde a paz é um período entre guerras, só vai parar de suprimir e agredir o semelhante quando encontrar um inimigo que una toda a humanidade.

Agressor's
Agressor's
Reply to  Casemiro
1 mês atrás

Sei que não há “mocinhos” no cenário geopolítico, mas os eua certamente são o maior vilão do mundo e o país mais responsável por atrocidades e guerras no planeta…

Marlos
Marlos
1 mês atrás

Duplo padrão concordo, basta ver os EUA que falou em agir caso a China militarize as ilhas salomão ” mas eles não estão defendendo o direito da Ucrânia entrar em uma aliança militar, porque as ilhas salomão não podem são soberano é um direito deles”. No meu entendimento a Russia está errada nessa guerra causam mortes e destruição, mas o mal maior é a OTAN única coisa que essa organização tem feito desde sua criação é fomentar guerras.

José Luiz
José Luiz
Reply to  Marlos
1 mês atrás

Princípio, “faça o que eu mando, não faça o que eu faço”, simples, ah não seja imparcial, não vale aqui; até que um dia, espero que nunca, tenhamos países questionando a nossa soberania, aí será tarde demais para “abrir os olhos”. Essa Guerra é totalmente sem sentido, porém tem verdades ocultas aí e muito jogo de interesses.

Marlos
Marlos
Reply to  José Luiz
1 mês atrás

Verdade!

Bruno Vinicius
Bruno Vinicius
Reply to  Marlos
1 mês atrás

Os EUA invadiu as Ilhas Salomão por causa desse acordo com a China? Não estava sabendo.

Last edited 1 mês atrás by Bruno Vinicius
Marlos
Marlos
Reply to  Bruno Vinicius
1 mês atrás

Invadiu não, no caso eles ameaçaram de tomar medidas caso a China militarize as ilhas.

Last edited 1 mês atrás by Marlos
Bruno Vinícius
Bruno Vinícius
Reply to  Marlos
1 mês atrás

Contanto que nenhuma dessas medidas seja contra a legislação internacional, não cabe a comparação com o que a Rússia está fazendo na Ucrânia.

Marlos
Marlos
Reply to  Bruno Vinícius
1 mês atrás

Eu penso que caberia por conta que as ilhas salomão tem soberania para decidir é o seu território assim como Cuba em 62 onde os Estados Unidos foi bem claro iam invadir caso não tirasse os misseis.

Bruno Vinícius
Bruno Vinícius
Reply to  Marlos
1 mês atrás

Eu acredito que as Ilhas Salomão tem a soberania para decidir o que fazer com seu território, da mesma forma que os EUA tem soberania para fazer pressão contra determinada política do país. O que não pode jamais ocorrer é que se vá contra o Direito Internacional (e os americanos erraram de maneira inaceitável ao fazer exatamente isso em 62).

Last edited 1 mês atrás by Bruno Vinícius
Marlos
Marlos
Reply to  Bruno Vinícius
1 mês atrás

Concordo, também acho que deve haver um respeito às normas internacionais por parte de todos os países principalmente as potências que teimam em não respeitar.

Rodrigo Martins Ferreira
Rodrigo Martins Ferreira
1 mês atrás

Parei de ler no re-emergente…

Rogério
Rogério
Reply to  Rodrigo Martins Ferreira
1 mês atrás

o artigo é bom.

Marcelo
Marcelo
Reply to  Rodrigo Martins Ferreira
1 mês atrás

A alfafa estava esfriando na mesa no café?!

Gabriel ferraz
Gabriel ferraz
1 mês atrás

Partindo do princípio básico da humanidade que somos uma só raça, estariam em tese matando seus irmãos e irmãs ,em uma guerra e no geral no ano de 2022 devíamos já ser racionais no ponto de evitar esse tipo de problema visto oque aconteceu nas décadas passadas. Nesse ponto condeno a invasão russa dado princípio que todo país deveria ser soberano em relação ao que se pretende fazer ou não. Mas por outro lado essa condenação em massa em relação a Rússia é justamente por invadir um país dito ocidental ,tá na cara que se fosse um país ocidental fazendo… Read more »

Last edited 1 mês atrás by Gabriel ferraz
Marcelo
Marcelo
Reply to  Gabriel ferraz
1 mês atrás

Vai pro fórum da ONU rapaz… ou fique no fórum da sua igreja ?

