segunda-feira, junho 27, 2022

Saab RBS 70NG

Inteligência norte-americana ajuda Ucrânia a encontrar e matar generais russos

Destaques

Guilherme Poggiohttp://www.forte.jor.br
Editor da Revista Forças de Defesa

Os Estados Unidos forneceram informações que permitiram aos ucranianos atacar e matar muitos dos generais russos que estavam em ação na guerra da Ucrânia, segundo altos funcionários americanos.

Autoridades ucranianas disseram ter matado aproximadamente 12 generais na linha de frente, um número que surpreendeu os analistas militares.

A ajuda de direcionamento é parte de um esforço secreto do governo Biden para fornecer inteligência do campo de batalha em tempo real à Ucrânia. Essa inteligência também inclui movimentos antecipados de tropas russas obtidas a partir de avaliações americanas recentes do plano de batalha secreto de Moscou para os combates na região de Donbas, no leste da Ucrânia, disseram as autoridades. As autoridades se recusaram a especificar quantos generais foram mortos como resultado da assistência dos EUA.

Os Estados Unidos se concentraram em fornecer a localização e outros detalhes sobre a sede móvel dos militares russos, que se mudam com frequência. Autoridades ucranianas combinaram essas informações geográficas com sua própria inteligência – incluindo comunicações interceptadas que alertam os militares ucranianos sobre a presença de oficiais russos de alto escalão – para realizar ataques de artilharia e outros ataques que mataram oficiais russos.

O compartilhamento de inteligência faz parte de um fluxo intensificado na assistência dos EUA que inclui armas mais pesadas e dezenas de bilhões em ajuda, demonstrando a rapidez com que as primeiras restrições americanas ao apoio à Ucrânia mudaram à medida que a guerra entra em um novo estágio que pode se estender ao longo de meses.

O apoio de inteligência dos EUA aos ucranianos teve um efeito decisivo no campo de batalha, confirmando alvos identificados pelos militares ucranianos e apontando-os para novos alvos. O fluxo de inteligência acionável sobre o movimento das tropas russas que os Estados Unidos deram à Ucrânia tem poucos precedentes.

Desde que não conseguiu avançar sobre Kiev, a capital, no início da guerra, a Rússia tentou se reagrupar, com um impulso mais concentrado no leste da Ucrânia, que até agora se moveu lentamente e de forma desigual.

Autoridades entrevistadas para este artigo falaram sob condição de anonimato para discutir detalhes da inteligência classificada sendo compartilhada com a Ucrânia.

O governo tem procurado manter em segredo grande parte da inteligência do campo de batalha, com medo de que seja vista como uma escalada e provoque o presidente Vladimir V. Putin da Rússia a uma guerra mais ampla. As autoridades americanas não descreveram como adquiriram informações sobre o quartel-general das tropas russas, por medo de colocar em risco seus métodos de coleta. Mas durante a guerra, as agências de inteligência dos EUA usaram uma variedade de fontes, incluindo satélites exclusivos e comerciais, para rastrear movimentos de tropas russas.

Questionado sobre a inteligência fornecida aos ucranianos, John F. Kirby, porta-voz do Pentágono, disse que “não falaremos sobre os detalhes dessa informação”. Mas ele reconheceu que os Estados Unidos fornecem à “Ucrânia informações e inteligência que eles podem usar para se defender”.

Nem todos os ataques foram realizados com a inteligência americana. Um ataque no fim de semana em um local no leste da Ucrânia onde o general Valery Gerasimov, o oficial uniformizado de mais alto escalão da Rússia, visitou não foi auxiliado pela inteligência americana, de acordo com várias autoridades dos EUA. Os Estados Unidos estão proibidos de fornecer informações sobre os líderes russos mais importantes, disseram autoridades.

Mas a inteligência americana foi fundamental na morte de outros generais, reconheceram as autoridades.

Os Estados Unidos fornecem rotineiramente informações sobre o movimento de tropas e equipamentos russos e ajudam a Ucrânia a confirmar a localização de alvos críticos. Outros aliados da OTAN também fornecem informações em tempo real aos militares ucranianos.

O governo Biden também está fornecendo novos armamentos que devem melhorar a capacidade da Ucrânia de atingir altos oficiais russos. A versão menor do drone Switchblade, que agora está chegando ao campo de batalha, pode ser usada para identificar e matar soldados individuais e pode matar um general sentado em um veículo ou dar ordens na linha de frente.

Autoridades americanas reconheceram publicamente que os Estados Unidos começaram a fornecer inteligência acionável à Ucrânia no período que antecedeu a invasão da Rússia em 24 de fevereiro. Antes da invasão, por exemplo, agências de inteligência dos EUA alertaram sobre um ataque iminente ao aeroporto Hostomel, ao norte de Kiev. Isso permitiu à Ucrânia fortalecer suas defesas. As forças aerotransportadas russas foram incapazes de manter o aeródromo.

Embora as informações que os Estados Unidos forneceram à Ucrânia tenham se mostrado valiosas, generais russos muitas vezes se expõem a escutas eletrônicas ao falar em telefones e rádios inseguros, disseram atuais e ex-oficiais militares americanos.

“Isso mostra falta de disciplina, falta de experiência, arrogância e incapacidade de apreciar as capacidades ucranianas”, disse Frederick B. Hodges, ex-comandante do Exército dos EUA na Europa, que agora está no Centro de Análise de Políticas Europeias. “Não é difícil localizar geograficamente alguém em um telefone falando sem problemas.”

As táticas militares russas também deixaram os generais seniores vulneráveis. Uma hierarquia de comando centralizada e de cima para baixo dá autoridade de tomada de decisão apenas aos níveis mais altos – em comparação com a estrutura americana mais descentralizada que leva muitas decisões do campo de batalha para o pessoal alistado sênior e oficiais subalternos – forçando os generais russos a fazer viagens arriscadas para as linhas de frente para resolver problemas logísticos e operacionais.

“Quando há problemas, os oficiais generais têm que resolver”, disse o general Hodges.

Embora o governo continue cauteloso em inflamar Putin a ponto de ele aumentar ainda mais seus ataques – o presidente Biden disse que não enviará tropas americanas para a Ucrânia ou estabelecerá uma “zona de exclusão aérea” lá.

Algumas autoridades europeias acreditam que, apesar da retórica de Putin de que a Rússia está lutando contra a Otan e o Ocidente, ele até agora foi impedido de iniciar uma guerra mais ampla. Autoridades americanas estão menos certas e vêm debatendo há semanas por que Putin não fez mais para intensificar o conflito.

Autoridades disseram que Moscou tem seus próprios cálculos para pesar, incluindo se pode lidar com uma guerra maior, particularmente uma que permitiria à Otan invocar sua carta de defesa mútua ou entrar na guerra mais diretamente.

“Claramente, queremos que os russos saibam em algum nível que estamos ajudando os ucranianos nessa medida, e continuaremos a fazê-lo”, disse Evelyn Farkas, ex-funcionária do Departamento de Defesa da Rússia e da Ucrânia no governo Obama. “Vamos dar a eles tudo o que precisam para vencer, e não temos medo da reação de Vladimir Putin a isso. Não seremos auto-dissuadidos.”

Mas o compartilhamento de inteligência é considerado uma forma segura de ajuda porque é invisível ou, pelo menos, negável. A inteligência americana forneceu informações secretas à Ucrânia em uma ampla gama de áreas, desde movimentos de tropas russas até dados de segmentação, disseram autoridades.

No mês passado, os Estados Unidos aumentaram o fluxo de inteligência para a Ucrânia sobre as forças russas no Donbas e na Crimeia, enquanto as forças militares de Kiev se preparavam para se defender contra uma nova ofensiva de Moscou no leste da Ucrânia, disseram autoridades dos EUA.

“Há uma quantidade significativa de inteligência fluindo para a Ucrânia dos Estados Unidos”, disse o general Mark A. Milley, presidente do Estado-Maior Conjunto, a um painel a do Senado na terça-feira. “Nós abrimos as torneiras.”

FONTE: The New York Times

- Advertisement -

48 COMMENTS

Subscribe
Notify of
guest
48 Comentários
oldest
newest most voted
Inline Feedbacks
View all comments
Joe
Joe
1 mês atrás

E está sendo bem fácil. Kiev fica cada vez mais distante…

Agressor's
Agressor's
1 mês atrás

Não existe um conflito Rússia e Ucrânia o que existe é um jogo de interesses e a intenção dos Estados Unidos está em sancionar a Rússia e assim travar o crescimento econômico dela. O mundo é cinza, não existe heróis e vilões na geopolítica…

Terceira tá cada dia mais perto, ou já começou e ainda não foi nomeada!