Alex Barreto Cypriano
Alex Barreto Cypriano
1 mês atrás

Texto ruim, não esclareceu como a guerra desvela nossas ilusões. Cervantes fez melhor: Don Quixote, que dizia ter nascido na idade do ferro pra restabelecer o brilho da era de ouro, morre depois de ser desiludido. Desilusão mata a alma, depois morre o corpo. De ilusão também se vive, e se mata, por certo. Qual a ilusão que te move?

Tadeu Mendes
Tadeu Mendes
Reply to  Alex Barreto Cypriano
1 mês atrás

O texto esta’ no minimo obscuro, e certamente tendencioso. A aventura atual da Russia, e’ produto de uma percpecao historica distorcidada da realidade. Alem do mais, nao foi a OTAN e’ quem saiu buscando socios, muito pelo contrario, foram paises do extinto guarda chuva sovietico e’ que buscaram refugio e protecao no escudo da OTAN. As barbaridades cometidas pelos russos dentro da Ucrania, nao se equivalem aos danos colaterais que ocorrem em qualquer conflito armado. O que se esta’ vendo, e’ um genocidio; uma limpeza etnica e crimes de guerra em nome do odio. Putin teme o Ocidente e se… Read more »

Last edited 1 mês atrás by Tadeu Mendes
Fernandonp
Fernandonp
1 mês atrás

A coisa mais fácil no mundo hoje é ser especialista. Antes da guerra ninguém dizia isso, Putin era o grande estrategista e a Rússia a maior potência militar da galáxia, Ucrânia cairia em dias, agora que deu merda os caras mudam o discurso e continuam fazendo pose de intelectual. É muita cara de pau.

Nilo
Nilo
1 mês atrás

“A ideia predominante na época era que a convergência econômica acabaria levando à convergência política””. O Brics sempre foi convergencia de interesses antes de tudo economicos, nunca foi um bloco pensado como Otan, sempre mantiveram sua suas respectivas independência geopolítico.
A verdadeira sensação de insegurança da Rússia está na cultura estratégica do país”. Me faz me lembrar do ditado: O chifre é uma coisa que só tá na cabeça do chifrudo.


Tadeu Mendes
Tadeu Mendes
Reply to  Nilo
1 mês atrás

Eu penso o seguinte: o isolacionismo, seja ele politico, religioso, racial, social ou individual, gera a paranoia. Tambem gera xenfobia dentro de um grupo, ou dentro de uma nacao que vive encerrado em uma bolha, somente para evitar ser contaminado pelo que nao se enquadra na sua visao de mundo.

dfa
dfa
1 mês atrás

A Invasão da Rússia a outros países não é de agora. Desde Ivan “O Terrivel” que a história da Rússia tem sido de expansão, e conquista de outras nações. Culpar o Ocidente tornou-se moda para justificar o injustificável. Que o Ocidente tem pecados toda a gente sabe, mas que eu saiba não há nação neste planeta que não tenha cometido “crimes” aos olhos da atual sociedade. Só o império mongol, estimasse que tenha matado 11% da população mundial, e quê? Vamos tomar isso como justificativa para alguma ação neste planeta contra outras nações? Que se negoceie uma paz, honrosa para… Read more »

Marcelo
Marcelo
Reply to  dfa
1 mês atrás

Os russos são ESLAVOS rapaz!!!
Santo Deus !

Zé lesqui
Zé lesqui
1 mês atrás

O ditador da KGB, saudosista da União Soviética, atacou um país pacífico e um povo inocente. Pode tentar torcer a verdade, fazer malabarismo retórico mas o fato é que o kremlin vem atacando a Ukrania desde 2014.

Luciano
Luciano
1 mês atrás

A nova ordem mundial está surgindo mesmo com a histeria do Ocidente. A otan não tem coragem de enfrentar a russia diretamente. Russia anexara até mesmo a Moldávia. Depois disto a Europa novamente comprará gas e petróleo russo barato, o tempo mostrará. Artigo bom.

dfa
dfa
Reply to  Luciano
1 mês atrás

Cara não diga bobagem…
A OTAN só não encara a Rússia de frente por causa da ameaça da guerra nuclear que significaria a destruição da vida neste planeta.

Em combate convencional nem precisa de por os EUA na conta.
França, Alemanha, Polónia, Turquia e Reino Unido seriam mais do que suficientes para enfrentar a Rússia em termos convencionais.

Last edited 1 mês atrás by dfa
Zabumba
Zabumba
Reply to  dfa
1 mês atrás

Deixa de ser mimado garoto de poltrona de sofa, desses países que você menciona para fazer frente a Rússia parece piada de bar. Se fosse o caso não tem a necessidade de manter a OTAN operacional.