Luis
Luis
1 mês atrás

Alem dos que foram mortos, ainda tem aqueles que estão pra lá de Bagdá como este que o Bruno Vinicios comentou em postagem anterior.

general 2.jpg
JuggerBR
JuggerBR
1 mês atrás

O oficial russo recebe a convocação pra Ucrânia e já atualiza o seguro de vida… Porque certamente vai precisar logo…

Luis
Luis
Reply to  JuggerBR
1 mês atrás

A fila tá andando.

fila.jpg
Nilton L Junior
Nilton L Junior
1 mês atrás

Matéria encomendada para os bots, quem saber onde os generais estão é só seguir o link.
https://youtu.be/XusFRsM-Lsg

LUIZ
LUIZ
1 mês atrás

Mesmo com essa ajuda dos EUA os russos continuam avançando no leste e no sul da Ucrânia. Continua destruindo a infraestrutura por onde entram armamentos leves e pesados. A ajuda dos EUA apenas prolonga a guerra e abastece os russos de armas ocidentais.

Joe
Joe
Reply to  LUIZ
1 mês atrás

O famoso avanço de ré. Kiev já caiu?

Carvalho
Carvalho
Reply to  LUIZ
1 mês atrás

Mais uma versão da “Rosa de Moscou”

Carvalho
Carvalho
Reply to  LUIZ
1 mês atrás

De tanto “continuar avançando”, já deveriam ter chegado a algum lugar, não lhe parece?

Luis
Luis
Reply to  LUIZ
1 mês atrás

Se você não é ele provavelmente é a sua alma gêmea, tal é a comunhão de pensamentos.

Reinaldo Deprera
Reinaldo Deprera
Reply to  LUIZ
1 mês atrás

É o que dá pra fazer. Avançar para trás, onde os suprimentos demoram mais para chegar e ficam mais expostos a serem interceptados por bloqueio terrestre. Só que os suprimentos estão chegando, e ao mesmo tempo, uma força enorme está descansando e se preparando para um contraofensiva para o leste afim de romper a linha Kharkiv-Odessa e retomar locais como Mariupol. É claro que, quando a contraofensiva começar (questão de 1 ou 2 semanas), os russos estarão deixando o leste da Ucrânia por algum motivo qualquer. Não será porque azedou para os russos, é porque haverá algum motivo especial para… Read more »

Dario
Dario
Reply to  LUIZ
1 mês atrás

Tem razão, o Da Lua tinha um domínio melhor da língua portuguesa.

Adriano Madureira
Adriano Madureira
1 mês atrás

Os eua ajudarem militares Ucranianos a matar generais russos não pode abrir um precedente perigoso, até para eles mesmos?

Hcosta
Hcosta
Reply to  Adriano Madureira
1 mês atrás

Não, até porque havia prémios pagos pelos Russos para quem matasse soldados Americanos em vários conflitos.

Luis
Luis
1 mês atrás

Chora neném.

nenem.gif
Carvalho
Carvalho
1 mês atrás

Acho que o Exercito russo não perde muita coisa com isso….

Nicolas_SS
Nicolas_SS
1 mês atrás

Falando nisto, quantos generais a Rússia tem? Lembro que há uns anos atrás a Venezuela tinha mais de 2 mil, kkkkk. Será que na Rússia deve ser algo próximo?

Maurício.
Maurício.
Reply to  Nicolas_SS
1 mês atrás

Todo país corrupto costuma ter vários “estrelados” ou como dizem, “tem muito cacique para pouco índio.” Na Rússia deve ser assim também.

ROliveira78
ROliveira78
1 mês atrás

Virou CONSOC da OTAN

Bruno Vinícius
Bruno Vinícius
1 mês atrás

Os americanos estão cutucando para provocar uma agressão russa justificando uma intervenção militar direta no conflito? A parte final me pareceu um pouco isso.

Henrique
Henrique
Reply to  Bruno Vinícius
1 mês atrás

Desde o início, aliás …desde antes do inicio. Criaram uma situação onde a Russia entrou sem um bom planejamento e achando que “mostrar” força bruta intimidaria os ucranianos, mas sua inteligência falhou feio em ver que a ajuda à Ucrânia estava em amplo espectro. O problema da coisa ficar descarada e “midiática”, com cada um querendo estufar o peito para dizer que é mais F.. que o outro é o camarada do Kremlin apelar de vez quando ver que a coisa não vai sair desse atoleiro. Não me surpreenderá também se começarem a cair alguns satélites daqui a pouco, e… Read more »

Bruno Vinícius
Bruno Vinícius
Reply to  Henrique
1 mês atrás

Aí eu vou ter de discordar. Se a China derrubar satélites americanos estará cometendo um ato de guerra e colocando toda a sua economia em risco. Os Chineses só tem a perder dando ajuda militar para a Rússia. Inclusive, vou além, uma derrota Russa interessa a China mais do que uma vitória.

Last edited 1 mês atrás by Bruno Vinícius
Henrique
Henrique
Reply to  Bruno Vinícius
1 mês atrás

Bruno, não disse que a China derrubaria mas de alguma forma ajudaria pois a ela interessa ambas as partes enfraquecidas. EUA enfraquecidos são uma boa oportunidade para aporte chinês às empresas e infraestrutura americana, mais do que já estão fazendo.

PACRF
PACRF
Reply to  Henrique
1 mês atrás

A China enriqueceu comprando e vendendo (principalmente) para o ocidente. Essa é a razão para ficar quieta, como está, nesse conflito. Afinal, seria uma estupidez se envolver ficando ao lado da Rússia e contra seus próprios “clientes”.

Augusto l
Augusto l
Reply to  Bruno Vinícius
1 mês atrás

A Rússia não tem muito o que fazer, se já não dão conta da Ucrânia imagina os outros exercícios europeus mais ricos.

Unica coisa seria as nukes mas a Otan tbm tem. Resumindo eles estão sem muita saida

paulof
paulof
1 mês atrás

Achei duas notícias curiosas, venho aqui tem amis essa, mas as que vi o governo do Canadá considera indenizar famílias ucranianas com dinheiro apreendido da Rússia, vindo de quem me surpreende, o influxo de ucranianos fugindo da guerra já começa a fazer governos sempre pró-saídas diplomáticas com a Rússia a endurecer o discurso. Outra é uma melhora da moeda da Armenia advinda por russos procurando refugio para seu dinheiro, isso que chamo de desespero.

Zabumba
Zabumba
1 mês atrás

O povão gosta de manchete…é ludibriado discute com sabedoria da causa pelo que ouve e lê… não importa de qual meio veio essa informação …acreditando em suas crenças e afirmações…até se deparar que suas conclusões foi motivada por manipulação no meio em que vive. Tô fora!

PACRF
PACRF
Reply to  Zabumba
1 mês atrás

Principalmente se a informação é disponibilizada pela mídia “chapa-branca” da Rússia.

Zabumba
Zabumba
Reply to  PACRF
1 mês atrás

É fácil achar adpto de ouvinte da Globo News.

Zezão
Zezão
1 mês atrás

[OFF] Há relatos não confirmados de algumas fontes ucranianas de que o navio da Marinha Russa Admiral Makarov, que é uma fragata da classe Almirante Grigorovich operando no Mar Negro, foi atingido por mísseis antinavio ucranianos na costa, até agora não há confirmação.

https://twitter.com/sentdefender/status/1522349841807986688?s=20&t=PT5x8Bd_xYbHnR2qgEyp2w

Admiral Makarov2.jpg
Marcos10
Marcos10
Reply to  Zezão
1 mês atrás

Em sendo verdade, mostra que os russos não tem domínio aéreo nem naval.

JORENE
JORENE
Reply to  Zezão
1 mês atrás

Afundov

gordo
gordo
1 mês atrás

Nada de novo, argentinos recebiam informações dos soviéticos durante a guerra das Malvinas. A relevância dessa informação se dá nas entrelinhas, mostra o quão a sério os EUA estão levando o conflito e seus desdobramentos. Isso aí não é um conflito na África ou OM, está bem acima em importância e o resultado define muita coisa, inclusive o futuro da Rússia. Pobre povo Ucraniano.

Jefferson Ferreira
Jefferson Ferreira
1 mês atrás

O EUA já está diretamente na guerra… é que a Rússia não tem força para contra atacar, isso é um fato! Problema que essas coisas podem escalar muito rápido e sair do controle arrastando quem não tem nada haver para um guerra estúpida

JORENE
JORENE
1 mês atrás

Isso me lembra a grande caça ao pombo (ou urso se preferirem)…..