Tadeu Mendes
Tadeu Mendes
Reply to  Zabumba
1 mês atrás

Sem os EUA, a OTAN teria dificuldades para combater a totalidade do efetivo da Russia; e por conseguinte, destruir completamente a maquina de guerra russa.

Nuclearmente, um ataque cojunto Inglaterra/Franca, seria suficiente para acabar com a Russia. Basta lembrar que a Franca e’ a terceira potencia nuclear do planeta.

Last edited 1 mês atrás by Tadeu Mendes
Tadeu Mendes
Tadeu Mendes
Reply to  dfa
1 mês atrás

A OTAN so nao encarou a Russia de frente, porque o Putin esta’ longe das fronteiras da OTAN.
Estao se preparando para iniciar a maior manobra militar conjunta desde os tempos da guerra fria. A OTAN esta’ se preparando para combater a Russia no teatro convencional.

Quanto ao nuclear, as balas ja estao na agulha ja faz algum tempo. Qualquer vacilada do Putin, e as portas para apocalipse vao se abrir rapidinho.

Estao todos em estado de prontidao. Quanto mais a Russia se atola, mais aumeta a instabilidade no TO.

Last edited 1 mês atrás by Tadeu Mendes
Avai2022
Avai2022
Reply to  Luciano
1 mês atrás

Está ficando feio demais…as inteligências russas e chinesas não agem como vocês … sabem que esta operação especial evidenciou a distância gigantesca entre o ocidente e eles.
Com certeza estão apavorados. Se um país de terceira categoria está colocando a toda poderosa Rússia de joelhos, imagina bater de frente com a primeira linha ocidental.
Taiwan mesmo deve estar aliviado demais.
Anexar Moldávia / Ucrânia / Taiwan se tivesse poder mesmo era soh uma telefonema do Putin ou Xi e resolvia … os caras com orgulho de anexar Moldávia !!!

Tadeu Mendes
Tadeu Mendes
Reply to  Luciano
1 mês atrás

O que esta’ surgindo e’ a nova desordem mundial. A Russia esta’ totalmente desmoralizada. Se bobear a Moldavia vai pedir protecao da OTAN.

Reinaldo Deprera
Reinaldo Deprera
1 mês atrás

Vossa Excelência, o Czar, Vladmir Putin deu uma esticada no rosto.
Só falta a boquinha de Angelina Jolie.

Save Ferris :mrgreen:

Maurício.
Maurício.
1 mês atrás

A Rússia falando dos crimes dos EUA ou os EUA falando dos crimes da Rússia é o “sujo falando do mal lavado”, mas por algum motivo, tem brasileiros que ainda defendem esses dois países…Mas, para o mundo ser mundo tem que ter de tudo, até capachos de países alheios que estão c@gando e andando para o Brasil…

Marcelo
Marcelo
Reply to  Maurício.
1 mês atrás

Bingo!!!
E não adianta argumentar com essa gente daqui….
Pior que se acham experts

Marcelo
Marcelo
1 mês atrás

Sem fui contra comunismo? Rússia , sistema rígido de controle da sociedade…. Maaaassss… O tal mundo globalizado virou um refrão pernóstico e arrogante de GAYZISMO FEMINAZZIS e vitiminhas que não gostam de estudar aquilo que realmente DÁ dinheiro na vida…depois colocam a culpa no branco de olhos azuis e hoje colocam a culpa em todos que tem uma condição melhor de vida. O globalismo de hoje se resuma a essa agenda … O que o ocidente tem de se meter nos usos e costumes do islã ?? “ Aaahh as mulheres oprimidas usam burka e são apedrejadas etc etc etc..”… Read more »

Gilson Elano
Gilson Elano
1 mês atrás

Extra, extra, extra
Lavrov exige que duas pautas, das quais a Rússia não abra mão, sejam trazidas a mesa de negociação.
1 – Fim das sanções econômicas contra o governo russo e pessoas físicas (tá abrindo o bico!)
2- O reconhecimento formal da não existência de crimes de guerra, contra os militares russos. (tá com medonho!).

Últimas Notícias

Stoltenberg: Diálogo amplo entre Rússia e OTAN não é mais possível

BRUXELAS, 27 de junho. /TASS/. A Otan e a Rússia devem preservar as linhas de comunicação, mas um amplo...
- Advertisement -
- Advertisement -