Munhoz
Munhoz
1 mês atrás

A OTAN pode derrotar a Rússia ou criar um monstro, pois quanto mais difícil mais experiência a Rússia ganha, uma guerra é a melhor escola militar do mundo infelizmente!
Quer queira ou não os Russos estão avaliando seu equipamento e suas capacidades além de avaliar a capacidade de inteligência da OTAN !

Heinz Guderian
Heinz Guderian
Reply to  Munhoz
1 mês atrás

E a OTAN não estão fazendo isso tbm?
Observe a quantidade de aeronaves de vigilância próximas a Ucrânia, suporte de inteligência, e tudo mais.
Vão ganhar experiência ser perder um único soldado.
Do ponto de vista moral, acho errado.
Mas mais errado ainda foi a Rússia atacar a pobre Ucrânia, quem vai sair dessa guerra com muito mais experiência vai ser os ucranianos.
Até porque a Rússia não está enfrentando um país tão forte assim, nem caças tem mais, Helis… Pode ter um ou outro, mas que não vai fazer a diferença numa virada da guerra.

Munhoz
Munhoz
Reply to  Heinz Guderian
1 mês atrás

Eu particularmente não tenho lado, porem eu avalio de outra forma, os russos estão nesse momento enfrentando a guerrilha mais preparada, armada e orientada do mundo !
Os EUA já esgotaram seu estoque de misseis portateis estão colocando satelites e aviões além de sistemas portateis de comunicação etc
Fora a internet via satelite etc
Eu só acho que devemos avaliar melhor o que esta acontecendo !
Achar que os russos não sofreria baixas, e que iriam dominar facil um exercito de uma ex republica sovietica com 600 mil homens, principalmente depois do que enfrentaram na Techenia é muita ingenuidade !

Heinz Guderian
Heinz Guderian
Reply to  Munhoz
1 mês atrás

Pois é, ingenuidade dos vários boots que aqui comentam e tu sabe muito bem quais são. Na verdade até alguns que não são boots, acreditavam que a Rússia ia esmagar a Ucrânia e que Kiev ia cair em 3 dias, até o próprio Lukashenko afirmou isso. Pelo visto a Rússia ou subestimou demais seu inimigo (o que é um erro crasso) ou não é tudo que pensávamos. Os Ucranianos sairão com muito mais experiência dessa guerra, estão lutando contra a segunda maior potência militar do mundo, que tem equipamentos superiores. A Ucrânia sem força aérea, sem Marinha. Só com pessoal… Read more »

Rodrigo Martins Ferreira
Rodrigo Martins Ferreira
1 mês atrás

a surpresa é admitirem tão rápido..

As ameaças do Putin, não assustam mais ninguém.

Agora ja começaram a passar o babão na cara dele, sem dó..

César
Reply to  Rodrigo Martins Ferreira
1 mês atrás

Estão tão ¨assustados¨ que repelem sem dó tudo quanto é ataque do agora ex formidável exército russo!

Hcosta
Hcosta
1 mês atrás

E os nazis são os Ucranianos…

César
1 mês atrás

Ué, e já não estão matando ucranianos? É bomba e míssel caindo em hospitais, casas de civis e várias outras covardias!

Erick Barros
Erick Barros
1 mês atrás

Então, por que os EUA não ajudam a identificar também os coronéis, capitães, sargentos e soldados?
Talvez assim consigam parar a perda de territórios, soldados e equipamentos.
Mais um papo furado da imprensa americana

Pablo Maroka
Pablo Maroka
1 mês atrás

O saldo está muito negativo então pelo numero de pessoas mortas pelo russo nessa ação desastrosa.

Claudio
Claudio
1 mês atrás

O blog passou a ser parcial de mais

Sagaz
Sagaz
Reply to  Claudio
1 mês atrás

Na segunda guerra estaria falando isso também? Novamente temos uma tirania atacando democracias, lá na segunda guerra estaria reclamando de alguém alfinetando Hitler?

Últimas Notícias

Stoltenberg: Diálogo amplo entre Rússia e OTAN não é mais possível

BRUXELAS, 27 de junho. /TASS/. A Otan e a Rússia devem preservar as linhas de comunicação, mas um amplo...
- Advertisement -
- Advertisement -